« julho 2004 | Entrada | setembro 2004 »

agosto 31, 2004

FREGUESIA DE S. PEDRO DE TOMAR (II)

A igreja matriz é um templo de tipo comum no distrito. Tem uma nave, com tecto de madeira de três planos, capela-mor, coro sobre colunas, dois altares laterais e dois colaterais.

Do espólio deste templo, ressalta à evidência um manto de seda bordada, de finais do século XVII, de Nossa Senhora dos Prazeres. Algumas imagens antigas que aqui existiam foram parar a outros sítios.

A ermida de Nossa Senhora do Ó, no lugar de Vale Florido, foi fundada por João Gomes da Costa e D. Antónia da Costa, sua esposa, fidalgos de Tomar. No seu interior, existe uma excelente imagem da padroeira da ermida - escultura de pedra do século XV, ainda com restos de pintura e estofos antigos.

Também na freguesia de S. Pedro, o homem concretizou a gigantesca empreitada da construção da barragem do Castelo de Bode. Planeada desde 1930 e iniciada em 1944 pela firma Moniz da Maia, Duarte e Vaz Guedes, seria inaugurada em 1951. Trabalharam em média 300 pessoas por dia durante os sete anos que duraram as obras.

Ao mesmo tempo que a Barragem ia sendo concluída, foi construída uma torre, dentro da albufeira, que capta a água que abastece Lisboa. Esta obra viria a dar grande projecção a S. Pedro de Tomar, possibilitando-lhe o desenvolvimento decorrente da existência da albufeira, como atracção turística (desportos náuticos, pesca e passeios no barco S. Cristóvão).

Publicado por Leonel Vicente às 01:30 PM | Comentários (0)

agosto 30, 2004

FREGUESIA DE S. PEDRO DE TOMAR (I)

Tomar-Freguesia.jpegS. Pedro de Tomar é uma freguesia com uma longa história (cerca de 530 anos), apesar de a sua actual denominação apenas ter sido fixada em 1961, por despacho governamental.

Refere o “Livro das Igrejas”, patente no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em 1570: “Esta igreja (da Beberriqueira) era da freguesia de Nossa Senhora da Serra, da qual foi afastada depois do ano de 1474, no qual tempo era vigário desta vila D. Frei Pedro de Abreu, que foi o que mandou fazer o livro que se chama da Vigararia”.

Segundo o mesmo documento, a freguesia tinha 93 fogos, a maior parte dos quais concentrados nos lugares de Aldeia dos Cochões, Vale Cortiço, Ervedeira de Cima e Aldeia dos Fortes - doze em cada.

Em 1747, o Pe. Luís Cardoso, no seu “Dicionário Geográfico ou Notícia Histórica de todas as Cidades”, caracteriza S. Pedro: “Lugar na Província da Estremadura, Comarca e Prelazia de Thomar, “nullins Diocesis”: é de Sua Magestade: tem duzentos e quinze vizinhos. Está situado parte em campina, parte em vale, e parte em montes. (...) É esta terra abundante de águas; pelo meio a corta a ribeira da Louzaa, pela parte do Poente lhe corre o Rio Nabão e pelo Nascente o Rio Zêzere, de cujas águas e pescarias usão livremente em todo o tempo do ano”.

A referida notícia histórica descrevia ainda as edificações de carácter religioso existentes em Beberriqueira, de que se destacavam a Igreja Paroquial de S. Pedro e a ermida de Nossa Senhora do Ó.

(via ANAFRE - Associação Nacional de Freguesias)

Publicado por Leonel Vicente às 03:35 PM | Comentários (0)

agosto 29, 2004

JORNAL "CIDADE DE TOMAR" - 27.08.04

CidadeTomar-27-08-04

Publicado por Leonel Vicente às 10:48 AM | Comentários (0)