dezembro 15, 2003

Master and Commander: The Far Side of the World

A Guerra na Europa está a ganhar novos contornos... Napoleão domina quase toda a Europa Ocidental, com a excepção de uma península no sul e a Grã-Bretanha!
E a Royal Navy quer manter a sua Ilha fora do domínio francês...

“Audaces Fortuna Juvat” - "A Sorte protege os Audazes"

A missão da Fragata HMS Surprise é a de interceptar e ou afundar a Fragata Francesa Acheron, no Atlântico Sul, perto da costa do Brasil!

A HMS Surprise é comandada pelo Capitão Jack Aubrey (Russel Crowe) – cognominado de “Lucky Jack” de acordo com a tripulação, pela sua audácia e destreza, mas também pela sua sorte.

Mas essa missão, vai provar ser mais difícil do que o antecipado.

A Fragata Inglesa conta com 28 canhões contra 44 do Acheron, além do navio francês ser mais rápido e ter o dobro da tripulação!

Mas não é sua pretensão recuar perante um inimigo aparentemente invencível.

A Fragata Francesa é de construção americana, sendo mais rápida, mais bem armada, capaz de atingir alvos fora do alcance dos canhões Ingleses e mais resistente (Uma vez que se segundo a descrição dada esta pertence à mesma classe do USS Constitution, o “Old iron Sides”.

Esse navio recebeu essa alcunha, porque as balas de canhão inglesas, durante a Guerra de 1812 faziam ricochete quando embatiam no casco do navio.

Fora este pormenor histórico, o filme é quase um documentário sobre a forma com os marinheiros do início do Século XIX viviam e como a arte da guerra naval se desenrolava.

É também uma história de como a determinação poderia superar a superioridade tecnológica.

En Passant, refiro a paragem do HMS Surprise nas Ilhas Galápagos, onde se começa a desenhar um certo Darwinismo no seio de alguns tripulantes mais iluminados (como o médico de Bordo, ou o mais jovem oficial do navio, com os seus 12 anos), uma vez que começam a pôr em causa os conhecimentos herméticos da época, contrapondo-os com uma observação cientificamente empírica.

Um bom filme, longo, mas que vale a pena pelos pormenores de época, pelo desenrolar da história, mas sobretudo pelo com os discursos supostamente lamechas, feitos pelo capitão, que acredito estarem próximos do pensamento da época (mas posso estar enganado)!

Publicado por emigas em dezembro 15, 2003 09:07 PM
Comentários