« Humor jesuíta | Entrada | Activistas 'Verde Eufémia' arriscam cadeia »

outubro 27, 2009

O caso da Fleximol


"O caso da Fleximol (nome singularmente adequado) não é único e é revelador. Os direitos do trabalho não dizem respeito apenas à esfera da vida na empresa. São uma condição de democracia. Cada situação como a da Fleximol, "ensina" aos trabalhadores que as liberdades de expressão e de associação não são para todos e que quem se equivocar a esse respeito, sabe onde é a porta da rua. O que fará a próxima Ministra do Trabalho, que diz que é sindicalista, a este respeito?"
O nosso pequeno-grande deputado ribatejano (não estou a brincar) já começou a dar-lhes trabalho. Nada como uma viagenzinha à Albânia para os tornar produtivos.
A camarilha que se insurge contra a impunidade, de cada vez que um grupo de jovens incendeia caixotes de lixo no seu bairro social, guarda silêncio quando a ilegalidade tem por trás uma conselho de administração. Acham estranho e anacrónico que 20% do eleitorado vote à esquerda do PS. E não percebem que, se anacronismo existe, ele está quase todo do lado do patronato. Incluindo os micro-nano-pequenos-e-médios empresários. A economia de que eles se fizeram ideólogos é isto mesmo. Um enorme buraco negro dos direitos laborais.
Ao jovem Gusmão apenas faltou colocar a coisa noutros termos. Não se trata tanto de saber o que fará a nova ministra do trabalho, mas muito mais do que farão os trabalhadores da empresa. Como dizia o camarada Álvaro, «se a reacção arreganhar os dentes, é preciso parti-los antes que morda».

Publicado por [Rick Dangerous] às outubro 27, 2009 03:41 PM

Comentários

(-. um sportinguista vestido de encarnado

Publicado por [dan] às outubro 27, 2009 04:26 PM

Dissseram-me que tinhas apoiado o antónio costa e não queria acreditar, mas é tudo verdade!!! Como foi possível ricky? Ofereceram-te algum tacho ou bateste com os cornos?

Publicado por [Anónimo] às outubro 27, 2009 04:55 PM

Não é verdade. Não apoiei nem votei nele. Informaram-te mal. Limito-me a dizer que fico satisfeito com a sua vitória, uma vez que a alternativa era Santana Lopes. Não é bem a mesma coisa, certo?
Mas ofereceram-me mesmo um tacho, de aço inolvidável, feito na China. E eu bati com os cornos nele. Os teus cornos, evidentemente.

Publicado por [Rick Dangerous] às outubro 27, 2009 04:58 PM

O que é aço inolvidável?

Publicado por [Anónimo] às outubro 27, 2009 06:18 PM

"pequeno grande" deputado!?!
Essas boquinhas só te ficam mal, bem pior do que as 150 toneladas do teu lombo.
Mas ainda bem que ficaste contente com os resultados do Costa/Mota Engil: se ficasses contente com bons resultados do bloco ou da cdu é que se estranhava.
E viva o "autonomismo", não é?
Julguei-te mais do que o arrivista que revelas ser.
como é aquel ditado?
"diz-me com quem andas"

Publicado por [Anónimo] às outubro 27, 2009 06:41 PM

Não é isso, tu não tás é a ver bem. O costa é anti autoritário e é revolucionário, meu.
A malta éque anda toda enganada.
...
A vergonha é essa apoiaste o costa, ñ votaste pq ñ és de lx. mas apoiaste o costa é a bancarrota e a vergonha. gd antagonista

Publicado por [Anónimo] às outubro 27, 2009 06:57 PM

essa de apoiar o costa por causa do santana faz lembrar aquela história do paneleiro que fazia broches para não lhe irem ao cu.

Publicado por [Anónimo] às outubro 27, 2009 08:11 PM

A china explora, o costa liberta.

Publicado por [Anónimo] às outubro 27, 2009 09:08 PM

Lehman Brothers & Spectrum= a BANCARROTA

Publicado por [Anónimo] às outubro 27, 2009 11:12 PM

qué isto, abriram a porta do manicómio outra vez?

Publicado por [renegade] às outubro 28, 2009 12:21 AM

Eu creio que aqueles que vão fazendo as suas reflexões políticas na base da partidarite e na simbologia acabam mesmo assim: China, comunismo, bandeira vermelha = bom. Costa, PS = mal. Claro que quem foge a esta lógica e tem um pensamento um bocadinho mais elaborado, só pode ser das forças do mal. Está em transito para o PS, vai ter um tacho, etc... seja ele o Saramago, o Boaventura ou o Rick Dangerous que se limitou, a dizer que preferia Costa a Santana e a criticar a campanha do BE.

"O problema está nas políticas", é capaz de dizer um mais afoito. Mas o que é certo é que não se arranjam nas políticas exemplos da tal suposta semelhança entre Costa e Santana (que a alegoria do paneleiro aponta). Pelo contrário, encontram-se é sobretudo diferenças, enquanto, as semelhanças, são com as políticas locais propostas pelo PCP e pelo BE. ...A confusão está então tão instalada entre os camaradas que é vê-los a renegarem o seu próprio programa (já aqui vimos, no que diz respeito à mobilidade sustentável, por exemplo), só pela necessidade que têm de negar a política do executivo da CML.

