junho 11, 2012

MÚSICA NA CASA-MUSEU DR. ANASTÁCIO GONÇALVES - QUINTA-FEIRA, 21 de JUNHO de 2012- 19H00

trio.JPG

Publicado por vm em 05:51 PM | Comentários (0)

maio 07, 2012

PARABÉNS A NELLA MAISSA QUE FAZ HOJE 98 ANOS

nella maissa.JPG

Publicado por vm em 07:24 PM | Comentários (0)

março 29, 2012

SUGGIA PIANO TRIO

suggia piano trio1.JPG
El Suggia Piano Trio es una agrupación camerística nacida en el seno del Suggia Ensemble, conjunto versátil tanto en repertorio como en instrumentistas. Aunque formado inicialmente en Holanda en el año 1999, actualmente el grupo tiene su base en España. Sus miembros han completado brillantemente sus estudios en prestigiosos conservatorios europeos (Londres, Rotterdam, Utrecht, Paris y Bruselas).

El Suggia Ensemble ha participado en los Festivales Internacionales de Granada, Segovia y Orlando. En este último fue invitado por el violoncellista ruso Mr. Berlinsky, del célebre Borodin Quartet, a tomar parte en el Concurso Internacional de Cuartetos de Cuerda “Dimitri Shostakovitch” de Moscú. El Suggia Ensemble ha recibido masterclasses de numerosas personalidades del mundo camerístico como B. Shamir (Daniels Quartet), M. Thomas (Greenwich), C. A. Linale (Orpheus Quaret), S. Davich (Bartok Quartet), H. Guittart (Schoenberg Ensemble), y más recientemente del Guarneri Trio Prag en el Festival de Bad Saulgau.

Desde su fundación el Suggia ha ofrecido conciertos en España, especialmente País Vasco (Musika - Música de Bilbao en el Auditorio Euskalduna, organizado por la Folle Journée de Nantes, Festivales de Lekeitio, Bermeo, Zalla, Arrigorriaga, Bakio, Juventudes Musicales de Bilbao, Semana de Música de Bilbao, Legazpia, Ordizia y Gernika), Navarra (Ciclo Cultur en Viana, Lizaso, Olite y Pamplona, Sala de Exposiciones del Baluarte y Matinés Musicales del Iruña Park, Centro Cultural de Navarrería, Centro Cultural Castel Ruiz de Tudela y V Ciclo de Conciertos del Valle de Egüés), Castilla y León (Auditorio de Medina del Campo, Centro Cultural Gaya Nuño de Caja Duero Soria, Festival Internacional de Segovia, en Marugán y en la Sede de la Fundación D. Juan de Borbón) y Madrid (Centro Cultural Conde Duque), así como en Holanda (Breukelen, Kerkrade, Rotterdam y Utrecht), Alemania (Erkelenz y Bad Saulgau) y Francia (Bearne). En 2001, subvencionado por la institución Príncipe de Viana del Gobierno de Navarra y el Ministerio de Asuntos Exteriores, realizó una exitosa gira por los Estados Unidos (New York) y Canadá (Ontario).

El Suggia Ensemble ha grabado para el sello discográfico Verso—Banco de Sonido la integral de la obra de música de cámara del compositor Oreste Camarca, cuya presentación se ha realizado en el XIV Festival de Otoño Musical Soriano.

Recientemente el Suggia Ensemble ha colaborado para las Ópera de Bilbao y Oviedo con la interpretación de la parte musical de dos de sus óperas de cámara: “El pequeño deshollinador” de Britten y “Dulcinea” de M. Sotelo, ambas en el Teatro Arriaga de Bilbao y Teatro Filarmonía de Oviedo.

Paralelamente a su labor camerística, los miembros del Suggia Piano Trio desarrollan su carrera sinfónica en la orquesta Sinfónica de Navarra “Pablo Sarasate” de Pamplona, y su labor docente en el Conservatorio Profesional de Música “Pablo Sarasate” de Pamplona, y en el Conservatorio Nacional de Música de Saint Michel sur Orge, Paris (Ile de France).

El Trio debe su nombre a la legendaria violoncellista portuguesa Guilhermina Suggia.

Publicado por vm em 11:10 PM | Comentários (0)

fevereiro 24, 2012

GRANDE AUDITÓRIO DO CONSERVATÓRIO DE COIMBRA - 01 de MARÇO de 2012 - 21H30 - ANDRÉ MADEIRA e MÁRIO LAGINHA

andre madeira laginha.JPG

Publicado por vm em 05:58 PM | Comentários (0)

fevereiro 22, 2012

RECITAL DE VIOLONCELO E PIANO - TEATRO NACIONAL DE SÃO CARLOS (FOYER) - 27 DE FEVEREIRO DE 2012 - 18H00 - IRENE LIMA e JOÃO PAULO SANTOS

recital miocl.JPG

G.Fauré Sonata nº2

O.Messian «Louange à l'Éternité de Jesus»

L. de F.Branco Sonata

F.L.Graça Página Esquecida


Irene Lima Violoncelo

João Paulo Santos Piano

Foyer Teatro de S.Carlos

27 de Janeiro às 18h

Entrada livre

Publicado por vm em 11:28 PM | Comentários (0)

fevereiro 18, 2012

CASA DA MÚSICA - SALA SUGGIA - 19 de FEVEREIRO - 12H e 18H

luis e ligia.JPG
CARNAVAL DOS ANIMAIS
Domingo, 19 de fevereiro - 12h e 18h

Sala Suggia, Casa da Música


Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música
Alessandro Crudele, direcção musical
Luís Duarte e Lígia Madeira, pianos

Programa:
Pietro Mascagni: Abertura Le Maschere
Camille Saint-Saëns: Carnaval dos Animais
Aram Khachaturian: Suite Masquera

Publicado por vm em 12:20 AM | Comentários (0)

fevereiro 17, 2012

"PÁGINA ESQUECIDA" - RECITAL DE VIOLONCELO E PIANO - CINE-TEATRO de CASTELO BRANCO - 17 de FEVEREIRO - 21H30 - BRUNO BORRALHINHO E LUISA TENDER

bruno borralhinho.JPG
RECITAL DE VIOLONCELO E PIANO
"PÁGINA ESQUECIDA"


Sexta-feira, 17 de Fevereiro | 21:30h
Cine-Teatro de Castelo Branco


Bruno Borralhinho, violoncelo
Luísa Tender, piano


Obras de;
Fernando Lopes-Graça,
Armando José Fernandes,
Frederico de Freitas e
Luís de Freitas Branco

"Inteiramente dedicado à música portuguesa para violoncelo a solo e com piano, o projecto Página Esquecida tem como objectivo principal a divulgação do repertório a nível nacional e internacional, e abrange o que de melhor a música portuguesa pode oferecer para esta instrumentação. A nossa intenção é precisamente lutar contra a tendência de a música portuguesa ser encarada como uma autêntica "página esquecida" no meio musical actual e na própria História da Música. Especialmente no estrangeiro, mas também em Portugal. Como em todas as gravações, a interpretação é o resultado de um só momento e assim como nós continuaremos a homenagear estes e outros compositores nas salas de concerto, esperamos sinceramente que este projecto seja um estímulo à interpretação da música portuguesa em geral." BB/LT

Publicado por vm em 06:32 PM | Comentários (0)

fevereiro 02, 2012

ENSEMBLE DARCOS - CONCERTO ANTENA 2 - 7 de FEVEREIRO DE 2012 - 19H00

arcos.JPG

Publicado por vm em 07:57 PM | Comentários (0)

dezembro 30, 2011

ENSEMBLE DARCOS - SYMPHONY OF DANCES 8th JANUARY 2012 - 7,30 PM - LONDON-

darcos 1.JPG

Publicado por vm em 07:01 PM | Comentários (0)

dezembro 18, 2011

QUEM SOU EU? ( REVISTA GRAMOPHONE ) -

fleming - suggia 1.JPG
Foi aluna de GUILHERMINA SUGGIA(1885-1950): AMARYLLIS FLEMING (1925-1999)
Revista GRAMOPHONE

Publicado por vm em 07:26 PM | Comentários (0)

novembro 09, 2011

SUGGIA PIANO TRIO

suggia piano trio 1.JPG
El Suggia Piano Trio es una agrupación camerística nacida en el seno del Suggia Ensemble, conjunto versátil tanto en repertorio como en instrumentistas. Aunque formado inicialmente en Holanda en el año 1999, actualmente el grupo tiene su base en España. Sus miembros han completado brillantemente sus estudios en prestigiosos conservatorios europeos (Londres, Rotterdam, Utrecht, Paris y Bruselas).

El Suggia Ensemble ha participado en los Festivales Internacionales de Granada, Segovia y Orlando. En este último fue invitado por el violoncellista ruso Mr. Berlinsky, del célebre Borodin Quartet, a tomar parte en el Concurso Internacional de Cuartetos de Cuerda “Dimitri Shostakovitch” de Moscú. El Suggia Ensemble ha recibido masterclasses de numerosas personalidades del mundo camerístico como B. Shamir (Daniels Quartet), M. Thomas (Greenwich), C. A. Linale (Orpheus Quaret), S. Davich (Bartok Quartet), H. Guittart (Schoenberg Ensemble), y más recientemente del Guarneri Trio Prag en el Festival de Bad Saulgau.

Desde su fundación el Suggia ha ofrecido conciertos en España, especialmente País Vasco (Musika - Música de Bilbao en el Auditorio Euskalduna, organizado por la Folle Journée de Nantes, Festivales de Lekeitio, Bermeo, Zalla, Arrigorriaga, Bakio, Juventudes Musicales de Bilbao, Semana de Música de Bilbao, Legazpia, Ordizia y Gernika), Navarra (Ciclo Cultur en Viana, Lizaso, Olite y Pamplona, Sala de Exposiciones del Baluarte y Matinés Musicales del Iruña Park, Centro Cultural de Navarrería, Centro Cultural Castel Ruiz de Tudela y V Ciclo de Conciertos del Valle de Egüés), Castilla y León (Auditorio de Medina del Campo, Centro Cultural Gaya Nuño de Caja Duero Soria, Festival Internacional de Segovia, en Marugán y en la Sede de la Fundación D. Juan de Borbón) y Madrid (Centro Cultural Conde Duque), así como en Holanda (Breukelen, Kerkrade, Rotterdam y Utrecht), Alemania (Erkelenz y Bad Saulgau) y Francia (Bearne). En 2001, subvencionado por la institución Príncipe de Viana del Gobierno de Navarra y el Ministerio de Asuntos Exteriores, realizó una exitosa gira por los Estados Unidos (New York) y Canadá (Ontario).

El Suggia Ensemble ha grabado para el sello discográfico Verso—Banco de Sonido la integral de la obra de música de cámara del compositor Oreste Camarca, cuya presentación se ha realizado en el XIV Festival de Otoño Musical Soriano.

Recientemente el Suggia Ensemble ha colaborado para las Ópera de Bilbao y Oviedo con la interpretación de la parte musical de dos de sus óperas de cámara: “El pequeño deshollinador” de Britten y “Dulcinea” de M. Sotelo, ambas en el Teatro Arriaga de Bilbao y Teatro Filarmonía de Oviedo.

Paralelamente a su labor camerística, los miembros del Suggia Piano Trio desarrollan su carrera sinfónica en la orquesta Sinfónica de Navarra “Pablo Sarasate” de Pamplona, y su labor docente en el Conservatorio Profesional de Música “Pablo Sarasate” de Pamplona, y en el Conservatorio Nacional de Música de Saint Michel sur Orge, Paris (Ile de France).

El Trio debe su nombre a la legendaria violoncellista portuguesa Guilhermina Suggia.
SUGGIA PIANO TRIO


Publicado por vm em 10:37 AM | Comentários (0)

setembro 22, 2011

"SINTETISMOS" - TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS- 23 de SETEMBRO - 21H30 - ENSEMBLE DARCOS

darcos 23a.JPG

Publicado por vm em 05:58 PM | Comentários (0)

setembro 09, 2011

Busto de VIANNA DA MOTTA, NO JARDIM DO TOREL, EM LISBOA

viana da motta.JPG

Publicado por vm em 04:12 PM | Comentários (0)

agosto 21, 2011

SUGGIA PIANO TRIO

trio suggia.JPG
El Suggia Piano Trio es una agrupación camerística nacida en el seno del Suggia Ensemble, conjunto versátil tanto en repertorio como en instrumentistas. Aunque formado inicialmente en Holanda en el año 1999, actualmente el grupo tiene su base en España. Sus miembros han completado brillantemente sus estudios en prestigiosos conservatorios europeos (Londres, Rotterdam, Utrecht, Paris y Bruselas).

El Suggia Ensemble ha participado en los Festivales Internacionales de Granada, Segovia y Orlando. En este último fue invitado por el violoncellista ruso Mr. Berlinsky, del célebre Borodin Quartet, a tomar parte en el Concurso Internacional de Cuartetos de Cuerda “Dimitri Shostakovitch” de Moscú. El Suggia Ensemble ha recibido masterclasses de numerosas personalidades del mundo camerístico como B. Shamir (Daniels Quartet), M. Thomas (Greenwich), C. A. Linale (Orpheus Quaret), S. Davich (Bartok Quartet), H. Guittart (Schoenberg Ensemble), y más recientemente del Guarneri Trio Prag en el Festival de Bad Saulgau.

Desde su fundación el Suggia ha ofrecido conciertos en España, especialmente País Vasco (Musika - Música de Bilbao en el Auditorio Euskalduna, organizado por la Folle Journée de Nantes, Festivales de Lekeitio, Bermeo, Zalla, Arrigorriaga, Bakio, Juventudes Musicales de Bilbao, Semana de Música de Bilbao, Legazpia, Ordizia y Gernika), Navarra (Ciclo Cultur en Viana, Lizaso, Olite y Pamplona, Sala de Exposiciones del Baluarte y Matinés Musicales del Iruña Park, Centro Cultural de Navarrería, Centro Cultural Castel Ruiz de Tudela y V Ciclo de Conciertos del Valle de Egüés), Castilla y León (Auditorio de Medina del Campo, Centro Cultural Gaya Nuño de Caja Duero Soria, Festival Internacional de Segovia, en Marugán y en la Sede de la Fundación D. Juan de Borbón) y Madrid (Centro Cultural Conde Duque), así como en Holanda (Breukelen, Kerkrade, Rotterdam y Utrecht), Alemania (Erkelenz y Bad Saulgau) y Francia (Bearne). En 2001, subvencionado por la institución Príncipe de Viana del Gobierno de Navarra y el Ministerio de Asuntos Exteriores, realizó una exitosa gira por los Estados Unidos (New York) y Canadá (Ontario).

El Suggia Ensemble
ha grabado para el sello discográfico Verso—Banco de Sonido la integral de la obra de música de cámara del compositor Oreste Camarca, cuya presentación se ha realizado en el XIV Festival de Otoño Musical Soriano.

Recientemente el Suggia Ensemble ha colaborado para las Ópera de Bilbao y Oviedo con la interpretación de la parte musical de dos de sus óperas de cámara: “El pequeño deshollinador” de Britten y “Dulcinea” de M. Sotelo, ambas en el Teatro Arriaga de Bilbao y Teatro Filarmonía de Oviedo.

Paralelamente a su labor camerística, los miembros del Suggia Piano Trio desarrollan su carrera sinfónica en la orquesta Sinfónica de Navarra “Pablo Sarasate” de Pamplona, y su labor docente en el Conservatorio Profesional de Música “Pablo Sarasate” de Pamplona, y en el Conservatorio Nacional de Música de Saint Michel sur Orge, Paris (Ile de France).

El Trio debe su nombre a la legendaria violoncellista portuguesa Guilhermina Suggia

SUGGIA PIANO TRIO

Publicado por vm em 10:26 AM | Comentários (0)

julho 20, 2011

SUGGIA PIANO TRIO

suggia trio.jpg
El Suggia Piano Trio es una agrupación camerística nacida en el seno del Suggia Ensemble, conjunto versátil tanto en repertorio como en instrumentistas. Aunque formado inicialmente en Holanda en el año 1999, actualmente el grupo tiene su base en España. Sus miembros han completado brillantemente sus estudios en prestigiosos conservatorios europeos (Londres, Rotterdam, Utrecht, Paris y Bruselas).

El Suggia Ensemble ha participado en los Festivales Internacionales de Granada, Segovia y Orlando. En este último fue invitado por el violoncellista ruso Mr. Berlinsky, del célebre Borodin Quartet, a tomar parte en el Concurso Internacional de Cuartetos de Cuerda “Dimitri Shostakovitch” de Moscú. El Suggia Ensemble ha recibido masterclasses de numerosas personalidades del mundo camerístico como B. Shamir (Daniels Quartet), M. Thomas (Greenwich), C. A. Linale (Orpheus Quaret), S. Davich (Bartok Quartet), H. Guittart (Schoenberg Ensemble), y más recientemente del Guarneri Trio Prag en el Festival de Bad Saulgau.

Desde su fundación el Suggia ha ofrecido conciertos en España, especialmente País Vasco (Musika - Música de Bilbao en el Auditorio Euskalduna, organizado por la Folle Journée de Nantes, Festivales de Lekeitio, Bermeo, Zalla, Arrigorriaga, Bakio, Juventudes Musicales de Bilbao, Semana de Música de Bilbao, Legazpia, Ordizia y Gernika), Navarra (Ciclo Cultur en Viana, Lizaso, Olite y Pamplona, Sala de Exposiciones del Baluarte y Matinés Musicales del Iruña Park, Centro Cultural de Navarrería, Centro Cultural Castel Ruiz de Tudela y V Ciclo de Conciertos del Valle de Egüés), Castilla y León (Auditorio de Medina del Campo, Centro Cultural Gaya Nuño de Caja Duero Soria, Festival Internacional de Segovia, en Marugán y en la Sede de la Fundación D. Juan de Borbón) y Madrid (Centro Cultural Conde Duque), así como en Holanda (Breukelen, Kerkrade, Rotterdam y Utrecht), Alemania (Erkelenz y Bad Saulgau) y Francia (Bearne). En 2001, subvencionado por la institución Príncipe de Viana del Gobierno de Navarra y el Ministerio de Asuntos Exteriores, realizó una exitosa gira por los Estados Unidos (New York) y Canadá (Ontario).

El Suggia Ensemble ha grabado para el sello discográfico Verso—Banco de Sonido la integral de la obra de música de cámara del compositor Oreste Camarca, cuya presentación se ha realizado en el XIV Festival de Otoño Musical Soriano.

Recientemente el Suggia Ensemble ha colaborado para las Ópera de Bilbao y Oviedo con la interpretación de la parte musical de dos de sus óperas de cámara: “El pequeño deshollinador” de Britten y “Dulcinea” de M. Sotelo, ambas en el Teatro Arriaga de Bilbao y Teatro Filarmonía de Oviedo.

Paralelamente a su labor camerística, los miembros del Suggia Piano Trio desarrollan su carrera sinfónica en la orquesta Sinfónica de Navarra “Pablo Sarasate” de Pamplona, y su labor docente en el Conservatorio Profesional de Música “Pablo Sarasate” de Pamplona, y en el Conservatorio Nacional de Música de Saint Michel sur Orge, Paris (Ile de France).

El Trio debe su nombre a la legendaria violoncellista portuguesa Guilhermina Suggia.

Publicado por vm em 03:48 PM | Comentários (0)

maio 19, 2011

REVISTA "FACES DE EVA" - LANÇAMENTO DO Nº 25 - SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL DE LISBOA - 25 de MAIO de 2011 - 18H00

convite faces.JPG

Publicado por vm em 10:15 PM | Comentários (0)

maio 17, 2011

RECITAL DE GUITARRA - ANDRÉ MADEIRA - 19 DE MAIO de 2011 - 21H30 - AUDITÓRIO DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE COIMBRA

andre madeira.JPG
PROGRAMA

Domenico Scarlatti(1685-1757)

-Sonata K.1
-Sonata K.213
-Sonata K.239

Manuel Maria Ponce (1882- 1948)

-Sonata III
I Allegro Moderato
II Chanson
III Allegro non Troppo

PAUSA

Mário Castelnuovo-Tedesco (1895-1968)

-Sonata-Omaggio a Bocherini
I Allegro com spirito
II Andantino quasi Canzone
III Tempo di Minueto
IV Vivo ed energico

Astor Piazzolla(1921-1992)

-Invierno Porteño
-Verano Porteño
(arranjos de Sérgio Assad)


ANDRÉ MADEIRA

Iniciou os seus estudos musicais com Américo Fernandes e o estudo da guitarra clássica com Ragner Tovar.
Frequentou o Conservatório Calouste Gulbenkian de Aveiro, tendo como professor, Miguel Lelis.
Ingressou depois no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro obtendo a Licenciatura em Ensino da Música com Professor Paulo Vaz de Carvalho.
No ano 2000 ingressou na Hochschule für Musik Köln na Alemanha prosseguindo estudos de guitarra e de música de câmara sob a orientação de Roberto Aussel obtendo o “Diplom” de Concertista em 2005.
Estudou também, durante cinco anos nesta escola música contemporânea com o pianista Paulo Álvares, integrando o Ensemble de Improvisação e Música Aleatória da Musikhochshule Köln que se apresentou em cidades da Alemanha, Bélgica e Itália.
Em 2005 continua estudos Pós-graduados com Odair Assad no Conservatoire Royal de Mons, École Supérieure dés Arts, Musique Théâtre Déclamation, e posteriormente realiza o “Master en Guitare” com o mesmo guitarrista que termina com Distinção no ano de 2010.
Durante o seu percurso artístico participou em cursos de guitarra com David Russel, Costas Cotsiolis, Roberto Aussel, Leo Brouwer, Eduardo Issac, Robert Brightmore, Ricardo Gallen, Álvaro Pieri, Joaquin Clerche, Josef Zsapka, Eduardo Baranzano, Carles Trepat, Pablo Marquez, e Paulo Alvares.
André Madeira recebeu prémios em concursos internacionais de guitarra em Espanha e na Roménia tendo-se apresentado a solo em várias localidades de Portugal, França, Itália, Alemanha e Bélgica assim como na RTP1 e em concertos com transmissão directa na Rádio Antena2.
Actualmente reside em Portugal leccionando no Instituto Piaget de Viseu, Conservatório de Música do Porto e no Conservatório de Música de Coimbra.


Publicado por vm em 03:37 PM | Comentários (0)

maio 04, 2011

CONCERTO DE LANÇAMENTO DA REVISTA "GLOSAS 3" - 15 de MAIO 18H00 - PALÁCIO FOZ - LISBOA- ENTRADA LIVRE

glosas 4a.JPG


obras de Joly Braga Santos, Luís de Freitas Branco, Fernando Costa, David de Souza, Frederico de Freitas, Sérgio Azevedo (estreia parcial) e Amílcar Vasques-Dias (estreia de peça encomendada para a glosas n.º3)

Intérpretes: Duarte Pereira Martins, piano; Nuno M. Cardoso, violoncelo;
Philippe Marques, piano; Teresa Araújo, violoncelo; André Baleiro, barítono; Diogo Antão, piano.

Publicado por vm em 10:27 AM | Comentários (0)

maio 03, 2011

TEATRO-CINE de TORRES VEDRAS - 6 DE MAIO de 2011 - 21H30 - Concerto "DO AMOR E DO DIABO"

darcos a.jpg

Publicado por vm em 11:10 AM | Comentários (0)

abril 08, 2011

RECITAL DE GUITARRA CLÁSSICA- BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE BARCELOS - 9 de ABRIL de 2011 - 21H30 - ANDRÉ MADEIRA

a madeira.JPG

Publicado por vm em 10:35 AM | Comentários (0)

abril 05, 2011

CONSERVATÓRIO REGIONAL DO ALGARVE MARIA CAMPINA - JOÃO PAULO JANEIRO E ANTÓNIO CARRILHO - 8 de ABRIL de 2011- 18H00

conserv algarve.JPG

Publicado por vm em 10:18 AM | Comentários (0)

março 31, 2011

ABERTURA Da 7ª EDIÇÃO DO FESTIVAL "TERRAS SEM SOMBRA" - 2 de ABRIL DE 2011 - 21H30 - IGREJA MATRIZ DE SANTIAGO DE CACÉM

terras sem sombra.JPG

Publicado por vm em 11:02 AM | Comentários (0)

março 16, 2011

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO - SEMANA DA GUITARRA - 16 a 18 de MARÇO DE 2011

guitarra andre.JPG

Publicado por vm em 10:27 AM | Comentários (0)

março 03, 2011

SANTO TIRSO - MUSEU MUNICIPAL ABADE PEDROSA - 05 de MARÇO - 21H30 - IV CICLO DE MÚSICA - ANDRÉ MADEIRA - SEIS CORDAS SEIS MOMENTOS

andre madeira.JPG

Publicado por vm em 10:44 AM | Comentários (0)

janeiro 25, 2011

IGREJA MATRIZ DE LOULÉ - 29 de JANEIRO de 2011 - 21H30 - CONCERTO COM ENSEMBLE DE FLAUTAS DE LOULÉ E CORAL IDEIAS DO LEVANTE

loule.jpg
Vai realizar-se na Igreja Matriz de Loulé, a 29 de Janeiro de 2011, às 21h30, um concerto com a participação do Ensemble de Flautas de Loulé e do Coral Ideias do Levante de Lagoa. Este concerto assinala o XVI aniversário do Ensemble de Flautas de Loulé.

O Ensemble de Flautas do Centro de Expressão Artística do Município de Loulé foi constituído em Dezembro de 1994 por alunos da Escola de Música do Município de Loulé, sob orientação do professor Francisco Rosado, no intuito de divulgar o repertório histórico deste tipo de formação instrumental. Até ao momento já gravou três cds com repertório da Idade Média aos nossos dias e tem participado em todas as edições dos Encontros de Música Antiga de Loulé, bem como no Festival MED e noutros eventos culturais.

O Coral Ideias do Levante actuou já em diversos pontos da Península Ibérica e organiza vários eventos ao longo do ano, com destaque para a Semana Coral de Lagoa. É dirigido pelo professor Francisco Brazão na interpretação de um repertório bastante ecléctico, visando diversos tipos de público.

Neste momento musical, serão interpretadas peças de autores diversos, entre os quais Arcangelo Corelli, Georg Philipp Telemann, Benjamin Britten, Keith Hampton, Franz Schubert, Anton Bruckner, Eric Clapton, entre outros. Entrada livre.

Publicado por vm em 06:51 PM | Comentários (0)

janeiro 09, 2011

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - CONCERTO ANO NOVO - 16 de JANEIRO de 2011 - 18H00

darcos.jpg

Publicado por vm em 12:24 PM | Comentários (0)

dezembro 11, 2010

MANUEL DE OLIVEIRA FAZ HOJE 102 ANOS. PARABÉNS !

manuel de oliveira.JPG

Publicado por vm em 02:51 PM | Comentários (0)

dezembro 02, 2010

"TIMBRES" - TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - 03 de DEZEMBRO - 21H30

1.JPG

Publicado por vm em 11:56 AM | Comentários (0)

novembro 10, 2010

PIANO A 4 MÃOS - MÚSICA DE DEBUSSY E RAVEL INTERPRETADA POR LÍGIA MADEIRA E LUÍS DUARTE - 17 de NOVEMBRO (4.ª-FEIRA) - 19H00 - INSTITUTO FRANCO-PORTUGUÊS - LISBOA

ll.JPG
Instituto Franco-Português
Avenida Luís Bívar, 91
Lisboa, Portugal

Concerto ANTENA 2

Claude Debussy - “Petite Suite

- En Bateau
- Cortège
- Menuet
- Ballet

Claude Debussy - “Six Epigraphes Antiques

- Pour invoquer Pan, dieu du vent d’été
- Pour un tombeau sans nom
- Pour que la nuit soit propice
- Pour la danseuse aux crotales
- Pour l'Égyptienne
- Pour remercier la pluie au matin


Maurice Ravel - “Ma mère l’oye

- Pavane de la Belle au bois dormant
- Petit Poucet
- Laideronnette, Impératrice des Pagodes
- Les entretiens de la Belle et de la Bête
- Le jardin féerique


PIANO:
LÍGIA MADEIRA e
LUÍS DUARTE

Publicado por vm em 11:04 AM | Comentários (0)

novembro 09, 2010

"MÚSICA EM DIÁLOGO COM O MAESTRO JOSÉ ATALAYA" - JORGE MOYANO INTERPRETA CHOPIN - SÁBADO, 13 de NOVEMBRO 16H00 - CENTRO DE APOIO SOCIAL DE OEIRAS

jorge moyano aa.JPG
MÚSICA EM DIÁLOGO COM O MAESTRO JOSÉ ATALAYA
Sábado, 13 de Novembro às 16h00

Centro de Apoio Social de Oeiras

(ex Complexo das Forças Armadas) Rua D. Duarte, 2

Programa

CHOPIN – SCHERZO; NOCTURNOS; VALSAS; BARCAROLA

JORGE MOYANO - piano

Publicado por vm em 05:37 PM | Comentários (0)

novembro 06, 2010

AUDITÓRIO MUNICIPAL RUI DE CARVALHO (CARNAXIDE) - SÁBADO, 6 de NOVEMBRO DE 2010 - 18H00 - SEQUEIRA COSTA - CONCERTO DE HOMENAGEM A CHOPIN

sequeira csta.jpg
Sábado, 6 de Novembro às 18h00

Progama

W. A. MOZART

Abertura da Ópera “Don Giovanni”
Andante. Molto Allegro

F. CHOPIN

Concerto para piano N.º 1 em Mi menor Op. 11
Allegro maestoso
Romanze. Larghetto
Rondo. Vivace

W. A. MOZART

Sinfonia N.º 38 em Ré Maior K504 “Praga”
Adagio. Allegro
Andante
Finale. Presto

Prof. Sequeira Costa piano

Maestro Alexander Frey direcção

Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras


Entrada gratuita (a partir dos 8 anos), limitada aos lugares disponíveis
Entrega de senhas, a partir das 17 horas, na bilheteira do auditório


Publicado por vm em 11:20 AM | Comentários (0)

outubro 13, 2010

"LAUDATE PUERI DOMINUM A 16 VOZES", de NICCOLÒ JOMMELLI (1714-1774)- CONFERÊNCIA NO AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL - 16 DE OUTUBRO - 18 H

conferencia bnp.JPG

Publicado por vm em 10:37 AM | Comentários (0)

setembro 29, 2010

"O PIANO ROMÂNTICO" - OBRAS DE CHOPIN E SCHUMANN - ÁTRIO PRINCIPAL DA BIBLIOTECA NACIONAL - 30 DE SETEMBRO - 18,00H - NANCY LEE HARPER

piano romantico.JPG
BNP

Publicado por vm em 07:55 PM | Comentários (0)

junho 24, 2010

GUILHERMINA SUGGIA - 125 ANOS - HOMENAGEM NA RDP - ANTENA 2

leopoldo de almeida.jpg
(busto de Leopoldo de Almeida)

"GUILHERMINA SUGGIA - 125 anos


Dado passarem este ano 125 anos do nascimento (27 de Junho de 1885) e
60 da morte (30 de Julho de 1950) de GUILHERMINA SUGGIA, a RDP -
Antena 2 irá homenageá-la diariamente entre estas datas.

Assim:

No dia 25 de Junho, às 23 horas, no programa "5ª ESSÊNCIA", realizado por João Almeida, passará uma entrevista com Fátima Pombo, biógrafa da violoncelista e autora dos livros "GUILHERMINA SUGGIA ou o Violoncelo Luxuriante"“ e "“GUILHERMINA SUGGIA - A Sonata de Sempre". Este programa será repetido no dia 2 de Julho, às 13 horas.


No dia 27 de Junho, domingo, entre as 7 e as 9 horas, o programa “"SOL MAIOR"”, realizado por Pedro Rafael Costa, ser-lhe-á inteiramente
dedicado. No mesmo dia, pelas 18 horas, será transmitida uma
entrevista com o Prof. Henrique Fernandes, violoncelista.

Entre 28 de Junho e 30 de Julho, será transmitido de segunda a
sexta-feira um apontamento evocativo após o noticiário das 10 horas e
cerca das 18h40.

No dia 23 de Julho, às 23 horas (com repetição às 13horas do dia 30 de
Julho), será retransmitida, no programa "5ª ESSÊNCIA", uma entrevista do autor deste blogue a João Almeida em 2005. "


Publicado por vm em 12:42 AM | Comentários (0)

junho 22, 2010

"ARTE ROMÂNTICA" - TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - 25 de JUNHO de 2010 - 21,30 H

darcos.jpg

Publicado por vm em 11:14 PM | Comentários (0)

maio 30, 2010

"MULHERES ALÉM DO SEU TEMPO: GUILHERMINA SUGGIA E FLORBELA ESPANCA" - Recital por MANUELA MACHADO - INSTITUTO D. ANTÃO DE ALMADA - PALÁCIO DA INDEPENDÊNCIA - LARGO DE S. DOMINGOS 11 -1 de JUNHO DE 2010 - 17,30H

Manuela.JPG

Publicado por vm em 12:02 PM | Comentários (0)

maio 26, 2010

RECITAL DE GUITARRA - ANDRÉ MADEIRA - 31 de MAIO ÀS 19H - MUSEU GRÃO VASCO - VISEU

Andre.jpg

Publicado por vm em 08:23 PM | Comentários (0)

I FESTIVAL DE MÚSICA INSTITUTO PIAGET 28 DE MAIO a 2 DE JUNHO - VISEU

inst piaget 1.JPG

Publicado por vm em 12:21 AM | Comentários (0)

maio 20, 2010

CARTA DE PABLO CASALS AOS COLEGAS DA ORQUESTRA SINFÓNICA NACIONAL

loriente.JPG

Publicado por vm em 11:46 AM | Comentários (0)

maio 17, 2010

HOMMAGE A PAULINE VIARDOT - 18 MAI - 16H - VILLA VIARDOT DE BOUGIVAL

Pauline_Viardot-Garcia_1.jpg
HOMMAGE A PAULINE VIARDOT

Le jour même du centenaire de la mort de Pauline Viardot, le baryton Jorge Chaminé, entouré des sopranos Omo Bello et Léa Sarfati, des pianistes Shani Diluka et Etsuko Hirosé et du violoniste Gabriel Le Magadure, rendront hommage à cette immense Artiste.

Le concert aura lieu à la VILLA VIARDOT de Bougival le 18 mai à 16h, dans le cadre du III Festival de Bougival.

Au programme des oeuvres de Pauline Viardot, Frédéric Chopin et Chopin/Viardot.


http://sonscroisesasso.blogspot.com/2010/05/sons-croises-hommage-pauline-viardot.html

--
Sons Croisés
1 rue de Marnes
92410 Ville d'Avray
tel. + 33 (0)1 47 09 00 78
e-mail :
sonscroises@gmail.com
(pédagogie et formation)

web : www.sonscroisesasso.blogspot.com

Publicado por vm em 04:33 PM | Comentários (0)

maio 11, 2010

"MÚSICA NOVA, MÚSICA VELHA" - CONCERTO COMENTADO POR SÉRGIO AZEVEDO - TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - 14 DE MAIO - 21,30H

ensembele darcos 1.JPG

Publicado por vm em 02:22 PM | Comentários (0)

abril 29, 2010

MÁRIO CLÁUDIO - "UMA PESSOA FELIZ É SIMPLESMENTE ISSO" - JL de 21 de ABRIL DE 2010

mario claudio.JPG
páginas do seu Diário
(...)
Porto, Domingo, 2 de Junho de 2006
Visito com a Mãe a exposição dedicada a Guilhermina Suggia na Casa-Museu Guerra Junqueiro. Que interessante verificar que a egrégia Elvira de Hidalgo, determinante professora de Callas, participou com a nossa Guilhermina num concerto, realizado no atelier do velho Teixeira Lopes! Formarão de facto as divas, isto à semelhança dos criminosos, uma espécie de cadeia inquebrantável?
(...)

Publicado por vm em 01:32 PM | Comentários (0)

abril 26, 2010

RECITAL DE GUITARRA - ANDRÉ MADEIRA - HOJE 21,15 H - CINE-TEATRO DO COLÉGIO DE SÃO TEOTÓNIO- COIMBRA

sao teotonio.JPG

Publicado por vm em 11:30 AM | Comentários (0)

abril 06, 2010

ENSEMBLE DARCOS - "CONCERTO ABERTO" - IGREJA DE SANTA CRUZ - TORRES VEDRAS - QUINTA-FEIRA- 8 de ABRIL - 19,00H

ensemble darcos.jpg
CONCERTO ABERTO
transmitido em direto pela RDP - ANTENA 2

Quinta-feira, 8 de Abril, 19:00h
Igreja de Santa Cruz, Torres Vedras


programa:


J. Brahms
Trio para clarinete, violoncelo e piano em Lá menor, op. 114


Allegro, alla breve
Adagio
Andantino grazioso
Finale: Allegro


Ensemble Darcos
Fausto Corneo – clarinete
Filipe Quaresma – violoncelo
Helder Marques – piano

Publicado por vm em 10:52 PM | Comentários (1)

março 26, 2010

CHRISTIAN BAYON - PROFESSION LUTHIER

christian_bayon2.jpg
Les nouveaux stradivarius sont français
Bayon, profession luthier

Ancien ingénieur, Christian Bayon fabrique aujourd'hui, à Lisbonne, de sublimes violons. Rencontre

Christian Bayon, Français établi à Lisbonne, a commencé tout seul, comme un grand, comme le grand luthier qu'il allait devenir. Et tard : il a vu pour la première fois un violon à 21 ans, alors qu'il s'occupait de systèmes hydrauliques d'avions de chasse. Quand on regarde un de ses instruments, on voit d'abord un vernis généreux, chaud, doré, splendide. « C'est ce que je voulais, dit-il. Qu'on ait envie de le jouer. C'est à cela que sert la beauté extérieure. Je passe des heures sur les vernis. La seule fois de ma vie où j'ai oublié d'aller chercher ma fille à l'école, j'essayais un vernis. Mais pour la sonorité, la beauté n'a aucune importance. Je n'ai jamais cru que le «secret» de Stradivari était dans le vernis. » On sait depuis quelques mois que ce vernis, on l'achète au litre chez Leroy-Merlin (une huile de lin siccative et une huile additionnée de résine de pin et d'un colorant). Plus de secret. «Si ! répond-il. C'est vrai, jamais on n'était allé si loin dans l'analyse. L'équipe était formée de gens qui n'avaient pas d'hypothèse à vérifier; et ils ont examiné cinq «strad» et une tête de viole. Si bien que le mystère au contraire est encore plus obscur. Comment posait-il ce vernis, à quelle température ? Pourquoi l'un des instruments est sombre alors qu'aucun pigment n'est présent ? Pourquoi l'huile a-t-elle peu pénétré dans le bois ? Et puis des composants ont pu disparaître, ou bien être employés en si petite quantité qu'on ne les voit pas. Un vernis est bon dès lors que vous le connaissez bien, comme le cuisinier connaît ses ingrédients, mais qu'il n'emploie pas comme vous. Le sucre et le caramel, c'est pareil, et pourtant, c'est différent. Mais cessons donc de parler de secret. Stradivari était un type très, très fort, point. Vraiment très fort, et en tout ! Et maniaque ! Il ne déléguait rien, il écrivait tout, il dessinait jusqu'aux ferrures des étuis ! Les plus beaux instruments, du point de vue du son, ont été faits à la fin de sa vie, avec des bois très ordinaires. Donc le savoir-faire est primordial. Cela n'a rien d'un secret. »

« L'essentiel, c'est le son »
Le secret, cela sert à s'endormir sur l'inexplicable ; et à fermer des portes sur le talent des autres. La cote des instruments mystérieux monte, leur rareté les rend infiniment désirables, et tout est noué. Augustin Dumay qui a un instrument en commande chez Bayon, explique : «Depuis les luthiers du XIXe siècle, il n'était pas envisageable pour un musicien de jouer sur des instruments modernes. Christian Bayon, et deux ou trois autres comme StefanPeter Greiner [voir encadré], a changé la donne. Il existe aujourd'hui une alternative. Pour un musicien jeune, il est impossible d'acquérir ces instruments anciens que seules des banques ou des compagnies d'assurances peuvent acheter. » Pourtant il ne s'agissait pas seulement de snobisme, mais aussi de qualité. Les Bayon peuvent donc remplacer les strad ? «Absolument : j'en ai essayé, j'en ai écouté, joués par d'autres, et dans de grandes salles Ce n'est pas qu'une alternative crédible : j'ai comparé des strad connus et des Bayon, ceux-ci dépassaient ceux-là... » Le problème est psychologique : «J'enseigne à des violonistes de classe internationale, et j'ai toutes les peines du monde à les convaincre qu'il existe une alternative aux anciens. Ils veulent accéder à une espèce d'aristocratie dont ils se font une image dans les yeux des autres. Or l'essentiel, c'est le son, et le dialogue qu'on peut entretenir avec son instrument; et ce dialogue est possible, au plus haut niveau, avec un Bayon comme avec les meilleurs strad et guarnerius. » Et Tedi Papavrami, qui a troqué son Guadagnini de 1784 contre un Bayon, confirme que ses collègues trouvent son instrument fantastique, jusqu'à ce qu'il leur dise que c'est un moderne.
Donc, Bayon s'est dit : «Puisqu'il n'y a pas de secret, je peux faire aussi bien. » Alors travaillons. Il a travaillé. Après avoir fait dix violons tout seul, avec un manuel de lutherie, il décroche une «bourse de la vocation». Recommandé par Vatelot, qu'il avait épaté, il apprend son métier avec Jean Schmitt, à Lyon, qui le forme à la dure. Chaque geste est appris : le doigt ici et pas là sur le ciseau, tel muscle doit être tendu dans le bras, tel autre souple... « C'est un génie », dit Bayon, qui en est sorti avec une technique à toute épreuve, et a retrouvé Etienne Vatelot, qui l'attendait. «Les musiciens que j'ai vus chez lui, Menuhin, Stern, Rostropovitch, Perlman, m'ont appris la moitié de ce que je sais. » Papavrami explique : « Quand on lui dit quelque chose, il sait le traduire en termes de lutherie. Il sait que telle cause entraîne tel effet. » C'est vrai, dit Bayon avec cet orgueil tranquille qui est le sien, complètement dénué de vanité : «Je ne suis pas un artiste, mais un technicien. J'ai travaillé avec des acousticiens, des scientifiques... Quand j'ai fait son premier violon à Papavrami, j'ai cherché à améliorer son Guadagnini, que je m'étais empressé d'écouter. Il m'a dit : c'est magnifique, mais c'est justement ce que je ne veux pas. Il cherchait un son plus large, moins lame de couteau. Et il m'a expliqué ça longuement. Je suis reparti, je lui en ai fait un autre, et ça a été le coup de foudre. A force de restaurer et de régler des instruments, j'ai appris la souplesse. Je n'ai rien à imposer. » Puis il ajoute : « Stradivari a bossé de 12 à 93 ans, il a fait mille instruments... Moi j'ai 55 ans, j'en ai fait soixante. On a fait des progrès énormes, mais il y a quelques instruments anciens qu'on n'a pas encore égalés. »

Jacques Drillon

Le Nouvel Observateur - 2368 - 25/03/2010

Publicado por vm em 12:56 AM | Comentários (0)

março 24, 2010

"DICIONÁRIO DO CANTOR LÍRICO" de Leonor de Lucena

Dicionario cantor lirico.jpg
Locais de venda

Conservatório Nacional de Lisboa
R. dos Caetanos, 29 Lisboa

*
Teatro Nacional de S. Carlos
Loja – Largo de S. Carlos Lisboa

*
Libritalia
Rua do Salitre, 166 b Lisboa

*
Paleta dos Sons
Praceta Soeiro Pereira Gomes, 76 | 4500-216 Espinho

*
Informações:

leonorslucena@gmail.com

Publicado por vm em 12:31 AM | Comentários (0)

março 06, 2010

AUDITÓRIO MUNICIPAL RUI DE CARVALHO - DOMINGO, 7 de MARÇO - 18 H- RECITAL DE VIOLINO, VIOLONCELO E PIANO

2009927_7516_101094879909487_100000269276929_27280_1604896_n.jpg
Domingo, 7 de Março às 18h00

Auditório Municipal Ruy de Carvalho, Carnaxide

Recital de Violino, Violoncelo e Piano ‘2 Compositores Esquecidos no Tempo’

CLARA SCHUMANN Trio para piano e cordas

ANTONIO FRAGOSO Trio para piano e cordas

Xuan Du (violino), Caterine Strynckx (violoncelo) e Margarida Prates (piano)

Clara Schumann ficou para a História como uma das melhores pianistas de sempre, mas a sua faceta de compositora acabou por ser um pouco abafada pela genialidade do seu marido.

Sabemos todavia que Robnert Schumann apoiava a mulher na composição e que Clara, por sua vez, se esforçava por estrear todas as obras do marido...Este trio nr 1 em ré menor foi estreado a 13 de Setembro de 1847 pela própria compositora, no dia do seu aniversário.

"Um génio feito saudade", foi com este pensamento, verdadeiramente inspirado que o escritor Leonardo Pessoa Lopes definiu a figura ímpar, de projecção mundial, que foi o notável compositor português António de Lima Fragoso. A obra a apresentar não é tocada em Portugal há 40 anos.

Apesar de ter falecido ainda muito jovem (em 1918, com 21 anos) deixou mais de cem composições musicais, de reconhecido valor, já nesse tempo apreciadas nos centros musicais da Europa.

ENTRADA GRATUITA (a partir dos 8 anos), limitada aos lugares disponíveis

Publicado por vm em 10:46 AM | Comentários (0)

março 01, 2010

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - "MESTRE BACH" CONCERTO COMENTADO POR RUI VIEIRA NERY - ENSEMBLE DARCOS - 5 DE MARÇO - 21,30H

ensemble darcos_logo.jpg
TEMPORADA DARCOS 010 *

MESTRE BACH

Concerto Comentado por Rui Vieira Nery
Projeção de Vídeo de Nuno Côrte-Real

Sexta-Feira, 5 de Março, 21:30h
Teatro-Cine de Torres Vedras

Programa:

N. Côrte-Real
Glosa Goldberg para trio de cordas
-estreia absoluta-

J. S. Bach
Variações Goldberg (arranjo para trio de cordas de Dimitri Sitkovetsky)



ENSEMBLE DARCOS
George Hlawiczka, violino
Reyes Gallardo, viola
Filipe Quaresma, violoncelo


Nuno Côrte-Real, direção artística


Publicado por vm em 11:12 PM | Comentários (1)

fevereiro 23, 2010

CICLO DE MÚSICA DE CÂMARA, COMENTADO POR ALEXANDRE DELGADO - PALÁCIO ANJOS (ALGÉS) - 26 de FEVEREIRO - 21, 30 H

quarteto c piano de moscovo.jpg
Sexta, 26 de Fevereiro às 21h30

Centro de Arte Manuel de Brito – Palácio Anjos (Algés)

CICLO DE MÚSICA DE CÂMARA, Comentado por Alexandre Delgado

Começa este mês um ciclo de nove concertos de música de câmara comentados pelo compositor Alexandre Delgado, O ciclo abre com a actuação do Quarteto com Piano de Moscovo, grupo que comemora em 2010 os seus vinte anos de existência, num programa que reúne uma obra russa, uma obra portuguesa e o primeiro dos dois quartetos com piano de Schumann, uma bela obra de juventude do compositor, só editada recentemente.

Serguei Taneiev – Quarteto com Piano em mi maior, op. 20 (1905)

Alexandre Delgado – Canteto (2007)

Robert Schumann – Quarteto com Piano [n.º 1] em dó menor (1829)

QUARTETO COM PIANO DE MOSCOVO:
José Pereira (violino)
Alexandre Delgado (violeta)
Guenrikh Elessine (violoncelo)
Alexei Eremine (piano)

Condições de acesso: Mediante aquisição bilhete, a partir das 20h30 (de 0,50 € a 2 €) que permite visitar a exposição

Publicado por vm em 11:24 AM | Comentários (0)

janeiro 13, 2010

"DICIONÁRIO DO CANTOR LÍRICO" de LEONOR DE LUCENA

dic cantor lirico.JPG
Locais de venda

Conservatório Nacional de Lisboa
R. dos Caetanos, 29 Lisboa

*
Teatro Nacional de S. Carlos
Loja – Largo de S. Carlos Lisboa

*
Libritalia
Rua do Salitre, 166 b Lisboa

*
Paleta dos Sons
Praceta Soeiro Pereira Gomes, 76 | 4500-216 Espinho

*
Informações:

leonorslucena@gmail.com

Publicado por vm em 04:08 PM | Comentários (0)

janeiro 10, 2010

"A CIDADE" COLAGEM DE TEXTOS DE ARISTÓFANES - TEATRO DA CORNUCÓPIA - NO TEATRO MUNICIPAL DE SÃO LUIZ - A PARTIR DE 14 DE JANEIRO

CIDADE.jpg
A CIDADE, colagem de textos de Aristófanes


(Excertos de Os Acarnenses, Lisístrata, Paz, Pluto, As mulheres que celebram as Tesmosfórias, As Nuvens, Os Cavaleiros, As Mulheres no Parlamento e As Aves)

co-produção com o Teatro Municipal de S. Luiz.

Teatro Municipal de S. Luiz, Sala Principal.
De 14 de Janeiro a 14 de Fevereiro de 2010.

Quarta a sábado às 21H00. Domingos às 17H30.

Sessão com interpretação em Língua Gestual Portuguesa: 31 Janeiro às 17h30.

Tradução Maria de Fátima Sousa e Silva e Custódio Magueijo
Adaptação e colagem Luis Miguel Cintra

Encenação Luis Miguel Cintra
Cenário e Figurinos Cristina Reis
Desenho de luz Daniel Worm d’Assumpção

Música Eurico Carrapatoso
Colaboração musical João Paulo Santos
Acompanhamento Vocal Luís Madureira

Elenco
Bruno Nogueira, Carolina Villaverde Rosado, Dinarte Branco, Dinis Gomes, Duarte Guimarães, Gonçalo Waddington, José Manuel Mendes, Luísa Cruz, Luis Lima Barreto, Luis Miguel Cintra, Márcia Breia, Maria Rueff, Marina Albuquerque, Nuno Lopes, Ricardo Aibéo, Rita Durão, Rita Loureiro, Sofia Marques e Teresa Madruga.

Diz-se que foi na Grécia Antiga que nasceu a Civilização Ocidental e que foi em Atenas, vários séculos antes de Cristo, que nasceu a Democracia. Nas comédias de Aristófanes, por sinal, um conservador, no violento e insurrecto humor com que nelas retrata a vida daquela cidade “perfeita”, nestes textos escritos há 2.500 anos, fomos encontrar o material para a composição do guião de um espectáculo a que chamaremos A CIDADE. É com as confusões e as dificuldades da vida numa sociedade que se quer democrática, a corrupção da sua política, o seu desejo de paz, as suas saudades do campo, a maneira como convive com os seus “poetas”, as peripécias sexuais e conjugais que se geram na coexistência do público e do privado, em suma, com a vida da polis, e através das mais que inevitáveis semelhanças com os contratempos dos nossos dias, que este espectáculo quer brincar. Uma grotesca metáfora de todas as Cidades construída por um grande grupo de actores no palco do Teatro Municipal S. Luiz, teatro da cidade de Lisboa.


Publicado por vm em 11:04 AM | Comentários (0)

janeiro 06, 2010

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - CONCERTO DE ANO NOVO - 10 de JANEIRO de 2010 - 18,00H

Cine-Teatro T Vedras.bmp
TEMPORADA DARCOS 010 *
Domingo, 10 de Janeiro, 18:00h
Teatro-Cine de Torres Vedras

Programa:

A. Copland
Concerto para clarinete e orquestra

S. Barber
Adagio para orquestra de cordas

E.Carrapatoso
“Espelho da Alma” quarteto para piano e cordas

pausa

C. Porter
9 canções (arranjos para orquestra de N. Côrte-Real)
- Night and day
- You do something to me
- It’s all right with me
- Ev’ry time we say goodbye
- I love Paris
- Let’s do it
- Get out of town
- From this moment on
- In the still of the night

Sónia Alcobaça, soprano
Rui Baeta, barítono

ENSEMBLE DARCOS
Fausto Corneo, clarinete
Gael Rassaert, violino
Reyes Gallardo, viola
Filipe Quaresma, violoncelo
Helder Marques, piano

CAMERATA DU RHONE
Gael Rassaert, violino e direção

Nuno Côrte-Real, direcção musical


Publicado por vm em 07:46 PM | Comentários (0)

janeiro 05, 2010

HOMENAGEAR ZECA AFONSO - CASA DA MADEIRA DO NORTE -PORTO - 9 DE JANEIRO de 2010 - 21,30H

cartaz zeca.jpg

Publicado por vm em 10:47 AM | Comentários (0)

dezembro 18, 2009

"PÁGINA ESQUECIDA"- CD DE BRUNO BORRALHINHO E LUISA TENDER COM OBRAS DE COMPOSITORES PORTUGUESES - LANÇAMENTO EM LISBOA - GRÉMIO LITERÁRIO - 7 de JANEIRO DE 2010 - 18,30H

PaginaEsquecida.jpg
Depois do lançamento oficial do passado dia 7 de Dezembro na Casa da Música do Porto, os artistas Bruno Borralhinho e Luísa Tender apresentam o CD duplo “Página Esquecida” também em Lisboa. O evento terá lugar no Grémio Literário (Rua Ivens 37) dia 7 de Janeiro de 2010 às 18:30h.

Página Esquecida” é o título do CD duplo inteiramente dedicado à música portuguesa para violoncelo e piano, recentemente editado pelo selo discográfico alemão Dreyer&Gaido, e que inclui obras de Fernando Lopes-Graça, Joly Braga Santos, Luiz Costa, Frederico de Freitas, Armando José Fernandes, Cláudio Carneyro, Luís de Freitas Branco, Jorge Peixinho e António Victorino d’Almeida. Este projecto é apoiado pelo Instituto Camões.

Bruno Borralhinho é violoncelista da Orquestra Filarmónica de Dresden e Director Artístico do Ensemble Mediterrain (Berlim).
A pianista Luísa Tender é professora da Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco.

LINKS:

Grémio Literário de Lisboa: http://www.gremioliterario.pt

Blogue “Página Esquecida”: http://www.paginaesquecida.blogspot.com

Vídeo de apresentação: http://www.youtube.com/watch?v=9eQS8bTg4sI

Artistas:
http://www.brunoborralhinho.com
http://www.luisatender.com

Publicado por vm em 06:10 PM | Comentários (0)

novembro 29, 2009

"PÁGINA ESQUECIDA" - MÚSICA PORTUGUESA PARA VIOLONCELO E PIANO - BRUNO BORRALHINHO E LUISA TENDER - LANÇAMENTO DE CD - 07 DE DEZEMBRO - 18,30 H - CASA DA MÚSICA- PORTO

pag esq.JPG

Publicado por vm em 11:22 AM | Comentários (0)

novembro 18, 2009

"DICIONÁRIO DO CANTOR LÍRICO" de PROF.ª LEONOR LUCENA

image.jpg

Publicado por vm em 10:34 AM | Comentários (0)

novembro 17, 2009

FESTIVAL INTERNACIONAL DE PIANO SAN LORENZO DE LA PARRILLA - 06 DE DEZEMBRO - 19 H - COM OS PIANISTAS LÍGIA MADEIRA E LUÍS DUARTE

Cartaz_Festival.jpg
CUENTOS MUSICALES
domingo, 06 de diciembre de 2009 - 19hs
Lígia Madeira & Luís Duarte, piano (Portugal)

Lígia Madeira inicia estudios musicales en el Conservatório Regional de Música de Covilhã concluyendo sus estudios con calificaciones máximas en el Conservatório de Música do Porto bajo la orientación de Maria José Souza Guedes.
Ha participado en master classes con Helena Sá e Costa, Luiz de Moura Castro, Artur Pizarro, Sequeira Costa, Pedro Burmester, Vitali Margulis, Jörg Demus y Pascal Devoyon.
Fue admitida en la Franz Liszt Academy of Music de Budapest, donde estudió con István Lantos. Concluyó la Licenciatura en Piano con premio de honor en la Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto, bajo la orientación de Madalena Soveral, donde prosigue los estudios de Master en Interpretación Artística.
Paralelamente asiste al curso de Postgrado de Piano en el Conservatorio Superior de Música de Zaragoza como alumna de Josep Colom, Dominique Weber y Elisabeth Leonskaja.
Especialista en música de Cámara ha trabajado con músicos como Romain Garioud, Ryszard Woicicki y Miguel Borges Coelho. Su debut como solista lo realizo con la Orquesta Sinfónica de la ESMAE - Oporto, bajo la batuta de Rodolfo Saglimbeni.
Premiada en el Concurso de Piano "Maria Campina"; Concurso do "Conservatório de Música do Porto"; Concurso "Prémio Jovens Músicos" da RDP, Concurso "Maria Christina Lino Pimentel"; "Prémio Helena Sá e Costa". Siendo becada por la "Yamaha Music Foundation of Europe".

Luís Duarte, inició sus estudios en la Academia de Música de Espinho en la clase de Fausto Neves. Obtuvo en este centro varios premios en concursos internos y durante tres años consecutivos le fue atribuida una beca por la Câmara Municipal de Espinho. Ingresó en la Escola Profissional de Música de Espinho en la carrera de Práctica Orquestal y Piano, concluyendo con premio de honor. En 2007 frecuentó la Franz Liszt Academy of Music de Budapest, teniendo como profesores Laszlo Baranyay e Rita Wagner.
Concluyó en 2009 la Licenciatura en Piano con premio de honor por la Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto (ESMAE) bajo la orientación de Luís Filipe Sá.
Además, realizó cursos de perfeccionamiento con Helena Sá e Costa, Sequeira Costa, António Rosado, Pedro Burmester, Milica Snaider, Miguel Borges Coelho, Olga Prats, Jonathan Ayerst, Josep Colom, entre otros.
Fue el único premiado en el "III Concurso de Piano Lopes-Graça". Como solista ha actuado con la orquesta de la Escola Profissional de Música de Espinho, bajo la dirección de Cesário Costa y Pawel Przytocki. Viene actuando como solista, músico de cámara y en orquestas jóvenes, y sus interpretaciones han sido grabadas por la Radio y Televisión de Portugal. Actualmente realiza sus estudios de Master en la ESMAE en la clase de Madalena Soveral.

Programa:
Debussy - Petite Suite y Six Epigraphes Antiques
Ravel - Ma Mère l'Oye

1º FESTIVAL INTERNACIONAL DE PIANO SAN LORENZO DE LA PARRILLA

Publicado por vm em 10:39 AM | Comentários (0)

novembro 03, 2009

21º FESTIVAL EM S.ROQUE - IGREJA DO INSTITUTO DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA - CONCERTO - DOMINGO -8 de NOVEMBRO -17,00 H

concerto.JPG

Publicado por vm em 11:59 PM | Comentários (0)

outubro 25, 2009

SEMINÁRIO DE ETNOMUSICOLOGIA - MUSEU NACIONAL DE SOARES DOS REIS - PORTO - 7 de NOVEMBRO DE 2009

Museu_Nacional_de_Soares_dos_Reis_Detalhe.jpg
Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia (SPAE)
Instituto de Etnomusicologia: Centro de Estudos em Música e Dança.
Universidade Nova de Lisboa

SEMINÁRIO DE ETNOMUSICOLOGIA
Museu Nacional Soares dos ReisPorto, 7 de Novembro de 2009
A Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia (SPAE) e o Instituto de Etnomusicologia da Universidade Nova de Lisboa, em colaboração com o Museu Nacional Soares dos Reis, vai organizar no Sábado 7 de Novembro de 2009, um Seminário de Etnomusicologia, seguido de uma Conferência da Prof.ª Salwa Castelo Branco, presidente do referido Instituto, intitulada:
“Etnomusicologia: percurso histórico e tendências actuais”.
O Seminário decorrerá no Museu Nacional Soares dos Reis, Porto, e terá um número limitado de participantes (30), sendo obrigatória a respectiva inscrição prévia para antonio.huet@gmail.com, até ao dia 31 de Outubro.
Programa
10h00 – Recepção dos participantes
10h30 – 13h00 – Seminário de Etnomusicologia

Maria do Rosário Pestana "A Comissão de Etnografia e História do Douro Litoral: etnografia, museologia e performance musical na construção do Douro Litoral"
Susana Sardo "Situar as Memórias - Novas formas de encontro com a tradição no quadro dos Ranchos Folclóricos em Portugal"
Maria de São José Corte-Real "Música e Educação numa Perspectiva Etnomusicológica"
João Soeiro de Carvalho "A experiência transcultural na música: Relatividade e Alteridade"
Jorge Castro Ribeiro "Batuku sta na moda: dinâmicas transnacionais da música cabo-verdiana"
13h00 – 14h30 – Interrupção para almoço.

14h30 – 16h00 – Seminário de Etnomusicologia: Debate e Conclusões.

16h00- 16h30 – Pausa Café
16h30 – 18h00 – Conferência seguida de Debate. Aberta ao público.

Salwa Castelo-Branco “Etnomusicologia: percurso histórico e tendências actuais”

18h00 -18h30 – Porto de Honra. Momento musical. Encerramento.

Publicado por vm em 09:43 AM | Comentários (0)

outubro 23, 2009

MUSEU NACIONAL DE SOARES DOS REIS - PORTO - CONCERTO "ANTÓNIO FRAGOSO E O SEU TEMPO" - 24 de OUTUBRO - 21,00h

Logotipo JMP.bmp
JEUNESSES
MUSICALES

P O R T U G A L
P O R T O


Com o empenhado apoio da Juventude Musical Portuguesa - Porto, terá lugar no Auditório do Museu Nacional Soares dos Reis, Rua D. Manuel II, Porto, às 21 horas do próximo sábado, dia 24 de Outubro, um concerto organizado pela recém-constituída AAF-Associação António Fragoso e o referido museu, com a colaboração da Livraria Lello, em que se darão a ouvir obras relevantes do notável compositor António Fragoso (1897-1918).

A preceder o concerto, cujo programa e intérpretes abaixo se referem, a AAF fará a sua apresentação pública à cidade do Porto e dará sumariamente a conhecer as actividades entretanto desenvolvidas e previstas para breve prazo no âmbito da promoção do conhecimento da vida e obra de António Fragoso e da música portuguesa em geral.


PROGRAMA:

António Fragoso (1897-1918)

- Petite Suite
Prelúdio
Berceuse
Dança
- Quatro Prelúdios Românticos
- Nocturno em Ré bemol maior

Manuel Araújo, piano

- Trio em Dó sustenido menor

Xuan Du, violino
Maxim Doujak, violoncelo
Margarida Prates, piano


LOCAL: Museu Nacional Soares dos Reis - Rua D. Manuel II, Porto

DATA e HORA: Sábado, 24 de Outubro, 21 horas

ENTRADA: Livre

Publicado por vm em 10:42 AM | Comentários (1)

outubro 22, 2009

JORGE MOYANO - "MÚSICA EM DIÁLOGO com o MAESTRO JOSÉ ATALAYA "

Jorge Moyano.jpg
CHOPIN 4 baladas; 4 nocturnos

Jorge Moyano (piano)

Sábado, 24 Outubro | 16h

Auditório do Centro de Apoio Social de Oeiras (ex Complexo das Forças Armadas)

(Rua D. Duarte, 2 – próximo da CP, lado mar – frente ao Liceu de Oeiras)

Domingo, 25 Outubro | 11h

Auditório Municipal Ruy de Carvalho

(Centro Cívico de Carnaxide)

Entrada Livre (a partir dos 6 anos), limitada aos lugares disponíveis

Publicado por vm em 10:14 AM | Comentários (1)

outubro 16, 2009

PIANISTA DAVID SANTOS VENCE CONCURSO INTERNACIONAL SCHUBERT

d santos.jpg

O pianista português David Santos venceu, juntamente com o baixo- barítono polaco Tomasz Wija, o concurso internacional Schubert para duos de Lied (canto e piano). Ao DN, David Santos, que actualmente é professor de piano na Universität der Künste, em Berlim, disse que este prémio era "o reconhecimento ao mais alto nível" do seu "trabalho nos últimos anos". E graças a este concurso o duo já recebeu um convite para participar num ciclo de recitais em Zurique.

Este prémio, no valor de oito mil euros, vai possibilitar ao duo a gravação de um disco, apesar de o pianista ter confessado que ainda não sabe quando é que esse projecto se irá concretizar. Com o valor monetário, espera "investir em cursos com especialistas em duo de canto e piano".

David Santos afirmou que espera que esta menção "abra novas portas" e lhe possibilite "dar mais concertos", não só na Alemanha, onde actualmente vive, mas também em Portugal. O músico referiu ainda que tem também interesse em colaborar com cantores em Portugal.

No ano passado, o músico chegou a gravar com o barítono Luís Rodrigues (na foto) o ciclo Viagem de Inverno, de Franz Schubert.

A sua formação começou em Portugal, tendo tirado o curso superior de Piano na Escola Superior de Música de Lisboa. Mas "a vontade de prosseguir" a sua "formação no estrangeiro" levou-o até aos EUA e à Alemanha, onde é professor.

DNartes

Publicado por vm em 10:35 AM | Comentários (0)

setembro 11, 2009

"SEIS PERSONAGENS À PROCURA DE AUTOR" de LUIGI PIRANDELLO - ESTREIA NO TEATRO MUNICIPAL SÃO LUIZ a 17 de SETEMBRO DE 2009

6personagensprocautor_2.jpg
SEIS PERSONAGENS À PROCURA DE AUTOR de Luigi Pirandello
Tradução Mário Feliciano e Fernando José Oliveira Com João Perry, Sylvie Rocha, Lia Gama, Mariema, Pedro Gil, Cândido Ferreira, Pedro Luzindro, Alexandra Viveiros, John Romão,
Vânia Rodrigues, António Simão, João Meireles, João Miguel Rodrigues, Joaquim Pedro, Miguel Telmo, Pedro Carraca, Pedro Lacerda, Rita Brütt, Diogo Correia, Jéssica Anne, João Delgado, Luís Godinho, Pedro Lamas, Ricardo Batista, Rui Rebelo, Sara Moura, Bruno Ambrósio | Hugo Rodrigues | Miguel Rodrigues e Inês Antunes | Matilde Coelho | Neuza Campos Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo

Uma produção Teatro São Luiz/Artistas Unidos
Estreia no Teatro Municipal São Luiz a 17 de Setembro de 2009

E NÃO ANDAM POR AÍ, À NOSSA PROCURA?

“E eis que surge uma família em luto, com rostos esmaecidos e como que vindos de um sonho. São as Seis Personagens que procuram Autor e que tentam viver. Querem ser mergulhadas num drama. São mais reais do que tu, encenador, trapalhão imundo. São reais e demonstram-no…”
Foi com esta declaração que Antonin Artaud saudou a estreia em Paris (em 1923, pelos Pitoeff) deste texto que rasgou as quatro paredes falsas do teatro como, ao mesmo tempo, entre o Cais do Sodré e Campo de Ourique, passando pelo copo de três no Val-do-Rio e olhando os guindastes no Porto de Lisboa, Pessoa rompia a identidade da voz poética.
E a dúvida ficou, o chão que treme por baixo dos pés dos actores, a necessidade de contar uma história, a impossibilidade de a contar na forma que tínhamos para a moldar, já que a vida é maior do que a escrita, a realidade impede a forma, tudo explode e o homem se dividiu, estilhaçado - pois o que em nós sente, está pensando... - o passado irrompe no presente, amaldiçoando-o, retirando-lhe tapetes e tábuas...
O que foi este veneno que, desde aqueles anos 20 de entre as duas Guerras, nos ministrou Pirandello, o siciliano, como se fosse um licor apenas, o que foi esta dúvida, que não nos livramos dela, e com ela entramos na “era da suspeiita”?
Que maldição, que poesia instalou ele nos velhos palcos do teatro (e ainda os há, velhos palcos?) para, pela derradeira (e sempre recomeçada) vez, podermos convocar fantasmas e melodramas, dramalhões impossíveis e vícios secretos, para vermos agonizar, entre gemidos, a odiada burguesia, a família sufocante, estrangulada, enredada na sua esterilidade?
Confesso: “Seis Personagens à Procura de Autor” é uma das muito poucas peças que, tendo já visto feitas e extraordinariamente (a encenação de Klaus Michael Grüber de 1981, na Freie Volksbuhne de Berlim, com cenografia de Titina Maselli, será um dos mais três, quatro mais belos espectáculos que vi), sempre quis fazer. Pois sempre me quis meter neste novelo, enredar-me nesta cama de gato.
Pirandello conta que tudo começou em 1910, quando lhe bateu à porta da fantasia a tragédia destas personagens. E pensou contar-lhes a história, escrever um romance. Em 1917, ainda não a consegue formalizar. E escreve numa carta “ Seis Personagens, metidas num drama tremendo que chegam até mim para eu as meter num romance. São uma obsessão. E eu digo-lhes que não, que não quero saber delas. E elas que me mostram todas as suas feridas, e eu que as ponho na rua.” Em 1911, num conto, Tragédia de uma personagem, chega-se ao Autor uma delas, o Doutor Fileno. Que lhe pede que escreva asua queda, que lhe dê vida. E usa argumentação que há-de surgir na boca do Pai, quando Pirandello, em 1921, ousa finalmente escrever mas agora para um palco, a impossível tragédia. E não há-de parar aí; em 1924, escreve um ensaio-prefácio onde revela o processo de criação; e quando dirige a peça, em 1925, para o seu Teatro d´Arte (e para Marta Abba, a actriz), reescreve o texto inserindo muitas das alterações, sugestões, variantes que vira nas produções que entretanto se fizeram da peça pelo mundo inteiro (e principalmente em Paris, 1923 – pelos Pitoeff - e Berlim, 1924 – por Max Rheinhardt).
E nós voltamos assim com ela aos anos em que o positivismo começou a tremer, o naturalismo se pôs a andar às arrecuas. Com o jovem Brecht que sempre perseguiremos, com este funâmbulo Pirandello de todos os arabescos, com tantos que nos lançaram o teatro para dentro destes nossos anos inseguros.Sem nos amparar na ilusão, sem nos acomodar ao já visto.
É bom, de vez em quando, voltar atrás.
E eu ando encantado, neste 2009, a reencontrar Pirandello, a perder-me nos seus silogismos, fulgurantes uns, apenas decorativos outros, farto que ando de me dizerem, nestes anos de recessão estética, que o que devemos é contar histórias daquelas com meio, fim e contracena, que é possível, voltar a fazer retratos e paisagens, agradar ao mercado, que no teatro devemos televisão, restaurando aquele mundo (injusto, não o esqueçamos) que há tempos já foi abaixo.
É com espanto que Pirandello vê o mundo cair, a burguesia e a sua imagem: e nada pode fazer a não ser desconfiar.
E que fazer com esta dúvida, que fazer? Talvez seja a mais duradoura das questões que o pirotécnico Pirandello ainda nos lança, 90 anos depois, casquinando: que fazer com a dor, a tremenda dor da existência?
Talvez por isso, as Seis Personagens andem ainda por aí, à procura. À nossa procura?
E já se sabe que não há escrita que lhes valha.
Jorge Silva Melo
ARTISTAS UNIDOS

Publicado por vm em 01:27 PM | Comentários (0)

agosto 20, 2009

"GUILHERMINA SUGGIA: CELLIST" BY ANITA MERCIER - ASHGATE PUBLISHING

cellist.jpg
Guilhermina Suggia: Cellist
by Anita Mercier
ISBN: 978-0-7546-6169-6
Publication Year: 2008 in hardback format
Number of Pages: 165
£50
ASHGATE Publishing


Any book about an artist like Suggia is a welcome event but this contribution by Anita Mercier is much more than that. This is a loving, respectful tribute to a fabulous musician and fascinating woman, thoughtfully written and expertly put together. Anita Mercier is a member of the Liberal Arts Faculty at the prestigious Juilliard School in New York, which she joined in 1995. She is a specialist in political theory and gender studies and was a recipient of the Erskine Prize for Faculty in 2004.
The subject of the book, Guilhermina Suggia (1885-1950), was a Portuguese cellist of great artistry, a virtuoso of the instrument, a woman far ahead of her time and one of the most remarkable soloists of her generation. Her first teacher was her father, Augusto Suggia, who recognised early that his daughter was a prodigy. Suggia gave her first concert at the age of seven and became a member of the distinguished Moreira de Sá String Quartet while still a teenager. During a visit to Lisbon, where she performed, Suggia made a big impression on the then Queen of Portugal, Dona Amélia, who ensured the young cellist was awarded a scholarship. This was to study in Leipzig, with one of the best teachers of the time and a most respected musician: Professor Julius Klengel.
Augusto Suggia was an unusual father for those days if one bears in mind the strict Catholicism of Portugal and the very conservative views regarding women everywhere in Europe. He helped both his daughters pursuing a musical career (her older sister Virgínia was a talented pianist) and most remarkably, he did for Suggia what was then normal practice only for an eldest son: He dedicated his life to further her career. Not only did he allow her to go to Leipzig but he also accompanied her, sacrificing himself and his family, to help the talented Suggia gain the foundations for a solid career as a solo musician. Her debut was with the celebrated Gewandhausorchester, in Leipzig, one year after having initiated her studies there with Klengel. It marked the beginning of a truly international and brilliant career as a cellist. She never looked back.
Suggia's life was no less fascinating than her career. She was unconventional, fiercely independent, determined, dedicated and completely focused. At a time when women were not allowed to play in orchestras; when they were supposed to marry and once married to give up their profession, should they have one at all, Suggia simply refused to follow the norm. She lived out of wedlock, for several years, with celebrated fellow cellist Pablo Casals; she pursued her career with great determination, managing it mostly on her own, negotiating fees, directing promotion and organising her concert schedule. She settled in England, after World War I, as the country was much better suited than Portugal to the kind of career Suggia intended and fully achieved. She did eventually return to her native country when she reached middle age. There, she finally married, at forty, Dr Carteado Mena; a man considerably older than her but well educated, open-minded and who accepted the freedom and independence that Suggia required to continue her career successfully, which indeed she did almost until her death in 1950. The last great public appearance of Suggia's glorious career, at the age of 64, was her performance on 27th August 1949, at the Edinburgh Festival, with the BBC Scottish Orchestra.
It is therefore unfortunate that an artist of such stature and such a fascinating, warm personality should have nearly been forgotten both in England, her adoptive nation, and perhaps even more so in her native Portugal. Partially, however, this may have been Suggia's own fault, as Ms Mercier explains in the book: On the one hand, she kept her personal life very private and chose not to share it; on the other, she was a keen performer who revelled in the thrill of the stage and a live audience. She did not like recording and was never happy with the sound of it. Therefore, precious little survived of her legendary performances. There are a few remastered recordings available and these are listed at the end of the book.
Anita Mercier has managed to write Suggia's biography in a wonderful, fluid style. The book is truly beautiful, both to the eye as well as to the mind. It has a simple, black hardback cover, with a protective jacket that features Suggia's striking portrait, painted by Augustus John (1878-1971). It can still be admired at the Tate Gallery, in London. The paper is of superb quality; it feels simultaneously crispy and smooth to the touch, however the font used is perhaps a little too small. Mostly and foremost, however, this book is lovingly written. It is a treat, a page-turner! I just couldn't put it down once I started reading it. This fact is not solely due to Ms Mercier's accomplished, flawless writing but also to the fascinating personality of the subject and this radiates from the pages like a beacon of light. Mercier obviously conducted thorough, detailed researches, successfully and effectively interchanging the narrative with extracts of newspapers' reviews of Suggia's concerts and letters, as well as letters, articles and accounts by her friends, family and contemporaries. These are all rare documents; not many have survived but Mercier persisted and gained access to documentation archived in Oporto, Suggia's native city.
Ms Mercier intelligently organised the narrative in eight logical chapters, arranged in chronological order, and named after significant stages or facts in the great cellist's life. At the end of the book, Mercier cleverly added three appendixes: the first contains Suggia's own published writings, the second is a list of her concerts, which is impressive even on its own, and finally the obituary, written by Milly B. Stanfield and published in The Strad in September 1950. To complement the narration and description of facts and events, Mercier managed to obtain a remarkable collection of photographs, featuring Suggia with friends, family or fellow artists, as well as a few portraits of the artist and her cello.
I simply loved this book. As a biography, it is definitely one of the best I have ever read, remarkably insightful and beautifully written. This makes it all the more difficult for me to say that I fear it will not sell very well. In spite of the undeniable quality of the book and the fascinating subject, the retail price of £50 for a 165-page hardback is undoubtedly exaggerated and too expensive. Hopefully, Ashgate Publishing will be planning a paperback edition, next year, at a more attractive and affordable price!
Margarida Mota-Bull

Publicado por vm em 12:06 AM | Comentários (11)

agosto 18, 2009

1º CONGRESSO DE "TEM- ASSOCIAÇÃO TODOS COM A ESCLEROSE MÚLTIPLA" BRAGA - 12 de DEZEMBRO -

j du pre 1.jpg
JACQUELINE DU PRÉ (Prémio GUILHERMINA SUGGIA - Londres-1955) foi portadora de Esclerose Múltipla - diagnosticada aos 28 anos.
A TEM – Associação Todos com a Esclerose Múltipla é uma IPSS (ver TEM a 8 de Julho).

