fevereiro 28, 2007

ASSOCIAÇÃO DA ORQUESTRA SINFÓNICA DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

programa 4a.jpg
Programa do Concerto para apresentação da Orquestra Sinfónica do Conservatório de Música do Porto.
Solista: GUILHERMINA SUGGIA
Maestro:Carl Achatz
Porto Teatro Rivoli- 21 de Junho de 1948 às 21,45h
Neste concerto, GUILHERMINA SUGGIA, que integrava o conselho artístico da orquestra, executou o concerto em Lá de Saint-Saëns e Kol Nidrei de Max Bruch
do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa Museu Guerra Junqueiro do Porto, até 31 de Março

Publicado por vm em 12:18 AM | Comentários (0)

fevereiro 27, 2007

JACQUELINE DU PRÉ - 1955(1956?) GUILHERMINA SUGGIA AWARD

53.jpg
When Jackie was eight, her mother decided she needed a more advanced teacher and chose William Pleeth. Then thirty-eight, Pleeth taught at the Guildhall School and had been a child prodigy himself. With his powerful, deep voice and what Easton calls a "thoroughly un-English lack of inhibition", Bill Pleeth quickly became an important presence in Jackie's life. She called him "my Cello Daddy". Pleeth later explained that teaching Jackie was "like hitting a ball against a wall. The harder you hit it, the harder it would return. I could see the potential quite strongly on the first day. As the next few lessons went on, it just sort of unfolded itself like a flower, so that you knew that everything was possible."
In 1956 Pleeth recommended Jackie for the Suggia Gift, established by the great Portuguese cellist Guilhermina Suggia and one of music's most prestigious scholarships. That year's panel of judges was chaired by legendary conductor Sir John Barbirolli, who was very impressed by Pleeth's recommendation. On the day of her audition for the panel, he even helped Jackie tune her cello before taking a seat at the back of the hall. A few minutes into her recital, Sir John leaned over to another famous member of the committee, Lionel Tertis, and whispered, "This it! This is it!" One of the conditions of the Suggia was that the winner practise four hours a day. At age eleven, Jackie virtually left school and was cut off from normal school activities and relationships. This, says Easton, "put Jackie irrevocably out of sync with her peers and ended any semblance of a normal childhood."

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 26, 2007

CAMARATA PORTUCALENSE- RECITAL NA RUA DA ALEGRIA, 665 PORTO

programa 3a.jpg
CAMARATA PORTUCALENSE HONROSAMENTE INAUGURADA NA NOITE DE 17 de OUTUBRO de 1945 pela INSIGNE ARTISTA GUILHERMINA SUGGIA, com a colaboração de ERNESTINA DA SILVA MONTEIRO.

Guilhermina Suggia quis juntar na sua casa, na Rua da Alegria, nº 665, alguns dos melhores amigos e artistas. Já quando Augusto Suggia procurava residência para a filha se notava uma preocupação em encontrar um salão adequado a este fim. Na sessão inaugural, foi executado um extenso programa, sendo a maioria das peças acompanhada por Ernestina da Silva Monteiro. Poder-se-ão destacar peças de Bach, Boccherini, Gluck. Debussy, Fauré, Falla, Casella e outros.

do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, até final de Março

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 24, 2007

PEGGIE SAMPSON- ALUNA DE GUILHERMINA SUGGIA

Sampson, Peggie (b Margaret). Viola da gambist, cellist, teacher, b Edinburgh 16 Feb 1912, naturalized Canadian 1973; B MUS (Edinburgh) 1932, Licence de Concert (École normale, Paris) 1932, D MUS (Edinburgh) 1961, honorary LLD (Wilfrid Laurier) 1987, honorary D LITT (York) 1988. She began cello lessons at eight with Ruth Waddell in Edinburgh and continued with Guilhermina Suggia in London and Portugal. She was a pupil 1929-32 and teaching assistant 1937-44 of Donald Francis Tovey at the University of Edinburgh and studied summers 1930-4 in Paris with Diran Alexanian (cello) at the École normale and with Nadia Boulanger (theory) privately. During the 1930s she gave recitals in England and Holland, performed the Elgar Concerto under Tovey, and played in the Glyndebourne Festival orchestra under Fritz Busch. She also studied intermittently 1935-7 with Emanuel Feuermann and ca 1946 with Pablo Casals in Prades. She was a freelance cellist 1944-51 in London, giving recitals and playing in the Carter Trio.