Enfim... Mas deixemos esse assunto.

Como diz o João Semedo no seu artigo no esquerda.net "mais cedo ou mais tarde, quando a maioria de António Costa começar a tomar decisões, esquecendo os cidadãos e cedendo aos grandes interesses" havemos de fazer mais posts sobre o assunto.

Até lá, o que nos vale é que vamos tendo cidades, como Almada ou Salvaterra, em que os jardins são sempre verdes, os municipes nunca se queixam e a pedeonalização das ruas e a implementação de bicicletas são verdadeiramente de esquerda.

Publicado por [Saboteur] às outubro 28, 2009 01:28 AM

Eu não conheço o J Semedo de lado nenhum mas parece-me particularmente infeliz essa frase (que li há pouco num mail q me enviaram da corrente manifesto do BE. Por acaso passei os olhos nesse trecho e cheirou-me logo mal, especialmente porque, se bem me lembro, essa frase serve para justificar retrospectivamente a merda de política autárquica do Bloco de Esquerda em Lisboa). E havia outra frase inenarrável...esta: "O que dividiu a esquerda em Lisboa não foi o maior ou menor impulso ou contributo para a convergência. Foi, sim, entre os que se batem por uma convergência com programa e aqueles cujo programa se esgota na própria convergência. Os primeiros não sacrificam o programa à convergência, os segundos não condicionam a convergência ao programa. O Bloco esteve entre os primeiros e escolheu bem."...

Todo um proograma, este J Semedo.

Publicado por [renegade] às outubro 28, 2009 02:16 AM

A convergência devia ter existido como é obvio, mas entre o PC e o Bloco, nunca com o Costa e a Mota Engil. O bloco deve ser criticado por não ter feito essa convergencia com o PC, já quanto ao Costa/Mota Engil discordo.
Mas como já disse, aguardo pacientemente as medidas de esquerda e o fim dos interesses que bloqueiam Lisboa (não era o que o Zé dizia?)nos proximos 4 anos...é que tenho a certeza que vai ser uma governação à esquerda.
Oh sabouteur para quem criticava tanto a roseta,fizeste grande campanha tentando ridiculariza-la, agora tens andado bem calminho.
E sabouteur, já sei que tens espirito aberto e que os "outros" é que são uma carneirada, peço-te que discutas politica e caga lá nessa tua mania de que és mais que os outros e que pensas pela tua cabeça etc
Em relação ao Rick, a estoria é caricata, e ele não precisa que o defendas Sabouteur. Sobre ti todos sabemos que és social democrata, em relação ao Rick ele apresenta-se como anti autoritario?????, autonomo????, faz um discurso de pseudo revolucionario, mas depois na pratica vê-se.
Se queres que te diga "Assim se vê", acredito que a pressão de se inserir no meio pseudo intelectual/comentador/blogger/pós moderno faça com que se tenha que rever a politica que se defende.
Voçês basicamente não passam dos vaidosos, façam este exercicio leiam o que escreveram ha 5 anos e oque agora escrevem, uma coisa é evoluir e tornar o discurso mais elaborado outra é ir mudando paulatinamente de posiçionamento politico sem o admitir.
Faço a ressalva que o Sabouteur ao menos é coerente é daqueles que nunca se fez passar por revolucionario (embora mude de opinião relativamente à roseta).

Publicado por [Bertinoti] às outubro 28, 2009 10:58 AM

Bertinoti: sou no blog o que mais política contigo debate (dentro das minhas limitações, claro) e até não devia ser, como bem sabes... Sobre lisboa já estou um pouco farto do tema, mas havemos de voltar a ele logo que haja novidades escaldantes a originar comunicados partidários e artigos de opinião no JN, tipo umas vacas a pastar na Praça de Espanha.

Sobre a Roseta, também aí andas mal informado. Ainda tive esperanças que o Sócrates a chamasse para ministra da participação e da cidadania, mas tivémos azar. Mesmo durante a a campanha fiz posts sobre o assunto, o que até me deu direito a um miminho de um comentador anónimo que era mais ou menos assim: "Ou estás com dor de cotovelo por o Zé não ter destaque ou estás a arranjar é pretextos para te pirares da câmara, meu malandro".

