« fevereiro 2010 | Entrada | abril 2010 »

março 31, 2010

Alegria no trabalho

Publicado por [Rick Dangerous] às 06:44 PM | Comentários (1)

março 29, 2010

Hoje é dia de Pessach!

Acabei de festejar uma Pessach Queer !
Pessach que nos remete para a ideia da libertação do povo hebraico escravizado no Egipto. Queer (neste contexto) que nos remete para a desconstrução da ideia de terra prometida.
Embora houvesse um ambiente Queer, nunca me senti tão Goy.

Publicado por [Shift] às 10:46 PM | Comentários (11)

Poesia de rua #666 - F.U.C.K.

Já me tinham comentado que um novo grupelho tinha surgido em Lisboa, inspirado nos Motherfuckers Nova-Iorquinos. Na sexta foram avistadas as primeiras pintadas.

Freaks Unidos Contra o KKKapitalismo.

27032010548.jpg

27032010549.jpg

27032010552.jpg

Publicado por [Party Program] às 02:53 PM | Comentários (20)

março 28, 2010

"48"

Este ano fui ver apenas um filme ao Festival "Cinéma du Réel" . "48". 48 anos de ditadura Salazarista (passou no DocLisboa 2009).
O filme de Susana Sousa Dias joga perfeitamente com a temporalidade da memória: A imagem do passado com a voz do presente; o recito presente sobre momentos do passado. Com lucidez e empenho não silencia o lugar da mulher na resistência. Em termos crus fala-se da menstruação em tempos de tortura assim como da implicação política feminina na luta contra o fascismo. Tudo o que a historia escrita por homens tem tendência a abreviar, onde a imagem do "neutro" é sempre masculina.
O filme merecia ganhar o "grand prix du réel" e ganhou.

Publicado por [Shift] às 07:11 PM | Comentários (3)

acabar de vez com a calçada "à portuguesa"

Até que enfim que alguém começa a dizer coisas com sentido sobre a mal chamada calçada "à portuguesa". Que de portuguesa tem tanto como o bacalhau. Come-se bacalhau em muitos mais lugares mas alguém achou por bem transformar o peixe em tema identitário. Fez-se o mesmo com a calçada "à portuguesa". Com a agravante que, ao contrário do bacalhau, a calçada não merece um pingo de azeite para lhe dourar o sabor.


Um belo prato de bacalhau à vizcaína

A calçada lisboeta está invariavelmente semeada de buracos. Se não está semeada de buracos, está semeada de pedras soltas. Raramente se pode encontrar um passeio direito, que não se apresente em estranhas linhas sinusoidais ou em plano inclinado para o espalhanço do peão. Não conheço um lisboeta que tenha os tomates necessários para caminhar mais de 20 metros nos passeios de Lisboa sem olhar para o chão pelo menos uma vez. Sim, pode ter medo de meter o pé num pedaço de merda, é verdade. Mas toda a gente sabe que a maioria das vezes os obstáculos são de outra natureza: buracos, pedra solta, degraus dissimulados ou lombas no próprio passeio.

A resistência cultural do fenómeno é intrigante. Como explicar que um sistema arcaico de pavimentação urbana, tecnicamente obsoleto, de manutenção cara e vários zeros à esquerda e à direita da vírgula em qualquer avaliação de qualidade de serviço continue a gozar de tanta reputação? Dá ideia de estarmos perante mais um fenómeno tipo Virgem Maria: toda a gente sabe que tecnicamente a senhora não pode ser "virgem", mas continuam a chamá-la assim. O mesmo se passará com a calçada "à portuguesa". Porque é "nossa", porque é portuguesa, porque a estranja quando cá vem fica maravilhada, entende-se continuar com um sistema obsoleto as mais das vezes completamente descalço.

Já agora, o mesmo se passa com os belíssimos eléctricos amarelos da Carris. Estão cheios de buracos. Em termos de qualidade de serviço ao utente do transporte público, o amarelo da Carris é um autêntico desastre. E é-o irremediavelmente, porque está desajustado das necessidades do século XXI. Procurei no site da Carris alguma coisa que permitisse sustentar esta evidência mas não encontrei (nota menos para a Carris na informação sobre quebras de serviço). O material circulante está tecnicamente obsoleto, sempre a dar o peido mor. São exasperantemente lentos, com as multidões de turistas a matarem qualquer sonho de cumprimento de horários. E são uma óptima desculpa para não se criarem alternativas que deixassem o eléctrico a quem não tem mais nada para fazer na vida do que admirar-se com o típico e o histórico. Como é possível não existirem autocarros de média dimensão (mais rápidos, mais cómodos, mais resistentes, mais baratos, é só vantagens) a fazer o mesmo circuito? Mistério.


Um prova de como os eléctricos em Lisboa têm uma longa carreira de quebras de serviço

Talvez um dia alguém se lembre que a calçada e o amarelo da carris merecem reforma. Já era altura de começarmos a viver numa cidade do século XXI e não do século XIX.

Publicado por [Renegade] às 03:07 PM | Comentários (35)

Com juízes destes quem precisa de criminosos

Domingos Névoa tentou pagar 200 mil euros a José Sá Fernandes para ele desistir do processo contra a Câmara e a Bragaparques por terem trocado o Parque Mayer pelos terrenos da feira popular. O caso foi denunciado à polícia, que meteu uns microfones como aqueles que vemos nas séries americanas e apanhou o empresário a dizer coisas do género «Se quiser receber em cheque pago hoje, se for em dinheiro pode demorar um pouco mais tempo (...) Nisto não sou virgem, esteja à vontade»

Foi condenado por corrupção. 5 mil euros.

Ricardo Sá Fernandes apelidou Domingos Névoa de "corrupto" e "vigarista", foi condenado a indemniza-lo em 10 mil euros o empresário por "danos morais".

Publicado por [Saboteur] às 12:58 AM | Comentários (8)

março 27, 2010

Farto de ser tratado como um «recurso»?

Se estás farto disto, vê lá isto.

Publicado por [Dallas] às 08:14 PM | Comentários (0)

Curso de Estética & Política

lipstick.jpg

De 10 de Abril a 05 de Junho de 2010
Aos sábados, das 18h00 às 20h00
na Fábrica Braço de Prata
Rua da Fábrica do Material de Guerra, n.º 1
1950 LISBOA

Entre política e estética, há uma longa história de mútuas suspeitas, denúncias e incompreensões, que têm coexistido com uma intensa e fértil, ainda que por vezes clandestina, interdependência. Tomamos a ambivalência que marca esta relação como testemunho de um terreno comum que importa revisitar, longe das caricaturas habituais, mas igualmente sem elidir as tensões que o constituem. O espaço para que esta discussão seja pensável de forma simultaneamente esclarecedora e crítica permanece em construção: o objectivo primordial deste curso é, por isso mesmo, o de contribuir para a sua criação, visibilidade e alargamento.


PROGRAMA

10 de Abril
Apresentação do curso por Manuel Deniz Silva e Miguel Cardoso
Kant por Adriana Veríssimo Serrão

17 de Abril
Hegel por Miguel Cardoso
Marx por José Bragança de Miranda

24 de Abril
Nietzsche por Nuno Nabais
Freud por João Peneda

8 de Maio
Oficina de leitura: “O inconsciente político do sublime. Em torno de Lyotard e Rancière”. Orientação: Manuel Deniz Silva

15 de Maio
Walter Benjamin por Pedro Boléo
Theodor W. Adorno por João Pedro Cachopo

22 de Maio
Gilles Deleuze por Catarina Pombo
Guy Debord por Ricardo Noronha

29 de Maio
Jacques Rancière por Vanessa Brito
Giorgio Agamben por António Guerreiro

05 de Junho
Debate de encerramento: “Estética e Política”
Silvina Rodrigues Lopes
Manuel Gusmão
Mário Vieira de Carvalho

Mais info

Publicado por [Dallas] às 04:57 PM | Comentários (4)

Keny Arkana

Ainda falamos de Rap?

