novembro 07, 2003

Liga de Cavalheiros Extraordinários

Fui com um amigo, na passada terça-feira, ver a Liga de Cavalheiros Extraordinários, filme co-produzido e protagonizado por Sean Connery.

Esse grande actor e ícone para muitos, faz o papel de Alan Quartermain, aventureiro, já velhote, desiludido com a sua vida e com as suas façanhas , que tão caro lhe saíram...

O filme, baseado numa banda desenhada, junta no ecrã para além de Alan Quartermain, também Tom Sawyer, Dorian Gray, um homem Invisível, Uma vampira, o Capitão Nemo, Dr. Jekill e Mr. Hyde, mais uma personagem mistério.

O filme embarca numa atmosfera de banda desenhada, respeitando a sua origem, toda a atmosfera, embora fantasiosa, é realista. O submarino do Capitão Nemo, o Nautilus, é fantastico, genial, mesmo.

Um dos pontos de aparente fantasia é a avançada tecnologia que surge durante o filme.
O filme passa-se durante o ano de 1899, mas a tecnologia que surge no filme, usada essencialmente pela personagem mistério, só irá surgir entre 20 e 40 anos depois.
Mas verdade seja dita, a imaginação era o limite na altura e é o limite neste filme

Em termos de argumento, de contextualização de época filme mostra-se aceitável, tendo em conta que vive de uma atmosfera sombria, de uma planeta onde tudo é ainda longe demais.

De qualquer forma é um filme de imaginação, com imaginação.
Embora o tenha achado um pouco violento demais, já vi pior e também melhor.

E no fundo é um filme de acção, embora disfarçado de um de aventura e de espionagem, imbuindo de alguma filosofia, sempre com o objectivo de salvar o mundo dele próprio.

Ainda não recomendo, nem o deixo de recomendar, pois acho que tenho de o ver, outra vez, desta feita numa sala de cinema “Comme il Faut” , algo impossível desta vez nos cinemas Lusomundo do Centro Comercial Vasco da Gama, pois o som do filme esteve repleto de problemas, algo que não espero vir a repetir-se !

Nota: 5,9\10

Publicado por emigas em novembro 7, 2003 01:04 AM
Comentários