janeiro 30, 2005

Sonho
Vivido
Não físico
No entanto real
Ele fala comigo
Diz-me o que eu digo
Sobre o dia por vir
Viro-me, fecho as janelas
Corro pelas frestas
Rumo ao infinito
Bancos de areia
Nuvens e poeira
Amontoam-se em novo mundo
Atmosfera rarefeita
Busca consistência
E subsistência…


Publicado por sc em 09:02 PM | Comentários (0)

As tuas lembranças rodopiam
Sobre o vento que amacia
A bacia onde a sabedoria
Se banha em cola
Que tudo entrelaça
O chamado enlaço
A matriz, a verdadeira
E única meretriz
A vida, o sonho, o acordar
Reparar no ajeitar
Que provoca o criar
Do amar, voltar a recordar

Publicado por sc em 08:59 PM | Comentários (0)

janeiro 24, 2005

Em dia de tempestada...

o mar esperneia ondas de paixão e redenção.
Ondula ao sabor da lua, salta como que se a tentasse agarrar.
Será que ela outrora foi sua?

Publicado por sc em 11:05 AM | Comentários (0)

Visualizar:

Imaginem que o universo é um útero. E lá dentro estão milhares de gémeos unidos por cordões umbilicais feitos de energia.

Publicado por sc em 11:03 AM | Comentários (0)

O Unus Mundus - Blog fez anos no dia 21 d janeiro, c/o é logico eu esqueci.me. mas pronto, lool. Eia parabens a mim. AHAHAH E aos que tiveram a paciencia de o ler. :D Em cima deixo os 1º post do Unus Mundus - Bolg

Publicado por sc em 10:59 AM | Comentários (2)

janeiro 23, 2005

ESCRAVOS DO DESEJO
[Adolfo Luxúria Canibal / Carlos Fortes]

Dói-me a Alma
Na indecência da cidade
Fogaréus de mácula
Em cenários de fausto
Arrepiada nudez
De corpos contrafeitos
Dói-me a Alma
Dói-me a Alma
Dói-me a Alma
Dói-me a Alma
Na elipse do fim
Arco-íris quebrados
Na demanda do vinho
Perdidos olhares
De insana comiseração
Dói-me a Alma
Dói-me a Alma
Dói-me a Alma
À Guerra! À Guerra!

Publicado por sc em 10:09 PM | Comentários (0)


"Zé Povinho" - R. Bordalo Pinheiro

Pois, nda mudou... continuamos na mesma, de mãos nos bolsos...

Publicado por sc em 09:59 PM | Comentários (0)

janeiro 17, 2005

Amanhecer na tua retina
Enroscada em lamurias vãs
O calor do teu corpo dormente
Chama o sexo adormecido
Fugaz toque acetinado
Suspiro abandonado
Aglutinado na minha retina…

O céu como palco,
O cometa desliza
Pelo verde que outra hora fora azul
Como uma estrela apressada,
Vinda de outro tempo
De outra dimensão
Com regras diferentes
Será a sua colisão
O palco onde se dá o
Choque de realidades?

Tecer quarteirões com os pés
Descrever o q se julga sentir
Fragilidade e muitos dades
Com algo anexado
Remetem circulares
De pensamentos endiabrados
Carrosséis de papoilas escarlates
Combatem nuvens espartanas
Pela posse da terra do nunca
Boneco de neve
Parido por uma avalanche
De estrelas cadentes…

Publicado por sc em 10:53 PM | Comentários (2)

janeiro 16, 2005

Publicado por sc em 07:13 PM | Comentários (16)

...

Reprimir a voracidade do sentir
Frieza
Mar encrespado
Abobada protectora
Orgulho
Capa automática
De quem perdeu a fé
Introversão da dor
Cinza mesclada
Véus de chapa prateada imperceptível.

Publicado por sc em 06:57 PM | Comentários (0)

janeiro 02, 2005

Acender o cigarro com a borracha, escrever palavras sem sentido mascaras de sentimentos não resolvidos.

Publicado por sc em 09:29 PM | Comentários (0)

i´m just like a star, beautiful from this far.

Publicado por sc em 09:28 PM | Comentários (0)

O sofá chama por mim, embala -me, deixo-me deslizar pela seda do meu sonho, serpenteio com o tic tac das emoções, a velocidade decresce, caio em mim, mergulho, nado, vagueio no teu pensamento. Furacão de emoções, ladainhas, murmúrios, gemidos contorcidos enlouquecidos esvaídos por correntes apaixonadas. No sonho, sempre que a lua muda o tempo muda, sempre que o mundo gira o destino abraça o impossível. Pensamentos enleados, escorregam de um lado para o outro, correm, saltam, multiplicam-se, movem-se, em grupos de conceitos. Imagens caminham pelo o vale do meu ser, ao luar. O teu vazio consome todo o meu amor. Príncipes, amores perdidos ao vento. Ofuscante amanhecer, chama ardente, enleada para sempre. Abraçar tudo tal como o impossível. Amor, amor, amor, amor, amor, amor, Amor, amor, amor, amor, amor, amor. Harmonia. Harmonia. Harmonia. O calor do sentimento de segurança. O pincel saltita por cada poro do corpo, enaltecido por brasas apaixonadas. Correntes marinhas, remoinho espigado, vaga incerta, movimento atroz, cidade feroz, horizonte aguado, emaranhado, abelhinhas, montanhas, circulação do tempo em movimento. Rasgar a tela, que nos oculta o olhar.

Publicado por sc em 09:19 PM | Comentários (2)

janeiro 01, 2005

Bom Ano :D *

Publicado por sc em 08:00 PM | Comentários (0)