« agosto 2011 | Entrada | outubro 2011 »

setembro 30, 2011

O que acontece quando os jornalistas decidem fazer jornalismo

Publicado por [Rick Dangerous] às 07:08 PM | Comentários (4)

setembro 27, 2011

Com toda a frontalidade

Publicado por [Rick Dangerous] às 01:48 PM | Comentários (4)

Occupy Wall Street

Não sei se é do video mas a acampada de NYC parece estar a ser bastante fixe

Publicado por [Party Program] às 08:53 AM | Comentários (12)

setembro 25, 2011

the revolution will be televised

Um participante dos distúrbios e saques ocorridos em Londres respondeu a algumas perguntas para um programa televisivo. Quando perguntado se ele conseguia ter a consciência tranquila para dormir à noite depois do que fizera, respondeu de pronto: “não preciso mais dormir agora que tenho uma televisão de plasma para assistir".

Retirado daqui.

Publicado por [Dallas] às 02:08 PM | Comentários (9)

setembro 23, 2011

ONU : Uma boa decisão!

Enquanto ouço o discurso de Netanyahu na AlJazeera, escrevo este texto com lagrimas de crocodilo… convenço-me cada vez mais daquilo que ja ha muito tenho dito. A soluçao dos dois Estados nao tem sentido algum tendo em conta a natureza da totalidade do territorio daquilo a que chamo Palestina ocupada. Falo tanto de um ponto de vista territorial como humano.
Imaginem a Argélia cortada em dois : a faixa que vai do litoral (costa, praia, àgua, bem bom) ao sul (porque é fun ter um pouco de deserto para surfar nas dunas e andar em cima de camelos) ficou a pertencer à França, os dois pedaços restantes, a oeste e a leste, sobraram para os argelinos. Passados quase 64 anos de colonizaçao francesa na Argélia chegou-se a esta soluçao de partilha. Entretanto, 4 geraçoes de argelinos tinham vivido sob-jugo colonial. Os argelinos residentes do litoral ao sul, guardaram os seus costumes de cultura arabo-muçulmana num clima de discriminaçao constante em todos os dominios da sociedade, tendo sido obrigados a integrar outros habitos, aprender uma nova lingua, acompanhar os ritmos de uma outra religiao e homenagear os mortos do massacre da ocupaçao alema. Houve mesmo alguns argelinos que casaram com os colonos. Os outros, residentes nas zonas aridas do Oeste e do Leste, ficaram mais resguardados da influência cultural colonial. No entanto, foram obrigados a fecharem-se na sua propria cultura e tornaram-se extremamente dependentes do pao do colono (uma vez que o traçado feito pela potência colonial nao dizia apenas respeito à terra mas também aos poços de àgua existentes). Outro aspecto relevante, é que as populaçoes do oeste e do leste nao tinham liberdade de circulaçao, ou seja, para além de nao terem tido contacto uns com os outros, criaram visoes diferentes de resistência à colonizaçao de que eram alvo. Acrescento que mesmo essa colonizaçao passava-se de maneira diferente a oeste e a leste. Enquanto, no primeiro pedaço de terra a populaçao vivia num buraco sem saida, no outro lado os colonos infiltraram-se por todo o territorio, construindo estradas exclusivas para eles e check points para controlar o movimento da populaçao do norte ao sul do pequeno pedaço de terra a leste. Resultado, ao ter-se legitimado dois Estados, os argelinos que nasceram e foram sociabilizados com os colonos na faixa do litoral ao sul foram agora todos expulsos para oeste e para leste. Mais uma Nakba na sua historia geracional. Os argelinos de oeste e de leste, jà sem espaço para acolher nem mais uma criança, tiveram que inventar mais campos de refugiados para receber os novos vindouros. Com a agravante de estarem impedidos de atravessar o territorio Francês, tiveram que fazer acordos com o Mali e o Niger para poder atravessar o deserto. Muitos deles morreram pelo caminho com sede.
Nisto tudo, ainda ha mais uma pedra no sapato. Voltanto à realidade… o que se faz a Jerusalém ? Este centro nevralgico das religioes monoteístas é uma cidade destruida pela obsessao dos israelitas em apagar todo e qualquer traço de uma vida prospera arabo-muçulmana anterior à ocupaçao de 67. Desde entao esburacam a cidade para descobrir vestigios do Segundo Templo construido em – 536 a J.C.
Por isto e muito mais, o povo palestiniano tem direito à sua terra, tem direito a dar um mergulho no mar morto e beber uma cerveja em Tel-Aviv. é assim que gostaria de ver a Terra Santa, uma terra para dois povos, duas linguas, cinquenta mil religioes e infinitas identidades. Viver dos mitos do passado nao é uma soluçao. Isto tudo nao invalida a minha sensibilidade em relaçao à esperança que os palestinianos têm em assegurar uma pequena independência agora e rapido… como reflectem as fotografias das milhares de pessoas que estao neste exacto momento reunidas em Ramallah !

