agosto 20, 2009

"GUILHERMINA SUGGIA: CELLIST" BY ANITA MERCIER - ASHGATE PUBLISHING

cellist.jpg
Guilhermina Suggia: Cellist
by Anita Mercier
ISBN: 978-0-7546-6169-6
Publication Year: 2008 in hardback format
Number of Pages: 165
£50
ASHGATE Publishing


Any book about an artist like Suggia is a welcome event but this contribution by Anita Mercier is much more than that. This is a loving, respectful tribute to a fabulous musician and fascinating woman, thoughtfully written and expertly put together. Anita Mercier is a member of the Liberal Arts Faculty at the prestigious Juilliard School in New York, which she joined in 1995. She is a specialist in political theory and gender studies and was a recipient of the Erskine Prize for Faculty in 2004.
The subject of the book, Guilhermina Suggia (1885-1950), was a Portuguese cellist of great artistry, a virtuoso of the instrument, a woman far ahead of her time and one of the most remarkable soloists of her generation. Her first teacher was her father, Augusto Suggia, who recognised early that his daughter was a prodigy. Suggia gave her first concert at the age of seven and became a member of the distinguished Moreira de Sá String Quartet while still a teenager. During a visit to Lisbon, where she performed, Suggia made a big impression on the then Queen of Portugal, Dona Amélia, who ensured the young cellist was awarded a scholarship. This was to study in Leipzig, with one of the best teachers of the time and a most respected musician: Professor Julius Klengel.
Augusto Suggia was an unusual father for those days if one bears in mind the strict Catholicism of Portugal and the very conservative views regarding women everywhere in Europe. He helped both his daughters pursuing a musical career (her older sister Virgínia was a talented pianist) and most remarkably, he did for Suggia what was then normal practice only for an eldest son: He dedicated his life to further her career. Not only did he allow her to go to Leipzig but he also accompanied her, sacrificing himself and his family, to help the talented Suggia gain the foundations for a solid career as a solo musician. Her debut was with the celebrated Gewandhausorchester, in Leipzig, one year after having initiated her studies there with Klengel. It marked the beginning of a truly international and brilliant career as a cellist. She never looked back.
Suggia's life was no less fascinating than her career. She was unconventional, fiercely independent, determined, dedicated and completely focused. At a time when women were not allowed to play in orchestras; when they were supposed to marry and once married to give up their profession, should they have one at all, Suggia simply refused to follow the norm. She lived out of wedlock, for several years, with celebrated fellow cellist Pablo Casals; she pursued her career with great determination, managing it mostly on her own, negotiating fees, directing promotion and organising her concert schedule. She settled in England, after World War I, as the country was much better suited than Portugal to the kind of career Suggia intended and fully achieved. She did eventually return to her native country when she reached middle age. There, she finally married, at forty, Dr Carteado Mena; a man considerably older than her but well educated, open-minded and who accepted the freedom and independence that Suggia required to continue her career successfully, which indeed she did almost until her death in 1950. The last great public appearance of Suggia's glorious career, at the age of 64, was her performance on 27th August 1949, at the Edinburgh Festival, with the BBC Scottish Orchestra.
It is therefore unfortunate that an artist of such stature and such a fascinating, warm personality should have nearly been forgotten both in England, her adoptive nation, and perhaps even more so in her native Portugal. Partially, however, this may have been Suggia's own fault, as Ms Mercier explains in the book: On the one hand, she kept her personal life very private and chose not to share it; on the other, she was a keen performer who revelled in the thrill of the stage and a live audience. She did not like recording and was never happy with the sound of it. Therefore, precious little survived of her legendary performances. There are a few remastered recordings available and these are listed at the end of the book.
Anita Mercier has managed to write Suggia's biography in a wonderful, fluid style. The book is truly beautiful, both to the eye as well as to the mind. It has a simple, black hardback cover, with a protective jacket that features Suggia's striking portrait, painted by Augustus John (1878-1971). It can still be admired at the Tate Gallery, in London. The paper is of superb quality; it feels simultaneously crispy and smooth to the touch, however the font used is perhaps a little too small. Mostly and foremost, however, this book is lovingly written. It is a treat, a page-turner! I just couldn't put it down once I started reading it. This fact is not solely due to Ms Mercier's accomplished, flawless writing but also to the fascinating personality of the subject and this radiates from the pages like a beacon of light. Mercier obviously conducted thorough, detailed researches, successfully and effectively interchanging the narrative with extracts of newspapers' reviews of Suggia's concerts and letters, as well as letters, articles and accounts by her friends, family and contemporaries. These are all rare documents; not many have survived but Mercier persisted and gained access to documentation archived in Oporto, Suggia's native city.
Ms Mercier intelligently organised the narrative in eight logical chapters, arranged in chronological order, and named after significant stages or facts in the great cellist's life. At the end of the book, Mercier cleverly added three appendixes: the first contains Suggia's own published writings, the second is a list of her concerts, which is impressive even on its own, and finally the obituary, written by Milly B. Stanfield and published in The Strad in September 1950. To complement the narration and description of facts and events, Mercier managed to obtain a remarkable collection of photographs, featuring Suggia with friends, family or fellow artists, as well as a few portraits of the artist and her cello.
I simply loved this book. As a biography, it is definitely one of the best I have ever read, remarkably insightful and beautifully written. This makes it all the more difficult for me to say that I fear it will not sell very well. In spite of the undeniable quality of the book and the fascinating subject, the retail price of £50 for a 165-page hardback is undoubtedly exaggerated and too expensive. Hopefully, Ashgate Publishing will be planning a paperback edition, next year, at a more attractive and affordable price!
Margarida Mota-Bull

