setembro 11, 2005

O Fim do Principio

Durante os últimos meses e mesmo anos, estive perdido.
Nunca soube qual era o meu lugar, ou o que representava para outros.
Continuo sem saber.

Ao não saber onde me enquadrava, não sabia dar nem receber!
Nem amar, nem odiar;
Não sabia viver!

Então houve uma pessoa que me amou, se apaixonou por mim...que fez coisas por mim que não merecia, e que fez outras que não merecia!

Em compensação, a minha perdição fê-la perder-se! Magoei-a mais do que o amor permite, sem nunca a ter traído.
Fui cruel como só uma criança pode ser.

E ela não o merecia!
Não a compreendi quando precisou, não a apoiei quando era preciso. Não estive para ela!
Esses são os pecados que me vão assombrar até ao dia em desaparecer desta terra.

Nesta perdição, apesar de tudo amava-a, desejava-a e nunca pensei noutra mulher com qual cumprir os meus sonhos...

Houve muitas pseudo-paixões na minha a S..., a D..., a P... e a R... só para dar alguns exemplos.
Mas nunca quis partilhar com elas os meus sonhos, nem nunca as amei...
Mas desejei-as muito, como se fossem e a minha salvação.

Acabei por na minha insegurança por dar ouvidos a outros e não ao meu coração...

Agora M..., encontrou alguém que fez amar de novo...
Fico feliz por ti!
E triste...porque queria ser eu...

Nunca assumi um compromisso contigo... sempre à espera de um certeza sobre nós, ou sobre mim...
Nunca quis assumir nada por medo de falhar...em algo em que não se falha...
Nunca assumi que a felicidade é algo que se luta por, não que nos é oferecida.

Agora para mim é tarde de mais para aperceber-me disto...
Por que não creio voltar a ter-te no meu caminho.

E é agora na minha última hora que descubro que te amo...
E descubro a razão pela qual tenho andado perdido...

Ao aceitar o que sou, aceitaria toda a minha existência e tudo o que sinto por ti...
Não encontraria a felicidade de mão beijada, mas encontraria um caminho...

Assumo minha culpa:
Falhei no amor: por não te ter sabido amar, nem ouvir o coração.
Falhei como teu namorado, porque nunca soube corresponder ao teu carinho!
Falhei como teu amigo, porque sinto que nunca te ajudei quando precisaste!
Falhei como pessoa, porque te menti, e menti a tantas outras pessoas sobre o que sinto!

Para mim este é mesmo o fim do princípio...
E que vai ter um desenvolvimento...
Fui demasiado cobarde para viver...

A todas quantas menti, peço desculpa!
A ti peço-te perdão!

Com amor,
Ao meu amor

M.

Publicado por emigas em 07:48 PM | Comentários (1374)