Publicado por [Saboteur] às outubro 28, 2009 11:25 AM

Vai mas é andar de bicicleta e abate tu também umas banhas Sabouter

Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 02:07 PM

Isto vai amigos, isto vai. Parece que os capitalistas desistiram. Só isso explica que tantos anti-capitalistas tenham vindo acampar na caixa de comentários do spectrum.
Caro Bertinotti, lamento constatar que és tão imbecil como o teu nick sugere. Que parte não compreendes? Eu prefiro que tenha ganho o Costa a que ganhasse o Santana. Não apoio, não votei, não espero dele nada de mais, só o mínimo indispensável. Que pague a tempo e horas aos funcionários e fornecedores, que as obras não fiquem paradas 4 anos (S. Pedro de Alcântara) e que a cidade não se torne o cenário para o presidente da câmara «fazer obra». E penso isso há mais de cinco anos, pelo que a coerência não é propriamente para aqui chamada.
Podíamos falar da Okupa da Praça de Espanha e de como ela foi informalmente aceite por João Soares e desalojada por Santana Lopes. Ou a do Passadiço, desalojada de madrugada durante o mandato de Carmona Rodrigues. Mas isso daria a entender que eu acho que os espaços ocupados só sobrevivem caso a autarquia seja de esquerda, o que não é o caso. Todavia, parece que esse não é um factor completamente indiferente.
Sou efectivamente vaidoso, petulante, orgulhoso e arrogante. Poderia continuar - a lista dos meus defeitos é vasta.
Noto que a tua reflexão política não ultrapassa as alianças políticas do bloco para a CML. Cada um se contenta com aquilo que pode. Deves estar a fazer alguma confusão. Nunca me passou pela cabela que ser «radical» ou «autónomo» ou qualquer uma dessas categorias, correspondesse a ignorar a importância que pode ter uma determinada correlação de forças. Incluindo a que resulta das eleições autárquicas.
Eu simplesmente não acho que a política comece e acabe num voto, nem me parece evidente que votar seja sempre uma boa opção. Igualmente não me passa pela cabeça afirmar exactamente o contrário.
Vou-te sussurrar um segredo que porventura te surpreenderá: isto não é uma capelinha nem uma seita como aquelas em que tu «militas» e em que o pessoal repete ladaínhas atrás de ladaínhas.
Isto é um spectrum. Lutas de classes e outros jogos de plataformas.
Veste uma camisola interior senão ainda te constipas.

Publicado por [Rick Dangerous] às outubro 28, 2009 02:25 PM

Ui que o Rick irritou-se, mas é natural pois um homem mesmo que da tua envergadura não aguenta tanto ataque.
Quando dizes que preferes que o Costa ganhe ao Santana, acaba por ser um apoio, tal como o teu colega Daniel Oliveira.
Quando dizes que preferes que o Costa ganhe e escreves post´s sobre isso, se não é um apoio é o que???
Sobre casas ocupadas nem sequer vou comentar. Relativamente ao mandato do João Soares havia muita coisa a dizer, começando pela Bragaparques e passando pelas dividas que ele deixou na camara.
Logo não acredito que a governação do Costa seja de esquera e contra os interesses ( à la provedor dos cidadãos).
Mas cá estaremos, para irmos vendo a evolução da governação do menino Costa.
Em relação à minha reflexão politica, tenho-te a dizer que a tua é muito melhor de longe, ou não escrevesses e vivesses do que escreves. A questão é se a tua reflexão politica sendo tão pluralista, tão pós moderna e tão profunda consegue transpor para a pratica ou para a realidade qualquer coisa de concreto que não seja mandar postas de pescada para o ar em todas as direcções.
Sem duvida que assim, é muito mais facil fazer reflexão politica de outro tipo, com outra qualidade,aberta, arejada,abrangente, moderna e que rompa com as reflexões que se fazem em seitas.
E por ultimo as ladainhas, essas são aquelas que tu apregoas, que captaste na tua aventura por Italia baseada em Negri e outros tantos.
Repara lá, o Negri só diz modernidades e os outros dizem ladainhas...de facto tu és um caso sério...vais chegar longe rapaz...já te vejo a escrever ao lado do rui tavares e do daniel oliveira (gajos que tanto criticas, mas é só inveja né?)
Abraço fraterno camarada

Publicado por [Bertinoti] às outubro 28, 2009 03:03 PM

O spectrum foi, do princípio ao fim, um blog de apoio ao António Costa pela mão do saboteur.

Não queimem só o ricky. Este apenas espreita ;-)

Pelo post do mesmo ricky na noite eleitoral autárquica, também ficámos a saber como ele ficou todo contente pela eleição de + 1 deputado do PS em Setúbal, ao invés da eleição do 3º deputado bloquista: deve estar à espera do "mínimo".

Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 03:25 PM

Ó juventude, expliquem como se eu fosse muito estúpido: apoiar a lista PS+Roseta+Sá Fernandes em Lisboa é pecado? Segunda pergunta: qual era a linha justa e porquê?

Ignoro, mas têm toda a pinta de militantes de partidos com a tesão do mijo. Haver pessoal que joga por fora faz-vos muita confusão, não é?

Publicado por [renegade] às outubro 28, 2009 03:58 PM

afinal o spectrum é um blogue que se revê na ideologia do centrão burguês capitalista.

Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 04:01 PM

Querido Spectrum,


o dia correu com normalidade...

depois de um serão a preparar roupas e comidas para o dia de hoje, acordei às 6h com o despertador a gritar nos meus ouvidos e pulei da cama, já é automático... sinto sempre a tentação de ficar mais 5 minutinhos, mas é impossível: a máquina do tempo nunca pára em meu proveito... Liguei a luz, porque àquelas horas o sol ainda não deu “o ar da sua graça” e apressei-me para a casa de banho, ainda meio estremunhada. Higiene concluída, começou a rotina diária... acordei os miúdos, que como sempre, apesar de já terem 6 anos, demoraram uma eternidade e dei-lhes o pequeno almoço. Enfiei-os debaixo do guarda-chuva e despedi-me deles à entrada da porta de casa, na esperança que tivessem um bom dia (gostaria de deixá-los na escola, de carro, quentinhos, mas mais uma vez, a realidade não o permitiu...). Preparei o pequeno almoço do António e fui a correr acordá-lo, ele trabalha na Auto-Europa, e depois de uns dias de lay-off foi chamado novamente. Ainda bem que foi hoje finalmente, já não aguentava o seu mau humor! Depois de tudo isto já olhei o relógio e marcavam 7h30. Saí de casa às 7h35 para apanhar o comboio das 7h45... não foi fácil, a essa hora somos muitos trabalhadores dos subúrbios e normalmente atropelamo-nos uns aos outros (parecemos os vagões de multidão a caminho dos campos de concentração...) Porra! Hoje cheguei a ter a mão de um desconhecido a tocar-me no seio! Fui trabalhar para o meu lugar habitual no call-center, a ouvir gente de todo o lado, reclamações, gente mal educada, até me doerem as costas e a cabeça e pedir à minha chefe uma pausa (já que a bexiga não aguentava mais e essa não espera...) que me foi negada, porque havia muita gente a ligar nesse momento. Claro que não pude reclamar, aguentei sujeita a uma infecção urinária e enfiei um pacote de açúcar na boca para não ter uma quebra de tensão, já que já lá vão 4 horas sem comer.. foi assim o dia todo, tirando o tempinho para o almoço...Hum... soube-me mesmo bem aquele bacalhau de ontem... Caos instalado nestes dias de chuva, fui buscar os miúdos a casa da minha mãe (felizmente ela ainda pode ficar com eles...) e cheguei a casa às 19h30... Mais uma rotina: fazer o jantar, arrumar a cozinha e preparar as roupas e comidas do dia seguinte... chamam a isto a dupla jornada, aqueles que se dizem seres pensantes. Eu não sei se é este o nome, mas sei que quando vou dormir o cansaço é tanto que perco a vontade de fazer amor e sinto os anos a passarem pelo corpo e pela mente, essa que já não trabalha sem a ajuda de um prozac. Estou cansada.

Anónima que pode ser tantas outras, operadora de call-center ou quiçá a empregada de limpeza que nos varre o chão.


Camaradas do blog spectrum,
Pois é, não serão concerteza o Santana Lopes ou o António Costa que irão alterar estas e outras realidades diárias. Também não será concerteza este sistema em que vivemos. Muito menos uma pseudo-vanguarda que esgota a sua intervenção na net!
É preciso que se perceba que a tomada de poder por forças com algumas políticas mais à esquerda é progressista (eu não sou adepta da teoria do quanto pior melhor...), mas isso nunca será suficiente. Só quando estes anónimos tomarem consciência do seu papel histórico haverá uma reviravolta. E esta não é uma ladainha, é uma constatação feita por seres muito mais pensantes que nós e que chegaram já lá vai um tempinho... A reacção diz que estão velhos,a realidade objectiva mostra que estão cada vez mais actuais. Por isso, até podem vir muitos Costas em vez de Santanas, mas na realidade destes anónimos quase nada se alterará, a não ser possivelmente um banco mais confortável no transporte público no caminho de casa.
Ah, desculpem ter sido tão longa...

Publicado por [Anónima que pode ser tantas outras, operadora de call-center ou quiçá a empregada de limpeza que nos] às outubro 28, 2009 05:04 PM

Bertinotti, és incorrigivelmente parvo. Eu não tenho nada contra ou a favor do Negri e não tenho seguramente a culpa de tu considerares que vêm dali todas as ideias e reflexões que te escapam. Nota como chamas pós-moderno a tudo o que te faz confusão e ultrapassa o axioma de que a revolução depende da existência de um partido revolucionário, de uma direcção e de um programa de transição. Tu não falas nem escreves - declamas.
Vivo do que escrevo, o que significa que vivo do meu trabalho. E assim é há já algum tempo. Nem todos podemos ter uns pais endinheirados para sustentar a nossa militância. Vê se cresces e apareces. Por sinal, em termos de experiências laborais, tenho sérias dúvidas que me possas dar grandes lições.
Estás tão compenetrado em colar-me ao Daniel Oliveira e ao Rui Tavares que suportas mal os factos. E os factos, neste caso, dizem que eu não apoiei nem «acabei por apoiar» quem quer que fosse. Podes cuspir para o ar, dar a cambalhota e pintar a cara de merda, mas não vais conseguir alterar isso.
Eu. Não. Apoiei. Qualquer. Candidato.
Da minha prática não me parece que estejas em condição de ajuizar. O que é que sabes dela, exactamente? Uma coisa te garanto - não preciso de me esconder atrás de uma militância frenética para compensar a minha miséria existencial. E recuso a disponibilidade para o sacrifício e para o martírio que para ti é condição essencial para vir a «conduzir» a revolução.
Cara anónima operadora de call-center. Been there and done that (exceptuando o marido na auto-europa e os filhos na escola). Pego numa frase tua: "Só quando estes anónimos tomarem consciência do seu papel histórico haverá uma reviravolta." Subscrevo-a inteiramente, mas faço-te notar que ela é apenas o princípio e de forma alguma o fim do problema. Ninguém aqui «esgota a sua intervenção na net». A não ser, claro está, alguns locatários das caixas de comentários.
Volta sempre.