E já agora, o que aconteceu à Horizontal Records?

Publicado por [R-Type] às 03:59 PM | Comentários (3)

março 26, 2010

República sacra

A Câmara Municipal de Ourém (onde foi eleito pela primeira vez um executivo PS), está a organizar as celebrações religiosas da semana santa. Sim, a Câmara Municipal. São 7dias onde, para além de um concerto dentro de uma igreja, não faltam missas e outros rituais religiosos promovidos com popa e circunstância pelo poder local de um estado que, ao que parece, é laico.

estado laico ourem.jpg

Sérgio Faria, n'o Castelo vai nu:
Claro que podem sempre tentar convencer a malta que antes não havia lava pés, laudes após matinas, via crucis, procissões e páscoa e que princípios básicos e elementares do ordenamento jurídico português não se aplicam cá, neste reduto sagrado que é o município de ourém, por acaso parcela do complexo administrativo do estado. E claro que até podem estabelecer e declarar que há uma paróquia a colaborar - exactamente, nem menos nem mais, a colaborar - nas manobras pascoais organizadas pretensamente pela câmara municipal. No balanço que para aí vai, ainda hão-de publicar uma nota no site do município a creditar à câmara municipal a organização da visita do papa a fátima e a colaboração - ou, vá lá, a parceria - do vaticano e do reino dos céus nisso. Que fazer? A câmara municipal não podia limitar-se a contribuir para a divulgação e difusão de um programa de religioso - por ter valor cultural -, não, isso era pouco. Havia que ir mais além e publicitar o município como sendo uma estância confessional, pôr a câmara municipal - seguramente por via do vereador que tem o pelouro dos eventos - a organizar missas e tal.

Publicado por [Striker] às 12:01 PM | Comentários (6)

Hoje é dia de Massa Crítica

1ª Massa Crítica de Primavera. Como dizia o outro: «Que ninguém falte!»

Publicado por [Saboteur] às 09:02 AM | Comentários (3)

março 25, 2010

Full of drama like a soap opera


O líder nacionalista Mário Machado começa hoje a ser julgado em Lisboa. Acusado de associação criminosa e sequestro, entre outros crimes, Mário Machado está envolvido num processo cuja investigação revela a existência de lutas de território entre gangs rivais, tráfico de droga e armas e inclui o envolvimento dos famosos motards dos Estados Unidos, os Hells Angels.
Ainda segundo o despacho de acusação, Mário Machado desferiu um tiro na perna de Thor e, segundo informações a que o i teve acesso, o caso ficou por ali, porque a arma terá encravado. Mais tarde, Thor explicou aos "irmãos" americanos que tinha oferecido o peito a Mário Machado, quando na realidade o que se ouviu quando o nacionalista puxou da arma foi: "Não me desgraces a minha vida". Thor terá exagerado no relato para impressionar a "casa mãe" e ser visto como um verdadeiro membro dos Hells Angels.

As pontas soltas do processo de Mário Machado

Publicado por [Rick Dangerous] às 02:57 PM | Comentários (2)

Fernando. Nobre?

Apesar de ir votar Alegre, o meu entusiasmo por ele não chega ao ponto de escrever posts destes sobre o homem... "Pontes com o Movimento Social", "Visão Internacionalista", etc, etc...

Mas agrada-me ver este título no DN: Alegre arrasa PEC, ataca Cavaco e sugere regionalizaçãoo.


Preocupados com as críticas certeiras de Fernando Nobre ao PEC?

Publicado por [Saboteur] às 02:05 PM | Comentários (5)

Os terrenos privilegiados do desejo e do prazer

baise-moi.jpg

"The contemporary feminist focus on male violence against women is bad for feminism because it positions women primarily as victims, while giving power to male police and politicians to "protect" us from "bad men". It returns us to the tired old model of two opposing genders: man=masculine=aggressive v woman=feminine=passive. It offers no analysis of, and therefore no effective political opposition to, the ways violence against women relates to other forms of violence that women (and men) experience. But most of all, it's bad for feminism because it defines women's experiences of sex and sexuality exclusively in terms of fear and danger, and reserves for men the privileged terrains of desire and pleasure."

O womenage está de volta, é deixar os privilégios à porta e entrar de gatas, sff

Publicado por [Chuckie Egg] às 11:09 AM | Comentários (6)

março 24, 2010

Para o Luís Rainha, um abraço anónimo


Publicado por [Rick Dangerous] às 03:51 PM | Comentários (10)

Aquele filho-da-puta...

comissão inquerito.jpg

Hoje vi no DN «Comissão de Inquérito vai pedir escutas em que Sócrates intervém».

Ao que parece, a forma como Sócrates terá tratado o Cavaco nas suas conversas telefónicas já não é segredo para ninguém. Resta agora esperar que tudo venha a público para toda a gente se mostrar muito indignada.

Só é pena que o Governo vá cair mais por estas coisas do que pelas privatizações ou pela recusa em taxar os ricos e a banca.

Publicado por [Saboteur] às 11:53 AM | Comentários (18)

março 23, 2010

Quem não comparecer será vitima de um enorme sentimento de culpa (mas o Renato Teixeira dedicar-vos-á um post, claro)

jantar_attac2.jpg

Esta 5ª feira a ATTAC co-organiza com o GAIA (Grupo de Acção e Intervenção Ambiental) o Jantar Popular.

A sobremesa será servida com uma conversa sobre a experiência da participação no Cop 15 (Conferência das Partes sobre o Clima) em Copenhaga por activistas do projecto 270. E ainda será apresentado o “Dia Internacional de Subir às Àrvores”

Finalmente, Vitor Sarmento, da Direcção da ATTAC, tocará ainda umas musicas enquanto bebemos o café ou uma ginginha. Haverá uma banca da ATTAC, com novos materiais.

Publicado por [Saboteur] às 03:25 PM | Comentários (4)

março 22, 2010

O vácuo

Interrogávamos-nos acerca de qual seria a «danieladaoliveirada 2010» e eis que ela chega de onde menos se esperaria. Numa exemplar gestão do timing político, o jovem pré-candidato presidencial Renato Teixeira brinda-nos com uma máxima que a história se encarregará de recordar: «Em política não há vácuo. O espaço que uns não ocupam é imediatamente ocupado por outros.»
Esclarecidas as diferenças entre a política e um lote de café Sical, fica-nos a denúncia da incongruência de bué pessoal (quase todo) que não foi à concentração de Domingo. Deixemos de lado este imaginário beto que acha que Benfica ou Chelas ficam nos subúrbios. Ou o piscar de olhos aos cristãos evangélicos, que tem a vantagem de unificar todas as seitas numa só (sonho molhado de qualquer morenista consequente).
O que me atrai é o raciocínio tortuoso que não considera sequer a possibilidade de existirem boas razões para não ter ido a Benfica. Eu, por exemplo, estava a trabalhar. Estou certo que o Renato respeitará esta necessidade de passar uma tarde de domingo a teclar no computador, ele que já se viu forçado a emigrar para ganhar o pão e sabe o que custa fazer pela vida. Só tenho pena de receber um pouco menos pelo meu trabalho, mas também não sou tão qualificado para certas tarefas.
Por outro lado, esta denúncia de quem divulgou a concentração e depois não foi lá tem um aspecto engraçado. É que há já alguns meses que leio posts no 5Dias a anunciar assembleias de precários que estão a organizar o Mayday e nunca lá vi o Renato, que em todo o caso fez questão de nos informar que as reuniões se fazem para preparar «uma grande jornada de luta dos trabalhadores contra o governo Sócrates».
Tenho partido do princípio que, como muitas outras pessoas, o Renato não pode vir a assembleias realizadas às 4ªs feiras à noite. Os motivos podem ser tantos e tão variados que nunca tive a pretensão de os conhecer. Trabalho, cansaço, imperiosa necessidade de estar umas horas com o/a namorado/a, ter que cuidar das crianças, fazer parte de um coro, ter treino de futebol a essa hora... Quem pode dizer, quem pode saber e o que é que isso interessa?