Publicado por vm em 12:06 AM | Comentários (11)

agosto 18, 2009

1º CONGRESSO DE "TEM- ASSOCIAÇÃO TODOS COM A ESCLEROSE MÚLTIPLA" BRAGA - 12 de DEZEMBRO -

j du pre 1.jpg
JACQUELINE DU PRÉ (Prémio GUILHERMINA SUGGIA - Londres-1955) foi portadora de Esclerose Múltipla - diagnosticada aos 28 anos.
A TEM – Associação Todos com a Esclerose Múltipla é uma IPSS (ver TEM a 8 de Julho).

A TEM vai realizar o seu 1º Congresso “Os direitos e os deveres dos doentes crónicos” no dia 12 de Dezembro, em Braga.

Organizações já confirmadas no 1º Congresso da TEM:

APD / Braga – Associação Portuguesa de Deficientes;

APDPK – Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson;

APELA - Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica;

APFQ – Associação Portuguesa de Fibrose Quistica;

MYOS — Associação Nacional Contra a Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica.

Pretendemos obter apoios de modo a que cada um pague o menos possível. Assim estamos a pensar que o valor da inscrição seja:

5€ - Participantes 2€ - Sócios da TEM e dirigentes Associativos*

* Dirigentes associativos de associações de deficientes ou de doenças crónicas

A inscrição inclui: Almoço, Coffee Break e Documentação / material para o Congresso.

Caso tenha um conhecimento de um possível patrocinador diga-nos ou reenvie-lhe este email. Dêem-nos uma resposta até ao dia 8 de Setembro. No folheto de divulgação vamos colocar as associações que vão estar presentes bem como os patrocinadores.

No fim desta mensagem está a descrição da TEM. Precisamos da ajuda de TODOS, basta ir à caixa multibanco e fazer uma transferência bancária desde 1 cêntimo, na conta da TEM com o NIB - 0032.0663.00209376618.43. Nota: se todos os portugueses nos dessem 0,01€ teríamos o nosso Centro Multidisciplinar para Doenças Neurodegenerativas (Alzheimer, Esclerose Múltipla e Parkinson) pronto. Ainda não temos site, mas pode visitar o nosso blogue www.tem-assoc.blogspot.com

Objectivos do Congresso:

• Esclarecer dúvidas sobre aspectos legais, relacionados com todas as doenças crónicas / deficientes;

• Explicar a necessidade de se criar uma Tabela Nacional de Incapacidade e Funcionalidades da Saúde, conforme as classificações da CIF (Classificação Internacional da Funcionalidade, Incapacidade e Saúde) da OMS;

• Aumentar a visibilidade do doente crónico com ou sem deficiência de modo a favorecer a sua inclusão social;

• Criar condições para que os doentes crónicos possam exercer, de pleno direito, a sua participação e integração na sociedade (apoio a quem quer continuar a trabalhar e precisa de situações especiais, como redução ou concentração do horário, ar condicionado, trabalhar em casa, mudanças em casa devido às deficiências);

• Ter em conta a transversalidade dos problemas e aspirações das pessoas com deficiência;


• Alertar para que alguns diplomas em vigor, possam ser melhorados a favor deste tipo de doentes ou para leis não regulamentadas;

• Divulgar as leis que conferem alguns benefícios / direitos às pessoas portadoras de deficiência e suas famílias, aos profissionais de saúde, aos profissionais de direito;

• Alertar toda a comunidade para as necessidades dos doentes crónicos;

• É Fundamental a criação do Estatuto Jurídico do Doente Crónico.