Publicado por [Rick Dangerous] às outubro 28, 2009 05:34 PM

Oh anónima, estou apaixonado por ti! Engulam meninos do spectrum

Publicado por [Bertinoti] às outubro 28, 2009 05:38 PM

Anónimo das 3h25 (o que se queixa de o BE não ter conseguido eleger 3 deputados em setubal) diz:

«O spectrum foi, do princípio ao fim, um blog de apoio ao António Costa pela mão do saboteur»

Parole, parole, parole: Aponta lá um exemplo concreto. ...E se é para demonstrares com todo esplendor a cegueira política que é confundir um post de crítica ao Santana com um de apoio ao Costa, mas vale é não dizeres nada.

Quanto ao comentário da "anónima que pode ser tantas outras..." eu diria que um ponto partida importante é perceber realmente que que a Administração Local não tem as alavancas do poder para alterar o sistema. Agora, tem algum poder efectivo, nomeadamente em áreas que interferem com questões mais práticas e concretas do nosso quotidiano: espaço público, apoio a iniciativas e a associativismo local, cultura, mobilidade, higiene urbana... Vamos negligencia-lo? vamos abdicar dele? Esse é um debate complexo e antigo e que não se faz só no spectrum.

Publicado por [saboteur] às outubro 28, 2009 05:54 PM

Rick já te avisei ha bocado para não te enervares.
Mas tenho que te agradecer, passei a saber que declamo e não escrevo, ao contrario de ti, que como é sabido originalmente escreves e descobres todos os dias a roda.

"Nem todos podemos ter uns pais endinheirados para sustentar a nossa militância. Vê se cresces e apareces. Por sinal, em termos de experiências laborais, tenho sérias dúvidas que me possas dar grandes lições."

Olha aqui não leves a mal, mas enganste-te. Nem os meus pais vivem no concelho com mais licenciados do pais,nem fiz mestrado à custa dos meus pais (alias não o fiz).
Mas digo-te que foi uma boa tentativa esta tua posta para o ar, podia ter colado, mas não colou.
Infelizmente nem fiz eramus em italia, coisa que não me importaria se tivesse esses tais pais endinheirados.

"não preciso de me esconder atrás de uma militância frenética para compensar a minha miséria existencial."

Claro que não, o que tu precisas é de escreveres muito em blogues para lá chegares, seja no público ou no I, tanto faz né?
Sobre a tua intervenção...não sei...fica para outra altura.

"a disponibilidade para o sacrifício e para o martírio que para ti é condição essencial para vir a «conduzir» a revolução."

AHAHAH, tens uma piadas mesmo boas. Tu não tens disponibilidade para sacrificio, nem para nada, a não ser para o teu grande EU, o teu Ego. Desde a altura que eras do PC, que tinhas o habito de colocar o teu Ego acima de qualquer discussão construtiva.
Sempre gostaste de ser o centro das atenções,eu de ti não conto com disponibilidade para nada, a não ser em proveito próprio e para a tua vaidade.

Por ultimo, porque já perdi muito tempo contigo hoje, e estou a trabalhar e não a fazer post´s em blogues, relembro-te que a minha discussão em relação às alianças da esquerda , e não como referiste do bloco, se devem a posições que o sabouteur tem tomado no blog.
Referi o teu nome, por desilução em teres "apoiado" ou "preferido" o Costa, nada mais, logo se não percebes a importancia da unidade da esquerda, não tenho muito a dizer sobre quem és e o que queres ser.

Bertinoti ( o parvo incorrigivel)
PS: Tenho a mesma opinião sobre o cabrão do bertinoti, foi parar ao Governo em Italia ;)

Publicado por [Bertinoti] às outubro 28, 2009 06:00 PM

Saboteur:

Exemplos de posts de apoio ao Costa? Basta ler as tuas postadas sobre a campanha autárquica!

Ah, espera! Se calhar há 2 sabouteurs e tu não és aquele que trabalha como acessor político para o António Costa via Sá Fernandes. O Zé faz falta? Para ti fez bastante.

Ricky: não apoias, mas ficas feliz. Claro!

Também não apoiaste o PS nas legislativas, mas ficaste feliz do Jorge Costa não ter sido eleito para termos lá mais um deputado PS. Claro! PS como partido mais votado no distrito de setúbal é um claro avanço da revolução. Pois.

Claro! É tudo como tu dizes e à falta de argumentos lá vem o insulto: "és estupido", "não compreendes", "falta-te inteligência"...

