janeiro 31, 2006

GUILHERMINA SUGGIA FOI BAPTIZADA NA IGREJA DE Sto ILDEFONSO

St ILDEFONSO.jpg
E já em Matosinhos, na casa que habitavam na Rua do Godinho, para onde se mudam depois do Verão de 1891 - antes habitavam em Manhufe, próximo da igreja de Matosinhos - que Guil é iniciada no violoncelo. O pai é o primeiro professor. Guilhermina recusa a autoridade e consequentemente as indicações rígidas. As lições com o pai são tempestuosas quando lhe diz que ela está a exagerar no estilo da interpretação. Guilhermina parece não poder deixar de estar ligada ao violoncelo à maneira dela. Augusto Suggia não deixa, no entanto, de lhe espiar o vibrato, o legato, a arcada, reconhecendo-lhe um desmesurado talento. Guilhermina mantém a ligação quotidiana ao violoncelo e não se conhecem factos que a impedissem.
Há talvez, entretanto, um acontecimento que para ela pode ter sido insólito: o seu baptismo. Certamente sem intensas convicções religiosas decide-se baptizar Guilhermina a 6 de Janeiro de 1891. Tem ela seis anos e vai pelo seu próprio pé à Igreja Paroquial de Sto. Ildefonso no Porto inclinar a cabeça à água de bênçãos inodora. Não se reveste de nenhum fausto especial o acontecimento. Regressam a Matosinhos recolhendo-se da humidade invernosa. É possível que ela ainda tenha pegado no violoncelo.

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA- A SONATA DE SEMPRE” de Fátima Pombo

Publicado por vm em 06:52 PM | Comentários (0)

janeiro 22, 2006

A IGREJA DA LAPA

I Lapaa.jpg
GUILHERMINA SUGGIA morreu na sua casa, na Rua da Alegria, 665 em 30 de Julho de 1950, donde saiu o funeral no dia 1 de Agosto. às 11,30h é celebrada missa de corpo presente, na Igreja da Lapa. Segue depois para o Cemitério de Agramonte onde foi enterrada

Publicado por vm em 11:49 AM | Comentários (1)

janeiro 18, 2006

CD COM MÚSICA DE VIANNA DA MOTTA

nfpma9938.jpg
Vianna da Motta: À Patria, Dona Inês de Castro (St. Petersburg Musical Archive)
Catalog No.: NFPMA9938
Label: Northern Flowers, 2005
1 CD (DDD)
Total time: 57:17

Jose Vianna da Motta
Symphony À Patria "To the Fatherland"
Overture Dona Inês de Castro

St. Petersburg Philharmonic Orchestra
Mario Mateus Conductor


Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

janeiro 16, 2006

EMISSORA NACIONAL 1943

Suggia 2.jpg
Vemos aqui GUILHERMINA SUGGIA, em 1943, fazendo parte de um juri dum concurso da Emissora Nacional.Os outros membros do juri são: Pedro de Freitas Branco, Pedro Prado, Paul Grümmer e Armando José Fernandes.
Em 1º plano estão os jovens violoncelistas: Carlos de Figueiredo, Madalena Sá e Costa e Fernando Costa.
(Fotografia cedida pelo MUSEU DA RÁDIO)

Publicado por vm em 08:50 AM | Comentários (0)

janeiro 13, 2006

RECITAL NO MUSEU GULBENKIAN, DOMINGO-15 JANEIRO- 12 horas

Recital de Violino e Piano - Música Portuguesa

Violino Piano
LUÍS CUNHA
EURICO ROSADO

Programa :

José Viana da MOTTA
[S.Tomé, 1868-Lisboa, 1948] Romanza
Violino e Piano
Luís BARBOSA
[Lisboa, 1887-1952] Romance
Violino e Piano
Pedro Lopes NOGUEIRA
[1ª metade séc. XVIII] Prelúdio e Fantasia
Violino solo
Luís TINOCO
[Lisboa, 1969] Tríptico [1997]
Violino e Piano
Cláudio CARNEYRO
[Porto, 1895-1963]
D' aquém e d' além mar, op. 20, nº 3 (1925-26)
 Pelo oceano voga sem âncora minha nau saudade
 Ausência
 Regresso (Violino e Piano)
César VIANA
[Southampton, 1963] Crú [2005]
Violino solo
Joly BRAGA-SANTOS
[1924-1988] Nocturno [1942]
Violino e Piano
Fernando LOPES-GRAÇA
[Tomar, 1906-Parede, 1994] Quatro Miniaturas [1980]
Preludio, Melodia, Mandolinata, Exercício
Violino e Piano


Publicado por vm em 09:55 AM | Comentários (0)

janeiro 12, 2006

AQUI NASCEU G. SUGGIA

R F Borges 1.aJPG.jpg
Foi nesta Rua - a Rua Ferreira Borges - que em 27 de Junho de 1885 nasceu Suggia.
Não nasceu em nenhum dos prédios que estamos a ver. A casa onde nasceu foi demolida para dar lugar à construção, provavelmente, de um destes prédios. E a família muda-se para Matosinhos, para a Casa do Leão, Munhufe.

Publicado por vm em 09:17 AM | Comentários (0)

janeiro 10, 2006

PAZ NO LARGO DA PAZ

hscosta.jpg
Na sala, deitada entre entre 2 pianos, com um ar tão sereno, tão calmo, ouvia-se BACH - um dos seus compositores preferidos. Nunca estive ao lado da morte com uma sensação tão grande da importância que uma vida tem.