Queremos que este Congresso seja um espaço aberto e amplamente participado, por isso nele intervêm os doentes crónicos e suas famílias, bem como às associações de doentes crónicos, agentes da segurança social, a comunidade científica, os profissionais de direito, os profissionais da saúde,

Comissão de Honra

S.E. o Senhor Presidente da República, – Presidente da Comissão de Honra;

S.E. o Senhor Presidente da Assembleia da República;

S.E. o Senhor Ministro da Saúde;

S.E. o Senhor Ministro do Trabalho e da Segurança Social;

O Senhor Presidente da Comissão Parlamentar de Saúde;

O Senhor Director Geral da Saúde;

O Senhor Bastonário da Ordem dos Advogados;

O Senhor Bastonário da Ordem dos Médicos.


Programa (PROVISÓRIO)


Dia: Sábado, 12 de Dezembro de 2009

Local: Universidade do Minho, Auditório A1 do Complexo Pedagógico do Campus de Gualtar – Braga.

10h00 – Recepção aos Congressistas.

10h30 – 11h00 Sessão Solene de Abertura presidida por Sua Excelência XXXXX e pelo Exmo. Sr. Bastonário da Ordem dos Advogados.

11h00 – 12h30 – Juntas Médicas – tabela de incapacidades / doenças; diferenças na atribuição de incapacidade, …”.

Congressista: XXXXXX

Moderador: Dr. José Figueiredo – Neurologista do H. S. Marcos e Presidente do Conselho Técnico Cientifico da TEM.

Co-moderador: Dra. Fátima Almeida – Advogada voluntária da TEM.

12h30 – 14h00 – Intervalo para Almoço

14h00 – 15h00 – Apoios e Benefícios Fiscais – (IRS, compra de carro, compra de habitação, apoios técnicos: cadeira de rodas, alterações na habitação, …).

Congressista: XXXXXX

Moderador: Dr. Luís Filipe Teixeira – Presidente Conselho Fiscal da TEM.

Co-moderador: Dr. Francisco Peixoto – Advogado voluntário da TEM.

15h00 – 15h30 – Pausa para café

15h30 – 17h00 – Trabalho e Segurança Social – (discriminação no emprego; Aposentação por incapacidade; Flexibilidade de Horário. Pensões….).

Congressista: XXXXXX

Moderador: Dr. Miguel Fernandes – Membro da Deleg. Distrital de Braga da Ordem dos Advogados.

Co-moderador: Dr. Nuno Ferreira – Advogado voluntário da TEM.

17h00 – 17h15 Leitura das Conclusões.

17h15 – 17h30 Sessão Solene de Encerramento presidida por Sua Excelência XXXX.

A Lei Portuguesa, de acordo com directivas nacionais e internacionais, confere alguns benefícios / direitos às pessoas portadoras de deficiência.

Todos nós sabemos que são muitas as dificuldades com que os doentes e as associações se deparam para garantir a concretização dos Direitos e os Deveres dos doentes crónicos / deficientes.

A legislação existente em Portugal não define com clareza e rigor técnico-científico o que é doença crónica e é suportada em documentos oficiais dispersos e muito incompletos: Portaria nº 349/96; Decreto-Lei nº 54/92; nº 407/98 e nº 861/99.

Não há nenhuma Tabela específica para a saúde onde se salvaguarde a adaptação dos benefícios de acordo com a evolução de cada doença (ver Notícia JN). Por isso, assistimos presentemente a critérios díspares para a mesma patologia. É premente uma Nova Tabela Nacional das Funcionalidades, Incapacidades e Saúde. A necessidade desta tabela prende-se com o facto de em Portugal as Juntas Médicas que atribuem os graus de incapacidade se basearem na Tabela Nacional de Incapacidades elaborada exclusivamente para as doenças profissionais, acidentes de trabalho e viação.


Descrição da TEM

A TEM foi constituída em Outubro de 2008, por um conjunto de pessoas, doentes, familiares e médicos, ligadas à doença neurológica Esclerose Múltipla. Foi constituída com o objectivo de dar apoio em diversas vertentes aos doentes e às suas famílias.