Em vez de falarem tanto nas ciclovias, mais valia que tu e o outro gordo pedalassem nas biclas a ver se perdiam peso. Mas não é "peso político": é mesmo daquele que se pesa em gramas - ou no vosso caso em toneladas.

Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 06:36 PM

Caro anónimo. Sou gordo, o Zé fez-me falta, trabalho como assessor político para o costa... E alguma coisa assim que pudesses dizer de jeito? Nem era preciso ser muito inteligente, podia ser assim uma ideiazinha pequenina... Por exemplo: podias agarrar num dos tais posts e depois dizias "eu na minha opinião acho que isto aquilo por causa de aqueloutro..."

Repara que depois não ficava tão ridículo dizeres "à falta de argumentos lá vem o insulto". Até porque

Publicado por [Saboteur] às outubro 28, 2009 06:59 PM

vá, não se excitem, estamos aqui claramente perante um ou dois jovenzinhos que têm ainda muita papa maizena para comer.

Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 07:38 PM

Saboteur:

Não te faças de parvo! Ideias por ideias, este post não trouxe nenhuma a não ser que o ricky inveja a pila grande e magnífica do Zé Guilherme. Quanto a ti, aparece na assembleia de aderentes do bloco este dia 3 de Novembro pra gente discutir a temática CML. Bloco de Esquerda, lembras-te?

Publicado por [Berlinguer] às outubro 28, 2009 07:52 PM

Dangerous:

não tens vocação sacrificial, dizes-nos. Odeias quem a tem e detestas a «miséria existencial» de quem «milita», carneirada acéfala e sem brilho, sem verdadeira vida, carneirada que não pensa nem escreve, apenas declama e bale ladaínhas. Folgo em saber que és muito feliz todos os dias, que todos os teus segundos são autênticas obras de arte. No fundo, a culpa da «miséria existencial» de cada um é uma culpa própria, não é?
Além de parvo, sabes?, és elitista e reaccionário. A tua marca inconfundível é radicalizares... o individualismo burguês, o niilismo aristocrático.
E és desonesto e ridículo, porque acabas por querer dar ares de alguém que fez grandes sacrifícios na vida. Falas do trabalho como um currículo de miséria a exibir para efeitos de autoridade. Não a tens, amigo. Complexos de equerda? Cresce e aparece.
Não só apoiaste como teceste loas à competência do Costa, isso está registado. Elogiaste o trabalho de pormenor, a atenção ao detalhe, o jardim, o estudo, o âmbito, o caroço da azeitona da tasca. Tudo para fugir à questão política de fundo. O Costa é do partido da guerra no Iraque e no Afeganistão, é do partido de Israel, é o braço político do patrão e do burguês. É uma opção legítima, mas é a tua opção. Ponto final.
Nunca mais aqui volto, para não dar importância ao que de facto não tem. Resta só dizer que, ao contrário do que sugeriu Bertinoti, és coerente. Entendes?


Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 07:55 PM

A pila do Zé Guilherme é magnifica????
...e grande também??????
Uau!

Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 08:10 PM

Noto, em algumas das críticas que aqui têm sido dirigidas ao Saboteur e ao Rick Dangerous, uma coisa que me irrita solenemente: alguns comentadores apresentam-se ao debate com um estatuto de alguém que é moralmente superior. Eles são 100% coerentes na sua actividade política, indefectíveis na defesa dos seus valores, radicais no pensamento, revolucionários em todos os momentos da sua existência, etc.
Para além de tudo o resto que se possa dizer sobre essa forma de estar na política, ela tem, regra geral, o efeito de tornar a discussão uma discussão sobre as qualidades ou defeitos pessoais. Daí que muitos dos "argumentos" que aqui foram esgrimidos contra o Saboteur e o Rick tenham sido a propósito do seu peso, das suas escolhas e actividades profissionais ou da história da sua intervenção política. Discutir as ideias ou as declarações em si mesmas, abstraindo de tudo o resto, é coisa que quem discute convencido da sua superioridade moral não consegue fazer.

Publicado por [BB] às outubro 28, 2009 08:49 PM

É triste... tinha-te em mais alta conta.
Da Ode a "Atenas a arder", passando pelo apoio ao PS de António Costa ficamos onde?

Este anarcó-reformismo enjoa-me profundamente... É pena, uns qts anarcas a sério até faziam falta... E umas acções "fora-do-baralho" só ajudam a ar cor à cena...Mas já percebi q n é por aqui que andam... Por aqui já não anda a Revolução...

Publicado por [Francisco] às outubro 28, 2009 09:06 PM

ó chico, mas a revolução com r grande anda em algum lado?! anda toda a gente nos ácidos ou quê?

Publicado por [Anónimo] às outubro 28, 2009 09:53 PM

A propósito (ou a despropósito) desta discussão, aqui vai um poema do meu mais recente livro, IMPERFEITA SABEDORIA.

COMPROMISSO HISTÓRICO

Só a poesia (ainda que em teoria)
Encena a obra plena:

Pum...Pum...