A TEM vai realizar o seu 1º Congresso “Os direitos e os deveres dos doentes crónicos” no dia 12 de Dezembro, em Braga.

Organizações já confirmadas no 1º Congresso da TEM:

APD / Braga – Associação Portuguesa de Deficientes;

APDPK – Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson;

APELA - Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica;

APFQ – Associação Portuguesa de Fibrose Quistica;

MYOS — Associação Nacional Contra a Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica.

Pretendemos obter apoios de modo a que cada um pague o menos possível. Assim estamos a pensar que o valor da inscrição seja:

5€ - Participantes 2€ - Sócios da TEM e dirigentes Associativos*

* Dirigentes associativos de associações de deficientes ou de doenças crónicas

A inscrição inclui: Almoço, Coffee Break e Documentação / material para o Congresso.

Caso tenha um conhecimento de um possível patrocinador diga-nos ou reenvie-lhe este email. Dêem-nos uma resposta até ao dia 8 de Setembro. No folheto de divulgação vamos colocar as associações que vão estar presentes bem como os patrocinadores.

No fim desta mensagem está a descrição da TEM. Precisamos da ajuda de TODOS, basta ir à caixa multibanco e fazer uma transferência bancária desde 1 cêntimo, na conta da TEM com o NIB - 0032.0663.00209376618.43. Nota: se todos os portugueses nos dessem 0,01€ teríamos o nosso Centro Multidisciplinar para Doenças Neurodegenerativas (Alzheimer, Esclerose Múltipla e Parkinson) pronto. Ainda não temos site, mas pode visitar o nosso blogue www.tem-assoc.blogspot.com

Objectivos do Congresso:

• Esclarecer dúvidas sobre aspectos legais, relacionados com todas as doenças crónicas / deficientes;

• Explicar a necessidade de se criar uma Tabela Nacional de Incapacidade e Funcionalidades da Saúde, conforme as classificações da CIF (Classificação Internacional da Funcionalidade, Incapacidade e Saúde) da OMS;

• Aumentar a visibilidade do doente crónico com ou sem deficiência de modo a favorecer a sua inclusão social;

• Criar condições para que os doentes crónicos possam exercer, de pleno direito, a sua participação e integração na sociedade (apoio a quem quer continuar a trabalhar e precisa de situações especiais, como redução ou concentração do horário, ar condicionado, trabalhar em casa, mudanças em casa devido às deficiências);

• Ter em conta a transversalidade dos problemas e aspirações das pessoas com deficiência;


• Alertar para que alguns diplomas em vigor, possam ser melhorados a favor deste tipo de doentes ou para leis não regulamentadas;

• Divulgar as leis que conferem alguns benefícios / direitos às pessoas portadoras de deficiência e suas famílias, aos profissionais de saúde, aos profissionais de direito;

• Alertar toda a comunidade para as necessidades dos doentes crónicos;

• É Fundamental a criação do Estatuto Jurídico do Doente Crónico.

Queremos que este Congresso seja um espaço aberto e amplamente participado, por isso nele intervêm os doentes crónicos e suas famílias, bem como às associações de doentes crónicos, agentes da segurança social, a comunidade científica, os profissionais de direito, os profissionais da saúde,

Comissão de Honra

S.E. o Senhor Presidente da República, – Presidente da Comissão de Honra;

S.E. o Senhor Presidente da Assembleia da República;

S.E. o Senhor Ministro da Saúde;

S.E. o Senhor Ministro do Trabalho e da Segurança Social;

O Senhor Presidente da Comissão Parlamentar de Saúde;

O Senhor Director Geral da Saúde;

O Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados;

O Senhor Bastonário da Ordem dos Médicos.


Programa (PROVISÓRIO)


Dia: Sábado, 12 de Dezembro de 2009

Local: Universidade do Minho, Auditório A1 do Complexo Pedagógico do Campus de Gualtar – Braga.

10h00 – Recepção aos Congressistas.

10h30 – 11h00 Sessão Solene de Abertura presidida por Sua Excelência XXXXX e pelo Exmo. Sr. Bastonário da Ordem dos Advogados.

11h00 – 12h30 – Juntas Médicas – tabela de incapacidades / doenças; diferenças na atribuição de incapacidade, …”.

Congressista: XXXXXX

Moderador: Dr. José Figueiredo – Neurologista do H. S. Marcos e Presidente do Conselho Técnico Cientifico da TEM.

Co-moderador: Dra. Fátima Almeida – Advogada voluntária da TEM.

12h30 – 14h00 – Intervalo para Almoço

14h00 – 15h00 – Apoios e Benefícios Fiscais – (IRS, compra de carro, compra de habitação, apoios técnicos: cadeira de rodas, alterações na habitação, …).

Congressista: XXXXXX

Moderador: Dr. Luís Filipe Teixeira – Presidente Conselho Fiscal da TEM.

Co-moderador: Dr. Francisco Peixoto – Advogado voluntário da TEM.

15h00 – 15h30 – Pausa para café

15h30 – 17h00 – Trabalho e Segurança Social – (discriminação no emprego; Aposentação por incapacidade; Flexibilidade de Horário. Pensões….).

Congressista: XXXXXX

Moderador: Dr. Miguel Fernandes – Membro da Deleg. Distrital de Braga da Ordem dos Advogados.

Co-moderador: Dr. Nuno Ferreira – Advogado voluntário da TEM.

17h00 – 17h15 Leitura das Conclusões.

17h15 – 17h30 Sessão Solene de Encerramento presidida por Sua Excelência XXXX.

A Lei Portuguesa, de acordo com directivas nacionais e internacionais, confere alguns benefícios / direitos às pessoas portadoras de deficiência.

Todos nós sabemos que são muitas as dificuldades com que os doentes e as associações se deparam para garantir a concretização dos Direitos e os Deveres dos doentes crónicos / deficientes.

A legislação existente em Portugal não define com clareza e rigor técnico-científico o que é doença crónica e é suportada em documentos oficiais dispersos e muito incompletos: Portaria nº 349/96; Decreto-Lei nº 54/92; nº 407/98 e nº 861/99.

Não há nenhuma Tabela específica para a saúde onde se salvaguarde a adaptação dos benefícios de acordo com a evolução de cada doença (ver Notícia JN). Por isso, assistimos presentemente a critérios díspares para a mesma patologia. É premente uma Nova Tabela Nacional das Funcionalidades, Incapacidades e Saúde. A necessidade desta tabela prende-se com o facto de em Portugal as Juntas Médicas que atribuem os graus de incapacidade se basearem na Tabela Nacional de Incapacidades elaborada exclusivamente para as doenças profissionais, acidentes de trabalho e viação.


Descrição da TEM

A TEM foi constituída em Outubro de 2008, por um conjunto de pessoas, doentes, familiares e médicos, ligadas à doença neurológica Esclerose Múltipla. Foi constituída com o objectivo de dar apoio em diversas vertentes aos doentes e às suas famílias.

Tem já um local físico em Braga, para o Centro Multidisciplinar para Doenças Neurodegenerativas (Alzheimer, Esclerose Múltipla e Parkinson), onde pretende concretizar esse apoio, que pode albergar doentes de outras patologias (AVC, Oncológicos).

Os pacientes de doenças neurodegenerativas poderão, aí, ter consultas de psicologia, sessões de fisioterapia, apoio jurídico e actividades de terapia ocupacional.

A associação tem feito contactos com diversas instituições, que permitam ajudá-la na prossecução dos seus objectivos. Estabeleceu protocolo com a Delegação Distrital de Braga da Ordem dos Advogados e com o Laboratório de Neuropsicofisiologia do Departamento de Psicologia da Universidade do Minho. Estabelecerá um protocolo com o Instituto Superior de Saúde e do Alto Ave (ISAVE). O Departamento de Matemática para a Ciência e Tecnologia da Universidade do Minho fará um estudo epidemiológico da Esclerose Múltipla (não existe nenhum estudo em Portugal, estima-se que existam 6000 doentes de EM com base na média de dois estudos espanhóis).

Podem consultar os estatutos da TEM no Portal da Justiça, e devem introduzir NIF/NIPC: 508676819 e consultar documentos.

Publicado por vm em 04:06 PM | Comentários (0)

agosto 16, 2009

MORREU ISABEL ALVES COSTA, DIRECTORA DO TEATRO RIVOLI ENTRE 1993 e 2006

teatro_rivoli.jpg

Isabel Alves Costa, referência do teatro do Porto, foi vítima de doença súbita, ontem, aos 63 anos

Durante 13 anos, até 2006, foi o rosto mais visível do Teatro Rivoli, no Porto, como directora artística. Mas Isabel Alves Costa, falecida ontem, em Monção, era muito mais do que isso. Era um "espírito empreendedor que contagiava com o seu entusiasmo".

Isabel Alves Costa, uma das mais reputadas figuras culturais do Porto, foi vítima de morte repentina quando se encontrava de férias naquele concelho do Minho.

Actualmente, assumia as funções de directora do Teatro de Marionetas do Porto, promotor de um festival internacional (FIMP), e colaborava com o projecto Comédias do Minho. Em comunicado sobre a morte da sua fundadora, o FIMP afirma ter "mais uma razão para acontecer em Setembro: homenageá-la".

A reputação de Isabel Alves Costa como responsável cultural solidificou-se entre 1993 e 2006, período em que dirigiu o Teatro Rivoli, até Rui Rio, presidente da Câmara Municipal do Porto, entregar a gestão do espaço a uma empresa privada.

A sua reconhecida experiência na promoção e direcção artística levou-a a ser convidada para responsável da programação de artes performativas na Capital Europeia da Cultura Porto 2001.

Nuno Carinhas, actual director do Teatro Nacional de S. João, no Porto, que foi responsável, em 2005, pelo regresso de Isabel Alves Costa aos palcos, de onde se encontrava afastada há mais de 25 anos, realçou, precisamente, "o espírito empreendedor e o entusiasmo contagiante" da actriz, professora e programadora cultural.

"Era uma mulher muito entusiasmada, que partilhava esse entusiasmo com os outros. Punha sempre imenso empenho e alegria naquilo que fazia. E isso era contagiante".

Por este conjunto de razões é que o actual director do Teatro Nacional de S. João decidiu convidá-la para desempenhar um pequeno papel na peça "O tio Vânia", que encenou no Teatro Carlos Alberto (TeCA), também no Porto.

"Na altura, por amizade e por reconhecimento relativamente ao seu pensamento sobre o teatro, resolvi convidá-la para voltar aos palcos. Foi uma experiência fantástica ter partilhado com ela essa criação".

Também Júlio Gago, director do Teatro Experimental do Porto (TEP) e amigo de infância de Isabel Alves Costa, sublinhou o papel que ela desempenhou em prol da cultura portuense. "O seu desempenho à frente do Teatro Rivoli é disso um exemplo. Lamentavalmente, o poder autárquico vigente não soube reconhecer isso".

Júlio Gago não tem dúvidas em dizer que, com a morte de Isabel Alves Costa, "perde-se uma figura essencial do Porto, que foi extremamente molestada pela forma como foi afastada da direcção do Teatro Rivoli".

Isabel Alves Costa nasceu no Porto, em 30 de Julho de 1946. O pai, Henrique Alves Costa, cinéfilo militante e fundador do Cineclube do Porto, passou-lhe o gosto pelas artes do espectáculo.

Já no liceu, fez parte da associação dos liceus e participou intensamente na crise académica de 1962. Um ano mais tarde, rumaria a Paris. Tinha, então, 17 anos. Em França, deitou mãos a vários ofícios.

Mas o espectáculo era, de facto, a sua paixão e, por isso, inscreveu-se numa escola de teatro. Com a revolução de 25 de Abril de 1974, regressou ao Porto. Em 1997, doutorou-se em Estudos Teatrais pela Universidade Sorbonne.

A sua ligação a França é reconhecida pelo Governo daquele país, que, em 2006, a nomeou Cavaleira das Artes e Letras "pelo seu desempenho em prol da cultura". Ironicamente, recebeu o galardão quando já estava de saída da direcção do Rivoli.

Isabel Alves Costa, que tem vários livros publicados, deveria deslocar-se, hoje, a Melgaço, para acompanhar a peça "Inês Negra", pela Comédias do Minho.

Publicado por vm em 10:40 AM | Comentários (0)

julho 21, 2009

"PÁGINA ESQUECIDA" - MÚSICA PORTUGUESA PARA VIOLONCELO E PIANO - CASA DE BELGAIS - 25 DE JULHO de 2009 - 21,30 H - BRUNO BORRALHINHO E LUISA TENDER

borralhinhotender 1.jpg
RECITAL DE VIOLONCELO E PIANO

Apresentação do projecto “Página Esquecida - Música Portuguesa para Violoncelo e Piano”

CASA DE BELGAIS

Sábado | 25 de Julho de 2009 | 21:30 horas

Bruno Borralhinho, Violoncelo

Luísa Tender, Piano

Aria I .................................................................. Joly Braga Santos


Sonatina ............................................................. Cláudio Carneyro


Três Canções Populares Portuguesas .... Fernando Lopes-Graça


Sonata para Violoncelo e Piano ................................... Luiz Costa


Sonata para Violoncelo e Piano ................ Luís de Freitas Branco

www.brunoborralhinho.com| www.luisatender.com

Publicado por vm em 10:59 PM | Comentários (0)

julho 07, 2009

CONCERTO SINFÓNICO - 25 ANOS DA ESML - CCB - 12 de JULHO - 17 H

cartaz final red.jpg

Publicado por vm em 10:50 AM | Comentários (0)

junho 30, 2009

MORREU PINA BAUSCH - DIRECTORA DA TANZTHEATER WUPPERTAL PINA BAUSCH

Pina Bausch
Nos anos 1970, Pina Bausch criou novas formas e estilos no teatro e na dança. Dez anos mais tarde, o seu trabalho ganhou, na Alemanha, a mesma importância que o teatro falado.

A coreógrafa alemã Pina Bausch morreu hoje aos 68 anos. A directora da Tanztheater Wuppertal Pina Bausch, localizada em Wuppertal, e autora de "Café Müller", única peça sua que interpretou, terá sabido há cinco dias que sofria de cancro, avança o site da companhia da coreógrafa.

Pina Bausch nasceu em Solingen, na Alemanha. Com 15 anos iniciou os estudos de dança na Folkwang School em Essen, com o director e coreógrafo Kurt Jooss.

Formou-se em Dança e Pedagogia da dança e em 1959 consegue uma bolsa e vai para Nova Iorque dançar na Juilliard School. A bailarina acabaria por integrar a Metropolitan Opera House.

Em 1962 regressa à Alemanha para dançar no recém-fundado ballet da Folkwang, de Kurt Jooss
Com 33 anos é contratada para dirigir o Wuppertaler Tanztheater, mais tarde renomeado Tanztheater Wuppertal Pina Bausch.

A coreógrafa alemã é uma velha conhecida do público português: em 1994 Jorge Salavisa, programador de dança do Lisboa-Capital Europeia da Cul traz a Lisboa grandes obras de Pina Bausch, entre elas «A Sagração da Primavera», «Café Müller», «Kontakthof», «Viktor» e «1980». Já em 1998, a Expo 98 recebeu Pina Bausch no âmbito do Festival dos 100 dias. A coreógrafa ficou em Lisboa três semanas em «residência artística» e criou o espectáculo «Masurca Fogo».

Pina Bausch estava a semanas de começar a trabalhar num projecto com o realizador Wim Wenders.

Passagem por Lisboa o ano passado

Pina Bausch esteve o ano passado em Lisboa, a convite do Centro Cultural de Belém e o Teatro Municipal São Luiz, que organizaram um ciclo de conversas, filmes e três peças: a estreia nacional de "Nefés", sobre Istambul, "Masurca Fogo", feita sobre Lisboa em 1998 e apresentada na altura, e "Café Müller".

Em conferência de imprensa, a coreógrafa alemã revelou como no seu trabalho há apenas «a vida e as pessoas». Não há um conceito pré-definido antes de cada espectáculo: «Podemos seguir várias direcções», explica Pina Bausch (falando sempre num «nós» e fugindo sempre do «eu»), «e queremos envolver todos, nós e o público também».

Encolhida na cadeira, Pina Bausch respondeu a todoas as questões. Mas falhou uma. «Qual seria a melhor recompensa para uma artista como a Pina Bausch?» A coreógrafa fica perdida. «Tenho sorte….sorte não é a palavra certa…É maravilhoso que a dança mereça tanta atenção».
(www.sapo.pt)

Publicado por vm em 03:58 PM | Comentários (0)

junho 25, 2009

"GUILHERMINA E PABLO" de Isabel Millet - LANÇAMENTO DIA 27 de JUNHO - 18 H

Publicado por vm em 11:16 AM | Comentários (8)

junho 22, 2009

"LIRICAMENTE!" - CINE-TEATRO DE TORRES VEDRAS - 26 DE JUNHO de 2009 - 21,30H

ensemble darcos_logo3COR1B.jpg
LIRICAMENTE!

concerto comentado por Nuno Côrte-Real

programa:

L. Spohr
Três Canções Alemãs op. 103 para soprano e piano
I. Sei still mein Herz
(O meu coração está calmo)
V. Das heimliche Lied
(A Canção secreta)
VI. Wach auf
(Acordar)


N. Rota
Sonata em Sol para viola e piano
I. Allegro moderato
II. Adagio
III. Allegro

N. Côrte-Real
“Dois momentos a Pessoa, com Pessoa” Op.1
para soprano, clarinete em Lá e piano

pausa

M. Bruch
Oito Peças, op. 83 para viola, clarinete e piano
I. Andante
II. Allegro con moto
III. Andante con moto-Andante
IV. Allegro agitato
V. Rumanische Melodie (Andante)
VI. Nachtgesang-Nocturne (Andante con moto)
VII. Allegro vivace, ma non troppo
VIII. Moderato

F. Schubert
Der Hirt auf dem Felsen (O Pastor nas rochas) para soprano, clarinete e piano
I. Andantino
II. Allegretto

Ensemble Darcos
Elsa Cortez – soprano
Reyes Gallardo – viola
Fausto Corneo – clarinete
Helder Marques – piano

direção artística – Nuno Côrte-Real

nunocortereal71@yahoo.com

http://ensembledarcos.blogspot.com


Publicado por vm em 04:07 PM | Comentários (0)

junho 08, 2009

EL VIOLONCEL-LISTA JAPONÈS TAKEICHIRO HIRAI REALITZA UN CONCERT-HOMENATGE A PAU CASALS - 13 de JUNY - 22 H - AUDITORI PAU CASALS - VENDRELL

191_1.jpg

El llegendari deixeble japonès de Pau Casals, TAKEICHIRO HIRAI, farà un concert en homenatge al Mestre, el dissabte 13 de juny a les 22h, a l’Auditori Pau Casals del Vendrell. Actuarà acompanyat del seu fill i pianista Motoki Hirai i interpretaran obres de Bach, Schumann, Granados, Casals i Davidov.
Takeichiro Hirai va conèixer Pau Casals el 1957 a Puerto Rico i va tenir l’oportunitat d’estudiar-hi durant cinc anys. Casals es va convertir en el seu protector i va tenir una gran influència en la seva carrera tant des del punt de vista musical com humà. El 1961 va fer el seu debut a Tòquio sota la direcció de Pau Casals, amb els concerts de Dvorak, Schumann, Lalo i Boccherini. Al llarg de la seva carrera musical, va tocar amb les orquestres més reconegudes en auditoris tan importants com el Musikverein (Viena), el Concertgebouw (Amsterdam), el Wigmore Hall (Londres), la Salle Gaveau (París) i el Carnegie Hall (Nova York).

Igualment, ha estat mereixedor del primer premi del Japan Music Competition (1954) i del Premi Extraordinari del Primer Concurs Internacional de Violoncel Pau Casals de París (1957). Takeichiro Hirai també ha estat un actiu compositor d’obres simfòniques, música de cambra, música coral i lieder. Fins al 2003, va ser el director de l’associació de compositors i autors del Japó. Actualment, està fent una gira per Europa amb el seu fill Motoki Hirai, pianista.

Al vestíbul de l’Auditori, s’exposaran diversos documents originals de la relació entre els dos músics, que es conserven a l’Arxiu de la Fundació Pau Casals.

Pau Casals va dir d'ell “Un músic complet amb una tècnica i un gust excepcionals. Ell serà el meu successor.”

Per a més informació i reserves, podeu trucar al telèfon 977 68 34 68 o escriure un correu electrònic a auditoripaucasals@elvendrell.net

Publicado por vm em 09:21 PM | Comentários (0)

junho 05, 2009

DO ROMANTISMO PORTUENSE -CONFERÊNCIAS MUSICAIS 2009 - "VISITA A CYRIACO DE CARDOSO E A SEU PAI" - 19 de JUNHO - 21,30H - FACULDADE DE DIREITO - SALÃO NOBRE

ciriaco cardoso.jpg

Publicado por vm em 11:00 AM | Comentários (0)

maio 21, 2009

I CICLO DE MÚSICA DE CÂMARA DE PALMELA - SOCIEDADE FILARMÓNICA HUMANITÁRIA

sfh090521.jpg
Sociedade Filarmónica Humanitária

apresenta

I CICLO DE MÚSICA DE CÂMARA DE PALMELA

23 de Maio 2009 - 22 horas
Conservatório Regional de Palmela
Ensemble CamerArte

30 de Maio 2009 - 22 horas
Escola Superior de Música de Lisboa

*** ENTRADA LIVRE ***

Publicado por vm em 12:49 PM | Comentários (0)

maio 18, 2009

BADAJOZ- XXVI FESTIVAL IBÉRICO DE MÚSICA - VIERNES- 22 de MAIO - 21 HORAS - SALÓN DE PLENOS DE DIPUTACIÓN

XXVI Festival Ibérico de Música
MÚSICA ANTIGUA

Ensemble D.João V

Tera Mary Shimizu, violin;
Denys Stetsenko, violin;
Paul Wakabayashi, viola;
Paulo Gaio Lima, cello;
Candida Matos, harpsichord

H.I. Biber: Fidicinium Sacro-profanum(1681)
J.A.C. Seixas:Sinfonia in B flat
João Baptista A. Avondano:Sonata n. 4 in F Major
J.G. Graun:Trío Sonata in B flat Major
Soler: Quintet for obbligato harpsichord
Joseph Haydn: Divertimento in B, op 2 n. 6
G.Ph.Telemann: Ouverture in B flat- TWV 55-B5

Publicado por vm em 12:37 AM | Comentários (0)

maio 07, 2009

PARABÉNS NELLA MAISSA

n maissa.jpg
Nella Maissa celebra hoje o seu 95º aniversário.

Publicado por vm em 10:05 AM | Comentários (1)

abril 17, 2009

"GUILHERMINA SUGGIA: CELLIST", by ANITA MERCIER

gs cellist.jpg
THE STRAD APRIL 2009

Publicado por vm em 12:34 PM | Comentários (0)

abril 09, 2009

DO ROMANTISMO PORTUENSE - "VISITA AOS IRMÃOS NAPOLEÃO E A SEUS PAIS" - 17 de ABRIL - 21,30H - SALÃO NOBRE DA FDUP - RUA DOS BRAGAS, 223- PORTO

Do Romantismo Portuense1.jpg

Publicado por vm em 12:40 PM | Comentários (0)

abril 08, 2009

CONCERTO DE PÁSCOA - CINEMA TEATRO JOAQUIM DE ALMEIDA-MONTIJO (10 de ABRIL-21,30h) e IGREJA DE SÃO ROQUE -LISBOA (11 de ABRIL -21,00H)

FOTOS200904_02.gif

SEXTA-FEIRA
10 DE ABRIL, 21H30
CINEMA TEATRO
JOAQUIM D’ALMEIDA
MONTIJO

SÁBADO
11 DE ABRIL, 21H00
IGREJA DE SÃO ROQUE
LISBOA


A música sugestionada pelas sete derradeiras palavras de Cristo. Joseph Haydn, católico devoto, correspondeu assim em 1786 ao desafio de um prelado da cidade espanhola de Cádiz, com uma partitura plena de dramatismo e elevação espiritual. O maestro Michael Zilm dirige nestes concertos a versão original da obra; escrita para orquestra e cujas diversas partes foram pensadas para serem alternadas com a elocução do texto, conforme então impunha a tradição desta quadra religiosa no sul da península.

Marco Pereira, violoncelo
Gonçalo Pescada, bayan
José Lourenço, narrador
Michael Zilm, maestro
Orquestra Metropolitana de Lisboa


Joseph HAYDN
– As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz

Sofia GUBAIDULINA
– Sete Palavras

METROPOLITANA
Travessa da Galé 36 | 1349-028 Lisboa | Portugal
geral@metropolitana.pt
Telefone 213 617 320
Fax 213 623 833

Publicado por vm em 05:45 PM | Comentários (0)

abril 06, 2009

7º CONCURSO DE INSTRUMENTOS DE ARCO "JÚLIO CARDONA" - de 3 a 9 de ABRIL no TEATRO CINE DA COVILHÃ

cartaz_big.jpg
7.º CONCURSO DE INSTRUMENTOS DE ARCO «JÚLIO CARDONA»

Noticiário

As Provas do 7º Concurso de Instrumentos de Arco “Júlio Cardona”, de âmbito internacional, começam já no dia 3 de Abril e prolongam-se até ao dia 9 de Abril. Terão lugar no Teatro Cine da Covilhã.

São 82 Concorrentes de 29 países assim distribuídos:

Portugal, com 22 concorrentes, Alemanha com 9, Espanha 8, Polónia e Suiça com 5 cada, e Canadá e Itália ambos com 3 candidatos. Com dois concorrentes :- Brasil, Inglaterra, Rússia, Sérvia e Ucrânia. Com um concorrente: - Andorra, Áustria, Bélgica, Chile, China, Colômbia, Coreia do Sul, Croácia, Cuba, Eslovénia, Estónia, França, Grécia, Japão, Letónia, Moldávia e Roménia.

Calendário das Provas

Dias 3, 4, 5, 6 e 7 de Abril - de manhã, à tarde e à noite - Provas de Selecção
Dia 8 de Abril - de manhã, à tarde e à noite - Provas Finais das Classes B e A (esta
com Orquestra)

Dia 9 de Abril - às 15,00 h. - TERTÚLIA - Evocação da grande violoncelista portuguesa
Guilhermina Suggia

- Moderador - Dr. João Maria de Freitas Branco
- Comunicação - Profª. Madalena Sá e Costa
- Recital – pelo violoncelista covilhanense Filipe Quaresma
Ao piano – Nuno Santos Dias
-Interpretação da peça “Epílogo para Guilhermina Suggia”, de
Rebecca Clark
- Violoncelo Montagnana , - oferecido por Guilhermina Suggia
à cidade do Porto e cedido expressamente pela Câmara
do Porto para este Recital.

- às 21,30 h. – Concerto de Encerramento e Distribuição de Prémios.
Recital pelos Concorrentes laureados com o 1º Prémio.

Participação da Orquestra de Câmara do Minho


Publicado por vm em 03:06 PM | Comentários (0)

abril 03, 2009

Of Mind, Medicine and Music: "SELF COMES TO MIND" - OBRA MUSICAL DE BRUCE ADOLPHE INSPIRADA EM "O ERRO DE DESCARTES" DE ANTÓNIO DAMÁSIO"

dam e ad.jpg
Antonio Damasio and composer Bruce Adolphe present their neuroscience-inspired musical work Memories of a Possible Future.
The piece was composed by Bruce Adolphe, based on passages from Damasio’s book Descartes’ Error. To create it, Adolphe drew his compositional procedures from Damasio’s description of memory in Descartes’ Error, using note groupings and harmonies as “convergence zones” in which melodic musical fragments are reconstituted rather than developed or varied in a conventional sense. The work was premiered at Lincoln Center in 2003.
Damasio and Adolphe, together with musicians from the USC Thornton School of Music, will present this moving and provocative work in a symposium and performance.

This year, Damasio and Adolphe collaborated to produce Self Comes to Mind, which will be premiered by Yo-Yo Ma at the American Museum of Natural History in New York on May 3.
Antonio Damasio is the director of the USC College’s Brain and Creativity Institute. His groundbreaking work on the neurobiology of mind and behavior, emotion and creativity is some of the most exciting research currently taking place in the field of neuroscience. His research has helped to elucidate the neural basis for emotions and has shown that emotions play a central role in social cognition and decision-making. Damasio’s work has also had a major influence on the current understanding of the neural systems that underlie memory, language and consciousness.
Bruce Adolphe has composed music for many renowned musicians and ensembles, including Itzhak Perlman, Sylvia McNair, the Brentano String Quartet, the Beaux Arts Trio and the Orpheus Chamber Orchestra. In addition, Adolphe is resident lecturer and director of family concerts for the Chamber Music Society of Lincoln Center, keyboard quizmaster on American Public Media’s Piano Puzzler and founder and creative director of The Learning Maestros, an education company. The author of three books on music, Adolphe has taught at Yale, Juilliard and New York University.
The lecture will be followed by a reception in the Hoyt Gallery.
This event will be presented as part of the Medical Humanities, Arts and Ethics series. Additional events include The Spirit Catches You and You Fall Down, a lecture by Anne Fadiman on Monday, January 12, and “Trust No One”… or, How One Surgeon Actually Learned To Trust, a lecture by Pauline Chen on Friday, January 23.
Organized by Pamela Schaff (Pediatrics and Keck Educational Affairs), Erin Quinn (Family Medicine and Keck Admissions), Hilary Schor (English and Law) and Peter Crookes (Surgery), and co-sponsored by the Keck School of Medicine’s Program in Medical Humanities, Arts, and Ethics and the USC Pacific Center for Health Policy and Ethics.
visionsandvoices@usc.edu

Publicado por vm em 12:38 PM | Comentários (0)

março 24, 2009

JOSEP COLOM - MASTERCLASS DE PIANO 14-16 de MAIO DE 2009 - ESMAE-PORTO

img013a.jpg
carregue AQUI para ver todas as informações.

Natural de Barcelona, Josep Colom está considerado tanto pelo público como pela crítica especializada como um dos mais destacados pianistas do panorama espanhol.

Foi-lhe concedido pelo Ministério da Cultura Espanhol o “Prémio Nacional de Música 1998″. Entre os prémios obtidos no início da sua carreira destacam-se o Primeiro Prémio no Concurso Internacional de Santander Paloma O’Shea (1978), os Primeiros Prémios do Concurso Internacional de Jaén e Epinal na França, para além dos Prémios “Beethoven” e ” Scriabin” da Rádio Nacional Espanhola.

Após a sua estreia em França, no Théâtre des Champs Elysées de Paris em 1979, o jornal “Le Monde” deixou escrito: «um recital que faz esquecer todos os outros».

Foi convidado a participar como membro do Júri em inúmeras competições internacionais, com especial destaque para o Concurso Internacional de Piano “Frederick Chopin” de Varsóvia.

Apresenta-se regularmente com praticamente todas as orquestras espanholas – Orquestra Nacional de Espanha, Orquestra da RTVE, Real Orquestra Sinfónica de Sevilha, Málaga, Sinfónica da Galiza, a Real Filarmónica da Cidade de Barcelona, Orquestra de Tenerife, etc. – tendo-se apresentado também com a Boston Symphony Orchestra, English Chamber Orchestra, London Philharmonic Orchestra, Orquestras de Maastricht, de Buccarest, Orquesta Filarmónica de Zagreb, de Estrasburgo, de Varsóvia, Bamberger Symphoniker, Orquestra Filarmónica de Oslo, Orquestra Gulbenkian e Orquestra do Porto, em colaboração com maestros como Bragado Darman, Edmond Colomer, Sergiu Comissiona, F. Paul Decker, García Asensio, Sir Alexander Gibson, Eliahu Inbal, Arpad Joo, Kiril Kondrachiev, Krzysztof Penderecki, Salvador Mas, Víctor Pablo, Josep Pons, Alesander Rahbari, Antoni Ros Marbá, Antoni Witt y Michael Jurowsky. Realizou uma tournée pelas principais cidades da Áustria, Suíça, Alemanha e Japão com a Orquestra Cidade de Barcelona sob a direcção do Maestro Colomer, e mais recentemente pela França e Bélgica com a Orquestra de Granada sob direcção de Josep Pons, alcançando sempre um grande êxito junto do público e da crítica.

Viaja regularmente por toda a Europa para dar recitais e concertos, apresentando-se em Festivais como La Roque d’Anthéron, Château de Joiville, Bagatelle de Paris, Festival de Duszniki Chopin, e Festival Tanglewood, Festival Pablo Casals, entre outros.
Apresentou também vários recitais com o violoncelista Lluis Claret com a integral de Beethoven para violoncelo e piano no Palau de la Música de Barcelona e no Auditório Nacional de Madrid, entre outros locais.
A sua carreira discográfica teve início em 1982 com a gravação da integral das sonatas de Blasco de Nebra (século XVIII) para a etiqueta Etnos, pelas quais recebeu o Prémio do Ministério da Cultura. Em 1989 gravou em CD a obra completa para piano de Manuel de Falla para a editora Circe (França), trabalho amplamente aclamado pela crítica francesa que acabou designado pelo Fanfarre New York Magazine como sendo a melhor versão dessas obras. Gravou a obra completa para dois pianos e quatro mãos de Brahms com a colaboração da pianista Carmen Deleito (Chant du Monde) e os Concertos n º 1 e n º 2 para piano e orquestra de Brahms, com a Orquestra Sinfónica da Rádio de Praga. A sua discografia distribuída pela Harmonia Mundi inclui autores tão diversos como Brahms (Variações e últimos opus), as principais obras de Frank e de Falla, a integral da obra de Mompou, e “Noches en los Jardines de España” de Falla com a Orquestra de Granada dirigida por Josep Pons, tendo todas estas gravações sido entusiasticamente recebidas pela crítica internacional.

Publicado por vm em 10:44 AM | Comentários (0)

março 20, 2009

CCB- PEQUENO AUDITÓRIO - 29 de MARÇO - 11 HORAS - " CONCERTOS À CONVERSA" -

img012a.jpg

Publicado por vm em 01:51 PM | Comentários (0)

março 10, 2009

DO ROMANTISMO PORTUENSE - CONFERÊNCIAS MUSICAIS 2009 - " VISITA AO CASAL DUBINI E FILHOS" - 13 DE MARÇO - 21,30H

Do Romantismo Portuense -.jpg

Publicado por vm em 11:55 PM | Comentários (0)

fevereiro 27, 2009

PREMIADOS NO "8th INTERNATIONAL PIANO COMPETITION OF RUSSIAN CONSERVATORY OF PARIS ALEXANDER SCRIABIN

img008.jpg

Publicado por vm em 04:12 PM | Comentários (0)

fevereiro 20, 2009

RAUL PEIXOTO DA COSTA VENCE CONCURSO INTERNACIONAL DE PIANO "ALEXANDER SCRIABIN"

r peixoto costa
Pianista de 16 anos da Póvoa de Varzim vence concurso internacional em Paris
(foto tirada DAQUI)

O jovem pianista português Raul Peixoto da Costa venceu quarta-feira, dia em que fez 16 anos, o primeiro prémio no Concurso Internacional de Piano ‘Alexander Scriabin', realizado no conservatório russo de Paris, confirmou hoje à agência Lusa o pai.

Entre candidatos de todo o mundo, Raul Peixoto da Costa, natural da Póvoa de Varzim, foi o único dos premiados que não é russo, tendo interpretado peças dos compositores Johann Sebastian Bach, Frédéric Chopin, Beethoven e Sergei Prokofiev.

O júri da competição foi presidido por Mikhail Voskresensky, professor naquele conservatório de Paris.

Filho do advogado, escritor, poeta e declamador Aurelino Costa, Raul tem ganho vários prémios, não só em Portugal, mas também no estrangeiro e contabiliza várias participações em espaços como a Casa da Música, no Porto, e o CCB, em Lisboa, entre outras.

O ano passado, conquistou também o primeiro prémio no Concurso Internacional de Jovens Pianistas, que se realizou em San Sebastian, Espanha.

Em declarações à agência Lusa, o pai de Raul Peixoto Costa disse estar “muito satisfeito”, tendo frisado que este é um prémio “que não é só para ele e para nós (pais) mas também para a Póvoa de Varzim e para todo o País”.

Após ter actuado, Raul Peixoto da Costa mandou-lhe uma mensagem a dizer que a sua prestação “tinha corrido bem”.

“Depois, cerca das 19h00 ligou-me a dizer que tinha ganho e estava muito feliz, porque ele trabalha muito e esta distinção acaba por ser o reconhecimento de todo o seu trabalho e esforço”, disse o pai à Lusa.

O jovem poveiro, que frequenta o 10º ano, estuda ainda na Escola de Música S. Pio X, em Vila do Conde, sob orientação do professor Álvaro Teixeira Lopes.

Raul Peixoto Costa, que também toca clarinete, descobriu aquilo que costuma denominar de “maravilhoso mundo da música” quando tinha apenas 7 anos, altura em que ouviu a mãe tocar.

Começou aí a ensaiar as primeiras notas e nunca mais largou o piano.

Ainda hoje, mantém um sonho de criança que é tocar, um dia, no Carnegy Hall, em Nova Iorque.

Lusa, hoje às 0:01

Publicado por vm em 10:12 AM | Comentários (22)

fevereiro 10, 2009

DO ROMANTISMO PORTUENSE - CONFERÊNCIAS MUSICAIS 2009 - " VISITA À FAMÍLIA ARROYO" - 13 DE FEVEREIRO - 21,30H

fam arroyo.jpg

Publicado por vm em 06:45 PM | Comentários (0)

janeiro 14, 2009

"DO ROMANTISMO PORTUENSE" - CONFERÊNCIAS MUSICAIS 2009 - 16 DE JANEIRO - 21,30H - "VISITA À FAMÍLIA RIBAS"

Logotipo JMP.bmp

Publicado por vm em 12:29 PM | Comentários (0)

dezembro 05, 2008

ENSEMBLE MEDITERRAIN - "QUARTETO PARA O FIM DO TEMPO" - COIMBRA (5 de DEZEMBRO) E ÉVORA (6 de DEZEMBRO)

ensemble med.jpg
ENSEMBLE MEDITERRAIN

Olivier Messiaen (1908-1992):

"Quarteto para o Fim do Tempo"

Laura Ruiz Ferreres, Clarinete
Gabriel Adorján, Violino
Bruno Borralhinho, Violoncelo
Dunja Robotti, Piano

Sexta-feira, 5 de Dezembro, 21:30 horas

XVI Festival de Música de Coimbra

Biblioteca Joanina (Coimbra)


Sábado, 6 de Dezembro, 18:00 horas

Eborae Musica: IV Ciclo de Concertos - Novas Músicas no Alentejo

Convento dos Remédios (Évora)

HOME: http://www.ensemble-mediterrain.com


Publicado por vm em 12:22 PM | Comentários (0)

dezembro 03, 2008

RECITAL DE VIOLONCELO E PIANO - Instituto Franco-Português - 9 de DEZEMBRO - 19 H

Recital Braga.jpg
(fotografia de Paulo Nogueira)


UM RECITAL DA ANTENA 2 com o apoio da ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA

Violoncelo – Bruno Pinto Cardoso
Piano – Raquel Cunha


Programa:

I Parte:

Joly Braga-Santos (1924-1988)
Aria I (1946)


Gaspar Cassadó (1897 - 1966)
Suite para Violoncelo Solo (1925)

I. Prelúdio-Fantasia
II. Sardana (Dança popular da Catalunha)
III. Intermezzo e Dança Final


Gabriel Fauré (1845-1924)
Andante, da IIª Sonata para violoncelo e piano, op. 117 (1921)


Claude Debussy (1862-1918)
Sonata para violoncelo e piano (1915)

• Prologue
• Sérénade et Finale

II Parte:

Cláudio Carneyro (1895-1963)
“A Roda dos Degredados” (1943)
(canção das margens do Zêzere, Beira Baixa- do cancioneiro de António Joyce)


Alberto Ginastera (1916-1983)
Pampeana nº2, para violoncelo e piano, op. 21 (1950)


Heitor Villa- Lobos (1887-1959)
“O Canto do Cisne Negro” (1917)


Astor Piazolla (1921-1992)
“Gran Tango”, para violoncelo e piano (1982)

Publicado por vm em 07:52 PM | Comentários (0)

novembro 26, 2008

MUSEU DA MÚSICA - ( ESTAÇÃO DE METRO "ALTO DOS MOINHOS") - 27 de NoVEMBRO - 19 H - AVONDANO ENSEMBLE

view.jpg
.:: AVONDANO ENSEMBLE ::.

Quinta-Feira, 27 de Novembro // 19:00 h

O Avondano Ensemble apresenta a partir do Museu da Música o seu projecto discográfico e editorial em torno da figura do compositor português do século XVIII, João Baptista André Avondano. Esta apresentação contará com um pequeno concerto transmitido em directo via Internet pela Beira TV (http://www.beiratv.pt). A entrada é livre.

Será uma oportunidade rara para conhecer a música de um compositor desconhecido do grande público e, simultaneamente, apreciar as qualidades de dois instrumentos históricos de referência do Museu da Música: o violoncelo Stradivarius ‘Rei D. Luís’ (1725) e o cravo de Joaquim José Antunes (1758).


MUSEU DA MÚSICA

Estação do Metropolitano Alto dos Moinhos

Rua João de Freitas Branco

1500-359 LISBOA

PORTUGAL

Tel: (351) 21 771 09 90 / Fax: (351) 21 771 09 99 / e-mail: mmusica@ipmuseus.pt

site: www.museudamusica-ipmuseus.pt / blog: http://museu-musica.blogspot.com


--------------------------------------------------------------------------------

Publicado por vm em 02:24 PM | Comentários (0)

novembro 24, 2008

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - SEXTA-FEIRA - 28 DE NOVEMBRO - 21, 30H

Temporada DARCOS 2008 *

Insustentável Leveza

SEXTA-FEIRA, 28 de Novembro, 21h30h
Teatro-Cine de Torres Vedras

Violoncelista convidado
Mats Lidström

Programa:

W.A. Mozart
Adagio e fuga em dó menor K.426 e 546
(transcrição para 2 violoncelos e piano de Mats Lidström)

N. Côrte-Real
Volupia op.42 estreia absoluta
(para 2 violoncelos e piano)

intervalo

F. Schubert
Quinteto de cordas em dó maior, op. póstumo 163
– Allegro ma non troppo
– Adagio
– Scherzo – Trio Andante sostenuto
– Allegretto
– Più Allegro


Ensemble Darcos
Violinos - Gael Rassaert e Ana Pereira
Viola – Reyes Gallardo
Violoncelos – Filipe Quaresma e Mats Lidstrom
Piano – Helder Marques
Direcção Artística - Nuno Côrte-Real


* A Temporada DARCOS 2008 é uma série de concertos que se realizam no
Teatro-Cine de Torres Vedras, e cuja direcção artística está a cargo do
compositor Nuno Côrte-Real. Maioritariamente constituída por música de
câmara, a Temporada DARCOS 2008 conta com a presença de comentadores de renome nacional, músicos convidados nacionais e internacionais, encomendas a compositores portugueses, ensaios abertos ao público, e criação vídeo original. Da música interpretada destaca-se o romantismo alemão com compositores como Schubert ou Brahms, o modernismo francês com Debussy ou Ravel, e uma especial e regular presença de obras de Nuno Côrte-Real, revisitadas ou escritas a propósito. E claro, a presença estrutural do mestre Beethoven

Publicado por vm em 11:58 PM | Comentários (0)

novembro 18, 2008

"ASSOBIAR EM PÚBLICO" de JACINTO LUCAS PIRES

assobiar em publico.bmp
JACINTO LUCAS PIRES

lança o seu novo livro

ASSOBIAR EM PÚBLICO

Quarta-feira, dia 19 de Novembro,
às 18h30,
convidamo-lo a assistir ao lançamento do livro Assobiar em Público de Jacinto Lucas Pires (vencedor do Prémio David Mourão-Ferreira). Está prevista a apresentação de Carlos Vaz Marques, jornalista da TSF.

O evento decorrerá na livraria Pó dos Livros (Av. Marques de Tomar 89A, Lisboa).

Publicado por vm em 06:56 PM | Comentários (1)

novembro 11, 2008

CD À VENDA - " QUATTRO SONATE E DUE DUETTI PER DUE VIOLONCELLI", de JOÃO BAPTISTA ANDRÉ AVONDANO

Avondano.jpg
Compositor e violoncelista português, João Baptista André Avondano fez parte da Orquestra da Real Câmara e estudou em Paris em 1769 com Jean-Pierre Duport, tendo publicado nessa cidade e em Lyon estas Quattro Sonate e Due Duetti per due Violoncelli dedicati a Sua Maestà Il Re di Portugallo dal Sig.r Gio: Batista Andrea Avondano.

Na gravação deste CD duplo foram utilizados dois instrumentos históricos do Museu da Música: o violoncelo Stradivarius “Rei de Portugal” (1725) e o cravo Antunes (1758).

O Avondano Ensemble desenvolveu este projecto tendo como base o único exemplar conhecido destas obras, que se encontra na Staatsbibliothek de Berlim com a referência KH.M. 122 – Rism A 2946 e dos vários manuscritos aí existentes.
A publicação em partitura contém uma edição crítica, com uma versão em notação actualizada e a realização harmónica do baixo contínuo, para além de um fac-simile da edição original.

Publicado por vm em 06:20 PM | Comentários (0)

setembro 28, 2008

RECITAL - 2 de OUTUBRO de 2008 - 19,00 H - "COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DE OLIVIER MESSIAEN E DO DIA MUNDIAL DA MÚSICA" - FUNDAÇÃO PORTUGUESA DAS COMUNICAÇÕES

Camille Saint-Saens
"Triptyque" para Violino e Piano, op. 136

"Prémice"

"Vision Congolaise"

"Joyeuseté"

Olivier Messiaen
"Theme et Variations"


Intervalo

Cesar Franck
"Sonate para Violino e Piano en lá Maior"
Allegretto moderato

Allegro

Recitativo-Fantasia – Moderato

Allegretto poco mosso

Pedro Morais Andrade – Violino

Gottlieb Wallisch - Piano

LOCAL:

Fundação Portuguesa das Comunicações

Rua do Instituto Industrial, 16

1200-225 Lisboa

Tel: 21 3935000

Contact:
email: mail@pedromoraisandrade.com
email: pedromoraisandrade@yahoo.com

Personal Homepage:
www.pedromoraisandrade.com

General Management:

Akademie-& Konzertbüro Richter
Soldinerstr. 6
D-13359 Berlin

E-Mail: klaus@richter-berlin.de
http://www.konzertbuero-richter.de

Tel: +49 30 253 581 44
Fax: +49 30 265 547 70

Publicado por vm em 12:59 PM | Comentários (0)

setembro 23, 2008

AUDITÓRIO DE LAGOA - 27 de Setembro de 2008 -21,30h - RECITAL DE PIANO COM FAUSTO NEVES

Programa

I Parte

DOMENICO SCARLATTI Sonata em Dó Maior (Pastoral) K.513

(1685 – 1757)

LUDWIG VAN BEETHOVEN Sonata op. 28 em Ré Maior (Pastoral)

(1770 - 1827)

1. Allegro

2. Andante

3. Allegro Vivace (Scherzo)

4. Allegro ma non troppo (Rondo)


OLIVIER MESSIAEN Noël (de “Vingt Regards sûr l’Enfant-Jésus”)

(1908 - 1992)

II Parte


FRANZ LISZT Allegretto de Valsa

(1811 – 1886)

Première Valse Oubliée


Soneto de Petrarca

(“Anos de Peregrinação”, II livro, nº6)


Estudo de Concerto “Murmúrios da Floresta”


FRÉDÉRIC CHOPIN Mazurka op.7 nº2 em Lá menor

(1810 – 1849)

Balada nº 4 em Fá Menor, op. 52

Publicado por vm em 10:35 AM | Comentários (0)

setembro 20, 2008

"GUILHERMINA SUGGIA: CELLIST", de ANITA MERCIER

CELLIST 1.jpg
Livro de ANITA MERCIER (professora de THE JUILLIARD SCHOOL, USA), acabado de editar em Inglaterra (ASHGATE PUBLISHING LTD) e Estados Unidos da América (ASHGATE PUBLISHING COMPANY)

Publicado por vm em 05:45 PM | Comentários (0)

setembro 16, 2008

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - 19 DE SETEMBRO - 21, 30 H - "TEMPORADA DARCOS 2008"

300 MIX - uma viagem musical

Concerto comentado por
Nuno Côrte-Real
e com a participação especial de
Miquel Bernat

PROGRAMA

J. Brahms
Adagio do trio em lá menor opus 114

C. Debussy
Final – Animé da sonata para violoncelo e piano em Ré menor

F. Schubert
Allegro Moderato da sonata para piano e arpeggione em Lá menor
(versão para viola)

Intervalo

J. S. Bach
Preludio, Courante e Sarabande (da1ª suite para violoncelo solo) - MARIMBA

G. Gershwin
1º Prelúdio - PIANO

P. Hindemith
II – Lebhaft da sonata nº 2 para piano - PIANO

G. Ligeti
Capriccio – presto con flancio da sonata para violoncelo solo – VIOLONCELO

David del Puerto
42º a la sombra – MARIMBA

J. S. Bach
Preludio, Allemande e Courante (da 1ª suite para violoncelo solo) - VIOLA

N. Côrte-Real
Gestos - opus 40 para violoncelo e marimba

Ensemble Darcos
Marimba Miquel Bernat
Viola – Reyes Gallardo
ViolonceloFilipe Quaresma
Piano Helder Marques
Direcção Artística Nuno Côrte-Real

Publicado por vm em 11:01 AM | Comentários (2)

julho 10, 2008

FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DO RIBATEJO - CONVENTO DE CRISTO - TOMAR - 11 de JULHO - 21,45h - ENSEMBLE MEDITERRAIN

conv cristo.jpg
ENSEMBLE MEDITERRAIN (Berlim)

Laura Ruiz Ferreres, clarinete

Gabriel Adorján, violino

Bruno Borralhinho, violoncelo

Dunja Robotti, piano

N.N., Orador

Programa:

Olivier Messiaen - 'Quarteto para o Fim do Tempo'

www.ensemble-mediterrain.com

Publicado por vm em 06:41 PM | Comentários (0)

julho 03, 2008

COMPOSITOR PORTUGUÊS JOÃO PEDRO OLIVEIRA PREMIADO EM FRANÇA

jpoliveira.jpg
O compositor português João Pedro Oliveira foi distinguido com o prémio Magisterium, no concurso internacional de música e arte sonora electroacústica de Bourges (França).
O prémio, de relevo a nível mundial na área, é atribuído anualmente a um compositor que tenha desenvolvido uma carreira de prestígio na música eelectroacústica ou mista (instrumentos e electrónica).
Entre os compositores a quem já foi atribuído este prémio figuram nomes como Bernard Parmegiani, Jean-Claude Risset, Wlodzimierz Kotonski e Francis Dhomont.

Professor catedrático na Universidade de Aveiro, João Pedro Oliveira conta na sua carreira de compositor com vários prémios internacionais.
Além de ser distinguido em Bourges, em cujo concurso já havia sido premiado no ano passado, só no ano de 2007 obteve o primeiro prémio no Roma Soundtrack Competition (Itália), o prémio Yamaha-Visiones Sonoras(México) e foi ainda premiado no concurso de Música Nova (República Checa), tendo produzido obras sob encomenda para instituições como a Orquestra Arturo Toscanini (itália) e a Fundação Gulbenkian.

João Pedro Oliveira nasceu em 1959 e estudou composição, órgão e arquitectura em Lisboa. De 1985 a 1990 esteve nos Estados Unidos com uma bolsa da Fundação Gulbenkian e da Comissão Cultural Luso-Americana.

Na Universidade de Aveiro, João Pedro Oliveira ensina Composição, Análise e Música Electroacústica.
Diário Digital / Lusa

Publicado por vm em 12:02 AM | Comentários (0)

julho 02, 2008

"SAGA" - ÓPERA EXTRAVAGANTE- JERÓNIMOS/MUSEU DA MARINHA DE QUINTA A DOMINGO ÀS 21,30H

SAGA.jpg
Junho Julho
Até 13 de Julho será representada a ópera extravagante SAGA.
Música de Jorge Salgueiro
Libreto é de João Brites a partir de contos e poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen.
De Quinta a Domingo às 21h30m,
Jerónimos/Museu de Marinha

JOANA: Inês Madeira (mezzosoprano dramático)
MIGUEL: João Sebastião (tenor lírico)
MULHER DO SILÊNCIO: Sara Belo (soprano dramático)
HOMEM DO SILÊNCIO: Rossano Ghira (contratenor)
DEUSA PIRATA e CAPITÃO PIRATA: Filipa Lopes (soprano coloratura)
DEUS PIRATA e ARMADOR PIRATA: Fernando Ribeiro (voz gutural "Moonspell") ou Rui Sidónio (voz gutural "Bizarra Locomotiva")
MARIA: Cristina Ribeiro (pop rock e fado)
GUSTAVO: Francisco Fanhais (cantautor de intervenção)
LAURA: Ana Brandão (actriz-cantora)
ISABEL: Sandra Rosado (bailarina-cantora)
JOÃO: Pedro Ramos (bailarino-tenor dramático)
BANDA DA ARMADA

Publicado por vm em 11:06 AM | Comentários (0)

junho 30, 2008

ANTÓNIO PINHO VARGAS - CCB - 05 de JULHO - 21 horas - PEQUENO AUDITÓRIO

apv.bmp
Depois de cerca de sete anos afastado dos palcos enquanto performer, António Pinho Vargas, grande referência da composição erudita contemporânea em Portugal, regressa às gravações e aos concertos. A propósito do lançamento do primeiro de dois CD duplos a solo - Imperfeições 1 & 2 - o CCB recebe o aguardado reencontro de Pinho Vargas com o público. O compositor propôs que este concerto de lançamento tivesse lugar no mesmo local onde foi gravado em Dezembro de 2007: o Pequeno Auditório. Neste recital, António Pinho Vargas revisita, em novas versões para piano solo e com uma nova atitude face ao acto de improvisar, as composições para os seus grupos de jazz (de 1976 a 2000) e quatro outras peças suas nunca gravadas.
www.antoniopinhovargas.com

Publicado por vm em 10:41 AM | Comentários (0)

junho 27, 2008

GUILHERMINA SUGGIA NASCEU FAZ HOJE 123 ANOS

suggia 27.jpg

Publicado por vm em 09:30 AM | Comentários (0)

junho 26, 2008

FÁBRICA BRAÇO DE PRATA - AMANHÃ 27 DE JUNHO - 22 HORAS- RECITAL DE HOMENAGEM A GUILHERMINA SUGGIA

Programa:

MAX REGER – Prelúdio – Gavotte da Suite Nº 2 op. 131C nº 2 para violoncelo solo
Violoncelo – RAMON BASSAL

J.S.BACH – Preludio – da Suite Em Ré Maior BWV 1012 para violoncelo solo
Violoncelo – MIGUEL FERNANDES

S. PROKOFIEV – Sonata para violoncelo e piano em Dó Maior op 119
Violoncelo – MIGUEL FERNANDES
Piano – TERESA DOUTOR


INTERVALO

R. GLIÈRE – Folha de Álbum, op 51, nº 1
Violoncelo – CATARINA BRAGA
Piano – ALEXEI EREMINE

J.S.BACH – Sarabande – da Suite em dó menor, BWV 1011 para violoncelo solo
Violoncelo – CAROLINA MATOS

J. BRAHMS – Sonata para violoncelo e piano em mi menor, op 38
Violoncelo – CAROLINA MATOS
Piano –ALEXEI EREMINE

ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA

FÁBRICA BRAÇO DE PRATA

Publicado por vm em 01:21 PM | Comentários (0)

junho 21, 2008

"CONTEMPO STRING QUARTET" - MUSEU DA MÚSICA - 2ª-FEIRA- 23 de JUNHO - 19,30 H

ConTempo String Quartet.jpg
O Museu da Música abre as portas excepcionalmente na próxima segunda-feira para acolher a estreia em Portugal do ConTempo String Quartet. A entrada é livre.

Constituído por Bogdan Sofei (1.º violino), Ingrid Nicola (2.º violino), Andreea Banciu (violeta) e Adrian Mantu (violoncelo), este quarteto Romeno escolheu para a sua primeira apresentação em Portugal composições de Joseph Haydn, Heitor Villa-Lobos, Radu Paladi, Sabin Pautza e Antonin Dvorak.

MUSEU DA MÚSICA

Além da sua actuação no Museu da Música, o ConTempo String Quartet apresentar-se-á ainda no dia 24, pelas 20:30 h, no Auditório do Instituto Franco-Português (Av. Luís Bívar, 91), dois concertos organizados pelo Instituto Cultural Romeno, este último a ser gravado para posterior transmissão no programa Concerto Aberto da RDP Antena 2.

Publicado por vm em 12:11 AM | Comentários (0)

junho 19, 2008

FÁBRICA BRAÇO DE PRATA - 27 de JUNHO - 22 horas - RECITAL DE HOMENAGEM A GUILHERMINA SUGGIA NO DIA DO 123º ANIVERSÁRIO DO SEU NASCIMENTO

busto i vilar.jpg
SALA NIETZSCHE
com:

PIANO:

ALEXEI EREMINE
TERESA DOUTOR

VIOLONCELO:

CAROLINA MATOS
MIGUEL FERNANDES
RAMON BASSAL

Interpretarão obras de J. Brahms, S.Prokofiev, R. Glière,

FÁBRICA BRAÇO DE PRATA

Publicado por vm em 10:48 AM | Comentários (0)

junho 17, 2008

STEVEN ISSERLIS - CASA DA MÚSICA- SALA SUGGIA - 22 DE JUNHO 12,00 H - HOMENAGEM A GUILHERMINA SUGGIA

isserlis.jpg
Guilhermina Suggia foi uma das intérpretes predilectas do Concerto para violoncelo de Elgar. A 22 de Junho de 2008 celebram-se 75 anos da primeira vez que o tocou em público e 60 anos sobre o último concerto da violoncelista na cidade do Porto.
Após a sua morte, Suggia doou em testamento os seus violoncelos para constituir um fundo que premiasse jovens instrumentistas de grande talento. Em 1970, Steven Isserlis foi galardoado com o Prémio Suggia em Londres. Hoje em dia, Isserlis conta com uma vasta discografia e uma preenchida carreira concertista, sendo considerado uma referência no Concerto de Elgar que gravou para a Virgin Classics.
Steven Isserlis homenageia a intérprete que deu nome ao grande auditório da Casa da Música.

"O Embaixador do Brasil em Portugal regressando de Inglaterra trouxe a notícia do êxito estrondoso de Suggia no concerto de Elgar no dia 10 de Dezembro de 1938 no Queen's Hall de Londres, com a orquestra sinfónica da BBC sob a direcção de Sir Henry Wood." Diário de Lisboa, 14 de Dezembro de 1938 (sobre Suggia e o Concerto de Elgar)

Joseph Swensen direcção musical
Steven Isserlis violoncelo

Programa:
Edward Elgar Concerto para violoncelo e orquestra
Concerto comentado por Fátima Pombo

Publicado por vm em 10:09 AM | Comentários (0)

junho 15, 2008

NELLA MAISSA - CASA DA MÚSICA - SALA SUGGIA - 17 de JUNHO - 19,30 H

Nella Maissa.jpg
Programa:
Armando José Fernandes
Sonatina
Allegretto grazioso
Tempo di follia Allegro moderato (fughetta)

João Domingos Bomtempo
Sonata Op. 9 nº 1
Allegro maestoso cantabile
Larghetto con molta espressione
Finale allegro vivace

Fernando Lopes Graça
Sonatina recuperada nº 1
Com spirito
Andantino
Fughetta

Chopin
Fantasia Op. 49

Nascida em Turim em 1914, é portuguesa pelo casamento. Estudou piano com Bufaletti, Alfredo Casella e Vianna da Motta e composição com Ferrari Trecate. É diplomada em piano pelos Conservatórios de Milão e Pesaro e licenciada em Direito pela Universidade de Parma. Em 1933, foi premiada no 1º Concurso para Jovens Concertistas, em Roma, e obteve, em 1944, por unanimidade, o primeiro Prémio Vianna da Motta, da Emissora Nacional de Lisboa.

Além de concertos sinfónicos e recitais em Portugal e outros países da Europa, realizou várias digressões no Brasil e África do Sul. Deu importantes primeiras audições, entre as quais, do Ludus Tonalis de Hindemith, dos Prelúdios de Frank Martin, de várias obras de Messiaen e dos concertos de Prokofieff, Béla Bartók, Hindemith, Dallapiccola, Shostakovitch, Tansmann, Gershwin, Ruy Coelho, Armando José Fernandes e Fernando Lopes Graça. Fez recitais e palestras sobre Scarlatti e Clementi. Gravou vários discos de música portuguesa e fez a gravação integral da obra pianística de Bontempo, incluindo os quatro concertos para piano deste mesmo autor, com a colaboração da Orquestra Sinfónica de Nuremberg.

Em 1974, recebeu da imprensa um prémio especial pela divulgação da música portuguesa. No dia 1 de Outubro de 1986, foi-lhe atribuída, pela Secretaria de Estado da Cultura, a Medalha de Mérito Cultural e, em 10 de Junho de 1989, a Comenda da Ordem de Santiago da Espada, pelo Presidente da República.

Em Janeiro de 2004, foi condecorada pelo Presidente da República da Itália com o grau de grande Oficial de Ordem da Solidariedade Italiana.

Publicado por vm em 01:29 AM | Comentários (0)

junho 14, 2008

BRUNO BORRALHINHO COM O VIOLONCELO MONTAGNANA DE GUILHERMINA SUGGIA

Montagnana 4- BBorralhinho.jpg
NOS DIAS 16 e 17 de JUNHO - ÀS 21,00 H - NO CCB - PEQUENO AUDITÓRIO

INTEGRAL DAS SUITES PARA VIOLONCELO SOLO de J. S. BACH

BRUNO BORRALHINHO - violoncelista

(esta é a entrada nº 1200 do blogue)

Publicado por vm em 12:41 AM | Comentários (3)

junho 11, 2008

CCB - 16 e 17 de JUNHO - 21 H - BRUNO BORRALHINHO - INTEGRAL DAS SUITES PARA VIOLONCELO SOLO DE J. S. BACH

bruno no ccb 1.jpg

Publicado por vm em 09:38 PM | Comentários (0)

junho 05, 2008

BRUNO BORRALHINHO INTERPRETA, COM O VIOLONCELO MONTAGNANA DE GUILHERMINA SUGGIA, A INTEGRAL DAS SUITES DE BACH, NO CCB a 16 e 17 de JUNHO ÀS 21H

BBorralhinho.jpg
PEQUENO AUDITÓRIO DO CCB 21h

INTEGRAL DAS SUITES PARA VIOLONCELO SOLO DE JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)

Bruno Borralhinho | violoncelo

Dia 16 de Junho
Suite nº 1 em Sol maior, BWV 1007
Suite nº 4 em Mi Bemol maior, BWV 1010
Suite nº 5 em Dó menor, BWV 1011


Dia 17 de Junho
Suite nº 2 em Ré menor, BWV 1008
Suite nº 3 em Dó maior, BWV 1009
Suite nº 6 em Ré maior, BWV 1012


O jovem e virtuoso violoncelista português Bruno Borralhinho, membro da prestigiada orquestra alemã Dresdner Philharmonie, interpreta a Integral das Suites para violoncelo solo de Bach em dois recitais, apresentando-se com o violoncelo Montagnana de Guilhermina Suggia.

"As Suites para Violoncelo Solo de Bach representam sem margem para dúvidas um auge no repertório do instrumento e uma herança absolutamente fascinante da inspiração e génio do compositor alemão. Dos vários manuscritos que chegaram até aos nossos dias, nenhum foi escrito pela mão do próprio criador e as constantes contradições e perguntas que vão surgindo sobre qual a versão mais autêntica, tornam as Suites para Violoncelo Solo ainda mais especiais. Verdades absolutas para essas perguntas teimam em não aparecer. E a imaginação e inspiração do intérprete e do ouvinte são certamente as melhores respostas para decifrar estas maravilhosas obras de arte que, pela sua beleza e requinte natural, conquistaram um lugar eterno na História da Música."
Bruno Borralhinho

Publicado por vm em 10:30 AM | Comentários (0)

junho 02, 2008

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - SEXTA-FEIRA, 6 de JUNHO - 21,30H

Concerto com projecção vídeo original de
RUI GATO E MARGARIDA MOURA GUEDES

Programa

N. Côrte-Real
Quarteto para o Infinito op.41
para clarinete, violino, violoncelo e piano

intervalo

O. Messiaen
Quarteto para o Fim dos Tempos
para clarinete, violino, violoncelo e piano

Ensemble Darcos
Violino – Reyes Gallardo
Clarinete – Fausto Corneo
Violoncelo – Filipe Quaresma
Piano – Helder Marques
Participação especial de Jorge Sequerra
Direcção Artística – Nuno Côrte-Real

* A Temporada DARCOS 2008 é uma série de concertos que se realizam no Teatro-Cine de Torres Vedras, e cuja direcção artística está a cargo do compositor Nuno Côrte-Real. Maioritariamente constituída por música de câmara, a Temporada DARCOS 2008 conta com a presença de comentadores de renome nacional, músicos convidados nacionais e internacionais, encomendas a compositores portugueses, ensaios abertos ao público, e criação vídeo original. Da música interpretada destaca-se o romantismo alemão com compositores como Schubert ou Brahms, o modernismo francês com Debussy ou Ravel, e uma especial e regular presença de obras de Nuno Côrte-Real, revisitadas ou escritas a propósito. E claro, a presença estrutural do mestre Beethoven.

Publicado por vm em 11:16 AM | Comentários (0)

maio 26, 2008

GUILHERMINA SUGGIA EM " GROSSE CELLISTEN" de Harald Eggerbrecht - Edições PIPER

g c.jpg
...Für das Cello herrschte in dieser ruhmvollen Zeit Casals unumschränkt, gefolgt von jenen, die von seiner Cellorevolution inspiriert waren wie Gaspar Cassadó, Guilhermina Suggia, Maurice Eisenberg, dann Gregor Piatigorsky oder Emanuel Feuermann.
"GROSSE CELLISTEN" Piper Verlag GmbH, Munich 2007 (www.piper.de)

Publicado por vm em 10:30 AM | Comentários (0)

maio 21, 2008

CONCERTO AVONDANO ENSEMBLE - 25 de MAIO - 18 Horas - MUSEU DA MÚSICA PORTUGUESA - CASA VERDADES DE FARIA - MONTE ESTORIL

Avondano 1.jpg
PROGRAMA
I
Alberto Gomes da Silva (-1795)
6ª Sonata em Ré Maior para Cravo
Allegro - Minuetto
João Baptista André Avondano (- 1800)
1º Dueto para dois violoncelos
Andantino - Largo - Allegro Assai
João Baptista André Avondano (- 1800)
3ª Sonata para violoncelo e baixo contínuo
Andantino - Largo - Minuetto con Variazione
II
Franz Keyper (1756 – 1815)
Romance e Rondo para contrabaixo e cravo
Luigi Boccherini (1743 - 1805)
Sonata em Lá Maior para violoncelo e baixo contínuo
Adagio - Affetuoso - Allegro
Giacomo Bassevi Cervetto (1682-1783)
1ª Sonata para dois violoncelos e baixo contínuo
Adagio - Minuetto I e II - Allegro
AVONDANO ENSEMBLE
MUSEU DA MÚSICA PORUGUESA - CASA VERDADES DE FARIA
Av de Sabóia, 1146
MONTE ESTORIL
Tel 214815904/02

Este agrupamento instrumental reúne um conjunto de músicos com um objectivo central comum: executar e divulgar a música instrumental dos Pós-Barrocos Europeus, em particular a que era cultivada nos diversos contextos sociais portugueses de finais do século dezoito e inícios do século XIX.

Após um período inicial de trabalho, em 2005, o agrupamento emerge com a sua formação de base de dois violoncelos, contrabaixo e cravo na sequência da tomada da decisão de prosseguir com o trabalho entretanto desenvolvido, sendo Catherine Strynckx, Miguel Rocha, Adriano Aguiar e João Paulo Janeiro os seus membros fundadores.

Esta decisão consubstancia-se num projecto que obteve o apoio do Instituto das Artes, da Casa da Música, da Câmara Municipal de Cascais, e que se encontra em finalização, no qual se integra a gravação discográfica das quatro sonatas e dois duetos de João Baptista André Avondano em instrumentos históricos de referência do Museu da Música, designadamente o violoncelo Stradivarius ‘Rei de Portugal’ e o cravo Antunes, bem como a edição crítica destas obras e a realização de concertos.

A adopção do apelido Avondano para a designação deste agrupamento decorre, por um lado, deste ter iniciado a sua actividade executando as obras de João Baptista André Avondano, e por outro, da evocação da família de músicos com o mesmo nome, de origem italiana, que desempenhou um papel marcante na prática e composição musicais do século dezoito em Portugal.
No seu breve percurso, o Avondano Ensemble realizou concertos no Centro Cultural de Belém, nos Encontros de Música Antiga de Tomar, em Castelo Branco e em Cascais.

Recentemente actuou nos “Dias da Música” no CCB e tem previsto concertos de lançamento das edições aqui mencionadas no início de Maio de 2008, em Cascais – Centro Cultural – e no Porto – Casa da Música

Publicado por vm em 03:57 PM | Comentários (0)

maio 20, 2008

"VIVA O CINEMA" - EXCLAMOU MANOEL DE OLIVEIRA SENSIBILIZADO COM PALMA DE OURO

m oliveira.bmp
Cannes, França, 19 Mai (Lusa) - O realizador português Manoel de Oliveira manifestou-se hoje "muito sensibilizado por finalmente ter recebido a Palma de Ouro" no Festival Internacional de Cinema de Cannes, onde foi homenageado.

A organização do festival prestou hoje um tributo ao realizador português atribuíndo-lhe a Palma de Ouro pela carreira, associando-se também aos cem anos que Manoel de Oliveira celebrará em Dezembro.

"Ao longo de um século eu cresci com o cinema e hoje eu sei que foi o cinema que me fez crescer. Viva o cinema!", exclamou Manoel de Oliveira no Grand Théâtre Lumière, onde foi longamente aplaudido.

Manoel de Oliveira recebeu o prémio das mãos do actor francês Michel Piccoli, numa cerimónia onde marcaram presença o júri de Cannes, o realizador norte-americano Clint Eastwood e o presidente da Cinemateca Portuguesa, João Bénard da Costa.

"Esta foi a melhor forma de receber este prémio", disse Manoel de Oliveira emocionado, sublinhando que não gostaria de ser distinguido em competição com os seus colegas realizadores.

Na assistência estiveram ainda Christine Albanel, ministra da Cultura de França, e José Manuel Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia.

O ministro da Cultura português, José António Pinto Ribeiro, não esteve na cerimónia, "por um contratempo de trabalho de última hora", mas estará presente no jantar de hoje homenagem ao realizador, disse à Lusa o assessor, Rui Peças.

Na cerimónia desta tarde foram exibidos o filme "Um dia na vida de Manoel de Oliveira", realizado pelo presidente do festival, Gilles Jacob, e a curta-metragem documental "Douro faina fluvial".

Manoel de Oliveira mantém uma relação muito próxima com o cinema francês, com co-produções e a participação de actores como Catherine Deneuve e Michel Piccoli nos seus filmes e tem sido presença assídua em Cannes.

"Os Canibais" (1988), "O convento" (1995), "A carta" (1999), "Vou para casa" (2001) e "O Princípio da Incerteza" (2002) estiveram nomeados para a Palma de Ouro, o prémio máximo atribuído em Cannes.
"Viagem ao Princípio do Mundo" (1997), protagonizado por Marcelo Mastroianni, foi distinguido com o prémio FRIPESCI e com o prémio do júri ecuménico e "A carta" (1999), com Chiara Mastroianni, recebeu o prémio do júri na edição de 1999.

Em 2007, quando o festival de Cannes cumpriu 60 edições, Manoel de Oliveira foi um dos 35 realizadores convidados pela direcção do evento para realizar uma curta-metragem subordinado ao tema "A cada um o seu cinema".

