« Mais um Fórum TSF | Entrada | Godinho, Fausto e Zé Mário ou de como a ganância de alguns outros pode deitar tudo a perder »

outubro 21, 2009

O "Zé da Messa"

No dia 28 de Outubro de 1989, um bando nazi de cabeças-rapadas assassinava José Carvalho à porta da sede do PSR, onde decorria um concerto antimilitarista. José Carvalho - o "Zé da Messa", como era conhecido por todos - fez parte da Comissão de Trabalhadores da Messa, a empresa de máquinas de escrever que em tempos foi o maior empregador no concelho de Sintra, com mais de mil e quinhentos trabalhadores. Em 1985 fechou portas, deixando centenas de pessoas com salários em atraso. Nos anos seguintes, o Zé da Messa foi um dos activistas que organizaram a luta pelos direitos destes trabalhadores.
Dirigente do PSR desde o fim dos anos 70, José Carvalho foi um dos impulsionadores do trabalho antimilitarista do partido, após ter participado nos SUV - Soldados Unidos Vencerão, um movimento de militares pela democracia nos quartéis constituído em 1975. Doze anos mais tarde, foi um dos responsáveis pela organização dos concertos do bar das Palmeiras, que envolveu dezenas de bandas rock contra o serviço militar obrigatório. Foi num destes concertos que viria a ser assassinado pela extrema-direita.
Vinte anos depois, a Associação Política Socialista Revolucionária organiza uma festa/concerto de homenagem a José Carvalho, com seis bandas rock e um vídeo evocativo do Zé da Messa.
A festa/concerto terá lugar no dia 30 de Outubro, na Caixa Económica Operária, em Lisboa, a partir das 21h30, com as bandas Albert Fish, Ex-Votos, Dalailume, Revolta, Gazua e Peste & Sida.

Publicado por [Rick Dangerous] às outubro 21, 2009 05:49 PM

Comentários

ele há coisas...
eu não o conheci e na única vez que falei com alguém "do meio" sobre o assassinato disseram-me que os skins também o elegeram como alvo porque ele era gay.
Talvez esta minibiografia política pudesse referir isso?

Publicado por [renegade] às outubro 21, 2009 06:20 PM

que ele seria gay foi-me dito por essa pessoa. não faço ideia se era ou não e se de facto os skins o mataram (também) por isso.

Publicado por [renegade] às outubro 21, 2009 06:24 PM

Podiamos era matar uns skins na sexta no dia do concerto. Olho por olho, dente por dente. Seria algo à Aldo Raine

Publicado por [Fuser] às outubro 21, 2009 07:37 PM

É tão fácil catar-te o estilo, senão repara:

"é uma tarefa árdua e arriscada (...)

um mistério embrulhado no papel pardo da intriga (...)

esta história teve o inestimável mérito de trazer à boca de cena personagens(...)"

and so on, and so on. No hard fellings: era a tua opinião. Não te ficava era mal dares a cara pelo que escreves.

Tchau!

Publicado por [Anónimo] às outubro 21, 2009 08:05 PM

Isto é só dia 30, Rick. A divulgar já?

Publicado por [Anónimo] às outubro 21, 2009 08:21 PM

renegade: também nunca o conheci, mas sei que aconteceu o Ze Carvalho estar à porta das palmeiras no momento em que se deu o ataque. Como ainda não se tem "gay" tatuado na testa duvido q tenha sido isso a levar os skins escolhê-lo como alvo.

mas numa coisa o teu revisionismo histórico tem razão: naquela noite, todos os gays (e anti-fascistas e anti-racistas e...) foram alvos dos skins. kudos ao ricky por fazer circular o anúncio.

Publicado por [dotempoemqapsreraopsr] às outubro 21, 2009 09:35 PM

se não era, não era. tudo ok.
se era e isso não teve importância, tudo ok também.
revisionismo histórico seria se o tivesse afirmado com certezas, com provas, e com vontade de fazer valer essa revisão da biografia do morto. como não afirmei nada disso acho que cai mal o epíteto, apesar de não ter nada contra a ideia de revisionismo histórico, antes pelo contrário!

é no meu último dia de trabalho antes de férias, devo lá dar um salto.

Publicado por [renegade] às outubro 22, 2009 12:19 AM

O DN tem um dossier especial sobre a extrema direita, começa exactamente no assassinato de josé carvalho:

dn.sapo.pt/especiais/especial.aspx?especial=Extrema%20Direita&seccao=Sociedade

há todo um historial a não esquecer.

Publicado por [Chuckie Egg] às outubro 22, 2009 11:57 AM

não esquecemos nem perdoamos

Publicado por [anon] às outubro 22, 2009 11:32 PM

Este cartaz é especialmente bonito e fica tão bem colado pela cidade

Publicado por [Jó] às outubro 28, 2009 11:25 AM

Revisionismo e pensamento reaccionário é tentar ocultar esse facto. Era de facto gay e companheiro do camarada Falcão.

Publicado por [Somos tod@s anónim@s] às novembro 4, 2009 04:15 AM

atneniorevorte - April 11, 2011 Sin duda, preciosa carta que nos da un testimonio mas del gran legado de amor y amistad que ha dejado nuestro Victor a su paso .y asi sera ..hasta que tarde o temprano vuelva a abrazar a mi hermano Victor y estemos eternamente unidos ..

Publicado por [Utku] às fevereiro 25, 2012 03:47 AM

Comente




Recordar-me?

(pode usar HTML tags)