Mata o burguês e não sente remorso
Nem pena

Pergunta o tribunal:

Não se arrepende de fazer tanto mal?

Ó meretíssimo
Sinto uma sensação esquisita
Mas é grande o prazer
De despachar um parasita

Manuel Monteiro

Publicado por [Manuel Monteiro] às outubro 28, 2009 10:16 PM

Isto está bom.
Informo o Bertinoti que não fiz um mestrado nem um erasmus à custa dos meus pais. Não sei onde andavas na altura, mas se estivesses realmente interessado, poderias ter-me visto a fazer trabalhos tão fixes como carregar barrotes no sul de França, limpar discotecas, vender cerveja na rua ou atender telefonemas na vodafone.
O teu problema é que estás nisto apenas para justificar um qualquer ódio cujas razões, sinceramente, desconheço.
Só o meu ego? Só a minha vaidade e nada mais? Mas então não te parece que já passei por sítios e situações onde poderia esperar obter uma justa recompensa em proveito próprio e escolhi outra coisa? Pensa lá bem. Pareces ter o meu currículo em cima da mesa. Convido-te a pensar uns segundos se não seria bem mais conveniente para a minha carreira profissional militar no Bloco ou no PCP, dizer a coisa certa na altura certa e etc.?
Preciso da tua ajuda para me relembrares as discussões construtivas comprometidas pela minha vontade de protagonismo. Dá-me alguns exemplos.

Repara no teu raciocínio - Oeiras é o concelho com mais licenciados do país, logo, todos os seus habitantes são endinheirados. É mesmo só isto? Não te passa pela cabeça que por baixo dessa estatística há em Oeiras fundamentalmente as mesmas desigualdades e conflitos que em todo o lado? Ricos, pobres, remediados, enfim, tudo? Por sinal e durante os primeiros anos, era o concelho onde o teu partido obtinha as melhores votações.
Para quem me diz para não me enervar, pareces significativamente esquizo.

O anónimo das 7h55. Se queres discutir o que escrevi acerca do Costa, em pormenor, melhor será que o faças onde eu escrevi acerca do Costa. Por enquanto, apenas te digo que está registado e dali não vai sair, pelo que teremos todas as oportunidades para nos dedicarmos ao que efectivamente lá está. E não estão loas nem elogios, mas a manifestação de uma preferência. Eis o que lá está escrito:
"António Costa afirmou várias vezes uma ideia que me parece distanciá-lo efectivamente da candidatura de Santana Lopes, colocando na ordem do dia uma opção de fundo que a CDU e o Bloco se esforçaram em vão por contornar. Disse António Costa que Lisboa não necessitava de grandes obras que assegurassem a este ou aquele presidente um lugar cativo na história municipal, mas de um conjunto de pequenas intervenções que, no seu conjunto, tivessem um efeito global efectivo na vida dos lisboetas. Pode não o fazer, pode ser só campanha eleitoral, pode fazer todas as cedências e capitulações aos interesses, albergar casos de corrupção. Mas um mérito teve e esse é inegável. Havia na sua campanha e no seu projecto uma efectiva ideia do que são as competências e poderes da CML, as suas potencialidades e problemas, implicações e limitações. Se para nada mais servisse, só o facto de ter centrado o debate na ideia de que as grandes obras não são a condição de grandes cidades deu à sua campanha uma aparência de racionalidade e lógica que, espera-se, poderá durar até às próximas eleições."