Entretanto sem grandes certezas dos acontecimentos do futuro proximo deixo-vos aqui mais uma reportagem que mostra uma realidade jà tantas vezes provada, mas também tantas vezes ignorada. Um filme onde sao as crianças que têm o discurso mais claro sobre o que é ser colonizado.


I am Palestine - The Film par wadieprod

Publicado por [Shift] às 06:56 PM | Comentários (1)

setembro 22, 2011

Troy Davis (1968-2011)

Publicado por [Rick Dangerous] às 02:04 PM | Comentários (10)

setembro 21, 2011

Aún hay fuego en tus tumbas

streetart-lisbon-1498.jpg

Publicado por [Chuckie Egg] às 11:57 AM | Comentários (4)

setembro 20, 2011

De forma decisiva...

"Os militantes do Bloco de Esquerda no movimento dos precários contribuíram de forma decisiva à mobilização do 12 de Março de 2011 (onde mais de 400 000 pessoas desceram as ruas através de todo o país contra o desemprego e a precariedade) acrescentando-lhe mobilização e expressão política. Estivémos também presentes nas Acampadas de Lisboa e Porto, que juntaram centenas de pessoas e que para muitos deles/delas, representaram um despertar político maior"

Ricardo Moreira, precário português

Publicado por [Chuckie Egg] às 12:27 PM | Comentários (20)

setembro 17, 2011

Occupy Wall Street

#occupywallstreet

Watch live streaming video from globalrevolution at livestream.com

Publicado por [Party Program] às 06:22 PM | Comentários (1)

setembro 15, 2011

sábado, 17, 22h, gato vadio, porto

download.jpg

Publicado por [Dallas] às 09:49 AM | Comentários (2)

setembro 14, 2011

Mais uma do ACP

Carlos Barbosa, presidente do ACP e candidato nas listas do PSD à Câmara Municipal de Lisboa, é um feroz adepto da mobilidade em grandes máquinas.

Foi da sua cabeça que saiu a polémica campanha feita há cerca de um ano sobre os «peões que se atiram para as passadeiras como se tivessem esse direito», desresponsabilizando todos os que andam a acelerar nas ruas da cidade, abusando de um espaço público que é de todos, poluindo, desumanizando a cidade e pondo em perigo as vidas das pessoas.

Hoje, mais uma vez, apareceu com declarações idiotas: vociferou contra o desaparecimento de 500 lugares de estacionamento na Av. Duque D'Ávila.

A Duque D'Ávila era uma avenida feia, com duas faixas para cada lado e um passeio estreito. No meio havia uma placa central de terra batida e bocados do que outrora foi um passeio, cheio de carros estacionados à molhada (os tais 500 lugares?). Hoje é uma rua com menos tráfego, transito só num sentido, e com um largo passeio com árvores, bancos públicos, esplanadas e uma ciclovia.

Mais Duques D'Ávila são necessárias nesta cidade. Com estas declarações, este candidato a vereador mostra bem que a sua Visão de Cidade não consegue ir mais além do que 10 ou 20 metros à parte da frente do seu Audi A6.


"Não percebo como é que há gente que tem tempo para perder nos transportes públicos" disse Barbosa antes de estacionar o carro em cima deste passeio

Publicado por [Saboteur] às 10:44 PM | Comentários (39)

setembro 13, 2011

Movimentos Cívicos: O realismo de exigir o impossível versus a utopia de pedir o possível

fdrrdrs.jpg

Movimento cívico, democracia directa, desobediência civil, participação activa. Toda uma panóplia de conceitos que voltam à luz do dia, por via das indignações europeias ou das primaveras árabes.

No dia 4 de Maio de 1961, 6 anos depois da célebre tomada de posição de Rosa Parks, e alguns meses após a decisão do Supremo Tribunal de banir a segregação racial nos restaurantes e salas de espera dos terminais de autocarros em todo o país, sai de Washington o primeiro dos autocarros que ficaram conhecidos como Freedom Riders. Grupos de estudantes, brancos e pretos, nos mesmos autocarros que desafiavam o sul racista onde a lei de um tribunal pouco podia contra a herança da guerra da secessão. Não era sequer um acto de desobediência civil, no sentido em que a lei já estava alterada. Era apenas uma forma de dar visibilidade a uma injustiça clara, contínua e desumana. A oposição foi forte, autocarros incendiados, espancamentos brutais, e apesar da legalidade do acto em si, quase todos conheceram pela primeira vez a prisão.