Renato Teixeira interroga os clássicos em busca de soluções para combater a repressão policial

Serve isto para dizer que a denúncia de uma suposta incoerência ou inoperância dos outros é uma forma política extremamente batida na sua mesquinhez. Reconhecemos facilmente um medíocre pelo rigor com que vigia os comportamentos dos outros e a frequência com que os denuncia.
E isto é tanto mais verdade quanto o Renato não deixou de vir à caixa de comentários do post aqui abaixo para escrever aquilo que realmente lhe roía na alma: "Os três ou quatro que conheço não apareceram e isso parece-me algo de assinalar quando em causa estão aqueles que se julgam os arautos da luta anti-autoritária e anti-repressiva."
Bem claro e preciso, para que até esta jovem caricatura de esquerdista consiga compreender - ninguém aqui se julga arauto do que quer que seja, nem pensa que sejam necessários arautos para lutar contra a repressão e a autoridade. Esta forma de colocar as questões é tão reveladora que bastaria para ilustrar o horizonte político de quem escreve: estamos perante um flagrante caso de vocação para educador da classe operária ou pastor protestante (as duas coisas não são incompatíveis). Nada que umas imperiais e um pratinho de caracóis não possam resolver.

Algum pessoal do spectrum preferiu ficar no banho em vez de ir à concentração

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:04 PM | Comentários (12)

Quem denuncia isenta-se

Um dos escribas do 5dias linka a convocatória para ontem na Estação de Benfica, posta aqui no spectrum pelo Bounty Bob, e diz que nós somos solidários mas não aparecemos. Pergunta se nós pomos os pés no subúrbio e, entre outras parvoíces, diz que somos activistas de sofá ou que no máximo atiramos pedras aos carecas de cara tapada (!!!).

nosbairro.jpg

Quem escreveu isto é um gajo que eu não conheço de lado nenhum e que no máximo conhecerá dois ou três de nós. Eu estive lá e sou de um bairro suburbano. E não fui o único do spectrum a estar lá tal como não sou o único suburbano. É exasperante ter de explicar vezes sem conta que nem todos nos inscrevemos na jcp ou no psr na nossa juventude e não estamos propriamente tristes por isso. Pelo contrário, conheço mais pessoas que saíram do que as que hoje vêm a luz em qualquer uma dessas organizações ou dos partidos a que pertencem. Ele tem-se em tão grande conta que acha que conhece toda a gente e ainda se dá ao luxo de dar lições de sentido cívico à esquerda!!! Já agora, quem é este renato?

intruso_manchester.jpg

Em suma, há um gajo num blog que se põe a gritar contra o silêncio de quem estava ao seu lado. Os renatos deste mundo, por terem feito qualquer coisa em qualquer lado, cujo eco nunca nos chegou aos ouvidos, põem-se na posição dos professores a avaliarem os seus alunos e a darem negas a quem não cumpriu os objectivos por si traçados, classificando assim a esquerda a seu bel-prazer e como se de um gráfico cartesiano se tratasse. Uma espécie de análise swot mas feita por um miúdo da primária. Isto quando na verdade, se ele de facto fosse professor de alguma coisa a deserção política seria apenas maior. Quem teria paciência para ouvir o gajo que escreve aquelas coisas?

sleeping.jpg

Quem leia o que escreve o renato até parece que ele ontem deu cabo de várias muralhas de racismo. Nem ele nem nenhuma das pessoas que lá estiveram o fez. Nem o fará em nenhuma concentração, vigília ou manifestação. És só um parvinho e quanto mais escreves mais ridículo te revelas. Não nos conhecemos e há boas razões para que assim seja, e já agora, para que assim permaneça. Não me surpreende que os nossos caminhos nunca se tenham cruzado. E ainda não é tudo o que tenho para dizer sobre este tipo de gente que se acha incontornável.

Publicado por [Chuckie Egg] às 09:44 AM | Comentários (11)

março 20, 2010

A injustiça dos benefícios fiscais

Coisas da vida, ando a fazer declarações de IRS pela módica quantia de 15 Euros.

Quem tiver interessado, envie-me um mail e ainda tem consultoria fiscal à borla.

Bem é necessária, pelo que vejo.

De facto, a panóplia de deduções e benefícios fiscais ainda é bastante abrangente... Só mesmo os contribuintes mais sofisticados financeiramente, com mais conhecimentos ou com dinheiro para contratar uma assessoria (ao nível da minha, mas mais barata), é que conseguem tirar pleno partido dos benefícios disponibilizados.

Para além disso, reparo que são os contribuintes mais humildes que mais receio têm das fiscalizações e do aparelho repressivo do Estado.

Curioso dado, em semana de assassinatos praticados pela policia, que tem como consequência prática a recusa das minhas sugestões para pôr nas despesas de saúde os recibos da ginástica.

Cada declaração de IRS que recebo para fazer e entregar mais convencido fico da injustiça dos benefícios fiscais e que poderíamos montar um sistema fiscal mais simples e justo sem eles.

Publicado por [Saboteur] às 10:38 AM | Comentários (3)

março 19, 2010

Sentido de oportunidade.

"Um morador acabou por ser baleado no pé, depois de alegadamente ter desafiado um agente a disparar sobre ele."

Com este são três os casos de armas disparadas pela PSP por razões duvidosas numa única semana.

Não será caso para se pensar em alguma mobilização mas a sério para daqui a um mês? tipo para o quarto domingo de abril?

Publicado por [Party Program] às 01:24 PM | Comentários (4)

Ah sim!?

pspcomissariapaulamonteiro.jpg

A PSP está em elevado grau de alerta e prevê retaliações violentas contra os seus agentes, na sequência da morte do rapper MC Snake, na passada segunda-feira.

A revolta de grupos de bairros problemáticos está prevista para este fim-de-semana e todos os agentes são aconselhados a usar coletes à prova de bala.

Num relatório a que a TVI teve acesso, a polícia admite esperar represálias. «A aliança de grupos desavindos, em defesa de uma posição anti-polícia» [...] «um sentimento de revolta que poderá provocar reacções protagonizadas por jovens oriundos de bairros problemáticos.»

A PSP admite ainda que: «Podemos estar perante uma onda de acções/retaliação violentas contra elementos da PSP» [...] «emboscadas a agentes, apedrejamento de viaturas, incendiar viaturas e corte de artérias.»