Tem já um local físico em Braga, para o Centro Multidisciplinar para Doenças Neurodegenerativas (Alzheimer, Esclerose Múltipla e Parkinson), onde pretende concretizar esse apoio, que pode albergar doentes de outras patologias (AVC, Oncológicos).

Os pacientes de doenças neurodegenerativas poderão, aí, ter consultas de psicologia, sessões de fisioterapia, apoio jurídico e actividades de terapia ocupacional.

A associação tem feito contactos com diversas instituições, que permitam ajudá-la na prossecução dos seus objectivos. Estabeleceu protocolo com a Delegação Distrital de Braga da Ordem dos Advogados e com o Laboratório de Neuropsicofisiologia do Departamento de Psicologia da Universidade do Minho. Estabelecerá um protocolo com o Instituto Superior de Saúde e do Alto Ave (ISAVE). O Departamento de Matemática para a Ciência e Tecnologia da Universidade do Minho fará um estudo epidemiológico da Esclerose Múltipla (não existe nenhum estudo em Portugal, estima-se que existam 6000 doentes de EM com base na média de dois estudos espanhóis).

Podem consultar os estatutos da TEM no Portal da Justiça, e devem introduzir NIF/NIPC: 508676819 e consultar documentos.

Publicado por vm em 04:06 PM | Comentários (0)

agosto 16, 2009

MORREU ISABEL ALVES COSTA, DIRECTORA DO TEATRO RIVOLI ENTRE 1993 e 2006

teatro_rivoli.jpg

Isabel Alves Costa, referência do teatro do Porto, foi vítima de doença súbita, ontem, aos 63 anos

Durante 13 anos, até 2006, foi o rosto mais visível do Teatro Rivoli, no Porto, como directora artística. Mas Isabel Alves Costa, falecida ontem, em Monção, era muito mais do que isso. Era um "espírito empreendedor que contagiava com o seu entusiasmo".

Isabel Alves Costa, uma das mais reputadas figuras culturais do Porto, foi vítima de morte repentina quando se encontrava de férias naquele concelho do Minho.

Actualmente, assumia as funções de directora do Teatro de Marionetas do Porto, promotor de um festival internacional (FIMP), e colaborava com o projecto Comédias do Minho. Em comunicado sobre a morte da sua fundadora, o FIMP afirma ter "mais uma razão para acontecer em Setembro: homenageá-la".

A reputação de Isabel Alves Costa como responsável cultural solidificou-se entre 1993 e 2006, período em que dirigiu o Teatro Rivoli, até Rui Rio, presidente da Câmara Municipal do Porto, entregar a gestão do espaço a uma empresa privada.

A sua reconhecida experiência na promoção e direcção artística levou-a a ser convidada para responsável da programação de artes performativas na Capital Europeia da Cultura Porto 2001.

Nuno Carinhas, actual director do Teatro Nacional de S. João, no Porto, que foi responsável, em 2005, pelo regresso de Isabel Alves Costa aos palcos, de onde se encontrava afastada há mais de 25 anos, realçou, precisamente, "o espírito empreendedor e o entusiasmo contagiante" da actriz, professora e programadora cultural.

"Era uma mulher muito entusiasmada, que partilhava esse entusiasmo com os outros. Punha sempre imenso empenho e alegria naquilo que fazia. E isso era contagiante".

Por este conjunto de razões é que o actual director do Teatro Nacional de S. João decidiu convidá-la para desempenhar um pequeno papel na peça "O tio Vânia", que encenou no Teatro Carlos Alberto (TeCA), também no Porto.

"Na altura, por amizade e por reconhecimento relativamente ao seu pensamento sobre o teatro, resolvi convidá-la para voltar aos palcos. Foi uma experiência fantástica ter partilhado com ela essa criação".

Também Júlio Gago, director do Teatro Experimental do Porto (TEP) e amigo de infância de Isabel Alves Costa, sublinhou o papel que ela desempenhou em prol da cultura portuense. "O seu desempenho à frente do Teatro Rivoli é disso um exemplo. Lamentavalmente, o poder autárquico vigente não soube reconhecer isso".

Júlio Gago não tem dúvidas em dizer que, com a morte de Isabel Alves Costa, "perde-se uma figura essencial do Porto, que foi extremamente molestada pela forma como foi afastada da direcção do Teatro Rivoli".

Isabel Alves Costa nasceu no Porto, em 30 de Julho de 1946. O pai, Henrique Alves Costa, cinéfilo militante e fundador do Cineclube do Porto, passou-lhe o gosto pelas artes do espectáculo.