Sampson emigrated to Canada in 1951 to teach theory, history, and cello at the University of Manitoba and remained in that post for 20 years. She also taught cello privately in Winnipeg and in 1962 received a special grant from the University of Manitoba to set up an experimental class for unusually gifted children. (She had spent a year 1960-1 in Great Britain completing a doctorate in performance and studying new methods of music education for the young.) Several participants in this class - Stephen Cera, Laurie Duncan, Mayda Narvey, Dace Stauvers - subsequently entered the profession. Her cello pupils in Winnipeg included Gisela Depkat, John Derksen, Kenneth Murphy, Paul Pulford, and Lynn Rudiak. Sampson was extremely active as a cellist in Winnipeg during the 1950s and 1960s, appearing as solo recitalist, as a member of the Corydon Trio (with Lea Foli and Gerald Stanick), and in various ensembles for the University Chamber Music Group.
Around 1960 Sampson began to develop an interest in the viola da gamba and collaborated with Christine Mather in founding the Manitoba University Consort (1963-70). By the end of the 1960s the gamba had superseded the cello as her main instrument. In 1970 she joined the staff at York University, Toronto, to teach theory and develop a program for viols. Probably the foremost viola da gambist of her day in Canada, she has been much sought after for recitals and for performance of the obbligatos in the Bach Passions, playing the latter with several Ontario choirs and in 1973 in a TV performance in Madrid. Invited three times to the Aldeburgh Festival, she gave recitals there in 1972 and (in the Maltings, with George Malcolm) in 1976, and also participated in the 1974 festival. She appeared in the Connoisseur Series (1975) at St Lawrence Centre, Toronto, in a concert billed as 'Peggie Sampson and Friends.' With the Hart House Consort of Viols she gave a series of recitals 1976-7 at Hart House, and during the 1977-8 season she appeared as a soloist at York University, Wilfrid Laurier University, Guelph U, and the University of British Columbia and in the Toronto Spring Festival. She taught 1973, 1974, and 1975 at the University of Victoria Summer School and, after retiring in 1977 from York University, taught part-time 1977-84 and on occasion thereafter at Wilfrid Laurier University. She also played and taught at the 1977 Conclave of the Viola da Gamba Society of America in Baltimore.
Sampson has premiered works of S.C. Eckhardt-Gramatté (Duo concertante for cello and piano, 1959), Bernard Naylor (On Hearing Mrs. Arabella Hunt Singing, 1970), Murray Adaskin (Two Pieces, 1972), David Rosenboom (The Seduction of Sapientia, 1975) and Rudolf Komorous (At Your Memory the Transparent Tears Fall like Molten Lead, 1976). All save the Eckhardt-Gramatté were commissioned by Sampson - the Naylor privately, the others with Canada Council grants - to pioneer a modern repertoire for the viola da gamba. In 1976 she formed Quatre en Concert - Christine Harvey (soprano), Michael Purves-Smith (oboe), Deryck Aird (violin) - to perform music of the 17th and 18th centuries. They toured Ontario in 1976, from Montreal to Saskatoon in 1977, and Holland in 1978. Their last professional engagement was to record music by Purcell, Jenkins, Campra, Rameau, and Handel in 1981 (Damzell DLM-812).
Sampson was awarded the Canadian Music Council medal in 1985.

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 23, 2007

MALCOLM SARGENT - GUILHERMINA SUGGIA

malcolm sargent1.jpg
In memory of a wonderful experience with music in Oporto. Jan 26/27 1943

(do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, até final de Março

Publicado por vm em 06:32 PM | Comentários (0)

fevereiro 21, 2007

JONATHAN BLOXHAM- 2006 GUILHERMINA SUGGIA AWARD

Jonathan Bloxham a.jpg
Jonathan Bloxham Biography
Born in 1988 in Newcastle, Jonathan first studied 'cello with John Finnon and then with James Craig. Following various successes such as a prize at the Llangollen International Eisteddfod, he moved to The Yehudi Menuhin School in 2004, where he currently studies with Thomas Carroll.
He has taken part in master classes or has had lessons from many acclaimed musicians including Melissa Phelps, Pierre Doumenge, Colin Carr, Ferenc Rados, Johannes Goritzki, Julian Lloyd Weber, Mark Churchill, David Strange and Emma Ferrand. As a soloist and chamber musician he has performed across the United Kingdom, in venues such as the Wigmore Hall, and also in France, Germany, Austria, Holland and the Czech Republic, including a performance of Haydn's Sinfonia Concertante under Scott Stromann in Spain.
In March he performed the Beethoven Triple Concerto with the Royal Tunbridge Wells Symphony Orchestra and in April he traveled to Japan to give a recital in Hiroshima City. Last year he was awarded a Pierre Fournier Award Grant and the 2006 Guilhermina Suggia Award.
He plays an Lorenzo Ventapane 'cello on loan to him.

My impression about the gift is that it is a privilege to follow in the footsteps of many great cellists such as Jacqueline du Pre, and the award itself will help me continue studying where I want to next year. (JONATHAN BLOXHAM - 2007/02/05)

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (2)

fevereiro 20, 2007

BIBLIOTECA PÚBLICA DE ÉVORA - 20 Fev - 21,30h

Música – EvorEnsemble Contemporâneo
Programa

Lindembergue Cardoso Relatividade

Sérgio Azevedo Tre Ritornelli

Heitor Villa Lobos Choros

David Heuser Chaoborus


Direcção Musical de Rui Ribeiro
Organização: Contemporaneus
(Compra de bilhetes, a partir das 20h00 do próprio dia, na BPE)

Publicado por vm em 01:36 PM | Comentários (0)

fevereiro 19, 2007

TEATRO RIVOLI- 5 de MAIO de 1937

programa 2a.jpg
Concerto de Guilhermina Suggia com a colaboração da Grande Orquestra da Emissora Nacional, sob a direcção do maestro Pedro de Freitas Branco.
O programa do concerto foi integralmente(?) constituído por peças para violoncelo: ADAGIO de Tartini, SUITE ANCIENNE de Sammartini, CONCERTO DE DVORAK, El SOMBRERO DE TRES PICOS de Falla, SUITE EM DÓ de Bach, PIÈCE EN FORMA DE HABANERA de Ravel, SÉRENADE ESPAGNOLE de Glazunov, HUMORESQUE de SINIGAGLIA.

