abril 21, 2007

"SÉCULO PASSADO" UM LIVRO DE JORGE SILVA MELO, EDIÇÕES COTOVIA

jorge_silva_melo.jpg
Quem não conhece, no meio cultural português, Jorge Silva Melo? Cineasta, actor, encenador, dramaturgo, co-fundador do teatro da Cornucópia, director dos Artistas Unidos, cronista excepcional, interveniente enérgico e sempre disponível para comentar e, portanto, para ajudar a reflectir (e, portanto, generoso), socialmente incorrecto, politicamente incorrecto, amante de todas as artes, que a elas tem dedicado uma vida superlativamente talentosa – quem não o conhece, perguntávamos, quem não conhece aquele rosto dele, sagaz, o discurso franco? Poucos. Porém, não consta que alguém tenha ousado formular a seu respeito este enunciado simples: Jorge Silva Melo é dos maiores escritores de língua portuguesa destes tempos. E os maiores, sabemo-lo, contam-se pelos dedos das mãos.

Não se trata, apenas, de uma inabalável convicção de editores atentos. Experimente-se isto: rasure-se do nosso espírito a hierarquia dos géneros (orgulhar-se-ia alguém de viver num «país de dramaturgos» tanto como se orgulha do seu «país de poetas»?), pérfida invenção corporativa – e Jorge Silva Melo não é poeta nem romancista –, pegue-se neste monumental Século Passado e leia-se. Não é preciso mais. E, pela leitura, atravesse-se o país desde os anos 50, o Portugal apertadinho, em que as revistas de cinema, com fotografias e resumos, eram o seu telescópio de menino para o mundo, enquanto comia uma bola-de-berlim da leitaria do Senhor Aires: «Eu gostava de tudo, dos Hércules no São Jorge, de uns policiais alemães com o Peter van Eyck no Roma, do fantástico ‘Guerra e paz’ de King Vidor, gostava era do cinema, de comprar o bilhete, receber o programa, ouvir o gong e ali ficar, entre aventuras de piratas e dramas de amor, pensando que iria ser assim, desmesurada, a minha vida adulta e o grande amor.» Romântica, nem podia deixar de o ser, a voz cultíssima e suculenta, entre o irónico, o irado e o terno, de um homem que nunca se escusou a fazer por ter muito a dizer. Desmesurada vida, sim.
Sob a epígrafe de serem ficção três quartos da nossa vida, Jorge Silva Melo reúne, nestas quase 600 páginas, boa parte dos escritos dos seus quase 60 anos de vida, não cronologicamente mas pelo significado que cada assunto tratado, ou pessoa, teve em cada década. Formidável ideia essa, a de escrever as Memórias não agora, fechados os 50, mas desde sempre, de as ir escrevendo com os dias, para depois as arrebanhar e nos oferecer. Homem organizado.
É da homenagem a muitos seus contemporâneos que Jorge Silva Melo quer que as Memórias se façam; e nessa humildade de se encarar como mero figurante, o rapaz que assiste à vida lá do 2º balcão («nunca nos libertamos da adolescência, não é?»), está uma das lições deste livro a todos os títulos comovente: a consciência de que há gestos inaugurais que são absorvidos pela época que os suscitou, e que essa injustiça do presente nos pode calhar a nós.
Mesmo assim, mesmo sabendo que ninguém conhece aquilo que o futuro dele irá reter, Jorge Silva Melo entrega este livro, trabalho de toda uma vida e oportunidade de exposição e auto-valorização, aos que vieram antes. As memórias dele são essencialmente as memórias que ele guarda dos outros. E isso, neste país ingrato, trapaceiro e grandiloquente, é coisa de nos apertar o coração:
« Não andei, livre, a vagabundear, nem livre divago, nem foi, afinal, sozinho comigo e as bolhas nos pés que calcorreei Tates e Louvres, cinematecas e escadas para o galinheiro das óperas. Prolongo, filho eterno e demorado aluno, genes e lições (…) nada inventei, tudo me foi em segredo ditado (…) Vil tristeza, esta pobre identidade, nem o nariz é meu, nem aquilo que vejo fui eu a ver.»

Publicado por vm em abril 21, 2007 01:58 AM
Comentários

Desejava ter o contacto do autor-email,endereço, eventual telemóvel,para alguns esclarecimentos pontuais do livro que já li e apreciei.
Muito obrigada,
Clara Sacramento
tm.969616191

clarasacramento@mac.com

Afixado por: clara sacramento em maio 9, 2007 09:31 PM

Irei contactar Jorge da Silva Melo transmitindo-lhe o seu pedido.

Afixado por: vm em maio 10, 2007 12:14 AM

COMENTARIO MAGNIFICO À MESMA ALTURA DO LIVRO

Afixado por: JOÃO em maio 12, 2007 08:42 AM

olá gostaria de ter o e-mail do senhor Jorge silva melo agradecia imenso estou a elaborar a minha tese de mestrado e precisova da ajuda dele.
Obrigada

Afixado por: andreia em dezembro 20, 2007 02:26 PM