É apenas um exemplo, como tantos outros poderiam ser enunciados, de quando a sociedade civil tentar ter uma voz activa na mudança. Dia 15 de Outubro há uma nova chamada para a rua, e a um mês dessa chamada queremos discutir essa influência que podemos ter, a melhor forma de a abordar, o posicionamento em relação ao activismo cívico e a nossa capacidade de mobilização. Convidamos assim todas as organizações que subscreveram o manifesto do 15 de Outubro, bem como todos os que pensem ou não participar nesta próxima tentativa de trazer a democracia para a rua, a ver o filme e a debater todas as questões sobre os movimentos cívicos que têm vindo à tona nestes últimos meses.

Será também projectado o filme Freedom Riders produzido pela cadeia de televisão pública americana PBS, sobre o movimentos dos direitos civis dos anos 60 nos Estados Unidos.

http://en.wikipedia.org/wiki/Freedom_riders

Filme mais jantar – 20h
Debate – 22h

Publicado por [Chuckie Egg] às 01:54 PM | Comentários (5)

Autocolantes e Fogos em Berlim

berlin-torchings-470x266.png

Tourists, Raus! Berlin Rebels Ignite “A Bonfire Of Automobiles"

berlin-touristen-fisten-470x460.png
berlin-doesnt-heartu-470x247.png

Publicado por [R-Type] às 11:47 AM | Comentários (12)

Jornadas Anarco-Sindicalistas

Carrapato

zoom

Vale a pena ir lá pelo menos na Quinta.

Também há Terror Rural Xunga este fim de semana - powerviolence da fonte da telha só pode correr bem.

Publicado por [R-Type] às 10:34 AM | Comentários (2)

setembro 10, 2011

RDA e DA BARBUDA em Setembro.

SETEMBRO.jpg

setembro_2011_A3aaaa.jpg

Publicado por [Party Program] às 11:54 AM | Comentários (2)

setembro 09, 2011

pub

arton825.jpg

Publicado por [Dallas] às 06:48 PM | Comentários (1)

setembro 08, 2011

Tudo é permitido


Não poderíamos nunca, sem a ecologia, justificar a existência de duas fileiras de alimentação, uma saudável e biológica para os ricos e seus rebentos, a outra notoriamente tóxica para a plebe e seus descendentes, prometidos à obesidade. A hiper-burguesia planetária não saberia fazer passar por respeitável o seu rumo de vida se estes seus caprichos não fossem escrupulosamente “respeitadores do ambiente”. Sem a ecologia, ninguém teria ainda autoridade suficiente para fazer calar toda a objecção aos progressos exorbitantes do controlo. Rastreio, transparência, certificação, eco-taxas, excelência ambiental, polícia da água, auguram o estado de excepção ecológica que se anuncia. Tudo é permitido a um poder que toma a autoridade sobre a Natureza, a saúde e o bem-estar.
[...] O novo ascetismo bio é o controlo de si que é exigido a todos para negociar a operação de salvamento que o sistema se atribuiu a si próprio. É em nome da ecologia que será necessário apertar os cintos daqui para a frente, tal como o foi em nome da economia até aqui. A estrada poderia seguramente transformar-se em pistas de bicicletas, nós poderíamos mesmo, nas nossas latitudes, ser um dia recompensados com um rendimento garantido, mas apenas como prémio de uma existência inteiramente terapêutica. Aqueles que defendem que o auto-controlo generalizado nos poupará da submissão a uma ditadura ambiental mentem: um fará a cama para a outra e nós acabaremos por dormir com ambos. Enquanto houver o Homem e o Ambiente haverá sempre a policia entre eles.

