julho 30, 2005

GUILHERMINA SUGGIA MORREU FAZ HOJE 55 ANOS

casa suggia b.jpg
Foi nesta casa, na Rua da Alegria, 665, no Porto- onde viveu desde Agosto de 1927 - que há 55 anos morreu GUILHERMINA SUGGIA.
Não existe uma placa, sequer, que refira estes factos. A ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA promete, logo que haja condições para tal, fazê-lo.
Esta fotografia foi-nos gentilmente cedida por HVA do blogue desNORTE, a quem agradecemos.

Publicado por vm em julho 30, 2005 01:08 AM
Comentários

Na varanda do 1º andar está um letreiro onde se lê "Vende-se". Será que esta casa corre o risco de ser vendida e ser completamente descaracterizada ou demolida?
Devíamos chamar a atenção da Câmara Municipal do Porto e do Ministério da Cultura ou estarão demasiado ocupados com o bendito Túnel de Ceuta?

Sr. VM - muito obrigado por esta foto e pelas respostas às minhas anteriores perguntas sobre as casas da família Suggia.

Afixado por: Joka em julho 30, 2005 01:48 AM

De facto, neste momento e desde há cerca de 2 meses, a casa deixou de estar à venda e está arrendada.

Infelizmente a Câmara do Porto, desde há muitas vereações, e outras entidades deste país, têm sido madrastas da memória de uma das pessoas que mais nos honrou.
Teremos que ser nós todos a exigir que se respeite quem só nos deu honra, sob pena de sermos também responsáveis.

Faria todo o sentido que aqui fosse a Casa-Museu Guilhermina Suggia.
Temos essa vontade.Mas é pouco. Teremos que ser muitos mais!

Afixado por: vm em julho 30, 2005 11:11 AM

De facto, a casa já sofreu uma muito grave mutilação; foi-lhe retirado o lindíssimo portão arte-nova que a caracterizava. Parece agora amordaçada, com a porta de chapa castanha, de segurança, que lhe colocaram. Quanto ao portão, devem-no ter deitado ao lixo.
É neste triste país que estamos: tudo o que é bom e válido acaba (o Ballet Gulbenkian, o Comércio do Porto, A Capital, o Festival de marionetas do Porto...) e tudo o que é da nossa cultura e do nosso interesse, tudo aquilo que é belo e merecia ser venerado, é tratado com desprezo, sem a menor consideração e atirado ao lixo por alarves.
Desculpem este desabafo, mas algum dia tinha de dizer alguma coisa. AMORDAÇARAM A CASA DA GUILHERMINA SUGGIA mas falo eu por ela...

Afixado por: isabel millet em julho 30, 2005 08:55 PM

E isto para não falar de outras mutilações anteriores, como terem-lhe cortado o jardim, além vários desastres interiores que a casa já sofreu nas mãos de outra gente.

Afixado por: isabel millet em julho 30, 2005 09:06 PM

Que pena ficar a saber de tão más notícias.

Talvez a C.M. Matosinhos tenha interesse em recuperar as casas da família Suggia em Matosinhos e Leça da Palmeira.
Se forem à nova Biblioteca Municipal de Matosinhos encontram nas portas de vidro o nome e a fotografia de algumas personalidades ligadas a Matosinhos, como Florbela Espanca e António Nobre.
Guilhermina Suggia também lá aparece. Por isso, acho que a C.M. Matosinhos devia fazer algo mais pela Suggia, mais do que só espalhar aos sete ventos que a Suggia morou em Matosinhos.

Desculpem sair do tema mas o caso da Suggia faz-me lembrar o caso da cantora lírica Luísa Todi, outra mulher que tanto fez pelo nosso País que ingrato lhe colocou um prédio em cima da sua sepultura. Gostava muito que a sepultura da Todi fosse colocada num local digno, tal como fizeram com o Papa português João XXI.

Afixado por: Joka em julho 30, 2005 10:15 PM

Não quero ser incorrecto. Minimamente. Mas a Camara Municipal de Matosinhos faz, tem feito muito mais por Suggia do que espalhar aos 7 ventos que ela morou lá. E isso já é uma prova de muito respeito. No princípio de Setembro, e é dito aqui em 1ª mão, irá ser descerrado um busto na Praça com o seu nome, em colaboração com a Associação Guilhermina Suggia. À noite, nesse mesmo dia haverá um recital num Salão do edifício da Câmara, com o violoncelista José Augusto Pereira de Sousa, que irá tocar no violoncelo Montagnana que G. Suggia legou para que fosse atribuído um prémio com o seu nome.

A CMMatosinhos comprou uma parte rasoável do espólio de Suggia, patrocinou a edição do livro da autoria de Fátima Pombo " Guilhermina Suggia A Sonata de Sempre". As casas onde G Suggia viveu em Matosinhos, poderão ser importantes. No entanto foi na Rua da Alegria, 665 que Suggia viveu 23 anos, que morreu, foi ao Porto, cidade onde nasceu, que deixou a maior parte do seu espólio. Honrou o Porto e Portugal duma maneira que talvez não possa ter comparação no campo da música, e é o Porto e Portugal que não a pode continuar a rejeitar. Sejamos lúcidos: A cidade do Porto deve muito a Guilhermina Suggia e nem sempre tem feito pela sua memória o que devia. É preciso que todos os portugueses, e sobretudo os portuenses pensem nisto.

Infelizmente os nossos valores são sempre desprezados, sobretudo os que estão ligados à cultura. Não dão tantos votos comos os da bola por exemplo. Luisa Todi merecia melhor sorte também, e sobretudo em vida! Está enterrada, se não me engano, por baixo da Igreja do Loreto. Na altura os mortos ainda eram enterrados junto das igrejas. Vianna da Motta ( lembram-se do avião que tinha o seu nome e durante o Euro 2004 passou a chamar-se Eusébio?) E Marcos Portugal? e Carlos Seixas? E Fernando Lopes Graça? Não parávamos. Mas não vamos deixar tudo nas mãos dos outros. Façamos o que nos fôr possível.

Afixado por: vm em julho 30, 2005 10:46 PM

Sr. VM, muito obrigado por esclarecer a minha ignorância sobre as iniciativas da CM Matosinhos.

Afixado por: Joka em julho 30, 2005 10:57 PM

Coincidência... eu nasci a 30 de Julho (não digo o ano...)

Um dia para chorar... o mesmo para recordar... diz o meu Pai... nestas ocasiões...

Um abraço ;)

Afixado por: Menina_marota em agosto 2, 2005 02:31 PM