Publicado por [Bounty Bob] às 12:10 PM | Comentários (6)

Reforma Penal II

Jovem baleado pela PSP de Queluz. Família não sabe porquê

O mero facto de se suspeitar que possa não haver uma razão sólida por detrás do disparo e da detenção é já motivo suficiente para disparo e detenção.

Publicado por [Party Program] às 11:28 AM | Comentários (0)

"Power never takes a back step; only in the face of more power"

go2.wordpress.com.htm


Domingo, 21 de Março, às 16 horas, vigília em homenagem a MC SNAKE, junto à estação de Benfica.


Publicado por [Bounty Bob] às 01:56 AM | Comentários (2)

março 18, 2010

Reflexões em tempo de mayday!

Anti-CPE.jpg

"A luta dos agentes da empresa pública EDF-GDF [Electricidade de França – Gás de França], que teve lugar na Primavera de 2009, foi um exemplo desta radicalização. Mobilizados contra a precarização dos jovens operários, o desmantelamento progressivo dos antigos estatutos e a transferência de algumas das suas actividades para o sector privado, os trabalhadores levaram a cabo acções muito populares de um novo tipo. Puderam assim observar-se numerosos cortes de electricidade nos bairros burgueses, nos museus e centros comerciais chiques, nos radares de polícia na estrada. Mas também pudemos ver o restabelecimento de corrente aos subscritores pobres cortados da rede e a aplicação de tarifas mais baixas nos bairros populares. Aquando da manifestação do 1º de Maio de 2009, em Paris, os grevistas cortaram a electricidade nos prédios onde residem políticos conhecidos, ao ponto de confundir os jornalistas, incapazes de distinguir os militantes do «Black Bloc» dos comandos de jovens operários sabotadores…"

Publicado por [Dallas] às 11:59 PM | Comentários (2)

2010 adivinha-se um ano em grande.

O prémio para a maior "danielada" de 2010 encontra já um sério concorrente. O post de Daniel Oliveira sobre as mulheres de branco consegue juntar em apenas três parágrafos uma enxorrada inacreditável de lugares comuns e afirmações sobre a heroicidade da própria pessoa que parece que alguém teve a juntar frases publicitárias de filmes de Hollywood ou diálogos do avatar para construir o dito post.



"Sou de esquerda porque estou sempre, estarei sempre, do lado dos oprimidos contra todas as formas de repressão."



"Porque a rua é do povo e ninguém é seu dono."



"Sim, faço escolhas. Sim, tenho um lado. E nesse lado sabe-se que os opressores têm o cheiro inconfundível da cobardia."

Na minha formação politica nunca houve qualquer simpatia especial por Cuba donde não é o apoio do Daniel às mulheres de branco que me aquece ou arrefece. Acuso apenas a espécie que me fez ver o telejornal espanhol a descrever a manifestação de hoje em Cuba como se fosse um caso flagrantissimo de violência policial quando não foram nem uma nem duas as vezes que vi gente a perder olhos ou a ficar com braços ou pernas partidas em manifestações em Barcelona sem que tal fosse assim descrito. Aliás nem pelo Daniel.

P.S. Já agora Daniel, peço que nos descreva o que é que torna tão inconfundível o cheiro da cobardia.
P.P.S. Acho que é de começar a juntar concorrentes para a Vidalada 2010. "Dêem-lhe bifes, sff" é uma séria proposta.

Publicado por [Party Program] às 11:14 PM | Comentários (5)

março 17, 2010

Reforma Penal

Qualquer pessoa suficiente masoquista para espreitar os comentários dos jornais ou de alguns blogues nos últimos dias pode sentir o pulso do povo português e perceber que este exige reformas na justiça. QUALQUER PESSOA QUE NÃO OBEDEÇA A UMA ORDEM DA POLICIA DEVE SER SUMARIAMENTE EXECUTADA NO MOMENTO. Que a policia não possa enfiar um balázio nos cornos de todo e qualquer cidadão é a origem de tudo o que corre mal em Portugal, do desemprego à fraca prestação da selecção. E, como aliás é óbvio, o mero acto de suspeitar de que a policia possa agir sem razão é já suspeito em si. E merece um tiro nos cornos.

Este Cidadão foi apanhado sem bilhete no metro. Sendo um pais civilizado foi prontamente executado. Não tivesse andado à pala.

Por muito menos do que se passou já arderam muitas cidades. Sabemos bem isto, sabem-o também os amigos do MC Snake. Sabe-o concerteza o ministro da administração interna e os chefes da policía. Quem parece não saber será a bófia e este exército de comentadores idiotas e cobardes, fomentadores de um pânico social avassalador e terrorista. Um recado apenas: Ainda não viram nada.

Publicado por [Party Program] às 04:29 PM | Comentários (6)

Lula na Palestina

O Presidente do Brasil está quase sempre debaixo de fogo de boa parte da comunicação social brasileira, detida por grandes grupos económicos.

Desta vez é por causa da sua visita à Palestina, por denunciar "o cruel bloqueio que vem sofrendo o povo palestino", "mas não mencionar os ataques com foguetes quase diários que extremistas palestinos lançam contra cidades no sul de Israel".

Para além disso, Lula terá declinado incluir na sua agenda a visita da praxe ao túmulo de de Theodor Herzl, um dos fundadores do sionismo.

Essa espécie de afronta resultou no boicote do Governo Israelita, na pessoa do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, à visita do Presidente do Brasil .

Publicado por [Saboteur] às 03:33 PM | Comentários (3)

março 16, 2010

Ponto de situação

Jorge Rodrigues, irmão da vítima, diz, no entanto, que não havia qualquer razão para disparar contra o seu irmão. "E a Polícia fala em perseguição? Mas como? O Nuno ia a conduzir o carro da mãe, um Lancia Y10, com 12 anos e com problemas mecânicos. Não me diga que com um carro destes a Polícia precisava de disparar para o fazer parar. Não o poderia apenas abalroar, era preciso matá-lo?".

Aparentemente, o agente da PSP nem teria razões para disparar, uma vez não estariam reunidos, ao que o JN conseguiu apurar, os pressupostos previstos na lei para o o uso da arma de fogo.

arrestation.jpg

"Todos concordam. Isto vai rebentar. É assumido, com um ar pesado ou orgulhoso, nos corredores da Assembleia, tal como outrora se falara no café. Contentamo-nos com a estimativa dos riscos. Para já, uma lista detalhada de operações preventivas de demarcação do território. As festividades de passagem de ano revestem-se de contornos decisivos. "É o último ano em que haverá ostras!". Para que a festa não seja totalmente eclipsada pela tradição do motim, são necessários os 36000 bófias e os 16 helicópteros mobilizados por Alliot-Marie, ela que, aquando das manifestações estudantis de Dezembro, vigiava tremulamente o menor sinal de uma contaminação grega. Ouvimos com cada vez mais clareza, por detrás de uma retórica tranquilizadora, o fragor dos preparativos de uma guerra aberta. Ninguém mais pode ignorar a sua preparação assumida, fria e pragmática, que já nem tem sequer o cuidado de se apresentar como uma operação de pacificação."

Mise au point, Comité Invisible

Publicado por [Chuckie Egg] às 12:24 PM | Comentários (11)

Precários na crise

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:59 AM | Comentários (0)

março 13, 2010

A política para lá dos pecs

g2_7.jpg

Há meses, uma boa parte da blogosfera esquerdalha envolveu-se em fortes discussões sobre a liberdade de expressão. De um lado, vilipendiada em nome da conquista e manutenção de um poder «revolucionário». De outro, adorada em abstracto, como se fosse um deus.

