outubro 05, 2003

Que Grande Confusão vai nessas Cabeças

Os piores alunos entram em medicina, os homens choram e as mulheres começam a comportar-se como "machos latinos"!
Algo está mal!
Penso eu de que!

Uma geração de meninos e meninas da mamã!
É o que somos!

Os filhos tornaram-se algo tão precioso, que os pais os estragam com mimos.
Choram, esperneiam e lá lhes fazem as vontades.
Isto aplica-se tanto aos que têm dez como aos que têm quarenta anos!

O mito criado de que os homens são bebés crescidos é um resultado disso.
No fundo, estamos habituados a ser tratados como crianças e a fazerem-nos todas as vontades.
Mas desenganem-se as mulheres, que em nada ficam atrás dos homens.
Se uns, crianças são, os outros idem aspas.

O mundo pertence às crianças, só esperava que tivessem menos de 15 anos!

Todos nos comportamos como crianças e no entanto enchemos mutuamente os ouvidos com palavras como Adulto/a, Amadurecido/a, Infantilidades, etc, na vã esperança que tenham mais substância que conceitos abstractos, como liberdade (Existe, ninguém a consegue efectivamente definir senão pela sua oposição).

Todos acabamos por seguir os nossos caprichos!
Quero aquele carro, aquele homem/mulher, aquele casaco, telemóvel, lata de Coca-Cola e ficamos chateados, incomodados, egoísta e egotisticamente, se não conseguirmos o que queremos!
E se o conseguirmos, não lhe iremos dar o devido valor. Iremos desprezar os bens preciosos, pessoas preciosoas que nos rodeiam!
Inevitávelmente perdemos os objectos de desejo!

Então, choramos baba e ranho como verdadeiras crianças que somos!

Mas será chorar, atributo apenas de crianças?
Qual é o mal de chorar, de libertar as nossas mágoas?
Não será adulto, o que chora sabendo porquê?
O que chora por algo que o ultrapassa?
Ou ser sensível à presença de outros e compadecer-se com o sofrimento?
Não será ter a capacidade de verdadeiramente amar, imaginar, sofrer, de perguntar e de aguentar a resposta?
Não será um sinal de maturidade perguntar as perguntas para as quais não temos a resposta?

Se assim fôr, existem muitos adultos, felizmente!

Nós, os outros, negamos a nossa própria capacidade de imaginar, sonhar, de amar, de ingenuidade no fundo a nossa boa fé nos outros e em nós próprios!
No fundo somos uma espécie, o Homo Sapiens Sapiens, que julga muito saber e que ainda não sabe o suficiente!

Já agora, não serão as guerras senão enormes caprichos de pessoas que nunca viram o sangue derramado nos campos de batalha?

Ou será que as guerras no Médio Oriente, não são caprichos de crianças?

Penso que só mesmo crianças não se aperceberiam dos enormes custos que essas brincadeiras implicam!

É verdade!
O mundo pertence às crianças!

Por isso, é urgente crescer!

Publicado por emigas em outubro 5, 2003 10:50 PM
Comentários