Foi ainda no decorrer do intervalo deste concerto que foi descerrada uma placa na sala do Rivoli, com a assinatura de Guilhermina Suggia e que, aquando das obras em 2000 foi retirada por acharem que estava num sítio impróprio. Foi mais recentemente colocada num canto escondido dum corredor. Retirada de novo para a exposição "SUGGIA, O VIOLONCELO" Desejamos que volte a ser colocada no Teatro definitivamente.

(do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-MUSEU Guerra Junqueiro até final de Março

Publicado por vm em 12:12 AM | Comentários (0)

fevereiro 17, 2007

TODOS OS RAPAZES SÃO GATOS - NO TEATRO DA VILARINHA

todos os rapazes sao gatos_02.jpg
De 17 de Fevereiro a 10 de MarçoTodos os Rapazes são Gatos, de Álvaro Magalhães, com encenação de João Luiz e cenografia de João Calvário, está de regresso ao Teatro da Vilarinha. O espectáculo estreou em Abril e 2004 e cumpre este ano a segunda reposição: de 17 de Fevereiro a 10 de Março, aos sábados, às 16h00 e às 21h45, para o público em geral; e de 3ª a 6ª, às 11h00 e às 15h00, para público escolar, a partir de 6 de Fevereiro.

Todos os Rapazes são Gatos é uma história de amor entre dois mundos que se pensa estarem separados: o humano e o animal. «Não estão», garante o autor: «Provam-no estes rapazes e raparigas que trocam identidades e energias com gatos e gatas, revelando-nos o que existe de silenciadamente animal no humano e, ao mesmo tempo, de sensitivamente humano no animal».

Todos os Rapazes são Gatos «porque também eles estão próximos do modo natural da vida. Todos eles têm um outro corpo, cheio de força, agilidade, atrevimento que permanece aninhado, escondido, mas atento. E todos eles vivem à espera do instante em que, por fim, poderão mostrar-se com esse corpo e revelar ao mundo o seu verdadeiro ser», escreve Álvaro Magalhães.

A actual versão em cena resulta do confronto do texto escrito com o trabalho de palco.

O espectáculo está classificado para maiores de 8 anos de idade.
Preços dos bilhetes: 10€; 5€ (estudantes, <25 anos e >65 anos); e 3,30€ (grupos).

Publicado por vm em 10:06 AM | Comentários (4)

fevereiro 16, 2007

DESCOBRIR A MÚSICA NA GULBENKIAN

TEMPO, TEMPERATURAS E ESTAÇÕES (5 a 13 anos)
Sexta, 16 Fev 2007, 11:00-12:00h
Sábado, 17 Fev 2007, 15:30-16:30h
Domingo, 18 Fev 2007, 11:30-12:30h
Terça, 20 Fev 2007, 15:30-16:30h
Quarta, 21 Fev 2007, 11:00-12:00h
Quinta, 22 Fev 2007, 11:00-12:00h
Sexta, 23 Fev 2007, 11:00-12:00h
Sábado, 24 Fev 2007, 11:30-12:30h


Direcção Cénica: Filipe Crawford
Direcção Musical: Marcos Magalhães

Auditório Dois

Um concerto encenado onde a arte de improvisação e do humor burlesco, espelho do profundo conhecimento da alma humana, que caracterizam a commedia dell'arte, se entrelaçam em momentos musicais do barroco, numa apologia dos sentidos e da emoção. Os elementos, as estações do ano, tempestades, batalhas, lamentos amorosos, dança, humor, alegria e júbilo na música de Monteverdi, Haendel, Purcell, Bach e Rameau, entre outros.

Publicado por vm em 09:06 AM | Comentários (0)

fevereiro 15, 2007

GUILHERMINA SUGGIA NA SUÉCIA

cartaz 2.jpg
Concerto em 1906
Do catátolo da exposição " SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, até final de Março

Publicado por vm em 12:52 AM | Comentários (0)

fevereiro 14, 2007

CARLOS BEIRES - TESTEMUNHO

Pedem-me um depoimento escrito sobre a grande violoncelista portuense Guilhermina Suggia. Não vou escrever nada que acrescente algo ao valor musical da insigne Artista, glória deste País e desta Cidade, onde nasceu e morreu. Apenas recordações pessoais de alguém que teve a felicidade de a ouvir frequentemente e de a conhecer bem.