Se a liberdade de expressão constitui um elemento essencial de qualquer dinâmica democrática (dinâmica, nunca regime), não deve, contudo, assumir a mera forma de declaração, sem qualquer consequência.

Recordando um dos colectivos que colocou a questão de uma forma particularmente certeira, “O liberalismo erigiu como princípio que tudo deveria ser tolerado, que tudo pode ser pensado, desde que não tenha consequências directas na estrutura da sociedade, nas suas instituições e no poder de Estado”.

Ou seja, por mais que seja importante viver numa sociedade que me permita gritar “Basta!”, penso que a democracia, pelo menos se nos quisermos reportar à etimologia da palavra, significa um colocar em prática deste mesmo “Basta!”. Num movimento que se deve demonstrar tão inteligente, quanto intransigente, tão assente em princípios, quanto ciente do terreno que pisa. Deste ponto de vista, reivindicações como o aumento de salários devem ser encaradas, não segundo uma perspectiva meramente humanista, mas enquanto parte de uma estratégia que visa retirar terreno ao inimigo, passo a passo. No entanto, para que a prática deste “Basta” mantenha o seu dinamismo, com todas as características que lhe estão associadas – descentralização, movimento, multiplicidade – é necessário que não se deixe encerrar por forças que (cada vez mais) representam o seu contrário. Não se trata de assumir uma posição de «virgem puro», escravo de um dever moral, mas sim de reflectir sobre cada passo que se dá, sujeitando-o a uma simples, mas difícil pergunta: «Até que ponto é que nos apercebemos dos desvios que fazemos?».

Publicado por [Dallas] às 09:24 PM | Comentários (8)

Um "PEC Alternativo" II

Provavelmente devido à falta de liberdade de expressão que tem vindo a ser denunciada pelo PSD, o debate sobre o PEC na comunicação social tem sido fraquinho e superficial. A magna questão sobre a nossa estratégia económica e financeira para os próximos anos parece ser se as empresas de rating vão gostar ou não do nosso PEC.. Talvez pudéssemos mandar uma garrafinha de vinho do porto aos analistas dessas empresas, é o que eu sugiro.

Cá pelo Spectrum, vou continuar a pegar no documento que o Bloco editou sobre as 15 medidas para um PEC alternativo.

O Bloco valoriza - embora considerando insuficiente - algumas medidas propostas pelo Governo no âmbito fiscal: A criação de um novo escalão de IRS de 45% para rendimentos superiores a 150 mil euros e a criação de um limite aos benefícios fiscais acumulados.

Assinalo isso com satisfação. Para ganhar credibilidade e prestígio junto das pessoas, para combater a reacção e ganhar folgo para propostas mais avançadas e até numa perspectiva de formação popular sobre o tema sensível dos "impostos" (ninguém gosta de pagar impostos), é preciso saber valorizar o que foi bem feito pelos governantes... Até parecem longínquos os tempos em que o BE (de Lisboa) andou à procura de argumentos rebuscados para votar contra o sistema de bicicletas de uso partilhado do Sá Fernandes.

Ao mesmo tempo, o documento avança com mais 3 medidas no âmbito da fiscalidade. Uma é tão, mas tão mainstream, que a sua não aprovação é a prova final - se mais provas fossem necessárias - que os economistas deste governo nada têm de socialista ou sequer de social-democrata moderado.

Falo da taxação das mais-valias de bolsa a 20% como é corrente na união europeia. Hoje em dia, essa taxa é devida se o "investidor" ficar com as acções em carteira menos do que 1 ano. Ora, não consta que algum especulador bolsista tenha passado a esperar 1 ano para vender as suas acções em alta por causa do imposto.

Creio que mesmo os mais miseráveis capitalistas compreendem e aceitam hoje em dia que têm de pagar algum imposto sobre rendimentos... se esse imposto é 20% em vez de ser progressivo como é com os rendimentos do trabalho, é já um benefício porque eles continuam na mó de cima... por isso, o medo da fuga em massa de capitais é injustificado e só um espírito excepcionalmente usurário é que pode ter uma intuição diferente.

A outras 2 medidas (das 15, fico com 4 comentadas) são a eliminação dos benefícios fiscais dos seguros de saúde e uma taxa de 25% sobre transferências para off-shore.

A primeira vai fazendo o caminho da proposta do governo sobre limitação dos benefícios fiscais e deve irritar muito as Companhias de Seguros que usam o abatimento nos impostos como argumento de venda, mas é da mais elementar justiça que, num país que se mobiliza para ter um serviço nacional de saúde com qualidade, não se premeie aqueles que optam pelas clínicas privadas. Ainda para mais quando, em caso de acidente ou doença grave, não é às "suas" clínicas que acorrem, mas sim ao sistema público.

A segunda, vai na senda daquela que é uma das grandes preocupações da sociedade, hoje em dia: o combate à evasão fiscal, à corrupção e à lavagem de dinheiro, associada tantas vezes à criminalidade mais violenta.

3 propostas alternativas que encostam o PS à parede e que o obrigam a dar uma resposta. Coisa que uma simples declaração de que o PS continua apostado numa politica de direita e a governar contra os trabalhadores, não era capaz de fazer.


Publicado por [Saboteur] às 12:02 PM | Comentários (4)

março 12, 2010

Um "PEC alternativo"

O Bloco de Esquerda acerta em cheio ao apresentar esta espécie de PEC alternativo.

É disto que a esquerda necessita: propostas concretas para mobilizar os trabalhadores e dar a volta à crise. Não se trata só de ser contra as propostas do Governo e apregoar “é preciso uma politica diferente”.

Todo o documento está muito bem feito, mas sublinho a proposta de aumentos para a Função pública, até porque foi o tema de um dos meus últimos posts:

«em 2010 como nos anos seguintes, um aumento real em valor fixo para todos os que têm salários menores na função pública, recuperando assim o valor dos salários inferiores (um aumento limitado e igual para todos os funcionários que recebam menos de 1000 euros). »

É uma proposta concreta e original (aumentos iguais para todos em vez de percentagens que agravam as disparidades salariais: uma verdadeira pedrada no charco!), que ao mesmo tempo que convoca um tema típico da esquerda – o do aumento de salários – não deixa de tomar em consideração as restrições financeiras do Estado e de demonstrar uma saudável parcimónia na gestão dos dinheiros públicos.

Acho que é com propostas deste género que se encosta o PS à parede e se consegue a adesão popular a uma esquerda que vai à luta por melhores políticas e não se fica por lamúrias.

Publicado por [Saboteur] às 02:17 AM | Comentários (12)

março 11, 2010

Otários


Funchal by night

A Quercus denuncia que a Madeira é a única região do país onde não há município que tenha definido quais os terrenos que fazem parte da Reserva Ecológica Nacional, prevista há 27 anos, mas que ainda não foi cumprida por nenhum dos 11 municípios madeirenses.

Na opinião do presidente da Quercus, Hélder Spínola, este teria sido um instrumento fundamental para evitar a dimensão do desastre que atingiu a ilha.


Universidade de Timor Leste - Dili


O Conselho de Ministros de Timor-Leste aprovou hoje um auxílio às vítimas da Madeira, no montante de 750 mil dólares (556 mil euros), em solidariedade com o arquipélago, anunciou fonte ministerial.

