setembro 28, 2003

O Dia

Este poema é a segunda parte de um trilogia, que começa com "A Noite"

O Dia

Também se vive.
Também se nasce.
Mas não há um sol da meia-noite.
Não há suspiros, pelo menos de amor.

Não há surpresas.
Mas há escuridão…
Escuridão de uma rotina inumana
Em que vivemos, sem viver…

Mas entre a escuridão, há luz:
Cada rosa que vemos reviver,
cada criança que sorri e brinca.
Cada intervenção divina a que chamamos ajudar
E o Sol, o simbolo de vida e de calor.
Mas de um calor frio, inóspito,
sem que nele haja amor.

É vida sim, é morte também;
Mas difere da noite,
Porque de dia vemos,
e de noite ignoramos.


M.Lima

Publicado por emigas em setembro 28, 2003 03:12 PM
Comentários