SS.

Lusa/fim

Publicado por vm em 01:30 AM | Comentários (2)

maio 17, 2008

ANNEMARIE SCHWARZENBACH (1908-1942) - SESSÃO DE LEITURA COMEMORATIVA DO CENTENÁRIO DO SEU NASCIMENTO - FÁBRICA BRAÇO DE PRATA - 23 de MAIO

convite_final 2.jpg

Publicado por vm em 01:26 PM | Comentários (0)

maio 12, 2008

MORREU A ESCULTORA IRENE VILAR

Suggia 010.jpg
Porto, 12 Mai (Lusa) - A escultora Irene Vilar faleceu hoje no Hospital de São João, no Porto, onde se encontrava internada há mais de um mês, disse hoje à Lusa fonte hospitalar.

Aqui, neste grupo, em 27 de Junho de 2007 no descerramento da placa de sua autoria na casa de GUILHERMINA SUGGIA.

Ficará a sua obra e a sua memória.

Autora de uma vasta obra de escultura, medalhística, numismática e de ourivesaria, Irene Vilar, que tinha 77 anos, nasceu em 1930, em Matosinhos, município ao qual fez, em 1976, um legado de parte da sua obra escultórica.

Licenciou-se pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto, com 20 valores, na tese de Escultura, tendo sido discípula de Barata Feyo e Dórdio Gomes.

Depois de formada foi bolseira do Instituto de Alta Cultura e da Fundação Calouste Gulbenkian, no estrangeiro.

Participou, com escultura e medalhística, nas grandes exposições realizadas em Portugal, entre as quais "Cristo fonte de esperança" (Porto), "Morte e Transfiguração" (Sociedade Nacional de Belas Artes - SNBA, Lisboa), "Natividade 2000" (Mosteiro dos Jerónimos) e "100 anos - 100 artistas" (SNBA, Lisboa).

A sua obra escultórica encontra-se dispersa por Portugal, Alemanha, África do Sul, Brasil, Bélgica, Holanda e Macau, tendo sido apresentada em duas exposições recentes: "Modelar o mistério", Lisboa, Universidade Católica Portuguesa (2003) e "Do gesto ao gesso", Matosinhos (2004).

Irene Vilar representou Portugal em diversos certames internacionais, nomeadamente nas Bienais de São Paulo, Paris, Colónia, Roma, Florença, Estocolmo, Londres, Helsínquia, Budapeste, Neuchâtel, Weimar e Roterdão.

Realizou, de entre muitos outros, os monumentos a Camões, Garcia de Orta e Guilhermina Suggia, no Porto; ao Bombeiro, em Paredes; ao Artilheiro no Regimento de Artilharia 5, em Vila Nova de Gaia; a São Rosendo, em Santo Tirso; ao Pescador, a Florbela Espanca e a Abel Salazar, em Matosinhos; a São Miguel Arcanjo no Comando-Geral da PSP, em Lisboa; a Dom António Ferreira Gomes, ao Padre Américo, assim como o conjunto de nove esculturas na Rotunda do Cameirinho, em Penafiel.

Concebeu vários monumentos a Fernando Pessoa, nomeadamente em Durban (África do Sul), São Paulo (Brasil) e em Ixelles, Bruxelas, na Bélgica.

A convite do Governo de Macau executou, em 1996, o Monumento Abraço para o Jardim Luís de Camões.

De carácter monumental são igualmente as esculturas para o Sheraton Porto Hotel, a fonte Universo para o SMAS, no Porto; Mundo para os jardins do CAM, da Fundação Calouste Gulbenkian.

São também da sua autoria o Monumento aos 500 Anos do Teatro, em Guimarães (2003) e a estátua da Imaculada Conceição para os jardins da Universidade Católica, em Lisboa (2004).

Executou vários baixos-relevos para os tribunais de Valença, Moimenta da Beira, Paços de Ferreira, Porto e Santo Tirso.

Da vasta e inovadora produção no universo da expressão cristã, deu recentemente corpo a obras como: Cristo Ressuscitado, na Igreja dos Padres Carmelitas, na Foz do Douro (Porto) e São Miguel, na Igreja da Maia, entre muitos outros.

Está representada em colecções particulares e oficiais, nomeadamente da Secretaria de Estado da Cultura, Museu Amadeo Souza-Cardoso, Biblioteca-Museu de Vila Franca de Xira, Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, Museu do Chiado, em Lisboa, Património Artístico de Matosinhos, entre outras.

Para a Imprensa Nacional-Casa da Moeda executou várias moedas, destacando-se as da Batalha de Ourique, D. Afonso Henriques, de Amadeo Souza-Cardozo, Antero de Quental, Camilo Castelo Branco, Pauliteiros, Banco de Portugal e Porto 2001, Capital Europeia da Cultura.

Em 1991, foi publicada uma obra com parte da sua criação escultórica, intitulada "Irene Vilar: quem me dirá quem sou?", com texto de Maria da Glória Padrão (Edições ASA).

Em 1997, por iniciativa do Governo de Macau, é publicado o livro "Abraço - Uma escultura para Macau".

A Câmara Municipal de Matosinhos editou em 2004 "Do gesto ao Gesso", com textos de João Antunes e de Jorge Araújo.

Irene Vilar recebeu várias distinções, nomeadamente as de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, Medalha de Mérito, grau Ouro, da Câmara Municipal do Porto, Cidadã do Ano 1989/90, do Lyon`s Club de Matosinhos e Medalha de Mérito Dourada da Câmara Municipal de Matosinhos.

PF.

Lusa/Fim

Publicado por vm em 10:00 PM | Comentários (0)

maio 09, 2008

"QUATTRO SONATE E DUE DUETTI PER DUE VIOLONCELLI " de JOÃO BAPTISTA ANDRÉ AVONDANO

Avondano Ensemble 1.jpg
Compositor e violoncelista português, João Baptista André Avondano fez parte da Orquestra da Real Câmara e estudou em Paris em 1769 com Jean-Pierre Duport, tendo publicado nessa cidade e em Lyon estas Quattro Sonate e Due Duetti per due Violoncelli dedicati a Sua Maestà Il Re di Portugallo dal Sig.r Gio: Batista Andrea Avondano.

Este projecto contou com a participação de várias entidades, tendo recebido o financiamento da Direcção-Geral das Artes, Casa da Música e Câmara Municipal de Cascais com apoios do Museu da Música, LPI, J. A. Santos, Lusitânia e Museu dos Coches.

Na gravação deste CD duplo foram utilizados dois instrumentos históricos do Museu da Música: o violoncelo Stradivarius “Rei de Portugal” (1725) e o cravo Antunes (1758).

O Avondano Ensemble desenvolveu este projecto tendo como base o único exemplar conhecido destas obras, que se encontra na Staatsbibliothek de Berlim com a referência KH.M. 122 – Rism A 2946 e dos vários manuscritos aí existentes.
A publicação em partitura contém uma edição crítica, com uma versão em notação actualizada e a realização harmónica do baixo contínuo, para além de um fac-simile da edição original.

Publicado por vm em 01:04 AM | Comentários (1)

maio 08, 2008

CENTRO CULTURAL DE CASCAIS - 9 de MAIO - 21,30 H

Avondano Ensemble 2.jpg

Publicado por vm em 12:33 AM | Comentários (0)

maio 07, 2008

PRÉMIO JOVENS MÚSICOS 2008

premio jovens musicos.jpg
Informações AQUI

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

maio 04, 2008

AVONDANO ENSEMBLE - LANÇAMENTO DE CD e DE PARTITURA

Avondano Ensemble
Catherine Strynckx e Miguel Rocha (violoncelos)
Adriano Aguiar (contrabaixo)
João Paulo Janeiro (cravo)

O Avondano Ensemble lançará, nos próximos dias 9 e 11 de Maio do corrente ano, uma edição em CD e outra em partitura das 4 sonatas para violoncelo e baixo contínuo e 2 duetos para 2 violoncelos de João Baptista André Avondano ( -1800).

Compositor e violoncelista português, João Baptista André Avondano fez parte da Orquestra da Real Câmara e estudou em Paris em 1769 com Jean-Pierre Duport, tendo publicado nessa cidade e em Lyon estas Quattro Sonate e Due Duetti per due Violoncelli dedicati a Sua Maestà Il Re di Portugallo dal Sig.r Gio: Batista Andrea Avondano.

Estes eventos terão lugar no dia 9 de Maio de 2008 em Cascais, no Centro Cultural, às 21.30 horas e no dia 11 de Maio de 2008 no Porto, na Casa da Música, às 18.00 horas.
Em cada uma destes lançamentos o Avondano Ensemble realizará um momento musical, com 2 obras destas edições.

Publicado por vm em 12:17 AM | Comentários (0)

abril 26, 2008

GRUPO DE MÚSICA CONTEMPORÂNEA DE LISBOA - CULTURGEST - DOMINGO - 4 de MAIO - 11 H

gmcl 1.jpg

Publicado por vm em 11:39 AM | Comentários (0)

abril 23, 2008

BREVEMENTE EM CD OBRAS DO VIOLONCELISTA E COMPOSITOR PORTUGUÊS "JOÃO BAPTISTA ANDRÉ AVONDANO"

avond.jpg
Compositor e violoncelista português, João Baptista André Avondano fez parte da Orquestra da Real Câmara e estudou em Paris em 1769 com Jean-Pierre Duport, tendo publicado nessa cidade e em Lyon estas Quattro Sonate e Due Duetti per due Violoncelli dedicati a Sua Maestà Il Re di Portugallo dal Sig.r Gio: Batista Andrea Avondano.

Publicado por vm em 10:27 AM | Comentários (0)

abril 19, 2008

STELLENBOSCH FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DE CÂMARA - CASA DAS ARTES DE VILA NOVA DE FAMALICÃO - DIAS 9, 10 e 11 de MAIO

image003.png
MASTER-CLASSES - DATA LIMITE PARA INSCRIÇÕES: 2 MAIO 2008
Professores:
Piano:
Nina Schumann - Africa do Sul
Luis Magalhães - Portugal
Cordas:
Benjamim Schmid (violino) – Austria
Suzanne Martens (violino) - Africa do Sul
Xandi van Dijk (viola) - Africa do Sul
Eugene Osadchy (violoncelo) - EUA
Peter Martens (violoncelo) – Africa do Sul
Leon Bosch (contrabaixo) – Ingelaterra
Trompa:
Abel Pereira - Portugal

O Stellenbosch Festival de Música de Câmara Internacional é o único festival do seu tipo na Africa do Sul, incorporando música de câmara nas suas componentes prática e educativa. Em 2008 o festival celebra o seu 5º aniversario e a organização decidiu promover uma versão reduzida do evento com o objectivo de criar uma rede musical com outras cidades internacionais. A primeira extensco deste Festival vai decorrer na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicco, Portugal, nos dias 9, 10 e 11 de Maio.
Com a Direcção Artística assinada por Luis Magalhães, pianista português de renome internacional residente na Africa do Sul, o elenco internacional será constituído por alguns dos melhores intérpretes da actualidade, para trompa, cordas e piano: Benjamim Schmid (Austria), Nina Schumann, Xandi Van Dyk, Suzanne Martens e Peter Martens (Africa do Sul), Eugene Osatchy (EUA), Lesn Bosch (Inglaterra), Abel Pereira e Lums Magalhces (Portugal).
Com um formato de três dias, os músicos participantes no Festival protagonizarão três concertos, a solo ou em formação de orquestra de câmara. Estão também previstas acções educativas (master-classes), de formação (worhshops) e de lazer (conversas informais com músicos, melómanos e musicólogos – Conversas no ‘Café Concerto’). Os alunos que se inscreverem nas master-classes terão ainda a oportunidade de participar no concerto de encerramento caso sejam seleccionados para isso durante os dias do festival.
Criar um ambiente de interacção entre estudantes de música e instrumentistas de calibre internacional e servir de montra a jovens talentos são os principais objectivos deste festival. Assim, vimos por este meio solicitar a divulgação do mesmo junto dos estudantes e músicos em geral.

Lígia Candeias
Telm.: 91.9588953
E-mail: ligiacandeias@miltemas.com

Publicado por vm em 12:21 AM | Comentários (0)

abril 16, 2008

ARTISTAS UNIDOS, NO CONVENTO DAS MÓNICAS "ONDE VAMOS MORAR" de JOSÉ MARIA VIEIRA MENDES - A PARTIR DE 10 DE ABRIL

ondevamosmorar_2.jpg
com Andreia Bento, Cecília Henriques, Pedro Carmo, Pedro Gil, Pedro Lacerda, Sérgio Godinho e Sílvia Filipe
Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves
Luz Pedro Domingos
Encenação Jorge Silva Melo
Assistência de encenação Luís Godinho

O texto está publicado nos Livrinhos de Teatro, nº 24 dos Artistas Unidos.

De novo pais e de novo filhos. Américo é o pai, doente e solitário. Vítor, o seu filho, casado com Gabriela que o deixa para partir em viagem. Patrícia, a irmã de Gabriela, vive na casa da infância, vazia agora que os pais morreram. Gustavo regressou depois de vinte anos fora do país e procura uma casa onde ficar e o pai que já há muito não via. Mas encontra apenas Vânia, a sua meia-irmã, que está ainda no princípio. E por último Mário, que trabalha como estafeta para uma florista incompetente que se engana sucessivamente na morada dos clientes.

Uma nova peça de José Maria Vieira Mendes, escrita para os AU. Sete personagens deambulam pelas suas histórias e cruzam-se umas com as outras, numa teia irregular e esburacada que a todos une. Gente que entra e sai numa cidade onde muita coisa se esconde ou não se vê, onde as ruas ficam desertas à noite e por onde passa um comboio que não se sabe para onde vai. Desencontros, partidas e abandonos. Uma peça sobre a morte, sim, o escuro, claro, mas também sobre a distância, o regresso, o esquecimento e a procura de uma morada.

GUSTAVO Tenho de comprar um mapa de jeito.
Pensava que me lembrava das ruas, mas nada.
Esta cidade engana

Publicado por vm em 03:07 AM | Comentários (0)

abril 14, 2008

TEATRO-CINE DE TORRES VEDRAS - SEXTA-FEIRA, 18 de MARÇO - 21,30H

78_TeatroTorres.jpg
TEMPORADA DARCOS 2008
Concerto comentado por Alexandre Delgado

Programa

J. S. Bach
4 prelúdios do primeiro livro do Cravo Bem Temperado
(arranjo para quarteto de cordas de N. Côrte-Real)
- Praeludium XVII em Lá bemol maior
- Praeludium X em Mi menor
- Praeludium XXII em Si bemol menor
- Praeludium VII em Mi bemol maior

N. Côrte-Real
Sonata Holandesa opus 36
para violino, violoncelo e piano

Intervalo

L. van Beethoven
Quarteto de cordas nº 7, opus 59 nº 1 - “Razumovski”
- Allegro
- Allegretto vivace e sempre scherzando
- Adagio molto e mesto
- Thème Russe


Ensemble Darcos
Violinos – Giulio Rovighi e Reyes Gallardo
Viola – Jadenir Lacorte
Violoncelo – Filipe Quaresma
Piano – Helder Marques
Direcção Artística – Nuno Côrte-Real


* A Temporada DARCOS 2008 é uma série de concertos que se realizam no Teatro-Cine de Torres Vedras, e cuja direcção artística está a cargo do compositor Nuno Côrte-Real. Maioritariamente constituída por música de câmara, a Temporada DARCOS 2008 conta com a presença de comentadores de renome nacional, músicos convidados nacionais e internacionais, encomendas a compositores portugueses, ensaios abertos ao público, e criação vídeo original. Da música interpretada destaca-se o romantismo alemão com compositores como Schubert ou Brahms, o modernismo francês com Debussy ou Ravel, e uma especial e regular presença de obras de Nuno Côrte-Real, revisitadas ou escritas a propósito. E claro, a presença estrutural do mestre Beethoven.

Publicado por vm em 02:50 PM | Comentários (0)

abril 12, 2008

TEATRO DA CORNUCÓPIA "DON CARLOS INFANTE DE ESPANHA, de FRIEDRICH SCHILLER

d carlos 1.jpg

Publicado por vm em 11:57 AM | Comentários (0)

abril 06, 2008

"ALGUÉM ACUDA AO SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL, POR FAVOR!" - ASSIM ESTÃO AS TRASEIRAS DO PALCO DO SALÃO NOBRE

traseiras palco 2.jpg
A petição "Alguém Acuda ao Salão Nobre do Conservatório, por favor!" que recolheu 5043 assinaturas foi entregue no dia 11 de Fevereiro na Presidência da República, no dia 18 do mesmo mês na Assembleia da República e Gabinete do 1º Ministro e Ministério da Educação e no dia 19 no Ministéria da Cultura e Câmara Municipal de Lisboa.

No dia 5 de Março fomos informados pela Assembleia da República de que a petição tinha sido aceite e que tinha sido entregue à Comissão de "Ética, Sociedade e Cultura" (presidida pelo Deputado Luís Marques Guedes) para efeitos de apreciação e parecer.

No dia 14 de Março os peticionários foram convocados pela Deputada Matilde de Sousa Franco, relatora da petição, a comparecer perante a Comissão para serem ouvidos pela mesma, no dia 27 do mesmo mês.
Assim foi. Estiveram presentes os 3 peticionários responsáveis pela petição (Virgílio Marques, Paulo Ferrero -do Forum Cidadania Lisboa - e a Prof Leonor Lucena) bem como 2 Vice-Presidentes do Conselho Executivo da Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa (Prof Ana Mafalda Pernão e Prof Jorge Sá Machado) e ainda Glória de Matos, Professora Aposentada da Escola de Teatro do Conservatório Nacional.

Segundo informação da Deputada Relatora todos os partidos tinham sido convocados a estarem na reunião. Lamentavelmente nem 1 só deputado esteve presente, o que mostra a importância dada às questões do nosso património.

De acordo com a lei das petições da Assembleia da República, todas as petições que lhe sejam dirigidas e que tenham mais de 4000 subscritores, desde que tenham um parecer favorável da comissão que a apreciou, serão obrigatoriamente discutidas em plenário.

Pareceu-nos que a Senhora Deputada Relatora Matilde Sousa Franco é uma pessoa conhecedora e informada do Salão Nobre do Conservatório Nacional.
Depois do seu parecer, que esperamos seja favorável a esta causa, ser entregue ao Senhor Presidente da AR, este terá 30 dias para agendar a discussão em plenário.

Foi entregue a cada um dos Grupos Parlamentares da AR uma pasta com documentação sobre o Convento dos Caetanos/Conservatório Nacional/Salão Nobre do Conservatório Nacional e várias fotografias reveladoras da sua importância e do seu mau estado.

Perante a indiferença dos deputados na defesa dum património que, provavelmente, não conhecem sequer, corre-se o risco de tudo ficar como está.
Teremos que prosseguir a luta pelo restauro duma obra importantíssima, evitar que este Salão caia e seja transformado num Hotel de Luxo que parece ser o que "está a dar".
Foi entregue também uma pasta igual às que foram entregues aos GP no Gabinete do Vereador Arq Manuel Salgado e na "Unidade de Projecto de Bairro Alto e Bica".

Publicado por vm em 12:05 PM | Comentários (5)

março 19, 2008

CINE-TEATRO JOAQUIM D'ALMEIDA- MONTIJO - DIA 20 ÀS 21,30H

Stabat Mater.jpg

Publicado por vm em 10:21 AM | Comentários (0)

fevereiro 15, 2008

FESTIVAL SUGGIA - CASA DA MÚSICA -PORTO - DE 22 a 24 de FEVEREIRO

festival suggia 1.jpg

Publicado por vm em 07:34 PM | Comentários (1)

fevereiro 04, 2008

PELA DEFESA DO ENSINO ARTÍSTICO

violoncelo.jpg
O MovArte apresenta e subscreve esta petição lançada pelos professores da EMCN (ESCOLA DE MÚSICA DO CONSERVATÓRIO NACIONAL), e apela a todos os leitores que se juntem neste momento crítico a uma mobilização nacional pela defesa do ensino artístico.


O movimentopelamusica, formado por um grupo de Professores da Escola de Música do Conservatório Nacional, tem como objectivo informar a população em geral sobre as implicações que a reforma prevista pelo Ministério da Educação terá no ensino especializado da música. Sob a bandeira falaciosa de uma democratização do ensino musical, o Ministério da Educação prepara-se para extinguir o ensino especializado da música no país. As crianças entre os 6 e os 9 anos, assim como os alunos de idades mais avançadas serão excluídos do sistema. Como exemplo: dos cerca de 900 alunos da Escola de Música do Conservatório Nacional, 75% não poderá prosseguir os seus estudos. As famílias, e só as que tiverem maiores possibilidades financeiras, serão então obrigadas a pagar por um ensino de qualidade em escolas privadas. A cultura musical ficará empobrecida, mais cara e mais elitista! Somos pela abertura de uma sensibilização à música dirigida a todas as crianças desde a pré-primária e, se possível, nas escolas do ensino genérico. Mas estas medidas não podem ser tomadas à custa da extinção do ensino especializado, onde até agora crianças a partir dos seis anos de idade podiam aprender a tocar um instrumento. O ensino especializado da música tem um valor formativo único e é igualmente uma importante fonte geradora de emprego - a indústria da música e do espectáculo gera aproximadamente 100.000.000.000€ por ano (não tendo em conta as verbas de espectáculos musicais), quantia que cobre 7 vezes a despesa do Ministério da Educação com o ensino especializado da música. Em consonância com outros movimentos (Movarte, salvemoconservatorionacional) somos pela defesa de um ensino de qualidade e as nossas posições encontram-se reflectidas no Manifesto aprovado em Assembleia Geral de Escola e que se encontra em anexo a este e-mail.
Se partilhar das nossas inquietações, junte-se a este movimento, ajude a divulgar este e-mail e assine a petição on-line que encontrará em:

http://www.petitiononline.com/CFEEMP/petition.html

Publicado por vm em 03:25 PM | Comentários (2)

janeiro 02, 2008

"O MESSIAS" de HÄNDEL, na AULA MAGNA DA REITORIA DA UNIVERSIDADE DE LX - 4 e 5 de JANEIRO às 21,00 H

handel.jpg
O MESSIAS de George Friedrich Händel

4 e 5 JANEIRO | 21h | AULA MAGNA

Nova Orquestra Sinfónica de Lisboa e o Coro da Nova Orquestra Sinfónica de Lisboa

Ana Paula Russo, soprano

Margarida Reis, meio-Soprano

Fernando Guimarães, tenor

Nuno Vilallonga, barítono

Direcção

Albertino Monteiro

Publicado por vm em 09:04 AM | Comentários (0)

dezembro 28, 2007

O SÉCULO CENTRO CULTURAL - 29 de DEZEMBRO de 2007 às 23,00H

Phado.jpg

Publicado por vm em 12:54 AM | Comentários (0)

dezembro 20, 2007

"PEDRO E O LOBO"de Prokofiev - SOC.FILARMÓNICA HUMANITÁRIA de PALMELA - 22 de DEZEMBRO às 16 Horas

sfh071220.jpg

Publicado por vm em 12:56 PM | Comentários (1)

dezembro 13, 2007

OS MEUS 5 (?) FILMES PREFERIDOS

Aceite o convite feito pelo Heitor, aqui estou a tornar pública a escolha dos meus 5 filmes – esta é a maior dificuldade. Em vez de 5 aparecem 50. Faço a selecção mas daí a 5 minutos vêm-me à memória outros e depois outros. Tenho uma dificuldade muito grande em fazer escolhas, seja de filmes ou músicas ou compositores ou intérpretes. Mas de todos estes filmes que vou referir que cada um escolha 5. Eu não consigo. Aqui vai:
-“Vida Solitária” (The Whisperers) um filme de 1967 de Bryan Forbes com Edith Evans.
- “Crepúsculo dos Deuses” com Glória Swanson
-“O Criado” de Joseph Losey
-“Viagem a Itália” de Rosselini
-“Matrimónio à Italiana” de Vittorio de Sica
-“O Leopardo”, “Obsessão”, “Senso”, “Morte em Veneza” de Visconti (apetecia-me escolher todos deste realizador)
-“Providence” e “O Último Ano em Marienbad” de Alain Resnais
-“Diário de Uma Criada de Quarto” com Jeanne Moreau, “Viridiana”, “Tristana”, “La Belle de Jour” de Buñuel
- “Roma”, “Ensaio de Orquestra” de Fellini
-“As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant”, “Querelle” de Fassbinder
-“Rebecca”, “Janela Indiscreta”,”Intriga Internacional”, “Chamada para a Morte” de A Hitchcock
-“A Flauta Mágica”, “Lágrimas e Suspiros”, “Fanny e Alexander”, “Sonata de Outono” de I. Bergman
-“1900” de Bertolucci
-“A Vida É Bela” de R.Benigni
-“Elizabeth” de Shekhar Kapur
-“Querida Mamã” com Vanessa Redgrave.
Pedirem que escolha 5 e apresento 30 é no mínimo desonesto mas se espero mais tempo aparecem 50.
Passo o convite ao Rogério Santos, Jorge Guimarães Silva, Valter Hugo Mãe,
à Aldina Duarte e a uma Bandida

Publicado por vm em 11:20 AM | Comentários (2)

dezembro 12, 2007

"O REMORSO DE BALTAZAR SERAPIÃO" de valter hugo mãe

v hugo mae.jpg
a segunda edição do livro «o remorso de baltazar serapião» está nas livrarias. com nova capa e nova paginação, surge a oportunidade para uma conversa, sobre tudo o que o envolve, na loja da fnac, em braga.
acontece na sexta-feira, dia 14, às 22 horas.

www.casadeosso.blogspot.com

Publicado por vm em 02:55 PM | Comentários (1)

dezembro 11, 2007

Parabéns MANUEL DE OLIVEIRA

m de oliveira.jpg
N em 1908

Publicado por vm em 11:54 PM | Comentários (1)

dezembro 07, 2007

"OS MISTÉRIOS DO ROSÁRIO, CANTAR A VIDA COM MARIA" - HOJE ÀS 21,30H NA CAPELA DE Nª SRª DOS ANJOS DOS PADRES FRANCISCANOS

O Centro de Estudos Franciscanos vem anunciar que no dia 8 de Dezembro promove, conjuntamente com a Fundação Conservatório de Gaia, um Concerto de Música Sacra onde serão executadas em primeira audição quatro peças musicais correspondendo aos Quatro Mistérios do Rosário, encomendadas por este Centro de Estudos Franciscanos a quatro dos mais ilustres compositores portugueses, Professores Fernando Lapa, Fernando Valente, Eugénio Amorim e Rui Soares da Costa.
Esta obra intitula-se:

"Os Mistérios do Rosário, Cantar a Vida com Maria"
(para coro, instrumentos de sopro e órgão)

e será interpretada por um Conjunto Vocal e Instrumental da Fundação Conservatório de Gaia. Dirigirão o Concerto os Professores Jorge Pires e Artur Pinho.

O Concerto terá lugar na Capela de Nª.Sª dos Anjos dos Padres Franciscanos (OFM), na Rua dos Bragas no Porto pelas 21:30 Horas, sendo a entrada livre.

Publicado por vm em 06:11 PM | Comentários (0)

dezembro 06, 2007

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS - MARIA JOSÉ PALLA - Fábrica do Braço de Prata- 7 de Dezembro - 21 H

maria jose palla.jpg

Publicado por vm em 09:02 AM | Comentários (1)

dezembro 04, 2007

CONFERENCIA DE VIANNA DA MOTTA SOBRE VALENTIN ALKAN

v da motta 1.bmp
Vianna da Motta, que tão festejado foi em Weimar por occasião dos concertos que, associado a Busoni, realisou em honra de Liszt, como noticiamos no anterior numero, vae agora fazer uma conferencia sobre o decano dos pianistas francezes, Valentin Alkan.
Executará algumas composições d'este artista, empresa em que poucos se poderiam abalançar, porque as obras produzidas por Alkan pertencem à categoria da mais difficil musica que tem sido escripta para piano.
"A ARTE MUSICAL", Anno II, numero40 de 31 de Agosto de 1900

Publicado por vm em 10:21 AM | Comentários (0)

dezembro 03, 2007

"CECIL MACKEE" - CARICATURA DE JOSÉ MALHOA

cecil mackee.jpg
Uma das 5 caricaturas de José Malhoa offerecidas aos amadoes qur tomaram parte no 1º concerto de musica de camara em 30 de Janeiro de 1899
"A ARTE MUSICAL" Anno I, numeri 5 de 15 de Março de 1899

Publicado por vm em 08:43 AM | Comentários (0)

dezembro 02, 2007

ALFREDO NAPOLEÃO NO SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL

Alfredo Napoleao.jpg
Em 3 de junho, com uma concorrência diminuta, umas 80 pessoas, deu o seu segundo concerto o pianista Alfredo Napoleão, sendo o local escolhido o Salão do Conservatório.

Eis os trechos de que constava o programma: Sonata Clair de lune, de Beethoven ; Nocturno e Ballada, de Chopin ; dois trechos de Schumann ; o 2º" Concerto e uma suite de pequenas peças do próprio Napoleão.
Além d'isso o talentoso violinista Júlio Cardona tocou a 5ª Sonata de Beethoven.

Devemos dizer, em homenagem á verdade, que o nosso publico não aprecia benevolamente a interpretação de Alfredo Napoleão, em tudo que é Beethoven e Chopin. Acha que elle precipita desordenadamente certos andamentos, tirando-lhe todo o charme e toda a finura. Acha que elle não tem a calma precisa para a interpretação de certas passagens melódicas, que demandam mais elevação do que bravura.
E... talvez tenha razão o publico.

Por outro lado, fez óptima impressão aos entendidos o 2.° Concerto de sua composição, que é obra de valor e superiormente trabalhada do principio ao fim.
Consta-nos que Alfredo Napoleão partirá brevemente para o Porto.

“A ARTE MUSICAL” Anno I nº 35 de 15 de JUNHO de 1900

Publicado por vm em 09:24 AM | Comentários (0)

dezembro 01, 2007

"PIANO SINGULAR" NOVO CD DE OLGA PRATS

O. PRATS PRESS 1.jpg
Lançamento na Sala AMÁLIA RODRIGUES, CCB - 2ª-feira, dia 3 de Dezembro - 18,30 h

O espírito do barroco
1. Jean-Philippe Rameau (1683-1764): Les Tendres Plaintes - Rondeau [3'13'']

2. Georg Friedrich Haendel (1685-1759): Sarabande [2'10'']

3. Óscar da Silva (1870-1958): Dolorosa nº3 [3'03'']

4. Dmitri Chostakovitch (1906-1975): Prelúdio opus 87 nº1 [2'30'']

5. Johann Sebastian Bach (1685-1750): Gavottes I & II da Suite Inglesa em sol m [3'15'']

O espírito do romantismo
6. Franz Schubert (1797-1828): Trauerwalzer [1'54'']

7-10 Robert Schumann (1810-1856): Kinderszenen (Cenas Infantis), opus 15:

nº1 Von fremden Ländern und Menschen (De terras e gentes desconhecidas) [2'08'']

nº7 Traümerei (Sonhando) [2'51'']

nº13 Der Dichter spricht (Fala o Poeta) [2'49'']

nº9 Ritter vom Steckenpferd (Cavaleiro do cavalo de pau) [0'47'']

11. Johannes Brahms (1833-1897): Variações sobre um Tema de Paganini, opus 35 (2º caderno): Variação XII [1'48'']

12. Franz Liszt (1811-1886): En Rêve [2'36'']

13. Robert Wagner (1813-1883): Ankunft bei den schwarzen Schwänen (O Regresso dos Cisnes Negros) [4'59'']

O espírito ibérico
14. Padre José António [de San Sebastián] Donostia (1886-1956): Preludios Vascos: nº6 Ońazez! - Dolor [1'48'']

15. Federico Mompou (1893-1987): Scènes d'Enfants nº5, Jeunes filles au jardin [3'18'']

16-18 Constança Capdeville (1937-1992): Visions d'Enfants:

nº3 Quand je serai soldat [0'42'']

nº4 Maman, j'ai vu dans la lune... [1'23'']

nº5 Humble danse des petits canards [1'22'']

19-20 Fernando Lopes-Graça (1906-1994): Cinco Embalos, LG 136 / 148:

nº4 [1'48''] *

nº5 [1'46''] *

O espírito da memória
21. Leoš Janáček (1854-1928): Na památku (Lembrança) [2'15'']

22. Luciano Berio (1925-2003): 6 Encores, nº3: Wasserklavier (Piano de água) [3'04'']

23. Arvo Pärt (n. 1935): Variationen zur Gesundung von Arinuschka (Variações para a convalescença de Arinuschka) [4'33'']

O espírito do povo
24. Heitor Villa-Lobos (1887-1959): Chôro Típico nº1 (Chora violão) [4'01'']

25. João Maria Blanc de Castro Abreu e Motta (1914-1959): Olhos Negros - Fado [3'32''] *

26. Astor Piazzolla (1921-1992): Chris-talin - Tango [2'43'']

27. Chick Corea (n. 1941): Where have I loved you before - An improvisation [1'58'']

O espírito do futuro
28-29 Sara Claro (n. 1986): Nove Pequenas Peças

nº7 Balada [2'21''] *

nº9 Momento III [0'27''] *

30-31 Sérgio Azevedo (n. 1968): Duas Borboletas para Olga (para 2 pianos)

nº1 Tango Dolorido [2'11''] *

nº2 Valsa Realejo [1'59''] *

* estreias discográficas absolutas

Total: 1h 16'33'' (76'33'')


Texto para CD “Olga Prats – Piano Singular”

Por Sérgio Azevedo

A poesia dentro de um piano

Fazendo jus ao título deste CD (Muito próximo do título do livro que a editora Bizâncio publicou em Maio de 2007), Olga Prats conduz-nos numa viagem poética através do universo infinito da música escrita para teclado, uma viagem de três séculos e meio, que aqui se inicia com Rameau e Haendel, para continuar no presente com Berio e Piazzolla, e apontar para o futuro com Sara Claro. Uma viagem sem barreiras de estilos, épocas ou credos estéticos que, lado a lado com as formas clássicas da sarabanda, da gavota, da variação e do prelúdio, faz ouvir o fado, o tango, a valsa e o chorinho brasileiro.

Nesta viagem, como no vasto oceano, a linha do horizonte encontra-se sempre à mesma distância, por muito que na sua direcção caminhemos. Viagem sem rumo nem fim. Olga Prats detém-se no caminho, explora algumas veredas, afasta-se – por vezes quilómetros – do itinerário mais frequentado, Bach, Schumann, ou Brahms (que aceita, ainda assim, como a base do seu percurso), para conhecer – e nos dar a conhecer – clareiras e arvoredos esconsos, mas nem por isso (ou talvez por isso mesmo) menos belos: uma peça tardia de Liszt, uma raridade de Wagner, uma bagatela inspirada pela memória amorosa de Janacék, um quase que teatro musical em miniatura escrito por uma Constança Capdeville adolescente, ou um tango e uma valsa de Sérgio Azevedo dedicados a Olga Prats na forma de Duas Borboletas para Olga, essas criaturas evanescentes, símbolos de uma poesia alada e frágil, que a pianista tanto admira.

Este “piano singular” podia, aliás, intitular-se igualmente (usurpando o título de um dos ciclos pianísticos mais poéticos de Janacék), Por um caminho relvado, tal é a poesia romântica e misteriosa que se eleva das obras, escolhidas segundo critérios totalmente opostos à banal programação da maior parte de discos e concertos, que se obstinam em seguir apenas pelos caminhos já estafados do repertório, o qual, de tão explorado na mesma direcção, esconde a verdadeira riqueza e grandeza cósmica de um “corpus” absolutamente sem par em qualquer outro instrumento. Não houve praticamente um compositor, maior ou menor, que não tenha dedicado peças, uma que fosse, ao piano (ou ao cravo, o que vai dar ao mesmo, sendo que muito do repertório cravístico funciona igualmente bem, senão melhor, no piano moderno), sendo Berlioz, Verdi e Puccini as excepções clamorosas que confirmam a regra.

Para além do elevado número de obras para ele escritas, o piano, instrumento de eleição de maior parte dos compositores enquanto auxiliar da criação, serviu também de “diário” musical, diário onde os pensamentos mais profundos, íntimos e elevados encontraram a sua “madre” e aí fecundaram. Não admira pois, que compositores menos célebres, ou até de segundo plano, tenham igualmente deixado música admirável de poesia para o instrumento, e mesmo entre os não pianistas – como Wagner, conhecido sobretudo pelos seus dramas operáticos e pela técnica orquestral – tenham existido momentos sublimes imaginados para um instrumento que, ou não tocavam de todo, ou dominavam muito mal. A Chegada dos Cisnes Negros, desse mesmo Wagner, consegue em alguns minutos de música transformar o solitário piano num Bayreuth em miniatura, e as três vezes que o tema se faz repetir, no início e fim da peça, antecipam o Tristão e as três enunciações do presságio da morte com que se abre o audacioso terceiro acto do mais audacioso e romântico drama musical alguma vez escrito.

Não obstante a beleza que se desprende destas páginas, quantas vezes deparamos com uma tal obra programada? Ou com o enigmático En rêve, do velho Liszt? Ou ainda com esse hino à memória amorosa, nostalgia de um tempo irrecuperável, que é Recordação, de Léos Janacék, a última obra que o velho mestre escreveu, antes de se embrenhar debaixo de uma tempestade nos bosques morávios à procura do filho de Kamila, por amor de quem virá a falecer depois de uma pneumonia contraída nessa busca insana? E que dizer das despojadas e tragicamente simples Variações para a convalescença de Arinushka, de Arvo Pärt, escritas para a filha doente do compositor, do enigmaticamente aquático Wasserklavier de Luciano Berio, dedicado a um amigo querido, ou da liberdade agógica do maravilhoso Where have I known you before de Chick Corea?

São alguns destes tesouros de uma história da música muito diferente da história da música sem imaginação que povoa a maior parte das programações pianísticas, que Olga Prats nos oferece neste registo íntimo, pessoal, e inequivocamente singular, como ela também o é.

© Sérgio Azevedo, 2007 para Trem Azul

Publicado por vm em 12:43 AM | Comentários (0)

novembro 30, 2007

AFINAL ESTAMOS VIVOS - FÁBRICA DO BRAÇO DE PRATA - HOJE

estamos vivos.jpg

Publicado por vm em 09:07 AM | Comentários (0)

CONCERTO PARA THOMAS BERNHARD - HOJE NO CCB, ÀS 21 H

thomas bernhard.jpg

Publicado por vm em 09:02 AM | Comentários (1)

novembro 28, 2007

"JOSÉ DA COSTA CARNEIRO" - CARICATURA DE JOSÉ MALHOA

jose da costa carneiro.jpg
uma das 5 caricaturas de José Malhoa offerecidas aos amadores que tomaram parte no 1º concerto de musica de camara em 30 de Janeiro de 1899
"A ARTE MUSICAL" ANNO I, numero 3 de 15 de Fevereiro de 1899

Publicado por vm em 11:31 AM | Comentários (0)

novembro 26, 2007

"MICHEL'ANGELO LAMBERTINI" - CARICATURA DE JOSÉ MALHOA

michel angelo lambertini.jpg
Colecção das 5 caricaturas de José Malhoa offerecidas aos amadores que tomaram parte no 1º concerto de musica de camara realizado em 30 de Janeiro de 1899
"A ARTE MUSICAL", ANNO I, volume 9, de 15 de Maio de 1899

Publicado por vm em 10:22 AM | Comentários (0)

novembro 25, 2007

LONDON - CREAÇÃO DE UM THEATRO PERMANENTE DE OPERA NACIONAL

london opera house.jpg
A camara de Londres nomeou uma commissão para dar parecer sobre a creação de um theatro permanente de opera nacional, e essa commissão concluiu que tal creação é necessária ao desenvolvimento da arte nacional e á educação musical do povo, e que o theatro de Convent-Garden, accessivel só aos millionarios e onde se canta em francez, allemão e italiano, linguas que a maioria dos espectadores não entende, é unicamente um objecto de luxo.

Mais observou a commissão que a musica merece tanto ser animada como a pintura e a esculptura, e que se o Estado paga largas subvenções aos museus e compra por preços fabulosos quadros dos grandes mestres para que o publico possa aprecial-os e receber por este meio uma educação artística, a mesma razão deve determinar que se estabeleça um theatro permanente de musica, accessivel ao povo, onde se cante em inglez e onde os artistas inglezes tenham um meio de se produzirem e aperfeiçoarem.

A questão pratica também não pareceu difficil á commissão; não será preciso um grande auxilio dos cofres públicos, nem talvez elle seja necessário. Segundo calculos muito positivos e rigorosos, uma subscripcão de accionistas poderá reunir o capital suficiente, e esse capital bem administrado produzirá juro remunerador ; apenas bastará que a camara ceda gratuitamente o terreno necessário e em sitio conveniente.

“A ARTE MUSICAL” ANNO I, Numero 11 de 15 de Junho de 1899

Publicado por vm em 10:07 AM | Comentários (0)

novembro 23, 2007

"PEDRO E O LOBO" HOJE NO CASINO DO ESTORIL, ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOA

pedro.jpg

Publicado por vm em 08:38 AM | Comentários (0)

novembro 22, 2007

"D. LUIZ DA CUNHA E MENEZES" - CARICATURA DE JOSÉ MALHOA

luis c menezes.jpg
Colecção de 5 caricaturas de José Malhoa, oferecidas aos Amadores que tomaram parte no 1º concerto de Música de Câmara em 30 de Janeiro de 1899
"A ARTE MUSICAL" ANNO I, numero 7 de 15 de Abril de 1899

Publicado por vm em 12:14 AM | Comentários (0)

novembro 20, 2007

XV FESTIVAL DE MÚSICA DE COIMBRA - TEATRO DA CERCA DE S BERNARDO - 22NOV- 21,30h e 23 NOV no TEATRO MUNICIPAL DE BRAGANÇA

f p ribeiro 1.jpg
Filipe Pinto-Ribeiro vai apresentar-se como solista com a Orquestra de Câmara da Fundación Caja Duero de Salamanca dirigida por Gérard Caussé. Serão interpretadas obras de Carlos Seixas, Wolfgang Amadeus Mozart e Felix Mendelssohn. Os concertos terão lugar no dia 22 de Novembro, no Festival Internacional de Música de Coimbra, e no dia 23 de Novembro, no Teatro Municipal de Bragança.

Publicado por vm em 05:08 PM | Comentários (0)

novembro 18, 2007

"MEMORIAL DO CONVENTO" - HOMENAGEM A JOSÉ SARAMAGO- HOJE 17,00H no CINEMA S. JORGE

bibl mafra.jpg
Música, dança e leitura em homenagem a Saramago no Cinema S.Jorge
Música de cravo de Domenico Scarlatti, canto, dança e leitura de excertos do romance Memorial do Convento preenchem hoje, a partir das 17h00, no cinema São Jorge, um recital de homenagem a José Saramago, que estará presente

O pretexto é a conjunção de quatro aniversários: os 85 anos de Saramago, os 25 do Memorial do Convento, os 290 do lançamento da primeira pedra da construção do Convento de Mafra e os 250 da morte de Scarlatti (que Saramago fez entrar no seu talvez mais conhecido romance).

A música do compositor italiano será interpretada por Elina Mustonen, Sirkka Lampimaki é a cantora, Lili Dahlberg a bailarina e o leitor de Memorial do Convento o barítono Jorge Vaz de Carvalho. Para o final, às 18h15, está prevista uma intervenção do Nobel da Literatura português.

Lusa/SOL

Publicado por vm em 11:38 AM | Comentários (1)

novembro 17, 2007

"JOSÉ RELVAS" - CARICATURA DE JOSÉ MALHOA

jose relvas.jpg
Colecção de 5 caricaturas de José Malhoa, oferecidas aos amadores que tomaram parte no 1º concerto de música de câmara em 30 de Janeiro de 1899

Publicado por vm em 10:53 AM | Comentários (0)

novembro 16, 2007

CASA DOS DIAS DA ÁGUA de 15 de NOV a 2 de DEZ - "TEATRO NACIONAL"

terça a domingo das 19h00 às 22h00
A Sensurround Companhia de Teatro repõe, no novo espaço da Casa d’Os
Dias da Água, o projecto Teatro Nacional, estreado em Junho último no
espaço do antigo Armazém do Ferro da A. Da Costa Cabral, onde a companhia
se fundou e trabalhou cinco anos.
Teatro Nacional pretende ser um contributo crítico e uma reflexão sobre a
forma como se faz Teatro em Portugal.

Fazemos este trabalho, conscientes de que o Efémero convoca fortemente
a Memória, por isso é preciso avivar essa memória, reagregá-la, dar-lhe sentidos
novos.
Esta peça é um memorial que é também um manifesto.
Há um mapa de Lisboa com os lugares onde trabalhámos e ensaiámos os
nossos espectáculos. Alguns desses lugares já não existem, outros nunca existiram,
não existiam já quando nós lá estávamos.
Nos Teatros temos estado: pouco e em muito poucos.
A questão é saber se nós existimos, agora, ou noutro tempo, nestes ou
noutros lugares quaisquer.
Teatro Nacional foi a forma que encontrámos de nos recentrar, de nos lembrarmos
de quem somos, de nos posicionarmos no Teatro, de dizer: Eu estou
aqui, é isto que tenho para dizer e vou dizer em voz alta.
Não morremos, nem estamos a dormir: apenas muito cansados.
Este trabalho é uma resposta.
A entrada é livre.
Um espectáculo de: Lúcia Sigalho ( concepção, direcção, textos, espaço
cénico e figurinos ) Música original e sonoplastia: João Lucas Intérpretes:
Edgar Lopes, Félix Lozano, Helena Anacleto, Horácio Andrade, Zeferino
Lopes, Ricardo Xavier e Lúcia Sigalho Com o apoio de: Associação VITAE, da
AMI e Comunidade Vida e Paz Colaboração especial de: Mafalda Ivo Cruz e
Alberto Lopes Imagem Gráfica: Regina Diva Fotografia: Abílio Leitão Registo
vídeo: Cláudia Tomaz Operação de som: Vítor Gonçalves Agradecimentos: A
da Costa Cabral, Força Aérea, Paula Sá Nogueira, Clara Brito, Jorge
Bragada.
Casa d’Os Dias da Água
Rua Luz Soriano, nº 67
Informações e reservas sobre o espectáculo
info@osdiasdaagua.com
21 314 03 52 | 10H00 às 18h00
21 342 91 01| 18h00 até ao inicio do espectáculo
TEATRO NACIONAL
de LÚCIA SIGALHO
SENSURROUND COMPANHIA DE TEATRO

Publicado por vm em 03:02 PM | Comentários (0)

"OS CANTOS DO ZECA" - TRIBUTO A JOSÉ AFONSO . FÓRUM DA MAIA - 18 de NOVEMBRO - 16 HORAS

image001.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

novembro 14, 2007

O PIANO DUPLO

IMG_0036a.jpg
Entre os instrumentos de musica postos recentemente em circulação ha um que merece honrosa menção n'esta revista, e que é também devido, como a Harpa chromatica ao engenhoso espirito inventivo de Gustavo Lyon, o actual director da importante casa Pleyel.
É o Piano duplo, uma intelligente simplificação, que permitte a dois pianistas assentarem-se em frente um do outro, a uma distancia de 2m,4o, dispondo cada um do seu teclado, das suas cordas e dos seus martellos, e partilhando só o tampo de harmonia que é o mesmo para os dois machinismos. Na sua simplicidade, é justamente este tampo de harmonia commum, que se affigurou impossível de realisar a muitos outros fabricantes, e alguns d'elles notáveis, que tentaram abordar a ideia, mas que na supposicão de que fosse impraticável, a abandonaram logo.

Na disposição das cordas, que são cruzadas para cada um dos machinismos, lembra a dos pequeníssimos pianos de cauda que Carlos Gounod, n'um dia de bom humor, baptisou de sapos (crapauds).
Uma particularidade que permitte produzir effeitos novos e assaz felizes. Ferindo-se uma nota ou accorde n'um dos teclados, as vibrações repercutem-se por sympathia, nas cordas do segundo, se houver a precaução de levantar, n'este ultimo, os abafadores.

Quanto á forma exterior do instrumento, terão os leitores de “A ARTE MUSICAL” uma ideia nítida, pela gravura que lhe offerecemos n'este numero.

Com o Piano duplo, o engenheiro Lyon attingiu duas vantagens essenciaes : a facilidade de accomodacão de dois Pianos de cauda n'uma sala, que não seja muito vasta e sobretudo uma admirável fusão de sons perfeitamente homogéneos, entrelaçando-se artisticamente, sem sombra de discordância cousa rarissima de obter-se em dois pianos differentes.

Estreiaram o Piano duplo em Paris, improvisando com rara felicidade, deante d'um selecto auditório, os srs. Raul Pugno, abalisado professor francez, cujas notas biographicas honram hoje este jornal, e Theodoro Dubois, o illustre director do Conservatório de Paris.

Depois d'esse primeiro successo, tem figurado o Piano duplo em innumeros concertos, em Paris, Londres e outras cidades, constatando-se sempre as qualidades que o tornam merecedor de um logar de honra na moderna industria pianistica.

“A ARTE MUSICAL” ANNO I, Numero 7 de 15 de Abril de 1899

Publicado por vm em 12:04 AM | Comentários (0)

novembro 12, 2007

BRUNO BORRALHINHO - 16 de NOVEMBRO NO ISEP-PORTO e 17 de NOVEMBRO TEATRO-CINE DA COVILHÃ

bruno01.jpg
Sexta-feira, 16 de Novembro, às 21h30
Auditório Magno do IPP (ISEP) Porto

Sábado, 17 de Novembro, às 21h30
Teatro-Cine da Covilhã

Carl Maria von Weber
- Der Freischütz, abertura
- Concerto para clarinete e orquestra em Fá menor, Op.73

Robert Schumann
- Concerto para violoncelo e orquestra em Lá menor, Op.129

Bruno Borralhinho, violoncelo
António Saiote, clarinete e direcção
Orquestra do Norte

Publicado por vm em 11:25 PM | Comentários (0)

novembro 11, 2007

PABLO CAZALS NO SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL

p casals 1.jpg
No dia 28 apresentação publica do eminente violoncellista hespanhol, Pablo Cazals.
Teve lugar no Salão do Conservatório e o programma foi o seguinte :

1ª PARTE
Beethoven — Sonata em lá, para piano e violoncello pelos srs. Colaço e Cazals.
Mozart — Serenata de D. Juan para canto pelo sr. Pinto da Cunha.
a) Haendel — Variações.
b) Mendelasolln — Piéce caracteristique para piano pela sr.a sr.a D. Laura Wake.
Lalo — Primeiro tempo do Concerto em ré menor para violoncello,
2ª PARTE
Goltermann — Cantilène e Final do Concerto em lá menor, para violoncello.
Denza — Occhi di fata para canto pelo sr. Pinto da Cunha. (Bisado com o Ideale de Tosti).
a) Dunkler — Berceuse.
b) Casella—Napolitaine.
c) Popper — Tarantelle para violoncello. (Bisado com o Nocturno de Chopin).
Ao piano de acompanhamento esteve o illustre maestro Alberto Sarti.
Já nos occupámos de Gazals em outro numero da Arte Musical. E' um artista de grande coração, conhecendo a fundo o ponto do seu instrumento e sabendo-lhe, um a um, todos os segredos. A par d'isso, correcto, serio, sem desmandos de gesticula¬ção, em que peccam por vezes os melhores artistas.
Nas cousas admiráveis que faz, ha a imperturbabilidade de um grande technico, e a vibração apaixonada de uma grande alma.
O publico victoriou-o calorosamente.

“A ARTE MUSICAL” ANNO I, numero 6 de 31 de Março de 1899

Publicado por vm em 08:44 AM | Comentários (0)

novembro 10, 2007

O PRIMEIRO VIOLONCELO DE PABLO CASALS

viol casals.jpg

Publicado por vm em 08:24 AM | Comentários (0)

novembro 09, 2007

"HOMENAGEM A GRIEG" no CCB - 11 de NOVEMBRO ÀS 17,00 h

flyerOML071108.jpg

Publicado por vm em 10:00 AM | Comentários (0)

novembro 08, 2007

"GROSSE CELLISTEN" de HARALD EGEBRECHT

grandes violoncelistas 1.jpg
Livro editado recentemente por "Piper München Zürich" com várias referências a GUILHERMINA SUGGIA

Publicado por vm em 08:43 AM | Comentários (0)

novembro 04, 2007

PABLO CAZALS no "FIVE O'CLOCK" DOS SRS VISCONDES DE CARNAXIDE

p casals 2.jpg
Não foi menos interessante o five o’clock dos srs. viscondes de Carnaxide, na passada sexta-feira, 10 de marco.
O principal intuito d'essa festa intima, foi a apresentação de um violoncellista hespanhol, de raro valor, o sr. Pablo Cazals.
Poucas vezes temos tido occasião de apreciar, no violoncello, um artista tão consciencioso e ao mesmo tempo tão cheio de verve e de brio, com todas as qualidades que se requerem n'um concertista de cunho.

Cazals tem o condão e o talento de attacar o passo, por mais escabroso que seja, com uma tal firmeza e com tão segura afinação, que nos deixa por vezes maravilhados; quem mais ou menos conheça as enormes difficuldades do violoncello é que póde fazer uma idéa da ousadia feliz com que certos passos são executados e da maestria que n'elles se patenteia.
Ouvimos já o illustre concertista em casa do nosso amigo Rey Colaço, notando com magua que o instrumento em que tocara não parecia corresponder ás aspirações do artista. Hoje, Pablo Cazals, dispõe de um precioso Gallianus, presente régio, em que se alliam uma potente sonoridade e um delicioso timbre, o programma da matinèe :

Lalo—1ª parte do concerto, para violoncello, pelo professor P. Cazals.
Massenet — Les enfants
Rossíni — Una voce poco fá, para canto, pela ex.ma sr." coadessa de Proenca a Velha.
Pergolesi — Nina. Scarlatti—Le violette.
Lacome — Bal d'oiseaux, para canto, por M.me Sarti.
Beethoven — 5.a sonata (em fá), para rebeca e piano, pelas ex.mas srª D. Alice Silva e D. Elisa Baptista de Sousa.
Massenet — Le Crepuscule para canto, pela ex.ma srª condessa de Proença.
Chopin-Popper — Nocturno.
Popper — Tarantella para violoncello pelo professor P. Cazals.
O nosso amigo Alberto Sarti acompanhou ao piano, com a sua habitual mestria; diante das gentilissimas senhoras que tomaram parte tão brilhante n'este concerto, curvamo-nos reverentes com o mais sincero dos applausos.

“A ARTE MUSICAL”ANO I, Nº 5 de 15 de Março de 1899

Publicado por vm em 10:13 AM | Comentários (0)

novembro 03, 2007

CONCERTO DE GUITARRA - ANDRÉ MADEIRA - COIMBRA, 9 de NOVEMBRO ÀS 21,30H

AndreMadeira.jpg

Publicado por vm em 10:13 AM | Comentários (0)

novembro 01, 2007

FALA DA CRIADA DOS NOAILLES QUE NO FIM DE CONTAS VAMOS DESCOBRIR CHAMAR-SE TAMBÉM SÉVERINE NUMA NOITE DO INVERNO DE 1975, EM HYÈRES

clip_image001.gif
Uma paródia inconsequente de Jorge Silva Melo
Com desenhos de Pedro Proença

Livros Cotovia

Teatro

Uma eterna criada evoca as ricas horas dos mecenas, os bailes loucos, a arte livre, o amor livre, o financiamento de L`Age D´Or de Luis Buñuel, tudo na altura em que se anuncia a vinda do realizador espanhol ao palacete de Hyères onde ainda vive o Conde de Noailles, mecenas que foi dos surrealistas: estamos a meio dos anos 70 e os anos loucos já se foram, com as jóias da família. Muito livremente inspirado em O Meu Último Suspiro de Buñuel – e nas botinas de Diário de Uma Criada de Quarto de Buñuel, é claro. E Séverine era a Belle de Jour do romance de Joseph Kessel de que Buñuel e Oliveira se apropriaram, maliciosos.

Publicado por vm em 09:08 AM | Comentários (0)

outubro 31, 2007

"UMA VIAGEM MUSICAL PELO SÉCULO XX" 2 de Novembro pelas 19 horas- INSTITUTO FRANCO-PORTUGUÊS - "CARTA BRANCA DE TERESA VALENTE PEREIRA"

Teresa Valente Pereira 1.jpg
organizado pela RDP-Antena 2 com Adolfo Rascon no violino, Teresa Valente Pereira no violoncelo e Bruno Belthoise no piano.

Emmanuel Hieaux (1958-)
Sur trois poèmes d'Eluard, para violino e piano
(Miroir d'un moment – Absence - Mes heures)
-Première audition au Portugal-

Zoltán Kodály (1882-1967)
Duo op.7, para violino e violoncelo
(Allegro serioso, non troppo – Adagio – Presto)

PAUSA

Gaspar Cassadó
Suite para violoncelo solo
(Prelude-Fantasia:Sardana-Danza:Intremezzo e Danza Finale)

Claude Debussy (1862-1918)
Sonate n°1, para violoncelo e piano
(Prologue - Sérénade : Modérément animé - Finale : Animé)


Dmitri Shostakovitch (1906-1975)
Trio n°1 op.8 , para violino, violoncelo e piano

Publicado por vm em 10:31 PM | Comentários (3)

outubro 30, 2007

MATINÉE MUSICAL DOS ESPOSOS SARTI, NO SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO

DSC00188 - Salao 3.JPG
Para assistir á matinée musical dos esposos Sarti, no dia 7 do corrente mez encheu-se litteralmente o salão do Conservatório, avultando o elemento feminino, pois, salvo felizes excepções, o masculino costuma ás segundas feiras occupar-se de outros assumptos menos elevados talvez, mas consideravelmente mais práticos.

Les Chansons de Miarka executavam-se pela primeira vez em publico e eram por conseguinte novidade para muita gente. Esta suite vocal, de que já aqui nos occupamos, conseguiu grandes applausos, especialmente em alguns números que foram distinctamente desempenhados pelas Sr.as Condessa de Proenca e D. Clara Sarti. Sobretudo Les Nuages, La Pluie e Hymne des Morts fizeram muita impressão ou foram talvez melhor comprehendidas
Além da extravagante suite cantaram vários trechos as senhoras Viscondessa de Almeida Araújo, D. Josephina Aboim, Condessa de Proenca-a-Velha, Mad.le Sarti e sr. José Eduardo Pinto da Cunha, e tocou o Yankee Doodle de Vieuxtemps o talentoso violinista Júlio Cardona, a substituir um numero do programma que não poude ser executado.
Em todos os números de canto se houveram brilhantemente os distinctos amadores, que, como se sabe, procedem da escola de Sarti e assimilaram com notável talento as qualidades de technica que distinguem o illustre professor.
De Madame Sarti, a inimitável diseuse que todos conhecem, só diremos que nos deliciosos trechos com que fechou o program¬ma e especialmente na Rieuse de Pierné, soube suggestionar o publico a ponto de lhe causar uma fortíssima commoção e de se verem lagrimas em muitos olhos…
Não queremos fechar esta noticia sem comprimentar um novo e modesto profes¬sor, o sr. José Henrique dos Santos pela maneira distincta como acompanhou na flauta, conhecida e sempre formosa Ária de Misoly, que a Srª Condessa de Proenca can¬tou proficientemente
Os nossos parabéns a Alberto Sarti pela sua festa artística e pelas justíssimas de¬monstrações de sympathia que o publico lhe trioutou.
A ARTE MUSICAL Ano II, Nº 33 de 15 de Maio de 1900

Publicado por vm em 08:52 AM | Comentários (2)

outubro 29, 2007

SOCIEDADE DE INSTRUÇÃO GUILHERME COSSOUL

guilherme cossoul.jpg
Nasceu para a música e tem nome de músico, mas haveria de ser o teatro o seu amor mais duradouro e mais fértil. Em obra e em glória.
A Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul é uma das mais antigas e prestigiadas de Lisboa. Foi fundada em 7 de Setembro de 1885 por 47 amadores de música e admiradores de Guilherme Cossoul – compositor e violoncelista português do século XIX e fundador dos bombeiros voluntários em Portugal.

Ao longo da foi sempre um espaço de forte dinamização cultural e cívica. Satisfez necessidades educativas, artísticas e desportivas dos seus associados e da cidade de Lisboa. Alfabetizou cidadãos, ensinou ofícios, formou campeões desportivos, músicos, actores, encenadores, dramaturgos, cenógrafos e técnicos de cena.

O seu contributo para o incremento do teatro português pode avaliar-se pelos nomes que daqui emergiram ou aqui se afirmaram:

Encenadores: Jacinto Ramos, José Viana, João Pedro de Andrade, Fernando Gusmão, Artur Semedo, Rogério Paulo, Carlos Avilez, Humberto d’Ávila, Varela Silva, e mais recentemente, Ildefonso Valério, José Martins, Estrela Novais, entre outros.

Actores: Alberto Ponces, Alda Rodrigues, Alina Vaz, Celestino Silva, Dinah Stichini, Fernanda Alves, Gilberto Gonçalves, Glicínia Quartin, Grece de Castro, Henrique Viana, Isabel Wolmar, Jacinto Ramos, João Sarabando, José Terra, José Viana, Judite Marques, Luís Alberto, Luís Castanheira, Mateus Valente, Manuela Costa, Maria Bastos, Maria do Rosário, Pedro Bartissol, Raul Solnado, Senuel de Carvalho, Varela Silva.

Cenógrafos: Álvaro Marques, António Botelho, Bartolomeu Cid, Calvet da Costa, Carlos Ribeiro, Conceição e Silva, Figueiredo Sobral, Henrique Cayatte, João Vieira, José Viana, Lima de Freitas, Mário Alberto, Octávio Clérigo, Regina Rezende, Rogério Ribeiro, Rui A Pereira, Sá Nogueira.


Publicado por vm em 09:12 AM | Comentários (0)

outubro 28, 2007

"DISCO PIGS" de ENDA WALSH, PELOS ARTISTAS UNIDOS NA SOCIEDADE GUILHERME COSSOUL, A PARTIR DE 26 de OUTUBRO

ceciliahenriques_1.jpg
Tradução Joana Frazão
Com Cecília Henriques e Pedro Carraca
Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves
Luz Pedro Domingos
Som André Pires e Dinis Neto
Direcção de Produção Andreia Bento e Pedro Carraca
Encenação Franzisca Aarflot assistida por Paulo Pinto

O texto está editado na Revista Artistas Unidos nº 13

Pig e Runt nascem no mesmo dia, no mesmo hospital, com uma diferença de segundos. Gémeos em tudo menos no sangue. Inseparáveis desde a nascença, são quase telepáticos. Unha e carne, não precisam de mais ninguém. Habitam um mundo delicado, insular e perigoso em que são eles quem estabelece as regras e onde falam uma língua própria. São também parceiros no crime, com uma sede de ousadia, exploração e destruição.

Mas a alguns dias de fazerem dezassete anos, o equilíbrio perfeito do seu mundo começa a desfazer-se. O despertar da sexualidade de Pig e os seus crescentes ciúmes começam a ameaçar o universo particular de ambos. Incapaz de enfrentar a perda de Runt, a natureza imprevisível de Pig condu-lo numa espiral descontrolada de violência e destruição. Os inseparáveis estão a ponto de se separarem. Só sobreviverá aquele que conseguir libertar-se.

É uma mistura de diferentes histórias, mas refere-se, fundamentalmente, à minha relação com a minha namorada na altura e à forma como esta acabou” diz Enda Walsh. “ Se calhar é um bocado piroso, mas será comovente para quem quer que já se tenha sentido tramado e abandonado”.



Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

outubro 27, 2007

"A BARCA DE VENEZA" NA comuna, DE 7 A 18 DE novembro

barcaflyer.jpg

Publicado por vm em 08:59 AM | Comentários (1)

outubro 26, 2007

EDUCAÇÃO ARTÍSTICA FORUM

educ artistica forum
Está aberto um novo fórum na net, o Educação Artística FORUM , inserido no
projecto editorial "TubarãoEsquilo", que se propõe, numa atitude de
incentivar uma cidadania activa e participada, estimular um debate
público e aberto sobre os rumos da Educação Artística em Portugal.

Num momento em que foi publicado um "Roteiro para a Educação Artística",
um "Relatório de Avaliação do Ensino Artístico" e se leva a cabo uma
"Conferência Nacional de Educação Artística", é indispensável a
existência de um espaço de opinião livre e independente, onde os mais
directamente envolvidos - os pedagogos da área, os artistas, os pais, os
alunos, os directores pedagógicos de escolas de educação artística e
seus gestores - possam ter voz e ser ouvidos, coisa que até ao momento
parece ainda não ter sido possível.

Publicado por vm em 08:58 AM | Comentários (0)

outubro 25, 2007

"O GRUPO DOS CINCO" CARICATURA DE RAFAEL BORDALO PINHEIRO

Quarteto.jpg
Ciríaco Cardoso, Marques Pinto, Moreira de Sá, Nicolau Ribas, Alfredo Napoleão e Michel'Angelo Lambertini.
"REVISTA ANTÓNIO MARIA", ano VI

Publicado por vm em 08:54 AM | Comentários (3)

outubro 23, 2007

"O CHALET MONTROSE" DEBATE 25 OUTUBRO

debatechalet.jpg
Pertencendo à primeira época de edificação do Monte Estoril, quando se pensava torná-lo um centro turístico internacional, o Chalet Montrose detém, em elevada escala, os mais importantes valores patrimoniais dessa época fino-oitocentista.

Trata-se de um chalet de qualidade, composto dos dois corpos característicos (um, sugerindo «torreão», outro adossado, de figura rectangular), com uso abundante de madeiras, debruando os vãos e telhados, e sugestivo jogo cromático entre rosas e verdes secos. Até muito recentemente, esta casa parecia-me - sempre que lá passava, em romagem de saudade e alguma “fiscalização” - impecável. Nunca entrei, mas tenho a certeza que, apesar da sua aparência de casa de férias informal, seria certamente de elevada qualidade construtiva e decorativa. Convém recordar que, a Rainha Maria Pia, depois da morte de D. Luís, foi nesta casa que primeiro se instalou, por simpatia da família Reynolds, e antes de adquirir o seu chalet próprio sobre a Avenida Marginal.
Mas o mais importante desta casa, como de muitas outras, é o seu generoso e qualificadíssimo espaço de jardim. Não pela decoração - de estatuetas que me parecem modestas –mas pela riqueza e beleza das árvores, dos recantos e da atmosfera cálida assim gerada. Apesar das bárbaras construções envolventes, nomeadamente pelas cérceas vorazes, a extraordinária amplitude do jardim garantia que os valores dessa vivência antiga aqui permanecessem.
Ou seja, o Chalet Montrose sempre esteve, desde os anos 80, na lista das peças mais importantes do património de veraneio de Cascais: património arquitectónico e património paisagístico, num feliz e comovente entrosamento de valores. De tal forma assim é que, olhando a casa, podemos sentir que ela, como as árvores, tem raízes naquele terra que um urbanismo romântico tornou fértil.

3. A minha mensagem

Estamos, creio eu, naquelas infelizes situações em que, mais uma vez, nos vão dizer que nada há a fazer. Cumpriram-se regulamentos e índices, aprovaram-se expectativas legítimas. Estamos, claro, num Estado de Direito.
Mas o Presidente da Câmara tem de ser confrontado com esta perversidade: ao mesmo tempo que promove uma exposição no edifício anexo aos Paços do Concelho, anunciando o Plano de Pormenor do Monte Estoril para salvaguardar os seus valores característicos; ao mesmo tempo que os serviços de Património continuam a estudar e fundamentar situações de salvaguarda relevante; outros usam outras leis e outras normas que, digamo-lo claramente, têm contribuído para o enriquecimento indigno de quem entende o passado como um obstáculo ultrapassável aos mesquinhos interesses de lucro imediato. Destruindo todas as possibilidades de futuro. Indo contra a corrente que defende que o turismo, na nossa terra, só interessa para valorizar e estimular as heranças, como nesse tempo fundador aconteceu.
Infelizmente não posso estar presente nesta sessão. Mas saúdo os que se batem pelo direito à sobrevivência de casas e paisagens seculares que são documentos históricos fundamentais que nos interpelam: como garantir-lhes uso e função numa perspectiva de legado ao futuro?

Raquel Henriques da Silva
21 de Outubro de 2007

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

outubro 22, 2007

"INDÚSTRIAS CULTURAIS- IMAGENS, VALORES E CONSUMOS", de ROGÉRIO SANTOS

Industrias Culturais.jpg
INDÚSTRIAS CULTURAIS – Imagens, valores e Consumos
Rogério Santos
A apresentação da obra estará a cargo de

António Pinto Ribeiro

O livro é prefaciado por Isabel Gil, directora da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Convidados-surpresa darão curtos depoimentos.

A Apresentação da obra terá lugar no dia 25 de Outubro de 2007, quinta-feira, pelas 19h, na Livraria Almedina Atrium Saldanha, loja 71, 2.º piso, Lisboa

A Obra:
As indústrias culturais remetem para o universo de reprodução técnica (registo e difusão) da cultura, casos da televisão, cinema, música e fotografia. Um bem cultural torna-se acessível a qualquer pessoa graças à cópia ou ao envio de ficheiro pela internet. Mais recentemente, ganharam força as indústrias criativas, presentes nas artes do espectáculo e cuja articulação com a publicidade, vídeo, actividades de lazer e indústrias culturais contribui para a formação do PIB de um país ou região.

O livro resulta do cruzamento de vários caminhos teóricos e práticos, como a reflexão a partir do texto fundador de Adorno e Horkheimer sobre indústrias culturais e a análise destas actividades com especialistas e estudantes universitários. Inclui-se também a compreensão dos grupos receptores: audiências de televisão, consumidores de centros comerciais, fãs de bandas musicais ou jogos como o Sudoku.

O ponto de partida do livro é o blogue Indústrias Culturais , espaço que o autor alimenta diariamente e onde observa e comenta a realidade dos acontecimentos, faz a leitura de livros e artigos de jornais sobre a área e partilha os mesmos assuntos com outros investigadores ou simples leitores.

Publicado por vm em 09:10 AM | Comentários (0)

outubro 21, 2007

ENSEMBLE MEDITERRAIN EM PORTUGAL

01[1].jpg
24 de Outubro - "Festivais de Outono"
Museu de Aveiro, Aveiro, 21:30h.
Obras de Beethoven, Glinka e Brahms.

26 de Outubro - Auditório de Espinho
Espinho, 21:30h.
Obras de Beethoven, Glinka e Brahms.

Publicado por vm em 12:37 AM | Comentários (0)

outubro 19, 2007

ATELIER MUSICAL - DIRIGIDO POR JORGE CHAMINÉ e MARIE-FRANÇOISE BUCQUET

j chamine.jpg
ATELIER MUSICAL
22, 23 et 24 Octobre

COLEGIO DE ESPAÑA
Salle de Concerts

dirigé par Jorge Chaminé et Marie-Françoise Bucquet

cours publics les trois jours de 11h à 13h et de 15h à 19h

mercredi 24 octobre à 20h CONCERT PUBLIC
(entrée libre dans la limite des places disponibles)

http://sonscroisesasso.blogspot.com/

COLEGIO DE ESPAÑA - CITÉ UNIVERSITAIRE
7 E BLD JOURDAN - 75014 PARIS

METRO ET TRAMWAY : CITÉ UNIVERSITAIRE
informations :
Sons Croisés
16, rue Larrey - 75005 Paris - tel. 01 43 36 55 06 ou fax 01 43 31 31 06
e-mail : sonscroises@hotmail.com ou sonscroises@noos.fr

Publicado por vm em 12:05 AM | Comentários (0)

outubro 12, 2007

"PERFEITOS MILAGRES" - de JACINTO LUCAS PIRES

perfeitosmilagres100.jpg
Uma mulher suicida-se na casa-de-banho de sua casa. O marido, uma estrela internacional de música pop, costumava descrevê-la como “uma bailarina sem escola, sem auto-consciência”. Impossibilitado de a voltar a ver, o marido isola-se num exercício de autocomplacência inevitável a qualquer indivíduo que experimente a morte. Disfarça-se para que ninguém o reconheça e parte à procura de memórias infantis. Carlos, jornalista português que vive no estado de Nova Jérsia, ambiciona escrever um livro sobre histórias verídicas que não podem ficar esquecidas. Um dia, seguindo uma pista de um grupo de actores que usa métodos secretistas para recrutar pessoas, deixa-se fascinar por Violet.

Um músico e um jornalista. Duas pessoas que acabam por se cruzar graças a uma terceira personagem: um homem que passa os dias a representar como forma de defesa. E é neste universo masculino, perversamente masculino se pensarmos que aqui as mulheres são seres extintos ou inacessíveis, que Jacinto Lucas Pires volta a surpreender com a sua escrita, semelhante a um argumento cinematográfico ou a um texto dramático, onde delineia inúmeros movimentos de câmara e didascálias, demonstrando sensibilidade e habilidade descritiva para narrar momentos de desespero.
(LIVROS COTOVIA)

Publicado por vm em 10:25 AM | Comentários (0)

outubro 11, 2007

"EN EL CIELO TODOS SEREMOS ORFEONISTAS" - AUTÓGRAFO DE A. GAUDÍ DEL ALBUM DE FIRMAS DE HONOR DE L'ORFÉO CATALÀ DE BARCELONA

GAUDIa.jpg
Dedicatória del arquitecto António Gaudí fechada el 29 de Junio de 1922. Ocupa la totalidad de una página del Álbum de Firmas de Honor de l'Orfeó Català de Barcelona.
Bajo indicaciones de Gaudí, la composición fue obra de su ayudante el arquitecto Francisco de Paula Quintana Vidal. Representa a Orfeo tañendo su lira para apaciguar a vários animales que aparecen en el dibujo. Rubricándolo escribió Gaudí "D. de S. Pere, 1922" firmándolo a continuación. El dibujo está rodeado por unas cintas que cuelgan de una cruz griega que preside el conjunto.
De la policromia se encargó el arquitecto de Tarragona, Josep Mª Jujol Gibert, el más creativo de los colaboradores que tuvo António Gaudí, en varias de cuyas obras dejó detalles de una gran originalidad, como el banco ondulado del Park Güell. A ambos arquitectos les unió una profunda amistad a pesar de llevarle Gaudí veintisiete anos. Las iniciales de Jujol, J.M.J., pueden verse débilmente impresas, quizás a lápiz, en el costado inferior derecho del dibujo.
Este es uno de los escasos autógrafos que se conservan de António Gaudí, un hombre que huía de estos gestos que él consideraba vanidosos. En esa ocasión accedió por tratarse de l'Orfeó Català, un lugar dedicado a la música, su pasión, y por ser el Director Fundador su gran amigo Lluis Millet. En el mismo álbum aparecen las firmas dei violonchelista Pablo Casals y del médico y organista Albert Schweitzer.
El libro de autógrafos se conserva en los archivos de l'Orfeó Català, en el Palau de la Música de Barcelona. Se reprodujo en la biografia Gaudí. De Piedra y Fuego, obra de Ana Mª Férrin editada en 2001 por Jaraquemada Editores de Barcelona.