Publicado por [Saboteur] às 05:12 PM | Comentários (3)

março 10, 2010

Assim, o circo até pode ter piada

Uma das capas do "Fala Barato", a revista do humorista José Vilhena, que eu comprava todos os meses, representava o Cavaco com o José Eduardo Moniz ao colo, de mini-saia, etc, etc... A legenda era qualquer coisa como "A RTP é uma puta".

De facto, Moniz, apesar de ser um jornalista de 30 e tal anos num país gerontocrático, era já o Director de Informação da RTP e aqueles noticiários, apresentados por Artur Albarrã (que para sempre ficou conhecido como Aldrabã) e a Judite Sousa (ou seria a Maria Elisa?), pareciam o Pravda.

Enquanto no estrangeiro, o mundo parecia continuar afundado em acidentes, guerras e catástrofes, em Portugal não havia dia em que não fosse inaugurado um troço de auto-estrada ou um centro-de-dia.

As notícias começavam invariavelmente com uma citação de um Ministro: «"Trata-se de um dia histórico para o país". Foi com estas palavras que o Ministro Silva Peneda inaugurou...».

Naquele ano que antecedeu as eleições de 1991, creio mesmo que não tenha havido dia que, segundo o telejornal, não tenha sido «histórico».

Dizia-se que o Ministro com a tutela da comunicação social - Marques Mendes - debatia directamente com Moniz o alinhamento dos telejornais e de facto, quando a SIC apareceu, após essas eleições que deram a 2ª maioria absoluta a Cavaco Silva (Cavaco atrasou o processo de criação de novos canais por alguma razão), o canal de televisão cujo o patrão era e é o militante nº1 do PSD, parecia um canal de esquerda, comparado com a RTP.

É por estas e por outras que - sem duvidar por um instante que Sócrates (e, já agora, a generalidade dos Governantes) utiliza vários expedientes ao seu dispor para pressionar e influenciar jornalistas e comunicação social - me desagrada este circo das audições sobre a liberdade de expressão.

Só vale mesmo a pena se, zangadas as comadres, se começar também a ouvir mais coisas como esta.

Publicado por [Saboteur] às 01:51 PM | Comentários (0)

Détournement

Construindo_a_Liberdade.jpg

Disponível para download a primeira parte da história em quadrihos Construindo a Liberdade.

Construindo a Liberdade é uma paródia anarquista dos quadrinhos da série Tintin do belga Hergé, curiosamente acusado várias vezes de racista e colonialista em seus quadrinhos. A publicação original foi escrita sob pseudônimo de J. S. Daniels e publicado pela Atack International em abril de 1988 com o título de Breaking Free e agora adaptada e publicada em grande estilo pela Editora Deriva.

Download aqui

Publicado por [Chuckie Egg] às 11:30 AM | Comentários (5)

março 09, 2010

a tal que não passou na festa dos 90's

Publicado por [Renegade] às 11:14 PM | Comentários (2)

A outra "terceira idade"

O "velhote" que (no vídeo acima) enfrenta três polícias é Manolis Glezos. Durante uma manifestação contra as medidas de austeridade económica e social impostas pelo governo grego (mais duras, mas mesmo assim parecidas com o "nosso" plano de estabilidade e crescimento), resolveu impedir que as autoridades prendessem um seu amigo. Já não é a primeira vez que Manolis mostra os seus dotes. Em 1941, resolveu subir à Acrópole e retirar a bandeira das forças nazis ocupantes. Tinha, então, 19 anos.

Publicado por [Dallas] às 05:06 PM | Comentários (8)

No dia do lançamento do Vias de Facto...

Liguei o rádio na TSF e comecei a ouvir a meio uma notícia sobre reuniões cada vez menos participadas, fraca militância e consumo de drogas entre os activistas. "A organização está à beira do abismo", disse o jornalista.

Estavam a falar do Spectrum, na rádio, aproveitando a ocasião da estreia do "Vias de Facto"?!

Foram 3 ou 4 segundos estranhos, que me parceram uma eternidade... depois percebi que estavam a falar da ETA.


As reuniões do Conselho Editorial do Spectrum já foram mais participadas...

Publicado por [Saboteur] às 12:44 AM | Comentários (6)

março 08, 2010

Heresias (a propósito do dia mundial da gaja)

Publicado por [Rick Dangerous] às 04:48 PM | Comentários (4)

março 07, 2010

Com disparates destes vamos longe...

Jardim quer alargar Funchal mar adentro com inertes recolhidos das ribeiras

Dubai, Emiratos Árabes Unidos

Publicado por [Striker] às 08:18 PM | Comentários (5)

Da culpa

Para controlar a escumalha que anda a pé, e que se atreve a achar pode usar a rua, a PSP para anunciou que vai colocar agentes à paisana pelos passeios. Ao medo de ser atropelada, acrescerá agora o medo de ser agarrada a atravessar fora de uma passadeira.

00040ha6.jpg

Quem em Lisboa utilize os transportes públicos suburbanos das 5 às 8 depara-se com uma realidade diferente da dos anúncios da televisão. Apinhados, são raros os homens, poucas as portuguesas, poucas as "brancas".

Há 2 anos na saída dos barcos do barreiro, no terreiro do paço, uma rapariga branca vinha da discoteca às 5 da manhã, a mais de 120 km/h, passou o vermelho e colheu a vida a duas senhoras cabo-verdianas, que sustentavam uma família que agora é orfã. O facto de serem cabo-verdianas provavelmente seria relevante nos comentários de café se estas tivessem provocado desacatos ou cometido crimes - assim, será menos. Estas coisas são chamadas de "acidentes". A culpa é do perfil da estrada, é dos carros difíceis de controlar, do cansaço. Mesmo quando não morre solteira, as condenações mais veements são por "homicídio por negligência", que, no caso de se assassinar 17 pessoas, dão direito a alguns meses por pessoa, de pena ... suspensa. Com direito a comiseração pela responsável, abraços aos membros da família. Afinal são acidentes, o condutor não tem culpa. Responsáveis políticos, também não os há, o caso extremo é o Jorge Coelho, responsável político pela tragédia da ponte de Entre-os-Rios, que se demitiu em sequência dela, e que está agora aos comandos da empresa de construção (de pontes e estradas) que mais contratos ganha do Governo. Portugal é o país com mais crianças atropeladas na UE (destacado, o dobro da grécia, o segundo classificado) e nem por isso se fala muito no assunto.

A diferença entre peão/utilizador de transportes públicos e automobilista é uma diferença de classe, uma diferença de realidade, e todos sabemos em que classe estão os governantes, sob os óculos de que classe vêem o mundo, para que classe governam, e a importância que dão à vida dos escravos.

Conduzir é uma questão de classe.

Publicado por [R-Type] às 05:36 PM | Comentários (17)

O que o camarada tem é sede, pá!


Fariñas promete continuar greve de fome até às últimas consequências

Publicado por [Saboteur] às 10:04 AM | Comentários (0)

março 06, 2010

Ancora G8

O estado Italiano foi condenado a pagar mais de dez milhões de euros às vitimas de tortura na prisão de Bolzanetto durante o G8 de Génova 2001. A reapreciação do caso condenou ainda sete policias carcerários a penas que acumulam mais de dez anos, sendo que a maioria dos crimes já tinha prescrito,
dos 44 acusados só 7 receberam penas, quatro acusados de um crime que não prescreve e mais três polícias que prescindiram da prescrição. Em Itália não existe uma lei especifíca sobre a tortura e não é seguro que os 44 acusados sejam afastados do seu trabalho.

aqui a noticia do La Repubblica em italiano, se a encontrar depois em Castellano ou Inglês faço um update

"a violência por parte do estado é controlável de modo mais fácil"

Publicado por [Party Program] às 10:26 AM | Comentários (0)

março 05, 2010

Agora é que aquele trotskista da seca se passa mesmo

cavacopixel.jpg

Sua Excelência o Presidente da República, Maria Cavaco Silva e Party Program no Hotel Majestic no Passeig de Grácia, Barcelona.

