junho 09, 2007

MARIA JOÃO PIRES VENCE PRÉMIO EDUARDO LOURENÇO 2007

m joao pires.jpg
A pianista Maria João Pires é a vencedora da terceira edição do Prémio Eduardo Lourenço, no valor de 10 mil euros, atribuído pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), sedeado na Guarda.
A decisão foi anunciada esta sexta-feira por António Avelãs Nunes, vice-reitor da Universidade de Coimbra, no final de uma reunião do júri realizada na Câmara Municipal da Guarda.


O prémio, que tem o nome do ensaísta Eduardo Lourenço - mentor e presidente honorário do CEI - destina-se a distinguir personalidades ou instituições de língua portuguesa ou espanhola «que tenham sido protagonistas de uma intervenção relevante e inovadora no âmbito da cooperação e no domínio das identidades, das culturas e das comunidades ibéricas».

António Avelãs Nunes anunciou que o júri atribuiu a distinção a Maria João Pires, por unanimidade, «pela personalidade de humanista que a pianista tem sabido imprimir à sua obra», contribuindo para «a difusão da cultura musical».

Considerou a pianista como uma «grande personalidade da cultura ibérica e mundial», e referiu que Maria João Pires teve «a preocupação em inserir nesta zona raiana uma das apostas fortes da vida dela», referindo-se ao Centro para o Estudo das Artes de Belgais (Castelo Branco), projecto fundado pela pianista.

«Uma das meninas dos olhos dela é a obra que tem desenvolvido a partir de Belgais, que enquadra todas as populações raianas, aproximando todos os povos», disse à Agência Lusa.

«É uma grande personalidade da cultura mundial que tem tido particular preocupação de desenvolvimento no âmbito da cultura ibérica, com grandes concertos em todo o espaço ibérico e preocupações educativas a que tem dado grande atenção», frisou o vice-reitor.

Assinalou que o CEI «sente-se honrado» com a candidatura vencedora que foi apresentada pela Universidade de Coimbra.

Nascida a 23 de Julho de 1944, em Lisboa, Maria João Pires deu o seu primeiro recital aos cinco anos, mas o seu talento só foi reconhecido internacionalmente em 1970, quando venceu o Concurso Internacional do Bicentenário de Beethoven, em Bruxelas.

Interpretando obras de Bach, Beethoven, Schumann, Schubert, Mozart, Brahms e Chopin viajou por todo o mundo, tornando-se uma presença regular em salas de concerto da Europa, Canadá, Japão, Israel e nos Estados Unidos.

Em 1989 recebeu o Prémio Pessoa e, em 1999, fundou o Centro para o Estudo das Artes, em Belgais.

Além dos reitores das Universidades de Coimbra e Salamanca, integraram o júri José Manuel Mendes (presidente da Associação Portuguesa de Escritores), Teresa Patrício Gouveia (Fundação Calouste Gulbenkian), José Luís Puerto (poeta e tradutor de Miguel Torga) e António Colinas (vencedor do Prémio Nacional de Poesia de Espanha).

A sessão solene de entrega do prémio hoje atribuído terá lugar a 6 de Julho, na Guarda.

As duas anteriores edições do prémio Eduardo Lourenço contemplaram Maria Helena da Rocha Pereira, catedrática jubilada da Universidade de Coimbra na área da Cultura Greco-Latina e o jornalista espanhol Agustín Remesal, antigo correspondente da TVE em Lisboa.

O CEI é uma associação transfronteiriça sem fins lucrativos que nasceu de uma ideia do ensaísta Eduardo Lourenço lançada na sessão comemorativa do 8º Centenário do Foral da Guarda em 1999.

Foi criado em 2000 pela Câmara Municipal da Guarda e pelas Universidades de Coimbra e de Salamanca (Espanha), integrando mais tarde o Instituto Politécnico da Guarda.

Diário Digital / Lusa






Publicado por vm em junho 9, 2007 10:59 AM
Comentários

comentário apagado

Afixado por: IP 82.154.132.191 em maio 28, 2008 09:22 AM
Comente esta entrada









Lembrar-me da sua informação pessoal?