Ana Maria Férrin, 11/10/2007

Publicado por vm em 11:07 AM | Comentários (0)

outubro 10, 2007

SONS DA MÚSICA - AOS SÁBADOS NA RTP 2

sons da musica.jpg

Publicado por vm em 09:11 PM | Comentários (0)

outubro 09, 2007

CONFERÊNCIA no DIA 11 de OUTUBRO Às 19 H " GAUDÍ, GUILHERMINA E A MÚSICA"

DSC00188 - Salao 3.JPG
No SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL - Rua dos Caetanos (ao Bairro Alto) com:

TERESA CASCUDO - Musicóloga
ANA MARIA FÉRRIN - Jornalista e Escritora (biógrafa de Gaudí)


Música ao vivo com:

JOSÉ CARLOS ARAÚJO - Organista
PAULO GAIO LIMA - Violoncelista
PAULO PACHECO- Pianista

Apoio da ANTENA 2 e do INSTITUTO CERVANTES

Publicado por vm em 11:24 PM | Comentários (0)

outubro 08, 2007

U R G E N T E !!!! - PEDIDO DE SANGUE

RECEBIDO por email:

Por motivo de doença grave, um amigo está hospitalizado à espera de ser
operado. Ainda não o foi porque tem um sangue raro (B-). Pede-se a quem
tenha este tipo de sangue que contacte com urgência:


Luis de Carvalho - 931085403

Pedro Leal Ribeiro - 222041893 Fax: 222059125


Publicado por vm em 12:42 AM | Comentários (3)

outubro 07, 2007

JORGE PEIXINHO: "PERSPECTIVAS? TODAS AS PERSPECTIVAS"

JORGE PEIXINHO.jpg
I -É uma pergunta bastante complexa.
Em primeiro lugar, há a distinguir o conceito de crise «positiva», digamos assim, em sentido evolutivo (acção interna e externa de renovação), ao de crise «negativa», que vulgarmente se traduz na acepção oposta (marasmo, conformismo, estagnação) .
Entrando directamente no problema, passarei a ocupar-me exclusivamente da crise na primeira acepção, ou seja, a crise activa, positiva, vital. E devo desde já explicar, na medida do possível, os conceitos de «acção interna e externa de renovação», a que aludi.
Com a «acção interna» pretendo definir as forças contrárias, paralelas ou convergentes, que se manifestam e se entrechocam em momentos de crise; a «acção externa» será já o aspecto exterior dessa crise, o seu desenvolvimento, as suas directrizes e a sua própria resolução em sentido histórico.

Para além de um lugar comum: o constatar que qualquer momento constitui um elo na evolução histórica e consequentemente terá o seu quê de problemático, de crítico, não me parece verdadeiramente que a música atravesse, no momento presente, uma particular crise. O último após-guerra, com a redescoberta de valores humanos inestimáveis, pôs em cheque toda uma mentalidade neo-clássica, desmantelando-a, corroendo-a até nos seus mais válidos alicerces: e assim se assistiu ao quase trágico retrocesso de um Hindemith, o grande renovador dos anos 20, à cristalização de Milhaud e dos sobreviventes dos «6», ao isolamento de Britten e de Krenek, enquanto, num país socialmente progressista como a Rússia, continuavam a pontificar paradoxalmente os epígonos do sinfonismo tardo-romântico.
Na Itália, em virtude de um formidável esforça de renovação (um novo renascimento post-bélico), assistiu-se à curiosa evolução de Petrassi e Dallapiccola.
Seria interessantíssimo ainda aludir a Stravinsky e a Messiaën, se o espaço mo permitisse.

O grande momento de crise musical do após-guerra deu-se entre os anos 49 e 53, com a descoberta de Webern e a revelação de Nono, Boulez e Stochausen. É claro que esta crise se acentuou nos anos sucessivos, e em sentido de uma progressiva racionalização. Chegou-se assim à serialização integral, a desvinculação do fenómeno sonoro (puntilismo), a um tipo de figuração não pré-ordenado (abstracto).

O segundo grande momento de crise deu-se com a chamada “obra-aberta” (concepção de influência extra-europeia que revolucionou o conceito de forma), a obra aleatória e a recentíssima música informal. O aparecimento de uma nova e singular figura (John Cage) está ligado ao ponto de capital importância que originou esta segunda crise: a necessidade de uma reacção à ultra-racionalização ao fenómeno musical.
Hoje assiste-se a um momento mais «pacífico»: a plena maturidade estilística e ideológica dos jovens compositores de 50 («Intolleranza-1960» de Nono; «Pli selon pli» de Boulez;”Kontakte» de Stocchausen).
Pelo que diz respeito à música portuguesa, a tão desejável crise ainda não se deu, e isso não é um sintoma positivo.

II - Tradição, no sentido de um elo cultural contínuo e orgânico que mantém características constantes ao longo de uma evolução histórica, não existe na música portuguesa. Haverá talvez a possibilidade de se reconstituir artificialmente, direi quase com um critério «arqueológico», uma linha de hipotética tradição entre os pontos mais salientes e mais originais da música nacional, mas tal processo é por demais vago e ingrato. Claro que, por outro lado, se uma tradição existisse, os compositores actuais situar-se-iam automaticamente nela, mesmo sentindo a necessidade de lhe imprimir, conscientemente, um novo rumo.
Creio, aliás, que o tão falado «problema da música, portuguesa» não é hoje senão um pseudo-problema. O período dos nacionalismos musicais, tão caro (por razões diversas) a ideologias políticas diametralmente opostas, está hoje ultrapassado historicamente. Tornemos às origens, abandonemos falsos racionalismos e nacionalismos retóricos, e consideremos que a música que escrevemos será fatalmente portuguesa, como a língua que falamos, como as características étnicas que possuímos, de portugueses que somos.


III - Todas as perspectivas. No plano da música vocal-instrumental, o caminho da música portuguesa, como o caminho da música em geral, deverá inevitavelmente ser condicionado pela «abertura» do espaço dodecafónico; e não tanto pela técnica em si, como pela nova organização linguística — livre de esquemas apriorísticos ou esteriotipados —, pela nova sensibilidade musical, pelo «universo» novo e fecundo que ela nos abre.
Devo ainda acrescentar que me referi de preferência a um problema linguístico e não a um problema técnico, já que, reduzir o primeiro a termos de puro tecnicismo, significa alterar-lhe o seu mais profundo significado.
Quanto à música experimental (concreta e electrónica), essa poderia também abrir novas e brilhantes perspectivas no panorama geral da música portuguesa. Mas como poderá isso acontecer num país como o nosso, onde não existe qualquer estúdio de fonologia, onde não existem técnicos especializados e onde aos compositores, portanto, se nega a possibilidade de experimentarem os novos meios de produção sonora?

Nota da Redacção — Foram ainda convidados a responder ao Inquérito, mas não o fizeram até à data de fechar este número, os seguintes compositores: Armando José Fernandes, Cláudio Carneyro, Elvira de Freitas, Filipe de Sousa, Joly Braga Santos, Jorge Croner de Vasconcelos, Rui Coelho e Vítor de Macedo Pinto.

De “GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes” ANO X, 2ª Série nº 126/127 de Setembro/Outubro de 1961


Publicado por vm em 10:21 AM | Comentários (0)

outubro 04, 2007

"REGRESO A GAUDÍ'S PLACE" de ANA MARIA FÉRRIN

regresso.jpg
Vive la Sagrada Familia ceñida por un cordón existencial que gira a su alredor las veintecuatro horas del dia.

Maga, influye sobre la vida de sus vecinos y admiradores sean o no creyentes, instalándose en la savia íntima de cada uno.
Su mística transciende de una religión concreta y solo importa el espíritu del lugar y la admiración por el arquitecto António Gaudí que logro realizar su sueño, este templo, embarcando hasta hoy a seis generaciones y logrando ponerlo en pie gracias a la cultura del esfuerzo.

Al paso, desde cualquier punto de la ciudad su línea del horizonte es bien visible. Piero quienes ceden a su influjo prefieren acercarse hasta la plaza, sientiéndose hermanados en una danza de vida mestiza.

Hecha de regresos, partidas y decisiones…

(ANA MARIA FÉRRIN estará no dia 11 de Outubro pelas 19,00 h no SALÃO NOBRE do CONSERVATÓRIO NACIONAL tomando parte na conferência “GAUDÍ, GUILHERMINA E A MÚSICA”

Publicado por vm em 10:20 AM | Comentários (0)

outubro 03, 2007

"GAUDÍ, GUILHERMINA E A MÚSICA" - Conferência no dia 11 de OUTUBRO de 2007, às 19 horas

DSC00198a.jpg
NO SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL - Rua dos Caetanos, 29 (Ao Bairro Alto)
Com:

TERESA CASCUDO - Musicóloga e crítica musical
ANA MARIA FÉRRIN - Jornalista e escritora (biógrafa de GAUDÍ)

Música ao vivo com:
JOSÉ CARLOS ARAÚJO - Órgão
PAULO GAIO LIMA - Violoncelo
PAULO PACHECO - Piano

Apoio da ANTENA 2 e do INSTITUTO CERVANTES

A ENTRADA É LIVRE.
Lembramos que o Salão Nobre tem um valor incalculável e está num estado de degradação muito grande. Tem uma das melhores acústicas que existem, tem os tectos com pinturas de José Malhoa e corre o risco de se perder para sempre se não forem efectuadas obras de recuperação, urgentemente.
Defenda o nosso património. Esteja onde estiver junte-se aqueles que pedem obras urgentes. É uma obrigação que todos temos. Assine AQUI

Publicado por vm em 12:04 AM | Comentários (0)

outubro 02, 2007

HÁ MÚSICA NA VILA - CONSERVATÓRIO REGIONAL DE PALMELA

palmela.jpg

Publicado por vm em 10:58 PM | Comentários (0)

outubro 01, 2007

FERNANDO LOPES GRAÇA: "A NOSSA MÚSICA TEM SIDO UM QUASE PERMANENTE COMEÇAR"

F LOPES GRACA.jpg
I - - É sempre difícil e perigoso falar em crise, na música como em qualquer outra arte. Lá porque as coisas não vão a nosso contento, não se enquadram nas nossas concepções ou nos nossos esquemas, não satisfazem os nossos gostos, as nossas tendências, desatarmos nós a gritar que tudo está perdido, que o belo está em falência, que a verdadeira arte acabou? Decerto que há crises: mas podem muito bem ser crises de crescimento, mudanças de sentido e de perspectiva estética, cujo carácter de necessidade nós não apreendemos imediatamente, não raro tendo sucedido que o que não nos agrada hoje (e que nós logo fulminamos com a palavra crise, sem atentarmos muito bem na polivalência do conceito) acabe por nos agradar (por se impor) amanhã, — a crise sendo assim uma condição da própria evolução, da própria transformação da sensibilidade e das formas que esta reveste e por que se manifesta. Na música actual há sem dúvida aspectos que, pessoalmente, me não agradam; no entanto, antes de os condenar, antes de diagnosticar a crise, toca-me a consciência a rebate, e eu pergunto-me se não serei eu que estou em crise (a crise da idade, a crise do temperamento, a crise do meio, que tudo isto nos pode diminuir nas nossas faculdades de apreciação), sem que por tal entenda abdicar da minha liberdade crítica, isto é, da necessidade que ao meu espírito (a qualquer espírito não acorrentado) se impõe de analisar, de discutir, de formular juízos de valor, com a sua contrapartida, que é a possibilidade de errar.

II - Tradição musical portuguesa, se existe, é tão vaga, tão descontinua (e tradição descontinua já não é tradição), tão hesitante e historicamente tão tropeçante, que, na realidade, se torna altamente embaraçoso para um compositor nacional (quero dizer: aqui nascido e aqui actuante) tanto o decidir se a sua arte deve ou pode nela integrar-se, como o afirmar que nela está de facto integrada...
Se exceptuarmos o polifonismo vocal de Quinhentos-Seiscentos, em que uma certa comunhão de escopo, uma certa identidade de linguagem e uma certa transmissão de técnicas permitem seguir, através das suas diversas manifestações, uma tal ou qual linha de continuidade (afirmar, portanto, uma tradição), se exceptuarmos esse período, a nossa música tem sido um quase permanente começar, com poucas vantagens para ela e com todos os inconvenientes que para o artista, para o compositor, resultam do facto de se sentir sempre (quando sente...) desligado de um processo evolutivo normal, dessolidarizado nas suas tentativas de criação, que, por bem intencionadas que sejam e por mais logradas que se apresentem, se arriscam a ficar apenas como «casos» e raramente como “exemplos». E o cerne de uma tradição (entenda-se: de uma tradição viva e fecundante) não é jeito de «casos» (a contingência), mas sim de «exemplos» (a necessidade).

III — Se considerarmos essas técnicas como um meio e não como um fim, e se não postularmos (como já tem sido postulado) que elas estão destinadas a abolir as diferenciações nacionais («música francesa», «música alemã», «música italiana», «música russa», e música brasileira», etc.) para rematar numa arte uniformizada, numa arte universalista ou, melhor, anacional, — não se me afigura impossível ou indesejável que elas abram perspectivas à música portuguesa. Pelo menos no que se refere ao dodecafonismo (serial ou não serial), já com os seus pergaminhos; porquanto no que respeita à música concreta e à música electrónica, antolha-se-me ser aquela apenas uma arte auxiliar (a que não sei se caberá com propriedade o nome de música), e esta por enquanto tão-só uma experiência, legítima, sem dúvida, mas ainda não suficientemente desembaraçada do seu imediato condicionalismo «científico». - O que será para recear não é que essas novas técnicas façam a sua entrada em Portugal (o dodecafonismo já cá entrou, e não seremos nós que o iremos expulsar...): é sim que, ao serem adoptadas, venham a constituir mais um dos tais «recomeços» a que acima aludíamos, isto é, que venham a resultar numa «fórmula» que se substitui pura e simplesmente à «fórmula» anterior, comprometendo-se assim mais uma vez a já de há muito comprometida unidade orgânica da música portuguesa, — quer entendamos a expressão «música portuguesa» no sentido de «nacionalismo “folclorizante” (de facto historicamente ultrapassado), quer no sentido de «nacionalismo essencial» (porventura ainda fecundo), quer ainda no sentido de uma música movendo-se no seu âmbito próprio, de uma música nacional por força e virtude do seu mesmo «estilo» (com todas as implicações que o conceito de «estilo» comporta). Se é que os dodecafonistas ortodoxos dão licença que uma tal música exista ou tenha direito a existir...

De “GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes” ANO X, 2ª Série nº 126/127 de Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 10:56 PM | Comentários (0)

setembro 26, 2007

TEATRO DA CORNUCÓPIA - "O CONSTRUTOR SOLNESS" de HENRIK IBSEN, de 27 de Setembro a 4 de Novembro

o construtor solness.jpg
Tradução Pedro Fernandes
Encenação Carlos Aladro
Cenário e figurinos Cristina Reis
Desenho de luz Daniel Worm d’Assumpção
Distribuição Beatriz Batarda, Duarte Guimarães, Luís Lucas, Luis Miguel Cintra, José Manuel Mendes,
Sofia Marques e Teresa Sobral.

Teatro do Bairro Alto, Lisboa


Publicado por vm em 09:10 PM | Comentários (0)

setembro 24, 2007

"GAUDÍ, GUILHERMINA E A MÚSICA" - DIA 11 de OUTUBRO ÀS 19 horas no SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO de LISBOA

DSCF4110a.jpg
Neste Salão, que lamentavelmente se vai perdendo com a total indiferença de quem tem por obrigação zelar pelo nosso património, ir-se-á realizar uma conferência numa iniciativa conjunta da ANTENA 2, ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA e ESCOLA DE MÚSICA DO CONSERVATÓRIO DE LISBOA.
Serão conferencistas:
TERESA CASCUDO - Musicóloga e crítica musical.
ANA MARIA FÉRRIN - Jornalista, escritora (biógrafa do arquitecto
A.GAUDÍ)

Música interpretada(ao vivo) por:
JOSÉ CARLOS ARAÚJO (organista)
PAULO GAIO LIMA (violoncelista)
PAULO PACHECO (pianista)

Apoio do INSTITUTO CERVANTES- Lisboa

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

setembro 23, 2007

MARIA DE LOURDES MARTINS: "O DODECAFONISMO, A MÚSICA ELECTÓNICA E A MÚSICA CONCRETA JÁ NÃO SÃO "NOVAS TÉCNICAS"

maria de lurdes martins.jpg
I -Parece-me que “crise» não é a palavra exacta para exprimir toda a
amálgama de ideologias, inquietações, necessidades e tendências que caracteriza a música de hoje.
Esta diversidade idiossincrásica, própria do período de transição em que presentemente nos encontramos, acumula-nos de composições de interesse apenas experimental, de tentativas de menor ou maior projecção, de manipulações de oportunistas sem escrúpulos, mas também nos oferece obras de real valor.

É evidente que a geração post-weberniana se vê a braços com responsabilidade desmedidas, provocadas pela herança de novos factores sociais, socialistas, culturais, científicos e filosóficos, legada por duas grandes guerras mundiais. A reintegração de antigos instrumentos, a criação de outros e o espantoso desenvolvimento atingido pelos instrumentos electrónicos que nos proporcionam modos de expressão inteiramente novos, obrigam a novos princípios estéticos, novas técnicas e novas concepções formais. Mas não será tudo isto uma maravilhosa fonte de riqueza? — Uma riqueza que serve apenas aqueles que a sabem utilizar: Boulez, Nono, Maderna, Stockhausen... e aqueles que, por enquanto em número limitado, a sabem apreender...

II — Existe, quando muito, uma relacionação de ideias entre alguns compositores portugueses, mas não uma tradição como os alemães consideram Beethoven-Max Reger-Hindemith uma linha de continuidade através de séculos.

III — O dodecafonismo, a música electrónica e a música concreta já não são «novas técnicas». O dodecafonismo já foi ultrapassado e a música electrónica e a música concreta já deixaram a sua fase inicial e encontram-se num período de franca evolução.
Desde 1953 que existe música electrónica mas as experiências de Werner Meyer-Eppler datam já de 1949. Logo após a fundação do «Estúdio de Música Electrónica» em Colónia, sob a direcção de Herbert Eimert, vários países apoiaram iniciativas semelhantes, criando-se novos estádios em Itália, Japão, América, Bélgica, Polónia, França, Suécia, Dinamarca, Inglaterra, etc.
A música concreta também já tem uns 14 anos - está portanto na adolescência...

Quando mais ninguém tiver nada a dizer, «as velhas técnicas” (novas técnicas para nós) farão a sua entrada triunfal no nosso pais; mais uma vez se cumprirão os fados e as perspectivas da música portuguesa continuarão como até aqui. Sim porque nisso temos uma tradição...

De “GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes” ANO X, 2ª Série nº 126/127 de Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 12:05 AM | Comentários (0)

setembro 22, 2007

AQUI VIVEU MICHEL' ANGELO LAMBERTINI

casa michel angelo lambertini.jpg
No 2º andar do nº 193 da Rua Augusta

Publicado por vm em 12:06 AM | Comentários (0)

setembro 21, 2007

CULTURAS MUSICAIS DA UNIÃO EUROPEIA - de 21/09 a 29/12 no MUSEU DA MÚSICA

image001.jpg
MUSEU DA MÚSICA

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

setembro 20, 2007

FERNANDO CORRÊA DE OLIVEIRA: "SIM, HÁ UMA TRADIÇÂO MUSICAL PORTUGUESA..."

FERNANDO CORREA DE OLIVEIRA.jpg
I - A pergunta é tão vasta que se torna difícil responder. Há tanta diversidade na música contemporânea! Será essa pluralidade de aspectos sintoma de «crise»? Em meu entender, não. Numa época como a nossa, era de esperar precipitação de factos artísticos, paralela à que se verifica em todos os domínios do saber humano. Não há crise; há aceleração. Poderíamos, em verdade, falar de crise se nos referíssemos à situação do compositor em re¬lação ao editor, ao executante e ao público. Aqui, sim, há crise, pois se desencontram forças: aspirações reformadoras do primeiro, interesses comerciais do segundo, inércia dos dois restantes. Mas tudo isto constitui um amamento de crise» (diria melhor, uma época de crise} para o músico, que não para a música.

II — Sim, há uma tradição musical portuguesa que se deve aos compositores portugueses. Sendo assim, não veio que exista problema e encontro, até, mistério na dúvida que ressalta da segunda parte da pergunta: «...os compositores actuais: devem (ou podem) integrar-se nessa tradição?».
Por que se há-de duvidar que queiram (e possam) integrar-se numa coisa que lhes pertence de facto? Permita-se-me acrescentar que o desejo de manter os compositores portugueses unidos no propósito de fazerem música portuguesa é supérfluo: primeiro, porque os factores raça e educação bastam, na maioria dos casos, para estabelecer um elo, ténue que seja, entre as suas obras; segundo, porque aquelas que constituírem excepção à regra merecerão, igualmente, existir, dado que é primordial serem, as criações dum compositor, afirmação do indivíduo e, só secundariamente, expressão de relações com o grupo étnico a que ele pertence.

III - Precisamente as mesmas que a qualquer dos países onde essas técnicas de composição já são aplicadas. O dodecafonismo já é praticado entre nós, se bem que raramente, e, graças ao disco, não são já tão poucos quantos alguns crêem os ouvintes que sinceramente o apreciam. Prevejo uma progressiva aproximação para esta técnica, por parte dos jovens compositores portugueses. Ê também crível que se formem ramificações saídas do tronco central do dodecafonismo. Releve-se-me a referência à «harmonia simétrica» e ao «contraponto simétrico», que considero como tais. Com respeito a música concreta e à electrónica, è possível que se crie um grupo de compositores especializados e não me admiraria se fitassem mais ligados à Rádio e Televisão, ao Teatro e Cinema do que às salas de concerto.

De “GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes” ANO X, 2ª Série nº 126/127 de Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 08:08 AM | Comentários (0)

setembro 19, 2007

Padre MANUEL DE FARIA: "CRISE AVIADA NO SENTIDO DE UMA RENASCENÇA"

Pde Manuel de Faria.jpg
I - Sem dúvida, embora uma crise aviada no sentido duma Renascença, com muitos pontos de contacto com os séculos IX-X (à procura da Polifonia), XIII-XIV (invenção da Ars Nova) e XVI-XVII (“Cammerata Fiorentina» e «ricercare» da música instrumental), mas com a agravante de hoje tudo decorrer artificialmente a velocidades supersónicas (o que dantes levava 400 anos hoje pretende-se dum dia para o outro). A ideia revolucionária do corte radical com a tradição e a pretensão orgulhosa (como nunca) de criar tudo “ex nihilo” deixa-nos sem a mínima segurança do terreno sobre que construir e entregues à mais completa arbitrariedade crítica.

II — Creio que sim, embora não saiba bem concretizá-la com exactidão. Quando mais não seja, temos a canção popular nitidamente individualizada, com raízes inegavelmente abeberadas na primigénia fonte trovadoresca e reflexos mais ou menos fundos na renovação musical da primeira metade deste século.
Quanto à integração dos actuais compositores nessa tradição, não vejo mesmo outra saída, pois como vamos assimilar culturas estranhas, se não somos capazes de assimilar a nossa? Se no passado nos faltam «grandes» é precisamente por olharem mais para fora do que para dentro.


III — Confesso a minha perplexidade na resposta a este ponto. Sinto-me até envergonhado, mas cumpre-me dizer a verdade: — o dodecafonismo exclusivo e sistemático não me convence. Por mais esforços que tenha feito (e tenho feito de facto), não consigo captar a sua mensagem. É uma música que me interessa, como compositor, pela sua novidade (isso sim), mas que me não toca; E eu sou daquelas pessoas que pedem à arte e muito especialmente à música uma emoção, seja ela qual for.
Entendo no entanto que, pondo de parte o exclusivismo, como contributo para o património geral da arte musical, o dodecafonismo é um enriquecimento e como tal capaz de valorizar uma cultura musical já bem assente nas citadas raízes da tradição.
Isto mesmo por maioria de razão se aplica à música electrónica e à concreta. Em meu entender, estas duas últimas modalidades são uma espécie de nova arte, que não substitui a antiga e a que chamamos música por analogia. Sem dúvida que tais descobertas têm o seu lugar na «obra de arte» moderna, sobretudo pelos efeitos dramáticos que delas se podem tirar. Mas duvido muito de que esteja aí a solução do problema da música portuguesa...

De “GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes” ANO X, 2ª Série nº 126/127 de Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 08:44 AM | Comentários (1)

setembro 18, 2007

TEATRO ACADÉMICO GIL VICENTE - COIMBRA - ANTÓNIO ROSADO - 20/09 às 21,30h

antoniorosado_ccb_e1.jpg
Orquestra Gulbenkian
Joana Carneiro (Direcção de Orquestra)
António Rosado (Piano)

Programa:

Johannes Brahms - Festival Académico, Op. 80; Sergei Rachmaninov - Concerto N.º 3 em Ré menor, Op. 30, para Piano e Orquestra;
Johannes Brahms - Sinfonia N.º 2 em Ré Maior, Op. 73.

Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) - Coimbra
Praça da República - Tel.: 239855636
http://www.uc.pt/tagv


Publicado por vm em 06:04 PM | Comentários (0)

LUIS FILIPE PIRES - "TALVEZ CRISE DOS MÚSICOS NÃO DA MÚSICA"

filipe pires.jpg
I - Talvez crise dos músicos, não da música. A crise afigura-se-me mais aparente ao que real. O estado de confusão em que hoje, e mais do que nunca, a música se encontra é devido, em grande farte, à existência de dois tipos de compositores que, embora de características diversas, se unem na produção dos mesmos danos. Os primeiros, discípulos fascinados de determinada Escola ou tendência, nada mais conseguem do que reproduzir fielmente o que aprenderam, tudo esquecendo do seu «eu» intuitivo em favor da técnica. Deles não se esperam contributos para uma evolução e a obra que nos deixam é morta, uniforme e sem futuro.
A par destes, pululam os individualistas irredutíveis, candidatos a génios que, numa ânsia de sobrevivência histórica, persistem em inovações que a nada conduzem e mais não são ao que especulações contrárias à causa da verdadeira Arte.
Num século em que já eclodiram algumas formas revolucionárias de expressão não se pode, com verdade, falar em crise da música.

II - Na história da arte criadora musical ao nosso país sempre se verificaram grandes desníveis qualitativos. A um período áureo seguiu-se outro da mais completa obscuridade, o que tem quebrado a continuidade de uma tradição realmente existente. Nos nossos dias ela apresenta, com mero carácter acidental, uns fios ténues e escassos. Compete aos nossos jovens compositores estudar e sintetizar os pontos característicos de contacto desses diferentes períodos, reatando uma tradição que, doutra forma, se perderá.


III – As referidas técnicas de composição não são, de modo algum, incompatíveis com a feição que poderá tomar a nossa música. Nem só o folclore – que, infelizmente, e mercê de avanços da técnica, já disse a última palavra – se revela capaz de promover a diferenciação da música de diferentes latitudes. A chave do problema encontra-se, a meu ver, na aplicação dessas técnicas como meio de exprimir climas, características locais e pessoais, aliados a elementos históricos, filosóficos e artísticos herdados de séculos anteriores.

De “GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes” ANO X, 2ª Série nº 126/127 de Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

setembro 14, 2007

LUISA TODI (1753-1833) UMA DAS MAIORES CANTORAS DO SEU TEMPO

ig enc.jpg
Foi em 1 de Outubro de 1833, estando presentes as suas três filhas e um padre do vizinho convento de S. Pedro de Alcântara, que a grande artista Luísa Todi fechou os olhos para sempre. Foi sepultada na Igreja da Encarnação.

A zona da igreja onde Luísa Todi foi sepultada deixou, mais tarde, de fazer parte do templo e veio a ser ocupada por uma chapelaria que teve o nº 78 da Rua do Alecrim. Diversos autores têm escrito que a cantora foi sepultada sem qualquer indicação do local. Há, porém, razões para supor que tal não corresponda à verdade. De facto, o jornal República publicou um artigo em que se menciona uma afirmação do então dono da referida chapelaria. Esse senhor, de nome Artur Santos, declarou peremptoriamente ter visto, durante umas obras de levantamento do soalho da loja, a pedra tumular de Luísa Todi. A inscrição estava um pouco sumida, mas não tanto que não permitisse ver nitidamente o nome da cantora. Foi ainda o referido comerciante quem conseguiu evitar que um dos operários destruisse a pedra com uma picareta. Na época ainda se esboçou a ideia de recuperar a pedra tumular e de dar à grande artista uma sepultura condigna. Mas, como já seria de esperar, nada se fez nesse sentido. Por nossa parte, entendemos que os fins em vista continuam a justificar amplamente as necessárias pesquisas, por pouco provável que alguém possa considerar o bom êxito do empreendimento e sejam quais forem as objecções que se possam levantar. Em qualquer país que prezasse devidamente os seus maiores vultos já há muito se teria realizado tal tarefa. Na nossa terra, porém, até agora não se conseguiu muito mais do que um sorriso irónico e um encolher de ombros. Isso não nos impede de renovar aqui a pergunta já feita na República há mais de sessenta e quatro anos: estará a Câmara Municipal de Lisboa interessada na recuperação da pedra tumular de Luísa Todi e em dar à nossa grande artista a sepultura que ela merece?

Do livro “LUÍSA TODI” de Mário Moreau

Publicado por vm em 06:16 PM | Comentários (3)

setembro 13, 2007

ARMANDO SANTIAGO - "NUTRO UMA CERTA FOBIA PELO ENDEUSAMENTO DE QUALQUER SISTEMA TEÓRICO"

armando santiago.jpg
I — Em que sentido se deve entender a possibilidade de existência de crise?
A — Em relação aos meios de que os compositores podem actualmente dispôr para criar as suas obras?
B — Em relação ao valor absoluto dessas próprias obras?
C — Em relação a projecção que as técnicas actuais de composição poderão ter no futuro?


A -Quando, num séc. XVIII, por exemplo, um compositor criava uma obra, não se lhe punha, com tanta agudeza como hoje, o problema de ter de seguir esta ou aquela forma diferenciada de organizar os sons, de escolher este ou aquele sistema técnico. As ideias musicais do compositor geravam-se já moldadas a uma única técnica, como técnica do seu século. Os caminhos estavam catalogados. Quer dizer, escrever música era arrumar as próprias ideias (ou as de outros) na senda da cadência perfeita, da plagal, da picarda...; no sentido indicado pelos acordes alistados pura a modulação; pelos intervalos que se contraem ou pelos que se distendem; pela bitola segura de formas já estruturadas ou de evolução lenta; etc.

Que diferença se observa nos nossos dias, em presença desse séc. XVIII, que agora me ocorreu como termo de comparação? Primeiro que tudo, para se criar hoje uma obra musical é necessário que o compositor tome uma orientação técnica definida, escolhida de entre várias ao seu dispor. Ou se sujeita aos rigores do atonalismo serial dodecafónico; ou apenas emprega a série e usa, heteradoxamente, a porção daquelas disciplinas que melhor se casa com as suas idiossincrasias; ou escreve simplesmente em linguagem atonal, sem sistematização, desapegado da série; ou, por uma convicção quase religiosa, ainda usa o balanço ordenado do mundo funcional; ou, ainda, se lança em ambiências mais abstractas, alcançadas pela via experimental da electro-acústica, singrando pela música concreta, pela música electrónica; etc., etc.
Paralelamente, e perante a diversidade dos processos, além de que a estruturação dos caminhos a seguir pertence, em grande parte, à arbitrariedade do próprio compositor, ele sente o desejo de alcançar o nunca ouvido, numa luta aflitiva, asfixiante, em busca da novidade de meios de expressão.

Pergunta-se: — gera este estado de coisas um ambiente de crise, de graves dificuldades, de momentos críticos quando se pega nos sons e se pretende construir uma obra de arte? Não tenho dúvidas a esse respeito.
Não haveria, porém, igualmente, graves problemas a resolver quando, naquele séc. XVIII, se tinha de utilizar uma universalidade de processos para se criar uma obra nova, diferente, plena de vitalidade?

No que toca às questões específicas da luta do compositor com os sons, para dar origem a uma obra válida, estou convencido, que em todas as épocas se determinarão momentos de crise, ainda que originados por causas diferenciáveis.


B — Há crise de obras-primas? Se hoje se pode afirmar que «O Combate de Tancredo e Clorinda»; a «Paixão Segundo S. Mateus»; a «Nona Sinfonia»; o «Pelléas et Mélisande»; a «Sagração da Primavera», são obras-primas, não me parece que tenha já passado o tempo suficiente para se dizer se o «Pli selon pli», de Boulez; os «Quaderni I», de Berio; o «Gesang der Jungelinge», de Stockhausen; a “Sonate pour guitare, harpe, contrrebasse et instruments de peau», de Kagel; as «Anamorphoses I, Anamorphoses II», de Schaeffer; ou uma obra que eu vou fazer amanhã, o são também.
Por outras palavras: as técnicas actuais de composição correspondem a obras tais que se possa
concluir que se atravessa um momento de crise ou de êxito?
Não sei responder. Proponho que se deixe passar mais umas dezenas de anos.

C — A que caminho irá dar a instabilidade que caracteriza a época presente, é questão insolúvel, de momento. Poder-se-ia ter previsto, no séc. XV, que a Paixão de Obrecht abriria caminho à de Bach, ou, no séc. XVII, que os colóquios da “camerata fiorentina» seriam o primeiro passo para a evolução de uma forma musical que iria produzir monumentos como a «Tetralogia»?
Será índice de crise musical não se poder prever qual a projecção que irão ter no futuro os actuais meios de expressão? Talvez, neste caso, instabilidade não seja sinónimo de crise.


II - Trata-se, portanto, de nos certificarmos se há, ou não, alguma distinção entre Música feita por portugueses, e uma hipótese de Música Portuguesa.
Por outras palavras: se o simples facto de se escrever Música em Portugal, por músicos portugueses que tenham estudado em Portugal, ou que o tenham feito no estrangeiro, ou, ainda, que até nunca tivessem estudado (talvez seja possível), confere a essa Música características tais que se deva classificar como Música Portuguesa.

Para que não se estabeleça aquela distinção, será necessário verificar-se, em Portugal, a existência de uma Escola de Composição una, centralizadora e suficientemente capaz de estilizar, de fixar e de exteriorizar, por meio da arte dos sons, o que de verdadeiramente lusitano existe nesta porção da Europa.
Por outro lado, que se verifique uma linha de continuidade nos processos e na estética da Música que se vem fazendo em Portugal desde os séculos anteriores até aos nossos dias.
Pelo que diz respeito à música do passado não se conhece o suficiente da produção para se chegar a uma conclusão definida. Umas insinuações de lirismo?... São insuficientes e vagas para estruturar afirmações.
No presente século, se, por um lado, o que se tem feito de trabalho de folclorismo não teve ainda consequências estilizadoras, de criação de escola, embora com indiscutível interesse, por outro, não se pode afirmar que os compositores tenham manifestado um desejo comum de construir partindo de bases solidamente nacionais, quer na técnica quer na estética. Não é apenas por tratar qualquer argumento baseado na História ou na Literatura pátrias, ou transcrever um perfil melódico cantado por camponeses, que se cria uma Ópera ou uma Sinfonia nacionais. A meu ver, o problema deve implicar um conhecimento muito profundo de nós próprios, das nossas linhas dominantes, como povo. Tenho quase a certeza, porém, que esse conhecimento se torna muito mais alcançável por um trabalho de equipa, de esforço comum inteligente, do que pela dispersão e pelo guerreamento vigentes.

Acima de tudo, porém, há uma linha de continuidade indiscutível que sempre se tem verificado: a importação de processos.
Será esta a tradição musical portuguesa? Tem-se escrito à Scarlatti, à Haydn, à Beethoven, à Debussy, à Strawinsky, à Bela Bartok, a Hindemith; mas é mais difícil poder dizer-se que se tivesse escrito à Seixas, à Bomtempo, à Casimira, ou, recentemente, que se possa seguir este ou aquele compositor vivo, para que se deixe de filiar em importações. Não se conclua que pretendo afirmar que não há elementos definidos que pudessem impor-se na produção musical, de molde a dar à música composta por portugueses um estigma de Música Portuguesa.

Se a tradição musical portuguesa for um facto que não ponha dúvidas, neste caso, os compositores actuais, ou não, se são portugueses, integrar-se-ão nela, naturalmente, não porque devam ou porque possam, mas, simplesmente, porque o são.


III — A música portuguesa, tal como se vai desenhando no presente, sem problemas de portuguesismo, não constitui nenhum caso especial que tenha de ser tratado em separata. Deve identificar-se com a produção musical mundial, e as perspectivas que as técnicas mais recentes de composição — como a das músicas experimentais e a já não muito nova técnica dodecafónica — abrem à música feita em Portugal serão as mesmas que abrem à Música feita em qualquer outra parte do Mundo.
As técnicas de composição, sejam quais forem, não devem, a meu ver, desempenhar senão um único papel: providenciar a segurança e a riqueza na escrita.
Como músico criador, a técnica, que particularmente me interessa no momento de escrever uma obra, só tem valor como meio — o que verdadeiramente me importa é alcançar uma resultante válida, a obra, como conteúdo estético, isto è, tudo o que eu puder comunicar de mim próprio aos outros que ouvirem essa obra. A Música deverá ter sempre uma finalidade. A técnica não será mais que um meio para a alcançar. Ora, uma vez atingido esse fim, que importa, na realidade, que a técnica tenha sido o modalismo, o tonalismo, o atonalismo sistematizado ou não sistematizado? Não resultaram válidos quaisquer deles?

Evidentemente que estou muitíssimo longe de desprezar uma técnica segura que garanta uma unidade de escrita e uma disciplina do pensamento construtivo. Apenas nutro uma certa fobia pelo endeusamento de qualquer sistema teórico, seja qual for, para se fazer técnica apenas pela técnica.
No que toca ao dodecafonismo, a sua excelência reside apenas em ser um processo seguro de sistematização, de organização interna da escrita não tonal.

Finalmente, as novas técnicas de manejo dos sons: as músicas experimentais.
Transcreverei um fragmento do Relatório, recentemente entregue na Secção de Música da Fundação Calouste Gulbenkian, referente ao Estágio que realizei no Groupe de La Recherche Musicale de Ia Radiodiffusion-Télêvision Française, no principio de 1961, onde trato das Aplicações da Música Concreta:
«De uma maneira geral, podem encarar-se três aspectos distintos na aplicação da Música Concreta. De um lado, aquele que resulta de se lhe atribuir um valor absoluto tendente a faze-la viver por si própria, isto é, a pô-la num nível de interesse estético suficiente para preencher as duas horas e meia de um concerto; para cobrir as duas faces de um disco comercial; para perfazer uma meia hora de um programa, na radiodifusão; etc. De outro lado, o aspecto procedente de se considerar apenas como um novo elemento subsidiário a juntar aos processos de expressão musical ditos tradicionais, na medida em que um defeito concretos for, por assim dizer, tomado como mais uma cor a manipular na alquimia da instrumen¬tação de uma obra musical, em busca de ambiências especiais; ou, ainda, for utilizado como excelente auxiliar expressivo de outras manifestações artísticas, nomeadamente, o bailado, o teatro, o cinema, ou, ainda, na radiodifusão e televisão. Finalmente, o terceiro aspecto, ainda que de preocupações menos artísticas, embora igualmente válido, em que os resultados obtidos pela manipulação dos efeitos concretos podem ser utilizados como material experimental em psicologia, investigações acústicas, etc.

«No que diz respeito ao primeiro aspecto, a experiência mostra, desde os primeiros ensaios (Ecole Normale de Musique, Paris, 1950), que, sob a forma de concerto, através dos amplificadores colocados cm pontos definidos de uma sala, a Música Concreta determina uma técnica e uma estética de audição cujos resultados talvez não sejam plenamente satisfatórios. Na audição radiofónica, pelo contrário, suprimem-se esses inconvenientes e a Música Concreta tem já dado lugar, quer na radiodifusão francesa, quer em emissores estrangeiros, a experiências bastante concludentes. A impressão de discos poderá, evidentemente, ser encarada como um meio de completar uma experiência de difusão no grande público.

«Qualquer destas formas, em que a Música Concreta é avaliada e apresentada como fenómeno artístico isolável, bastando-se a si própria, se me afigura, porém, arriscar-se a uma demasiada aridez, em que se não torna muito fácil alcançar um conteúdo estético suficientemente rico de intensidade.
«Não obstante, o aspecto da aplicação da Música Concreta como nova colaboradora dos processos tradicionais oferece, indiscutivelmente, um interesse muito mais real, que me parece, de longe, o que melhor resulta artisticamente e o que mais sólidas perspectivas apresenta. No campo das suas relações com o cinema abstracto, por exemplo, a correspondência perfeita entre estas duas formas é um dos casos interessantes da aplicação subsidiária da Música Concreta”.

Haverá ainda a acrescentar que obras como “Quaderni I (Berio), “Sonate pour…”(Kagel), “Pli selon pli” (Boulez), por exemplo, embora sejam exclusivamente obtidas pelo emprego de instrumentos tradicionais, são obras que vivem paredes meias com os efeitos concretos ou electrónicos, e, neste caso, a influência destes sobre aquelas não está longe de alcançar ambiências de muito interesse.

de " GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes", ANO X, 2ª série, nº 126/127 Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 02:55 PM | Comentários (0)

setembro 12, 2007

"HAMELIN" de JUAN MAYORGA pelos ARTISTAS UNIDOS NO CONVENTO DAS MÓNICAS

hamelin_1.jpg
Tradução de António Gonçalves Com Américo Silva, Ana Lázaro, Andreia Bento, António Filipe, António Simão, Elsa Galvão/Ana Teresa Santos, João Meireles, Paulo Pinto, Pedro Carraca, Sérgio Conceição e Sylvie Rocha Cenário e figurinos de Rita Lopes Alves Luz de Pedro Domingos Direcção de produção de António Simão e João Miguel Rodrigues
Assistência Ana Lázaro

O texto está editado nos Livrinhos de Teatro nº 20

De novo no Convento das Mónicas a partir de 7 de Setembro

Um texto simples, complexo, em que a culpa oscila.

A tradução teve o apoio do ATELIER EUROPÉEN DE LA TRADUCTION/SCÈNE NATIONAL D’ORLÉANS com o apoio da UNIÃO EUROPEIA Comissão de Educação e Cultura – programa Cultura 2000.

Às vezes ouvimos um som aos nossos pés, ou entre as sombras, e temos medo que os ratos já aqui estejam, entre nós. Agora que éramos tão felizes.
Às vezes ouvimos nas nossas costas o som daquela flauta e dá-nos medo de nos voltarmos e reconhecermos os olhos do flautista. E corremos para os quartos dos nossos filhos para ver se ainda ali estão.
Às vezes tememos que o “Era uma vez” nos alcance como uma língua negra. E que, como uma profecia, cumpra o conto em nós.
Nas versões mais antigas do conto, as crianças nunca voltam a Hamelin. O flautista leva-os para sempre com a formosa música da sua flauta. Arrebatando os filhos inocentes, o flautista outorga à culpa dos pais o mais cruel dos castigos.
Também este Hamelin é um conto sobre a culpa dos adultos e o seu castigo. Sobre as crianças de uma cidade que não sabe protegê-los. Sobre um menino e os seus inimigos. Sobre o ruído que o rodeia e o medo que nos olha.
Juan Mayorga

Hamelin fala do mesmo que o conto: de ratos, de homens rato.
A cidade encheu-se de ratos; a perversão está na base da pirâmide: as crianças, a pedofilia.
Hamelin fala-nos da perversão, da perversão da educação, da perversão sexual, da perversão das palavras.
Unidade familiar significa família para uma criança que não sabe o que isso é? E se a tolerância é zero, quererá isso, para um juiz moderno e democrata, dizer repressão?
Hamelin também é, claro, um jogo teatral perverso onde uma personagem-comentador, em contínuo contacto com o público, nos muda o ponto de vista ou nos esclarece acerca de um conceito ou nos comove a adpotar uma postura crítica ou simplesmente senta-se ao nosso lado e olha-nos para ver como olhamos. E é disso que se trata, de olhar. De olharmos.
Andrés Lima

Publicado por vm em 10:38 AM | Comentários (0)

setembro 11, 2007

ÁLVARO LEON CASSUTO- " AS NOVAS TÉCNICAS PODERÃO ABRIR À MÚSICA PORTUGUESA AS MESMAS PERSPECTIVAS QUE À MÚSICA FRANCESA, ITALIANA OU ALEMÃ"

alvaro cassuto.jpg
I — Sim; somente que essa crise não resulta duma carência de valores, mas sim num conjunto de tentativas de renovação ou de criação de certa linguagem musical e de uma técnica de composição adequada.

II — Sem dúvida, se considerarmos tradição um jacto como, por exemplo, o de a música portuguesa estar bastante apegada à tonalidade. Neste caso, não se põe o problema de um compositor se «poder» integrar nela; sempre o pode. Se o deve? Parece-me que será melhor deixá-lo ao critério de cada qual.

III — Exactamente aquelas que abriram e ainda poderão abrir à música francesa, italiana ou alemã.

de "GAZETA MUSICAL e De Todas as Artes" ANO X, 2ª Série - Nº 126/127 de Setembro/Outubro

Publicado por vm em 05:14 PM | Comentários (0)

setembro 07, 2007

FRANCINE BENOIT - "A PRODUÇÃO MUSICAL PORTUGUESA TEM PROCEDIDO NÃO CONTÍNUA MAS ESPORADICAMENTE...

francine benoit.jpg
I — Sim, mas crise normal, por assim dizer, integrada na crise geral ligada às transformações e aos embates dos sistemas que nos regem, no extremo alargamento das comunicações, no desenvolvimento das ciências positivas, operando por enquanto em jogos desencontrados (ou assim me parecem). A música também é beneficiada pelas aquisições científicas, sem poder contudo livrar-se de um idêntico desequilíbrio e aplicado o progresso a fins tão diversos como a largueza (quantas vezes desbaratada) de audiência do disco e da rádio, a recolha e fixação fiel de documentos ao vivo, e, em estado ainda experimental e muito circunscrito, a música concreta e mais ainda a música electrónica. Destacando o que tem cabimento cm Portugal, verifica-se desde já que música concreta e música electrónica estão excluídas como prática in loco. O mesmo não acontece com os elementos renovadores extraídos das recolhas de documentos musicais verdadeiramente populares e seu estudo, mas muito parcimoniosamente porque os trabalhos de pesquisa, de recolha e de análise se acham por enquanto dispersos e insuficientemente apoiados.

II — Tradição musical portuguesa, no pleno sentido das palavras, julgo que não é impossível criá-la. A tradição não se desassocia de um processo consciente e de continuidade, e a produção musical portuguesa, como a podemos apreciar, tem procedido não contínua mas sim esporadicamente. É uma consolação mais que platónica convencermo-nos que não podiam dar-se essas erupções de música polifónica, de música cravística, de música operática e de música sinfónica, (mestres da escola de Évora e similares, Carlos Seixas, João de Sousa Carvalho, João Domingos Bomtempo), se não tivesse havido sempre um fundo latente de virtualidades musicais nos portugueses, como na generalidade dos países, afinal, mas com um potencial de força criadora de primeira plana. Das edições precedidas das necessárias reconstituições empreendidas pelos Serviços Musicais da Fundação Gulbenkian, se forem criteriosamente orientadas e acrescidas de um estímulo não tímido aos compositores actuais, podia esperar-se algo de fundamentalmente útil. E tem também foros de tradição, embora não no aspecto com que nos é apresentada na pergunta deste inquérito, a permanência, forte ou fraca, da música ao povo. Tanto assim que no que ela tem de verdadeiramente significativo se fortaleceu a música do compositor português contemporâneo mais representativo — direi até o mais inesperadamente representativo — Fernando Lopes Graça, e que as pesquisas sobre a música popular ainda estão na ordem ao dia. Mas será isto suficiente para responder que os compositores (portugueses) actuais devem integrar-se na música de linguagem estruturada sobre dados do folclore? Podem jazê-lo, evidentemente; que o devam fatalmente jazer não é minha opinião.


III — Do pouco que eu posso perceber sobre música concreta e música electrónica, não vejo que elas possam abrir perspectivas a qualquer música em si característica de qualquer pais; vejo-as antes como aplicação de meios — e aplicação ainda muito preliminar — com diferenciações de escola naturalmente inevitáveis, mas que vêm representar correntes de formação intelectual muito mais do que temperamental. E de qualquer modo, o compositor português tentado pela música concreta ou pela música electrónica antes de mais nada tem de emigrar por lodo o tempo que lhe durar o apetite. O dodecafonismo, sim, que de mais a mais já transpôs a fase da doutrina hermética, está licitamente (no meu entender] franqueado aos compositores portugueses — já se provou, de resto. Na medida das forças do compositor, da sua sinceridade, do justo emprego dos meios com os princípios e com os fins, se avolumará o património da música portuguesa.
da "GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes" - Ano X, 2ª Série, nº 126/127 de Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

setembro 06, 2007

SHOUT ! PELA DEMOCRACIA E LIBERDADE DE IMPRENSA NO ZIMBABUÉ » 4ª-feira dia 12 no espaço LER DEVAGAR/ETERNO RETORNO, Em Braço de Prata

Esta iniciativa decorre simultaneamente em variadas cidades do Mundo e consiste na leitura colectiva de poemas de autores zimbabueanos em espaços públicos, nas rádios locais ou nacionais, e é promovida pela Fundação Peter Weiss for Art and Politics no âmbito do Festival Internacional de Literatura de Berlim (de 4 a 16 de Setembro nesta cidade).

Lisboa junta-se ao apelo lançado pela Peter Weiss e propõe a leitura de poemas de autores zimbabueanos e ainda de outros autores (Mia Couto e João Cabral de Melo Neto são alguns) que enformem o alerta que se pretende deixar ao Mundo: a realidade no Zimbabué é desesperante, os media são controlados e a informação manipulada, o povo tem fome e as perseguições políticas assumem cenários dantescos.

Nomes como Luanda Cozetti (cantora), Chullage (rapper), Nástio Mosquito (performer), Tiago Gomes (editor), Belen (actriz argentina), Meirinho (actor) e Danae (cantora) confirmaram a sua participação no evento. Começa às 21h30.

Paralelamente, haverá uma campanha verde nos jardins da cidade: usamos os ramos das árvores como braços de distribuição nos quais prendemos poemas do Zimbabué com uma breve explicação do evento e seu enquadramento.

Já mais de 50 países confirmaram a sua participação assim como vários escritores de renome: John Ashbery, Jon Fosse, Margaret Atwood, Alessandro Baricco, John M. Coetzee, Don Delillo, Nadine Gordimer, Gunter Grass e John Updike são alguns deles.

Apelamos aos media em geral, aos bloguistas, às rádios e aos autores de programas de cultura e literatura para uma participação activa: divulguem o evento, leiam um dos poemas no vosso programa ou venham ao evento e transmitam as leituras em directo.

O silêncio sobre o Zimbabué não pode continuar.

Divulguem e apareçam.

www.peter-weiss-stiftung.de

( A livraria Ler Devagar/Eterno Retorno em Braço de Prata (antiga fábrica de armamento) fica junto à rotunda 25 Abril, a caminho do Parque das Nações. Na direcção Santa Apolónia-Expo encontra esta rotunda após os cilos da fábrica, faça meia rotunda para trás e entre na rua estreita à direita. Percorra o muro e entre no portão à direita. Estacionamento privativo e gratuito. )

Publicado por vm em 03:01 PM | Comentários (0)

FREDERICO DE FREITAS: "MAS O QUE É QUE NO MUNDO NÃO ANDA EM CRISE?..."

Frederico de Freitas.jpg
— Mas o que é que no mundo não anda em crise?...
Não estarão em crise as relações entre os Estados e até entre os homens?...
Não estarão igualmente em crise as relações entre o homem e a natureza?
Onde encontrar, pois, já não digo a euforia, mas, ao menos, a tranquilidade e a estabilidade; conducentes a uma produção intelectual reflectida?...

Sendo, ou devendo ser, a obra de arte, um produto representativo do momento que vivemos: — onde está na arte actual, música ou artes plásticas, aquilo que se tem, ou deve ter, por expressão estética que se defina por si, em beleza e simplicidade, tendente a transpor o homem para regiões superiores?...

O que se encontra na mensagem dos artistas criadores contemporâneos que não seja de certo modo a expressão de uma arte convulsiva e feia?...
É evidente que me refiro a generalidades: — as excepções só podem confirmar a asserção.

A fuga ao que ontem era novo e hoje se considera velho traduz não só a ânsia de encontrar caminho original, como também a instabilidade gerada no espírito do artista por pressões do ambiente exterior.
Creio que ninguém aprenderá hoje o ofício de compositor de música, pela inecessidade da aplicação dos processos escolares à arte de amanhã. Pois se os processos actuais da expressão compositorial, como a música concreta ou a música electrónica, já nada têm que ver com a didáctica escolar, menos o terão ainda para a futura composição, porventura produto de cérebros mecânicos, talvez espécie de robots musicais, dos quais, já nos vão chegando notícia...

Teremos, então, uma orquestra de robots executantes musicais, tocando electronicamente, música presumivelmente atómica...
Assim se terá talvez atingido a expressão artística do material, pois parece ser esta a meta que actualmente muitos procuram...

Mas, muito embora o desequilíbrio produzido pela velocidade adquirida, na busca de encontrar meios novos, para dizer o que em verdade aceitamos terem para dizer os artistas desta época convulsa e ameaçadora, o certo ê dever acompanhar-se, com o mais sério interesse, as experiências e os caminhos novos que os vanguardistas trilham.


II — Digo sem hesitar que existe uma tradição musical portuguesa. Porém, essa tradição histórica, por incúria de educação, aliás já vinda de longe, criou nos espíritos uma ideia errada. Estamos diante de uma situação paradoxal: a generalidade dirá não existir tal tradição (inclusive educadores), quando na realidade ela existe de facto, facilmente demonstrável pelas coordenadas históricas.

Nós não somos um povo sem tradição musical, antes a possuímos, própria, e com características definidas, tal como acontece com a Espanha.
O que fez, e faz, crer-se o contrário, é, para além do que se disse, o desamor e a indiferença que conduzem à presunção de que o que temos nada vale.

Ninguém ousará negar a existência de uma pintura, de uma escultura, ou de uma arquitectura portuguesas, que constituem património artístico e histórico de uma grandeza e força indiscutível. Pois a verdade é existir uma música paralela e digna das conhecidas obras de artes plásticas, que só não é apreciável, como aquelas, por residir, como morta, nos arquivos e bibliotecas.
Só de raros conhecida, e mesmo assim, longe de se ter atingido a extensão do seu conhecimento.

Mas vejamos ainda: Poderá dizer-se não existir tradição musical, num país que, durante o período medieval, teve uma floração poético-musical tão rica?
Que essa mesma lírica, não obstante as influências provençais, tenha criado formas próprias?
Que esse mesmo influxo provençal, ao ser assimilado, tivesse sofrido caldeamento pela existência de uma música e poesia autóctone?
Que este mesmo povo e a corte, durante os primeiros séculos da sua existência, embora empenhados em consolidar o novo reino, não deixaram nunca de cantar e bailar?
Não foi neste período que nasceram as Cantigas de Amigo (expressão lírica e amorosa de criação nacional), as Canções de Escárneo e Mal-dizer, as Canções de Gesta e os Romances que têm embalado gerações sucessivas?
Se a corte não passava sem os serões onde os trovadores e até os reis entoavam seus cantares, menos o povo dispensava a presença dos estimados jograis, que lhe alimentava o espírito e a folgança.
Depois, com a evolução da lírica medieval, assiste-se à criação do teatro português, com Gil Vicente.

Paralelamente à aceitação do teatro português (teatro que foi conjunto de prosa, verso e música) tivemos a florescência dos guitarristas ou vihuelistas, criando a Fantasia e a Diferença, o Vilancico e o Romance, as danças de corte, a poesia palaciana, o Madrigal, o Moteto, e, de feição popular, a Chacota, a folia e outros bailes de vilão.
Não menos rica, contudo, foi a floração da polifonia religiosa, espécie de réplica musical ao maravilhoso estilo gótico flamejante.
Parece ter começado, por esta época, um como que assurdinar da alegria popular, da qual Mestre Gil dá sinal. No obstante, os moços filhos de algo e a gente miúda, quando partem para Alcácer Quibir fazem-se acompanhar de guitarras e adufes.

No plano superior da cultura musical: a Universidade de Coimbra inclui, pelos seus primórdios, com os estudos das humanidades, a música. Outros centros a cultivam e ensinam, mormente nas dioceses episcopais, atingindo mesmo grande esplendor o culto da música, nas catedrais de Braga, Viseu, Lamego, Santa Cruz de Coimbra e outras.
Com a Restauração da nacionalidade temos um rei músico — D. João IV — e neste período, a polifonia religiosa eleva-se a proporções altas, com dois notáveis centros que criaram escola:
— Évora e Vila Viçosa.

Pelo século XVIII, com a expansão da ópera italiana, constroem-se teatros e enviam-se a Itália, a expensas régias, alguns compositores portugueses, os quais nos viriam a deixar fausto espólio, hoje quase ignorado e praticamente alimentando a traça dos arquivos.
Depois, o século XIX foi em verdade pobre no aspecto da criação musical, mas não obstante Garrett funda o Conservatório cuja direcção entrega a um notável músico português — Domingos Bomtempo. O Conservatório vem substituir com largas vantagens o ensino da música que então se ministrava no Seminário Patriarcal.

Edificam-se os teatros de ópera, S. Carlos e S. João, respectivamente em Lisboa e no Porto, e não esqueçamos a larga aceitação dos mesmos espectáculos pelo público, que só por si o alimenta.
É ainda da tradição a exigência dessas mesmas plateias que consagrava artistas.
Pelo que fica dito — embora em resumida resenha histórica — não poderá em verdade negar--se a existência de uma tradição musical portuguesa, pelo menos, no sentido em que a música foi cultivada e preferida pelas diferentes classes sociais.

Mas se o facto de se utilizar a música como desejável função social não basta só por si para definir a existência de uma tradição musical, estudem-se então as constantes musicais, desde a fundação da nacionalidade até nossos dias e conhecer-se-á a permanência de um fulcro expressivo, ou linha climatérica, que, digamos, por instinto — nanja por consciência evolutiva — adrega de chegar aos compositores de nossos dias, o que acontece, seguramente, por mera inspiração atávica.

Ê certo, porém, terem alguns dedicado estudo ao folclore, como meio inversivo e retrospectivo de alcançarem um conhecimento, que, por escassez de fontes, de outra forma não seria possível obter.
Se a tradição é a via pela qual os factos são transmitidos de geração em geração, sem. outra prova de continuidade que não seja a própria veracidade da transmissão, o canto popular — música, poesia e dança — está neste caso, por constituir ele, propriamente, vivência de cantares longínquos.
Creio ter deixado defendida a minha opinião quanto à existência de uma tradição musical portuguesa, muito embora os traços largos com que procurei documentá-la.

Quanto à segunda parte da pergunta — “Em caso afirmativo, acha que os compositores actuais devem (ou podem) integrar-se nessa tradição?”: Entendo que devem e podem, se o quiserem. Se em Portugal se tivesse agido como em Espanha; se a seu tempo se tivesse criado um estabelecimento com ã expansão equivalente ao Consejo Superior de Investigaciones Cientificas, o qual tem dado à estampa todos os tesouros da música espanhola antiga devidamente comentados e transcritos em notação moderna; se a seu tempo se tivessem preservado, recolhido e publicado, tanto os velhos documentos musicais, como grafado as antigas melodias cantadas pelo povo, outra seria hoje a nossa posição no cômputo da cultura musical dos povos.

Ao mesmo tempo ter-se-ia guardado uma consciência que só o estudo sério pode informar. Ê essa mesma tomada de consciência que leva alguns compositores espanhóis a convencerem-se de que a ortodoxia dodecafonista, tal como se emanou de Viena, não é vestimenta que lhes sirva. Outrossim, e depois do estudo aprofundado dos livros de texto musical antigo, mormente os de música profana, vêem agora, esses mesmos compositores, que o folclore usado pelos seus imediatos antecessores não corresponde a uma raiz pura de essência nacional, mas, antes, a uma limitação regional.


III - As famigeradas técnicas de composição, muito especialmente as designadas por música concreta e música electrónica, como de certo modo o dodecafonismo, ou outras destas derivadas, tendem, a priori, para uma expressão universalista e unitária que parece ser inconciliável, justamente, com os elementos e valores étnicos que vincam a tradição.
Até ao presente será possível distinguir, pela audição, a música deste ou daquele país; com as novas técnicas, tão caracterizadas por carência de autoctoneidade, não parece vir assim a acontecer. a avaliar pelo estado actual da composição musical.

Terá a arte — e os países que a produzem — alguma vantagem em universalizar-se, ou melhor, em estandardizar-se, de maneira tal a que a música, a pintura, a escultura e até a própria arquitectura sejam iguais por toda a parte, por desprovidas de elementos característicos nacionais?!... Quem viaja e pode ver exposições de artes plásticas vanguardistas, tal como vê as construções maciças para alargamento de cidades, observa, não certamente sem se admirar, o comum do estilo dessa mesma arte, que, em pouco ou nada, difere de pais para país.

Assim parece caminharmos para uma expressão de arte generalizada, que, embora intelectualizada, se assemelha ou aproxima, por comum, a uma espécie de primativismo aborígene.
Ê de certo modo o que nos sugere a música concreta, com o seu homofunismo assente sobre o primado do ritmo.

E ocorre perguntar: sendo a arte portadora de valores morais e intelectuais eternos, poderá ela abjurar de seus princípios? Se é certo, como dizem, caminhar o mundo para uma evolução social na qual porventura virá a estruturar-se uma organização económica diferente da actual, será porventura — ainda que em fase experimental — a arte actual expressão antecipada dessa sociedade vindoura?!...

Seja como for, de maneira alguma se devem enjeitar as experiências que, certamente, hão-de trazer novas perspectivas à composição musical, não me parecendo por isso haver motivo para que a música portuguesa se alheie dos caminhos que as mesmas experiências lhe deparam.
Julgo ainda que todas as técnicas serão úteis, na medida em que servirem o pensamento original do autor, e este se conserve vinculado à tradição espiritual do seu país.

"GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes" Ano X, 2ª Série - Nº 126/127 Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

setembro 05, 2007

INQUÉRITO SOBRE A MÚSICA - RESPONDEM 10 COMPOSITORES ( a partir de AMANHÃ)

crise ou não?

tradição nacional ou não?

novas técnicas aceitáveis ou não?

A seguir aos romancistas pronunciam-se agora os compositores portugueses sobre alguns daqueles problemas que se nos afiguram de viva actualidade e de importância capital em matéria de criação artística. Sabida a relutância que, de um modo geral, os nossos músicos manifestam cm escrever sobre assuntos da sua arte, e o relativo desinteresse com que se têm alheado de teorizações, ou até da divulgação desses mesmos assuntos, a Gazeta considera como excelente sintoma o acolhimento prestado pelos compositores nacionais a este novo capítulo dos seus Inquéritos.

Como bom sintoma será ainda a concordância quase unânime sobre os problemas fundamentais contidos nas três perguntas do questionário. À excepção de uma, todas as respostas são concordes em que haverá uma crise, sim, mas crise de gestação, crise fecunda, de reajustamento a novas técnicas que vêm abrir novos caminhos à música. E do mesmo modo é unânime a aceitação da realidade irrefutável que hoje em dia representam essas novas técnicas, independentemente dos tons variados em que se dê tal aceitação, seja o da adesão calorosa, ao da prudente expectativa, ou ao da resignação. Finalmente, poucas respostas afirmam haver uma tradição musical portuguesa, e a esmagadora maioria que a dá como inexistente, ou apenas «possível de vir a criar-se», vem pôr o dedo numa das chagas vivas da nossa cultura, precisamente a da falta de escolas e de linhas de continuidade na música portuguesa através dos séculos. Eis as perguntas, e têm a palavra os músicos:

1) Em seu entender a música atravessa um momento de crise?

2) Haverá uma tradição musical portuguesa? Em caso afirmativo, acha que os compositores actuais devem (ou podem) integrar-se nessa tradição?

3) Que perspectivas poderão abrir à música portuguesa as novas técnicas de composição — dodecafonismo, música concreta, música electrónica?

da "GAZETA MUSICAL e DE Todas as Artes" Ano X, 2ª Série , JULHO-AGOSTO de 1960, Nº 112-113

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

setembro 03, 2007

ATELIERS MUSICAUX SONS CROISÉS (VIIème année)

jorgeNAIVE.jpg
17, 18 et 19 septembre
colegio de españa
(ciup)

fondés et dirigés par Jorge Chaminé et Marie-Françoise Bucquet

invité exceptionnel :
le célèbre pianiste et chef d'orchestre LEON FLEISHER (19 septembre)

masterclass publics de 11h à 13h et de 15h à 19h

concert public : le 19 septembre à 20h00
(dans la limite des places disponibles)

informations : 01 43 36 55 06
sonscroises@noos.fr

Colegio de España
Cité Internationale Universitaire de Paris
7 E Bld Jourdan
RER : Cité Universitaire
Bus 21/67/88/PC.


Publicado por vm em 12:44 PM | Comentários (0)

"OS HISTORIADORES ESTRANGEIROS E A MÚSICA PORTUGUESA", na GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes

Certo e sabido : quando não se acham lamentavelmente inçadas de erros e confusões, são singularmente omissas ou parcimoniosas no que respeita a
Portugal as histórias da música saídas dos prelos estrangeiros. E jã não é na verdade sem um sentimento de apreensão, de desconfiança, que folheamos qualquer publicação recente do género que adrega de nos chegar às mãos.

Foi o que ainda agora nos sucedeu (e com razão, como se vai ver), ao percorrermos a luxuosíssima Histoire illustrée deLa Musique, subscrita por um dos mais considerados musicólogos franceses, Marc Pincherle, e editada (1959) pela conhecida casa Gallimard. de Paris.

Em relação à sua irmã mais velha, a Histoire illustrée de La Musique de René Dumesnil (Plon, 1934), absolutamente muda sobre a música em Portugal, temos de estar reconhecidos à história de Pincherle pela sua maior generosidade : nas suas 223 páginas de formato monumental, faz nada menos de... duas referências de passagem à música portuguesa: a primeira para citar o nome de Joan (sic) Rebello entre os polifonistas vocais ibéricos do século XVII, a segunda para nomear Manuel Rodrigues Coelho entre os organistas da geração que sucedeu à de Cabezón.
Et c'est tout... Não, não é tudo: há ainda uma terceira referência, não propriamente a um músico, mas a uma personagem real: «La princesse Madeleine - Barbara de Portugal, La future reine d'Espagne». É ainda para se estar agradecido, só sendo para lamentar que, entre as princesas de Portugal, não se conheça de facto nenhuma com aquele nome...

É claro que nós não pretendemos que a música e os músicos portugueses possam aspirar a ocupar largo espaço nas histórias gerais da arte dos sons. Mas se alguma delas, limitando embora a sua escassa informação à nossa música clássica, traz à baila o nome de João Lourenço Rebelo (o tal Joan Rebello de Pincherle), não percebemos por que critério musicológico não se há-de referir a outros vultos, um Duarte Lobo, um Manuel Cardoso, um Melgaz, por exemplo, acaso mais importantes do que o Rabelinho, cuja obra, segundo o erudito francês, «merecia ser estudada», ignorando que a quase totalidade dessa obra se encontra irremediavelmente perdida, o que felizmente não sucede com a daqueles outros mestres. Quanto a Rodrigues Coelho, parece-nos licito pôr a seguinte questão: uma vez decidido o historiador a documentar a nossa música instrumental clássica tão só com um nome dentre os dos seus representantes (que, é certo, não parece serem muitos), não seria mais acertado que a sua escolha recaísse sobre o nome de Carlos Seixas, que, sem desprimor para a figura do ilustre autor das Flores de Música, se antolha aos estudiosos da música portuguesa, e debaixo do ponto de vista da evolução e da caracterização étnica desta, personalidade artística mais significativa ?

A partir do século XVII, a música portuguesa não existe para M. Marc Pincherle (já não existia antes). Pode-se alegar para este silêncio a falta de projecção universal dessa música (e nós não contrariaremos essa razão, embora ela nos não pareça decisiva para um historiador). Pode-se alegar a necessidade de ser breve e essencial numa obra não muito extensa (e essa alegação ocorre aqui e ali no trabalho de M. Marc Pincherle, embora em muitos pontos ele esteja longe de ser esquemático). Mas pode-se também mais uma vez acusar os franceses de desconhecerem, ou fingirem que desconhecem, a geografia, quando verificamos que, chegado por exemplo ao período contemporâneo, M. Marc Pincherle reserva na sua história um cantinho praticamente a todas as escolas nacionais (na Europa: à Espanha, à Inglaterra, á Bélgica, à Holanda, à Suiça, à Hungria, à Checoslováquia, à Suécia, à Noruega, à Dinamarca, à Finlândia, à Polónia, à Roménia, à Grécia; na América: aos Estados Unidos, ao México, ao Brasil, ao Chile, à Argentina, ao Uruguay), e a Portugal... nicles.

Por Júpiter ! Não haverá mesmo na música portuguesa da primeira metade do presente século um nome, um só nome que seja, que pudesse figurar sem desdouro na história de M. Pincherle ao lado, por exemplo, do espanhol Federico Mompou, do holandês Marius Monnikendam, do suíço Hans Huber, do checo Karel Husa, do sueco Dag Wiren, do dinamarquês Ebbe Hammerik, do finlandês Bengt de Torne, do grego Lévidis, do mexicano Silvestre Revueltas ou do chileno Domingo Santa-Cruz, cuja universalidade (sem menosprezo pelo que artisticamente possam valer) nos parece bem contestável ?

Tudo isto é certamente lamentável. Mas metamos um pouco nós próprios a mão na consciência. Os estrangeiros desprezam ou desconhecem a música portuguesa. Prezam-na ou conhecem na todavia mais os mesmos portugueses ? Que temos nós feito para a dar a conhecer, para a proteger, para a valorizar aos nossos próprios olhos e aos dos estranhos ? Que crédito podemos nós esperar para ela, quando sabemos o que dessa música exportamos como expoente das nossas faculdades artísticas, os desaires a que nos sugeitamos com o beneplácito de entidades responsáveis, uma das quais ainda ultimamente proclamava alto e bom som que Portugal se estava tornando mundialmente conhecido graças ao génio (génio foi mesmo o que se disse) de dois compositores de... canções revisteiras ?

Artigo não assinado da “GAZETA MUSICAL e De Todas As Artes”, Ano X, 2ª Série nº 112/113 de Julho/Agosto de 1960

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

setembro 02, 2007

"APRENDA MÚSICA..."

APRENDA MUSICA.jpg
Em "GAZETA MUSICAL e de Todas As Artes" Ano X, 2ª Série, nº 126/127, de Setembro/Outubro de 1961

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (2)

agosto 31, 2007

"O CATARRO NACIONAL", por MARIA DA GRAÇA AMADO DA CUNHA

catarro.jpg
Uma mulher na Tertúlia? Estará em crise o sexo masculino, que tanto gosta de afirmar que «onde há galo não canta galinha»? Ora então, com licença, meus senhores, visto que a vosso convite aqui venho, embora assaz preocupada com a recepção que me espera. Não porque jamais se tenha desmentido a vossa proverbial fama de perfeitos cavalheiros, mas talvez justamente por isso: da vénia impecável à camaradagem autêntica vai um abismo...

Duplamente preocupada, mesmo, por me caber a vez de palrar sobre música logo a seguir a um parceiro temível como é o Lopes Graça. Confesso que me sinto João Feijão e me falece o ânimo! Tanto mais porque gostaria de pegar nas justíssimas considerações que ele aqui fez sobre o “analfabetismo musical” dos nossos intelectuais para as alargar a um sector mais vasto do público, variando o tema, de resto, pois que do analfabetismo passaremos à doença.

Já repararam nos efeitos tremendos que a música tem nos brônquios e nas laringes do nosso respeitável público? Vai-se ao teatro, ou ao cinema, e a saúde da população parece ser absolutamente normal, fora um ou outro catarro próprio da estação. Mas vai-se ao concerto, seja qual for a altura do ano, com chuva ou com sol, com frio ou com calor, e é uma desgraça: espirros, roncos, tosses de arrasar, narizes que se desentopem a tiro de canhão, é um tal cortejo de faringites, laringites, bronquites, sinusites, tuberculoses pulmonares, tosses convulsas, alergias ruidosas, que corta o coração! Sem falar nos casos de flatulência e de dispneia, que também abundam. Ora o que eu ainda não consegui determinar é se só vão ouvir música os doentes crónicos das vias respiratórias, ou se é a própria música que dá cabo da saúde aos frequentadores dos concertos. Aqui peço a ajuda de algum médico melómano para me tirar desta perplexidade. É que o problema é grave, não só porque diz respeito à saúde pública, como até porque tem sido motivo de espanto e de dó por parte dos artistas estrangeiros que nos visitam.

Será o português alérgico à música? Produzirá ela, nos nossos ouvintes, os mesmos efeitos das correntes de ar geladas, ou de uma valente molhadela de pés? O que mais me intriga, devo dizer, é o aspecto contagioso do fenómeno.

Todos nós conhecemos casos individuais de alergia musical, como, por exemplo, o do nosso amigo Manuel Mendes, para quem até os teclados dos pianos têm mau hálito. Mas esses casos, perfeitamente admissíveis e absolutamente legítimos, não explicam o comportamento colectivo a que me quero referir.

