maio 30, 2004

MEDALHA DE OURO DA CIDADE DO PORTO EM 1938

Em 1938 a Câmara Municipal do Porto concede-Ihe a Medalha de Ouro da Cidade por proposta do Comandante João de Paiva Faria Leite Brandão.

Câmara Municipal do Porto
Secretaria - Serviços de Expediente

Exma. SrªD. Guilhernina Suggia Mena
Encarrega-me o Exmo. Sr. Presidente de ter a subida honra de vir comunicar a V. Exª. que esta Câmara, na sua reunião de 16 de Dezembro do ano findo, resolveu aprovar a seguinte proposta:

«Tendo em consideração que a eminente artista Guilhermina Suggia Mena, nascida no Porto, onde fez os seus primeiros estudos com seu pai, o professor Augusto Suggia fazendo parte mais tarde, ainda criança, do Quarteto Moreira de Sá, contribuiu para o desenvolvimento da cultura, colaborando em inúmeros concertos nesta Cidade. - Atendendo que esta virtuosa, depois de completar os seus estudos na Alemanha, tem marcado no estrangeiro, com especial evidência, o seu lugar entre as primeiras executantes do mundo, assim consagrada especialmente em Inglaterra, onde muitas vezes tomou parte nas mais notáreis audições, atraindo deste modo para o seu país as atenções do mundo musical, tenho a honra de propor:
Que seja concedida à consagrada artista «A Medalha de Mérito», em. ouro.»
Aproveitando a oportunidade para cumprimentar V. Ex.ª e endereçar-lhe as minhas muito vivas felicitações, tenho a honra de me subscrever com a mais distinta consideração e
A bem da Nação
Porto e Paços do Concelho,
4 de Janeiro de 1938.
O Chefe da Secretaria
(Assinatura ilegível)

Do livro “GUILHERMINA SUGGIA-A Sonata de Sempre” de Fátima Pombo

Publicado por vm em maio 30, 2004 12:00 AM
Comentários

Bem, pelo menos a cidade do Porto reconheceu Guilhermina Suggia como grande violoncelista que era...
Já é qualquer coisa, mas não o suficiente. É preciso fazer com que Suggia ressuscite, não só no Porto mas em todo o país. É nisso que estou também empenhada, é o que pretendo com o meu livro, e dou os meus parabéns a este site, porque já é, sem dúvida, um factor importantíssimo para a divulgação desta grande figura.
Guilhermina era uma mulher genial, carismática, uma diva para o público que apenas a observava de longe, com todo aquele glamour do palco e a fascinação que suscitava. Para além de violoncelista, Guilhermina poderia ter sido uma grande actriz.
Mas penso que através das suas cartas, e também através de muitas fotografias, se consegue vislumbrar a mulher simples, terna, carinhosa e sensível que era, profundamente generosa, também, dando-se plenamente não só no amor como na amizade. Pode também perceber-se o profundo sentido de humor que possuía. Ela era muito engraçada, fazia constantemente associações de ideias e de palavras, ria de si própria. Escondia, muitas vezes, a dor.

Afixado por: isabel millet em junho 4, 2004 01:04 AM

Guilhermina Suggia não é hoje reconhecida como devia ser. Nada se fez em POrtugal para a manter viva. Contrariamente ao que acontece noutros países, nomeadamente em Inglaterra. Nunca é tarde. E parece-me que voltar a atribuir o Prémio Suggia como foi sua vontade seria uma maneira de a lembrar e estar grato a quem tanto nos honrou

Afixado por: vm em junho 6, 2004 01:18 PM