1 O meu primeiro contacto com Suggia data de 1934. Eu era aluno de piano do Curso Silva Monteiro e a minha Professora, D. Carolina da Silva Monteiro, juntamente com sua irmã D. Ernestina, apresentavam anualmente alguns dos alunos do Curso numa Audição de Discípulos. Foi num dos ensaios dessas Audições que, pela primeira vez, vi e conheci Suggia. Estou ainda a vê-la chegar à casa do Curso Silva Monteiro, na Av. da Boavista, no seu automóvel, conduzindo ela própria, sem qualquer motorista. Nessa época eram poucas as senhoras que tinham carta de condução e que conduziam sozinhas os seus carros, sem motorista...

2 Depois disso, tive mais um encontro com Suggia, dado que ela tinha uma pequena casa em Leça da Palmeira e os meus Pais costumavam passar os verões nessa praia. Várias vezes acompanhei D. Carolina da Silva Monteiro até à casa de Suggia. Aí a ouvi dizer que gostava muito de tocar em colaboração com esta Senhora. Simplesmente, esta Senhora é que não gostava de tocar em público e daí serem sempre com a colaboração de D. Ernestina os recitais públicos de Suggia.

3 É de 1937 outra recordação de um recital, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa, de Suggia com D. Ernestina da Silva Monteiro, recital este integrado, salvo erro, nas comemorações dos 50 anos da criação da Universidade do Porto. Nesse tempo, era raríssimo o Salão Árabe abrir as suas portas para o que quer que fosse. Tenho bem presente ainda o aspecto belíssimo da sala, com todos os assistentes em traje de gala: casacas e vestidos compridos de noite das Senhoras!

4 Suggia tinha dois violoncelos em que tocava normalmente: um Stradivarius e um Montagnana. Como todos os anos dava recitais em Inglaterra costumava, no regresso a Portugal, trazer um deles e deixar o outro em Londres. Aconteceu assim que, quando rebentou a 2a Grande Guerra, em l/Set./1939, tinha consigo, em Portugal, o Stradivarius e foi com este óptimo instrumento que permaneceu e tocou no nosso País durante aqueles longos seis anos.

5 Desse largo período de tempo recordo especialmente os dois recitais no Teatro Rivoli, nesta cidade, com a Orquestra Sinfónica Nacional (Maio/1943, salvo erro), dirigida pelo célebre maestro Sir Malcolm Sargent. Salvo erro, Suggia interpretou os concertos de Dvorak e de Saint-Saëns. Os concertos foram promovidos pelo Círculo de Cultura Musical e recordo o Rivoli completamente cheio de um público entusiasmado, aplaudindo estes concertos. De notar que, nesta época, com a guerra na sua fase mais intensa, os partidarismos políticos (pró-Aliados ou pró-Alemanha) faziam-se sentir com vigor em Portugal.

6 Finda a Guerra, Suggia voltou aos concertos em Inglaterra. Como, em Nov./1948, eu me encontrava em Londres, onde estagiava numa empresa eléctrica, fui ouvi-la ao Albert Hall. Recordarei sempre com grande emoção o meu encontro com a grande Artista. E para se apreciar a consideração com que Suggia era admirada naquele País, veja-se que a II parte do concerto foi ouvida por Suggia no camarote real, onde a Rainha Isabel (a Mãe da actual Rainha Elisabeth II) a tinha convidado!

7 Guardei propositadamente para o fim deste breve depoimento duas referências de carácter mais pessoal.

7 a) Uma delas refere-se às lições que deu a minha irmã Maria, no princípio dos anos 40, sempre por pura simpatia e sem qualquer remuneração. Habitávamos, nessa altura, uma óptima casa situada na Rua Mons. Fonseca Soares, rua que terminava ali mesmo em frente à nossa porta. Escuso de dizer que o local era ideal para fazer música: ausência total de ruídos exteriores. E foi ali que, várias vezes, Suggia se dirigiu e tocou. Achava que minha irmã tinha uma compleição física ideal para o violoncelo. Este convívio apertou mais as nossas relações de Amizade. Até que, em 1943, minha irmã, sentindo uma forte vocação religiosa, tomou a decisão de ingressar na Comunidade das Franciscanas Missionárias de Maria. E a forma como Suggia aceitou essa decisão duma sua aluna muito querida é mais uma característica da personalidade da grande Artista, penso que mal conhecida nesses aspectos mais íntimos da sua maneira de ser.

7 b) A outra refere-se à única ocasião em que colaborei em público com a grande Artista. Foi em Junho/1948 no Centro Universitário do Porto. Convidada para lá se apresentar e dar um pequeno recital, Suggia aceitou uns dias antes, chamou-me a sua casa e disse-me: "O Carlos é que vai acompanhar-me neste recital". Naturalmente aceitei e fiquei-lhe muito grato pela escolha do colaborador. Recordo, entre outras, duas peças que ela tocou com a graça e a perfeição que a caracterizavam: a "Dança Ritual do Fogo" de Manuel de Falla e a "Pièce en Forme de Habanera" de Maurice Ravel.