Mas, espera! Agora me lembro de que os latidos, os roncos, os uivos, os estertores com que entre nós se acompanha, ou se intercala, a música, cessam como por encanto desde que a orquestra desça ao fosso e ceda o palco aos bailarinos (estrangeiros, está bem de ver!). É isso! Desde que se trate de ballet, e apesar do «barulho» da música, melhoram imediatamente as gargantas, os pulmões, os narizes do respeitável público! Estranho mistério... Senhores doutores, querem fazer o favor de mo explicar?
MARIA DA GRAÇA AMADO DA CUNHA
Desenho de JOÃO ABEL MANTA
da "GAZETA MUSICAL e de Todas as Artes" nº 112/113 de Julho/Agosto de 1960

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

agosto 30, 2007

PORMENOR DO TECTO DA SALA DE MÚSICA DA CASA LAMBERTINI

Jose Malhoa- tecto sala musica casa lambertini.jpg
Pintado por José Malhoa, o mesmo pintor que pintou os tectos do SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO DE LISBOA e que estão em derrocada iminente perante a total indiferença de quem se devia preocupar com o nosso património

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

agosto 29, 2007

A CASA DE MICHEL'ANGELO LAMBERTINI - MENÇÃO HONROSA 1904 NA FALTA DE ATRIBUIÇÃO DE PRÉMIO VALMOR NESSE ANO

casa lambertini.jpg
Em 1904 o júri decidiu não atribuir o Prémio Valmor, por considerar que «nenhum dos prédios concluídos em Lisboa durante o ano findo reúne o conjunto de condições artísticas essenciais para ser classificado em mérito absoluto», propondo apenas duas Menções Honrosas.
Uma delas, a Casa Lambertini, cujo proprietário Michel' Angelo Lambertini exprimiu a sua revolta apelando mesmo à Câmara no sentido desta anular a decisão, localiza-se na Avenida da Liberdade, 166-168, tendo por arquitecto Nicola Bigaglia, anteriormente distinguido.
Edifício concebido para cumprir as condições do testamento do Visconde, inspira-se na Renascença Veneziana, o estilo Lombardesco, com uma decoração em mosaicos, executados em Veneza, inspirada na Igreja de S. Marcos.
Actualmente em bom estado de conservação, destina-se a habitação e escritórios.
CM-LISBOA

Publicado por vm em 12:36 AM | Comentários (0)

agosto 28, 2007

CADA MANHÃ SE PUNHA À PORTA JULIUS KLENGEL, ESPERANDO A RAPARIGA...

8aa.jpg
Cada manhã se punha à porta Julius Klengel, esperando a rapariga que o acaso lhe metera no percurso. Com desembaraço rompia ela, escorraçada das intempéries, logo a toda a volta distribuindo os objectos de seu mester. O aroma de vasta morbidez, de molhadas plantas que decaíam, se lhe ia evaporando dos vestidos. Já, por essa altura, se fixara na indumentária desleixada e heteróclita, com que haveria de caracterizar os anos de apogeu.

E na palma da mão recebia o pachorrento Julius Klengel, acabada de salvar, uma dessas aves cinzentas e reboludas, que costumam remexer nos lodos ribeirinhos. Quando, com a dúvida do apaixonado, o arrebatado desenho lhe corrigia de um portamento, a posição dos dedos lhe reconstituindo, dir-se-ia o tempo petrificado, com os plátanos lá de fora desfocados num extenso borrão verde. Nisso meditaria Julius Klengel, retractando-se daquilo que ensinara, refundindo a prelecção que fizera, debitada agora a maior velocidade. Como poderia Guilhermina obedecer-lhe, retomar o excerto que lhe fora assinalado, sem todavia prescindir de se ser? Essa trepidação agastada, que nem nos deixa carentes nem nos satisfaz, dela padecia o alemão, ante o mistério ostensivo que jamais se atreveria a louvar. E a transmutável beleza se lhe materializava nessa jovem do sul, no fogo que tudo molda em sua consumpção.

Do livro “GUILHERMINA”, de Mário Cláudio, reeditado recentemente

Publicado por vm em 12:06 AM | Comentários (0)

agosto 25, 2007

MORREU O PROF EDUARDO PRADO COELHO (MEMBRO DA ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA)

e p coelho.jpg
Lisboa, 25 Ago (Lusa) - O professor e ensaísta Eduardo Prado Coelho, de 63 anos, faleceu hoje de manhã na sua residência em Lisboa, disse à agência Lusa fonte próxima da família.

Nascido em Lisboa em 1944, Eduardo Prado Coelho foi autor de uma ampla bibliografia universitária e ensaística, onde se destacam um estudo de teoria literária "Os Universos da Crítica", vários livros de ensaios "O Reino Flutuante", "A Palavra sobre a Palavra", "A Letra Litoral", "A Mecânica dos Fluidos" e "A Noite do Mundo".

Os dois volumes de um diário "Tudo o Que Não Escrevi" mereceram o Grande Prémio de Literatura Autobiográfica da Associação Portuguesa de Escritores, em 1996.

Publicou recentemente "Diálogos sobre a Fé", escrito com o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José Policarpo.

Eduardo Prado Coelho mantinha ampla colaboração em jornais e revistas e uma crónica semanal sobre literatura no jornal Público, para além de um comentário político quotidiano no mesmo jornal.

Licenciado em Filologia Românica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, doutorou-se em 1983 na mesma universidade.

Em 1988, foi para Paris ensinar no Departamento de Estudos Ibéricos da Sorbonne.

TD

Lusa/fim

Publicado por vm em 10:52 AM | Comentários (0)

MARIA HELENA VIEIRA DA SILVA, NA ESTAÇÃO DO METRO DO "RATO"

vieira da silva 2.jpg
Uma escultura de Francisco Simões, de 1995

Publicado por vm em 12:02 AM | Comentários (0)

agosto 24, 2007

VIRGÍNIA SUGGIA NO "LE MONDE MUSICAL" de 15 de MAIO de 1912

virginia.jpg
Em 1912, a 15 de Maio, na revista musical francesa "LE MONDE MUSICAL", a crítica é ainda mais poderosamente entusiasmante:
«Mlle. Virgínia Suggia — Mlle. Suggia é uma verdadeira artista. Não é comum encontrar, aliada a uma natureza musical tão generosa e sincera, a técnica realmente profunda que possui esta jovem pianista: uma sonoridade poderosa sem brutalidade. Um mecanismo claro sem secura e muitas outras qualidades que encontramos isoladamente em muitos virtuosos, mas raramente coordenadas, fundidas ao ponto de dar a impressão de unidade, aliás necessária nas obras como a Suite francesa em Mi maior de Bach e a Sonata op. 10 em Ré maior de Beethoven.
Mas Mlle. Suggia distinguiu-se sobretudo por uma execução magnífica, ao mesmo tempo vigorosa e espiritual, sarcástica ou comovente, desta espantosa Mephisto-Walzer, triunfo da virtuosidade inteligente.»

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA ou o VIOLONCELO LUXURIANTE” de Fátima Pombo
Fotografia cedida por Profª Elisa Lamas

Publicado por vm em 12:06 AM | Comentários (0)

agosto 18, 2007

HOSPITAL DE S. LUIS DOS FRANCESES - NO MESMO QUARTO MORRERAM: EM 30/11/1935 FERNANDO PESSOA e 14/06/1970 ALMADA NEGREIROS

Host S Luis.jpg
[...] Morreu num hospital estrangeiro - o Hospital de S. Luís dos Franceses, à Rua Luz Soriano, em Lisboa - em pleno coração do Bairro Alto. Era sina da sua vida - viver português e "nascer" e morrer estrangeiro: estrangeiro à pátria que o não compreendeu, estrangeiro a si mesmo, que voluntariamente se fez desentendido.

Três dias antes de morrer ainda descera à Baixa, entrara no Martinho da Arcada, bebera um café, conversara com José de Almada-Negreiros, soltara alguma das suas gargalhadas nervosas, que lhe faziam estremecer o corpo desconjuntado, e pigarreara, tossira, tossira muito, pois tinha agora um pigarro de alcoólico, que se ouvia longe. Tempos antes, em casa da irmã, em S. João do Estoril, fora acometido de um breve ataque de delirius tremens. O mal estava implantado fundo na sua natureza corroída. E alguns amigos já o tinham encontrado, a desoras, bêbedo e enxovalhado. Bebia, bebia, bebia - para se asfixiar. Quando voltava para casa à noite, com a pasta debaixo do braço, entrava na leitaria da esquina da sua rua, no "Trindade", o seu amigo Trindade, rechonchudo e bom rapaz, que lhe vendia fiado (quando recebeu o prémio literário parte dele foi para o Trindade e quando morreu lá devia ainda seiscentos mil réis) e, nas pontas dos pés, com o seu ar cada vez mais dependurado, as calças a fugirem-lhe pelas pernas acima, pigarreando, enigmaticamente dizia:
« - 2, 8 e 6.»
O Trindade retirava-se. E daí a pouco poisava em cima do mármore do balcão uma caixa de fósforos, um maço de cigarros e um cálice de Macieira 60, ou seja, 2, 8 e 6 tostões. O poeta recolhia os fósforos, rasgava o maço de cigarros e virava, de um trago, o cálice de Macieira. Depois abria a pasta, retirava dela uma garrafinha preta, e punha-a em cima do balcão. O Trindade, discretamente, pegava nela, levava-a dentro e voltava daí a pouco com ela rolhada já. Fernando Pessoa tornava a guardá-la na pasta de cabedal e, sem pagar, saía porta fora, depois de se despedir cordialmente do amigo Trindade. Às vezes, pela manhã, o sr. Manacés, o mestre barbeiro da rua, que tanto o "servia" a ele, poeta, como ao moço de fretes da esquina ou ao marçano do amigo Trindade, deslocava-se até ao prédio número 16, primeiro direito, para "servir" o seu cliente. Ocasiões havia em que o encontrava ainda diante da mesa de trabalho, com cara de quem se não deitara, rodeado de papéis, de livros, de pontas de cigarro e a garrafinha preta completamente vazia ao lado. E, então, o poeta, antes que o sr. Manacés assestasse a navalha, pedia-lhe que lhe fizesse a fineza - "era um senhor muito delicado, o Sr. Pessoa" -, pedia-lhe que lhe fizesse a fineza de ir ao Trindade encher a garrafa.
Passava longas temporadas completamente só naquele primeiro andar. A irmã, quando saía para a sua casa de S. João do Estoril, pedia ao Sr. Trindade que olhasse por ele e que lhe telefonasse, caso houvesse novidade. De facto, já uma noite lhe dera qualquer coisa, que o prostrara no chão, à porta da casa de banho, sem sentidos. Fora preciso arrombar a porta, pois ele não dava acordo de si. E teimava em continuar só, em fumar, em beber: tudo fazia para se evadir, para não estar onde estava, para acabar com a náusea da vida - "raios partam a vida e quem lá ande!" O Dr. Jaime Neve, primo do poeta, que o vira ultimamente, proibira-o de beber: um cálice mais de aguardente, e seria o fim. E o poeta, serenamente, como quem, na verdade, está persuadido de que a morte não existe:

Neófito não há morte,


continuava a beber. Em frente do balcão do Val do Rio, à Rua dos Correeiros, bebeu pela última vez.


Devo tomar qualquer coisa ou suicidar-me?
Não: vou existir. Arre! Vou existir.
E-xis-tir...
E-xis-tir...

Dêem-me de beber, que não tenho sede!


Não era a morte que ele procurava - "não há morte" - mas a existência, o "e-xis-tir", esse existir que ele nunca conhecera.
"Não escrevi história nem histórias, e, por isso, não uso protagonistas, a não ser a variedade de pessoas que tenho sido", dissera Álvaro de Campos um dia a um jornalista. "Nenhuma delas tem existência real, porque nada tem, cientificamente falando, existência real. As cousas são sensações nossas, sem objectividade determinável, e eu, sensação também para mim mesmo, não posso crer que tenha mais realidade que as outras cousas. Sou, como toda a gente, uma ficção do "intermezzo" falso como as horas que passam e as obras que ficam no rodopio subatómico deste inconcebível universo".
Aliás, certo da única coisa certa que tinha na vida, certo de que, ao contrário do "Alves, o "dono da tabacaria", cuja morte alterara a monotonia da cidade - "desde ontem a cidade mudou" - a sua própria morte em nada a alteraria:


Mas ao menos, a ele alguém o via,
Ele era fixo, eu, o que vou,
Se morrer, não falto, e ninguém diria:
Desde ontem a cidade mudou


transgredindo a imposição do médico, desafiando a própria morte, ei-lo que avança para a melhor maneira de se conquistar a si próprio, a forma mais decisiva para realizar o seu mais fundo anelo, esse anseio de "ser de todos os tempos, de todos os espaços, de todas as almas, de todas as emoções e de todos os entendimentos", ou seja, a própria "força universal que envolve e penetra a rotação dos seres", já que enquanto neste lado de cá do mundo, no "rodopio subatómico deste inconcebível universo", nada mais pudera ser que "uma consciência audível dela", da rotação dos seres, "um brilho momentâneo no choque nocturno das cousas"..., isto é, poeta, já que o "resto é delírio e podridão", "cadáveres adiados que procriam" todos quantos neste mundo se limitam apenas a viver.
A crise veio rápida. Nessa mesma noite, sózinho no seu quarto, completamente só em casa - a irmã estava de cama, no Estoril, com uma perna partida, e com ela estava o marido e os filhos -, foi acometido de uma fulminante cólica hepática. Era a noite de 27 para 28 de Novembro. Quando deram com ele, o seu estado era tal que chamaram, imediatamente, o Dr. Jaime Neves. Este ordenou que o transportassem com urgência para o hospital. Mas o poeta, apesar de completamente prostrado, opunha-se: que era uma crise como qualquer outra, já tivera mais assim. O médico, porém, impôs a sua autoridade. E ficou assente que ele fosse conduzido para o Hospital de S. Luís. Então Fernando Pessoa, apesar da sua prostração, quis barbear-se. E o Sr. Manacés veio "servi-lo" pela última vez. Nessa mesma manhã uma automaca transportava-o ao Hospital de S. Luís dos Franceses. No entanto, pormenor a reter, lembrando-se, no meio do seu sofrimento, de que sua irmã Henriqueta Madalena fazia anos, pediu a um dos amigos, que o viera buscar para o conduzir ao hospital, que lhe fizesse o obséquio de deitar um telegrama de felicitações, em seu nome, para ela. No dia seguinte - só no dia seguinte o telegrama chegaria ao seu destino - , à hora em que a irmã recebia, atrasados apenas algumas horas, os parabéns pelo seu aniversário, Fernando Pessoa, numa cama de hospital, entrava no "abismo" e no "silêncio". Junto dele havia apenas três pessoas: o capelão, a enfermeira e o médico. Morria só, como sempre vivera. "Considero-me feliz por não ter já parentes", dissera poucos anos antes. "Não me vejo assim na obrigação, que inevitavelmente me pesaria, de ter que amar alguém." E embora não se tivesse esquecido, nos transes já da agonia, da irmã que fazia anos - era só que morria, sem parentes, pois é sempre assim que vivem e morrem os homens como Fernando Pessoa.
Ei-lo que entrava, finalmente, no paraíso que perdera. Agonizava, e no meio da sua agonia, repuxando a dobra do lençol, teve, de súbito, uma pausa de estranha quietação. Abriu os olhos, olhou em roda, e vendo que não via, serenamente, como quem não esquece que os míopes, para ver, precisam de óculos, pediu que lhe dessem as suas lentes:
"Dá-me os óculos!", murmurou, semicerrandos os olhos enevoados.
Foram estas as suas últimas palavras. Como Goethe, mas sem espalhafato nem solenidade, com a modéstia de um "correspondente estrangeiro em casas comerciais", o poeta pedia a única coisa que em verdade lhe tornava o mundo mais claro, na sua ilusória aparência, os óculos que o oftalmologista lhe receitara e o oculista manipulara.


Texto retirado de

Vida e Obra de Fernando Pessoa - História de uma Geração
João Gaspar Simões
Livraria Bertrand, Lisboa, 2ª edição s/d, (1ª edição 1950)

12ª Parte (última): "Regresso ao Paraíso"
Divisão II: "Morte e Ressurreição"

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

agosto 17, 2007

"A PROCISSÃO" - MUSEU DA MARIONETA - CONVENTO DAS BERNARDAS (Rua da Esperança - na Madragoa)

procissao.jpg
MUSEU DA MARIONETA

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

agosto 16, 2007

ANTÓNIO NOBRE (PORTO, 16 de AGOSTO de 1867- 18 de MARÇO de 1900)

Antonio_Nobre.jpg
NÃO REPARARAM NUNCA?

Não repararam nunca? Pela aldeia,
Nos fios telegráficos da estrada,
Cantam as aves, desde que o Sol nada,
E, à noite, se faz sol a Lua cheia.

No entanto, pelo arame que as tenteia,
Quanta tortura vai, numa ânsia aiada!
O Ministro que joga uma cartada,
Alma que, às vêzes, d’Além-Mar anseia:

- Revolução! - Inútil. - Cem feridos,
Setenta mortos. - Beijo-te! - Perdidos!
- Enfim, feliz! - ? - ! - Desesperado. - Vem.

E as boas aves, bem se importam elas!
Continuam cantando, tagarelas:
Assim, Antônio! deves ser também.

ANTÓNIO NOBRE

Publicado por vm em 12:09 AM | Comentários (0)

agosto 13, 2007

JOSÉ SARAMAGO PARTICIPA EM NOVO DISCO DE JORDI SAVALL : "AS SETE ÚLTIMAS PALAVRAS DE CRISTO NA CRUZ" de HAYDN

saramago.jpg
Edimburgo, Reino Unido, 12 Ago (Lusa) - O músico e maestro catalão Jordi Savall edita em Setembro o álbum "As sete últimas palavras de Cristo na Cruz", de Haydn, no qual contou com a colaboração do escritor português José Saramago, revelou sábado o compositor.

Jordi Savall, que se apresentou sábado à noite no Festival de Edimburgo com a ópera "Orfeu", de Monteverdi, explicou à agência EFE que em Setembro irá lançar o novo álbum gravado em Cádis.
Sem revelar mais detalhes, o músico referiu apenas que contou com a participação do Nobel da Literatura português na gravação do álbum, que será também editado em DVD, em sete idiomas, incluindo em Língua Portuguesa.
Jordi Savall, 66 anos, é um virtuoso de viola de gamba, maestro, compositor e especialista em música antiga.
Gravou mais de uma centena de álbuns e, entre 1974 e 1989, fundou os agrupamentos Hespèrion XXI, La Capella Reial de Catalunya e Le Concert des Nations.
Em Dezembro, o músico, que criou a sua própria etiqueta discográfica (Alia Vox), lançará um disco-livro inspirado nos percursos do jesuíta Francisco Xavier no Oriente.
SS.
Lusa

Publicado por vm em 12:44 AM | Comentários (0)

agosto 12, 2007

MIGUEL TORGA NASCEU FAZ HOJE 100 ANOS

m torga.jpg
Confiança
O que é bonito neste mundo, e anima,
É ver que na vindima
De cada sonho
Fica a cepa a sonhar outra aventura...
E que a doçura
Que se não prova
Se transfigura
Numa doçura
Muito mais pura
E muito mais nova...

Miguel Torga

Publicado por vm em 11:42 AM | Comentários (0)

agosto 09, 2007

CINE-TEATRO TIVOLI - NESTA SALA DE LISBOA TOCOU GUILHERMINA SUGGIA

teatro tivoli.jpg
Frederico de Lima Mayer, homem requintado e de grande cultura, compreendeu que Lisboa, a exemplo das suas congéneres europeias, necessitava de um espaço exclusivamente dedicado ao culto da Sétima Arte, que então se encontrava em ascensão, mas onde fosse, igualmente, possível apresentar também outro tipo de espectáculos.
Nasceu assim, em 1924 e após 4 longos anos de obras, o edifício actualmente designado por Cine Teatro Tivoli, concebido segundo um projecto do arquitecto Raul Lino, e na época, a melhor sala do país.

Logo desde a noite da sua abertura ao público – com o filme “Violetas Imperiais” - o Tivoli impôs-se como uma sala de espectáculos onde apenas se apresentavam filmes de grande qualidade, cuidadosamente escolhidos entre as obras-primas da época.
Tendo iniciado a sua actividade ainda no tempo do cinema mudo, o Tivoli foi dotado para fonocinema em 1930 tendo em Novembro desse mesmo ano sido apresentado o primeiro filme sonoro - “A Parada do Amor”.
Desde então, pelo ecrã do Tivoli, passaram muitos dos maiores filmes da história do cinema nomeadamente “ O Mundo a Seus Pés”, “O Ditador”, “Belinda – Escrava do Silêncio”, “Duelo ao Sol”, “A Túnica”, “O Rei e Eu”, “A Pousada da Sexta Felicidade”, “Lawrence da Arábia”, “Música no Coração”, “Hello Dolly”, “O Padrinho”, “O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes”, “Oficial e Cavalheiro”.
No entanto, o Tivoli não foi concebido apenas para apresentar espectáculos de cinema. Assim, logo em 1925, e numa iniciativa de António Ferro, foi criado um grupo de teatro - o Teatro Novo.
Nele foram apresentadas várias peças, ousadas para a época, entre as quais “Knock ou o Triunfo da Medicina”.
O Tivoli continuou a “fazer-se teatro”! Após a morte Frederico Lima Mayer o seu filho instalou no Teatro um palco e camarins.
Neste palco apresentaram-se, então, companhias tão célebres como a Comédie Française e o Teatro do Vieux Colombier. Pisaram também o palco do Tivoli, em espectáculos musicais, entre outros os maestros Igor Stravinsky, “Sir” Thomas Beechan, Frederico de Freitas e Ivo Cruz, os pianistas Sequeira Costa, Maria João Pires, Tania Achot, Rubinstein e José Viana da Mota, o violinista Yehudi Menuhin, a violoncelista Guilhermina Suggia, e o coro dos Pequenos Cantores de Viena.
O bailado dominou igualmente as plateias do Tivoli através das actuações do Ballet do XX Siécle (com Maurice Béjart), o American Festival Ballet e o Ballet Soviético dos Cossacos da Ucrânia, entre outros.
Em 1973, o Tivoli deixou de pertencer à família Mayer tendo sido adquirido por João Ildefonso Bordallo.
Em 1989, o Tivoli foi adquirido pelo empresário espanhol Emiliano Revilla que, pouco depois, vendeu a maioria das suas acções a uma empresa de capitais Espanhóis.
Após um período de encerramento o Tivoli reabre as suas portas em 1999 tendo entretanto sido objecto de obras de remodelação.
Em 2004 o Tivoli foi adquirido pela Lx Skene empresa de capitais portugueses e actual proprietária do Teatro.

(WIKIPEDIA)

Publicado por vm em 12:23 AM | Comentários (0)

agosto 05, 2007

SALAS DE ESPECTÁCULOS: PHILHARMONIC HALL - HAMBURG- 2006

philharmonic hall Hamburg.jpg
tirada daqui

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

agosto 04, 2007

PRÉMIO AMADEO SOUZA-CARDOSO DISTINGUE ÂNGELO DE SOUSA

AngeloSousa.jpg
O escultor venceu a sexta edição do Prémio Amadeo de Souza-Cardoso (categoria Consagração)atribuído Câmara Municipal de Amarante e pelo Museu Amadeo de Souza-Cardoso

Depois de Fernando Lanhas (em 1997, ano em que a autarquia reinstituiu o galardão), Fernando Azevedo, Costa Pinheiro, Júlio Pomar e Nikias Skapinakis, este prémio bienal será entregue ao escultor, numa cerimónia a realizar no próximo dia 27 de Outubro.

Ângelo de Sousa é considerado um dos artistas mais inovadores na cena nacional.

A sua obra abrange o desenho, a escultura, a pintura, a fotografia e o vídeo, tendo a sua obra sido objecto de uma exposição antológica na Fundação de Serralves em 1993.

A Fundação Gulbenkian e a Cordoaria Nacional acolheram uma grande mostra da sua escultura em 2006.

A decisão foi tomada por unanimidade do júri, este ano presidido por Rui Mário Gonçalves e constituído por Miguel Von Hafe, António Cardoso, Fátima Lambert, Laura Castro, Lúcia Matos e Eduardo Paz Barroso.

Cada edição do Prémio Amadeo de Souza-Cardoso encerra em si dois prémios, um destinado a assinalar o percurso de vida e obra de um artista plástico (Prémio de Consagração), e o outro, o Grande Prémio Amadeo Souza-Cardoso (Prémio de Criação), que distingue uma obra concreta, apresentada a concurso, que será anunciado em Outubro.

A sexta edição do Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso (vertente Criação) vai decorrer entre os dias 27 de Outubro e 09 de Dezembro, anunciou hoje fonte da Câmara Municipal de Amarante, que patrocina o evento.

Este prémio, de periodicidade bienal, está aberto a todas as expressões artísticas, tendo sido reinstituído pela Câmara de Amarante em 1997, no âmbito das comemorações do cinquentenário da fundação do Museu Amadeo de Souza-Cardoso, depois de ter sido atribuído pela última vez em 1987 pela Casa de Serralves.

Na vertente de criação, os vencedores deste prémio foram Albuquerque Mendes (1997), Inez Winjnhorst Assis e Santos, Rita Carreiro (2001), Ana Vidigal (2003) e Ana Maria (2005).

Lusa/SOL

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

julho 30, 2007

ORCHESTRUTOPICA - NO CENTRO CULTURAL DE CASCAIS - 2 de AGOSTO - 21,30 HORAS

Z - Festival a.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

julho 29, 2007

CASA DA MÚSICA - SALA SUGGIA - 29 de JULHO 12 horas -ORQUESTRA NACIONAL DO PORTO - CONCERTO COMENTADO POR FÁTIMA POMBO

casa musica 2.jpg

Publicado por vm em 12:23 AM | Comentários (0)

julho 28, 2007

CCB fora de SI: "LUTO CLANDESTINO" de Jacinto LUCAS PIRES, pelo TEATRO O BANDO

CCB fora de Si.jpg
Ao início, ouve-se uma acção que não se vê. Olha-se em volta. De onde virão estas vozes? «Toda a gente tem uma história, e esta é a minha», solta Lurdes, enquanto à sua volta o cenário muda: pessoas passam, começa a noite de Jazz, o cubo multicolor do CCB pisca.

Lurdes é na verdade a actriz Paula Só, que contracena com o jovem Dinis Machado na peça ao ar livre «Luto Clandestino», em cena até Domingo no Centro Cultural de Belém. Ao longo do ensaio, percebemos a experiência que é descrita aos espectadores como um «teatro radiofónico e voyeurista»: apetrechadas com auscultadores e leitores de mp3 , cinquenta pessoas ( e apenas cinquenta) vão ouvir o diálogo íntimo, perturbador e clandestino, entre um homem e uma mulher. Dois desconhecidos que partilham a dor de uma morte: a de Marta, filha de Lurdes e namorada de António.
O espectador pode optar por ouvir apenas o espectáculo, assistir à distância, ao estilo de radionovela (onde não falta a sonorização musical que acompanha o texto). Mas pode também seguir os actores, espreitá-los, acompanhá-los até ao automóvel verde onde se passa grande parte da acção.
O escritor Jacinto Lucas juntou-se ao Teatro O Bando e escreveu «Luto Clandestino», que foi apresentado pela primeira vez o ano passado, nas ruas de Palmela, onde o Bando tem a sua sede. João Brites é o encenador, e trabalha aqui num terreno que lhe é familiar: a rua, os cenários vivos e reais, em interacção com o espectador.
A peça «Luto Clandestino» foi o primeiro passo para uma colaboração mais extensa. A semana passada, O Bando e Jacinto Lucas Pires apresentaram o espectáculo «Os Vivos» no Festival CITEMOR, em Montemor-o-Novo, num texto que é uma espécie de 2º acto de «Luto Clandestino», centrando-se de novo no tema da morte. Há ainda um terceiro espectáculo que completa o projecto a que O Bando chama «Clandestinos»: «Rumor Clandestino», cujo texto é da autoria do jornalista Fernando Dacosta, estreou em Março deste ano e levou o público novamente numa viagem pelo diálogo entre um homem e de uma mulher que se escuta e sente através de uma onda de rádio.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

julho 27, 2007

"HISTÓRIA DE UM SEGREDO" na BIBLIOTECA NACIONAL ALMEIDA GARRETT, no PORTO, ATÉ DIA 29 de JULHO - TEATRO PÉ DE VENTO

historia de um segredo 1.jpg
História de Um Segredo, de Álvaro Magalhães , com encenação de João Luiz e interpretação de Anabela Nóbrega, está em cena na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto, até ao próximo domingo, 29 de Julho.

O espectáculo, classificado para maiores de 4 anos, tem sessões para o público organizado sábado e domingo, às 16h00.

Publicado por vm em 08:50 AM | Comentários (0)

julho 26, 2007

DAVID SILVA - VENCEDOR DO 1º PRÉMIO NO INTERNATIONAL CLARINET SOLO COMPETITION "CLARINETFEST", EM VANCOUVER -CANADÁ

aedgrdehn.BMP
O seu primeiro contacto com a música foi aos 10 anos no Externato das Neves e na Banda dos Escuteiros de Barroselas.

Aos 12 anos ingressa na Escola Profissional de Musica de Viana do Castelo (EPMVC) como clarinetista, completando na mesma instituição o curso básico de instrumento em 2002 e o curso de instrumento em 2005, com os Professores: Francisco Perez, António Soutelo e Iva Barbosa. Acabou o seu curso profissional com a nota máxima a clarinete e foi considerado um dos melhores alunos do seu ano, a completar o curso de instrumento na mesma instituição.

Desde então tem participado nas orquestras tais como: Orquestra Júnior da EPMVC, Orquestra de Sopros da EPMVC, Orquestra Sinfónica da EPMVC, 2.º Festival de Música Internacional de Viana do Castelo, Orquestra de Sopros da ESMAE, Orquestra Sinfónica do Alto Minho, 5.º e 6.º Estágio da Orquestra Aproarte, Orquestra de Sopros de Santa Maria da Feira e Orquestra Sinfonieta da ESMAE.

Esteve sob direcção de vários Maestros, tais como Jaroslav Mikus, Henrique Piloto, Javier Viceiro, Rex Martin, José Vincente Simeó, Kenvin Wauldron, Miguel del Castilho, Vasco Pearce de Azevedo, Cesário Costa, Josep Vicent, Ernst Schelle, Osvaldo Ferreira, António Saiote e Jan Cober.

Em Música de Câmara trabalhou em várias formações com os Professores: Evandra Gonçalves, José Rosado, Iva Barbosa, Raquel Lima, Olga Prats e actualmente trabalha com Nuno Pinto e Hugues Kesteman.

Frequentou Masters Class e Cursos com Nuno Pinto, António Saiote, José Ricardo Freitas, António Rosa, Étienne Lamaison, Philippe Couper, José Luís Estellés, Iva Barbosa, Philippe Berrod, Robert Walzel e Larry Combs.

Foi premiado em 2003 com o 2.º Prémio num concurso no âmbito da disciplina de Formação Musical; 1.º Prémio no concurso de cultura geral de música; 2.º Prémio do Concurso Jovens Músicos 2005 na categoria de música de câmara nível médio; Finalista das provas para a Orquestra da União Europeia em 2005; Menção Honrosa do Concurso Jovens Músicos 2006 na categoria de clarinete nível superior e 1.º Premio do Concurso “Young Artist Competition” 2007 em Vancouver no Canadá.

Realizou e realiza recitais tanto a solo como em música de câmara em diversas formações por todo o País.

Actualmente frequenta o 2.º ano da Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Instituto Politécnico do Porto na classe de clarinete do Professor António Saiote.


Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (5)

julho 25, 2007

O JOVEM CLARINETISTA DAVID SILVA VENCE o INTERNATIONAL CLARINET SOLO COMPETITION CLARINETFEST, EM VANCOUVER -CANADÁ

O jovem clarinetista português David Silva, de Viana do Castelo, venceu o International Clarinet Solo Competition do festival ClarinetFest, que se realizou este ano em Vancouver, Canadá

Natural de Barroselas, Viana do Castelo, David Silva, de 20 anos, venceu a competição para clarinete solo destinada a instrumentistas, entre os 18 e os 24 anos, daquele que é um dos mais importantes concursos internacionais deste instrumento.

David Silva começou a estudar clarinete aos 12 anos nos escuteiros da sua terra natal, concluiu o ensino secundário na Escola Profissional de Música de Viana do Castelo e está presentemente a preparar-se para entrar para o 3/o ano da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE), do Porto.

«A minha prioridade é terminar a minha formação superior na ESMAE, para o que faltam dois anos, e depois tudo farei para entrar para os quadros de uma grande orquestra», disse David Silva, em declarações à Lusa.

O jovem clarinetista está para isso disposto a ir viver para o estrangeiro, onde quer que seja possível conseguir um lugar, caso não o consiga numa orquestra portuguesa.

«Este prémio foi uma grande alegria para nós, para o David e para mim, como seu professor», disse António Saiote, um dos mais conceituados clarinetistas a nível mundial, que, como docente, é também uma referência internacional.

António Saiote sublinhou que este prémio mostra que os clarinetistas portugueses estão «cada vez mais cotados a nível internacional».

«Nos últimos seis anos conseguimos três primeiros prémios e três segundos, o que é para mim uma grande satisfação», disse.

António Saiote que há 30 anos tocou pela primeira vez e há 25 começou a ensinar, regressou há duas décadas a Portugal com a firme intenção de criar uma escola de clarinete em Portugal, o que tem sido conseguido com muito trabalho e ultrapassando muitas dificuldades.

O concurso, organizado pela International Clarinet Association (ICA), decorre todos os anos, sendo realizado de dois em dois anos nos Estados Unidos e, no ano alternado, numa cidade fora daquele país.

A competição é dividida em duas categorias, uma para clarinetistas até aos 18 anos e outra até aos 24 anos.

Outro clarinetista português, Horácio Ferreira, de Santa Comba Dão, obteve este ano o terceiro lugar na categoria até aos 18 anos.

O júri foi constituído por John Scott, Michael Rowelett, Madeline Johnson e Michele Gingras.

O concurso internacional de clarinete divide-se em duas partes, uma pré-eliminatória e uma final.

A pré-eliminatória é feita por gravação de CD enviada para o júri de pré-selecção (formado por Lee Livengood e Robert Walzel) que escolhe os seis finalistas que participarão na final, a realizar na cidade anfitriã no ClarinetFest.

Este concurso irá realizar-se em Portugal, em Agosto de 2009, na Casa da Música, no Porto.

«O facto de termos conseguido trazer este concurso para Portugal é uma prova do nível que os clarinetistas portugueses têm vindo a atingir a nível mundial», disse António Saiote.

A edição de 2008 terá lugar na Universidade do Missouri, em Kansas City, nos Estados Unidos.

Lusa/SOL

Publicado por vm em 08:59 AM | Comentários (7)

julho 24, 2007

ESPOSENDE - RECITAIS E CONCERTOS - CURSO DE DIRECÇÃO CORAL E CANTO

concertos esposende.jpg

Publicado por vm em 01:28 AM | Comentários (0)

julho 22, 2007

NIKIAS SKAPINAKIS: O TEATRO DOS OUROS - filme de JORGE SILVA MELO

nikias_1.jpg
Nikias Skapinakis, de ascendência grega, nasceu em Lisboa em 1931. Frequentou o curso de arquitectura, que abandonou para se dedicar à pintura, actividade que manteve regularmente até ao presente.

Começou por expor em 1948, nas Exposições Gerais de Artes Plásticas, e, desde então, realizou diversas exposições individuais e participou em numerosas colectivas em Portugal e no estrangeiro. Além da pintura a óleo, como actividade dominante, dedicou-se à litografia, à serigrafia e à ilustração de livros. Entre outras obras, ilustrou Quando os Lobos Uivam, de Aquilino Ribeiro (Livraria Bertrand, 1958) e Andamento Holandês, de Vitorino Nemésio (Imprensa Nacional, 1983). Executou litografias para o Congresso de Psicanálise de Línguas Românicas (1968) e para o Cinquentenário do Banco Português do Atlântico (1969). Executou serigrafias para Kompass (1973).

É autor de um dos painéis do Café "A Brasileira do Chiado" (1971) e participou na execução do painel comemorativo do 10 de Junho de 1974.

Em 1963 obteve a Bolsa Malhoa da Sociedade Nacional de Belas-Artes. Em 1976-1977 foi-lhe concedido um subsídio para investigação pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Em 1985, o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian mostrou uma exposição antológica da sua pintura, completada com uma retrospectiva da obra gráfica e guaches na Sociedade Nacional de Belas-Artes.

Em 1990 foi-lhe atribuído o prémio da crítica A.I.C.A.-S.E.C..

Em 1993 apresentou no Palácio Galveias (C.M.L.) uma antologia de desenhos realizados a partir de 1985.

Em 1996, o Museu de Arte Contemporânea do Chiado realizou uma retrospectiva de retratos (1955-74).

Em 2000, o Museu de Arte Moderna da Fundação de Serralves apresentou a exposição antológica "Prospectiva", que reuniu pintura e desenho entre 1966 e 2000.

No ano de 2005 recebeu o Grande Prémio Amadeo de Souza Cardoso e realizou um painel em cerâmica para o Metropolitano de Lisboa. No ano seguinte, a Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva apresentou a série de pinturas “Quartos Imaginários” relativa a quartos de dormir e a ateliês de diversos pintores e poetas.

Em 2006, foi-lhe atribuído o primeiro prémio do Casino da Póvoa de Varzim.
Tem publicado textos de intervenção crítica em diversos jornais e revistas.

Vive e trabalha em Lisboa.

Com os Artistas Unidos
2007

Publicado por vm em 10:44 AM | Comentários (1)

CURSO DIRECÇÃO CORAL E CANTO - ESPOSENDE - 24 de JULHO a 4 de AGOSTO

ultimo dia.jpg

Publicado por vm em 12:17 AM | Comentários (0)

julho 20, 2007

CARL PHILIPP EMANUEL BACH - INTEGRAL DOS CONCERTOS PARA VIOLONCELO

cartaz1.jpg

Publicado por vm em 12:39 AM | Comentários (0)

julho 19, 2007

CURSOS DE VERÃO 2007 - CÍRCULO DE CULTURA MUSICAL DA BAIRRADA

cursos verao 1.jpg
www.ccmbairrada.com
ccmb@sapo.pt
Tel 234 185661
Tlm 96 2742119
93 3984063

Publicado por vm em 10:54 AM | Comentários (0)

julho 18, 2007

CARL PHILIPP EMANUEL BACH -MOSTEIRO DE CELAS, 21 de JULHO- 21,30 H - BRUNO BORRALHINHO

bruno-borralhinho a.jpg
Mosteiro de Celas (Coimbra)
21 de Julho (Sábado), às 21:30h


BRUNO BORRALHINHO, violoncelo
(solista e direcçao)

ORQUESTRA CLÁSSICA DO CENTRO

Integral dos Concertos para Violoncelo e Orquestra
de Carl Philipp Emanuel Bach

Publicado por vm em 07:41 AM | Comentários (0)

julho 16, 2007

SIPO - XII SEMANA INTERNACIONAL DE PIANO DE ÓBIDOS de 28 de JULHO a 8 de AGOSTO de 2007

sipo.jpg
A SIPO - XII SEMANA INTERNACIONAL DE PIANO 2007, promovida pela Associação de Cursos Internacionais de Música de Óbidos (ACIM) com o apoio da Câmara Municipal de Óbidos e do Ministério da Cultura – Instituto das Artes, realizar-se-á de 28 de Julho a 8 de Agosto de 2007, na magnífica vila medieval de Óbidos (Portugal), sendo orientada por professores de renome internacional: Vitaly Margulis (Rússia/EUA) piano; Luíz de Moura Castro (Brasil/EUA) piano; Manuela Gouveia (Portugal/Espanha) piano; Paul Badura Skoda (Áustria) piano; Boris Berman (Rússia/EUA) piano.

Os cursos constituem o núcleo principal da Semana Internacional de Piano de Óbidos, e no seu décimo primeiro ano de existência são, hoje em dia, o evento mais importante no seu género em Portugal. O elenco dos professores é composto por artistas de renome internacional, ao mesmo tempo excelentes pedagogos. Os cursos destinam-se a estudantes de nível profissional, músicos no início da carreira, professores e jovens pianistas/violoncelistas especialmente motivados. Além das aulas individuais os duos violoncelo/piano aproveitarão da possibilidade de trabalhar sonatas com professores de ambos instrumentos. O número de lugares é limitado a 40, sem audição preliminar, sendo as inscrições aceites por ordem de entrada. Se necessário, os professores poderão fazer audições preliminares. Os alunos são distribuídos pelos professores de acordo com a ordem de preferência indicada no boletim de inscrição e as obras apresentadas, dentro do limite das possibilidades. Os cursos internacionais de piano d’Óbidos oferecem a todos os participantes activos a possibilidade de trabalharem com vários professores permitindo um enriquecimento musical muito diversificado. Cada participante deverá apresentar pelo menos três obras.Os participantes activos terão à disposição pianos para estudo - mínimo de 2h de estudo diário para cada participante. A todos os alunos é dada a oportunidade de actuar em concertos públicos. Será atribuído o prémio “Maria de Lurdes Avellar” aos estudantes que mais se destacarem nestes concertos. Este prémio será atribuído pelo público e pelos professores das master classes.No final dos cursos, todos os participantes recebem um diploma. A inscrição nas masterclasses engloba 3 aulas (duração de 60 minutos) com um ou mais professores, a assistência a todos os cursos, um mínimo de 2h de estudo diário, entrada em todos os concertos, alojamento com meia pensão do dia 28 Julho ao dia 8 de Agosto, transporte do aeroporto de Lisboa para Óbidos e regresso e uma visita turística de meio dia à região de Óbidos.
Curso acreditado pelo Conselho Científico/Pedagógico da Formação Continua
(toda a informação retirada daqui)

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

julho 14, 2007

MÚSICA - OCTÁVIO PAZ

Música: oiço dentro o que vejo fora
Vejo dentro o que oiço fora,
Sou uma arquitectura de sons instantâneos
Sobre um espaço que se desintegra.
A música inventa o silêncio,
A arquitectura inventa o espaço
Fábricas de ar.
O silêncio é o espaço da música:
Um espaço sem dimensão:
Não há silêncio salvo na mente.
O silêncio é uma ideia,
A ideia fixa da música.
A música não é uma ideia:
É movimento, sons caminhando sobre o silêncio
Silêncio é música
Música não é silêncio.

Publicado por vm em 12:07 AM | Comentários (0)

julho 13, 2007

FESTIVAL DE MÚSICA DE CALDAS DA RAINHA- IGREJA DE Nª SRª DO PÓPULO - 6ª-FEIRA- 13 de JULHO - 21 horas

6ª feira, 13, 21h00, Igreja Nossa Senhora do Pópulo
Recital de Violoncelo
estreia de uma obra encomendada pelo Mus&Caldas ao compositor Sérgio Azevedo

Raquel Reis, violoncelo

Programa: Kodally, Bach, Sérgio Azevedo

Publicado por vm em 05:23 PM | Comentários (0)

BRUNO BORRALHINHO - MOSTEIRO DE CELAS (COIMBRA) - INTEGRAL DOS CONCERTOS PARA VIOLONCELO E ORQ. DE CARL PHILIPP EMANUEL BACH - 21 de JULHO - 21,30 H

bruno borralhinho.jpg
MOSTEIRO DE CELAS (Coimbra)
21 de Julho (Sábado), às 21:30h


BRUNO BORRALHINHO, violoncelo
(solista e direcçao)

ORQUESTRA CLÁSSICA DO CENTRO

Integral dos Concertos para Violoncelo e Orquestra
de Carl Philipp Emanuel Bach

O violoncelista português BRUNO BORRALHINHO é membro da prestigiada orquestra alemã "Dresdner Philharmonie", sob direcção do maestro Raphael Frühbeck de Burgos. Nasceu na Covilhã em 1982 e inicia os seus estudos musicais aos 12 anos na Escola Profissional de Artes da Beira Interior onde estudou com o professor Luis Sá Pessoa durante 5 anos. Estudou entre 2000 e 2006 na classe do professor Markus Nyikos na “Universität der Künste”, em Berlim, onde concluíu a Licenciatura (2004) e a Pós-Graduação/Solista (2006) com a máxima classificação.
Bruno Borralhinho prossegue actualmente a sua formação com o prestigiado violoncelista norueguês Truls Mork. Frequentou também Masterclasses com Natalia Gutman, Pieter Wispelwey, Anner Bylsma, Martin Löhr, Lluis Claret, Márcio Carneiro, Jens-Peter Maintz, Martin Ostertag, Jian Wang e Thomas Demenga, e foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian entre 2001 e 2005.

Obteve o 1º Prémio no Concurso de Instrumentos de Arco Júlio Cardona em 1999 e o 1º lugar no “Prémio Jovens Músicos” organizado pela RDP - Radio Difusão Portuguesa em 2001. Enquanto solista, apresentou-se acompanhado pela Orquestra Gulbenkian e pela Orquestra Clássica do Centro na interpretação de obras de Haydn, Tchaikowsky e Lalo.
Bruno Borralhinho integrou a “Gustav Mahler Jugendorchester” e a “Jeunesses Musicales World Orchestra”, tendo ocupado o lugar de 1. Violoncelo-Solista nesta última. Foi ainda membro da Academia da "Staatskapelle Berlin“ entre 2004 e 2006, orquestra residente da Ópera Estatal de Berlim e estagiário na "DSO - Deutsches Symphonie Orchester Berlin“ em 2003, orquestras com as quais continua a colaborar regularmente, assim como com a "RSB – Rundfunk Symphonieorchester Berlin".
Ao longo destes anos, tocou em algumas das mais famosas salas de concerto por toda a Europa, Estados Unidos, Canadá e América do Sul. Trabalhou igualmente com maestros importantes - Daniel Barenboim, Claudio Abbado, Franz Welser-Möst, Kurt Masur, Kent Nagano, Yakov Kreisberg, Herbert Blomstedt, Christoph Eschenbach, Paarvo Jarvi - e solistas famosos - Anne Sophie Mutter, Martha Argerich, Maxim Vengerov, Daniel Müller-Schott, Alban Gerhardt, Pierre-Laurent Aimard, Rolando Villazón, Thomas Quasthoff - entre outros.

Publicado por vm em 12:07 AM | Comentários (0)

julho 10, 2007

NOVA EDIÇÃO de "GUILHERMINA" de Mário Cláudio

guilhermina.jpg
«Insólito, mas inegável, é que a frequência das tertúlias se entremostre com esse ambíguo aspecto, de festejo e de rito funerário, que a muitos, desde sempre, haverá de aterrar. Isso mesmo saberia Guilhermina, em certo subsolo seu, intocado ainda pela usura social. Ao ascender, num princípio de Abril, a escadaria flanqueada por duas ninfas candelárias, a uma outra impressão agudíssima se ajuntaria esta, das tais que um norte decidem, matrimónio de razão, escalada fatal aos cimos do Matterhorn. A toda a volta, por entre a criadagem, andavam grupos de negro, num torvelinho que da profunda distância a alcançava. Tinha Pablo à beira, tentando persuadi-la a que acedesse a tocar, com essa altanaria de quem o patrocínio vai conceder à divulgação de uma habilidade[...]»

Dom Quixote

Publicado por vm em 05:41 PM | Comentários (1)

julho 09, 2007

2º FESTIVAL INTERNACIONAL DE SAXOFONE DE PALMELA - 9 A 14 de JULHO DE 2007

saxofones 1.jpg

Publicado por vm em 12:29 AM | Comentários (0)

julho 08, 2007

PAULO GAIO LIMA NO "III CURSO PARA JÓVENES MÚSICOS - SANTA MARÍA DEL PAULAR - de 2 a 14 de JULHO de 2007

III-cartel.jpg

Publicado por vm em 02:30 PM | Comentários (0)

julho 06, 2007

MUSICATLANTICO - FESTIVAL AÇORES 2007 - "CÂNTICOS TRADICIONAIS DA CÓRSEGA"

fest atl 9.jpg

Publicado por vm em 10:20 AM | Comentários (0)

julho 05, 2007

recital no teatro miguel franco - leiria - 06 DE jULHO - 21,30 HORAS

Recital de Sílvia Cancela (flauta) e Ana Marques (piano)

Obras de:
Jindrich Feld, Otar Taktakishivili, Aaron Copland e Pedro Faria Gomes («Fantasy on a theme by Copland»)

Publicado por vm em 11:13 AM | Comentários (0)

MUSICATLANTICO - FESTIVAL AÇORES 2007 - "KING'S SINGERS"

fest atl 8.jpg

Publicado por vm em 09:01 AM | Comentários (0)

julho 03, 2007

A EUROPA E OS NOVOS DESAFIOS GEOPOLÍTICOS CONTEMPORÂNEOS - Instituto FRANCO-PORTUGUÊS - 4 de Julho - 18,30h

"A Europa e os Novos Desafios Geopolíticos Contemporâneos" é o tema da conferência que Ignacio Ramonet, director do Le Monde diplomatique, vai dar, a convite da edição portuguesa, na próxima quarta-feira, dia 4.

O encontro terá lugar no Instituto Franco-Português (Av. Luís Bivar, nº 91 - Lisboa) a partir das 18h30.


Publicado por vm em 08:06 AM | Comentários (0)

MUSICATLANTICO - FESTIVAL AÇORES 2007 - "ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOA - ELISABETE MATOS"

fest atl 7.jpg

Publicado por vm em 01:48 AM | Comentários (1)

julho 01, 2007

MUSICATLANTICO - FESTIVAL AÇORES 2007 - "L'ARPEGGIATA"

fest atl 6.jpg

Publicado por vm em 06:15 PM | Comentários (0)

Arquitectura: FRANCISCO ADÃO DA FONSECA -Português em segundo lugar em concurso na Holanda

Haia, 30 Jun (Lusa) - O arquitecto português Francisco Adão da Fonseca conquistou esta semana o segundo lugar no Archiprix, um dos mais importantes concursos de arquitectura da Holanda.

Francisco Adão da Fonseca, 28 anos, mestrando na Universidade Técnica de Delft, alcançou o segundo lugar entre 500 participantes com um projecto de intervenção na Zona Oeste de Amesterdão.

Intitulado "Osdorp Rings", trata-se de um edifício multifuncional direccionado para centro de luta desportiva da comunidade turca de Amesterdão.

Segundo o autor, "Osdorp Rings é um edifício erguido em terra armada e vigas pré-esforçadas em bambu que desafia a construção moderna, propondo paredes arborizadas feitas em terra e cabos de aço".

"Tem paredes sólidas que lembram encostas verdes de montanhas, é um edifício que propõe soluções para a standardização do bambu, utiliza o bambu dum modo verdadeiramente inovador", explicou Francisco Adão da Fonseca à Lusa.

"Sendo a Holanda o país com maior projecção mundial a nível de arquitectura, o prémio Archiprix torna-se duplamente prestigiante", sustenta Adão da Fonseca.

O Archiprix destina-se a destacar os novos talentos do país, podendo a ele candidatar-se todos os estudantes finalistas das faculdades e academias holandesas.

Segundo o jovem arquitecto português, que se mudou para a Holanda há sete anos, existem muitos outros estudantes portugueses de Arquitectura a despontar na Holanda.

"Se há alguma coisa que os distingue dos outros arquitectos é a grande capacidade de trabalho e uma gosto único pelo improviso", justifica Adão da Fonseca.

O prémio Archiprix é atribuído anualmente desde 1979 aos melhores projectos de formatura dentro das áreas de arquitectura, urbanismo, desenvolvimento imobiliário e arquitectura paisagista.
Uma exposição itinerante com os projectos finalistas viajará agora por toda a Europa durante um ano.
JLM.

Lusa/Fim.

Publicado por vm em 12:11 AM | Comentários (0)

VIANNA DA MOTTA - BEETHOVEN - SALÂO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL DE LISBOA

v da motta.jpg
Em 1921, Mestre Vianna da Motta representa Portugal no Congresso Internacional de Música de Paris e em 1927 faz o mesmo oficio nas comemorações centenárias de Beethoven, em Viena.
Em Lisboa celebra o artista pessoalmente o histórico acontecimento executando, numa memorável série de recitais realizados no Conservatório, as trinta e duas sonatas para piano do mestre de Bona, convertendo o produto dos recitais no Prémio Beethoven, a atribuir alternadamente, por concurso, a alunos do Conservatório que houvessem concluído os seus cursos de Piano e de Composição com a máxima classificação — generosa iniciativa que, arbitrariamente, foi sustada após a sua aposentação, em 1938, o que muito lhe amargurou os últimos anos da sua existência

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 30, 2007

MUSICATLANTICO - FESTIVAL AÇORES 2007 - "ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOA - ANA FERRAZ"

fest atl 4.jpg

Publicado por vm em 02:49 PM | Comentários (0)

junho 29, 2007

MUSICATLANTICO - FESTIVAL AÇORES 2007 - "MEDIAE VOX ENSEMBLE"

fest atl 5.jpg

Publicado por vm em 12:01 AM | Comentários (0)

Eurico Pereira vence concurso de guitarra em Londres

Lisboa, 28 Jun (Lusa) - O guitarrista português Eurico Pereira venceu a Competição Internacional de Música de Londres 2007, uma iniciativa do Anglo-Czechoslovak Trust que decorreu a 23 e 24 de Junho na capital britânica.

Realizado na Igreja de Santo André, o evento contou com a participação de músicos de mais de 15 países, em sete categorias: cordas, guitarra, canto, piano, metais, madeiras e ensembles.

O primeiro português a vencer este concurso, Eurico Pereira deslocar-se-á em Novembro a Praga, para dar um concerto, no dia 28, no Auditório Martinu do Palácio Lichtenstejn.

Eurico Pereira iniciou os estudos de guitarra aos 9 anos e foi o único aluno a obter nota 20 no exame final do Conservatório de Lisboa, tendo continuado a estudar na Universidade de Évora.

Em 2002, foi lançado um álbum intitulado "4 Compositores Portugueses", com peças executadas pelo músico de obras que lhe foram dedicadas por prestigiados compositores.

O guitarrista foi convidado para frequentar a Academia Real de Música em 2003, com uma bolsa completa, pela direcção das Escolas Reais de Música, tendo-se tornado aluno do mestre da guitarra Michael Lewin.

Participou em vários festivais no estrangeiro e, mais recentemente, fez uma digressão por Portugal, com o patrocínio da Fundação do Oriente.

ANC.
Lusa/fim

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 26, 2007

SINFONIETTA DE LISBOA- SOCIEDADE DE GEOGRAFIA DE LISBOA - 27 de JUNHO - 21,30 h

sin de lisboa.jpg

Publicado por vm em 07:17 PM | Comentários (0)

TRIO MEDITERRAIN DE VOLTA A PORTUGAL- POMBAL(29/06) - LEIRIA (30/06) e COIMBRA (01/07)

Laura Ruiz Ferreres, Clarinete
Bruno Borralhinho, Violoncelo
Kim Barbier, Piano

POMBAL - 29 de Junho (sexta-feira) às 21:30h
Teatro-Cine de Pombal
Obras de Beethoven, Zemlinksy, Côrte-Real e Glinka.

LEIRIA - 30 de Junho (sábado) às 21:30h
25. Festival "Música em Leiria"
Teatro Miguel Franco
Obras de Beethoven, Zemlinksy, Côrte-Real e Glinka.

COIMBRA - 1 de Julho (domingo) às 21:30h
TAGV - Teatro Académico Gil Vicente
Obras de Beethoven, Glinka e Zemlinksy.


--------------------------------------------------------------------------------

Publicado por vm em 05:45 PM | Comentários (0)

MUSICATLANTICO - FESTIVAL AÇORES 2007 - "THE SWINGLE SINGERS"- TEATRO MICAELENSE, 28 de JUNHO - 21,30h

fest atl 3.jpg

Publicado por vm em 10:49 AM | Comentários (0)

RECITAL DE VIOLONCELO E PIANO- CENTRO CULTURAL VILA-FLOR-PEQUENO AUDITÓRIO- GUIMARÃES - 30 de Junho - 22 horas

j a pereira sousa.jpg
Sábado, 30 de Junho – 22h00
Recital de Violoncelo e Piano
José Augusto Pereira de Sousa e violoncelo
Emídio Teixeirapiano
Pequeno Auditório
Preço: € 7,50 / €5,00 c/desconto
José Augusto Pereira de Sousa e Emídio Teixeira, dois exímios intérpretes, apresentam um programa que percorre obras, para piano e violoncelo, de Bach, Beethoven e Brahms. Com um percurso musical notável, José Augusto Pereira de Sousa e Emídio Teixeira apresentam-se regularmente em concertos por todo o país, merecendo destaque o recital, que protagonizaram em conjunto, na homenagem aos 120 anos de nascimento de Guilhermina Suggia.

CENTRO CULTURAL VILA FLOR-GUIMARÃES

Programa
I
Bach: Sonata em sol M, BWV 1027
Beethoven: Sonata op. 5 Nº 2, sol m
II
Brahms: Sonata op.38, mi m
Maiores de 12

Publicado por vm em 12:17 AM | Comentários (0)

junho 24, 2007

CONCERTOS DIRECTOS- ORQUESTRA JOVEM DO CONSERVATÓRIO NACIONAL- 27/06 às 19h

!cid_4913B6B1-2404-4CA0-A9CA-8413A78731A7@local.jpg
CONCERTOS DIRECTOS
ANTENA 2 | BIBLIOTECA DO CONSERVATӒIO NACIONAL

OJCN
direc磯: Miguel Ivo Cruz

Programa:
Vivaldi
Concerto para duas trompas

J.S.Bach
Concerto para dois violinos

Stravinsky
Apolo e as Musas

Publicado por vm em 03:00 PM | Comentários (0)

"MUSICATLANTICO" - FESTIVAL AÇORES 2007 - de 28 de Junho a 9 de Julho

fest atl 2.jpg

Publicado por vm em 11:30 AM | Comentários (0)

junho 23, 2007

"MUSICATLANTICO" - FESTIVAL AÇORES 2007 - de 28 de Junho A 9 de Julho

fest atl 1.jpg

Publicado por vm em 05:27 PM | Comentários (0)

junho 22, 2007

CÃOCERTO - PRQUENOS VIOLINOS DA METROPOLITANA - AULA MAGNA - 24 de Junho - 16 horas

caocerto
Os Pequenos Violinos da Metropolitana são uma orquestra composta por cerca de 35 crianças, dos 3 aos 14 anos, que fazem música como gente grande. Dedicam anualmente um dos seus concertos a uma instituição. Os professores d’Os Pequenos Violinos consideram fundamental incutir um espírito de solidariedade e de atenção para com o próximo nos seus alunos.

Este ano lectivo, a receita da bilheteira reverterá integralmente para a União Zoófila, que, tem como objectivo principal a defesa, protecção e tratamento de animais domésticos em risco.

Programa:
Polish Dance, de E. Severn
Over the rainbow, de A. Arlem
Estrelinha - Popular


Participação
Todos os alunos dos Pequenos Violinos da Metropolitana
“Permallets”
Actriz Eunice Muñoz


Bilhetes – 10 euros
À venda na Orquestra Metropolitana de Lisboa e na sede da União Zoófila, Rua Padre Carlos dos Santos - S. Domingos Benfica (atrás da Igreja das Furnas), a partir do dia 4 de Junho. Poderão também ser adquiridos na Aula Magna no dia do espectáculo, a partir das 15h


Organização e Informações
Associação Música – Educação e Cultura
Orquestra Metropolitana de Lisboa
Telefones
+351 213 617 325
+351 213 617 320
Fax
+351 213 623 833
Endereço Electrónico
anso@oml.pt

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 20, 2007

ETERNO RETORNO - LER DEVAGAR - 5ª-feira, 21 de Junho às 21,30H

ETERNO RETORNO - LER DEVAGAR
Fábrica do Braço de Prata
Rua Gonçalo Palha, 26
(entrada pela R. da Fábrica do Material de Guerra, em frente aos correios.
Perto da Rotunda 25 de Abril e do Poço do Bispo)


Quinta-feira – 21 de Junho 21,30 h

TRIO

Ágnes Flanagan, violino
Irma Skenderi, viola
Peter Flanagan, violoncelo

BEETHOVENSerenade, op. 8


Publicado por vm em 10:01 AM | Comentários (9)

junho 18, 2007

"HISTÓRIA DE UM SEGREDO" de ÁLVARO MAGALHÃES - PÉ DE VENTO - Biblioteca Municipal Almeida Garrett

clip_image002.jpg

Publicado por vm em 06:47 PM | Comentários (0)

junho 15, 2007

ORQUESTRA DO ALGARVE - ABERTURA DE VAGAS: VIOLINO, OBOÉ,FLAUTA,CLARINETE

ORQUESTRA DO ALGARVE
Está aberto concurso para os seguintes lugares:
Violino - Chefe de naipe adjunto (2os violinos)
Oboé - solista b
Flauta - solista b
Clarinete - solista a
A seguir poderão encontrar toda a informação referente aos excertos orquestrais requeridos, bem como a data limite de candidatura e a data das respectivas audições.

Filipa Corrêa
(Gabinete de Comunicação/Communication Department)
Orquestra do Algarve
Associação Musical do Algarve
EN 125, Casa das Figuras - Horta das Figuras
8005-518 FARO
Tel.: 289 860 890-6. Fax: 289 860 899
Tlm.: 969 530 005
comunicacao@orquestradoalgarve.com
http://orquestradoalgarve.com

Violino/Violin
Chefe de Naipe Adjunto (2º Violinos): salário bruto € 2000 (Dois mil Euros)
Associate Principal (2nd Violins): Gross monthly salary of € 2000 (Portuguese tax about 20% and the Social Security fee can be free for the first year)


Concerto & excertos orquestrais (Concerto & orchestral excerpts)
1st Round
1º andamento/1st movement con cadenza of a Mozart concerto

W.A. Mozart
Sinfonia Nº 35 (Symphony No. 35)
Allegro com spirito: Página inteira (Whole page) 1st movement
Finale: Até ao fim da página (until the end of page) last movement

Sinfonia Nº 39 (Symphony No. 39)
Finale: Página inteira (whole page) last movement

S. Prokofiev
Sinfonia Clássica (Classical Symphony) 1st movement
Allegro: Do princípio até letra H (From the beginning to letter H)

2nd Round

L. Beethoven
Nona Sinfonia (Ninth Symphony)
De “Lo stesso tempo” 12/8 até ao fim (from “Lo stesso tempo” until the end) 3rd movement

Berlioz
Symphonie Fantastique
Do nº 1 até ao Nº 2 (From No. 1 to No. 2) 1st movement
Do nº 17 até ao Nº 19 (From No. 17 to No. 19)

Schumann
Sinfonia Nº 2 (Symphony No. 2)
Scherzo: Do princípio até ao Trio (From the beginning to the Trio)

J. Brahms
Sinfonia nº 2 (Symphony No. 2) 1st movement
Do princípio da página até letra F (From the beginning of page to letter F)

J. Strauss
Don Juan
Toda a primeira página (The whole first page)

Informações adicionais / Further details:
A Orquestra do Algarve está localizada em Faro, no Sul de Portugal. Tem participado em vários Festivais Internacionais de Música e já gravou cds para a etiqueta NAXOS e MARCO POLO.

The Orquestra do Algarve is located in Faro, on the southern coast of Portugal. It has high international artistic standards, records for NAXOS and MARCO POLO and its activity includes international tours.


Início de Contrato: Novembro de 2007
Job availability: November 2007

Data limite da recepção de candidaturas: 3 de Julho
Closing date for application: 3th July

Local e data das audições: Faro, 10 de Julho de 2007, 11h00
Auditions location & dates: Faro (Portugal), 10th July 2007, 11h00am

Enviar Curriculum Vitae detalhado (gravação e/ou vídeo, se possível) para:
Highly qualified candidates should apply with detailed CV (if possible, also recording) to
Orquestra do Algarve
EN 125, Casa das Figuras – Horta das Figuras
8005-518 Faro, PORTUGAL
e-mail: producao@orquestradoalgarve.com
(Não se aceitam contactos via telefone/No phonecalls accepted)

Para mais informações sobre a actividade da Orquestra do Algarve, visite o nosso site:
Please check our website for more information:
www.orquestradoalgarve.com

Oboé/Oboe
Solista b: salário bruto € 2000 Euros
Soloist b: Gross monthly salary of € 2000 Euros (Portuguese tax about 20% and the Social Security fee can be free for the first year)

Concerto & excertos orquestrais (Concerto & orchestral excerpts)
1st Round
1º andamento/1st movement con cadenza of a Mozart concerto

Rossini
La scala di seta
Andatino e Allegro

Schubert
Sinfonía No. 9
Andante com moto: Do princípio até letra A (From the beginning to letter A)

Mendelssohn
Sinfonia Nº 3 (Symphony No. 3)
1º andamento (1st movement):Andante com moto até (until) Allegro
Letra B até C (Letter B to C)
2º andamento (2nd movement): Da letra A até ao fim (From letter A to the end)

Bizet
Sinfonia em Dó maior (Symphony in C major)
2º andamento (2nd movement): Do nº 7 ao fim (From No. 7 to the end)

Brahms
Concerto para Violino (Violin Concerto)
2º andamento (2nd movement): Solo

Mahler
Sinfonia nº 3 (Symphony No. 3)
2º andamento (2nd movement): Página inteira anexa (Whole page included)

Ravel
Le Tombeau de Couperin
Prélude

Strauss
Don Juan
Do princípio até letra B (From the beginning until B)


Corne inglês (English horn):

Rossini
Guillaume Tell
Solo

Ravel
Concerto

Informações adicionais / Further details:
A Orquestra do Algarve está localizada em Faro, no Sul de Portugal. Tem participado em vários Festivais Internacionais de Música e já gravou cds para a etiqueta NAXOS e MARCO POLO.

The Orquestra do Algarve is located in Faro, on the southern coast of Portugal. It has high international artistic standards, records for NAXOS and MARCO POLO and its activity includes international tours.


Início de Contrato: Novembro de 2007
Job availability: November 2007

Data limite da recepção de candidaturas: 3 de Julho
Closing date for application: 3th July

Local e data das audições: Faro, 10 de Julho de 2007, 11h00
Auditions location & dates: Faro (Portugal), 10th July 2007, 11h00am

Enviar Curriculum Vitae detalhado (gravação e/ou vídeo, se possível) para:
Highly qualified candidates should apply with detailed CV (if possible, also recording) to
Orquestra do Algarve
EN 125, Casa das Figuras – Horta das Figuras
8005-518 Faro, PORTUGAL
e-mail: producao@orquestradoalgarve.com
(Não se aceitam contactos via telefone/No phonecalls accepted)

Para mais informações sobre a actividade da Orquestra do Algarve, visite o nosso site:
Please check our website for more information:
www.orquestradoalgarve.com


Clarinete/Clarinet
Solista a e Clarinete Baixo: salário bruto € 2.250,00 (dois mil duzentos e cinquenta euros)
Soloist a and Bass clarinet: Gross monthly salary of € 2.250,00 Euros (Portuguese tax about 20% and the Social Security fee can be free for the first year)

Concerto & excertos orquestrais (Concerto & orchestral excerpts)
1st Round
1º andamento/1st movement con cadenza of a Mozart concerto

W.A. Mozart
Concerto para clarinete (Clarinet concerto)
Clarinete de Si bemol (in B flat)

L. Beethoven
Sinfonia Nº 6 (Symphony No. 6)
17 últimos compassos do 1º andamento (Last 17 bars of 1st movement)
2º andamento (2nd movement): Solo

F. Mendelssohn
Scherzo

F. Mendelssohn
Sinfonia Nº 3 (Symphony No. 3)
2º andamento (2nd movement): 2 excertos (2 excerpts)

Smetana
A Noiva vendida (The Bartered Bride)
1º clarinete (1st clarinet)

Rimsky-Korsakov
Caprice Espagnol
Alborada

2nd Round
Clarinete em Lá (in A)

F. Schubert
Sinfonia Nº 8
Andante com moto (Solo)

Dvorak
Sinfonia Nº 9 (Symphony No. 9)
4º andamento (4th movement) Solo

S. Prokofiev
Pedro e o Lobo (Peter and the Wolf)

D. Shostakovich
Sinfonia Nº 9 (Symphony No. 9)
Scherzo: 16 compassos (16 bars)


Clarinete Baixo em Si bemol (Bass clarinet in B flat)

Ravel
Daphins et Chioé
6 compassos antes da Nº 157 até ao fim (6 bars before No. 157 until the end)

J. Strauss
Till Eulenspiegel
Do Nº 31 ao 32 e do Nº 35 ao 38 (From No. 31 to 32 and from No. 35 to 38)

Schoenberg
Sinfonia de Câmara Nº 1 (Chamber Symphony No. 1)

Informações adicionais / Further details:
A Orquestra do Algarve está localizada em Faro, no Sul de Portugal. Tem participado em vários Festivais Internacionais de Música e já gravou cds para a etiqueta NAXOS e MARCO POLO.

The Orquestra do Algarve is located in Faro, on the southern coast of Portugal. It has high international artistic standards, records for NAXOS and MARCO POLO and its activity includes international tours.


Início de Contrato: Novembro de 2007
Job availability: November 2007

Data limite da recepção de candidaturas: 3 de Julho
Closing date for application: 3th July

Local e data das audições: Faro, 10 de Julho de 2007, 11h00
Auditions location & dates: Faro (Portugal), 10th July 2007, 11h00am

Enviar Curriculum Vitae detalhado (gravação e/ou vídeo, se possível) para:
Highly qualified candidates should apply with detailed CV (if possible, also recording) to
Orquestra do Algarve
EN 125, Casa das Figuras – Horta das Figuras
8005-518 Faro, PORTUGAL
e-mail: producao@orquestradoalgarve.com
(Não se aceitam contactos via telefone/No phonecalls accepted)

Para mais informações sobre a actividade da Orquestra do Algarve, visite o nosso site:
Please check our website for more information:
www.orquestradoalgarve.com

Flauta/Flute
Solista b: salário bruto € 2000 Euros (dois mil Euros)
Soloist b: Gross monthly salary of € 2000 Euros (Portuguese tax about 20% and the Social Security fee can be free for the first year)

Concerto & excertos orquestrais (Concerto & orchestral excerpts)
1st Round
1º andamento/1st movement con cadenza of a Mozart concerto

Beethoven
Leonora No. 3
Do Tempo I depois da letra D até à letra G (From Tempo I after letter D until letter G)

Sinfonia Nº3, Op. 55, Eroica (Symphony No.3, Op.55, Eroica)
4º Andamento (4th movement): Finale - Solo

Mendelssohn
Scherzo
De 2 compassos antes da letra O até ao fim (From 2 bars before letter O to the end)

Brahms
Sinfonia No. 4 (Symphony No. 4)
De 8 compassos antes do 3/2 até ao fim (From 8 bars before the 3/2 until the end)

2nd Round
Dvorak
Sinfonia No. 8 (Symphony No. 8)
4º andamento (4th movement): Da letra C até F (From letter C to F)

J.S. Bach
Matthaus Passion - Arie: Aus Liebe will mein Heiland Sterben
Compassos 1-13

Ravel
Daphnis et Chloé
Do nº 176 até ao 2º compasso de 179 (From No. 176 to the 2nd bar of 179)

Flautim (Piccolo):

Rossini
La gazza ladra
De 18 compassos depois da letra D até E (From 18 bars after D to E)

Tchaikovsky
Sinfonia No. 4 (Symphony No. 4)
Scherzo: Da letra E até ao fim (From letter E to the end)

Ravel
Concerto para (for) piano em Sol (in G)
Do princípio até ao n.º 2 (From the beginning to No. 2)

Informações adicionais / Further details:
A Orquestra do Algarve está localizada em Faro, no Sul de Portugal. Tem participado em vários Festivais Internacionais de Música e já gravou cds para a etiqueta NAXOS e MARCO POLO.

The Orquestra do Algarve is located in Faro, on the southern coast of Portugal. It has high international artistic standards, records for NAXOS and MARCO POLO and its activity includes international tours.


Início de Contrato: Novembro de 2007
Job availability: November 2007

Data limite da recepção de candidaturas: 3 de Julho
Closing date for application: 3th July

Local e data das audições: Faro, 10 de Julho de 2007, 11h00
Auditions location & dates: Faro (Portugal), 10th July 2007, 11h00am

Enviar Curriculum Vitae detalhado (gravação e/ou vídeo, se possível) para:
Highly qualified candidates should apply with detailed CV (if possible, also recording) to
Orquestra do Algarve
EN 125, Casa das Figuras – Horta das Figuras
8005-518 Faro, PORTUGAL
e-mail: producao@orquestradoalgarve.com
(Não se aceitam contactos via telefone/No phonecalls accepted)

Para mais informações sobre a actividade da Orquestra do Algarve, visite o nosso site:
Please check our website for more information:
www.orquestradoalgarve.com



Publicado por vm em 12:40 PM | Comentários (6)

junho 14, 2007

CONCERTO DO 10º ANIVERSÁRIO DO CORO DE CÂMARA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA- 16 de JUNHO - IGREJA DE S. ROQUE - 21, 30 h

Com a participação da Orquestra Sinfonietta de Lisboa,
do organista David Cranmer e Solistas

16 Junho | Igreja de S. Roque | 21h30 |
Entrada Livre

O Coro de Câmara da Universidade de Lisboa celebra este ano o seu décimo aniversário. Para comemorar esta efeméride, o Coro de Câmara da Universidade de Lisboa realizará, com a Orquestra Sinfonietta de Lisboa, um concerto na Igreja de São Roque, Sábado, dia 16 de Junho, pelas 21h30, com o seguinte programa: Magnificat (Bach) e Díptico Mariano, obra especialmente composta para a ocasião por Eurico Carrapatoso. Participarão no concerto o organista David Cranmer e os solistas Sandra Medeiros, Joana Nascimento, Marco Alves dos Santos e Armando Possante. A Direcção é dos maestros José Robert e Vasco Pearce de Azevedo.

Este agrupamento é responsável pela estreia mundial de várias obras, entre as quais, a Missa Brevis em memória de Aristides de Sousa Mendes, de Sérgio Azevedo, e por inúmeras estreias nacionais. Tem-se apresentado na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, no Pequeno Auditório do CCB, no Grande Auditório da Culturgest, no Europarque, e noutros palcos de referência.

1ª Parte

Díptico Mariano (estreia absoluta), Eurico Carrapatoso

Coro de Câmara da Universidade de Lisboa

David Cranmer, órgão

Direcção: Maestro José Robert

2ª Parte

Magnificat, J. S. Bach
Coro de Câmara da Universidade de Lisboa
Orquestra Sinfonietta de LisboaDavid Cranmer, órgão

Sandra Medeiros, soprano
Joana Nascimento, contralto
Marco Alves dos Santos, tenor
Armando Possante, baixo


Direcção: Maestro Vasco Pearce de Azevedo


Igreja de S. Roque
Largo Trindade Coelho, Lisboa
Acessos
Autocarros da CARRIS: 58 e 100
Elevador da Glória
Estação de Metro “Baixa-Chiado”, saída para o Largo do Chiado


Mais informações
João Robert, tlm.: +351 934 581 195
Patrícia Sá, tlm.: +351 969 146 273


Publicado por vm em 07:56 PM | Comentários (0)

junho 13, 2007

CONCERTOS DE MÚSICA na " LER DEVAGAR" - CICLO OUVIR DEVAGAR- SOLISTAS DA ORQUESTRA METROPOLITANA

A livraria Ler Devagar vai iniciar um ciclo de música clássica com os solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa. Este ciclo terá inicio no mês de Junho, com dois concertos.
A entrada é livre.