Publicado por [Party Program] às 05:24 PM | Comentários (13)

Estes sindicalistas, para quê?


Estava a acabar a assembleia, na qual se tinha optado por debater mais a fundo as várias dimensões da precariedade e onde tinham vindo ao de cima divergências na avaliação da actuação e da natureza do movimento sindical. Constatava-se que a forma como nos organizávamos divergia significativamente da que costumam empregar os sindicatos e que, por mais do que uma razão, o espaço onde reuníamos não era o de um sindicato. Contrapunham outras pessoas que sentiam a falta, no seu quotidiano laboral, de uma organização sindical cuja intervenção e presença impedisse, pelo menos, os abusos mais evidentes.
Não estávamos de acordo, mas as razões de uns pareciam tão legítimas e razoáveis como as dos outros.
Até que, no final, o dirigente da associação onde nos reuníamos resolveu também pronunciar-se sobre coisas várias, que iam desde o procedimento para a cedência do espaço em causa até ao seu passado de intervenção sindical. E tudo o que ele dizia parecia ilustrar, melhor do que qualquer argumento que pudéssemos empregar, a distância que separa qualquer uma das pessoas naquela assembleia das pessoas que dirigem os sindicatos.
Convidou-nos a estar unidos acima das divergências, a conceder a maior importância às questões formais e, finalmente, a ser mais disciplinados na nossa forma de organização e intervenção. Convidou-nos, na prática, a transformar-nos em sindicalistas e, o que é significativo, ninguém ali respondeu afirmativamente.
E agora , enquanto consulto a página da interjovem lembro-me novamente de tudo aquilo que existe de absurdo, rotineiro, burocrático e miserabilista no discurso do movimento sindical. Em 2008, convocaram os jovens trabalhadores a manifestar-se pela estabilidade, num cartaz em que os manifestantes são, literalmente, autómatos.
Peço desculpa pela interrupção, a luta continua dentro de momentos.

Publicado por [Rick Dangerous] às 04:42 PM | Comentários (4)

Progama para uma noite de chuva

fernando nobre.jpg

Hoje, na RTP Memória, pelas 22h30, dá um programa sobre "A Questão de Olivença".

Que feliz coincidência, diz Fernando Nobre.

Publicado por [Saboteur] às 02:43 PM | Comentários (5)

O congelamento de salários e a Reforma da Administração Pública

O secretário de estado da Administração Pública queixa-se de que os sindicatos se centram excessivamente na questão salarial, empobrecendo dessa forma a negociação e o debate sobre a Administração Pública.

Ana Avoila, disse bem que «pobres são as propostas do Governo que decretou aumentos congelados e alterações à aposentação».

Realmente é consensual que as coisas não estão bem na Administração Pública. Não por acaso que tanta gente se queixa da função pública. Não é tudo causado pela propaganda neoliberal do "monstro". Realmente há muitos funcionários que não têm nenhum sentido de serviço público e há serviços totalmente ineficientes, cheios de vícios e desfocalizados da sua missão.

É necessária uma reforma profunda na Administração Pública. É necessário puxar muito pela cabeça sobre como motivar os funcionários, como aumentar as suas competências, como organizar com mais eficiência os serviços, como delegar e responsabilizar sem ferir os princípios básicos da Administração, etc... Mas os sucessivos Governos, apesar de este ser sempre um tema abordado nos seus Programas, nada de relevante conseguiram fazer a não ser trabalhar na contenção salarial.

Pior: Apesar de toda a contenção e congelamentos salariais, foram todos incapazes de diminuir a despesa da Administração, "poupando na farinha, mas gastando no farelo", como diz a minha avó.

A questão salarial não é portanto um pormenor trazido pelos sindicatos para empobrecer o debate. A dirigente sindical tem razão quando diz que o que empobrece é o Governo decidir congelar os salários, logo para início de conversa. Ainda mais, sendo uma medida cega e preguiçosa, aplicada a todos por igual, independentemente das funções, da avaliação de desempenho, do nível salarial.

Os problemas da Administração continuam por resolver enquanto os sucessivos Governos se limitam a gerir a percentagem dos aumentos como quem regateia na feira da ladra.

Publicado por [Saboteur] às 12:06 PM | Comentários (3)

março 04, 2010

A economia organizada

Alarcao-BurocraciaLowRes.jpg

A ECONOMIA ORGANIZADA. Na década de 1930, com o sistema financeiro em colapso, a indústria em crise e o comércio internacional em retracção, havia dois únicos lugares onde a economia crescia a alta velocidade, a União Soviética e a Palestina judaica. O caso da Palestina é pouco conhecido e o motivo do seu crescimento económico é muitíssimo interessante, mas de carácter estritamente político. Para o mundo eram os planos quinquenais soviéticos que importavam, numa demonstração cabal de que a organização centralizada da economia ultrapassava os problemas que o livre mercado era incapaz de solucionar. Enquanto os especuladores se punham em fuga ou se suicidavam e os patrões abriam falência, os burocratas e a tecnocracia mostravam como se podia dirigir com êxito a vida económica. Para quem o esqueça hoje, foi assim a década de 1930.

Mas os políticos e os gestores preocupados com a salvação do capitalismo hesitavam. Valeria a pena incorrer nos custos sociais de uma revolução − com o risco suplementar de ela vir a ser verdadeiramente revolucionária − para organizar centralizadamente a economia? A experiência do estado-maior alemão durante a primeira guerra mundial mostrara que era possível organizar a produção e o consumo partindo do terreno firme da ordem e sem pôr em causa a propriedade privada, e Lenin nunca escondeu o que a sua concepção de comunismo devia à economia de guerra do estado-maior alemão. Encontramos aqui os pólos que presidiram à tentativa de reconstrução do mundo na década de 1930.

Entre esses pólos proliferaram elementos intermédios, veiculando influências recíprocas. Foi neste meio que se gerou a noção de Economia Organizada. Era por definição um meio discreto, porque não se integrava nas principais forças políticas, e esta vocação de obscuridade correponde à forma de exercício do poder pelos gestores. Conviria estudar esses personagens dos bastidores, deslindar-lhes os percursos. Situados entre os dois pólos, quando não em ambos ao mesmo tempo, qualquer que fosse o rumo dos acontecimentos eles tinham representantes no lado vitorioso. Depois da guerra, foram eles quem fez o mundo.

JOÃO BERNARDO é autor de vários trabalhos, entre os quais se destacam, mais recentemente, Labirintos do Fascismo. Na Encruzilhada da Ordem e da Revolta (Porto, Afrontamento, 2003) e Capitalismo Sindical (São Paulo, Xamã, 2008), João Bernardo reside a maior parte do tempo no Brasil, onde tem sido conferencistas em diferentes universidades.

Dia 5, das 18h30 às 21h, dia 6, das 15h às 18h. Na Casa da Achada.