8 Em Junho/1950 ainda me encontrava em Londres e soube que Suggia estava na London Clinic para onde tinha sido transportada, a fim de ser operada. Fui lá vê-la e logo à entrada encontrei o Prof. Álvaro Rodrigues, que a tinha acompanhado, a seu pedido. Ele logo me informou do que se passava: Suggia tinha um cancro e o cirurgião britânico tinha-se limitado a abrir e a fechar novamente a incisão praticada. Nada havia a fazer!
Dirigi-me então ao quarto de Suggia onde pude emocionadamente despedir-me dela. Ela estava acompanhada por uma das suas amigas britânicas que, até ao fim, não cessaram de a confortar e amparar naquela hora difícil!

9 O fim da vida de Suggia é bem conhecido. Regressada ao Porto no mês seguinte, faleceu na sua casa, em 30/Julho. Está sepultada no Cemitério de Agramonte, desta cidade.
E são estas algumas recordações pessoais da grande Artista, que talvez ajudem a compreender melhor a personalidade de Suggia, glória mundial portuguesa da interpretação musical violoncelística!
Porto, Junho de 2006

do catálogo da exposição "SUGGIA, O VIOLONCELO" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, até final de Março

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (3)

fevereiro 13, 2007

GUILHERMINA SUGGIA NA POLÓNIA

cartaz 1.jpg
Programa de concerto de Guilhermina Suggia, na Polónia, em 1905

do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, até final de Março

Publicado por vm em 12:32 AM | Comentários (0)

fevereiro 12, 2007

GUILHERMINA SUGGIA NO WIGMORE HALL-LONDON 1936

programa 1.jpg
Programa de 3 recitais realizados em 1936 por GUILHERMINA SUGGIA:
- 10 de Fevereiro com George Reeves ao piano. Foram executadas, entre outras peças, a Suite em Sol M de Bach, a Sonata em Lá de Beethoven, Après un Rêve de Fauré, Malagueña de Ravel;

- 17 de Fevereiro com Kathleen Long, foram interpretadas três sonatas: de Brahms, César Franck e Beethoven;

- 24 de Fevereiro com Gerald Moore, foram interpretadas a Sonata em Sol de Sammartini-Salmon e a Toccata de Frescobaldi-Cassadó. Na parte final a Malagueña de Albeniz, Waldesrühe de Dvorak e Humoresque de Sinigaglia.

do catálodo da exposição "Suggia, o Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, até final de Março

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 10, 2007

CICLO GUILHERMINA SUGGIA na CASA DA MÚSICA, de 9 a 24/02

Suggia-Casa Musica.bmp
A assinatura Suggia centra-se na música de câmara e no violoncelo enquanto instrumento de fascínio ao longo dos tempos. Em homenagem a uma figura de relevo do nosso panorama musical, seja em formato de interpretação a solo ou concertística, poderá optar pelos oito espectáculos que constituem a primeira edição deste festival
www.casadamusica.com

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 09, 2007

ORQUESTRA DO ALGARVE NO TEATRO NACIONAL D. MARIA II- dia 12 às 21,30 h

fotografias-bin_imagem2_jpeg_0719772001165422203-510.jpg
No próximo dia 12 de Fevereiro, Segunda-feira, a Orquestra do Algarve (OA) desloca-se a Lisboa para um concerto no Teatro Nacional D. Maria II, com início marcado para as 21h30.

O grande destaque da noite é atribuído à estreia mundial da obra do compositor português Joly Braga Santos, “Cantares Gallegos”, uma obra para soprano e orquestra, que contará com a participação especial da prestigiada soprano espanhola Maria Orán, a quem a música foi especialmente dedicada pelo próprio compositor, no ano de 1983.

Os versos de “Cantares Gallegos” foram extraídos do volume homónimo «Obras completas» da poetisa Rosalia de Castro (1837-1885), uma descoberta feita por Braga Santos numa das suas viagens a Espanha. Uma obra única na língua galega em conjunto com a voz da soprano Maria Orán fará deste momento um marco fundamental no percurso profissional da Orquestra.
A direcção do concerto ficará a cargo do Maestro Cesário Costa, actual Director Artístico da OA. A abertura d’As Criaturas de Prometeu do compositor L. Beethoven marcará o início do concerto, seguindo-se a obra de Joly Braga Santos e, logo após, a Sinfonia Nº 1 de Beethoven que encerrará o concerto.
O concerto terá lugar na Sala Garrett, tendo a entrada um custo de 12€. Para mais informações sobre o concerto e reservas favor contactar o Teatro D. Maria II através do telefone 213 250 835. Mais informamos que o horário da bilheteira é de 2ª feira a Sábado das 14h00 às 22h00 e ao Domingo das 13h00 às 17h00.