PROGRAMA

sex 15 Jun 21h30

QUARTETO
Janete Santos, flauta
Adrian Florescu, violino
Gerardo Gramajo, violoncelo
Ana Cláudia Serrão, violoncelo

W. A MOZART :
– Quarteto em Sol maior, KV 285a.
– Quarteto em Ré maior, Kv 285
– Quarteto em Dó maior Kv 285b


qui 21 Jun 21h30

TRIO
Ágnes Flanagan, violino
Irma Skenderi, viola
Peter Flanagan, violoncelo

BEETHOVEN – Serenade, op. 8

Publicado por vm em 06:43 PM | Comentários (0)

CASA-MUSEU TEIXEIRA LOPES - ESCULPINDO A MÚSICA. 6ª-feira, 15/Junho/2007

Casa museu T Lopes.jpg

Publicado por vm em 03:16 AM | Comentários (0)

junho 12, 2007

CURSO DE DIRECÇÃO CORAL E CANTO - 25 de JULHO a 4 de AGOSTO - ESPOSENDE

c art esposende

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (3)

junho 09, 2007

MARIA JOÃO PIRES VENCE PRÉMIO EDUARDO LOURENÇO 2007

m joao pires.jpg
A pianista Maria João Pires é a vencedora da terceira edição do Prémio Eduardo Lourenço, no valor de 10 mil euros, atribuído pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), sedeado na Guarda.
A decisão foi anunciada esta sexta-feira por António Avelãs Nunes, vice-reitor da Universidade de Coimbra, no final de uma reunião do júri realizada na Câmara Municipal da Guarda.


O prémio, que tem o nome do ensaísta Eduardo Lourenço - mentor e presidente honorário do CEI - destina-se a distinguir personalidades ou instituições de língua portuguesa ou espanhola «que tenham sido protagonistas de uma intervenção relevante e inovadora no âmbito da cooperação e no domínio das identidades, das culturas e das comunidades ibéricas».

António Avelãs Nunes anunciou que o júri atribuiu a distinção a Maria João Pires, por unanimidade, «pela personalidade de humanista que a pianista tem sabido imprimir à sua obra», contribuindo para «a difusão da cultura musical».

Considerou a pianista como uma «grande personalidade da cultura ibérica e mundial», e referiu que Maria João Pires teve «a preocupação em inserir nesta zona raiana uma das apostas fortes da vida dela», referindo-se ao Centro para o Estudo das Artes de Belgais (Castelo Branco), projecto fundado pela pianista.

«Uma das meninas dos olhos dela é a obra que tem desenvolvido a partir de Belgais, que enquadra todas as populações raianas, aproximando todos os povos», disse à Agência Lusa.

«É uma grande personalidade da cultura mundial que tem tido particular preocupação de desenvolvimento no âmbito da cultura ibérica, com grandes concertos em todo o espaço ibérico e preocupações educativas a que tem dado grande atenção», frisou o vice-reitor.

Assinalou que o CEI «sente-se honrado» com a candidatura vencedora que foi apresentada pela Universidade de Coimbra.

Nascida a 23 de Julho de 1944, em Lisboa, Maria João Pires deu o seu primeiro recital aos cinco anos, mas o seu talento só foi reconhecido internacionalmente em 1970, quando venceu o Concurso Internacional do Bicentenário de Beethoven, em Bruxelas.

Interpretando obras de Bach, Beethoven, Schumann, Schubert, Mozart, Brahms e Chopin viajou por todo o mundo, tornando-se uma presença regular em salas de concerto da Europa, Canadá, Japão, Israel e nos Estados Unidos.

Em 1989 recebeu o Prémio Pessoa e, em 1999, fundou o Centro para o Estudo das Artes, em Belgais.

Além dos reitores das Universidades de Coimbra e Salamanca, integraram o júri José Manuel Mendes (presidente da Associação Portuguesa de Escritores), Teresa Patrício Gouveia (Fundação Calouste Gulbenkian), José Luís Puerto (poeta e tradutor de Miguel Torga) e António Colinas (vencedor do Prémio Nacional de Poesia de Espanha).

A sessão solene de entrega do prémio hoje atribuído terá lugar a 6 de Julho, na Guarda.

As duas anteriores edições do prémio Eduardo Lourenço contemplaram Maria Helena da Rocha Pereira, catedrática jubilada da Universidade de Coimbra na área da Cultura Greco-Latina e o jornalista espanhol Agustín Remesal, antigo correspondente da TVE em Lisboa.

O CEI é uma associação transfronteiriça sem fins lucrativos que nasceu de uma ideia do ensaísta Eduardo Lourenço lançada na sessão comemorativa do 8º Centenário do Foral da Guarda em 1999.

Foi criado em 2000 pela Câmara Municipal da Guarda e pelas Universidades de Coimbra e de Salamanca (Espanha), integrando mais tarde o Instituto Politécnico da Guarda.

Diário Digital / Lusa






Publicado por vm em 10:59 AM | Comentários (1)

HOMENAGEM EM MADRID A EUGÉNIO DE ANDRADE

eug and.bmp
A relação de Eugénio de Andrade com a Espanha e a poesia espanhola é o tema da homenagem ao poeta que se realiza domingo e segunda-feira no Ateneo de Madrid, anunciou hoje, no Porto, fonte da Fundação Eugénio de Andrade

Na sessão inaugural, presidida pelo embaixador de Portugal em Espanha, José de Moraes Cabral, usarão da palavra o secretário do Ateneo, Alejandro Sanz, o poeta e tradutor Jesus Munárriz, o presidente da Fundação Eugénio de Andrade, Arnaldo Saraiva, e o presidente do BPI, Artur Santos Silva, empresa que patrocina a iniciativa.

Na homenagem, que assinala o segundo ano da morte do poeta nascido no Fundão mas que viveu quase toda sua vida no Porto, participam críticos e tradutores da sua obra.

Está ainda previsto um recital de poemas a cargo de Elisabet Gelabert e de Jorge Silva Melo.

O programa prevê ainda a projecção de um documentário sobre a vida e obra de Eugénio de Andrade e uma exposição biobibliográfica.

Lusa/SOL

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 07, 2007

JOÃO PEDRO OLIVEIRA LAUREADO COM o 1º PRÉMIO NO "34.e CONCOURS DE BOURGES

CD_MusicaPortuguesa.jpg
O Trio Mediterrain tem o prazer de anunciar que o compositor português João Pedro Oliveira acaba de ser laureado com o 1º Prémio no "34e Concours Internationaux de Musique et d’Art Sonore Electroacoustiques de Bourges" na categoria de música instrumental e electrónica. A obra que mereceu esta distinção foi "BEYOND" (Clarinete, Violoncelo, Piano e Electrónica), uma obra encomendada pelo Trio Mediterrain ao compositor em 2006 e que o grupo incluíu no CD "Música Contemporânea Portuguesa", um trabalho publicado igualmente em 2006 pelo selo discográfico austríaco "CCR".

João Pedro Oliveira é um dos compositores portugueses mais prestigiados e reconhecidos no
estrangeiro e este prémio confirma mais uma vez a qualidade do trabalho deste jovem
compositor, especialmente pelo facto de este ser um dos concursos mais importantes do
mundo no que diz respeito à música electrónica erudita.


Mais informações sobre o compositor:
"http://www.mic.pt/ingl/presentation.html?/cimcp/dispatcher?where=0&what=2&show=0&pessoa_id=133";

Mais informações sobre o concurso:
"www.imeb.net"

Mais informações sobre o Trio Mediterrain

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 05, 2007

JACINTO LUCAS PIRES NA FEIRA DO LIVRO - 6 de Junho - 18 horas

JacintoLucasPires2.jpg
STAND 122/126
LIVROS COTOVIA

Publicado por vm em 10:09 AM | Comentários (0)

ESCULPINDO A MÚSICA -GUILHERMINA SUGGIA- Encontros com a ARTE - CASA-MUSEU TEIXEIRA LOPES - 15 de Junho - 21,30h

Esculpindo a musica com.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 03, 2007

TEATRO DA CORNUCÓPIA - "A GAIVOTA" de ANTON TCHEKOV ATÉ 24 de JUNHO

a gaivota.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 02, 2007

OLGA PRATS UM PIANO SINGULAR - Conversas com SÉRGIO AZEVEDO - LANÇAMENTO 5 de Junho - 18,30h - PALÁCIO DA INDEPENDÊNCIA

Lancamento 5-6-2007.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

junho 01, 2007

CASA DA MÚSICA - SALA SUGGIA - 01 de Junho

casa musica a.jpg

Publicado por vm em 08:29 AM | Comentários (0)

OPERA. --Le chanteur franco-portugais Jorge Chaminé est à Bayonne et à Bordeaux pour deux concerts à la mémoire d'Aristides de Sousa Mendes, le « Juste de Bordeaux et de la Côte basque

J chamine.jpg
Le baryton et le consul
:Christophe Lucet

« Aristides de Sousa Mendes m'habite depuis longtemps : il incarne cette action nécessaire que chacun peut mener en suivant sa conscience pour finir par se trouver soi-même. » Jorge Chaminé n'était pas né quand mourut dans l'oubli total l'ancien consul général du Portugal à Bordeaux, auquel des dizaines de milliers de juifs, de Tsiganes et de réprouvés de tous les pays doivent d'avoir échappé à la botte nazie en juin 1940.
Mais ce chanteur aujourd'hui célèbre n'en finit pas de méditer sur l'héroïsme d'un compatriote qui, au mépris de sa carrière, fut capable de braver les ordres du dictateur Salazar et d'accomplir, en quelques jours brûlants, la plus grande action individuelle de sauvetage de la Seconde Guerre mondiale. « Je le vois distribuant les visas à tour de bras, je pense à sa femme cuisant de la soupe pour tous ceux qui passaient au consulat, à ses 13 enfants tombés dans la misère, à sa dépouille mortelle enveloppée d'une simple robe de bure franciscaine. »


Chanter un jour en mémoire de ce « Juste parmi les Justes » était un rêve pour Jorge Chaminé. Collégien en 1970, il y songeait quand, militant de 14 ans, il fut arrêté par la police du vieux dictateur dont le régime vacillait. Enfant de la révolution des oeillets, déjà chanteur, acteur et violoncelliste, le garçon y pense encore quand il part, en 1978, conquérir Paris, dans le bus qui conduit en France les travailleurs immigrés de son Porto natal.

En huit langues. Mais ce n'est qu'en 2005, à l'Unesco, que Chaminé, devenu entre-temps un des barytons d'opéra les plus en vue de la scène internationale et l'époux de la pianiste française Marie-Françoise Bucquet, a rendu le tribut tant désiré à Sousa Mendes. Deux concerts au cours desquels cet artiste polyglotte à la voix puissante et suave, disciple de Lola Rodriguez de Aragon, Hans Hotter et Teresa Berganza, a réuni les musiques du monde en un bouquet de huit langues.
Des racines portugaises à la musique arabo-andalouse, des chants juifs séfarades à la musique tsigane, l'artiste avait dédié à Sousa Mendes un échantillon de cette « Arche de Noé » que l'héroïque consul avait improvisée en juin 1940 au bord de la Garonne. « Parmi tous ceux qu'il a sauvés figuraient des musiciens peu connus comme Korngold, et cela me touche infiniment », lâche Chaminé, qui consacre beaucoup d'énergie à promouvoir de jeunes musiciens et à animer des « master classes » que fréquentent des centaines de futurs artistes.
Artiste citoyen, maniant à la charnière des cultures l'universel langage de la musique, ce coeur généreux s'est porté aux avant-postes de la cause de la paix. Réunir des musiciens israéliens et palestiniens, et défendre le patrimoine musical moyen-oriental est un des engagements de cet « ambassadeur de bonne volonté » de l'organisation Music in The Middle East. Et l'Unesco lui a déjà décerné la médaille des droits de l'homme, en hommage aux concerts donnés et actions caritatives menées des favelas de Rio et de Bogota aux hôpitaux de Rangoun au profit de l'enfance abandonnée et souffrante.

Don de soi. C'est ce chanteur accompli musicalement et humainement que les Aquitains vont découvrir ou retrouver à Bayonne et Bordeaux. Avec deux guitaristes (Benoît Maurel et l'Espagnol Daniel Diaz), un bandonéoniste (Olivier Manoury) et un percussionniste (l'Argentin Javier Estrella), il a conçu « une invitation au voyage du Tage au Jourdain, du Guadalquivir au Rio de la Plata ». Aussi convaincant quand il fredonne le tango, les mélodies brésiliennes de Vinicius de Moraes (1) ou les fados de son pays que le grand répertoire classique, Jorge Chaminé est au sommet de son art.
Mais cette excellence n'a de sens pour lui « que si le public la partage ». Et le chanteur ne cache pas son inquiétude devant la tendance de certains artistes à oublier le service de la musique : « On donne moins. » Et c'est bien là que l'exemple d'Aristides de Sousa Mendes resurgit comme exigence du don de soi.
(1) Le label Alma Latina a publié en 2005 « Jorge Chaminé chante Vinicius » (volume 1).


Publicado por vm em 12:09 AM | Comentários (0)

maio 27, 2007

JORGE SILVA MELO NA FEIRA DO LIVRO - 2ª-FEIRA - 18.00 H - LIVROS COTOVOVIA

seculopassado.PNG
Amanhã - 28 de Maio - 18,00 H

STAND 122/126

LIVROS COTOVIA

JORGE SILVA MELO autografa o seu mais recente livro

"SÉCULO PASSADO"

Publicado por vm em 06:04 PM | Comentários (0)

9º CONCURSO DE INTERPRETAÇÂO DO ESTORIL (DE 20 a 22 de JULHO de 2007) - INSCRIÇÕES ATÉ 20 de JUNHO

9 concurso estoril.jpg

Publicado por vm em 12:30 PM | Comentários (0)

maio 26, 2007

JORGE CHAMINÉ NUMA HOMENAGEM A ARISTIDES DE SOUSA MENDES - BAYONNE SUD-AQUITAIN - 29 MAIO - 20,30H

J Chamine.jpg
Scène Nationale Bayonne Sud-Aquitain

29 mai 2007 à 20h30

Jorge Chaminé

hommage à Aristides Sousa Mendes

avec ses amis
Benoît Maurel, guitare - Daniel Díaz, guitare
Javier Estrella, percussions - Olivier Manoury, bandonéon

• Billetterie en ligne
En complément de la billetterie du Théâtre, vous pouvez désormais acheter vos billets sans frais sur le présent site : www.snbsa.fr

Publicado por vm em 11:10 PM | Comentários (0)

maio 24, 2007

JSBACH- SUITES PARA VIOLONCELO (IV-V-VI) - INTERPRETADAS POR JOSÉ PEREIRA DE SOUSA

bach- pereira sousa.jpg
Acaba de sair o CD com as 3 suites para violoncelo que faltavam (IV-V e VI), de J.S.BACH com interpretação de José Pereira de Sousa, no violoncelo MONTAGNANA que pertenceu a GUILHERMINA SUGGIA .
É uma edição da editora NUMÉRICA sob nº NUM 1146

Publicado por vm em 10:17 AM | Comentários (0)

maio 23, 2007

"LUIS DE FREITAS BRANCO" de ALEXANDRE DELGADO, ANA TELLES E NUNO BETTENCOURT MENDES - EDIÇÕES CAMINHO

Luis de Freitas Branco-capa aa.jpg
Compositor de rara precocidade, Luís de Freitas Branco escreveu a sinfonia dramática Manfred aos quinze anos. Em 1910 lançou a grande pedrada no charco com o poema sinfónico Paraísos Artificiais, marco da introdução do Modernismo em Portugal. Legou às gerações futuras um sem-número de partituras imorredoiras, do poema sinfónico Vathek às quatro Sinfonias, do Concerto para Violino aos Madrigais Camonianos e a tantas outras obras ainda hoje pouco conhecidas do público melómano.

Este livro convida a uma viagem quase labiríntica à descoberta de um dos maiores vultos da Cultura Portuguesa. É também uma obra de consulta obrigatória para todos aqueles, leigos ou especialistas, que desejem conhecer melhor a música de Luís de Freitas Branco, compreendê-la na sua riqueza ou simplesmente aprender a escutá-la.
Fruto de uma aprofundada investigação biográfica e musicológica, a presente obra traz à luz um manancial de informações inéditas, incluindo um conjunto de fotografias e documentos até há pouco inacessíveis, que transportam o leitor para um universo de verdadeira aristocracia musical como foi o de Luís de Freitas Branco, herdeiro em simultâneo das melhores tradições humanistas e responsável pela abertura da música portuguesa à modernidade.

Género(s): Não-ficção/ Música
Acabamento: brochado
Dimensão: 17x24 cm
Páginas: 504
Peso: 870 g Colecção: «Caminho da Música», n.º 28019
Código: 28.28019
ISBN: 978-972-21-1879-8
1.ª edição: Maio 2007

Publicado por vm em 08:20 PM | Comentários (4)

maio 22, 2007

PETIÇÃO ONLINE PELO ENSINO ARTÍSTICO

To:
Sr. Presidente da Assembleia da República,

Sr. Primeiro-Ministro,

Sra. Ministra da Educação,

Os abaixo-assinados, músicos, musicólogos, professores, alunos, e outros cidadãos particularmente preocupados com o Ensino Artístico, com a imagem do Estado e a Cultura Portuguesa, face ao caos que se vem instalando nas instituições públicas de Ensino Artístico, à desregulamentação dos regimes de frequência e à falta de meios com que o Ensino Artístico Especializado se depara, solicitam a Vossas Excelências a tomada de medidas de nível político, técnico e financeiro que visem:

* uma verdadeira universalidade de acesso ao Ensino Artístico, estabelecendo uma plataforma de conhecimentos culturais e artísticos a atingir ao nível da escolaridade obrigatória;

* a clarificação do estatuto dos Conservatórios, nomeadamente no que se refere à sua missão, como escolas de excelência artística, na formação de artistas e tendo em conta a especificidade de cada uma destas formações especializadas;

* a clarificação da legislação que regula o estatuto dos regimes de Ensino Artístico Especializado, no sentido de uma melhor articulação dos três regimes (integrado, articulado e supletivo) com o Ensino Geral, e permitindo uma verdadeira liberdade de escolha por parte das famílias do regime a frequentar pelos seus educandos;

* a regulamentação da contratação dos docentes do Ensino Artístico Especializado, dando clara preferência a uma vinculação contratual dos docentes às escolas e conservatórios;

* a regulamentação do regime de trabalho dos docentes-artistas do Ensino Artístico Especializado, tendo em conta que sem experiência regular de palco, não é possível ensinar os alunos a fazer face a essa experiência;

* a adequação do financiamento dos Conservatórios ao nível de exigência enquanto escolas de excelência e de Ensino Especializado, permitindo condições adequadas à qualidade de formação que se pretende, nomeadamente no que se refere ao desenvolvimento de aulas individuais, de instrumentos e instalações para estudo, e de meios técnicos adequados ao ensino das novas tecnologias na Arte;

* uma clara tomada de posição em favor do ensino público gratuito e de acesso universal;

Fazem-no pelos seguintes motivos:

* a Cultura, o Conhecimento e a prática artística são essenciais na formação pessoal e um direito de todos os cidadãos;

* a universalidade do Ensino Artístico promove a salvaguarda e o desenvolvimento do património cultural e artístico nacional, bem como a inovação;

* a fruição e o exercício da Arte são fundamentais para o exercício da liberdade e da cidadania, condição indispensável para uma sociedade desenvolvida;

* apenas a co-existência e adequada regulamentação dos três regimes de ensino permitem uma verdadeira liberdade de escolha por parte das famílias sobre o percurso escolar e a carreira profissional dos seus educandos, deixando aos jovens a possibilidade, se assim o entenderem, de ter uma formação artística sólida durante alguns anos, a par de uma outra formação no ensino geral, antes de tomar uma decisão que dificilmente é reversível;

* a existência de especialistas com dupla formação científica e artística é a única forma de desenvolver várias áreas essenciais no estudo das Artes e no desenvolvimento das próprias Artes na sua relação com as novas tecnologias;

* a actual insegurança e regime de contratação de curta duração têm gerado um ambiente de perturbação generalizada nas escolas do Ensino Artístico Especializado;

* apenas o Ensino Público pode garantir o livre acesso e a universalidade da formação a todos, sem discriminação, e a sua gratuitidade.

Conscientes de que este pedido se fundamenta no exercício de uma cidadania empenhada e participativa, os signatários esperam de Vossas Excelências a tomada de medidas com a urgência e a clareza que a presente situação justifica.

Sincerely,

The Undersigned


View Current Signatures petition online

Publicado por vm em 06:15 PM | Comentários (1)

maio 20, 2007

"APRENDER COM AS ROSAS" - CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE LISBOA - 23 de Maio - 21 H - GRUPO DE MÚSICA CONTEMPORÂNEA DE LISBOA

Música de Paulo Brandão
Libreto de Risoleta Pinto Pedro

Próxima quarta-feira, dia 23 de Maio pelas 21.00
Conservatório de Música de Lisboa, na Rua dos Caetanos, ao Bairro Alto:

APRENDER COM AS ROSAS-I
-imperceptível diálogo ao acordar de duas flores numa fronteira à hora da sesta-
Estreia absoluta

Encomenda e interpretação do Grupo de Música Contemporânea
direcção de João Paulo Santos

(Peça para dois sopranos, pícolo, flauta, clarinetes, percussões, vibrafone, harpa, piano, celesta, violino, viola e violoncelo.)

ENTRADA LIVRE

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

maio 19, 2007

VIII CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MUSICAL - ACADEMIA DE MÚSICA DE VILAR DO PARAÍSO

aperfeiocamento musical 1.jpg

Publicado por vm em 12:30 AM | Comentários (0)

ficha inscr.jpg

Publicado por vm em 12:25 AM | Comentários (0)

maio 18, 2007

FILIPE PINTO-RIBEIRO na CASA DA MÚSICA- SALA 2 - DIA 19 de MAIO - 18 horas

f pinto ribeiro.jpg
No dia 19 de Maio, Filipe Pinto-Ribeiro dará um recital de piano na Casa da Música, no Porto, com obras de Franz Liszt, Richard Wagner, Anton Bruckner e Claude Debussy.

Publicado por vm em 12:59 AM | Comentários (0)

maio 17, 2007

"UMA SOLIDÃO DEMASIADO RUIDOSA" de BOHUMIT HRABAL - ARTISTAS UNIDOS - CONVENTO DAS MÓNICAS

a unidos 1.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

maio 16, 2007

maio 15, 2007

CASA DA MÚSICA- SÁBADO, 19 de MAIO -22H - SALLA SUGGIA

casa musica.jpg

Publicado por vm em 10:39 AM | Comentários (0)

maio 12, 2007

OPUS ENSEMBLE 2007 - CCB - PEQ AUDITÓRIO 13 de Maio- 17,00 H

opus ensemble.jpg
Programa :
FRANZ JOSEPH HAYDN
SONATA Nº4 em Fá Maior
Adagio
Menuetto
Presto

ANTÓNIO VICTORINO D’ALMEIDA
DE PROFUNDIS À MEMÓRIA DE BRUNO PIZZAMIGLIO, Op. 130
(Obra dedicada ao Opus Ensemble)

LUDWIG VAN BEETHOVEN
VARIAÇÕES PROMETHEUS Op. 43

FERNANDO LOPES GRAÇA
GEORGICAS (Obra dedicada ao Opus Ensemble)

Pastoril
Idílico
Festivo
Contemplativo
Ritualmente
Gaio
Nocturnal
Rústico

b>OPUS ENSEMBLE

Fundado em 1980 por Bruno Pizzamiglio, Ana Bela Chaves, Olga Prats e Alejandro Erlich-Oliva. Prémio da Crítica (1982 e 1984), Sete de Ouro (1983), Troféu Nova Gente (1983, 1986 e 1987), Grande Prémio do Disco Rádio Renascença (1988), Prémio Bordalo – Casa da Imprensa (1993), Diploma de Mérito Nova Gente (1994). Actuações em Portugal continental, Açores, Madeira, Paris, Toulouse, Luxemburgo, Londres, Madrid, Huelva, Varsóvia, Cracóvia, New York, Boston, Newport, Washington, Tóquio, Osaka, Macau, Pequim, Seul, Bangcok, Rio de Janeiro, Buenos Aires e Montevideo. Vice-presidente da Assembleia Geral do Conselho Português da Música da UNESCO. Obras dedicadas por Fernando Lopes Graça, Joly Braga Santos, Fernando Corrêa de Oliveira, João Pedro Oliveira, Jorge Peixinho, Constança Capdeville, António Pinho Vargas, António Victorino d’Almeida e Laurent Filipe (Portugal), Ramón Barce e José Luis Turina (Espanha), Gerardo Gandini, Celina Kohan, Alejandro Erlich Oliva, Gustavo Beytelmann e Astor Piazzolla (Argentina), Egberto Gismonti (Brasil), Maurice Ohana e Edith Canat de Chizy (França), Guido Donati (Itália) e Vasco Martins (Cabo Verde). Após o falecimento de Bruno Pizzamiglio em Agosto de 1997, o Opus Ensemble continuou em trio de violeta, contrabaixo e piano. Nesta nova configuração, recebeu obras dedicadas por António Victorino d’Almeida, Laurent Filipe, Sérgio Azevedo, Clotilde Rosa e Eurico Carrapatoso (Portugal), Gerard Massias (França), Alejandro Erlich Oliva e Fernando Altube (Argentina). Em Agosto de 2005, Medalha de Mérito Cultural da República Portuguesa e incorporação permanente do oboísta Pedro Ribeiro. Discografia nos catálogos EMI (His Master’s Voice), EMI (Angel), EMI Classics, Numérica, RCA, Polygram, Portugalsom e Strauss-Portugalsom. Desde a sua fundação, o agrupamento inclui obras de compositores portugueses em todos os seus concertos, oferecendo assim uma inestimável contribuição para a difusão da cultura portuguesa no mundo.


Opus Ensemble :
Pedro Ribeiro (oboé)
Ana Bela Chaves (violeta)
Olga Prats (piano)
Alejandro Erlich Oliva (contrabaixo)

Duração: 70 minutos sem intervalo
Preço único: 15 euros


OPUS ENSEMBLE 2007

Concerto de apresentação do novo CD NUMERICA (NUM 1150). Duas notáveis composições de Fernando Lopes-Graça e de António Victorino d’Almeida, dedicadas ao Opus Ensemble, em primeira gravação discográfica mundial. O repertório inclui obras de Haydn e de Beethoven, abrangendo assim mais de três séculos de música instrumental europeia.
Uma nova manifestação de vitalidade na exemplar carreira do mais antigo e galardoado conjunto de câmara português.

* com transmissão em diferido na Antena 2 no dia 1 de Junho às 21h00, no espaço Grande Auditório.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

maio 10, 2007

"CABELO BRANCO É SAUDADE" NA SALA SUGGIA da CASA DA MÚSICA- 11 de Maio - 22 H

cabelo branco.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

maio 09, 2007

ACTIVIDADES NA GALERIA MATOS FERREIRA - ao Bairro Alto

Quarta-feira, Maio 09, 2007
Poesia e música, domingo, no Bairro Alto

Destaco da Newsletter da Galeria Matos Ferreira:

CONVITE PARA AS ACTIVIDADES CULTURAIS da Galeria Matos Ferreira ao Bairro Alto
R. Luz Soriano, 14 e 18
1200-247 Lisboa
PORTUGAL

13 de Maio de 2007 - Domingo, às 18h30: RECITAL DE POESIA e MÚSICA

Poeta: RISOLETA PINTO PEDRO; Pianista: PATRÍCIA GAVINHO

Mais comunicamos que a exposição de pintura de HENRIQUE GABRIEL permanecerá patente na Galeria até ao domingo, dia 10 de Junho, data na qual o Prof. Manuel Joaquim Gandra, proferirá pelas 16 horas uma palestra e lançará o livro “O ANJO CUSTÓDIO DE PORTUGAL”.

Sublinhamos ainda que a Galeria tem o seguinte horário de funcionamento: de terça-feira a sábado, das 19 às 2 horas e aos domingos e feriados das 15 às 20 horas.
Em todos os eventos, a entrada é livre e estará assegurado um serviço de bar permanente.
Com estas iniciativas a Galeria Matos Ferreira pretende contribuir para dinamizar este espaço cultural, que se assume já como único e inovador na cidade de Lisboa.

Para informações mais detalhadas devem contactar através do Tel.: 213 230 011, do Tlm.: 96 295 37 22, do email mfgaleria@netcabo.pt ou, em alternativa, ver a página Web
www.galeriamatosferreira.com

Publicado por vm em 07:29 PM | Comentários (0)

REMIX ENSEMBLE- 13 de Maio - 18 h - SALA SUGGIA

sala suggia.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

maio 08, 2007

HELMUT LACHENMANN NA CASA DA MÚSICA 9 a 13 de Maio

1 casa da musica.jpg

Publicado por vm em 10:03 AM | Comentários (0)

maio 05, 2007

"A GAIVOTA" de ANTON TCHEKHOV, PELA CORNUCÓPIA, NO TEATRO MUNICIPAL DE ALMADA

"A Gaivota", de Anton Tchekhov, sobe ao palco do Teatro Municipal de Almada (TMA) entre 10 e 20 de Maio, na encenação de Luís Miguel Cintra da peça, originalmente representada no Teatro da Cornucópia, em Lisboa, em 2006.
A reposição é uma co-produção entre o Teatro da Cornucópia e o TMA.

"A Gaivota", a primeira peça de Tchekhov encenada por Luís Miguel Cintra, estará em cena na Sala Principal do TMA entre quarta- feira e sábado às 21:00 e ao domingo às 16:00.


Publicado por vm em 04:57 PM | Comentários (0)

maio 03, 2007

OLGA PRATS UM PIANO SINGULAR - Conversas com SÉRGIO AZEVEDO

capa OlgaPratsa.jpg
É pela voz da incontornável Olga Prats, numa conversa brilhantemente conduzida por Sérgio Azevedo que nos chega este notável percurso de vida. O piano sempre, que desde cedo marca a sua vida, os estudos, os professores e a magia do encontro com Lopes-Graça, a criação do Opus Ensemble mas também o casamento, os amores, os filhos, a família, os amigos.

Com uma fluência extraordinária, com episódios de extremo humor, lê-se com gosto o percurso singular de uma pianista que marcou a cena musical portuguesa do século XX e que se distingue pela sua originalidade e pela forma como desde jovem privilegiou no seu reportório os compositores portugueses.

Publicado por vm em 12:01 AM | Comentários (0)

maio 02, 2007

BACH- SUITES PARA VIOLONCELO - BRUNO BORRANHINHO

bruno01.jpg
J. S. BACH - Integral das Suites para Violoncelo
Violoncelo - BRUNO BORRALHINHO

"Primavera Musical" - 13º Festival Internacional de Música de Castelo Branco

11 de Maio, 21:30h, Governo Civil de Castelo Branco
Suites n. 1, n.4 e n.5

13 de Maio, 21:30h, Governo Civil de Castelo branco
Suites n.2, n.3 e n.6

www.primaveramusical.org

Publicado por vm em 08:22 AM | Comentários (0)

abril 29, 2007

MARIA JOÃO PIRES no WIGMORE HALL - LONDRES


Thu 3 May 2007 7.30 PM Maria João Pires (piano); Rufus Müller (tenor); Brodsky Quartet;
Please note an amendment to the previously advertised programme for this concert
Works by: Franz Schubert

Thu 10 May 2007 7.30 PM Maria João Pires (piano); Rufus Müller (tenor); Brodsky Quartet; Chi-chi Nwanoku (double bass)
Please note an amendment to the previously advertised programme for this concert
Works by: Franz Schubert

Tue 8 May 2007 7.30 PM Maria João Pires (piano); Rufus Müller (tenor); Ricardo Castro (piano); Brodsky Quartet;
Please note an amendment to the previously advertised programme for this concert
Works by: Franz Schubert

Wigmore Hall - News -


Publicado por vm em 11:51 AM | Comentários (4)

abril 28, 2007

LE VIOLONCELLISTE RUSSE ROSTROPOVITCH EST DÉCÉDÉ À 80 ANS

rostrop.jpg
Le violoncelliste et chef d'orchestre russe Mstislav Rostropovitch, une des figures de la résistance à l'oppression soviétique, est décédé vendredi à l'âge de 80 ans.

"Mstislav Rostropovitch est décédé aujourd'hui à l'hôpital", a indiqué son porte-parole Natalia Dollejal.

Rostropovitch, malade depuis plusieurs mois, avait effectué ces derniers temps plusieurs séjours à l'hôpital.

Considéré comme le plus grand violoncelliste de la seconde moitié du XXe siècle, il a défié en homme libre le pouvoir soviétique.

Il restera dans l'histoire comme un défenseur de la liberté et un virtuose qui a marqué le paysage musical international par ses interprétations d'oeuvres contemporaines et du répertoire.

Mstislav Leopoldovitch Rostropovitch naît le 27 mars 1927 à Bakou (Azerbaïdjan). Il commence précocement l'étude du piano puis celle du violoncelle avant d'entrer au Conservatoire de Moscou, où il suivra l'enseignement de Chostakovitch.

Remportant de prestigieux concours internationaux (Prague 1947, Budapest 1949), il est distingué comme gloire nationale (Prix Staline en 1951 et 1953, prix Lénine en 1964) puis comme "Artiste du peuple de l'URSS" en 1966.

Musicien honoré, il est également homme de convictions. Ami fidèle de deux compositeurs critiqués par Staline, Prokofiev et Chostakovitch, il accueille chez lui l'écrivain dissident Alexandre Soljénitsyne en septembre 1970, et n'hésite pas à défendre sa cause dans une lettre ouverte qui provoquera sa disgrâce.

Contraint à l'exil en Occident en 1974, il est déchu de la nationalité soviétique le 15 mai 1978. Il ne reviendra dans son pays, en compagnie de son épouse la soprano Galina Vichnievskaïa, que dix ans plus tard. Il retrouve sa nationalité en 1990.

En novembre 1989, "Slava" célèbre la chute du Mur de Berlin en improvisant sur place un concert dans une atmosphère de liesse et de recueillement.

Violoncelliste, il s'affirme aussi comme interprète, chef d'orchestre et enseignant. Il dirige l'Orchestre symphonique national de Washington de 1977 à 1994 et donne son nom à un concours international de violoncelle à Paris.

Il a défendu aussi bien des oeuvres issues du patrimoine musical russe que la musique de son temps (Britten, Chostakovitch, Dutilleux, Xenakis...).

Le musicien avait fêté ses 80 ans en mars au Kremlin en présence du président Vladimir Poutine et de quelque 500 invités.

Père de deux filles, il a créé avec son épouse une fondation consacrée à des programmes de santé pour les enfants. Il était "représentant spécial" du programme de l'Onu sur le Sida.

ASSOCIATION FRANÇAISE DU VIOLONCELLE

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 27, 2007

MSTISLAV ROSTROPOVICH - 27-3-1927 // 27-4-2007

Rostropovich-1.jpg
Mstislav Leopoldovich Rostropovich
(Violoncelista e maestro russo)
27-3-1927, Baku, Azerbaidjão
27-4-2007
Rostropovich é um dos mais significativos intérpretes de violoncelo da atualidade e uma figura dotada de forte personalidade. Dedicando-se cada vez mais à direção de orquestra, assumiu, em 1977, a da National Symphony Orchestra de Washington, integrando em seu repertório obras do século XX, muitas compostas para ele. Disso são exemplos as obras de compositores como Benjamin Britten, Sergei Prokofiev ou Dmitri Chostakovich. Rostropovich tem atuado com freqüência em duo com músicos lendários como Yehudi Menuhin, Vladimir Horowitz ou David Oistrak, em diversos palcos internacionais, entre os quais figuram, desde 1990, os de alguns países do Leste Europeu. Em 1978, perdeu a nacionalidade soviética por ter apoiado o dissidente Alexander Soljenitsine, embora já tivesse abandonado seu país natal quatro anos antes.

Publicado por vm em 04:43 PM | Comentários (0)

PRÉMIO JOVENS MÚSICOS- 21ª EDIÇÃO

http://programas.rtp.pt/canais-radio/antena2/acultural.php?canal=2

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 26, 2007

CINEMA BATALHA- PORTO "OS CELTAS CHEGAM EM ABRIL"

fip07_newsletter1.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 25, 2007

PRIMAVERA MUSICAL - 13º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CASTELO BRANCO

PROGRAMA :

5 Maio 2007, 21h30,
Cine-Teatro Avenida
JAQUES MORELENBAUM – Trio Cello Samba

18 Maio 2007.21h30
Cine-Teatro Avenida,
ORQUESTRA SINFÓNICA DA ESART
Concerto dedicado a Luís Pio

19 Maio 2007.21h30
Cine-Teatro Avenida
MÁRIO LAGINHA e BERNARDO SASSETTI (dois pianos)
Concerto dedicado a ZECA AFONSO

23 Maio 2007, 20h00
Governo Civil de Castelo Branco
ORLANDO CONSORT
“Food, Wine and Song” - Concerto com degustação

25 Maio 2007, 21h30
Conservatório Regional de Castelo Branco
Concerto Jovens Intérpretes
DIANA VIEIRA e SAÚL PICADO (piano)

26 Maio 2007, 21h30
Museu de Francisco Tavares Proença Júnior
TRIO HANTAÏ

7 Junho 2007, 21h30
Conservatório Regional de Castelo Branco
MOSCOW PIANO QUARTET
“Mosaico Musical”

8 Junho 2007, 21h30
Instituto Português de Juventude
CARDUCCI QUARTET (quarteto de cordas)

9 e 10 de Maio
Das 18 às 19h30, no Cybercentro de Castelo Branco
CURSO LIVRE “SOLO BACH”, por César Viana
Um pequeno curso dedicado às Suites para Violoncelo Solo

11 e 13 de Maio
Governo Civil de Castelo Branco
BRUNO BORRALHINHO (violoncelo)
Ciclo SOLO BACH – Integral das Suites para Violoncelo Solo

13 de Junho
Instituto Português da Juventude
(DES) CONCERTANTE TRIO
Vencedor do FOLEFEST 2007, categoria de Música de Câmara


CICLO DE CINEMA
Cine-Teatro Avenida, 21h30
1 de Maio – Cidade de Deus, de F. Meirelles
8 de Maio – Sarabande, de I. Bergman
15 de Maio – Amarcord, de F. Fellini
ITINERÂNCIA NAS FREGUESIAS

4 concertos realizados pelo QUARTETO INDÍGO (clarinetes)
Dias 10 e 12 de Maio e 1, 2 de Junho
CONTACTOS:
Tel. 964143089
Fax 272329849
carlossemedo@primaveramusical.org
Conservatório Regional de Castelo Branco
Largo da Sé, nº 20
6000-102 CASTELO BRANCO

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 22, 2007

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN "CHOSTAKOVICH, CONTINUIDADE OU RUPTURA ?" por ALEXANDRE DELGADO - 2 de Maio- 18,30 -AUDITÓRIO 2

conf Alexandre Delgado1.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 21, 2007

"SÉCULO PASSADO" UM LIVRO DE JORGE SILVA MELO, EDIÇÕES COTOVIA

jorge_silva_melo.jpg
Quem não conhece, no meio cultural português, Jorge Silva Melo? Cineasta, actor, encenador, dramaturgo, co-fundador do teatro da Cornucópia, director dos Artistas Unidos, cronista excepcional, interveniente enérgico e sempre disponível para comentar e, portanto, para ajudar a reflectir (e, portanto, generoso), socialmente incorrecto, politicamente incorrecto, amante de todas as artes, que a elas tem dedicado uma vida superlativamente talentosa – quem não o conhece, perguntávamos, quem não conhece aquele rosto dele, sagaz, o discurso franco? Poucos. Porém, não consta que alguém tenha ousado formular a seu respeito este enunciado simples: Jorge Silva Melo é dos maiores escritores de língua portuguesa destes tempos. E os maiores, sabemo-lo, contam-se pelos dedos das mãos.

Não se trata, apenas, de uma inabalável convicção de editores atentos. Experimente-se isto: rasure-se do nosso espírito a hierarquia dos géneros (orgulhar-se-ia alguém de viver num «país de dramaturgos» tanto como se orgulha do seu «país de poetas»?), pérfida invenção corporativa – e Jorge Silva Melo não é poeta nem romancista –, pegue-se neste monumental Século Passado e leia-se. Não é preciso mais. E, pela leitura, atravesse-se o país desde os anos 50, o Portugal apertadinho, em que as revistas de cinema, com fotografias e resumos, eram o seu telescópio de menino para o mundo, enquanto comia uma bola-de-berlim da leitaria do Senhor Aires: «Eu gostava de tudo, dos Hércules no São Jorge, de uns policiais alemães com o Peter van Eyck no Roma, do fantástico ‘Guerra e paz’ de King Vidor, gostava era do cinema, de comprar o bilhete, receber o programa, ouvir o gong e ali ficar, entre aventuras de piratas e dramas de amor, pensando que iria ser assim, desmesurada, a minha vida adulta e o grande amor.» Romântica, nem podia deixar de o ser, a voz cultíssima e suculenta, entre o irónico, o irado e o terno, de um homem que nunca se escusou a fazer por ter muito a dizer. Desmesurada vida, sim.
Sob a epígrafe de serem ficção três quartos da nossa vida, Jorge Silva Melo reúne, nestas quase 600 páginas, boa parte dos escritos dos seus quase 60 anos de vida, não cronologicamente mas pelo significado que cada assunto tratado, ou pessoa, teve em cada década. Formidável ideia essa, a de escrever as Memórias não agora, fechados os 50, mas desde sempre, de as ir escrevendo com os dias, para depois as arrebanhar e nos oferecer. Homem organizado.
É da homenagem a muitos seus contemporâneos que Jorge Silva Melo quer que as Memórias se façam; e nessa humildade de se encarar como mero figurante, o rapaz que assiste à vida lá do 2º balcão («nunca nos libertamos da adolescência, não é?»), está uma das lições deste livro a todos os títulos comovente: a consciência de que há gestos inaugurais que são absorvidos pela época que os suscitou, e que essa injustiça do presente nos pode calhar a nós.
Mesmo assim, mesmo sabendo que ninguém conhece aquilo que o futuro dele irá reter, Jorge Silva Melo entrega este livro, trabalho de toda uma vida e oportunidade de exposição e auto-valorização, aos que vieram antes. As memórias dele são essencialmente as memórias que ele guarda dos outros. E isso, neste país ingrato, trapaceiro e grandiloquente, é coisa de nos apertar o coração:
« Não andei, livre, a vagabundear, nem livre divago, nem foi, afinal, sozinho comigo e as bolhas nos pés que calcorreei Tates e Louvres, cinematecas e escadas para o galinheiro das óperas. Prolongo, filho eterno e demorado aluno, genes e lições (…) nada inventei, tudo me foi em segredo ditado (…) Vil tristeza, esta pobre identidade, nem o nariz é meu, nem aquilo que vejo fui eu a ver.»

Publicado por vm em 01:58 AM | Comentários (4)

abril 14, 2007

"LES SORCIERES /AS FEITICEIRAS" poema de MARIA TERESA HORTA Música de ANTÓNIO CHAGAS ROSA

feiticeiras 1.jpg
Alguém já ouviu esta obra, em Portugal? Alguém a viu à venda?
Pouca gente decerto. Penso que nunca foi tocada em Portugal (Em França, pelo menos, foi várias vezes. O Livro com o CD (que está à venda na Livraria Barata - à consignação, disseram-me!- é uma edição ACTES SUD/MUSICATREIZE e nele pode ler-se: " Avec le soutien du ministère de la Culture et de la Communication (DRAC PACA), du conseil régional PACA, du département des Bouches-du-Rhône, de la ville de Marseille et de la Fondation France Télécom, et de la participation de l'auditorium de la Casa musicale de Pigna".

Às vezes queria tanto ter nascido noutro país. Outras vezes não. Mas perante casos como estes queria mesmo. Portugal é pobre, mesquinho. Porque não quer o que tem de melhor. Sempre atirou fora os seus valores. E não pára. Bolas!
De quem é a culpa? Nossa. Dos portugueses, claro!

Publicado por vm em 12:03 AM | Comentários (4)

abril 13, 2007

TROBADA DE VIOLONCEL.LISTES "PAU CASALS"

home-1.jpg
El proper 14 d'abril tindrà lloc a la Vil•la Casals i l'Auditori Pau Casals de Sant Salvador, El Vendrell, la I Trobada de Violoncel•listes "Pau Casals" .
La trobada pretén realitzar un intercanvi d'experiències i de coneixements entre els professionals del violoncel i, al mateix temps, realitzar una activitat formativa i de difusió de la pràctica del violoncel. La trobada va adreçada a músics, professors i estudiants de grau mitjà i superior. És la primera acció d'aquestes característiques que es fa a Catalunya i a l'Estat espanyol. La trobada finalitzarà amb un concert obert al públic i, en homenatge al Mestre i a la pau, amb la interpretació del Cant dels ocells per part dels violoncel.listes participants a la jornada.

Informació i inscripcions al telèfon 977 68 42 76 i al correu electrònic fundacio@paucasals.org

Publicado por vm em 12:58 PM | Comentários (0)

abril 11, 2007

CASA DA MÚSICA- 2º ANIVERSÁRIO

casa musica.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 09, 2007

HAMELIN, de Juan Mayorga, no CONVENTO DAS MÓNICAS (a partir de 12/4) pelos ARTISTAS UNIDOS

hamelin aa.jpg

Publicado por vm em 09:52 AM | Comentários (0)

abril 08, 2007

"PÁSCOA: PORMENORES, PÃO E PERFUME" Risoleta Pinto Pedro

Conto-vos como foi o milagre:

Sabem como são as cidades, sabem como é a cidade: fumo de escapes, gente a dormir na rua, autocarros atrasados e sem conforto, mau atendimento nos locais públicos, trânsito caótico, pessoas de olhar vago, longínquo, como autómatos de filme de ficção científica, dejectos de animais pelo chão, pedras soltas nas calçadas, carros nos passeios, bancos e caixas Multibanco e publicidade por todo o lado em vez de jardins ou outros espaços convivenciais, enfim, uma espécie de manicómio. Face a isto, não temos muitas alternativas. Ou morremos, ou adormecemos como os tais autómatos, ou optamos pela terceira "alTREnativa", e temos de nascer outra vez, pela terceira vez (a primeira foi quando nascemos, a segunda quando sobrevivemos, e agora... esta): há quem lhe chame ressuscitar, houve um que até experimentou há dois milhares de anos, ou que pelo menos tentou, dizem que resultou, mas ainda hoje não se sabe o que lhe aconteceu. Talvez o que importa seja essa memória vaga do mito, esse relato de um episódio da história, ou da mitologia da humanidade, essa crença, para alguns, de que um ser se soltou da prisão, essa esperança em forma de símbolo. Andamos por aí, na cidade, e às vezes, por esta época a que chamam Páscoa (mas que pode ocorrer em qualquer altura, em qualquer estação do ano, em qualquer momento do dia ou da noite, porque a Páscoa é como o Natal, quando a gente quiser) os olhos abrem-se vagamente para sombras, vemos nuvens, passamos pelo meio de vultos, uma força invisível impele-nos para um lugar ainda não conhecido da cidade, um lugar onde a beleza habita. Abrem-se-nos os olhos e não vemos o todo, passamos pelas montras cheias de ovos de chocolate embrulhados em pratas coloridas mas já não somos sensíveis à monotonia do comércio, apercebemo-nos de pequenos pormenores: um azulejo muito belo, uma varanda de ferro forjado num rendilhado interessante, uma brisa no cabelo, a cor do céu, as formas das nuvens, o tom mutante do rio, um perfume de pão, um cheiro a coentros, um perfume de flores… de laranjeira! Nós, que nos pensávamos a sonhar, abrimos então os olhos, quando nos apercebemos que estes odores são demasiado reais para serem de um sonho. Estamos… em Sapadores!, uma das zonas mais abandonadas e degradadas da cidade, mas de mil padarias (só pode ser!) desprende-se o perfume de pão cozido que nos conforta as memórias desde que aparecemos neste planeta, e do mercado recolhemos pelo nariz a agradável presença dos frutos, dos legumes e das ervas de cheiro; saindo do mercado e atravessando a rua, entra-nos pelas narinas o aroma quente, terapêutico e milagroso das laranjeiras ali mesmo do outro lado da estrada, ao pé do pavilhão gimnodesportivo.

E foi assim. Este ano já tive a minha Páscoa, tudo o que vier a mais é um bem acolhido suplemento, mas a minha história de ressurreição já ninguém me tira. Também querem? Apanhem o 35 ou o 26 e vêm até Sapadores. Depois de passarem pelas sombras (sim, sim, é um percurso iniciático), pelas nuvens e pelos vultos, a coisa acontece. O caminho da ressurreição não é linear. Mas depois, podem entrar em qualquer pastelaria e comprar um ovo de Páscoa ficando a comê-lo devagarinho à vista do rio, lá em baixo.

Partilho convosco a pose que uma das laranjeiras, que as inúmeras flores fizeram para mim. O perfume, só mesmo experimentá-lo… Tenham uma Feliz Páscoa em qualquer canto da cidade, do país, do planeta ou do vosso coração.

www.risocordetejo.blogspot.com


Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 07, 2007

PEDRO PEREIRA- JOVEM PIANISTA PORTUGUÊS PREMIADO

pianista.jpg
"PÚBLICO" dd 07/04/2007

Publicado por vm em 01:16 PM | Comentários (3)

MÚSICOS DA ÓPERA DE BERLIM GRAVAM CD COM COMPOSITORES PORTUGUESES

António Victorino d’Almeida, Joly Braga Santos, Jorge Peixinho, Filipe de Sousa e José Viana da Motta são os compositores portugueses com peças integradas no álbum “Portugal - Klant der Welt”, gravado por músicos da Orquestra da Ópera de Berlim.
A Orquestra realiza desde 1998 um ciclo de música de câmara intitulado “Klant der Welt” (Sons do Mundo), tendo escolhido compositores de Portugal e Espanha na temporada de 2004/2005, data desta gravação.

O CD abre com o septeto de Vitorino d’Almeida para flauta, oboé, clarinete, trompa, fagote, piano e xilofone, seguido do Quarteto de cordas em Lá menor (opus 27) de Braga Santos composto em 1956. De Jorge Peixinho - falecido em 1995 - foram escolhidas cinco peças curtas para piano compostas em 1959. De Filipe de Sousa toca-se o quinteto para sopros, composto em 1957, e, finalmente, de Viana da Motta foi escolhido o Quarteto para cordas (opus 2) em Sol Maior.

Os músicos intervenientes, pertencentes ao Teatro de Ópera berlinense, distribuem-se por dois conjuntos, um quarteto e um quinteto. O quarteto, intitulado Eosander, foi buscar o seu nome ao arquitecto sueco do século XVII Johann Friedrich Nilsson Eosander, autor de vários palácios na capital alemã. O quinteto, Quintettsolisten der deutschen Oper Berlim, além dos músicos da Ópera, inclui instrumentistas da Sachsische Staatskapelle de Dresden. A edição discográfica é acompanhada por uma brochura com textos assinados por Carsten Jens, contextualizando a obra e apresentando cada um dos compositores.
CIMP




Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 06, 2007

AS SETE ÚLTIMAS PALAVRAS na CASA DA MÚSICA -

sem a.jpg

Publicado por vm em 09:06 AM | Comentários (0)

abril 05, 2007

SEMANA CULTURAL DE HOMENAGEM A EUGÉNIO DE ANDRADE

1175169255imag01af.jpg
ÁRVORE E CASA DA MÚSICA
11 A 18 DE ABRIL DE 2007

ÁRVORE -COOPERATIVA DE ACTIVIDADES ARTÍSTICAS

Publicado por vm em 12:45 AM | Comentários (0)

abril 01, 2007

CIRCUITS SONORITIES FESTIVAL BELFAST - THE SMITH QUARTET - 24 de Abril

THE SMITH QUARTET

Programme

Joao Pedro Oliveira - Labrinto
Miguel Azguime - Paraitre Parmi
Emmanuel Nunes - Chessed III
Pedro Rebelo - new work
Steve Reich - Different Trains

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

março 31, 2007

AS SETE ÚLTIMAS PALAVRAS - HAYDN/GUBAIDULINA - ORCHESTRAUTOPICA/DIVINO SOSPIRO - CCB- GRANDE AUDITÓRIO 3 de ABRIL - 21 H

AS SETE ULTIMAS PALAVRAS.jpg

Publicado por vm em 12:09 AM | Comentários (0)

março 30, 2007

FESTIVAL DE BELFAST - "THE SMITH QUARTET" E A MÚSICA PORTUGUESA

Smith Quartet.jpg

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

março 27, 2007

DIA MUNDIAL DO TEATRO - "A TRAGÉDIA DE JÚLIO CÉSAR" de Shakespeare - TEATRO DA CORNUCÓPIA NO TEATRO SÃO LUIZ

JULIO CESAR1.jpg

Publicado por vm em 10:21 AM | Comentários (0)

março 25, 2007

PAU CASALS

"Deploro haver viscut en un temps on la llei dels homes és matar. "

Pau Casals

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

março 24, 2007

"LACHRIMAE #1"Novo CD de nova etiqueta "ARTE DAS MUSAS"

24MAR07(4).jpg
A etiqueta da Arte das Musas, MU ( murecords.com) lança a 24 de Março de 2007, no concerto de encerramento do 3.º Festival Terras sem Sombra (em Santiago do Cacém), o primeiro CD do seu catálogo com o consort Sete Lágrimas.

Sob o título Lachrimae #1 o programa do CD percorre um período que se estende dos finais do século XVI ao século XVIII. Nele se cruzam várias tradições e estilos musicais (francês, italiano e germânico) e a expressão ritual de vários credos religiosos (Catolicismo e Protestantismo) unidos por fios condutores evidentes ou subtis. O tema das lágrimas como expressão da dor, do sofrimento íntimo ou colectivo, da melancolia, da fé ou da intolerância religiosa está implícito em quase todas as épocas no contexto de criação de várias obras musicais ou no seu próprio conteúdo. Por outro lado, a voz que canta (mas também chora) é um elemento primordial intrínseco à própria natureza da música, que é aqui entendida de forma abrangente estendendo-se à aspiração que conduziu compositores e intérpretes a tentar igualar a eloquência da voz humana na música instrumental.

Poucas imagens tiveram um impacto tão profundo na composição musical como a da lágrima que espelha a alma humana. As vozes e as lágrimas humanas vertidas em música ilustram a história da dor, da verdade e da mentira, do passado e do presente, da tristeza e da alegria.

A etiqueta MU Records, da Arte das Musas, apresenta-se com um projecto editorial independente vocacionado para a música antiga, para a música contemporânea e para a música de fronteira procurando potenciar a distribuição nacional e internacional de projectos inovadores com linguagens próprias que tendem a ser esquecidos pela indústria mainstream discográfica. Com uma forte aposta na direcção artística, na comunicação gráfica e nas novas tecnologias a etiqueta MU planeia editar, em 2007, mais três referências. O nome MU tem origem num conjunto alargado de significados associados a esta expressão em diversas culturas e regiões. Por exemplo na Antiguidade Clássica era utilizada na expressão "Alpha, Mu e Omega" que significava o princípio, o meio e o fim de todas as coisas.

O CD estará à venda nas principais discotecas do país e em murecords.com. Neste site podem ser ouvidos excertos das 18 faixas e lidos os conteúdos (em português, inglês, françês e espanhol) do booklet do CD.

--

Publicado por vm em 05:15 PM | Comentários (0)

março 22, 2007

AS VOZES E AS LÁGRIMAS HUMANAS - IGREJA MATRIZ de SANTIAGO DO CACÉM, 24 de Março às 21, 30 h

As Vozes e as Lágrimas Humanas
Música de Marais, Schütz, Corelli, Martini e Couperin
Sete Lágrimas
Filipe Faria, tenor e direcção artística
Sérgio Peixoto, tenor e direcção artística
Inês Moz Caldas, flautas de bisel
Marco Magalhães, flautas de bisel
Kenneth Frazer, viola da gamba
André Barroso, tiorba

Publicado por vm em 09:02 AM | Comentários (0)

COMO SE FAZ COR-DE-LARANJA, de ANTÓNIO TORRADO e PEDRO FARIA GOMES

para narrador e 17 instrumentistas

Texto: António Torrado (n.1939)
Como se faz cor-de-laranja, originalmente publicado em 1979. Em 1980 recebeu o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças, por ter sido considerado o melhor texto publicado no biénio 1978/79.

Música: Pedro Faria Gomes (n.1979)


FAM Ensemble
Cesário Costa, maestro
José Lourenço, narrador
José Lourenço, direcção cénica


23 MARÇO - 6ª FEIRA - 15h45
PONTE DE LIMA - Teatro Diogo Bernardes

26 MARÇO - 2ª FEIRA
VIANA DO CASTELO - Teatro Sá de Miranda
15h00 - Ensaio Aberto
17h00 - Encontro com o Escritor e o Compositor (António Torrado e Pedro Faria Gomes)
18h30 - Concerto

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (3)

março 21, 2007

EXÍLIO, de SOPHIA DE MELLO BREYNER

Quando a pátria que temos não a temos
Perdida por silêncio e por renúncia
Até a voz do mar se torna exílio
E a luz que nos rodeia é como grades


Publicado por vm em 10:03 AM | Comentários (0)

TRULS MORK na SALA SUGGIA DA CASA DA MÚSICA 24 de Março - 18 h

truls mork.jpg

Publicado por vm em 08:57 AM | Comentários (0)

STABAT MATER, pelos ARTISTAS UNIDOS no CONVENTO DAS MÓNICAS

stabat mater1.jpg

Publicado por vm em 12:14 AM | Comentários (0)

ENSEMBLE AVONDANO- MUSEU DA MÚSICA - 24 de MARÇO / 21,00H

O Ensemble Avondano apresenta um segundo concerto igualmente assente nas composições do português João Baptista André Avondano, mas desta feita para o público em geral. Será uma oportunidade única para ouvir música “nova” tocada com instrumentos de época do Museu, designadamente o violoncelo Stradivarius que pertenceu ao Rei D. Luís e o cravo setecentista de Joaquim José Antunes.

O Ensemble Avondano é um agrupamento instrumental composto por Catherine Strynckx (violoncelo), João Paulo Janeiro (cravo), Miguel Rocha (violoncelo) e Adriano Aguiar (contrabaixo), músicos com um objectivo central comum: executar e divulgar a música instrumental dos Pós-Barrocos Europeus, em particular a que era cultivada nos diversos contextos sociais portugueses de finais do século dezoito e inícios do século XIX. No seu breve percurso, o Ensemble Avondano realizou concertos em diversos locais, designadamente, no Centro Cultural de Belém, nos Encontros de Música Antiga de Tomar, em Castelo Branco e em Cascais. Ainda no ano de 2007 está prevista a apresentação em concerto na Casa da Música.

» Encontra informação sobre o Museu da Música, as suas colecções e actividades no nosso site em www.museudamusica-ipmuseus.pt.

João Baptista André Avondano foi um violoncelista e compositor nascido no seio de uma das mais importantes famílias de instrumentistas profissionais activas em Portugal durante o século XVIII. Foi violoncelista na Orquestra da Real Câmara, participando e dirigindo também outros eventos musicais patrocinados por privados. Da sua autoria conhecem-se quatro sonatas e dois duetos, obras dedicadas ao Rei D. José I (na imagem). Nessas obras, Avondano (falecido em 1800) apresenta-se como um instrumentista de grande agilidade que, com um conhecimento profundo da estética musical da sua altura, explora as capacidades expressivas do violoncelo.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

março 20, 2007

ENSEMBLE AVONDANO - CONCERTO PEDAGÓGICO - MUSEU DA MÚSICA - 21 de Março 10,30 H e 11,30 H

O Ensemble Avondano apresenta no Museu da Música dois ateliers pedagógicos em torno do compositor português do século XVIII, João Baptista André Avondano, que só muito recentemente se tornou do conhecimento público.
Os ateliers possibilitarão uma introdução aos instrumentos, obras e compositores. As execuções das peças serão intercaladas por descrições e explicações, especialmente dirigidas a um público de jovens e crianças que queira compreender a música e os instrumentos que a protagonizam.
Os comentários serão acerca dos instrumentos musicais (entre eles dois das colecções do Museu: o cravo Antunes e o violoncelo Stradivarius), apresentando-se também o compositor João Baptista André Avondano.

Publicado por vm em 10:57 PM | Comentários (0)

março 19, 2007

AO D. MARIA II junta-se o SÃO CARLOS. Para onde vamos nós?

ng1008278.jpg
A direcção dos Amigos do São Carlos qualificou de "abrupta e desrespeitosa" a forma como se processou o afastamento de Paolo Pinamonti da direcção daquele Teatro e apelou a uma "intervenção pessoal do primeiro-ministro".
Num comunicado à imprensa, assinado pelo musicólogo Rui Vieira Nery, manifesta-se preocupação pelo "vazio de poder agora criado no São Carlos, com o anúncio da contratação de um director ausente, que pouco mais poderá assegurar do que uma função de programador itinerante". A esta situação soma-se o facto de o vazio acontecer "num momento crucial da fusão do teatro com a Companhia Nacional de Bailado no quadro do novo figurino orgânico da Opart (Organismo de Produção Artística), cujas linhas gerais ainda se desconhecem".
No mesmo documento, os Amigos do São Carlos confessam-se "apreensivos" no que toca às linhas gerais esboçadas pelo Ministério da Cultura para o futuro do único teatro lírico do país: "Os objectivos de um teatro nacional português integrado na rede europeia de produção operática não podem confundir-se com a missão específica de um espaço de formação avançada e profissionalização para jovens intérpretes".
Recorde-se que o secretário de Estado da Cultura, Mário Vieira de Carvalho, referiu, numa conferência de imprensa realizada ontem em Lisboa, pretender "a captação de novos públicos" e "oportunidades para jovens artistas", apostando "nos portugueses que ainda não chegaram à ópera".
Por fim, critica-se a vontade expressa da tutela de multiplicar o número de récitas, o que "só seria possível com meios orçamentais que consabidamente o Ministério não está em condições de garantir, a não ser à custa da degradação acentuada do nível qualitativo das produções".
EXPRESSO

Publicado por vm em 12:34 PM | Comentários (0)

FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DE FAMALICÃO

cartazfamafest2007.jpg

Publicado por vm em 10:50 AM | Comentários (0)

março 18, 2007

ALL...GARVE - PORTUG...ALL

All...garve
Ministro da Economia muda o nome ao Algarve

O Governo português vai investir, só este ano, nove milhões de euros na promoção e realização de eventos no Algarve. E, para vender melhor a região, o Governo aprova e paga uma mudança do nome de português para "um género" de inglês.
...............................
O PAÍS RELATIVO

País por conhecer, por escrever, por ler...

*
País purista a prosear bonito,
a versejar tão chique e tão pudico,
enquanto a língua portuguesa se vai rindo,
galhofeira, comigo.
*
País que me pede livros andejantes
com o dedo, hirto, a correr as estantes.

*
País engravatado todo o ano
e a assoar-se na gravata por engano.

*
País onde qualquer palerma diz,
a afastar do busílis o nariz:
-Não, não é para mim este país!
mas quem é que bàquestica sem lavar
o sovaco que lhe dá o ar?
*
Entrecheiram-se, hostis, os mil narizes
que há neste país.
*
País do cibinho mastigado
devagarinho.
*
País amador do rapapé,
do meter butes e do parlapié,
que se espaneja, cobertas as miúdas,
e as desleixa quando já ventrudas.
*
O incrível país da minha tia,
trémulo de bondade e de aletria.
*
Moroso país da surda cólera,
de repente que se quer feliz.
*
Já sabemos, país, que és um homenzinho...
*
País tunante que diz que passa a vida
a meter entre parêntesis a cedilha.
*
A damisela passeia
no país da alcateia,
tão exterior a si mesma
que não é senão a fome
com que este país a come.
*
País do eufemismo, à morte dia a dia
pergunta mesureiro: - Como vai a vida?
*
País dos gigantones que passeiam
a importância e o papelão,
inaugurando esguichos no engonço
do gesto e do chavão.

E ainda há quem os ouça, quem os leia,
lhes agradeça a fontanária ideia!
*
Corre boleada, pelo azul,
a frota de nuvens do país.
*
País desconfiado a reolhar para cima
dum ombro que, com razão duvida.
*
Este país que viaja a meu lado,
vai transido mas transistorizado.
*
Nhurro país que nunca se desdiz.
*
Cedilhado o cê, país, não te revejas
na cedilha, que a palavra urge.
*
Este país, enquanto se alivia,
manda-nos à mãe, à irmã, à tia,
a nós e à tirania,
sem perder tempo nem caligrafia.
*
Nesta mosquitomaquia
que é a vida,
ó país,
que parece comprida!
*
A Santa Paciência, país, a tua padroeira,
já perde a paciência à nossa cabeceira.
*
País pobrete e nada alegrete,
baú fechado com um aloquete,
que entre dois sudários não contém senão
a triste maçã do coração.
*
Que Santa Sulipanta nos conforte
na má vida, país, na boa morte!
*
País das troncas e delongas ao telefone
com mil cavilhas para cada nome.
*
De ramona, país, que de viagens
tens, tão contrafeito...
*
Embezerra, país, que bem mereces,
prepara, no mutismo, teus efes e teus erres.
*
Desaninhada a perdiz,
não a discutas, país!
Espirra-lhe a morte pra cima
com os dois canos do nariz!
*
Um país maluco de andorinhas
tesourando as nossas cabecinhas
de enfermiços meninos, roda-viva
em que entrássemos de corpo e alegria!
*
Estrela trepa trepa pelo vento fagueiro
e ao país que te espreita, vê lá se o vês inteiro.

Hexágono de papel que o meu pai pôs no ar,
já o passo a meu filho, cansado de o olhar...
*
No sumapau seboso da terceira,
contigo viajei, ó país por lavar,
aturei-te o arroto, o pivete, a coceira,
a conversa pancrácia e o jeito alvar.

Senhor do meu nariz, franzi-te a sobrancelha;
entornado de sono, resvalaste para mim.
Mas também me ofereceste a cordial botelha,
empinada que foi, tal e qual clarim!

(Feira Cabisbaixa – 1965)
Alexandre O’neill

Publicado por vm em 05:05 PM | Comentários (3)

março 15, 2007

CCB - PEQUENO AUDITÓRIO-18 de MARÇO - 21 horas

CCB
18 de Março de 2007, Domingo
21h00 | Pequeno Auditório

Salvatore Sciarrino Ommagio a Burri
Giacinto Scelsi Quarteto de cordas nº 4
----------------------
Franco Donatoni Alamari
António Pinho Vargas Monodia Quasi un requiem

ORCHESTRUTOPICA
Co-apresentação: CCB / Orchestrutópica

Publicado por vm em 07:27 PM | Comentários (0)

LER DEVAGAR - 16/03 - 21,30 h "DO INDÍGENA AO IMIGRANTE"

O Le Monde Diplomatique - edição portuguesa organiza um debate sobre o tema do dossiê da edição de Março de 2007: "Do indígena ao imigrante".O debate, com a presença dos autores Alfredo Margarido, Bruno P. Dias, Cláudia Castelo, Hugo Maia, Miguel B. Jerónimo e Nuno Domingos, decorrerá na sexta-feira, 16 de Março de 2007, na livraria Ler Devagar, começando pelas 21h30.

Publicado por vm em 07:11 PM | Comentários (0)

março 12, 2007

MovART -MOVIMENTO DE DEFESA DO ENSINO ARTÍSTICO

Pela Universalidade do Ensino Artístico;
Pelo direito dos estudantes ao acesso a um ensino artístico profissional e amador de qualidade;
Pela defesa do Ensino Supletivo;
Pela defesa da Escola de Música do Conservatório Nacional;
Apelamos à mobilização de todos e todas na luta que se irá desenrolar nos próximos meses.


MOVARTE, Movimento de Defesa do Ensino Artístico
mvarte@gmail.com
http://movarte.wordpress.com

Na sequência de movimentações públicas do Ministério da Educação (ME) que põem em causa a igualdade e a universalidade do acesso ao ensino de música e à sua profissionalização, a MovArte constitui-se como Movimento de Defesa do Ensino Artístico.
As ameaças públicas do ministério ao ensino supletivo e à própria existência dos Conservatórios obrigaram já a uma tomada de posição de defesa e luta por parte da direcção da Escola de Música do Conservatório Nacional (EMCN) em Lisboa.
O ensino supletivo (ensino musical em regime extra-escolar que engloba 75% dos alunos) permite o acesso ao ensino artístico de qualidade por parte de todos os jovens, seja como complemento legítimo à sua educação e formação pessoal, seja como investimento sério e responsável numa perspectiva de futuro profissional, tendo contribuído para a formação de inúmeras gerações de músicos de que são exemplo: Maria João Pires, Mário Laginha, Jorge Palma e muitos outros.
A formação de qualidade está directamente ligada à existência de massa crítica de alunos e professores que permitem uma grande diversidade de experiências, e qualquer reestruturação contrária tem óbvios resultados negativos para o ensino musical (por exemplo, a EMCN tem um universo de 800 estudantes, se 600 deles forem impedidos de continuar os seus estudos o ambiente criativo é prejudicado). A também expressa vontade do ministério de impôr propinas aos alunos do ensino supletivo (numa confusa reestruturação fora dos conservatórios) só vem restringir o carácter de universalidade rendendo-se a uma óptica estritamente economicista sem qualquer resultado benéfico para o ensino artístico nem para a população.
No caso da EMCN esta situação é agravada pela óbvia pressão do ME para a deslocalização da escola para fora do centro da cidade, acentuando o despovoamento que já se iniciou com a saída das escolas de cinema, teatro, arquitectura, a anunciada saída da Escola Superior de Música, e a sempre adiada saída da Escola de Belas Artes, numa estratégia de planeamento que vai contra todas as políticas de revitalização da Baixa - Chiado e contra o direito dos estudantes de todos os pontos do país, de Lisboa e subúrbios, a usufruírem do centro cultural da cidade, deixando o edifício expressamente construído para escola de artes, hoje EMCN, à mercê de uma apetecível especulação imobiliária.


Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

março 10, 2007

CONFERÊNCIA - TEATRO DE SÃO CARLOS- 12 de MARÇO - 18,30 H

guilhermsuggia2aa.jpg
Com:

ANITA MERCIER - professora da Juilliard School de Nova Iorque ( estudiosa e biógrafa de Guilhermina Suggia. Irá ser publicada no próximo ano, em Londres por Ashgate Publishing "GUILHERMINA SUGGIA: THE LIFE OF A CELLIST", de sua autoria

ISABEL MILLET - escritora - filha da aluna testamentária de Guilhermina Suggia, Isabel Cerqueira Millet, escreve uma trilogia sobre a vida da grande violoncelista

PAULO GAIO LIMA - violoncelista - aluno de Madalena Sá Costa (aluna de G.Suggia) e vencedor do Prémio Suggia-Porto 1979 - participação musical ao vivo


Apoio da FLAD- Fundação Luso-Ameriana para o Desenvolvimento e do TNSC

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

março 06, 2007

SUITES IN MEMORIAM BÉLA BARTÓK, de FERNANDO LOPES-GRAÇA, por ANTÓNIO ROSADO

antonio rosado.jpg
António Rosado e Sérgio Azevedo apresentam dias 7, 10, 11 e 13 de Março, o novo CD duplo com a integral das 8 Suites in Memoriam Béla Bartók, de Fernando Lopes-Graça, nas FNAC's.
.
A apresentação consistirá em alguns comentários de Sérgio Azevedo, e um pequeno recital com excertos das obras, por António Rosado. Cerca de 35'.
.
Dia 7 (quarta-feira)
FNAC Chiado às 18:30
.
Dia 10 (Sábado)
FNAC Porto Santa Catarina às 18:00
FNAC Gaia Shopping às 22:00
.
Dia 11 (Domingo)
FNAC Norte Shopping às 18:00
.
Dia 13 (terça-feira)
FNAC Colombo às 19:00
________________________________________

Publicado por vm em 12:11 AM | Comentários (0)

março 05, 2007

GUILHERMINA SUGGIA - Conferência - TEATRO SÃO CARLOS - 12 de Março às 18,30h

Teatro_sao_carlos.jpg

A ANTENA 2 e a ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA promovem no Teatro Nacional de São Carlos (foyer) uma conferência acerca da vida e obra de GUILHERMINA SUGGIA (1885-1950).

CONFERENCISTAS:

- ANITA MERCIER (professora da prestigiada JUILLIARD SCHOOL de Nova Iorque), que escreve uma biografia sobre Guilhermina Suggia (Guilhermina Suggia:The Life of a Cellist), a editar em Londres por Ashgate Publishing, no próximo ano;


- ISABEL MILLET (escritora e filha da aluna e testamentária de Guilhermina Suggia ISABEL CERQUEIRA) que escreve uma trilogia sobre Guilhermina Suggia.


PARTICIPAÇÃO MUSICAL (ao vivo):

- PAULO GAIO LIMA, violoncelista (aluno de Madalena Sá Costa, uma das alunas de Suggia, e vencedor do PRÉMIO SUGGIA no PORTO em 1979)

A viagem da Prof Anita Mercier é patrocinada pela FLAD - Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento.

Agradecemos o apoio dado pela Direcção do TNSC

CONVIDAMO-LO A DIVULGAR E A ESTAR PRESENTE NO DIA 12 de Março às 18,30h no TEATRO NACIONAL DE SÃO CARLOS

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

março 02, 2007

ATELIER DE LEITURA PARA JOVENS COMPOSITORES - ORQUESTRA DO ALGARVE

CartazJComp2.jpg
A Orquestra do Algarve tem a honra de promover, na área das novas músicas, a primeira edição do Atelier de Leitura para Jovens Compositores. Com a coordenação do compositor Luís Tinoco, a OA irá organizar sessões de leitura de novas obras orquestrais com o objectivo de dar a conhecer o trabalho de jovens compositores em início de carreira.
http://www.orquestradoalgarve.com

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 24, 2007

PEGGIE SAMPSON- ALUNA DE GUILHERMINA SUGGIA

Sampson, Peggie (b Margaret). Viola da gambist, cellist, teacher, b Edinburgh 16 Feb 1912, naturalized Canadian 1973; B MUS (Edinburgh) 1932, Licence de Concert (École normale, Paris) 1932, D MUS (Edinburgh) 1961, honorary LLD (Wilfrid Laurier) 1987, honorary D LITT (York) 1988. She began cello lessons at eight with Ruth Waddell in Edinburgh and continued with Guilhermina Suggia in London and Portugal. She was a pupil 1929-32 and teaching assistant 1937-44 of Donald Francis Tovey at the University of Edinburgh and studied summers 1930-4 in Paris with Diran Alexanian (cello) at the École normale and with Nadia Boulanger (theory) privately. During the 1930s she gave recitals in England and Holland, performed the Elgar Concerto under Tovey, and played in the Glyndebourne Festival orchestra under Fritz Busch. She also studied intermittently 1935-7 with Emanuel Feuermann and ca 1946 with Pablo Casals in Prades. She was a freelance cellist 1944-51 in London, giving recitals and playing in the Carter Trio.