Publicado por [Dallas] às 09:45 PM | Comentários (8)

março 03, 2010

A memória é fodida, com uma vénia à Ana Matos Pires

Anonimato.jpg

Felizmente há quem tenha boa memória. O mesmo "jornalista" que bufou o nome do blogger do jumento, já antes se tinha congratulado com o facto de as autoridades norte-americanas não terem fornecido os dados necessários à identificação do mesmo. Continuo com dúvidas sobre quem é o jumento nesta história. E acho que preferia identificar-me já do que um dia servir para vender jornais.

Publicado por [Chuckie Egg] às 02:59 PM | Comentários (24)

Precários

chaplin-charlie-modern-times.jpg

Começaram as assembleias do Mayday Lisboa, hoje é a 2ª na morada abaixo. Continuamos convictos que o Dallas ainda vai aparecer.

4ª feira, 3 de Março, às 21h
Associação de Residentes de Telheiras
Rua Professor Mário Chico, nº 5

"No fundo, a apropriação da máquina produtiva do estado já foi feita e não foi pelas pessoas mas sim pelas grandes empresas. Eles já mandam mais do que qualquer governo pois mantêm o desemprego no “nível certo” da curva. Os governos são hoje meros intermediários entre o patronato e o trabalhador que se limitam a fingir que estabelecem as tais regras de mediação quando a verdade é que estão reféns da acção das empresas em todos os âmbitos, até mesmo no da formação profissional onde o estado está subjugado à tarefa de arranjar os “números” que eles querem com as apetências que eles precisam. Hoje em dia, é o rato que escolhe o queijo que quer comer e ainda nos manda a nós ir ordenhar a vaca."

Publicado por [Chuckie Egg] às 02:27 PM | Comentários (0)

março 02, 2010

Com aqueles defeitos todos


No sábado, o I resolveu inquirir 50 «personalidades» acerca da confiança que depositam em Sócrates. Algumas das respostas são previsíveis, mas outras revelam-se autênticas pérolas.
João Rendeiro, o homem que dirigia o Banco Privado Português, não confia em Sócrates porque "Tudo o que tem vindo a público leva-me a concluir que não posso confiar nele nem na avaliação que faz das situações.”
Manuel João Ramos teve o seu momento Mário Crespo, revelando ter recebido ameaças do governo depois de ter denunciado o facto de Manuel Pinho ter sido apanhado em excesso de velocidade na auto-estrada.
Ana Bola revela-nos que só confia "nos (poucos) amigos, na família e principalmente nos meus cães."
Francisco Van Zeller confia "com todas as reservas possíveis. Mas se não fosse a situação do país, diria que não.”
João Berardo invoca o altíssimo para proteger o querido líder: “Deus lhe dê forças para continuar o trabalho que está a fazer."
E finalmente, o fogo amigo. Octávio Machado, agricultor de Palmela, ex-treinador de futebol e, sucessivamente, homem de mão e inimigo de morte de Pinto da Costa, acredita em Sócrates "porque ninguém chega a primeiro-ministro com aqueles defeitos todos. Há um grande exagero em tudo o que se tem dito nestes últimos meses.”

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:23 PM | Comentários (2)

"Apenas os delatores são boa gente"

agentepide.jpg

O jumento foi xibado

Publicado por [Chuckie Egg] às 01:06 PM | Comentários (3)

Medo

Uma das maiores consultoras do mundo em segurança apresenta hoje, pela segunda vez, os resultados de um inquérito à população sobre o sentimento de insegurança no país.

As conclusões do estudo feito, que vão ser apresentadas hoje à tarde, numa cerimónia onde estará o Director-Geral da Administração interna e outras altas figuras da Administração, revelam que o número de defensores da videovigilância tem aumentado a par do sentimento de insegurança. Todos os orgãos de comunicação social falam hoje do aumento da insegurança e está quase a começar um "fórum TSF" sobre o tema, o que deve ser bonito...

No entanto, para mim, o mais interessante sobre este "barómetro sobre segurança, protecção de dados e privacidade", são duas coisas:

Por um lado ficar mais uma vez claro que a "insegurança" não tem tanto a ver com as condições concretas de segurança ou criminalidade de um determinado lugar mas mais com uma percepção puramente psicológica e subjectiva. A 3ª cidade mais insegura é Viseu!!!??

Por outro lado, ver como esta empresa a "Fire&Security", trabalha tão bem e consegue relacionar-se com tanta facilidade e sucesso com o poder, nomeadamente o 4º poder...

Publicado por [Saboteur] às 10:25 AM | Comentários (11)

A mentira (à portuguesa)

untitled.jpg

De acordo com a ala menos à direita da união nacional, a greve geral decretada pela CGTP constitui o reflexo de uma cultura de "ampliação da luta". Daí, segundo a mesma, a taxa de sindicalização em Portugal ser das menores da Europa. Ora, se consultarmos o mais que insuspeito Livro Verde de Relações Laborais, publicado em 2006, constatamos exactamente o contrário. Como se pode ler na sua página 173, “Com todas as ressalvas acima mencionadas, parece dever concluir-se que os indicadores analisados são compatíveis com uma conflitualidade laboral explicitada pela realização de greves, comparativamente baixa quando confrontada com a generalidade dos países comunitários”. Na página 172, podemos observar um gráfico aonde figuram os números relativos aos dias de trabalho perdidos por conflito laboral por mil trabalhadores (2000-2004). Portugal encontra-se abaixo da média europeia, com apenas 18 dias perdidos. Acima da média europeia, encontramos países como a França (40 dias), a Finlândia (perto de 50), ou a Noruega (mais de 70 dias perdidos em greve). Podemos assim concluir que quanto maior for a conflitualidade laboral, maior será o nível de vida dos trabalhadores.

Publicado por [Dallas] às 12:37 AM | Comentários (3)

março 01, 2010

A tese de Jardim

Publicado por [Saboteur] às 09:35 PM | Comentários (1)

«Há males que vêm por bem»

«Há males que vêm por bem», como disse Alberto João Jardim, quando se referiu às «óptimas relações» que mantém hoje em dia com o Governo da República e com o Primeiro-Ministro.

A palavra de ordem é "reconstrução" e todos estão a competir para ver quem é que é mais solidário com a Madeira e quem dá mais para a reconstrução das infraestruturas madeirenses. A bancada do PCP já apresentou propostas de transferência de verbas e o PSD, sempre mais amigo da iniciativa privada e do empreendedorismo, entregou uma proposta que dispensa a fiscalização prévia do Tribunal de Contas para obras de reconstrução.

Enquanto isso, alguns poucos - sobretudo na net - vão dizendo que tudo isto era previsível, que é preciso aprender com os erros, que a ilha não aguenta com mais construção, com mais parques subterrâneos, com mais ribeiras encanadas, com mais túneis, auto-estradas e vias-rápidas "que possibilitam atravessar a ilha em 20 minutos" (dizia ontem um madeirense orgulhoso)...

Sendo óbvio que a Madeira necessita hoje de mais financiamento público do que há 1 mês atrás, esta era uma boa oportunidade para repensar a nossa estratégia de desenvolvimento naquela região, um dos territórios portugueses com o PIB per capita mais elevado, mas em que as condições ambientais, sociais e económicas do povo são mais parecidas com as da Roménia nos anos 80...

Era uma boa oportunidade, mas que vai ser perdida. Tudo como antes e Alberto João já disse ontem à TVI que provavelmente lá teria de se candidatar novamente em 2011 para reconstruir a ilha.

Publicado por [Saboteur] às 02:13 PM | Comentários (3)