A insurreição que vem, Lisboa, Edições Antipáticas, 2010

Publicado por [Rick Dangerous] às 09:51 PM | Comentários (12)

Incontestavelmente, o activista mexe-se


O activismo é o primeiro reflexo. A resposta ao nível da urgência da situação presente. A mobilização perpétua em nome da urgência, mais do que um meio de os combater, é aquilo a que nos habituaram os nossos governos e os nossos patrões.
[...] O activista procura estar em todo o lado. Ele comparece em todos os lugares onde o conduz o ritmo das perturbações da máquina. A todo o lado ele leva a sua engenhosidade pragmática, a energia festiva da sua oposição à catástrofe. Incontestavelmente, o activista mexe-se. Mas não se apropria nunca dos meios para pensar como o fazer. Como fazer para travar concretamente o avanço do deserto, para concretizar mundos habitáveis sem permanecer à espera.
[...] O problema com as reivindicações é que, formulando as necessidades em termos que se tornam audíveis para os poderes, nada dizem à partida acerca dessas mesmas necessidades, daquilo a que chamam transformações reais do mundo. Assim, reivindicar a gratuitidade dos transportes nada diz acerca da nossa vontade de viajar e não de nos deslocarmos, do nosso desejo de lentidão. Mas frequentemente as reivindicações também não fazem mais do que mascarar os conflitos reais cuja aposta enunciam. Reivindicar transportes gratuitos não faz mais do que adiar a difusão das técnicas de fraude num certo meio. Apelar à livre circulação de pessoas não faz mais do que iludir a questão de escapar, na prática, ao afunilamento do controlo.
[...] Nós não estamos dispostos a apostar que lá onde cresce o deserto cresce também aquilo que salva. Nada pode aparecer que não comece à partida pela secessão com tudo o que faz crescer esse deserto. Sabemos que construir uma potência de certa amplitude levará o seu tempo.
Appel, Lisboa, Edições antipáticas, 2007

Publicado por [Rick Dangerous] às 09:36 PM | Comentários (2)

há pessoas que não se ajudam a si próprias

308328_2024561738664_1382629354_31914083_248062750_n-1.jpg

Legenda: Paulo, suado, martela fortemente na pandeireta.

Publicado por [Dallas] às 05:14 PM | Comentários (6)

setembro 06, 2011

Comunicado à nação

palhacito.bmp

Depois disto aguardo com interesse a comunicação de amanhã em que será escalpelizado o guião das telenovelas portuguesas e a quantidade de canais que o meo oferece aos seus assinantes.

Haja paciência...

Publicado por [POKE] às 11:11 PM | Comentários (2)

CINE-SHOCK NO RDA!

CARTAZ-CINE-QUINQUI.jpg


O RDA apresenta três filmes que penetram sem pudor nos mais obscuros becos da sociedade espanhola pós-franquista: droga, sexo, crime, violência política e marginalidade nas ruas perigosas de uma sociedade que acorda do sonho da transição para o cru e alucinante pesadelo de uma juventude sem futuro, sem esperanças e sem limites. Três retratos realistas de um pais que finalmente se vê ao espelho e caminha à beira do abismo com uma seringa espetada no braço.

AVISO: estes filmes contém cenas de sexo e toxicodependência que podem chocar os mais novos e os mais sensiveis

7 Set. 21h - Deprisa Deprisa (1981) de Carlos Saura
14 Set. 21h - El Pico (1983) de Eloy De La Iglesia
21 Set. 21h - Perros Callejeros (1977) de Antonio de la Loma

Sempre jantar às 20h
Sempre ciclo-oficina lá fora

Publicado por [Party Program] às 06:37 PM | Comentários (6)

setembro 05, 2011

Aqueles que pensam


O primeiro-ministro alertou igualmente para o perigo de se confundir o direito à manifestação e à greve com motins e tumultos. “Em Portugal, há direito de manifestação, há direito à greve. São direitos que estão consagrados na Constituição e que têm merecido consenso alargado em Portugal”, lembrou. Mas, continuou, “nós não confundiremos o exercício dessas liberdades com aqueles que pensam que podem incendiar as ruas e ajudar a queimar Portugal”.
“Pode haver quem se entusiasme com as redes sociais e com aquilo que vê lá fora, esperando trazer o tumulto para as ruas de Portugal”, mas, acentuou Passos Coelho, “nunca iremos por aí”. “Aqueles que pensam que podem agitar as coisas de modo a transformar o período que estamos a viver numa guerra com o Governo”, quando o que existe é “uma guerra contra o atraso, a dívida e o desperdício”, esses “saberão que nós sabemos dialogar, mas que também sabemos decidir”, avisou.

Público

Publicado por [Rick Dangerous] às 01:46 PM | Comentários (5)

Publicado por [Saboteur] às 01:58 AM | Comentários (2)

setembro 02, 2011

O império contra-ataca

Publicado por [Rick Dangerous] às 06:33 PM | Comentários (79)

setembro 01, 2011

ALELUIA (ou a prova que podemos ensinar um macaco a gerir a economia)

Publicado por [POKE] às 12:38 AM | Comentários (1)