Sampson emigrated to Canada in 1951 to teach theory, history, and cello at the University of Manitoba and remained in that post for 20 years. She also taught cello privately in Winnipeg and in 1962 received a special grant from the University of Manitoba to set up an experimental class for unusually gifted children. (She had spent a year 1960-1 in Great Britain completing a doctorate in performance and studying new methods of music education for the young.) Several participants in this class - Stephen Cera, Laurie Duncan, Mayda Narvey, Dace Stauvers - subsequently entered the profession. Her cello pupils in Winnipeg included Gisela Depkat, John Derksen, Kenneth Murphy, Paul Pulford, and Lynn Rudiak. Sampson was extremely active as a cellist in Winnipeg during the 1950s and 1960s, appearing as solo recitalist, as a member of the Corydon Trio (with Lea Foli and Gerald Stanick), and in various ensembles for the University Chamber Music Group.
Around 1960 Sampson began to develop an interest in the viola da gamba and collaborated with Christine Mather in founding the Manitoba University Consort (1963-70). By the end of the 1960s the gamba had superseded the cello as her main instrument. In 1970 she joined the staff at York University, Toronto, to teach theory and develop a program for viols. Probably the foremost viola da gambist of her day in Canada, she has been much sought after for recitals and for performance of the obbligatos in the Bach Passions, playing the latter with several Ontario choirs and in 1973 in a TV performance in Madrid. Invited three times to the Aldeburgh Festival, she gave recitals there in 1972 and (in the Maltings, with George Malcolm) in 1976, and also participated in the 1974 festival. She appeared in the Connoisseur Series (1975) at St Lawrence Centre, Toronto, in a concert billed as 'Peggie Sampson and Friends.' With the Hart House Consort of Viols she gave a series of recitals 1976-7 at Hart House, and during the 1977-8 season she appeared as a soloist at York University, Wilfrid Laurier University, Guelph U, and the University of British Columbia and in the Toronto Spring Festival. She taught 1973, 1974, and 1975 at the University of Victoria Summer School and, after retiring in 1977 from York University, taught part-time 1977-84 and on occasion thereafter at Wilfrid Laurier University. She also played and taught at the 1977 Conclave of the Viola da Gamba Society of America in Baltimore.
Sampson has premiered works of S.C. Eckhardt-Gramatté (Duo concertante for cello and piano, 1959), Bernard Naylor (On Hearing Mrs. Arabella Hunt Singing, 1970), Murray Adaskin (Two Pieces, 1972), David Rosenboom (The Seduction of Sapientia, 1975) and Rudolf Komorous (At Your Memory the Transparent Tears Fall like Molten Lead, 1976). All save the Eckhardt-Gramatté were commissioned by Sampson - the Naylor privately, the others with Canada Council grants - to pioneer a modern repertoire for the viola da gamba. In 1976 she formed Quatre en Concert - Christine Harvey (soprano), Michael Purves-Smith (oboe), Deryck Aird (violin) - to perform music of the 17th and 18th centuries. They toured Ontario in 1976, from Montreal to Saskatoon in 1977, and Holland in 1978. Their last professional engagement was to record music by Purcell, Jenkins, Campra, Rameau, and Handel in 1981 (Damzell DLM-812).
Sampson was awarded the Canadian Music Council medal in 1985.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 20, 2007

BIBLIOTECA PÚBLICA DE ÉVORA - 20 Fev - 21,30h

Música – EvorEnsemble Contemporâneo
Programa

Lindembergue Cardoso Relatividade

Sérgio Azevedo Tre Ritornelli

Heitor Villa Lobos Choros

David Heuser Chaoborus


Direcção Musical de Rui Ribeiro
Organização: Contemporaneus
(Compra de bilhetes, a partir das 20h00 do próprio dia, na BPE)

Publicado por vm em 01:36 PM | Comentários (0)

fevereiro 10, 2007

CICLO GUILHERMINA SUGGIA na CASA DA MÚSICA, de 9 a 24/02

Suggia-Casa Musica.bmp
A assinatura Suggia centra-se na música de câmara e no violoncelo enquanto instrumento de fascínio ao longo dos tempos. Em homenagem a uma figura de relevo do nosso panorama musical, seja em formato de interpretação a solo ou concertística, poderá optar pelos oito espectáculos que constituem a primeira edição deste festival
www.casadamusica.com

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 09, 2007

ORQUESTRA DO ALGARVE NO TEATRO NACIONAL D. MARIA II- dia 12 às 21,30 h

fotografias-bin_imagem2_jpeg_0719772001165422203-510.jpg
No próximo dia 12 de Fevereiro, Segunda-feira, a Orquestra do Algarve (OA) desloca-se a Lisboa para um concerto no Teatro Nacional D. Maria II, com início marcado para as 21h30.

O grande destaque da noite é atribuído à estreia mundial da obra do compositor português Joly Braga Santos, “Cantares Gallegos”, uma obra para soprano e orquestra, que contará com a participação especial da prestigiada soprano espanhola Maria Orán, a quem a música foi especialmente dedicada pelo próprio compositor, no ano de 1983.

Os versos de “Cantares Gallegos” foram extraídos do volume homónimo «Obras completas» da poetisa Rosalia de Castro (1837-1885), uma descoberta feita por Braga Santos numa das suas viagens a Espanha. Uma obra única na língua galega em conjunto com a voz da soprano Maria Orán fará deste momento um marco fundamental no percurso profissional da Orquestra.
A direcção do concerto ficará a cargo do Maestro Cesário Costa, actual Director Artístico da OA. A abertura d’As Criaturas de Prometeu do compositor L. Beethoven marcará o início do concerto, seguindo-se a obra de Joly Braga Santos e, logo após, a Sinfonia Nº 1 de Beethoven que encerrará o concerto.
O concerto terá lugar na Sala Garrett, tendo a entrada um custo de 12€. Para mais informações sobre o concerto e reservas favor contactar o Teatro D. Maria II através do telefone 213 250 835. Mais informamos que o horário da bilheteira é de 2ª feira a Sábado das 14h00 às 22h00 e ao Domingo das 13h00 às 17h00.

Orquestra do Algarve
Associação Musical do Algarve
www.orquestradoalgarve.comE-mail: comunicacao@orquestradoalgarve.com
Tel.: 289 860 890-6 / Tlm.: 96 953 00 05

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

fevereiro 08, 2007

CASA DA MÚSICA-PORTO - CICLO SUGGIA 9/2


Sexta | 9 Fevereiro 2007
21:30, Sala Suggia
ONP | 09 Fev 2007

A violoncelista Guilhermina Suggia foi das mais importantes personalidades da vida cultural do século XX em Portugal. Em Paris, cidade onde viveu com o violoncelista Pablo Casals, privou regularmente com George Gershwin e Ravel. Quando regressou a Portugal e era já uma reputada violoncelista com uma carreira particularmente destacada em Inglaterra, um dos compositores e pianistas que mais a acompanhou, nomeadamente no seu último concerto no Wigmore Hall, foi Viana da Mota. Este programa reúne obras desses compositores e uma das peças favoritas de Suggia, o Concerto para Violoncelo de Dvorák.

[As portas da Sala Suggia abrem às 20:45 para uma breve introdução ao programa desta noite. O concerto terá início às 21:30]
15 EUR


Osvaldo Ferreira direcção musical
Teresa Valente Pereira violoncelo


Programa

Parte I
George Gershwin Abertura Cubana
José Viana da Mota Cenas nas Montanhas
Maurice Ravel Alborada del gracioso

Parte II
Antonin Dvorák Concerto para violoncelo e orquestra



Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 05, 2007

SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL DE LISBOA- IV SÉRIE DE CONCERTOS -7 de Fevereiro- 21 horas

Em Busca de Um Salão Perdido
IV Série de Concertos
2007

62 anos de ausência de obras no Salão Nobre do Conservatório Nacional

1 ano de cancelamento das obras de recuperação depois de lançado concurso em Diário da República

7 de Fevereiro – 21.00

Panorama Ibérico do Quarteto

Quarteto Lopes Graça

(em residência no Conservatório Nacional)

Rua dos Caetanos, n.º 29, 1249-115 Lisboa

Tel.: 21 3425922 | Fax: 21 3423605 | E-mail: amigos@em-conservatorio-nacional.rcts.pt

Publicado por vm em 09:04 AM | Comentários (0)

janeiro 27, 2007

FERNANDO LOPES-GRAÇA -Centenário do Nascimento - 1906/2006

lancamento CD convite 2.png
A Câmara Municipal de Cascais e a Companhia Nacional da Música irão realizar a apresentação do CD duplo "FERNANDO LOPES-GRAÇA - CENTENÁRIO DO NASCIMENTO - 1906-2006", que reúne a totalidade das obras do compositor gravadas para a Sasseti na década de 1970.

O evento terá lugar hoje, dia 27 de Janeiro pelas 17,00 Horas, no MUSEU DA MÚSICA PORTUGUESA -CASA VERDADES DE FARIA, Av. de Sabóia, 1146 - Monte Estoril.

A cerimónia contará com a presença dos músicos OLGA PRATS, VASCO BARBOSA, GRAZI BARBOSA e CELESTE AMORIM.

Publicado por vm em 12:10 AM | Comentários (0)

janeiro 26, 2007

PRÉMIO INTERNACIONAL DE COMPOSIÇÃO FERNANDO LOPES-GRAÇA- 27/1/2007 às 21,30 H

concerto premio-conv2.png

Publicado por vm em 05:09 PM | Comentários (0)

janeiro 25, 2007

CASA DE ANTÓNIO NOBRE - NA FOZ DO PORTO - EM RISCO DE DERROCADA

antonio nobrea.jpg
POETA E DIPLOMATA
António Nobre (1867 -1900) frequentou o curso de Direito, em Coimbra, mas foi em Paris que concluiu os estudos de Ciências Políticas, em 1895. No período em que viveu na capital francesa, viu ser publicado "Só" (1892), que então classificou como "o livro mais triste que há em Portugal". "Só" foi o único livro seu publicado em vida, uma vez que as obras poéticas "Despedidas" e "Primeiros Versos" só seriam editadas, respectivamente, em 1902 e 1921. Foi também em Paris que contactou com Eça de Queirós, na altura cônsul de Portugal. No entanto, o ingresso na carreira diplomática que António Nobre almejava não lhe foi possível, por, na altura, já sofrer de tuberculose. E de nada lhe valeram as viagens para tentar curar-se, incluindo à Suíça e a Nova Iorque.

A placa alusiva ao local onde o poeta António Nobre morreu, em 1900, desapareceu esta semana do número 531 da Avenida do Brasil, no Porto, disse à Lusa o escritor Mário Cláudio. "Acho absolutamente inqualificável que alguém tenha tirado a placa. Só ficou a mancha do sítio onde estava a placa", afirmou, advertindo que a casa corre o risco de derrocada, o que deitaria literalmente por terra a ideia de ali ser instalada toda a colecção de António Nobre, que está em gavetões na Biblioteca Pública Municipal do Porto.

O escritor referiu que já falou pessoalmente com o presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, e com a ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, alertando para a importância de classificar a casa como de interesse municipal ou nacional.

"É o maior poeta português nascido no Porto. Não há outro", salientou Mário Cláudio, acrescentando que o autor de "Só" é talvez, com Cesário Verde e Antero de Quental, um dos três maiores poetas portugueses do século XIX..

António Nobre nasceu em 16 de Agosto de 1867 numa casa na Rua de Santa Catarina, onde actualmente funcionam escritórios, e morreu em 18 de Março de 1900 na pequena casa de dois andares no número 531 da Avenida do Brasil, na Foz, onde poucos anos depois um grupo de escritores e jornalistas colocou sobre a porta a placa agora desaparecida. Essa residência pertencia ao seu irmão, o biólogo e professor da Universidade do Porto Augusto Nobre.

COLECÇÃO ARMAZENADA
"Não está só em causa a casa, que muitas vezes não é mais do que o local do nascimento ou da morte, mas também o facto grave de a Câmara do Porto manter armazenada a colecção toda de António Nobre, incluindo livros, manuscritos, objectos e peças de vestuário", realçou.

Na opinião de Mário Cláudio, a casa poderia ser recuperada para acolher e expor o espólio de António Nobre, à semelhança do que aconteceu com a casa de Fernando Pessoa em Lisboa, construindo-se um auditório nas traseiras.
Contactado pela Lusa, o advogado e fundador do PPD/PSD Miguel Veiga considerou o desaparecimento da placa como "um acto de barbárie", como outros que se têm registado na cidade, nomeadamente o roubo e o corte aos pedaços da estátua "A Anja", do escultor José Rodrigues.

"Se há alguém que merece ser recordado e perpetuado é António Nobre, um dos nossos maiores poetas", salientou Miguel Veiga, reconhecendo, contudo, que não será fácil encontrar quem patrocine a recuperação e manutenção da casa na Avenida do Brasil.

Miguel Veiga lembrou as dificuldades por que passam a Fundação Eugénio de Andrade e o Lugar do Desenho, de Júlio Resende, lamentando que a frágil situação económica do país esteja a "afugentar" os apoios financeiros às
casas-museu.

A Lusa contactou a Câmara do Porto e o Ministério da Cultura para saber se há intenção de classificar, comprar e recuperar a casa, mas os gabinetes de comunicação das duas instituições remeteram informações para mais tarde.
Notícia do "JORNAL DE NOTÍCIAS" dd 20/1/2007

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (5)

janeiro 23, 2007

Exposição dos 10 anos do TEATRO DA VILARINHA

Teatro da Vilarinha - 10 anos_01a.jpg
Teatro da Vilarinha - 10 anos aproxima-se do fim. A exposição que o Pé de Vento preparou para assinalar os 10 anos do Teatro da Vilarinha está patente na Galeria do Palácio - Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto, até 26 de Janeiro de 2007

A exposição reúne fragmentos dos vários universos cénicos criados na última década, mostrando também parte da memória que constitui o trajecto artístico da companhia ao longo de 28 anos de existência.

Em paralelo, a companhia repõe, também na Galeria do Palácio, História de Um Segredo, com encenação de João Luiz a partir de um conto de Álvaro Magalhães. O espectáculo, para maiores de 5 anos, está em cena até à próxima sexta-feira, dia 26, às 11h00 e às 15h00.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

janeiro 20, 2007

CHEFE HÉLIO LOUREIRO DEDICA PROGRAMA A GUILHERMINA SUGGIA

8b5b4acf.jpg
Este foi o primeiro de cinco programas que irão decorrer neste local privilegiado da cidade do Porto (MUSEU ROMÂNTICO), numa parceria entre o Pelouro da Cultura da autarquia portuense e a RTPN, que tem como objectivo a dinamização do Museu, símbolo do romantismo português.
Acompanhado por Fátima Pombo, investigadora da vida e obra de Suggia, o Chefe Hélio escolheu o Petit Vol-au-vent de Canard, um dos pratos que constava do “Menu do Lunche de Mariage” de Guilhermina Suggia, que se casou a 27 de Agosto de 1927.
A sua vida e carreira como violoncelista estão, aliás, patentes na exposição “Suggia, o Violoncelo”, na Casa-Museu Guerra Junqueiro até ao dia 31 de Março. Agrupadas em oito núcleos temáticos, estão expostas dezenas de peças que tratam do nascimento e infância da artista, e do início, desenvolvimento e auge da sua carreira em Portugal e em toda a Europa, sobretudo em Inglaterra.
O programa do Chefe Hélio Loureiro, dedicado à ementa do matrimónio da célebre violoncelista, irá ser exibido no dia 24 de Fevereiro, pelas 18h30, e será repetido no dia 25, às 14 horas.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

janeiro 19, 2007

"LER DEVAGAR"- Rua da Rosa 145- NOVA LIVRARIA

No dia *19 de Janeiro, 6ª Feira, às 18 horas*, a Ler Devagar vai abrir uma nova livraria na *Rua da Rosa nº 145*, no Bairro Alto, em Lisboa. Vai ser uma livraria vocacionada para os livros das áreas da literatura em geral (de autores portugueses e estrangeiros)e da Filosofia. Com cerca de 80m2.
Mais do que uma livraria será também um local de encontros e de
concertos, lançamentos e conferências, com capacidade para 40 a 50 lugares
sentados.

Para a inauguração está programado um Concerto de Piano com Vera
Prokic(B.Gallupi . sonata em dó maior
Liszt-Schubert: Gretchen am Spinnrade
Chopin . Valsa em dó sustenido menor), a realizar pelas 22 horas.

Agora que a Ler Devagar retoma a sua programação normal, ainda em
Janeiro, pode assistir e participar na "Poesia Vadia" (4ª Feira, dia 24)- uma
organização de Pedro Mota - e no Debate em volta do livro .Towards a
Nonlinear Quantum Physics., de José Croca, com a participação de Rui
Moreira, Jorge Valadares e J.Luís Cordovil. A organização é de Nuno
Nabais e Olga Pombo.

E enquanto se lê ou se ouve também se pode tomar um chá ou um café. Às
Quartas das 18 às 24 horas e de 5ª a Sábado das 18 às 2 horas da manhã.

Entretanto os saldos na Ler Devagar (Zé dos Bois e agora também na
Cinemateca) continuam até ao dia 20 de Janeiro.

Publicado por vm em 10:43 AM | Comentários (0)

janeiro 14, 2007

SUITES DE BACH PARA VIOLONCELO - Seminário na ESMAE-PORTO

Suites Bach-MIC
ESMAE Porto, dias 27 e 28 de Janeiro, 11/13 - 14/17 horas.
Seminário teórico e documental sobre as Suites de Bach para Violoncelo,
aberto a todos os alunos.
Miguel Ivo Cruz

Publicado por vm em 10:08 AM | Comentários (0)

janeiro 01, 2007

PABLO E A PAZ! - BOM 2007

Casals na ONU 2.jpg
MUSEU PAU CASALS - San Salvador

Publicado por vm em 01:42 AM | Comentários (0)

dezembro 30, 2006

EMMANUEL NUNES NA CASA DA MÚSICA- 14 a 19 de JANEIRO

enunes.jpg

Publicado por vm em 08:55 AM | Comentários (0)

dezembro 13, 2006

"HEAVEN" - dança-teatro

heaven.jpg
La Marmita , em co-produção com a associação alemã Arena e.V.. leva à cena Heaven, peça de dança-teatro concebida e coreografada por Andrea Gabilondo, nos próximos dias:
15 e 16, às 21h30 , no Espaço La Marmita (em Gaia)
21 e 22, às 21h30, no Teatro Helena Sá e Costa (no Porto).

Heaven estreou em Julho passado, na Alemanha, durante o festival ARENA ...of young arts 2006 . No mesmo mês, teve a sua estreia nacional no TeCa – Teatro Carlos Alberto, integrado no Festival SET – Semana das Escolas de Teatro.

Heaven é uma meditação irónica sobre a morte e as convenções absurdas que tornam os humanos escravos de si próprios.


Publicado por vm em 05:11 PM | Comentários (0)

dezembro 10, 2006

DOIS PIANOS DUAS CAUSAS - LUIS MAGALHÃES E NINA SCHUMANN

Concerto de Solidariedade a favor de Aldeias de Crianças SOS e
Associação Portuguesa de Doentes Neuromusculares

Dia 18 de Dezembro | 21H30 |
Rivoli Teatro Municipal

Assunto: Conferência de Imprensa

Data: Dia 11 de Dezembro de 2006
Horas: 11h00

Local: Fnac Santa Catarina (Porto)

O concerto promovido pela Fnac Santa Catarina (Porto), no dia 18 de Dezembro, no Rivoli Teatro Municipal, enquadra-se na política de angariação de fundos para entidades de beneficiência ou para projectos na sua área geográfica com os quais a equipa da loja se identifica e pelos quais se mobiliza. Este ano, a Sede e restantes Fnac do país apoiam a Fnac Santa Catarina na organização desta iniciativa.

A decisão de promover um concerto está inevitavelmente ligada ao papel da Fnac enquanto agente cultural e divulgador de novos artistas. Por isso, convidam dois jovens pianistas, Luis Magalhães e Nina Schumann (TwoPianists), talentos promissores na música clássica.


Publicado por vm em 01:46 PM | Comentários (0)

dezembro 09, 2006

FERNANDO LOPES-GRAÇA -CONCERTO DO CENTENÁRIO

Orquestra Clássica de Espinho

José Corvelo, Barítono

Miguel Henriques, Piano

Cesário Costa, Maestro

Cine-Teatro Paraíso, Tomar, 17 de Dezembro, 21H30

PROGRAMA

I Parte

Sinfonieta

Cuatro Canciones de Federico Garcia Lorca

Fantasia para piano e orquestra


II Parte

Scherzo Heróico

Concerto para piano e orquestra nº 2

Publicado por vm em 11:14 PM | Comentários (0)

dezembro 08, 2006

"TEATRO DA VILARINHA- 10 ANOS" EXPOSIÇÃO

O Pé de Vento inaugura no próximo sábado, 9 de Dezembro, pelas 16 horas, a exposição Teatro da Vilarinha - 10 anos, na Galeria do Palácio - Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto, onde ficará patente até 26 de Janeiro de 2007, com o seguinte horário: 3ª a sábado, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30, e domingos das 14h00 às 17h30.

Para assinalar os 10 anos do Teatro da Vilarinha (que abriu ao público em Outubro de 1996), o Pé de Vento organizou uma exposição que reúne fragmentos dos vários universos cénicos criados na última década, mostrando também parte da memória que constitui o trajecto artístico da companhia ao longo de 28 anos de existência.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

novembro 29, 2006

"OS VINTE E QUATRO PRELÚDIOS" de F. LOPES-GRAÇA, por MIGUEL HENRIQUES, NO CCB-Pequeno Auditório

m henriques1.jpg

Os Vinte e Quatro Prelúdios de Fernando Lopes-Graça
por Miguel Henriques

Co-produção: CCB/ Antena 2

4 de Dezembro 2006
19h00 | Pequeno Auditório
Duração:1h15 s/ intervalo

Escritos entre 1950 e 1955 só se ouviram na sua versão integral a 11 de
Março de 1965 na Fundação Calouste Gulbenkian por Helena Moreira de Sá e
Costa. Depois foi preciso esperar 32 (!??) anos - Junho de 1997 no Centro
Cultural de Belém - para se ouvirem de novo. E no entanto é um ciclo de
peças acolhido com assinalável êxito pelo público e pela crítica nacional e
internacional. Sérgio Azevedo escreveu:


"A abordagem destas obras, atrevo-me a dizê-lo, terá de ser uma abordagem quase metafísica, o mesmo tipo de abordagem adequada para o último Beethoven. Se Lopes-Graça emula Chopin e Debussy na escolha do género, se Ravel, Falla ou Szymanowsky ainda fazem ocasionalmente a sua aparição neste ou naquele compasso dos "Prelúdios", é porém a sombra gigantesca de Beethoven que avulta se quisermos compreender o alcance musical profundo destas 24 peças."

Esta será assim a sua terceira audição... no CCB na próxima segunda-feira, 4
de Dezembro.

Publicado por vm em 12:50 AM | Comentários (0)

novembro 26, 2006

EXPOSIÇÃO "SUGGIA, O VIOLONCELO" - actividades

exp sug.jpg

Publicado por vm em 11:17 PM | Comentários (0)

novembro 20, 2006

ÀS VOLTAS COM PESSOA- Index Livraria- 21/11 - 19 h

A Index e a editora Alma Azul têm o prazer de o convidar para a sessão de poesia "Às voltas com Pessoa", dia 21 de Novembro, às 19 horas.


Index Livraria

Rua D. Manuel II, 320 | 4050-344 Porto
tel. 226094805

Publicado por vm em 02:32 PM | Comentários (1)

novembro 11, 2006

FACES DE EVA- INSTITUTO CERVANTES DE LISBOA-23/11- 18 horas

Faces de Eva. Centro de Estudos sobre a Mulher, o Instituto Cervantes em Lisboa e as Edições Colibri têm o prazer de o convidar para a apresentação do Nº 16 da Revista Faces de Eva. Estudos sobre a Mulher com a intervenção de Inês Espada Vieira intitulada «Mitos e paixões da Guerra Civil de Espanha»

Dia 23 de Novembro (quinta-feira) às 18h00
no Instituto Cervantes en Lisboa

Rua Sta. Marta, 43 F- R/C
1169-119 Lisboa

“Não passarão!
Seja qual for a fúria da agressão,
As forças que te querem jugular
Não poderão passar
Sobre a dor infinita desse não
Que a terra inteira ouviu
E repetiu:
Não passarão”

(vv. 21-27).
“Não passarão”, Miguel Torga


Publicado por vm em 07:11 PM | Comentários (1)

novembro 06, 2006

O PRIMEIRO VIOLONCELO

Prelúdio e Liebestod de Tristão e Isolda
(Concerto pela Orquestra Sinfónica da Rádio da Baviera, 21 de Março de 2006)


O futuro da música começa
nesta música quando à minha frente
é o jovem primeiro violoncelo

dela o modo na noite inicial
da primavera: Mahler Richard Strauss
Berg uma vez mais sob o nocturno

arco repetem o seu som futuro
vindo da fala criada para contar
o corpo envenenado do amor

Distingo o violoncelo ouvido e visto
entre os restantes sons que lutam cegos
ou estremecem e vejo a mão tremente

movendo
o arco ígneo do instrumento:
o prelúdio começa com o impulso

desse braço candente que promete
o amor mesmo que a morte já esteja
contida no começo


Gastão Cruz
do livro “A MOEDA DO TEMPO”
Assírio & Alvim, 2006

Publicado por vm em 01:04 AM | Comentários (0)

novembro 02, 2006

COBRAS E SON - Pequeno Auditório do CCB- 6/11 (2ª-feira) às 19h

COBRAS E SON é um grupo de música antiga sediado em Salamanca, composto por músicos oriundos de várias partes do mundo. A sua atenção centra-se especialmente na música ibérica anterior à perseguição e expulsão das comunidades judias e muçulmanas do território da Península.
Assim, o seu repertório é composto por música e poesia desses três povos que durante tantos séculos partilharam o espaço peninsular: cristãos, judeus e muçulmanos. É também dada uma atenção particular a alguma música tradicional de Espanha e Portugal que preserva vestígios e influências da música dessas três culturas medievais.
A expressão 'COBRAS E SON' era utilizada por Alfonso X, o Sábio, para designar a poesia e música das suas Cantigas de Santa Maria (cobras - versos; son - música).


COBRAS E SON:

Voz - Lucía Vázquez
Rabel - Carolina Casaseca
'Oud - Pedro Ospina
Percussões - Pedro Gomez
Flautas, harpa e direcção - César Viana


Publicado por vm em 02:54 PM | Comentários (1)

outubro 31, 2006

RECITAL DE VIOLONCELO E PIANO

(Transmitido em directo na Antena 2)

Intérpretes:
Bruno Borralhinho, violoncelo
Nuno Barroso, piano

Local:
Teatro Nacional de São Carlos, Lisboa.

Data/Hora:
Quinta-feira / 9 de Novembro / 19:00h

Programa:
Obras de Bach, Schumann, Freitas Branco e Piazzolla.

Entrada Livre.

Publicado por vm em 03:07 PM | Comentários (0)

outubro 27, 2006

CAMILO E ANA AUGUSTA, de Artur Costa

O Teatro da Vilarinha, no Porto, tem em cena "Camilo e Ana Augusta, de Artur Costa, com encenação de João Luiz, até 4 de Novembro.
Trata-se de uma co-produção Pé de Vento e Efémero - CTA, que estreou em 14 de Outubro e que estará em cena em Aveiro, no Estaleiro Teatral, de 16 de Novembro a 2 de Dezembro.

Publicado por vm em 08:44 AM | Comentários (0)

outubro 13, 2006

OS GRANDES PORTUGUESES-GUILHERMINA SUGGIA

guilhermina_suggia_bio_grande.jpg

Violoncelista sem paralelo no seu tempo, tocou por toda a Europa. Fez da Inglaterra a sua segunda pátria, mas morreu em Portugal. Foi agraciada com a insígnia de comendador da Ordem de Sant’Iago da Espada e deixou um legado valioso, hoje quase esquecido. O romance com Pablo Casals, músico famoso, encheu as páginas dos jornais. O compositor húngaro Emanuel Móor dedicou-lhes o “Concerto para dois violoncelos”. O quadro do pintor inglês August John, na Tate Gallery, em Londres, captou o estilo de Guilhermina Suggia. Mas não a alma. Dizem que transformou o violoncelo, instrumento musical masculino, numa arma de sedução feminina.

(http://grandesportugueses.rtp.pt)

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

outubro 12, 2006

HOMENAGEM A EUGÉNIO DE ANDRADE

A Index associa-se à Cooperativa Árvore numa sessão de homenagem a Eugénio de Andrade.
Sexta-feira 13, a partir das 18 horas, o poeta será recordado através dos poemas que Ana Luísa Amaral, António Barbedo, Diogo Alcoforado, Francisco Duarte Mangas, Gastão Cruz, Helga Moreira, Inês Lourenço, Joaquim Manuel Magalhães, Jorge Sousa Braga, Viale Moutinho, Manuel António Pina, Manuel Dias da Fonseca, Mário Cláudio, Paulo Pais e Vergílio Alberto Vieira lhe dedicaram.

Cooperativa Árvore | 13 de Outubro, 18 horas

Leituras de Alberto Serra e acompanhamento musical do Duo Pourquoi Pas

Publicado por vm em 10:55 PM | Comentários (0)

outubro 07, 2006

PARA A SEMANA ESTÁ À VENDA, DE CERTEZA

Oh meus senhores tenham respeito! O catálogo da exposição de Suggia, no Porto, inaugurada a 27 de Junho ainda não existe. Ontem estive lá de novo e disseram-me que "para a semana está de certeza pronto. Agora é que vai ser!"

Fazer só por fazer não interessa. Ela está lá. Mal feita mas está. Ontem estive lá sem ninguém mais para visitar.

Se não existe publicidade, se não existe catálogo...

Também não existe respeito nem vergonha. Mentir é feio. Muito feio

Publicado por vm em 09:54 PM | Comentários (1)

outubro 03, 2006

(RE)ESTREIA DO CONCERTO Nº 1 P/ PIANO E ORQUESTRA de F.LOPES-GRAÇA

TEATRO NACIONAL DE S.CARLOS
20. Outubro 2006 | 21:00h

Wolfgang Amadeus Mozart
Música fúnebre maçónica, K. 477

Fernando Lopes-Graça
Concerto n.º 1 para piano e orquestra, LG 69

Wolfgang Amadeus Mozart
Thamos, König in Ägypten, K. 345,
coros e músicas de cena para o drama de Tobias Philipp von Gebler

baixo Vladimir Vaneev
piano Miguel Henriques

direcção musical Jonathan Webb
Orquestra Sinfónica Portuguesa

Coro do Teatro Nacional de São Carlos
maestro titular Giovanni Andreoli

Publicado por vm em 11:26 AM | Comentários (0)

setembro 28, 2006

A CÂMARA MUNICIPAL DO PORTO TEM SIDO MADRASTA DE SUGGIA

No dia 27 de Junho deste ano (dia do 121º aniversário do nascimento de Guilhermina Suggia) foi inaugurada uma exposição na Casa-Museu Guerra Junqueiro comemorativa do 120º aniversário de Suggia. Um ano de atraso! Do mal o menos. Ou a Câmara Municipal do Porto, cujo Pelouro da Cultura e Turismo organizou a exposição, se esqueceu ou não sabia que Guilhermina Suggia foi uma das mais importantes portuenses de sempre ou na altura estivesse mais esquecida ainda do que está hoje em dia. Hoje até tem o seu nome na Sala grande da Casa da Música!!!
Ora bem. Fazer uma exposição sobre Suggia, ali, porquê? Não haveria outro sítio melhor? Tendo que ser na Casa-Museu Guerra Junqueiro não podia ter sido feita duma maneira menos atrofiada? O espaço é pouco e nada brilha. É certo que pouca gente lá vai. Já visitei várias vezes a exposição e apenas numa delas estava um grupo de crianças duma escola a quem era debitado um discurso inapropriado . Da 1ª vez que lá fui havia apenas um catálogo artesanal com folhas A4 numa capa de plástico. Se houvesse mais que uma visita, uma delas ficaria sem catálogo. Note-se que junto aos objectos expostos existe apenas um número. Da vez seguinte que visitei a exposição fui informado de que apenas em princípios de Setembro o catálogo estaria disponível. Em Agosto, ainda sem catálogo, reparei que o violoncelo Montagnana tinha sido retirado da exposição. Perguntei porquê. Disseram-me que a Sala não estava preparada para ter um instrumento daqueles em exposição. A humidade poderia estragá-lo. Retorqui que sabia que o violoncelo estava a ser tocado por um violoncelista (felizmente!) e que sempre que ele precisava dele o violoncelo era retirado da exposição. “ Também é isso”, disseram. Parecia-me mais honesto que sempre que o instrumento é levado ficasse no sítio a informação da verdade. É bom que o violoncelo seja tocado. É mau que, se a sala é muito húmida e possa estragar o violoncelo, ele esteja lá. Lembro outros tempos em que ele esteve numa cave cheia de humidade, chegando a estar coberto de bolor!

Em princípios de Setembro voltei e disseram que o catálogo estaria à venda no fim do mês. Há dias voltei e disseram que só em Outubro.
Que falta de respeito e de vergonha!

Na exposição faz-se referência a correspondência de Suggia para Vianna da Motta sobre concertos que ambos vão dar no Teatro S. Luiz em Lisboa. O original dessa correspondência está neste momento na Biblioteca Nacional, antes havia estado no Museu da Música, e com autorização do Museu da Música foi neste blog divulgada.
A mediocridade é tanta que, não podendo o original estar em 2 sítios simultaneamente, para que não haja referência ao blog ( e confesso que não sei porquê) se diz que o original pertence – e perdõe-se-me a dúvida – ou ao Conservatório de Música do Porto ou à Câmara Municipal do Porto (se tivesse o catálogo tiraria a dúvida).

Está escrito que Guilhermina Suggia deixou o seu violoncelo Montagnana à cidade do Porto. Que maneira de fugir aos factos! Leia-se acerca disto o testamento de Suggia.

Seria bom que a Câmara do Porto lembrasse com amor e mais respeito quem tanto fez pela sua terra e pelo seu país.

Há 56 anos, pelo menos, que a Câmara é madrasta de Suggia. É pena

Publicado por vm em 11:09 PM | Comentários (0)

setembro 18, 2006

DUO CONTRACELLO- LANÇAMENTO DE CD

O Duo Contracello, formado por Miguel Rocha no violoncelo e Adriano Aguiar no contrabaixo, tem o prazer de anunciar o lançamento do seu segundo CD, intitulado Duo Contracello II, no próximo dia 1 de Outubro de 2006, Dia Mundial da Música, em Lisboa, às 19 horas, na Galeria Prova de Artista – Hotel Real Palácio e no dia 4 de Outubro de 2006, às 19 horas, no Porto, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa.

Estes eventos, cuja entrada será livre, contarão com a execução de algumas obras incluídas neste CD por parte destes intérpretes.

A apresentação no Porto será transmitida em directo pela Antena 2.

Os compositores escolhidos para este CD são Couperin (1668-1733), Keyper (1756-1815), Mozart (1765-1791), Boukinik (1872-1947) e Carlos Azevedo (1964).


Endereços:

Galeria Prova de Artista – Hotel Real Palácio – Rua Tomás Ribeiro, 115 loja 1 – 1056-228 Lisboa

Salão Árabe - Palácio da Bolsa – Rua Ferreira Borges – 4050 Porto

Publicado por vm em 05:22 PM | Comentários (2)

setembro 04, 2006

CONVITE AOS ASSOCIADOS DA ASSOC. GUILHERMINA SUGGIA

convite- sala g. suggia.a.jpg

Publicado por vm em 11:28 AM | Comentários (0)

agosto 02, 2006

COLASANTI CONQUISTA PRÉMIO LOPES GRAÇA

COLASANTI CONQUISTA PRÉMIO LOPES-GRAÇA 2006
Silvia Colasanti venceu prémio de melhor composição, por maioria, com a peça "Rifrazione in canto"


"É estúpido pensar em escrever qualquer coisa [na música], hoje, esquecendo e rejeitando o passado. Mas isso não significa ficar preso a ele. Não se pode ser obliterado pelo passado" - declarou a compositora italiana Silvia Colasanti, vencedora do Prémio Internacional de Composição Fernando Lopes-Graça 2006. Ultrapassando o âmbito nacional, a distinção especial foi atribuída por motivo da comemoração do primeiro centenário do nascimento do compositor.

Silvia Colasanti venceu com "Rifrazioni in Canto", uma "peça para duas orquestras", explicou em declarações à agência Lusa. "O canto é um elemento muito importante, mas não no sentido tradicional", continua a compositora a quem interessa mais explorar as vertentes tímbrica e melódica e tratá-las "com chave contemporânea".

Citou, a propósito, Wittgenstein, segundo o qual "a linguagem é como uma cidade, algo tão estratificado" como na música, onde nenhuma das camadas se entende isolada das restantes.

Estreia em Portugal

"Rifrazioni in Canto" mereceu o voto maioritário do júri constituído pelos compositores Simon Bainbridge, Azio Corghi, Christopher Bochmann, Sérgio Azevedo e Evgueni Zoudilkine. Além de receber 5 mil euros em dinheiro, Silvia Colasanti terá a sua peça executada em Portugal em primeira audição.

"De luas", de Carla Rebora, também italiana, e "O lobo, o capuchinho e a avó", do português Rogério Ferreira de Medeiros, foram distinguidos com menções honrosas.

Colasanti, de 31 anos, é diplomada em piano com Valentino Di Bella e em composição com Luciano Pelosi e Gian Paolo Chiti no Conservatório Santa Cecília de Roma, onde estudou História e Estética da Música com Cláudio Annibaldi. Frequentou 'master classes' de composição com Fabio Vacchi.

Instituído pela Câmara Municipal de Cascais em 1994, o Prémio Nacional de Composição Fernando Lopes-Graça retomará o seu âmbito nacional nas próximas edições, mantendo a periodicidade anual.

Publicado por vm em 12:30 PM | Comentários (0)

julho 27, 2006

JUNTOS NO RIVOLI

Abaixo-assinado contra a "privatização" da gestão do Rivoli pela Câmara Municipal do Porto


http://www.juntosnorivoli.com

Publicado por vm em 02:56 PM | Comentários (3)

julho 08, 2006

MATER

MATER a.jpg

Publicado por vm em 01:21 AM | Comentários (0)

julho 03, 2006

CICLO DE POESIA "OS QUATRO ELEMENTOS" -AVEIRO

mailin-poesia-julho.jpg

Publicado por vm em 12:30 PM | Comentários (1)

1ºCENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO PADRE E COMPOSITOR LUIS RODRIGUES

Copia (2A) de CENTENARIO DE NASCIMENTO I[1].jpg

Publicado por vm em 10:53 AM | Comentários (0)

junho 28, 2006

SUGGIA, O VIOLONCELO

EXPOSIÇÃO ORGANIZADA PELA CAMARA MUNICIPAL DO PORTO

Casa-museu Guerra Junqueiro
R. D. Hugo, 32
Tel.: 222 003 689
» 10h00-12h30 . 14h00-17h30

Até 31 de Dezembro

Publicado por vm em 10:22 AM | Comentários (0)

junho 09, 2006

UM OLHAR SOBRE SUGGIA


A Fundação Musical dos Amigos das Crianças, enquanto entidade titular da Escola de Música Guilhermina Suggia, organiza entre 17 e 27 de Junho de 2006 nas suas instalações, sitas na Rua D. Manuel II, 226 – Porto, uma exposição subordinada ao tema:
Um Olhar sobre Suggia>

Este projecto insere-se nas comemorações dos 120 anos do nascimento da insigne Violoncelista.

Neste nosso “Olhar” pretendemos dar o contributo para a homenagem à Artista mediante algum material inédito (e não só) tais como: documentos, fotos, objectos, programas musicais e outros não só dos nossos Arquivos, mas também de arquivos de amigos da FMAC.
A visão humana e artística de Suggia, são as facetas que desejamos realçar junto não só dos alunos das Escolas do Porto, mas também junto de todos aqueles – e que já são muitos – que se interessam verdadeiramente pela sua memória.
Programa

17 de Junho – Início: 16 horas

Salão Guilhermina Suggia
Abertura da Exposição
Pequena conversa sobre o tema “Suggia”
Momento musical organizado pela Violoncelista D. Madalena Sá e Costa, antiga aluna de Suggia.
Jardins Concerto de jovens Instrumentistas da Escola de Música Guilhermina Suggia e
da Orquestra Juvenil de Instrumentos de Arco da FMAC, dirigida pelo Maestro Leonardo de Barros.

Exposição aberta ao público: 2ª a 6ª feira das 15 às 19,30 horas
Sábado: 10 às 13 horas

Publicado por vm em 09:05 AM | Comentários (0)

junho 08, 2006

AGREMIAÇÕES MUNDANAS E RECREATIVAS FILARMÓNICAS E GRUPOS FOLCLÓRICOS

CLUBE DE LEÇA
Inaugurada esta agremiação aristocrática e recreativa no dia 2 de Agosto de 1884. foi preencher uma lacuna na estação balnear de Matosinhos-Leça.
Teve a sua primitiva sede na Rua do Arnado, em Leça da Pal¬meira, e aí actuou a direcção inicial, composta por António Manuel Lopes Vieira de Castro, António Alberto da Cerveira Pinto c Manuel Pereira Marques Júnior.
Neste clube, um dos mais categorizados das praias nortenhas, eram sempre distintos, animados e brilhantes os bailes, concertos e reuniões que nele se efectuavam, durante o ano.
Nele fizeram-se ouvir muitos dos grandes artistas e dos mais
benquistos amadores do Norte, tais como Virgínia e Guilhermma Suggia, Moreira de Sá, Xisto Lopes, Raimundo de Macedo, Joaquim Caseia, Alexandrina Castagnoli, Paulo Navone, Óscar da Silva e
tantos outros.

Em 1888 foi transferido para o mesmo arruamento, para instalação própria, mais condigna, com amplo salão de baile no andar nobre, e dependências desafogadas no andar térreo, para leitura, jogos e restaurante.
De 1915 a 1917 esteve desorganizado o Clube de Leça, por ter sido demolido o prédio que lhe servia de sede, a fim de dar lugar às obras do porto de Leixões.
Presentemente, encontra-se na Rampa do Castelo, 2, em Leça da Palmeira, continuando as suas honrosas tradições.

"MONOGRAFIA DE MATOSINHOS" de Guilherme Felgueiras
(Cedido por Biblioteca Florbela Espanca- C.M.Matosinhos)

Publicado por vm em 10:23 AM | Comentários (0)

maio 30, 2006

A GALIZA RECLAMA UMA RUA COM O NOME DE JOSÉ AFONSO

Rúa para o Zeca Afonso:
( Asina o formulario de adhesións )


D. Xosé A. Sánchez Bugallo
Alcalde de Santiago de Compostela

Sr. Alcalde:

O pasado día 23 de febreiro cumpríronse 19 anos da morte en Setubal (Portugal) do artista portugués José Afonso. Músico, poeta e cantor, José Afonso acadou en tódalas súas actividades artísticas un nivel de calidade que o levou a ser considerado como unha das máis importantes figuras da música popular mundial.

José Afonso foi ademais un home solidario, un loitador incansable pola liberdade e un exemplo de compromiso cos máis desfavorecidos, mantendo ó longo da súa vida unha traxectoria éticamente exemplar.

José Afonso foi ademais un gran amigo de Galicia. Viaxou ó noso país en numerosas ocasións cantando en diversas cidades, entre elas Santiago, mantendo contactos con intelectuais e artistas e exercendo unha importante influencia na música galega.

A súa presencia xenerosa en intres de enorme dificultade para o noso país foi unha lección de solidariedade que non podemos nin debemos esquecer.

Estes motivos abondarían para que José Afonso fora merecedor de respecto e admiración por parte de tódolos galegos. Pero José Afonso escolleu ademais a cidade de Santiago para interpretar por vez primeira en público con carácter de estrea mundial a súa canción “Grândola, vila morena”, no recital celebrado no Burgo das Nacións na tarde do 10 de maio de 1972. Esa canción converteríase, sen el sabelo nin pretendelo, dous anos máis tarde no sinal e símbolo da Revolución do 25 de abril, que derrubou á dictadura e devolveu a liberdade ó pobo portugués nun dos acontecementos máis fermosos da historia contemporánea.

A canción “Grândola, vila morena” e a figura de José Afonso representan pois os mellores anceios de liberdade, igualdade e fraternidade que aniñan nos corazóns de tódolos demócratas, sentimentos que temos a obriga de promover e defender.

Por estes motivos, considerando que a nosa cidade ten unha débeda de gratitude con José Afonso, dirixímonos a Vde. para solicitar que promova as accións necesarias a fin de que o Concello de Santiago adopte o acordo de dar o nome de José Afonso a unha rúa ou praza da cidade.

Os promotores e asinantes desta proposta queremos expresar ó Sr. Alcalde e ó Concello de Santiago a nosa vontade de colaborar nesta iniciativa na medida das nosas posibilidades, poñéndonos á total disposición das autoridades municipais.

Santiago, a 5 de maio de 2006.

Para calquera pregunta ou suxerencia,
poñédevos en contacto con calquera dos “promotores”:

Xoán Guitián: 981.563100-Ext.14275 xguitian@hotmail.com

Benedicto García: 981. 548112 benegv@yahoo.es

Arturo Reguera López: arturoreguera@gmail.com

Ou no blog: http://www.blogoteca.com/chiscandounollo/



Publicado por vm em 01:55 PM | Comentários (0)

maio 27, 2006

A CASA DE ANTÓNIO NOBRE, NO PORTO - CLASSIFICADA, MAS EM RUÍNAS

Mário Cláudio (entrevista ao Público de 24.5.2006):

"...gritante é o estado de total abandono em que se encontra a casa onde morreu António Nobre, na Avenida do Brasil, que está a ameaçar ruína. Bem sei que o imóvel está classificado, mas isso não terá nenhuma eficácia no caso de o edifício ruir e é apenas disso que o proprietário está à espera, para depois
vender a casa. Era mais útil se a Câmara desse protecção a este imóvel e
criasse algo semelhante à Casa Fernando Pessoa. O espólio do Nobre está a
degradar-se em gavetões na biblioteca e podia servir para constituir ali um
núcleo museológico e um espaço onde se discutisse literatura".


VM- Pois claro! Que raio de país é este? Deviam entrar também nos "livros de Recordes" o estado de abandono, destruição em que se encontram os nossos bens. EStamos, certamente, no topo.

TODOS TEMOS CULPA. Somos nós que elegemos as autarquias, os governos. Ou nos abstemos, o que aumenta as culpas. Somos nós que passamos todos os dias por bens que chegam a ruir ou são destruídos - como aconteceu recentemente com a CASA ONDE VIVEU E MORREU GARRETT, em Lisboa, sem que façamos o que quer que seja para que esses bens sejam preservados. São bens que nos pertencem e que nós deixamos destruir. A nossa obrigação não é só votar. É também, e sobretudo, exigir que os nossos bens sejam preservados. Lutar contra a corrupção.

Esperemos que a CASA DE GUILHERMINA SUGGIA não chegue à destruição. Haverá responsáveis!

Publicado por vm em 10:22 AM | Comentários (2)

maio 25, 2006

Coro Ricercare e Sinfonietta de Lisboa

Jovens compositores portugueses - primeiras audições absolutas
Sábado, 27 de Maio de 2006 - 21h30
Sociedade de Geografia de Lisboa
Entrada livre
Direcção: Pedro Teixeira e Vasco Pearce de Azevedo

Programa

1ª parte
Coro Ricercare

Ó, ó, menino ó (Nozedo de cima, Trás-os-Montes) Fernando Lobo
José embala o menino (Monsanto) *** Fernando Lobo
Verdes são os campos * Fernando Lobo
Ave Maria Vasco Mendonça
Amor a Mib M que tudo * José Luís Ferreira
Cantiga da Roda (Dornelas do Zêzere, Pampilhosa da Serra) Eugénio Rodrigues
Ave Maria Gonçalo Lourenço
Os passos da romaria * Gonçalo Lourenço
Nossa Senhora do Souto (Donas – Beira Alta)
O Senhor da Serra é Meu (Ribatejo)
Senhora Santa Luzia (Beira Alta)
Senhora da Póvoa (Atalaia do Campo – Beira Alta)

2ª parte

Coro Ricercare e Sinfonietta de Lisboa

Ó meu menino * Gonçalo Lourenço
Mar português * Tiago Derriça
Nothing(less) to say… * José Luís Ferreira
O crux ave ** Antero Ávila
Correm turvas as águas deste rio * Fernando Lobo
À memória de Anarda * Pedro Faria Gomes

Coro Ricercare
Direcção: Pedro Teixeira

Sinfonietta de Lisboa
Direcção: Vasco Pearce de Azevedo
--------------------------------------------------------------------------------
* Primeira audição absoluta
** Primeira audição em Portugal continental
*** Obra estreada pelo Coro Ricercare (2004)


--------------------------------------------------------------------------------

Publicado por vm em 12:53 PM | Comentários (0)

"O REMORSO DE BALTAZAR SERAPIÃO" de VALTER HUGO MÃE

caros amigos, atentem nas apresentações do meu romance, «o remorso de baltazar serapião», a acontecerem nas feiras do livro de lisboa (sábado, dia 3, 15 h, pequeno auditório da feira do livro, com o pedro sena-lino)
e porto(sábado, dia 10, 16.30h, café literário da feira do livro, com o jorge pinho). apareçam, não me deixem lá sozinho.

valter

Publicado por vm em 09:52 AM | Comentários (0)

maio 18, 2006

"ORPHEU E EURÍDICE- CNC- SALA SOPHIA DE MELO BREYNER/FRANCISCO DE SOUSA TAVARES

No AMBITO DO TERMO DAS COMEMORAÇÕES DOS 60 ANOS DO CENTRO NACIONAL DE CULTURA, na Rua António Maria Cardoso, 68:

ORPHEU E EURÍDICE dia 24 de Maio às 18,30h

PINTURAS DE GRAÇA MORAIS Ilustradas com poemas de SOPHIA DE MELO BREYNER com momento musical de PEDRO CALDEIRA CABRAL

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

maio 17, 2006

"DIÁLOGOS COM A TERRA" PINTURAS DE GRAÇA MORAIS

GALERIA RATTON
Rua Academia das Ciências, 2-C

PINTURAS DE GRAÇA MORAIS "DIÁLOGOS COM A TERRA"

Inauguração 3ª-feira, dia 23 de Maio às 22 horas

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

maio 16, 2006

COMENTÁRIOS

O Blog vai deixar de ter o espaço para comentários, aberto. Quem quiser fazer algum pode enviá.lo através do email. Será, com certeza, afixado no blog.

Todos os oportunistas canalhas podem aproveitar durante algum tempo os postais que lhos permitam fazê-los. ODEIO - ODEIO - ODEIO oportunismos de qualquer espécie e há sempre uma altura em que ficamos cheios. Eu não tenho tempo para dar a bandidos.

Publicado por vm em 12:19 AM | Comentários (0)

maio 11, 2006

LANCAMENTOS DE EDIÇÕES DE OBJECTO CARDÍACO

ESTA SEXTA, DIA 12, A PARTIR DAS 21.30H,
NO PALACETE BALSEMÃO (PRAÇA CARLOS ABERTO, PORTO)
LANÇAMENTO DO LIVRO «OS ANIMAIS ANTIGOS»
DE JOÃO HABITUALMENTE
COM PROJECÇÃO DE VIDEO DA AUTORIA DE NUNO BEIRA SOBRE O AUTOR E A REVISTA PÉ DE CABRA


ESTE SÁBADO, DIA 13, A PARTIR DAS 23H,
NOS MAUS HÁBITOS (RUA PASSOS DE MANUEL, PORTO)
APRESENTAÇÃO DO LIVRO «AS LETRAS COMO POESIA»
DE VITORINO ALMEIDA VENTURA
COM A PARTICIPAÇÃO DE ANADEUS


AS ENTRADAS SÃO LIVRES PARA AMBOS OS EVENTOS
__________________________
objecto cardíaco
Apartado 520, 4480-998 Vila do Conde
telefax. 252 688 359
www.objectocardiaco.pt
www.objectocardiaco.blogspot.com

Publicado por vm em 10:03 PM | Comentários (1)

maio 07, 2006

Ciclo Bolseiros da Fundação Calouste Gulbenkian- BRUNO BORRALHINHO

Bruno Borralhinho – violoncelo

Eriko Makimura – piano

Obras de Ludwig Van Beethoven, Richard Strauss e Alfred Schnittke.

7 de Maio - 12h

Publicado por vm em 12:29 AM | Comentários (0)

abril 28, 2006

MORREU GLICÍNIA QUARTIN

GLICINIA QUARTIN.jpg
Fica a memória de uma grande amiga, uma grande actriz e, acima de tudo, UMA ENORME PESSOA.
EStá na Capela do Cemitério dos Prazeres e o funeral realizar-se-á amanhã pelas 11 horasl

Publicado por vm em 02:02 PM | Comentários (0)

abril 24, 2006

UM VIOLINO NA REPÚBLICA CHECA

matilde loureiro.jpg

Publicado por vm em 01:16 PM | Comentários (0)

abril 23, 2006

PELO QUARTETO DO CONSERVATÓRIO NACIONAL

CCB – FESTA DA MÚSICA 2006

Hoje, dia 23, às 14,45

Sala FREDERICO II

Johann Sebastian BACH

DIE KUNST DER FUGE (1742-9)

A ARTE DA FUGA

Publicado por vm em 01:32 AM | Comentários (0)

abril 20, 2006

MISSA BREVIS EM MEMÓRIA DE ARISTIDES DE SOUSA MENDES

MISSA BREVIS  2006.jpg

Publicado por vm em 07:53 AM | Comentários (0)

abril 06, 2006

RECITAL NO TEATRO RIVOLI - DOMINGO às 18H

JAPSousa.jpg
No próximo Domingo, às 18 horas, JOSÉ AUGUSTO PEREIRA DE SOUSA dará um recital onde tocará com o violoncelo Montagnana que pertenceu a SUGGIA, acompanhado ao piano por EMÍDIO TEIXEIRA.

O programa do recital será aqui anunciado, logo que possível.

Publicado por vm em 07:07 PM | Comentários (2)

abril 01, 2006

SALA GUILHERMINA SUGGIA- CASA DA MÚSICA

sALA GUILHERMINA SUGGIAa.jpg

Publicado por vm em 12:25 AM | Comentários (1)

março 22, 2006

CURIOSIDADES DAQUI

Desde que começou a ser anunciada a progamação da Casa da Música para a Sala Guilhermina Suggia, as visitas ao blogue, praticamente, duplicaram. Prova que muita gente não sabe quem é a senhora que dá nome à sala. De qualquer modo é de louvar tentarem saber quem foi.

Entre os paises que mais visitam o blogue - e por ordem decrescente do número de visitas - estão: Portugal, Estados Unidos, Brasil, República Checa, Itália, França, Suiça, Holanda, Reino Unido, México, Alemanha, Argentina, Espanha, Áustria, Canadá, Aruba, Chile, Índia, Finlândia, Peru, Eslováquia, Turquia, Croácia, Guatemala.

Fomos contactados por uma actriz Finlandesa que pretende representar a vida de Guilhermina Suggia em palco e que está a proceder a uma investigação aguardando um subsídio para poder visitar o nosso país.

Fomos igualmente contactados por uma jornalista/escritora da Catalunha que está a fazer um trabalho sobre Guilhermina Suggia.

Publicado por vm em 11:24 AM | Comentários (0)

março 21, 2006

DIA MUNDIAL DA POESIA

MÚSICA, de Eugénio de Andrade

Os álamos.

Essa música
de matutina cal.

Doces vogais
de sombra e água
num verão de fulvos
lentos animais

Calhandra matinal
na areia
branca de junho.

Acidulada música
de cardos
e navalhas.

Música do fogo
em redor dos lábios.

Desatada
à roda da cintura.

Entre as pernas
junta.

Música
das primeiras chuvas
sobre o feno.

Só aroma,
abelha de água

Repouso e regaço
onde o lume breve
duma romã brilha.

Música, levai-me:

Onde estão as barcas?
Onde são as ilhas?

Publicado por vm em 11:00 AM | Comentários (1)

março 20, 2006

GUILHERMINA SUGGIA NA PÁGINA DO INSTITUTO CAMÕES

http://www.instituto-camoes.pt/cvc/figuras/gsuggia.html

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (2)

março 19, 2006

DIA MUNDIAL DA POESIA- 21 de MARÇO - CASA FERNANDO PESSOA

Rua Coelho da Rocha, 16
1250-088 LIsboa
Campo de Ourique
www.casafernandopessoa.com

Sessão de leitura com

Adília Lopes, Ana Hatherly, António Osório, Bernardo Pinto de Almeida, Fernando Pinto do Amaral, Gastão Cruz, Ivette K. Centeno, Maria do Rosário Pedreira, Nuno Júdice, Pedro Mexia, Pedro Tamen

Música de J. S. Bach, F. Chopin, R. Schumann, C.Debussy e Álvaro Salazar pela pianista Sofia Lourenço.
Participação do clarinetista João Pedro Santos.

Publicado por vm em 09:53 AM | Comentários (1)

março 09, 2006

CONTOS COM MÚSICA- TEATRO MUNICIPAL SÃO LUIZ

- 10 A 19 MARÇO
ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOA
Cesário Costa, maestro

Luís Rodrigues, narrador

João Reis, narrador

Bárbara Guimarães, apresentação

PEDRO FARIA GOMES – O Violino Cigano

LUIS TINOCO – Contos Fantásticos
(Estreia de obras encomendadas pela OML; Co-produção com o Teatro Municipal São Luiz)


Sex 10 Mar 15h30, Teatro Municipal São Luiz

Sáb 11 Mar 17h30, Teatro Municipal São Luiz

Dom 12 Mar 17h30, Teatro Municipal São Luiz

Qua 15 Mar 15h30, Teatro Municipal São Luiz

Qui 16 Mar 15h30, Teatro Municipal São Luiz

Sex 17 Mar 15h30, Teatro Municipal São Luiz

Sáb 18 Mar 17h30, Teatro Municipal São Luiz

Dom 19 Mar 17h30, Teatro Municipal São Luiz

(informação do site www.oml.pt/home.htm - programação - março)

Publicado por vm em 07:20 AM | Comentários (2)

março 01, 2006

CENTENÁRIO DE AGOSTINHO DA SILVA

No mês de Março destacamos os Ciclos a realizar no Palácio da Independência (Largo de São Domingos, Lisboa), em parceria com a Sociedade História da Independência Nacional (dia 7, Paulo Borges: Inauguração da Exposição Foto-bio-bibliográfica Agostinho da Silva: Pensamento e Acção; dia 13, M. Ferreira Patrício; dia 20, A. Braz Teixeira; dia 27, J. Pinharanda Gomes, sempre às 18h00), e na sede da Associação Agostinho da Silva (Rua do Jasmim, 11, junto ao Príncipe Real), este a prolongar-se até ao final de Junho, bem como os Cursos de Introdução ao Pensamento de Agostinho da Silva (dia 4, Biblioteca Municipal de Santo Tirso, 15h00; dia 25, Galeria Tons da Baía, em Cascais, 15h00), bem como ainda a sessão “Três Olhares sobre Agostinho da Silva: o Filósofo, o Poeta, o Professor” (com Paulo Borges, Risoleta Pinto Pedro e Miguel Real), na Cooperativa de Cultura e Comunicação, em Alhos Vedros, já no próximo dia 4, às 21h30. http://www.min-cultura.pt/Agenda/Agenda.jsp

Comemorações do Centenário do Nascimento de Agostinho da Silva
Congresso Internacional do Centenário
http://www.agostinhodasilva.pt/ 15 a 17 de Novembro

Publicado por vm em 09:49 AM | Comentários (0)

fevereiro 28, 2006

CCB, 4/3/2006 - 21 h

Centro Cultural de Belém

Grande Auditório

Sábado 4. Março 2006 21:00h

António Pinho Vargas
Graffiti [just forms]
Obra encomendada pelo TNSC
Gustav Mahler
Lieder eines fahrenden Gesellen
Béla Bartók
O Mandarim Maravilhoso, op. 19

Orquestra Sinfónica Portuguesa
Soprano Nadja Michael
direcção musical Lothar Koenigs


Publicado por vm em 12:44 AM | Comentários (0)

fevereiro 17, 2006

EMANUEL MOÓR- Suite para 2 Violoncelos

suite 2 vlc.jpg
DEDICATÓRIA A "PABLO E GUILHERMINA CASALS"

Publicado por vm em 01:32 PM | Comentários (0)

fevereiro 16, 2006

Suite para 2 violoncelos de EMANUEL MOÓR

suite p 2 violoncelles.jpg
Obra escrirta por Emanuel Moór, dedicada a Pablo e Guilhermina Casals pelo compositor, e que poderá ser escutada na 2ª-feira, dia 20, num recital tocado, no CCB - Pequeno Auditório - às 19 horas, por Irene Lima e Paulo Gaio Lima, em ~homenagem a Guilhermina Suggia , numa acção conjunta da Antena 2/ Associação Guilhermina Suggia e CCB

Publicado por vm em 05:06 PM | Comentários (0)

fevereiro 12, 2006

MAIS ALGUNS COMPOSITORES DE QUEM SUGGIA INTERPRETOU OBRAS

Sammartini, Veracini, Senaillé, Valentini, Henschel, E.F. Dall Abaco, Sinigaglia, Glazunoff, D'Andrieu, Ravel, Eccles, Desplanes, Cupis de Camargo, Gluck, Kreisler, Francesco Guerini, Ernest Bloch, Pianelli, Frescobaldi, Cassadó, Dohnanye, Piattigorsky, Dittersdorf, Marcello e Joquin Nin, Marie Therese von Paradise, José Maria FRanco, Dupuis, Dandrieu, Rubinstein, Granados, Ernest Halffter, Franck Schmitt, Rimsky-Korsakov, Locatelli, Vianna da Motta, Artur Napoleão, Richard Strauss, Ian White

Publicado por vm em 06:27 PM | Comentários (2)

fevereiro 08, 2006

FUNDAÇÃO ARISTIDES DE SOUSA MENDES

Informamos que na quarta-feira dia 8 de fevereiro pelas 15.30 no escritório do Director Geral da Unesco Senhor Koichiro Matsuura e em presença do mesmo serão entregues os cheques dos 2 concertos realizados na Unesco pelo barítono português Jorge Chaminé em prol da Fundação Aristides de Sousa Mendes e da organização Music in ME (Music in Middle East).

Assistirão à cerimónia a Dra Maria Barroso Soares, presidente da Fundação Sousa Mendes, o Senhor Frans Wolfkamp, director geral de Music in Me, o Senhor Jean Daniel, director do Nouvel Observateur, o Dr. Fernando Nogueira, presidente do BCP, a Senhora Jacqueline Galvez, directora geral do Nouvel Observateur, o Embaixador Duarte Ramalho Ortigão e Jorge Chaminé, barítono, Embaixador da organização Music in ME e impulsionador desta homenagem a Aristides de Sousa Mendes. Recordamos que os dois concertos foram um imenso êxito e que o programa original e cosmopolita foi aclamado pelo crítico e escritor Jean Lacouture :" j'ai été particulièrement heureux que la soirée d'hommage de l'UNESCO soit animée et dominée par un grand artiste portugais, citoyen du monde, Jorge Chaminé, qui, pour mieux saluer son glorieux compatriote, ait réalisé ce soir-là une des plus extraordinaires "performances" dont le vieil amateur de musique que je suis ait été témoin en beaucoup plus d'un demi-siècle… Ainsi celui qui sut braver le nazisme en 1940 était-il honoré par ceux qui tentent, par le moyen de l'art, de revivre aujourd'hui, les conditions de la Paix – et par un grand chanteur de notre temps, qui nous est venu des bords du Douro…"


Com os nossos agradecimentos
Teresa Ferreira
(serviço de comunicação de Sons Croisés)

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 07, 2006

NOME de GUILHERMINA SUGGIA DADO À SALA 1 DA CASA DA MUSICA

Em altura de passagem de testemunho, Jorge Vaz de Carvalho sente que a sua "missão" foi cumprida e considera este momento de integração como "um dia histórico".

Também Dias da Fonseca previu "uma nova era para a Casa da Música", ao salientar que "só agora haverá um sonoridade própria". Já para a ministra da Cultura, deu-se a "consolidação de um grande projecto".

Na cerimónia foi anunciada a atribuição do nome da violoncelista Guilhermina Suggia à sala 1 da Casa da Música.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 06, 2006

JOVENS COMPOSITORES/JOVENS INTÉRPRETES

Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa
Em colaboração com a Universidade Nova de Lisboa

Sempre às 19:30h _ Entrada Livre----------------------------------------------------------

_ 11. Fevereiro 2006, 19:30 (Sábado)

Sérgio Azevedo
La Vera Storia d'Ulisse in Mare para orquestra (estreia absoluta)
Obra encomendada pelo TNSC

Felix Mendelssohn
Concerto para piano, violino e orquestra em Ré Menor

Franz Schubert
Sinfonia n.º 6 em Dó Maior, D. 589

violino Bruno Monteiro
piano Miguel Henriques
direcção musical Cesário Costa

Orquestra Sinfónica Portuguesa


--------------------------------------------------------------------------------

Publicado por vm em 12:04 AM | Comentários (0)

fevereiro 05, 2006

ALGUNS COMPOSITORES INTERPRETADOS POR GUILHERMINA SUGGIA

Offenbach, David Popper, Lee, Haydn, Beethoven, Dvorak, Max Bruch, Tchaikowsky, Tartini, Brahms, Chopin, Joachim Raff, Dunkler, Óscar da Silva, Saint-Saëns, Luis Costa, Reinecke, Volkmann, Kirchner, Davidoff, Rubinstein, Godard, Klengel, Rossini,Hans Bitt, Liszt, Goldmark, Richard Strauss, Wagner, Svendsen, César Frank, A. Piatti, Fritz Volback, E. Chabrier, Victor Herbert, Schubert, Schumann, Grieg, Hugo Wolf, Eugen D'Albert, C.M.Von Weber, Fauré, Boccherini, Bach, Lalo, Boelmann, Debussy, Sarasate, Ernest Halffter, Manuel de Falla. F. Bridge, Smetana, Floranr Schmitt, Elgar, Rachmaninoff, Méhul, Albeniz, Granados...

Publicado por vm em 10:31 AM | Comentários (1)

janeiro 18, 2006

CD COM MÚSICA DE VIANNA DA MOTTA

nfpma9938.jpg
Vianna da Motta: À Patria, Dona Inês de Castro (St. Petersburg Musical Archive)
Catalog No.: NFPMA9938
Label: Northern Flowers, 2005
1 CD (DDD)
Total time: 57:17

Jose Vianna da Motta
Symphony À Patria "To the Fatherland"
Overture Dona Inês de Castro

St. Petersburg Philharmonic Orchestra
Mario Mateus Conductor


Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

janeiro 13, 2006

RECITAL NO MUSEU GULBENKIAN, DOMINGO-15 JANEIRO- 12 horas

Recital de Violino e Piano - Música Portuguesa

Violino Piano
LUÍS CUNHA
EURICO ROSADO

Programa :

José Viana da MOTTA
[S.Tomé, 1868-Lisboa, 1948] Romanza
Violino e Piano
Luís BARBOSA
[Lisboa, 1887-1952] Romance
Violino e Piano
Pedro Lopes NOGUEIRA
[1ª metade séc. XVIII] Prelúdio e Fantasia
Violino solo
Luís TINOCO
[Lisboa, 1969] Tríptico [1997]
Violino e Piano
Cláudio CARNEYRO
[Porto, 1895-1963]
D' aquém e d' além mar, op. 20, nº 3 (1925-26)
 Pelo oceano voga sem âncora minha nau saudade
 Ausência
 Regresso (Violino e Piano)
César VIANA
[Southampton, 1963] Crú [2005]
Violino solo
Joly BRAGA-SANTOS
[1924-1988] Nocturno [1942]
Violino e Piano
Fernando LOPES-GRAÇA
[Tomar, 1906-Parede, 1994] Quatro Miniaturas [1980]
Preludio, Melodia, Mandolinata, Exercício
Violino e Piano


Publicado por vm em 09:55 AM | Comentários (0)

janeiro 10, 2006

PAZ NO LARGO DA PAZ

hscosta.jpg
Na sala, deitada entre entre 2 pianos, com um ar tão sereno, tão calmo, ouvia-se BACH - um dos seus compositores preferidos. Nunca estive ao lado da morte com uma sensação tão grande da importância que uma vida tem.

Aqui aos 25 anos a Prof HELENA SÁ E COSTA.

(do livro UMA VIDA EM CONCERTO)

Publicado por vm em 08:31 PM | Comentários (1)

janeiro 06, 2006

CONCERTO DE ANO NOVO

Coro da Universidade de Lisboa
Coro de Câmara da Universidade de Lisboa
Direcção: José Robert

Coro Infantil da Universidade de Lisboa
Direcção: Érica Mandillo

Obras de William Byrd, Tomás Luís de Vitória,

Fernando Lopes-Graça
(Excertos da "Segunda Cantata de Natal "
e do "Presente de Natal para as Crianças")

8 de Janeiro de 2006, 16.30, Igreja da Madalena (Baixa)
Entrada Livre


--------------------------------------------------------------------------------

Publicado por vm em 10:01 AM | Comentários (1)

janeiro 04, 2006

CONCERTOS ANTENA 2- "HOMENAGEM A GUILHERMINA SUGGIA - O VIOLONCELO LUXURIANTE"

Co-produção: Antena 2 / Associação Guilhermina Suggia / CCB
20 de Fevereiro 2006
às 19h | Pequeno Auditório do CCB
Duração:1h15 (com intervalo)

Guilhermina Suggia foi uma das maiores violoncelistas de sempre à escala mundial. O seu estatuto, no início do século XX, era comparável ao de Pablo Casals, com quem, de resto viveu, e com quem rivalizou, no que respeita ao interesse demonstrado pelo público e epla crítica. A mítica intérprete portuguesa deixou um legado valioso, sobretudo pela influência que exerceu em muitos outros violoncelistas. Paulo Gaio Lima foi galardoado, em 1979, com o Prémio Suggia (destinado a eleger jovens talentos do violoncelo), e Irene Lima, sendo uma admiradora de Suggia, faz jus ao seu génio sendo hoje uma das mais destacadas violoncelistas portuguesas do nosso tempo. Este concerto é, pois, dedicado à memória de Guilhermina Suggia, baseado em obras de compositores como Julius Klengel ou Emanuel Moór, ambos conquistados pelo virtuosismo de Suggia.

A suite para dois violoncelos de Moór, por exemplo, foi concebida expressamente para Suggia e Casals, e será interpretada, mais de 90 anos depois da estreia.


Publicado por vm em 10:14 AM | Comentários (2)

dezembro 22, 2005

JORGE MOYANO- Prémio Suggia 1979

Nasceu em 1951. Aos quatros anos de idade iniciou os estudos de piano na Fundação Musical dos Amigos das Crianças, sob a orientação da Professora Noémia de Brederote e, posteriormente, da Prof.ª Helena de Matos. Em 1986, terminou, no Conservatório Nacional de Lisboa, o curso superior de piano, na classe da Professora Cristina Pimentel, tendo ainda frequentado a classe de composição do Prof. Jorge Croner de Vasconcelos.

Participou em diversos cursos de Verão, tendo trabalhado, entre outros, com os professores Karl Hengel, Claude Helffer e Helena Moreira de Sá e Costa.

Entretanto, em 1974, terminou o curso de Engenharia Civil e somente em 1975, ano em que entrou para o Conservatório Nacional de Lisboa como professor de piano, passou a dedicar-se inteiramente à música. Em 1969, obteve os Prémios do Conservatório Nacional e Rey Colaço, tendo ainda sido finalista no Concurso Internacional de Orense.

Em 1978, obteve o 1.º prémio do Concurso Cidade da Covilhã e, em 1979, o Prémio Guilhermina Suggia. Em 1981, na qualidade de bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, trabalhou em Nova Iorque com os professores Gary Graffman e Martin Canin.

Nos últimos anos, tem realizado recitais por todo o País, para a Secretaria de Estado da Cultura, Pró-Arte, Juventude Musical Portuguesa e Fundação Calouste Gulbenkian, tendo igualmente colaborado em várias gravações para a RDP e RTP. É ainda participante habitual nos diversos festivais existentes em Portugal. Teve oportunidade de se apresentar no estrangeiro, nomeadamente em Itália, Espanha, ex-Jugoslávia e França, desenvolvendo a sua actividade, não apenas como solista, mas também no domínio da música de câmara. Actuou diversas vezes com a ex-Orquestra da RDP (Porto) e tem tocado regularmente com a Orquestra Gulbenkian.

Faz regularmente parte de júris de concursos internacionais e integrou, em 1987, o júri do Concurso Internacional Vianna da Motta. Actualmente, lecciona na Escola Superior de Música de Lisboa.


