dezembro 20, 2004

Existencialismus....

Mais um reflexão existencialista...

Devia arranjar outro assunto, género Politica!
É isso...óptimo assunto, bastante interessante...
Nah..demasiado gasto...

Ok! Vou falar de mim...

No passado dia 15 de Dezembro fui para o jantar do gabinete onde trabalho em conjunto com uma outra agência onde trabalho...

Não queria ir e até ao último minuto, até mesmo no momento antes de me sentar, estava com uma vontade de estar aturar os outros tipos...que nem vos conto.
Just for the record, nem para os meus colegas, tinha paciência!

Estava no vai, não vai e.... vi uma mulher, a mulher!

Essa mulher naquele momento era a mais bela aparição que os meus olhos já tinham visto...
Acreditem que no que toca a ver eu sou um ás....
Tocar é outra história!

Naquele momento em que ela me cumprimenta, ou mesmo antes (quando a vi), já estava desfeito aos pés dela!

Das duas uma, ou eu olhava para uma criatura divina, ou então, a falta de namorada está a começar a ter um efeito nocivo!

Naquele momento esqueci tudo o que me afastava...

Queria saber coisas dela, sobre ela...

Ela tinha uma personalidade forte, decidida, capaz e dinâmica!

Ela sabia o que queria...

Houve olhares trocados, algumas palavras...o suficiente para mim...
Tentei de forma singela, indicar-lhe o bar para ia a seguir... na esperança de que ela lá fosse ter...mas não foi...

No dia seguinte descobri qual o e-mail dela, recorrendo aos recursos do gabinete!

Enviei-lhe um e-mail e ela respondeu no dia seguinte, de forma simpática, mas distante...o suficiente para saber que...

Já havia comentado no fim do jantar com um colega: “Com a minha sorte deve ser casada e com filhos!”

Se bem que nenhum desses factos fosse exactamente um obstáculo intransponível...
Era apenas uma forma de dizer:
“Po..a, lá fiquei caído por mais uma que nada vai querer ter a ver comigo!”

Oops! I’ve done it again!

O meu problema é que por mais fantástica que ela seja, sem que esta paixão seja alimentada ela vai acabar por desaparecer nos tempos...

E eu vou continuar a dizer: Estou sozinho!

Que lição devo tirar:

Que não tenho nem sorte com as mulheres nem ao jogo?

Que o meu destino cruel é ficar sozinho?

Que terei de estar com alguém que goste menos, para cumprir o que julgo ser o meu destino?

Que irei cumprir o meu destino, fazendo o que ninguém tem coragem, que é de ficar só, num mundo onde as pessoas se enganam constantemente com as palavras “Amo-te”!

Ou será que não devo desistir de procurar, porque aquela mulher que constitui a outra face desta moeda está por aí?

E será que a J...a é essa mulher?

Ou será que tem outro nome?

Ou simplesmente o jogo ainda não acabou?

Seja como for, sinto que esta mulher é um punhado de areia nas minhas mãos, escapa-se por entre os dedos, mas deixa um rasto que não posso ignorar!

A Última Esperança dos Condenados, é não terem Esperança!
(Una Salus Victus )

Publicado por emigas em dezembro 20, 2004 09:47 PM
Comentários