outubro 26, 2003

Crueldade Intolerável

Mais uma noite, mais um filme.
Um bom filme, diga-se em boa verdade!

Fui com uns amigos ver este "Crueldade Intolerável", um filme com George Clooney e Catherine Zeta-Jones, realizado e produzido pelos irmãos Cohen.

É uma fascinante sátira o mundo legal e social Norte-americano, ridicularizando os novos-ricos (moralmente e não só), seres vazios de espírito e de existência, cuja riqueza monetária advém, não do trabalho, mas da exploração da boa fé de outros.

É uma viagem de descoberta, onde duas personagens implacáveis na perseguição dos seus objectivos acabam por perceber que a sua existência é vazia e sem vida!

É uma falsa existência onde o que ganham, é a sua perda!

Clooney faz o papel de um advogado especializado em separações litigiosas, enquanto Zeta-Jones é uma futura divorciada, que arranja um argumento de peso (a infidelidade do marido) para extorquir as posses deste.

O advogado Clooney vence o primeiro Round, deixando-a na pobreza e radicada num clube de mulheres que enriqueceram rapidamente com os divórcios e que levam uma existência vazia, e sem propósito outro que preservar a aparente riqueza.

Zeta-Jones, engendra um plano de vingança contra o nosso advogado, mas que, por diversas circunstâncias, acaba por resultar, e falhar!

No fundo a história é a mesma de sempre: “O amor vence todas as barreiras”, “All you need is love”, “O amor é a única boa razão para viver!”
O filme é divertido e cruel!
No meio do desespero das personagens rimo-nos como se não houvesse amanhã!

A caricatura social é acirrada!
Todos têm um papel definido e definidor!

Saímos do filme a sentirmo-nos bem.
Sentimo-nos esperançados!
Sentimos que talvez nos possa acontecer algo assim, tão bonito (embora sem a "Crueldade Intolerável").

A grande lição que se retira deste filme é: "Quando julgares que ganhaste tudo, então é porque perdeste o que mais importava!"

Nota: 7,7/10

Publicado por emigas em outubro 26, 2003 02:21 AM
Comentários