Orquestra do Algarve
Associação Musical do Algarve
www.orquestradoalgarve.comE-mail: comunicacao@orquestradoalgarve.com
Tel.: 289 860 890-6 / Tlm.: 96 953 00 05

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (1)

fevereiro 08, 2007

DIPLOMA PASSADO POR CENTRAL HOSPITAL SUPPLY SERVICE A M.ME G.SUGGIA MENA

guerra.jpg
do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, até final de Março

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

CASA DA MÚSICA-PORTO - CICLO SUGGIA 9/2


Sexta | 9 Fevereiro 2007
21:30, Sala Suggia
ONP | 09 Fev 2007

A violoncelista Guilhermina Suggia foi das mais importantes personalidades da vida cultural do século XX em Portugal. Em Paris, cidade onde viveu com o violoncelista Pablo Casals, privou regularmente com George Gershwin e Ravel. Quando regressou a Portugal e era já uma reputada violoncelista com uma carreira particularmente destacada em Inglaterra, um dos compositores e pianistas que mais a acompanhou, nomeadamente no seu último concerto no Wigmore Hall, foi Viana da Mota. Este programa reúne obras desses compositores e uma das peças favoritas de Suggia, o Concerto para Violoncelo de Dvorák.

[As portas da Sala Suggia abrem às 20:45 para uma breve introdução ao programa desta noite. O concerto terá início às 21:30]
15 EUR


Osvaldo Ferreira direcção musical
Teresa Valente Pereira violoncelo


Programa

Parte I
George Gershwin Abertura Cubana
José Viana da Mota Cenas nas Montanhas
Maurice Ravel Alborada del gracioso

Parte II
Antonin Dvorák Concerto para violoncelo e orquestra



Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 07, 2007

MARIA ISABEL CERQUEIRA MILLET - TESTEMUNHO

Cerca dos meus 10 anos, meu pai fez-me sócia do Orfeão Portuense, cujos
concertos se realizavam no Teatro Gil Vicente, no Palácio de Cristal. Fui ouvir
um concerto de Guilhermina Suggia e do professor Luís Costa, que constava de duas sonatas, uma de Beethoven, outra de Brahms. Esse concerto impressionou-me de tal maneira que marcou para sempre a minha vida!

Desde então não largava meu pai, dizendo que queria aprender violoncelo. Meu pai acabou por ceder, tendo eu por primeiro mestre o professor Augusto Suggia, pai de Guilhermina. Terminado um ano de lições, o professor Suggia faleceu, e fiquei portanto sem aulas. Com meu pai violinista e minha tia Olinda pianista, pratiquei muito, executando trios de Mozart, Beethoven e Haydn.

Cerca dos meus dezoito anos e graças à grande amizade da professora Ernestina da Silva Monteiro, grande amiga e colaboradora de Suggia, consegui obter uma audiência com a grande Artista. Esta recebeu-me com certa severidade, declarando desde logo só ensinar professores e artistas. Deixou no entanto uma esperança, dizendo que se encontrasse uma oportunidade, e achando-me algumas qualidades, se lembraria de mim! Essa oportunidade chegou três anos mais tarde, quando nos contactou dizendo que tinha em sua casa uma senhora inglesa, sua antiga aluna, e que essa senhora me daria lições. Trabalhei duramente durante uns três meses com essa excelente professora, Miss Jean Marcel.

Suggia muito frequentemente assistia às aulas e tinha quase sempre qualquer
observação preciosa a fazer, modificando uma arcada, ou uma dedilhação, a
fim de tornar uma frase mais musical, ou facilitando a execução de uma passagem mais difícil.

Com o começo da Guerra 1939-45 , Miss Marcel regressou a Inglaterra. Bem
impressionada com o meu esforço e progressos, Suggia continuou a dar-me
lições com bastante assiduidade. Gostava muito de ensinar, pois entregava-se
completamente ao aperfeiçoamento de uma obra musical. Trabalhava arduamente a técnica, pois não estando esta dominada, não poderia haver liberdade de interpretação. Em sua casa passei momentos inesquecíveis, assistindo aos ensaios da grande artista com a professora e pianista Ernestina da Silva Monteiro e a professora D. Maria Adelaide Freitas Gonçalves, também pianista.

Passou a existir uma grande amizade entre meus pais e Suggia, que sentia
que minha família era um pouco a sua.
Tive também a felicidade de assistir em Lisboa e Porto aos concertos para o
Círculo de Cultura Musical em que Suggia colaborou acompanhada pela
Orquestra Nacional, debaixo da direcção do Maestro Malcolm Sargent. Ouvir
e ver esta grande artista nos seus concertos, era qualquer coisa de mágico, cujo fascínio nunca se poderá esquecer!

Em 1948, data da inauguração da Orquestra do Porto, da qual passei a fazer
parte, senti grande emoção quando Suggia actuou no concerto inaugural,
tocando o Concerto de Saint-Saens e o Kol Nidrei de Max Bruck. Momentos
de grande beleza e emoção que nunca poderei esquecer durante a minha já
muito longa existência!
Porto, Maio de 2006
do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro até final de Março

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 06, 2007

COMENDA DA ORDEM MILITAR DE SANTIAGO DE ESPADA- ATRIBUIDA A GUILHERMINA SUGGIA

cond 1.jpg
Esta condecoração está montada como alfinete.
GUILHERMINA SUGGIA era Oficial da Ordem de Santiago de Espada desde 1923.
No anverso, o centro em esmalte vermelho, verde e branco, ostenta a cruz de Santiago e a inscrição: "SCIENCIAS LETRAS E ARTES". Da parte central saem uma espécie de raios, de diferentes tamanhos em prata.
O reverso tem o nome do fabricante: "Frederico Costa Condecorações".
Foi um legado de GUILHERMINA SUGGIA ao Conservatório de Música do Porto.