Já no liceu, fez parte da associação dos liceus e participou intensamente na crise académica de 1962. Um ano mais tarde, rumaria a Paris. Tinha, então, 17 anos. Em França, deitou mãos a vários ofícios.

Mas o espectáculo era, de facto, a sua paixão e, por isso, inscreveu-se numa escola de teatro. Com a revolução de 25 de Abril de 1974, regressou ao Porto. Em 1997, doutorou-se em Estudos Teatrais pela Universidade Sorbonne.

A sua ligação a França é reconhecida pelo Governo daquele país, que, em 2006, a nomeou Cavaleira das Artes e Letras "pelo seu desempenho em prol da cultura". Ironicamente, recebeu o galardão quando já estava de saída da direcção do Rivoli.

Isabel Alves Costa, que tem vários livros publicados, deveria deslocar-se, hoje, a Melgaço, para acompanhar a peça "Inês Negra", pela Comédias do Minho.

Publicado por vm em 10:40 AM | Comentários (0)

agosto 07, 2009

Transcrição de postal de GUILHERMINA SUGGIA PARA MIECZYSLAW HORSZOWKI

horszowski.jpg
Paris, 15 de Fevereiro de 1913
Sábado,

Caro Miecio,

A minha gripe aumentou desde o domingo passado; não pude trabalhar; Não
poderei tocar amanhã; talvez não parta sequer na sexta-feira como pensei.
Reservo o dia de amanhã para descansar e tratar-me. Lamento muito.

Poderemos remeter a sonata de Beethoven para terça ou quarta-feira ?

Disse-me hoje o Pablo que tenho de tocar nos primeiros dias de Março, para
alem do duplo de Móor, num outro concerto com Stefy Geyer e o jovem
Korngold.
Já me alegro com isso.

Lamond foi uma revelação! Eu coloco-o ao nível de Tovey e é dizer tudo. Até
breve e os melhores cumprimentos,

G.Casals Suggia

(do livro "GUILHERMINA SUGGIA - A SONATA DE SEMPRE", de FÁTIMA POMBO)
-----------------------------------------------------------
MIECZYSLAW HORSZOWKI

Born: June 23, 1892 - Lemberg (Lvov), Poland
Died: May 22, 1993 - Philadelphia, PA, USA

The Polish-born pianist, Mieczyslaw Horszowski, was taught to play the piano by his mother, a student of one of Chopin's students, and his main teacher, Theodor Leschetizky, was a protégé of Carl Czerny. Horszowski was playing (and transposing) Bach inventions at age five; at eight he was presented to the public as a prodigy, and at ten he began his formal career. He played for Fauré and perhaps Camille Saint-Saëns in 1905 and made his USA debut, at Carnegie Hall, the following year. It was also during 1906 that he met the youthful Pablo Casals and Arturo Toscanini, who became lifelong friends and collaborators. Horszowski was especially noted as a chamber music pianist and became a fixture of Casals' Prades Festival for many years.

Interrupting his high-flying career to pursue a humanities degree at the Sorbonne in Paris from 1911 to 1913, Mieczyslaw Horszowski moved to Milan during the war and remained there until 1939, touring internationally. As World War II broke out he was appearing in Brazil, and instead of returning to Europe he headed for the USA, where he remained for the rest of his life. He quickly found performing opportunities with Toscanini's NBC Symphony Orchestra, and he began teaching at Philadelphia's Curtis Institute in 1942. He was a fixture of New York's recital scene, performing complete cycles of Beethoven's piano works and Mozart sonatas and concertos, and he appeared at the White House in 1961 and 1978. Horszowski was the first person to record while playing the first known piano constructed, an instrument built in 1720 by Bartolomeo Cristofori and housed in the collection of the Metropolitan Museum of Art in New York.

In 1981, at age 89, Mieczyslaw Horszowski married for the first time; his wife was Italian pianist Beatrice Costa. His eyesight declined, which put an end to his concerto and chamber music performances, but he continued his solo recital career, performing from memory. He performed his last recital at age 99, slightly more than a year before his death in 1993. At the Curtis Institute he taught an impressive roster of students, including Anton Kuerti, Murray Perahia, and Richard Goode.

Mieczyslaw Horszowski played a range of music but focused on Bach, Beethoven, and Chopin, and even in his last years he essayed difficult works like Beethoven's Diabelli Variations. Although his recording career only goes back to 1936, the traditions of playing he represented are much older than that, dating back to the early Romantic era.

Publicado por vm em 06:19 PM | Comentários (3)