Aqui aos 25 anos a Prof HELENA SÁ E COSTA.

(do livro UMA VIDA EM CONCERTO)

Publicado por vm em 08:31 PM | Comentários (1)

janeiro 08, 2006

ADESÕES DE NOVOS ASSOCIADOS

Vamos ter muito que fazer na ASSOCIAÇÃO GUILHERMINA SUGGIA e naturalmente que precisamos de muitos associados.

É claro que todas as pessoas que estejam de acordo com os objectivos e os estatutos podem ser associados. Não precisam de ser convidados, basta que manifestem esse desejo através do blogue. Usarem o email do blogue será o melhor.

Publicado por vm em 06:19 PM | Comentários (0)

janeiro 06, 2006

CONCERTO DE ANO NOVO

Coro da Universidade de Lisboa
Coro de Câmara da Universidade de Lisboa
Direcção: José Robert

Coro Infantil da Universidade de Lisboa
Direcção: Érica Mandillo

Obras de William Byrd, Tomás Luís de Vitória,

Fernando Lopes-Graça
(Excertos da "Segunda Cantata de Natal "
e do "Presente de Natal para as Crianças")

8 de Janeiro de 2006, 16.30, Igreja da Madalena (Baixa)
Entrada Livre


--------------------------------------------------------------------------------

Publicado por vm em 10:01 AM | Comentários (1)

janeiro 04, 2006

CONCERTOS ANTENA 2- "HOMENAGEM A GUILHERMINA SUGGIA - O VIOLONCELO LUXURIANTE"

Co-produção: Antena 2 / Associação Guilhermina Suggia / CCB
20 de Fevereiro 2006
às 19h | Pequeno Auditório do CCB
Duração:1h15 (com intervalo)

Guilhermina Suggia foi uma das maiores violoncelistas de sempre à escala mundial. O seu estatuto, no início do século XX, era comparável ao de Pablo Casals, com quem, de resto viveu, e com quem rivalizou, no que respeita ao interesse demonstrado pelo público e epla crítica. A mítica intérprete portuguesa deixou um legado valioso, sobretudo pela influência que exerceu em muitos outros violoncelistas. Paulo Gaio Lima foi galardoado, em 1979, com o Prémio Suggia (destinado a eleger jovens talentos do violoncelo), e Irene Lima, sendo uma admiradora de Suggia, faz jus ao seu génio sendo hoje uma das mais destacadas violoncelistas portuguesas do nosso tempo. Este concerto é, pois, dedicado à memória de Guilhermina Suggia, baseado em obras de compositores como Julius Klengel ou Emanuel Moór, ambos conquistados pelo virtuosismo de Suggia.

A suite para dois violoncelos de Moór, por exemplo, foi concebida expressamente para Suggia e Casals, e será interpretada, mais de 90 anos depois da estreia.


Publicado por vm em 10:14 AM | Comentários (2)

janeiro 03, 2006

GUILHERMINA SUGGIA

Suggia 1a.jpg
(Fotografia cedida pelo MUSEU DA RÁDIO)

Publicado por vm em 12:00 AM | Comentários (0)

janeiro 01, 2006

GUILHERMINA SUGGIA NA ARTE MUSICAL- JANEIRO de 1930

A Arte Musical não quer deixar de assinalar nas suas colunas a passagem de GUILHERMINA SUGGIA pelo palco de uma das principais salas de concertos de Lisboa, prestando-lhe as suas homenagens e lamentando que uma artista de tal envergadura não se faça ouvir mais frequentemente na sua pátria.

Não se tem verificado felizmente para os amadores de música portuguesa, a respeito de Suggia, a verdade do ditado: “ Ninguém é profecta na sua terra!”.Felizmente, repetimos, nem o público nem a crítica Têm deixado entre nós de fazer justiça aos raros méritos de GUILHERMINA SUGGIA, eles são tão grandes que a colocam mais do que numa situação internacional ou mundial, pois lhe asseguram um lugar histórico. Como intérprete de instrumento de cordas não encontramos outra artista senhora, de igual envergadura na história da música. Tal é o facto que supre todos os encómios e todos os adjectivos; a Todi, como cantora, Suggia, como executante, são duas estrelas de igual grandeza.

E não é só na técnica, na emoção, na musicalidade, nos dons puramente musicais que Suggia se distingue. Ela é uma intelectual, um espírito cultíssimo, a que nada de belo, nada de grande que o universo encerre, deixa de interessar, e assim a podemos ouvir falar de Bach, de Wagner, de Dante, de Cervantes, de Camões, de Michel-Angelo, de Rodin ou de um simples espectáculo da natureza, com a mesma sensibilidade e a nesma erudição.

Muitos artistas em todos os países usam a bandeira nacional para encobrir as próprias deficiências. Com GUILHERMINA SUGGIA sucede justamente o contrário: ela não tem necessidade de invocar a sua qualidade de compatriota para arrancar os nossos entusiásticos aplausos, nós é que sentimos o orgulho de a chamar portuguesa e portuense para honra nossa.

Revista “ARTE MUSICAL”, Ano I- Nº 3 – 20 de Janeiro de 1930
Director:Luís de Freitas Branco

(Cedido por João Pedro Mendes dos Santos)

Publicado por vm em 10:32 AM | Comentários (0)