do catálogo da exposição "SUGGIA, o Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro até final de Março

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

fevereiro 05, 2007

SALÃO NOBRE DO CONSERVATÓRIO NACIONAL DE LISBOA- IV SÉRIE DE CONCERTOS -7 de Fevereiro- 21 horas

Em Busca de Um Salão Perdido
IV Série de Concertos
2007

62 anos de ausência de obras no Salão Nobre do Conservatório Nacional

1 ano de cancelamento das obras de recuperação depois de lançado concurso em Diário da República

7 de Fevereiro – 21.00

Panorama Ibérico do Quarteto

Quarteto Lopes Graça

(em residência no Conservatório Nacional)

Rua dos Caetanos, n.º 29, 1249-115 Lisboa

Tel.: 21 3425922 | Fax: 21 3423605 | E-mail: amigos@em-conservatorio-nacional.rcts.pt

Publicado por vm em 09:04 AM | Comentários (0)

fevereiro 03, 2007

Granados and Goya: Artists on the Edge of Aristocracy - by John W Milton

In this article, I will describe my approach to finding the information and assembling it in order to create a narrative of the last seventeen years of Enrique Granados's life. I will also indicate the extent to which I was able to rely on solid knowledge of the principal characters, and how I needed to employ intuition and serendipity to fill the gaps.

In no case do characters appear in a scene unless there is evidence they could have been physically present, for example, during several days in September, 1912 at Pablo Casals's beach house in Sant Salvador. Photos and diaries confirm the presence of Guilhermina Suggia, Donald Tovey, Mieczyslav Horszowski, Granados, and his wife Amparo; moreover, Casals's biographer H. L. Kirk records generally what occurred. Without audio or videotapes, however, the precise scenes and dialogue had to be imagined by the author.
In the entire 608-page narrative, only a handful of minor characters appear—the author's inventions. Most were given names, but in no case is their appearance inconsistent with the narrative line.

Para continuar a ler GRANADOS AND GOYA by John W. Milton

Publicado por vm em 01:26 PM | Comentários (0)

fevereiro 02, 2007

MADALENA SÁ COSTA - TESTEMUNHO

Guilhermina Suggia, a grande violoncelista portuguesa, nasceu no Porto em
1885. Fez uma grande carreira de concertista em muitos países: Portugal – onde foi muito acarinhada e admirada – Espanha, França, Inglaterra, Alemanha, Holanda, Dinamarca, Hungria, Polónia, Rússia, etc., tocando com grandes pianistas e orquestras, sob a direcção de famosos maestros como Artur Nikisch, Mendelberg, Pedro de Freitas Branco, Malcolm Sargent e muitos outros.

Sempre que se apresentava em público era recebida delirantemente, vendo-se
obrigada a tocar inúmeros extra-programa. A sua maneira de tocar tem, para
mim, um cunho muito especial que a diferencia de outros grandes artistas. É
a ligação afectiva às obras que interpreta e a comunicação com o público que
estabelece de um modo muito emotivo.

Do estudo que fiz sobre os seus dezasseis anos de vida no Porto até à sua partida para Leipzig, onde foi estudar com Julius Klengel (refiro-me às datas entre 1885 até 1901), verifico o seguinte: tem como professor de violoncelo o seu pai Augusto Suggia, excelente músico, violoncelista da Orquestra do Teatro
S. João do Porto, que conheci muito bem porque foi o meu primeiro professor
e, como professor de música de câmara, Moreira de Sá, meu avô, como é
de todos sabido, violinista, pedagogo e personalidade ímpar no meio musical
português. Esses dois mestres eram personalidades afectivas que, sem dúvida,
marcaram a maneira de tocar de Guilhermina.

Observando os Anais do Orpheon Portuense, sociedade de concertos fundada
pelo meu avô e onde vieram dar concertos as maiores celebridades musicais
como Heifetz, Ferruccio Busoni, Jelly D’arany (a quem Ravel dedicou a
Zigane), Paderewsky, Rubunstein, Piatigorskyy, Pablo Casals, verifica-se que
Guilhermina pertenceu ao Quarteto Moreira de Sá (conjuntamente com
Henrique Carneiro, 2º violino e Benjamim Gouveia, viola) tomando aí conhecimento - entre outras obras - dos grandes quartetos de Beethoven, dados em primeira audição, em Portugal. Esta formação musical que Guilhermina recebe na Sociedade Orpheon Portuense, tocando em quarteto e trio com diferentes elementos, entre os quais sua irmã Virgínia, minha Mãe e meu Pai e outros elementos, é fundamental para a sua educação. Lembro Irene Fontoura Guedes, Laura Artayet Barbosa, Madureira Guedes, Benjamim Gouveia, Josephine Jones, Amélia Marques Pinto, Henrique Ferraz, Rosália Sousa Monteiro com quem interpretou obras de Beethoven, Tschaikovsky, Haydn, Mendelssohn, Mozart, Ravina, Batta, Dvorak, Brahms. É um período de grande importância no seu desenvolvimento: toca muito dos 12 aos 16 anos em concertos promovidos por aquela Sociedade. Guilhermina vive num ambiente familiar e num ambiente musical de grande afectividade, desenvolve de forma nítida o amor pea música, pelas obras que estuda e vai conhecendo. A meu ver, são os dois primeiros mestres que tem no Porto que marcam a sua maneira de tocar durante a sua vida.