Publicado por vm em 12:37 AM | Comentários (0)

dezembro 16, 2005

BOCAGE - SONETOS

SESSÃO SOLENE DE ENCERRAMENTO DAS COMEMORAÇÕES DO ANO BOCAGE

21 DEZEMBRO 2005, 22H00
SALÃO NOBRE DOS PAÇOS DO CONCELHO, SETÚBAL

CORO DE CÂMARA DE SETÚBAL
MAESTRO RAÚL AVELÃS
interpretam

EURICO CARRAPATOSO marília *
VASCO PEARCE DE AZEVEDO primavera fértil *
PEDRO FARIA GOMES à memória de anarda *
CARLOS MARECOS eis bocage, ao vento *
NUNO CÔRTE-REAL eternidade *

* primeira audição absoluta, encomenda da Associação Dedicarte, para o Coro de Câmara de Setúbal, com apoio da C.M.Setúbal


--------------------------------------------------------------------------------

Publicado por vm em 12:08 AM | Comentários (0)

dezembro 15, 2005

CONCERTOS

MAGNIFICAT EM TALHA DOURADA
de Eurico Carrapatoso ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOA

Direcção: maestro Brian Schembri

Soprano: Angélica Neto

CORO RICERCARE

6ª Feira, 16 Dezembro, 21h30, EPAC, Azambuja
Sábado, 17 Dezembro, 21h30, Igreja São Domingos (Rossio), Lisboa
3ª Feira, 20 Dezembro, 21h30, Cinema Teatro Joaquim de Almeida,
Montijo

entrada livre

Publicado por vm em 04:23 PM | Comentários (0)

dezembro 11, 2005

ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA

Realizou-se ontem a 1ª Assembleia Geral da Associação GUILHERMINA SUGGIA onde, entre alguns pontos discutidos, se elegeram os corpos sociais para a Associação.

Havia apenas uma lista concorrente já aqui apresentada.
A Direção foi eleita com 44 votos a favor, 1 abstenção e 1 voto em branco.
A Mesa da Assembleia Geral e o Conselho Fiscal foram eleitos com 45 votos a favor e 1 em Branco.

Publicado por vm em 07:46 PM | Comentários (5)

dezembro 07, 2005

JOÃO PEDRO OLIVEIRA (ASSOCIADO da A.GUILHERMINA SUGGIA) VENCE PRÉMIO INTERNACIONAL DE MÚSICA NOVA EM PRAGA

Lisboa, 30 Novembro 2005 (Lusa) - O compositor português João Pedro Oliveira venceu o Prémio Internacional de Música Nova, de Praga, e foi segundo classificado num concurso, também de electro-acústica, em São Paulo, foi hoje divulgado. A obra "A escada estreita" para flauta e sons acústicos, escrita em 1999, valeu o 1º lugar ao compositor português, entre as 110 obras, de 32 países, a concurso. A peça foi uma encomenda da Universidade de Aveiro, com o apoio do Instituto das Artes.

Em São Paulo, a peça "Time spell" foi a segunda classificada, entre 165 obras a concurso. "Time spell", composta para clarinete e sons electro-acústicos em seis canais, foi escrita em 2003, através de uma encomenda do Instituto de Música Electro-acústica de Bourges (França).

João Pedro Oliveira tem já no seu palmarés vários primeiros prémios internacionais, nomeadamente dos concursos Joly Braga Santos e Fernando Lopes-Graça, do International ALEA III Prize e Earplay (Estados Unidos) ou do Concurso de Bourges. Doutorado em Música pela Universidade de Nova Iorque é, actualmente, professor catedrático no Departamento de Comunicação da Universidade de Aveiro.

(MELOTECA)

Publicado por vm em 07:37 AM | Comentários (0)

dezembro 06, 2005

CONCERTOS

GULBENKIAN
Saturday, 10 Dec 2005, 19:00 - Grande Auditório
REMIX ENSEMBLE
ROLF GUPTA (direcção)
SIMON COWEN (trombone)


António Pinho Vargas
Machines Fictives

Jukka Koskinen
Diplopia

Magnus Lindberg
Coyote Blues

Rolf Wallin
Boyl

John Øivind Ness
The Dangerous Kitten
----------------------

CULTURGEST
Óperas (mal) amadas do Século XX
Segunda série (1901-1950)
14 de Dezembro
The Duenna (1947) de Roberto Gerhard (1896-1970),por António Pinho Vargas
Organização Os Amigos do São Carlos / Culturgest
Ciclo de conferências ilustradas com projecções em vídeo e áudio
-----------------------

21 de Dezembro 18h30
Pequeno Auditório
Mauricio Kagel conversa com António Pinho Vargas

Stücke der Windrose
Peças da Rosa-dos-Ventos De Mauricio Kagel (estreia em Portugal)
MUSIKFABRIK dir. Mauricio Kagel

21 de Dezembro 21h30
Grande Auditório
Duração 1h30

Publicado por vm em 05:17 PM | Comentários (0)

dezembro 01, 2005

SUGESTÃO DE MAESTRO JOSÉ ATALAYA, QUE APOIAMOS

Propus publicamente, há anos,não sei em que jornal (JN, DN, JANEIRO, COMERCIO ?)que fôsse dado o nome de Suggia ou Guilhermina Suggia ao melhor auditório do Porto (O DA CASA DA MÚSICA). É o que voltarei a fazer na próxima escrita da série semanal "Gotas do Tempo", (já vou na 40ª) que escreverei para o suplemento "Das Artes e das Letras" de "O Primeiro de Janeiro" . E gostaria que o assunto fôsse agendado na ordem de trabalhos na próxima reunião ou Assembleia.
José Atalaya

Evidentemente que este blogue não é mantido pela Associação Guilhermina Suggia. Todos os postais são da inteira responsabilidade de quem administra o blogue.

Mas como estou inteiramente de acordo com a proposta do Maestro José Atalaya, sei que muitas outras pessoas gostariam que fosse uma realidade, atravo-me a lançar aqui o assunto. Até porque seria interessante que os frequentadores do blogue comentassem o assunto.
VM

Publicado por vm em 06:32 PM | Comentários (7)

novembro 18, 2005

ALGUNS COMPOSITORES DE OBRAS A SOLO EXECUTADAS POR GUILHERMINA SUGGIA NO “ORPHEON PORTUENSE

Bach, Beethoven, Brahms, Haydn, Schumann, Lalo, Dvorak, Tchaikovscky, Rubinstein, Saint-Saëns, Max Bruch, Boëllmann, Klengel, Fauré, Glazunnoff, Sammartinni, Boccherini, Valentini, Veracini, Locatelli, Sinigaglia, Senaillé, Dandrieu, Dupuits, Popper, Raff, Volkmann, Davidoff.
(GUILHERMINA SUGGIA - Evocando... (1950)
(Cedido por João Pedro Mendes dos Santos)

Publicado por vm em 10:21 AM | Comentários (0)

outubro 27, 2005

ERA DESACONSELHADO ÀS MULHERES TOCAREM VIOLONCELO...

On a déconseillé aux femmes de jouer du violoncelle,(mais plutôt de la viole de Gambe), jusqu'à le fin du XIXè siècle, pour de prétendues raisons d'indécence. Cet argument machiste est heureusement enfin tombé en désuétude. Une des premières images de femmes violoncelliste, au début du siècle, est Guilhermina Suggia, la première épouse de Pablo Casals.
ERIC "Bois D'Harmonie"

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (4)

outubro 20, 2005

Concerto dia 22 de Outubro (Sábado), 18:30, auditório da UNIVERSIDADE LUSÓFONA

Concerto dia 22 de Outubro (Sábado), 18:30, auditório da UNIVERSIDADE LUSÓFONA (ao Campo Grande), Côro de Câmara da Universidade de Lisboa, dir. José Robert

1ª Parte

Salmo Fernando Lopes–Graça

Totus Tuus Sérgio Azevedo

Pater Noster Sérgio Azevedo

Ó meu menino (Alentejo) Eurico Carrapatoso

Pour Vivre Ici Vasco Azevedo

Le Pont Mirabeau Vasco Azevedo

Pequeno Madrigal para Carolina Sérgio Azevedo

Bendita Sabedoria H. Villa – Lobos


2ª Parte

Revecy venir du Printans Sérgio Azevedo

Quatro Laços da Dança dos Paulitos (Trás-os-Montes) Fernando Lopes–Graça

Saudade (Ilha Terceira - Açores) Nuno Corte-Real
Tiko Funa (trad. Moçambique) Eurico Carrapatoso

Minha roda está parada (margens do Zêzere) Fernando Lobo

O Coletinho (Beira Baixa) Fernando Lopes–Graça

Timor et non tremor (Timor) Eurico Carrapatoso
Olarinda
Oh!Hele Oh!
Loik
Lilo Eh

Publicado por vm em 01:24 PM | Comentários (2)

outubro 17, 2005

NO MONTAGNANA DE SUGGIA TOCA JOSÉ PEREIRA DE SOUSA

Jose Pereira Sousa- CD.jpg
Numa edição da NUMÉRICA - ref 1134 -patrocinada pela Câmara Municipal do Porto, posta recentemente à venda, o violoncelista JOSÉ PEREIRA DE SOUSA, gravou as Suites I, II e III de Johan Sebastian Bach para violoncelo solo ( BWV1007/1009) tocadas no MONTAGNANA que GUILHERMINA SUGGIA deixou em testamento para ser vendido e ser atribuído anualmente um prémio com o seu nome à semelhança do que fez com o Stradivarius que legou à Royal Academy of Music. Em Londres, contrariamente ao que acontece no Porto, o prémio desde 1952 nunca deixou de ser atribuído e o violoncelo foi vendido e nunca deixou de ser tocado.

Esperemos que em Portugal, o violoncelo continue a ser tocado e o prémio volte a ser atribuído.

Publicado por vm em 10:32 PM | Comentários (1)

outubro 07, 2005

13º ENCONTRO DE MUSICOLOGIA

OS ESPAÇOS DA MÚSICA

Com o Apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia e da Faculdade de
Ciências Sociais e Humanas (UNL)

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Universidade Nova de Lisboa

21 e 22 de Outubro de 2005
programa em www.apcm.fcsh.unl.pt

Publicado por vm em 01:03 PM | Comentários (0)

setembro 26, 2005

CONCERTO DE HOMENAGEM A ARISTIDES DE SOUSA MENDES

Missa Brevis em Memória de Aristides de Sousa Mendes
(estreia absoluta)
de Sérgio Azevedo
Coro de Câmara da Universidade de Lisboa
Maestro José Robert
Participação do Coro da Universidade de Lisboa
Comunicações do Doutor António Vasconcelos Tavares, Pró-Reitor da UL e de Sérgio Azevedo
ENTRADA LIVRE : 2 de Outubro, 18 horas
Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa

Publicado por vm em 07:11 PM | Comentários (4)

setembro 23, 2005

PEDIDO DE DIVULGAÇÃO

Agradecemos a divulgação
Pel’Faces de Eva

Pós-Graduação em Estudos Sobre a Mulher
As Mulheres na Sociedade e na Cultura
2005/2006
(Curso creditado: 2,9 créditos)
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Universidade Nova de Lisboa
Professora Coordenadora: Prof.ª Doutora Teresa Almeida
Email: teresa.almeida@fcsh.unl.pt
Site: http://www.fcsh.unl.pt/cpg/pg_em.asp

(Novo período de candidatura: de 12 a 30 de Setembro de 2005)


Informações: Gabinete de Pós-Graduações, Av. De Berna, 26-C, Torre Grande, 1º andar (das 10h às 16h).
Ficha de candidatura e documentação necessária: www.fcsh.unl.pt/cpg/candmes.doc
Propina: 500 Euros.
Telef: 217933619
Email: ate@fcsh.unl.pt

NB- ESTA DIVULGAÇÂO É FEITA COM TODO O GOSTO, MUITO EMBORA - E TEMOS QUE O DIZER - TENHAMOS ENVIADO AQUANDO DA EDIÇÃO DO DICIONÁRIO NO FEMININO UM EMAIL À SRA.PROF ZÍLIA OSÓRIO DE CASTRO ( coordenadora do dicionário ), através do email da revista FACES DE EVA, lamentando a falta, entre muitas outras, de GUILHERMINA SUGGIA, SEM QUE TENHA HAVIDO QUALQUER RESPOSTA.
QUE AO MENOS, EM FUTURAS EDIÇÕES, ESSAS FALTAS SEJAM COLMATADAS

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

setembro 05, 2005

HOMENAGEM A GUILHERMINA SUGGIA, EM MATOSINHOS

Recebemos informação da Câmara Municipal de Matosinhos da seguinte alteração à homenagem a GUILHERMINA SUGGIA:

por motivos de força maior, houve uma alteração ao horário da homenagem. Assim o programa será:
17h00: Inauguração do busto de Guilhermina Suggia
18h00: Concerto com o violoncelo "Montagnana" tocado por José Augusto Pereira de Sousa, acompanhado ao piano por Emídio Teixeira.
O concerto terá o seguinte programa:

Música em Matosinhos
Homenagem a Guilhermina Suggia

Bach, Beethoven, Brahms


Emídio Teixeira, piano
José Augusto Pereira de Sousa, violoncelo

Programa

I
Joahann Sebastian Bach (1685 – 1750)
Suite nº 1 em sol maior, BWV 1007, para violoncelo solo
Prélude
Allemande
Courante
Sarabande
Menuet I
Menuet II
Gigue

Ludwig Van Beethoven
Sonata para violoncelo e piano, em fá maior, po. 5 nº 1 (1796)
Adagio Sostenuto – Allegro
Allegro – Vivace

II
Joahnnes Brahms (1833 – 1897)
Sonata nº1, em mi menor para violoncelo e piano, op. 38 (1862 – 1865)
Allegro non troppo
Allegretto quasi minuetto
Allegro

____________________________________________

Publicado por vm em 07:41 PM | Comentários (8)

agosto 29, 2005

HOMENAGEM A GUILHERMINA SUGGIA, EM MATOSINHOS

esboco esc 2.jpg
No próximo dia 10 de Setembro será prestada uma homenagem a Guilhermina Suggia, integrada nas comemorações dos 120 anos do seu nascimento (27/6/1885). Assim, na Praceta que naquela cidade tem o seu nome ( em frente à Igreja do Senhor de Matosinhos), pelas 18 horas será descerrado um busto da violoncelista.

Às 21,30 horas na Câmara Municipal de Matosinhos haverá um recital cujo programa desconhecemos, com o violoncelo Montagnana de Guilhermina Suggia, tocado pelo violoncelista José Augusto Pereira de Sousa que será acompanhado pelo pianista Emídio Teixeira.

Que haja muita gente nesta homenagem e que outras se sigam, com bustos ou sem bustos, mas sobretudo com música.

Publicado por vm em 10:04 AM | Comentários (1)

agosto 07, 2005

FÉRIAS MUITO GRANDES

O GUILHERMINA SUGGIA vai de férias. Umas férias grandes. até que me apeteça.

Publicado por vm em 10:58 PM | Comentários (5)

julho 30, 2005

GUILHERMINA SUGGIA MORREU FAZ HOJE 55 ANOS

casa suggia b.jpg
Foi nesta casa, na Rua da Alegria, 665, no Porto- onde viveu desde Agosto de 1927 - que há 55 anos morreu GUILHERMINA SUGGIA.
Não existe uma placa, sequer, que refira estes factos. A ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA promete, logo que haja condições para tal, fazê-lo.
Esta fotografia foi-nos gentilmente cedida por HVA do blogue desNORTE, a quem agradecemos.

Publicado por vm em 01:08 AM | Comentários (8)

julho 24, 2005

SONATA SAUDADE- ÓSCAR DA SILVA, por Prof A Cunha e Silva

sonata saudade-livro.jpg
Este Livro da autoria, produção e edição do Prof A Cunha e Silva, é um documento notável sobre esta Sonata de Óscar da Silva, também editada em CD numa produção do prof A Cunha e Silva. Não está a ser comercializado nos circuitos habituais.
Qualquer pessoa interessada na aquisição do livro ou do CD ou dos 2 pode entrar em contacto com o prof. Cunha e Silva a/c
a/c do Conservatório de Música do Porto
Rua da Maternidade, nº 13
4050-370 PORTO.

Publicado por vm em 12:42 AM | Comentários (5)

junho 25, 2005

QUESTIONÁRIO

O convite do desNORTE, deixou-me completamente desNORTEado.
Chegado a casa depois dum concerto só tive tempo de pôr o despertador para as 6 horas.

1 - Tamanho total dos arquivos de música no meu computador
Não imagino sequer. Sou um bocado avesso ao controlo dessas coisas. Vou usando e andando. Quase tudo o que faço no computador está relacionado com a música, directa ou indirectamente. Andava a fazer uma base de dados da minha discografia. Comecei pelo violoncelo por uma questão de gosto. Quando cheguei quase às 6.000 entradas e sem saber porquê, o disco rígido estoirou e pedi tudo o que tinha nele. Foi a 2 lados para ser recuperado. Não conseguiram. Fiquei sem vontade de me meter noutra.

2 - Último disco que comprei
3:
TATJANA VASSILIEVA(ACCORD 476719-1) obras para violoncelo solo de Kodaly, Ysaye, Tcherepnin e Cassado;

NATALYA SHAKOVSKAYA (Miro Galerie CQ 0067-2 031) concerto para violoncelo e orquestra de Dvorak

PIOTR ANDERSZEWSKI (Virgin Classics 5477302) obras para piano de Karol Szimanovski.


3 - Canção que estou a escutar agora
A pergunta pressupõe que eu tenha que estar sempre a escutar uma canção.Tenho pavor à música a metro que tenho que ouvir nas estações do metro, enquanto espero nas chamadas telefónicas, etc, etc. Cada vez gosto mais de silêncio.

Música:oiço dentro o que vejo fora
Vejo dentro o que oiço fora,
Sou uma arquitectura de sons instantâneos
Sobre um espaço que se desintegra.
A música inventa o silêncio,
A arquitectura inventa o espaço
Fábricas de ar.
O silêncio é o espaço da música:
Um espaço sem dimensão:
Não há silêncio salvo na mente.
O silêncio é uma ideia,
A ideia fixa da música.
A música não é uma ideia:
É movimento, sons caminhando sobre o silêncio
Silêncio é música
Música não é silêncio.
(Octávio Paz)

4 - Cinco canções que ouço frequentemente ou que têm algum significado para mim
As 4 últimas canções de Richard Strauss e a Canção de Rusalka à lua, da “RUSALKA” de Dvorak

5 - Lanço o testemunho a outros três bloggers
Cá vão eles:
TONALATONAL do Sérgio de Azevedo
ABRUPTO de José Pacheco Pereira e
A NOVA MÚSICA ANTIGA de Manuel Morais

Publicado por vm em 05:36 PM | Comentários (1)

junho 23, 2005

ESCRITURA DA ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA

No dia 27 de Junho - 2ª-feira -, dia da escritura da Associação Guilhermina Suggia e dia em que passam 120 anos do seu nascimento, a Antena 2 vai dedicar o programa "ACORDAR a 2" das 7 às 10horas, e o "RITTORNELLO" das 18 às 20horas (este realizado a partir dos estudios do Porto), totalmente a Guilhermina Suggia. Igualmente no sábado, dia 25 "O JARDIM DA MÚSICA" lembrará Suggia.

Publicado por vm em 12:05 AM | Comentários (1)

junho 17, 2005

ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA

Finalmente (esperamos!) , depois de largos meses de entraves, lutas conta burocracias, prepotências, incompetências, está marcada para o próximo dia 27 de Junho - DIA EM QUE HÁ 120 ANOS NASCEU GUILHERMINA SUGGIA - num notário do Porto, a escritura da Associação.

A ANTENA 2 irá dar relevância aos factos - os 120 anos do nascimento de Suggia e a escritura duma Associação que pretende honrar a sua memória e o seu espólio. Assim no dia 25 no JARDIM DA MÚSICA, cerca das 9 horas, será lembrada SUGGIA . No dia 27 o programa da manhã "ACORDAR A 2" será totalmente dedicado a SUGGIA com convidados nos estúdios em Lisboa e no Porto e ouvindo a música tocada por Suggia e outra que está directamente ligada a sua vida ou carreira. No dia 28 o programa RITORNELLO será realizado a partir dos estúdios do Porto, entre as 18 e as 19 h com uma entrevista à Prof Madalena Sá e Costa, discípula de Suggia.

Publicado por vm em 11:20 AM | Comentários (3)

junho 13, 2005

EUGÉNIO

Rotina

Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

EUGÉNIO DE ANDRADE

Publicado por vm em 11:28 AM | Comentários (2)

junho 11, 2005

MEDALHA DE GUILHERMINA SUGGIA DA ESCULTORA IRENE VILAR

medalha- I.Vilar.jpg
Uma das obras da escultora Irene Vilar feitas em homenagem a Guilhermina Suggia
( Fotografia cedida pela autora)

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

maio 18, 2005

PARA GUILHERMINA SUGGIA, de Valter Hugo Mãe

reúnem-se sob a concha
de deus capazes dos sons
que sempre sonharam, os animais
e os músicos, bichos de voz
exótica enfim reencontrados.

aí os sabemos de patas e
mãos aquecidas por dentro, as
almas lúcidas de beleza, atentos
apenas à melodia que se eleva e
à voz torpe dos ouvintes.

os ouvintes como emanação dos '
sons, por dentro como almas
a crescer ou lugares onde
nunca acabam.

Poema inédito 2002 de valter hugo mãe • Poeta editor. Edições Quási

Publicado por vm em 12:01 AM | Comentários (3)

maio 12, 2005

GUILHERMINA SUGGIA: A MAGIA DO VIOLONCELO- DIA 19/5 -TEATRO HELENA SÁ E COSTA

No dia 19 de Maio, Quinta-feira. 21h30, no Teatro
Helena Sá e Costa, a Escola Superior de Música e das
Artes do Espectáculo do Porto promove a sessão
integrada no "Ciclo das Quintas", pela ocasião do 5º
aniversário do Teatro Helena Sá e Costa, com :


Guilhermina Suggia : a magia do violoncelo
Intervenções de Fátima Pombo e Mário Cláudio.
Momento musical pelo quarteto Harmos da ESMAE e duo de
violoncelo e piano.O programa constará de:
Guilhermina Suggia: a magia do violoncelo

Intervenção de Mário Cláudio
E
Fátima Pombo

Alexandre Delgado(1965-), Pequena Suite Laurissilva (2001)
(A Levada- A Floresta- o Pombo Trocaz)
Prelúdio para quarteto de cordas (1982)
pelo

Quarteto Harmos

Francisca Machado, violino I
Ana Patrícia Lopes, violino II
Sara Rodriguez, viola
Lydia Pinho, violoncelo

G. Fauré, Après un rêve
J. Brahms, Sonata em Mi menor op.38
1. Allegro non troppo
2. Allegretto quasi Menuetto
3. Allegro


Américo Martins, violoncelo
Ona Petrauskaité, piano


-------------------------

Todas as entradas são livres até à lotação da sala.

ESMAE
Rua da Alegria, 503
Porto

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

abril 05, 2005

NÃO É CERTO IR A PORTUGAL.TALVEZ SÓ NO ANO DE 1907

Qualquer intenção de seguir Suggia pelas salas de concerto seria uma loucura.
Com tanto mundo fica-se despaísado. Ela própria estando em Dresden em Dezembro de 1905 escreve ao amigo, Guilherme de Faria, que «não é certo ir a Portugal. Talvez só no anno de 1907».

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA- A Sonata de Sempre” de Fátima Pombo

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

março 19, 2005

DICIONÁRIO NO FEMININO ( SÉCULOS XIX-XX)

Foi recentemente editado por Livros Horizonte, com apoios de Assembleia da República, Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres, Fundação Calouste Gulbenkian, FCT- Fundaçãp para a Ciência e a Tecnologia e Instituto Camões, com direcção de Zília Osório de Castro e João Esteves e Coordenação de António Ferreira de Sousa, Ilda Soares de Abreu e Maria Emília Stone, o "DICIONÁRIO NO FEMININO".

GUILHERMINA SUGGIA, uma das mulheres que mais honrou Portugal, e que viveu entre 1885 e 1950, é ignorada. Lamentamos e ficamos tristes. Esperamos que numa futura edição esta lacuna seja preenchida.

" Projecto colectivo de mais de seis dezenas de estudiosos/as, oriundos de diversas áreas do saber, o Dicionário no Feminino tem como finalidade dar a conhecer mulheres de diferentes gerações e meios que lutaram para alterar a sua condição legal, social, política, económica, cultural, religiosa e familiar na sociedade portuguesa. Composto por cerca de três mil entradas, procurou abarcar a imprensa feminina do século XIX e primeiras décadas do século XX, congregações religiosas, associações, instituições, organizações de mulheres e nomes com sensibilidades e protagonismos antagónicos, de forma a fazer sobressair o maior número de aspectos da intervenção pública feminina, muita dela ignorada ou silenciada, como se as mulheres não tivessem passado, não fossem portadoras de memória e não lhes coubesse o seu quinhão no devir histórico. Parte dos nomes publicitados só agora começam a ser identificados e a merecer atenção. Malgrado as omissões, lacunas e insuficiências, é possível encontrar nele actrizes, cantoras líricas, católicas, comunistas, condessas, deputadas, dirigentes associativas, domésticas, escritoras, feministas, jornalistas, liberais, maçónicas, marquesas, mestras de Escolas Régias de Primeiras Letras, miguelistas, monárquicas, operárias, presas políticas, professoras, rainhas, republicanas, resistentes e socialistas, a par de muitas anónimas que não se integram nestas classificações. O Dicionário continua aberto à colaboração de todos/as que queiram corrigir ou acrescentar dados, discordem de interpretações propostas ou queiram cooperar com outras entradas e novos conteúdos. Concebido como uma obra aberta, deseja-se que constitua um ponto de partida para outras investigações."

De quem é, afinal, a culpa de Guilhermina Suggia ser ignorada no seu próprio país?


Publicado por vm em 10:23 AM | Comentários (6)

março 09, 2005

PAÍS RELATIVO, de ALEXANDRE O'NEILL

A ESTE PAÍS QUE TEIMA EM DESCONHECER GUILHERMINA SUGGIA e A NÃO AUTORIZAR O USO DO SEU NOME NUMA ASSOCIAÇÃO

PAÍS RELATIVO

País por conhecer, por escrever, por ler...

País purista a prosear bonito
A versejar tão chique e tão pudico,
Enquanto a língua portuguesa se vai rindo
Galhofeira, comigo.
...
país engravatado todo o ano
e a assoar-se na gravata por engano.
...
País amador do rapapé,
do meter butes e do parlapié,
que se espaneja, cobertas as miúdas,
e as desleixa quando já ventrudas.

O incrível país da minha tia,
Trémulo de bondade e de aletria

Moroso país da surda cólera
Do repente que se quer feliz
...
País do eufemismo, à morte dia a dia
Pergunta mesureiro: - Como vai a vida?

País dos gigantones que passeiam
A importância e o papelão,
Inaugurando esguichos no esgonço
Do gesto e do chavão.

E ainda há quem os ouça, quem os leia,
Lhes agradeça a fontanária ideia
...
Nhurro país que nunca se desdiz.
...
A Santa Paciência, país, a tua padroeira,
Já perde a paciência à nossa cabeceira

País pobrete e nada alegrete,
Baú fechado com um aloquete
Que entre dois sudários não contém senão
A triste maçã do coração
País das troncas e delongas ao telefone
Com mil cavilhas para cada nome
...
Embezerra país, que bem mereces,
Prepara, no mutismo, teus efes e teus erres.
...
Estrela trepa trepa pelo vento fagueiro
E ao país que te espreita, vê lá se o vês inteiro.

Hexágono de papel que o meu pai pôs no ar,
Já o passo a meu filho, cansado de o olhar...

No sumapau seboso da terceira,
Contigo viajei, ó país por lavar,
Aturei-te o arroto, o pivete, a coceira,
A conversa pancrácia e o jeito alvar

Senhor do meu nariz, franzi-te a sobrancelha;
Entornado de sono, resvalaste para mim.
Mas também já me ofereceste a cordial botelha,
Empinada que foi, tal e qual clarim!

Alexandre O'neill

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 26, 2005

O CÃO NA CASA VERDE

O CAO CASA VERDE.jpg
O livro de Isabel Millet O Cão na Casa Verde já está nas Livrarias. Uma ficção extraída da realidade, comentou a autora, inspirada em vivências de infância, passada na casa de Guilhermina Suggia. Paula Rego, que ilustra a capa, foi uma das leitoras privilegiadas do original e manifestou, desde logo, o seu entusiasmo por esta obra.

Publicado por vm em 10:41 AM | Comentários (0)

fevereiro 22, 2005

GUILHERMINA SUGGIA NÃO DEIXOU DESCENDENTES E A BUROCRACIA É NEGRA, NEGRA, NEGRA...

Fiz o Pedido do certificado de admissibilidade, no Registo Nacional de Pessoas Colectivas, da Associação Guilhermina Suggia.

Passados dias contactei aqueles serviços para saber se o mesmo tinha sido despachado favoravelmente. Atendeu-me uma senhora, simpática aliás, que me perguntou o nº do processo. Eu dei conhecimento desse número. Aguardei uns segundos e a senhora diz:
"-É um pedido feito por... para a criação da Asoociação Guilhermina Su... Su... qualquer coisa que eu não sei ler"
-Suggia, disse eu.
-Isso, Suggia. Ora temos aqui um despacho a pedir autorização do uso do nome desta senhora. Esta senhora tem que escrever uma declaração a autorizar o uso do seu nome na constituição da Associação.
- Mas essa senhora, que foi uma das mais importantes figuras da música que Portugal teve, morreu vai fazer 55 anos, em Julho.
- Terão que ser os descendentes a autorizar o uso do nome
- Mas a senhora não deixou escendentes
- Vai ter que fazer prova disso.
- E como vou provar o que não existe? É difícil. Se tivesse deixado era mais fácil.
- Mas como sabe que não deixou descendentes?
-Existem livros escritos sobre Guilhermina Suggia onde isso é referido.
-Então escreva uma carta para cá a explicar tudo isso e faça referência a esses livros.

Assim fiz. Escrevi. Expliquei . Referi os livros de Fátima Pombo. Transcrevi parte de uma entrevista feita após um concerto, depois da morte do marido, em que lhe perguntam como se sente. "Sózinha. Muito sózinha. Apesar de ter muitos amigos não tenho um único parente no mundo".

Passados dias voltei a contactar os serviços. Fui sempre muito bem atendido. Disseram-me:

-A sua declaração não foi aceite. Uma vez que a senhora deixou testamento (eu tinha feito referência a isso) terão que ser os herdeiros a autorizar o uso do nome.

Existe apenas uma herdeira viva: a sua aluna Sra. D. Isabel Cerqueira Millet.

Contactei a senhora, através de sua filha, e a senhora fez uma declaração autorizando o uso do nome na Associação Guilhermina Suggia, da qual irá também fazer parte.

Fui entregar a declaração.

Passados 3 dias, conforme me disseram, voltei a contactar aqueles serviços.

A declaração não tinha sido aceite. A senhora vem referida no testamento como ISABEL.... e a declaração que fez diz MARIA ISABEL...

Havia que apresentar uma declaração do notário a certificar que era uma e a mesma pessoa.

De novo contactei a senhora que fez nova declaração dizendo ser a mesma pessoa.

A filha da senhora foi ao notário. O notário exigiu que a declaração fosse feita presencialmente.

A senhora tem perto de 90 anos, doente e impossibilitada de sair de casa.

-Mas pode ir um funcionário do notário a casa.

Pois pode. Mas tudo isso custa dinheiro. A Associação não existe sequer. Não tem dinheiro.
Eu próprio paguei €58,15 para pedir o certificado de admissibilidade.

Contacto de novo os serviços. Conto o que acontece. Pergunto se não será possível, uma, duas, três - as pessoas que entenderem - fazerem uma declaração (essa sim no notário), garantindo que se trata da mesma pessoa.
Dizem que não. Tem mesmo que ser uma declaração da senhora.

O desgaste da burocracia é assustador. E eu pergunto: será que os herdeiros testamentários têm poder para autorizar o uso do nome de Guilhermina Suggia?! Que outro poder poderão ter senão aquele que o próprio testamento lhes confere?

E se fôssemos registar a Associação a Londres? Se calhar seria mais fácil.

Por mais que diga que pretendemos fazer bom uso do nome de Guilhermina Suggia, dizem que terá que haver autorização porque pode vir alguém reclamar a autorização para o uso do nome de GUILHERMINA SUGGIA.

Somos tão pequeninos!!! E começo a ficar farto - ainda nada começou!

Publicado por vm em 12:29 PM | Comentários (2)

fevereiro 02, 2005

FORA DE PORTUGAL SABEM QUEM FOI SUGGIA E RECORDAM-NA

juilliard school-a.jpg
Este é um convite para um forum sobre GUILHERMINA SUGGIA realizado em 2002, na Juilliard School, em Nova York. Em Portugal graças à Prof Madalena Sá e Costa foi instituído, de há 2 anos para cá -penso - o dia Guilhermina Suggia no Conservatório de Música do Porto. E não me consta que noutras escolas de música se fale duma das mais importantes figuras portuguesas que houve no panorama musical. Em Novembro passado foi editado um CD com gravações de Suggia. Fiz contactos para que o mesmo aparecesse nas nossas lojas mas ainda não o vi por cá. Disseram-me que estas coisas de "mandar vir os discos de lá de fora não é assim tão fácil como pensam"
Em Dezembro a revista STRAD dedica 4 páginas a Guilhermina Suggia, a mesma sobre quem numa livraria do Porto me perguntaram se era um programa de computadores.
A mesma sobre quem Fátima Pombo escreveu 2 livros: "GUILHERMINA SUGGIA ou o Violoncelo Luxuriante" e " GUILHERMINA SUGGIA, a Sonata de Sempre" e que não estão à venda no Museu da Música, porque "o Museu não contacta editores". Assim mesmo! E é um problema. Tem que se dar conta ao Instituto Português dos Museus de tudo o que se vende.

Às vezes dói muito ser português!

(Convite cedido por Anita Mercier)

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

janeiro 23, 2005

VISITAS AO BLOG

O "GUILHERMINA SUGGIA" ultrapassou as 70.000 visitas.

Publicado por vm em 10:36 PM | Comentários (0)

janeiro 16, 2005

ANTÓNIO DE OLIVEIRA E SILVA

oliveira.jpg
ANTÓNIO DE OLIVEIRA E SILVA era membro do Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, grupo de deu a sua adesão à Associação Guilhermina Suggia.
Foi assassinado. Apresentamos à família, aos restantes membros do GMCL e a todos os músicos e amantes da música as mais sentidas condolências.
A nossa mais sentida homenagem.

Publicado por vm em 03:32 PM | Comentários (4)

dezembro 19, 2004

GUILHERMINA SUGGIA vista por MARIA ADELAIDE DE LIMA CRUZ

m a lima cruz.jpg

Sanguínea, de 1950, oferecida pela autora ao Conservatório de Música do Porto

Publicado por vm em 10:32 AM | Comentários (0)

dezembro 16, 2004

AGRADECIMENTO MANDADO PUBLICAR NO DIÁRIO DE NOTÍCIAS DE 24 de JULHO de 1950

Na London Clinic, quando preparavam Guilhermina para a sua viagem de avião nessa tarde de 17 de Julho, confessa ela que: «Sei que tenho um mal sem cura. O Dr. Maingot contou-me ontem toda a verdade. A medicina nada mais pode fazer. Tentou-se tudo. Receitou-me umas injecções. Levo-as comigo. Se não fizerem efeito, mais nenhuma terapêutica se conhece para este mal.»
Em 24 de Julho de 1950, Guilhermina Suggia manda publicar um agradecimento no Diário de Notícias.

«Encontrando-se ainda impossibilitada de o fazer de qualquer outra maneira, Guilhermina Suggia apressa-se a manifestar publicamente o testemunho da sua imperecível gratidão a todas as pessoas que se interessaram e continuam a interessar-se em saber do seu estado na doença que vem sofrendo. Essa carinhosa e honrosa solicitude tem servido para minorar os seus padecimentos, envolvendo-a num ambiente espiritual de reconfortante estímulo. Mais particularmente ainda se confessa penhorada pelas atenções que nesta mesma emergência lhe têm dispensado Suas Excelências os Senhores Presidente da República e do Conselho, Sir Nigel Ronald, ilustre Embaixador da Inglaterra em Portugal, o seu dedicadíssimo médico assistente, Senhor Professor Doutor Álvaro Rodrigues, assim como o Senhor Doutor Leopoldo de Figueiredo, distinto clínico em Lisboa.
A todos, comovidamente, muito obrigada!»

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA- A Sonata de Sempre” de Fátima Pombo

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

novembro 28, 2004

GUILHERMINA SUGGIA NUM BLOGUE INGLÊS, A PROPÓSITO DE AUGUSTUS JOHN

http://thecharlocksshade.typepad.com/the_charlocks_shade/

September 14, 2004
Augustus John
1878-1961 Wales
Although well-known early in the century for his drawings and etchings, the bulk of John's later work consisted of portraits, some of the best of which were of his two wives and his children. He was known for the psychological insight in his portraits, many of which were considered "cruel" in the truth of the depiction. Lord Leverhulme was so upset with his portrait that he cut out the head and returned the rest of the picture. John painted many distinguished contemporaries, including Thomas Hardy, W.B. Yeats, George Bernard Shaw, the cellist Guilhermina Suggia, the Marchesa Casati and Elizabeth Bibesco. Perhaps his most famous portrait is of his fellow-countryman, Dylan Thomas.
Anthony Powell used John as one character model for Edgar Deacon in A Dance to the Music of Time.
Posted by Enoch Soames on September 14, 2004 at 09:21 PM | Permalink | Comments (1) | TrackBack

Publicado por vm em 12:02 AM | Comentários (0)

novembro 09, 2004

BOAS NOVAS

CD.jpg

Foi agradável ter recebido de Inglaterra o CD de SUGGIA e saber que a equipa do WEBLOG elegeu o "GUILHERMINA SUGGIA" como o blogue da semana. Agradecemos à equipa do Paulo Querido, reconhecidamente.

Publicado por vm em 06:14 PM | Comentários (2)

outubro 27, 2004

O CONCERTO DOS FLAMENGOS

(...)
Por isso convidava sempre amigos e amigas, e Luísa fazia o efeito duma estranha no meio dessa gente ligada por um sentimento vazio e radiante, de contemporâneos, de oficiais da mesma confraria, um pouco ébria de alegria que se prendia com o dia a viver e nada mais. Subitamente levantou-se na cama, assaltada por uma revelação. As portas ouviam-se bater de leve, no corredor os músicos afinavam os instrumentos. Era uma orquestra completa, que contava apenas com duas mulheres. Vestiam quase de igual; só que a violoncelista usava largas calças de seda preta. No seu tempo, a Suggia dava-se ao trabalho de inventar imensos vestidos plumosos e cheios de abas que lhe permitissem emoldurar entre as pernas o famoso celo. Riam-se dela, ignorando a sua arte, mugindo um riso escarninho sobre os seus amores com Casals.

Luísa Baena nunca a tinha visto; mas o colégio que frequentava tinha como primeiro corpo reitoral a mansão do marido dessa fabulosa Suggia, que ia dar lições a Londres às aristocratas. Luísa lembrava-se da sala de jantar e daquela mesa para cinquenta pessoas, e dos side-boards de pau cetim onde cabia uma vitela inteira corada ao lume de azinho. Ou então arranjos frutais como os que se viam nos quadros de Arcimboldo, compondo rostos abrasados e narizes feitos de nabos.

Do livro “O CONCERTO DOS FLAMENGOS” de AGUSTINA BESSA-LUÍS – Guimarães Editores-2002

Publicado por vm em 10:46 AM | Comentários (0)

outubro 26, 2004

EDIÇÃO EM INGLATERRA de UM CD COM GRAVAÇÔES DE GUILHERMINA SUGGIA

Vai sair brevemente em Inglaterra, um CD com gravações de GUILHERMINA SUGGIA.A Editora será a DUTTON.
O endereço electrónico é: www.duttonlabs.demon.co.uk".
A referência do CD é: "CDBP9748- GUILHERMINA SUGGIA PLAYS BRUCH,HAYDN & LALO", faz parte da coleção "DUTTON SUPER BUDGET HISTORICAL" tem um preço de Libras 4,99 acrescidas de 1,50 para portes.
Para além dos Concertos em ré maior de Haydn e ré menor de Lalo, o Kol Nidrei de Max Bruch terá ainda a Sonata em Sol maior de Sammartini.

DITOSA PÁTRIA esta que continua a querer ignorar quem tanto a honrou.
Esperemos que, ao menos, o CD seja motivo de orgulho e esteja à venda nas nossas lojas.

Publicado por vm em 10:58 PM | Comentários (2)

setembro 27, 2004

QUEM FOI, AFINAL, GUILHERMINA SUGGIA?

placa T Politeama.jpg

Sei que não existem nas lojas de discos, em Portugal, gravações de Suggia. Mas nunca perco a oportunidade para falar desta mulher por quem tenho a maior das admirações. Entrei numa pequena discoteca muito reputada dirigi-me à senhora que, de voz muito enfatuada, depois de eu perguntar se tinha alguma gravação de Guilhermina Suggia me respondeu: " Não. Não tenho nada". A empregada que estava na outra ponta do balcão - talvez a 2 metros de distância, chegou-se à senhora da voz enfatuada e perguntou de quem estava eu à procura. Ela respondeu: Guilhermina Suggia. E a empregada perguntou:"Quem era? Cantora?". E a senhora de voz mais enfatuada e com o ar de quem tinha grande conhecimento de quem falava, responde:" Não. Era pianista!".

Este é um dos episódios que tive sobre Guilhermina Suggia. Outros já aqui contei.

Este texto que aqui aparece em fotografia, é um excerto dum livrinho editado pela Câmara Municipal de Lisboa, escrito por Lauro António (pessoa que está muito acima da média dos portugueses, em termos culturais, digo eu.) sobre o Teatro Politeama.
Infelizmente, mesmo sabendo quem foi Guilhermina Suggia, poucas pessoas sabem quão importante ela foi no seu tempo e na sua arte

Publicado por vm em 10:05 AM | Comentários (0)

setembro 23, 2004

Número de visitas em 22/9

Apesar de achar que Suggia merece, não sei se não terá havido qualquer erro nas estatísticas. O Blog tem estado praticamente sem entradas novas e onten dia 22 as estatísticas indicam 767 visitas.
Pela enorme admiração que tenho por Suggia fico contente .

Publicado por vm em 02:04 AM | Comentários (3)

agosto 07, 2004

FÉRIAS

O "GUILHERMINA SUGGIA" vai de férias. Não sei até quando! Talvez até Outubro.

Não sei bem , ainda. Depende muito das férias. Logo se verá.

Boas férias para todos

Publicado por vm em 01:32 AM | Comentários (3)

agosto 02, 2004

VISITAS AO BLOG DURANTE JULHO

O Blog, durante o mês de Julho foi visitado 8550 vezes. Dá uma média diária de 275 visitas

Publicado por vm em 06:17 PM | Comentários (0)

julho 30, 2004

GUILHERMINA SUGGIA MORREU HÁ 54 ANOS

Suggia confiou a um amigo «que chegou para morrer». Não hesita em fazer as últimas disposições e as últimas despedidas.
Escolhe o vestido que levará para o túmulo. Ordena que lhe arranjem o cabelo e as unhas. Quer os lábios pintados. Deitado ao seu lado, na cama, o violoncelo.

Guilhermina Suggia morre na sua casa do Porto, na noite de 30 de Julho de 1950. O numeroso funeral sai da Rua da Alegria, 665, na terca-feira, 1 de Agosto de 1950. Pelas 11.30 h, na Igreja da Lapa, é a missa de corpo presente. Será enterrada no cemitério de Agramonte.

Na cidade de Prades, nos Pirinéus Orientais de França comemoram-se, em Julho de 1950, os 200 anos da morte de Bach (1685-1750), sob a direcção de Pablo Casals.
O violinista Alexander Schneider, um dos amigos mais íntimos de Casals, com incansável entusiasmo defendeu e concretizou a ideia de realizar um festival em Prades para celebrar esse acontecimento. Esta calma localidade tornou-se, de repente, anfitriã das maiores celebridades musicais. Suggia é convidada de honra, ela que nasce e morre 200 anos depois do mestre alemão, que tanto admira. Talvez tenha sido a incontornável recusa deste convite uma das situações mais dolorosas da vida de Guilhermina Suggia.

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA- A Sonata de Sempre” de Fátima Pombo

Publicado por vm em 12:21 AM | Comentários (0)

julho 29, 2004

NO REGRESSO AO PORTO a 17 de JULHO de 1950

No London Clinic, quando preparavam Guilhermina Suggia para a sua viagem de avião na tarde de 17 de Julho, confessa ela que: “ Sei que tenho um mal que não tem cura. O Dr Maingot contou-me ontem toda a verdade. A Medicina nada mais pode fazer. Tentou-se tudo. Receitou-me umas injecções. Levo-as comigo. Se não fizerem efeito, mais nenhuma terapêutica se conhece para este mal”

do livro Guilhermina Suggia A Sonata de Sempre, de Fatima Pombo

Publicado por vm em 10:16 PM | Comentários (0)

julho 22, 2004

RECEBI UM POSTAL DA IRLANDA

A minha amiga Sónia foi de férias para a Irlanda. Hoje recebi um postal dela que me comoveu muito. Diz assim:

2004/07/17

Querido Virgílio,

Acredita que ontem jantámos num muito simpático restaurante irlandês, perdido nas montanhas, que tem pendurado numa parede nada mais nada menos, que um retrato de GUILHERMINA SUGGIA! Estivemos a falar com a dona do restaurante sobre isso e ficámos de lhe mandar uma biografia. Até te ligámos para te falar, tal foi a emoção. Mas não te apanhámos.
beijos
Sónia e

Publicado por vm em 12:05 AM | Comentários (1)

julho 21, 2004

NO CEMITÉRIO DE AGRAMONTE- AS PLACAS COM OS NOMES DOS PAIS de SUGGIA FORAM CORRIGIDAS

Quem, de vez em quando, leia alguns documentos aqui transcritos ( críticas, testemunhos, notícias) ficará certamente com a certeza de que GUILHERMINA SUGGIA foi uma das pessoas que mais honrou o seu país e sobretudo a sua cidade: o PORTO.
Infelizmente nem o país nem o Porto parecem ter merecido Guilhermina Suggia. Ela foi enorme para quem não a sabe recordar, respeitar a sua memória, os seus desejos.


Como já aqui foi dito, os nomes dos pais estavam, numa total falta de respeito, errados nas placas que se encontram sobre a sua sepultura. o Pai AUGUSTO - estava como Dª GUSTA, e a mãe ELIZA - estava como ELIGA. O foi foi denunciado publicamente. Foi feita reclamação à Camara Municipal do Porto. Talvez achassem que os factos eram de pouca importância. Ou nenhuma. As placas continuaram com os nomes errados até que houvesse quem tratasse de mandar corrigir os erros. Essa pessoa foi a Sra. Dona ISABEL MILLET. Neste momento as placas que estão sobre a sepultura de Guilhermina Suggia estão com os nomes dos pais, corrigidos.

Seria importante, em meu entender, criar-se um grupo de cidadãos que se juntassem para requerer junto da CMPorto a classificação da casa onde viveu e morreu Suggia, como Imóvel de Interesse Camarário e ao mesmo tempo mandar afixar na parede do prédio uma placa lembrando a quem por ela passa que ali viveu uma das pessoas mais importantes que o Porto viu nascer.
Mãos à Obra.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (3)

julho 01, 2004

VISITAS AO BLOG DURANTE JUNHO

O Blog, durante o mês de Junho teve 6447 visitas, o que dá uma média diária de 210

Publicado por vm em 10:42 AM | Comentários (0)

junho 01, 2004

VISITAS DURANTE O MÊS DE MAIO

Durante Maio o nosso blog foi visitado 7884 vezes, o que dá uma média diária de 254 visitas.

Publicado por vm em 10:36 AM | Comentários (0)

maio 30, 2004

MEDALHA DE OURO DA CIDADE DO PORTO EM 1938

Em 1938 a Câmara Municipal do Porto concede-Ihe a Medalha de Ouro da Cidade por proposta do Comandante João de Paiva Faria Leite Brandão.

Câmara Municipal do Porto
Secretaria - Serviços de Expediente

Exma. SrªD. Guilhernina Suggia Mena
Encarrega-me o Exmo. Sr. Presidente de ter a subida honra de vir comunicar a V. Exª. que esta Câmara, na sua reunião de 16 de Dezembro do ano findo, resolveu aprovar a seguinte proposta:

«Tendo em consideração que a eminente artista Guilhermina Suggia Mena, nascida no Porto, onde fez os seus primeiros estudos com seu pai, o professor Augusto Suggia fazendo parte mais tarde, ainda criança, do Quarteto Moreira de Sá, contribuiu para o desenvolvimento da cultura, colaborando em inúmeros concertos nesta Cidade. - Atendendo que esta virtuosa, depois de completar os seus estudos na Alemanha, tem marcado no estrangeiro, com especial evidência, o seu lugar entre as primeiras executantes do mundo, assim consagrada especialmente em Inglaterra, onde muitas vezes tomou parte nas mais notáreis audições, atraindo deste modo para o seu país as atenções do mundo musical, tenho a honra de propor:
Que seja concedida à consagrada artista «A Medalha de Mérito», em. ouro.»
Aproveitando a oportunidade para cumprimentar V. Ex.ª e endereçar-lhe as minhas muito vivas felicitações, tenho a honra de me subscrever com a mais distinta consideração e
A bem da Nação
Porto e Paços do Concelho,
4 de Janeiro de 1938.
O Chefe da Secretaria
(Assinatura ilegível)

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA-A Sonata de Sempre” de Fátima Pombo

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (2)

maio 27, 2004

SUGGIA OFICIAL DA GRÃ-CRUZ DE CRISTO

No ano de 1944, entregam-lhe as insígnias de Oficial da Grã-Cruz de Cristo.
Guilhermina Suggia não se satisfaz, no entanto, com condecorações, nem se protege no silêncio.

“É preciso intensificar-se cada vez mais no nosso País culto muito sincero pela arte musical.

Torna-se indispensável construir salas de concerto, que, à semelhança do que há lá fora, poderiam ser utilizadas também para a realização de conferências de divulgação cultural. Essas salas deveriam comportar apenas umas seiscentas a oitocentas pessoas e seriam dotadas das imprescindíveis condições de segurança e conforto, a par duma acústica impecável e duma excelente e equilibrada distribuição de luz. Estou convencida de que o admirável bairrismo dos portuenses e o seu arrojado espírito empreendedor poderiam tornar em realidade uma tão útil iniciativa - para a qual eu desejaria contribuir com a mais dedicada solicitude. Poderíamos, então, realizar concertos musicais num «clima» apropriado. Convém não esquecer nunca que um executante pode ser gravemente prejudicado por um pequenino pormenor que perturbe a serenidade do seu espírito - desde a perturbadora delicadeza dum perfume esquisito até à luz crua e violenta das gambiarras.
A música de câmara requer um ambiente quási familiar, de igual modo que a voz de um órgão apenas se espiritualiza no silêncio augusto e profundo das grandes naves duma catedral gótica.
- Os efeitos de luz são de alta importância para quem executa e para quem ouve - para o artista e para o auditório.
O célebre compositor russo Scriabin escreveu, sob o domínio dos contrastes da luz e do som, a sua magnífica sinfonia «Prometheus». Assisti à sua primeira audição, na própria residência do autor, em Moscovo. Foi um espectáculo maravilhoso. Aquela sinfonia foi executada caprichosamente - com as mais diversas modalidades de tom em íntima concordância com as adequadas nuances de luz...»

De livro “GUILHERMINA SUGGIA-A Sonata de Sempre” de Fátima Pombo

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (2)

maio 23, 2004

SUGGIA É MAGNÂNIME E ALTRUÍSTA

Suggia é magnânime e altruísta, revela-se implacável perante a hipocrisia.

Uma noite, no Clube Portuense, um grupo de senhoras benfazejas rodeia Suggia e pede-lhe, certamente com toda a deferência e provável eloquência, um recital sem cachet, com uma finalidade do género caritativo a que se dedicava e que já não é possível reproduzir aqui.

Suggia consente na sua participação, mas considera que deverão encontrar-se noutra altura para conversar sobre o assunto. As senhoras despedem-se vitoriosas.

Entretanto, há um baile no Clube Portuense. Encontram-se lá Guilhermina Suggia e as mesmas senhoras que ignoram ostensivamente a sua presença.

Passam-se poucos dias depois da noite do baile e essas senhoras fazem anunciar-se na casa de Suggia.
Clarinda traz uma resposta breve do 1° andar:

- «A madame Suggia manda dizer que não está».

do livro "GUILHERMINA SUGGIA-A Sonata de Sempre" de Fátima Pombo

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

maio 22, 2004

DIA "GUILHERMINA SUGGIA" NO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

Por sugestão à Direção do Conservatório do Porto, da Prof. Srª D. Madalena de Sá e Costa, foi instituído um dia por ano para lembrar a grande violoncelista GUILHERMINA SUGGIA. Será um dia de música tocada pelos alunos do Conservatório. Hoje celebra-se esse dia.

Publicado por vm em 12:23 PM | Comentários (0)

maio 04, 2004

EDIÇÕES DE GRAVAÇÕES DE SUGGIA

Em 1988 a EMI RECORDS LTD- Hayes Middlesex-England fez a edição em vinil do LP ref "mono EH 7 61083 1" sob o título de " A Centenary Tribute to MADAME SUGGIA". Supostamente homageava o centenário do nascimento de Suggia. (Suggia nasceu em 1885 e não em 1888 como é referido no LP e na maior parte dos dicionários de música ingleses)

O LP contém as seguintes gravações efectuadas entre 1927 e 1930:

-de BENEDETTO MARCELLO - Largo e Allegro da Sonata nº 3 em Ré c/ George Reeves no piano
-de G.B.SAMARTINI - Sonata in Sol maior, c/ George Reeves no piano
-de FRANCESCO GUERINI - Allegro con brio, c/ George Reeves no piano
-de CAMARGO - Moto perpétuo, c/ Reginald Paul no piano
-de SAINS-SAËNS -Minuet de Concerto para violoncelo nº 1 in La menor op 33, c/ orquestra n.n. dirigida por Lawrance Collingwood
-de LALO - Intermezzo de Concerto para violoncelo in Ré Menor, c/ orq n.n. dirigida por Lawrence Collingwood
-de FAURÉ - Elégie in Do menor op 24, c/ Reginald Paul no piano
-de RAVEL - Pièce en forme de Habanera, c/ George Reeves no piano
-de HAYDN - Concerto para violoncelo in Ré H VIIb:2 (op101), c/ orquestra n.n. dirigida por John Barbirolli
-de MAX BRUCH - Kol Nidrei op 47, c/ orq. n.n. dirigida por Lawrence Collingwood


Em 1992 a Editora PEARL fez a edição de uma caixa com 3 CD, refª "GEMM CDS 9981-3", intitulada " THE RECORDED CELLO- VOLUME I - The history of the recording of the world's finest cellists up to the early post-war years, including: CASALS, ROSTROPOVICH, ROSE, SUGGIA, PIATIGORSKY, MAINARDI, SADLO, KNUSHEVITZKY,CASSADÓ, MILLER, SALMOND, de MACHULA, SHAFRAN.

SUGGIA interpreta nesta edição, de SINIGAGLIA - Humoresque (gravação de 1924)

Publicado por vm em 03:00 PM | Comentários (0)

VISITAS AO BLOG EM ABRIL

Durante o mês de Abril o Blog teve 5 103 visitantes, o que dá uma média de 170 visitas por dia

Publicado por vm em 11:56 AM | Comentários (4)

abril 28, 2004

AUTORIA DA CARICATURA DO CABEÇALHO DO BLOG

É, de facto, uma lacuna não estar referido o autor da caricatura das irmãs SUGGIA, que aparece junto ao nome de GUILHERMINA SUGGIA, no cabeçalho do blog.
É, para os que não sabem, AMADEU de SOUZA-CARDOSO.

A Propósito da mesma um texto de A Cunha e Silva que a seguir reproduzimos:

A caricatura sobre Guilhermina e Virginia Suggia feita pelo pintor Amadeo de Souza- Cardoso, representa no contexto deste levantamento sobre registos iconográficos, provávelmente (porque não mesmo?) o primeiro, dentro duma ordem cronológica, de que se tem conhecimento.
Curiosamente e para além desta particularidade, ganha também valor histórico e documental, porque nenhum outro – a não ser um fotografia em criança -, envolve as duas irmãs em concerto, em plena exibição.
Trata-se de um momento raro captado por um dos mais invulgares pintores portugueses do sec. XX.
Porém, uma dúvida persiste: a caricatura terá sido realizada em Paris ou Espinho?
O pintor Amadeo de Souza-Cardoso, chegou a Paris em Novembro de 1906 e nesta altura Suggia vivia em Auteuil, perto de Paris, zona muito procurada pelos pintores e artistas em geral. Guilhermina Suggia estava com Pablo Casals com quem tinha casado recentemente, facto que Amadeo não desconheceria, porque os artistas portugueses a viver em Paris contavam-se pelos dedos e como por outro lado o pintor tinha suficiente poder económico, isso permitia-lhe desafogadamente participar nos acontecimentos mundanos da vida parisiense, assim participando do mesmo meio que o casal Suggia.
Durante o ano de 1907, o pintor realizou um conjunto assinalável de caricaturas, que publicou no jornal “O Primeiro de Janeiro”, período que marca também o início do reconhecimento do percurso de Amadeo como pintor. “...A atracção de Amadeo pela caricatura, prende-se com o terreno propício da vida parisiense de então, e onde proliferavam os jornais humorísticos, entre 1907 e 1909. Para além do estudo da Arquitectura e Pintura – motivo pelo qual seguiu para Paris -, Amadeo entregou-se com entusiasmo” - confirmam os seus biógrafos, a praticar esta forma de arte: a caricatura.
Neste espaço de tempo temos a notícia do concerto em Paris, na Salle Gaveau, a 15 de Março de 1908, de Guilhermina Suggia e é de admitir que terá sido nesta ocasião que Amadeo registou o acontecimento.
Rebelo Bonito, a quem se deve a primeira divulgação desta imagem, num artigo publicado no “Tripeiro”, nada adianta sobre a origem do desenho de Amadeo.
A caricatura apresenta um terceiro personagem. Será Pablo Casals?
Comparando com fotografias da época não é despropositado.
Será Léon Richon? Marido de Virgínia Suggia e livreiro e editor parisiense.
A personagem em causa, equilibra a composição do desenho, criando profundidade e simultaneamente determina que se trata de um local de concerto, a avaliar pelo rigor das “toilletes”, daí admitir como mais provável tratar-se da Salle Gaveau, em Paris.
A Cunha e Silva

Publicado por vm em 04:46 PM | Comentários (0)

abril 26, 2004

QUE ME RECORDEM NO MEU MELHOR

A sua reputação como artista de primeira classe ficou agora estabelecida, e a sua carreira subsequente tem sido uma série ininterrupta de sucessos. Na sua arte existem poucos, na verdade muito poucos, um ou dois no máximo, que a igualem, e nenhum que a ultrapasse. É intenção de Suggia retirar-se completa e definitivamente do trabalho em concertos no preciso momento em que ela suspeite de uma negligente deterioração na sua execução.

"A altura chegará, claro está", disse ela, não tristemente, não resignadamente, mas como alguém que alegremente aceita um facto inevitável, "quando eu não estiver capacitada para tocar tão bem, então... nunca mais aparecerei em público. Quero que as pessoas sejam capazes de me recordar no meu melhor. Tal será melhor para eles e também para mim. Não quero que suceda comigo o que sucede com outros artistas. É, penso eu, uma loucura da parte deles prosseguirem se de tal não necessitam, e muito triste se eles continuam porque devem, porque não foram cuidadosos».

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA- A Sonata de Sempre”, de Fátima Pombo

Publicado por vm em 12:37 AM | Comentários (0)

abril 14, 2004

ALGUNS DADOS S/ SUGGIA

Chamamos a atenção para a actualização da Bibliografia onde se fala de Suggia e que no blog se encontra na categoria "Geral" - "Alguns dados sobre Suggia.

Publicado por vm em 09:03 PM | Comentários (0)

abril 13, 2004

Gravações de Guilhermina Suggia em 78 rpm

Compositor Obra Acompanhamento


Henschel Gavotte - Au temps jadis n.n. (piano)

Glazounov Sérénade espagnole

Popper Spanische tänze, Vito, Op.54, nº.5 n.n. (piano)

Senaillé (arr. Salmon) Allemande

Sinigaglia Humoreske n.n. (piano)

D. Popper Tarantella em sol M

Bach Suite para violoncelo solo em dó M(prelúdio e allemande)

Boccherini (arr. Piatti) Sonata em lá M(Pts. I e II) n.n. (piano)

Popper Spinnerlied, Op.55 George Reeves (piano)

G. B. Sammartin (arr. Salmon)Sonata em sol M(allegro - grave - vivace) George Reeves (piano)

Bruch Kol Nidrei, Op.47 n.n. Lawrence Collingwood

Saint-Saens Concerto nº 1 em lá m, Op.33(minuete) n.n. Lawrence Collingwood

Lalo Concerto em ré m (intermezzo)

Saint-Saëns Allegro appassionato, Op.43 Reginald Paul (piano)

Fauré Sicilienne

Haydn Concerto em ré M, HVIIb:2, Op.101(allegro moderato - adagio - allegro) n.n. John Barbirolli

Benedetto Marcello (arr. J. Salmon) Sonata nº 3 em ré M(largo - allegro) George Reeves (piano)

Francesco Guerrini (arr. Salmon) Allegro con brio

Gluck Mélodie de Orfeo George Reeves (piano)

Ravel Pièce en forme de habanera

Boccherini-Bazelaire Rondo

Kreisler Polichinelle Serenade George Reeves (piano)

Fauré Elégie em dó m, Op.24 Reginald Paul (piano)

Carmago (arr. T. Nachez)(arr. B. van Lier) Moto perpetuo Reginald Paul (piano)

Lalo Concerto em ré m London Symphony Orchestra Pedro de Freitas Branco


Informação prestada por Helder de Macedo Sampaio

Publicado por vm em 12:01 AM | Comentários (2)

abril 12, 2004

Convite da Fundação Engº António de Almeida

Exmos. Senhores
Virgílio Marques
Catarina Campos

Temos o prazer de convidar V. Exas. para assistir, no próximo dia 5 de Maio de 2004, pelas 21h30 à cerimónia onde será instituído, pela Fundação Eng. António de Almeida, o «Prémio Guilhermina Suggia». A Fundação já tinha oferecido à cidade do Porto, uma estátua, em bronze, da violoncelista. Agradecemos a divulgação destes factos, se os considerarem pertinentes, no weblog Guilhermina Suggia


Fundação Eng. António de Almeida
Rua Tenente Valadim, 325 - Porto
Telef. 22.6067418
fundacao@feaa.pt

Publicado por vm em 08:24 PM | Comentários (4)

março 21, 2004

algumas considerações

Passado que é um mês depois da abertura deste “blog” parece-nos oportuno fazer determinadas considerações.
Assim, e apesar de GUILHERMINA SUGGIA ser quase uma desconhecida no seu próprio país, o número de leitores parece-me bastante razoável, não obstante o número de comentários feitos no próprio “blog” ser pequeno. Era desejável haver uma maior participação. Tenho apesar disso recebido quer pessoalmente quer por email várias manifestações de amigos, conhecidos, desconhecidos. A todos que o fizeram agradeço aqui publicamente.
Aparte os louvores que são feitos, as críticas fundamentais centram-se em duas questões:
1- Intervenções demasiado longas, tornando o “blog” muito massudo. Chegando mesmo a ser sugerido que os textos sejam sintetizados. Ora bem, quando pensámos fazer esta página, não pensámos fazer uma coisa aborrecida, mas também não pensámos fazer uma coisa leve que conquistasse facilmente muitos leitores. Queremos, acima de tudo, que seja uma fonte de informações o mais completa possível acerca de GUILHERMINA SUGGIA. Quando “descobrimos” uma crítica ou uma entrevista num jornal da época será inteiramente reproduzida. Caberá a quem lê decidir se começa no princípio e acaba no fim das mesmas. Não temos também a preocupação de fazer um retrato cronológico. As intervenções serão referentes a vários períodos da sua vida, ou mesmo depois da sua morte, sem a preocupação de começarmos em 1885 (ano em que nasceu) e irmos por aí em diante.

2-Há falta de imagens. Outra das críticas que mais nos chegam. É um facto. Estamos a tentar resolver esta lacuna que se deve exclusivamente a questões de ordem informática.
Pensávamos ser mais breves, mas razões alheias à nossa vontade levam-nos a que tal aconteça.

Por último gostaríamos muito de pedir a todas as pessoas que tenham gravações, fotografias, programas, informações acerca de SUGGIA, que conheçam pessoas que tenham assistido a actuações suas, que nos contactem.

Melhores saudações
VM

Publicado por vm em 02:25 PM | Comentários (0)

fevereiro 28, 2004

Alguns dados sobre SUGGIA

Nome - GUILHERMINA AUGUSTA XAVIER DE MEDIM SUGGIA CARTEADO MENA

Data Nascimento - 27 de Junho de 1885

Local de Nascimento -PORTO (freguesia de S. Nicolau)

Filha de -AUGUSTO JORGE DE MEDIM SUGGIA(nascido em Lisboa a 11/3/1851 e falecido em 29/3/1932) e de

ELIZA AUGUSTA XAVIER DE MEDIM SUGGIA (nascida em Lisboa em 26/11/1850 e falecida em 29/10/1932)


Casou em 27 de Agosto de 1927 com Dr. JOSÉ CASIMIRO CARTEADO MENA (nascido em 10/2/1876 e falecido em 20/3/1949)

Morre na sua casa da Rua da Alegria, 665, no Porto, em 30/7/1950

Está sepultada no cemitério de AGRAMONTE, no Porto
( Secção nº 36 - Jazigo nº 2132)


BIBLIOGRAFIA:

-"GUILHERMINA SUGGIA ou o Violoncelo Luxuriante", de Fátima Pombo, -Fundação Engº António de Almeida, 1993

-"GUILHERMINA SUGGIA-A Sonata de Sempre", de Fátima Pombo, Edições Afrontamento/Câmara Municipal de Matosinhos, 1996

-"GUILHERMINA", de Mário Cláudio, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1986

-"IN MEMORIAM A BERNARDO VALENTIM MOREIRA DE SÁ" de Helena Costa e Madalena Costa, Livraria Tavares Martins-Porto, 1947

-"MONOGRAFIA DE MATOSINHOS" de Guilherme Felgueiras, Lisboa, 1958

- "DA VIDA E DA ARTE DE GUILHERMINA SUGGIA" de Carlos Figueiredo, Porto 1973

- "A MULHER E A ARTISTA EM GUILHERMINA SUGGIA" de Ápio Garcia, Ed. dos Ateliers de Alta Costura "Salão Original", Porto 1950

- "Impressions and Comments" de Ellis Havelock, Terceira e Última Série (1920-23), Constable and Company, Ltd, Londres 1924

- "CHIAROSCURO, Fragments of Autobiography", de August John, Primeira Série, Londres 1952

- "Homenagem à Memória de GUILHERMINA SUGGIA" de Hernâni Monteiro, Centro Universitário do Porto, 1950

-"MULHERES PORTUGUESAS - Volume I" de Maria João Martins, Edição VEGA/MULTILAR-1994

- "AM I TOO LOUD?" de Gerard Moore, Hamish Hamilton, Londres, 1962

- "Colected Memoirs" de Gerard Moore, Harmondsworth, Londres 1986

- "THE GREAT CELLISTS", de Margaret Campbell, Victor Gollancz,Ltd, Londres 1988

-"THE ART OF DORA CARRINGTON" Jane Hill, The Herbert Press, Londres, 1994

-"THE DIARY OF VIRGINIA WOOLF- Vol II 1920-24" Ed Anne Olivier Bell, The Hogarth Press, Londres, 1978

-"JACQUELINE DU PRÉ- Her Life, her Music,her Legend" de Elizabeth Wilson, Arcade Publishing, New York, 1998

-"UMA VIDA EM CONCERTO"de Helena Sá e Costa, Campo das Letras, Porto 2001

-"The Cambridge Companion to the CELLO", edited by Robin Stowell, Cambridge University Press, Londres 1999

-"Memoirs" by George Wood, Londres 1999

-"SIEGFRIED SASSON:The Making of a War Poet, a Biographi(1896-1918), by Jean Moorcroft Wilson, Londres

-"CHRONOLOGY OF EUROPEAN CLASSICAL", by Charles J.Hall, Londres e Nova Yorque, 2002

-"VIANA DA MOTA- Uma contribuição para o estudo da sua personalidade e da sua obra", de João de Freitas Branco, Fundação Calouste Gulbenkian, 1987

-"THE OXFORD COMPANION TO MUSIC" edited by Alison Latham, Oxford University Press, 2002

-"DICIONÁRIO DE MÚSICA" (2 Volumes) de Tomás Borba e Fernando Lopes Graça, Mário Figeirinhas, editor

-"The New Grove Dicionary of Music and Musicians" (vários volumes) MacMillan Publishers Ltd., Londres, 1980

-CARLOS RAMOS (Colectânea organizada por seu amigo António de Castro Henriques) Livraria Tavares Martins, Porto, 1944

-Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira (vários volumes ), Editorial Enciclopédia Ldª, Lisboa e Rio de Janeiro

-"MUSIC AND LETTERS", volume 1, Oxford University Press, 2004

-"HOTEL AVENIDA PALACE", de Maria Carvalho Costa, edição da Câmara Municipal de Lisboa, 2001

-"O VIOLONCELO, Sua História, Literatura, Pedagogia e Metodologia", de Adelaide Saguer, Editora Gráfica Portuguesa, Ldª, 1938

-"Michel'Angelo Lambertini", Museu da Música, Lisboa 2002

-"Prémios Guilhermina Suggia do Conservatório de Música do Porto" de Madalena Sá e Costa

-"HISTÓRIA DA MÚSICA PORTUGUESA" de João de Freitas Branco, Publicações Europa-Amérca, 1959

- "OS GRANDES PERÍODOS DA MÚSICA" de J. Neuparth, Imprensa Libânio da Silva, 1911

-"O PORTO E A MÚSICA" (Separata de O TRIPEIRO) de Alfredo Ayres de Gouveia Allen, Porto 1970,

-"CONTRIBUCIÓN AL ESTUDIO DE LA MUSICA ESPAÑOLA E PORTUGUESA" de Santiago Kastner, Editorial Ática, Ldª, Lisboa 1941

-"MÚSICA E MÚSICOS MODERNOS" de Fernando Lopes Graça, Edições Lopes da Silva, Porto 1943,

-"ANAIS DO ORPHEON PORTUENSE" Oficinas do Comércio do Porto, 1931,

-"HISTÓRIA POPULAR DA MÚSICA" de Luís de Freitas Branco, COSMOS 1943,

-"A MÚSICA PORTUGUESA E OS SEUS PROBLEMAS" de Fernando Lopes Graça, Edições Vértice 1959

-“THE MIRROR OF MUSIC- 1844-1944”, de Percy A. Scholes ( 2 volumes ), Edição de Novello & Company and Oxford University Press-1947

-IBBS AND TILLET: The Rise and Fall of a Musical Empire" by Christopher Fifield

-"O GRANDE LIVRO DOS PORTUGUESES" Edição Círculo dos Leitores-1991

Publicado por vm em 07:09 PM | Comentários (0)

fevereiro 19, 2004

SUGGIA e a sua sepultura no Cemitério de Agramonte

Ontem fui ao Porto. Sabia que Guilhermina Suggia está sepultada no cemitério de Agramonte. Embora não pratique qualquer defesa pelo culto da morte (desejo ser cremado, gostaria de não ter funeral nem velório nem flores nem rezas. Ser cremado.Sem caixão. Sem roupas), tenho todo o respeito pela memória das pessoas. Por aquilo que elas foram. Pelo que delas ficou.

Cheguei ao cemitério e perguntei ao guarda onde era a sepultura de Suggia. Não fazia ideia. Perguntei se sabia quem era. Não sabia de todo. Mandou-me perguntar aos coveiros que "sabem sempre essas coisas todas". Perguntei a dois. Ambos perguntaram se tinha morrido há pouco tempo. Disse que havia 53 anos. "Então e queria que soubéssemos!?". Mandaram-me para a secretaria. Pelo caminho perguntei a outro guarda. Não fazia ideia. Nem sabia quem tinha sido. Entrei na secretaria. Perguntaram-me se sabia quando tinha morrido. "Há 53 anos". "Ui! vai ser muito difícil saber onde está. Ainda por cima a chefe da secretaria não está cá." " Mas não me diga que não vai haver maneira de descobrir!" . "Espere lá. Vou telefonar a ver se alguém me sabe dizer alguma coisa"
A senhora dirigiu-se para o telefone e eu fiquei a aguardar. Ia ouvindo:"obrigada.Vou ligar então para lá" Ouvia de novo "está aqui um senhor que quer visitar a sepultura de Guilhermina Suggia. Como posso saber qual é?" "Obrigada. Vou ligar então!".

Ao fim de mais ou menos meia hora de telefonemas vem a senhora com um livro na mão . Procura por ordem alfabética e encontra. Guilhermina Suggia, morta em 30 de julho de 1950. Sepultada na secção nº 36, jazigo nº 2132.

Um guarda acompanhou-me. Passamos em frente da capela do cemitério virámos no 1º corredor à esquerda fomos sempre em frente em direção ao fundo. Em determinada altura o guarda diz-me: "Aqui está. É esta a campa".

Fiquei triste. Já tinha visto uma fotografia da campa. Não esperava de todo encontrar um mausoléu.
No entanto apenas está escrito na pedra "Guilhermina Augusta Xavier de Medim Suggia Carteado Mena". Não há qualquer referência à sua arte. Um ramo de flores de plástico completamente sem cor tapava o seu nome. Em cima da campa uma placa faz referência ao marido. Outra placa à mãe. E pasme-se: O pai de Suggia, AUGUSTO SUGGIA, violoncelista e professor nos conservatórios de Lisboa e Porto, tem uma placa onde se lê:"Dª GUTA SUGGIA, nasc em... falec em ..."
Não sei quem mandou fazer as placas, penso que Suggia não tem familiares vivos. Alguém deve ter mandado para a casa onde essas coisas se fazem, um papel escrito de modo pouco claro, a placa veio errada e foi posta em cima da campa. Sem o mínimo de respeito por quem foi pai e 1º professor de uma das maiores figuras da música em Portugal.

É triste este país. Muito triste, por vezes.

Forum Português de Música Clássica, 16 Dezembro 2003

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (2)

fevereiro 07, 2004

Guilhermina Suggia

Guilhermina Suggia é uma desconhecida para a maioria dos portugueses.
Este blog pretende reunir e divulgar informação sobre esta enorme figura da música, sobre a sua vida e obra.

Agradecimentos a todos os que contribuiram com os seus textos, disponibilidade e tempo, em especial a Fátima Pombo, autora de dois livros sobre a violoncelista, "Guilhermina Suggia ou o Violoncelo Luxuriante " e "Guilhermina Suggia-A Sonata de Sempre", que autorizou a publicação neste blog de textos das suas obras.

Publicado por vm em 01:01 AM | Comentários (0)