Quando parte para Leipzig, o Orpheon Portuense organiza um concerto de
despedida em que Guilhermina toca o 1º andamento do Concerto de Lalo,
Tarantella de Popper e Variações sobre um tema Rocócó de Tschaikovsky.
Deixa, antes de partir, um retrato com a seguinte dedicatória: “A Moreira de
Sá com eterna gratidão”. O Orpheon Portuense fez uma despedida muito carinhosa, cheia de admiração por Guilhermina. Minha Mãe disse-me sempre que quando ela partiu para Leipzig, já era uma violoncelista muito formada, muito completa. Volta mais tarde a tocar no Orpheon Portuense com minha Mãe e meu Pai e, em 1924, na homenagem a meu Avô aquando do seu falecimento, com o pianista inglês George Reeves. E, ainda mesmo antes disso, quando sabe que Moreira de Sá vive os seus últimos dias de vida, desloca-se a sua casa tocando para ele, no seu quarto, um prelúdio de Bach.
O período da minha vida em que fui sua discípula foi fabuloso. Fiquei-lhe
devedora de uma dedicação, de um amor pelo seu ensino que não posso esquecer.

Sei que as suas lições eram altamente bem pagas. Mas nunca recebeu nada
pelas inúmeras aulas que me dava. Meus Pais é que lhe ofereciam uma lembrança a juntar a palavras de agradecimento. Por isso, o sentimento de gratidão que tenho sentido pela vida fora é imenso e nunca esquecerei. Quando
dei o primeiro concerto no Teatro Gil Vicente do Palácio de Cristal em 1931,
Guilhermina e seu Pai foram assistir ao ensaio geral o que me deu uma grande
satisfação e alegria. Mais tarde em 1939 aquando de um outro meu concerto
ofereceu-me uma belíssima fotografia sua de autoria de Dorothy Wilding.
Esse período das relações de amizade com Guilhermina Suggia em que a ouvi
imensas vezes tocar, em concertos e em privado, nos ensaios com meus Pais,
foi de grande valor para a minha carreira artística assim como as suas lições
preciosas. Ela adorava ensinar e eu recebi esse amor pelo ensino que me acompanhou toda a vida. Os ensaios a que assistia com os meus Pais são para mim inesquecíveis. Com minha Mãe, tocava os concertos de Dvorak, Elgar, Lalo, Variações Sinfónicas de Boelmann, Sonatas de Samartini, Eccles, Locatelli, peças de Popper, Sinigaglia, Camargo, Senallié; e, com meu Pai, eram as duas Sonatas de Brahms e a Sonata em lá de Beethoven. Com este programa convidou meu Pai a tocar em 1929, num recital em Londres, no Wygmor Hall e, minha Mãe em concertos em casas particulares. Os jornais ingleses referem-se elogiosamente ao recital. Jamais voltaria a sentir uma tal perfeição na concepção e interpretação das obras que resultava de um entendimento maravilhoso entre Suggia e meus pais.

Antes, em 1926, a Sociedade Filarmónica de Vigo convidou Guilhermina,
minha Mãe e meu Pai, a realizarem um concerto na série em que colaborou
a Orquestra Sinfónica de Madrid. O primeiro concerto dessa série é unicamente
preenchido com Guilhermina, Leonilda Moreira de Sá e Costa e Luiz
Costa. No terceiro, Guilhermina toca, com a Orquestra, o Concerto em Ré de
Haydn, sendo o 2º e 4º concertos apenas preenchidos com a orquestra dirigida
pelo célebre maestro Arbóz. Guilhermina dizia muitas vezes que eram pianistas
ideais.

Guilhermina deixa, em testamento, o seu famoso violoncelo Montagnana para
ser vendido e, com o produto daí resultante, se instituir um prémio com o seu
nome, destinado a premiar o melhor aluno do Conservatório de Música do
Porto. Foram premiados seis violoncelistas de reconhecido mérito. A mim,
deixou-me em testamento um violoncelo italiano do século dezoito, Cavaleri.
Fiquei comovida e agradecida por se lembrar de mim. É um instrumento com
uma sonoridade linda.
Porto, Largo da Paz, Maio de 2006

do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, até final de Março

Publicado por vm em 08:53 AM | Comentários (0)

fevereiro 01, 2007

CAIXA DE PÓ DE ARROZ - GUILHERMINA SUGGIA

caixa.jpg
Caixa redonda usada para pó de arroz. Apresenta na tampa a assinatura "Suggia" gravada.
do catálogo da exposição "SUGGIA, O Violoncelo" que decorre na Casa-Museu Guerra Junqueiro até 31 de Março

Publicado por vm em 01:18 AM | Comentários (0)