Bom, aqui chegados podes sempre dizer que eu não critico o suficiente. Pois. Só que acontece que eu tenho posições bastante claras e que, imagino, tu conheces, acerca de questões como a guerra no afeganistão ou o Estado de Israel. E que nada disso dependia dos resultados das eleições autárquicas, nem sequer remotamente. Fico à espera que argumentes contra esta afirmação e que me expliques a relação entre essas coisas.
Prefiro uma cidade com jardins e transportes públicos a uma cidade com túneis e piscinas sem água. Não apoio nada, mas prefiro. E se votasse aqui, teria votado no que prefiro, um pouco como faço nas eleições para uma associação de estudantes ou para uma comissão de moradores. Simples não?
Parece-me que é de inteira conveniência afirmar que «apoiar» significa envolver-se de alguma maneira numa campanha, manifestar um apoio público antes das eleições, andar com um pin na lapela. Alguma coisa. E essa coisa nunca existiu. Um post a comentar os resultados e a partilhar um ponto de vista não é um apoio. Outras forças políticas existissem cuja perspectiva fosse governar a cidade mais à esquerda e o debate poderia ir um pouco mais longe. Infelizmente e como sabemos, não houve.
«O Costa é o braço político do patrão e do burgues». Não contesto, mas opto por alargar o alcance da tua afirmação. O Bloco foi o partido que, pela boca do seu dirigente francisco louçã, «condenou» a acção anti-transgénicos levada a cabo em Silves em 2007. E parece que agora alguns deles vão ser presos. Há coisas fantásticas, não há? Parece-te lícito considerar louçã o braço político da repressão e um guardião da propriedade?
No limite, todos os partidos que concorrem às eleições para «modernizar o pais», «apresentar soluções» ou «combater a crise» são o braço político do patrão e do burguês. Aliás, no limite, o sindicato que negoceia as condições em que os trabalhadores vendem a sua força de trabalho é o braço político do patrão e do burguês.
E, sendo assim, não se trata de considerar que são todos iguais (porque não são), mas de assumir em cada momento a posição táctica que melhor serve cada um dos nosso objectivos. Aliás, não sei se também tu militas no bloco de esquerda, mas seria bom que os seus aguerridos militantes que cá vêm chamar reformista a tudo o que mexe digam com alguma clareza se acham impossível qualquer aliança e coligação para governar lisboa com o PS. Reparem, eu estou-me um bocado a cagar para isso, mas um pouco de clareza serve a todos. O que eu oiço dizer a Louçã e a Fazenda é que «com este PS, alianças nem pensar». Mas então qual seria o PS com o qual se poderiam pensar alianças? O de Alegre e Roseta? Mas parece-vos que esses são menos o «braço político do patrão e do burguês» ou menos passíveis de apoiar uma invasão?
A parte séria do teu comentário parece-me ser a do elitismo e reaccionarismo. Nota como nisto, como em tudo o resto, treslês para encontrar no que eu escrevo aquilo que gostarias que eu tivesse escrito. Eu escrevi: "não preciso de me esconder atrás de uma militância frenética para compensar a minha miséria existencial." E tu concluis que eu afirmei que "a culpa da «miséria existencial» de cada um é uma culpa própria". O que, convenhamos, não estava lá, pois não? Nem sequer disse alguma vez que eu não partilhava essa «miséria existencial» (até lhe chamei «a minha miséria existencial»). Limito-me a dizer que não a procuro compensar através de uma identidade de militante que se sente muitissimo bem com a sua consciência por colar cartazes e distribuir panfletos e fazer propostas. Não é que não o faça (colar cartazes e distribuir panfletos), simplesmente nunca me passaria pela cabeça utilizar isso como um argumento a meu favor num debate, como fez Bertinotti alguns comentários acima. Em todo o caso, gosto da parte do niilismo aristocrático. Vou esforçar-me mais nesse sentido. Parece-me querer dizer que eu não partilho convosco a tranquilizadora certeza de estar do lado correcto da história, de não sonhar generosamente com amanhãs que cantam, de não saber ao certo o que aí vem. Não sei mesmo. Espero que o meu sangue tenha ficado um pouco mais azul por causa desta edificante troca de ideias.
Finalmente o Chico. Eu não sou anarquista. Eu nunca fui anarquista. E, portanto, não posso ser anarco-reformista. Bem sei que te venderam essa ideia, mas felizmente quem o fez ainda está a tentar perceber porque lhe escapou um lugar como deputado. É a vida. Espertalhões desse calibre vão ter que se esforçar mais. Que tu aches que a «Revolução» com um «R» maiúsculo passa pela militância num partido que defende polícias de proximidade é um pouco lamentável, mas ainda assim compreensível. Misérias da militância.
Vai haver na 6ª Feira um concerto em memória de um revolucionário assassinado por nazis. Boa ocasião para ires reler o programa do partido em que ele militava e compará-lo com o do teu. Também é com pena que o digo. Já agora, exemplo máximo de «acções fora do baralho para dar cor à cena» foi a pintura de uma casa devoluta com imagens ternurentas, efectuada pelos jovens do bloco por conta do Luís Fazenda. Ainda me lembro do slogan de 2001 do Miguel Portas - «ocupar lisboa». Mas então, porque é que não ocupam?

Publicado por [Rick Dangerous] às outubro 28, 2009 10:52 PM

Caro Berlinguer

Tu, na tua excitação com a pila do Zé Guilherme (da qual só me têm dito boas coisas), passas ao lado da questão quando me chamas de parvo.

Com calma, repara: Dizem-me que que só fiz posts de apoio ao Costa. Pergunto quais e respondem-me com calúnias. Faço notar que a mesma pessoa que insulta é a que se queixa que o Rick "não tem argumentos" e chama logo de estúpido. Tu respondes-me por ele a dizer que o post do Rick também não tem ideias e chamar-me de parvo.

Depois, chamas-me à atenção de que há uma assembleia do Bloco no dia 3. Desafias-me para debater lá, em ambiente de franca camaradagem e fraternidade, a questão da CML. Mas depois dizes "Bloco de Esquerda, lembras-te?", num tom como quem diz que me ando a esquecer dos meus deveres de militante.

Camarada Berlinguer: Como sabes fiz campanha pelo bloco nas europeias e nas legislativas. Já me devias conhecer o suficiente para saber que a falta de militancia não é um dos meus defeitos. Não fiz campanha nas autárquicas, é certo, mas também ninguém me pediu muito para participar. Aliás, havia mesmo muito a dizer sobre este tema... De qualquer das formas não te vi assim tão controleiro com os camaradas que se baldaram à campanha das autarquicas de 2007.

Sobre o pelenário de dia 3 ainda não me chegou nenhuma convocatória. Em prncípio tenho um jantar mas se conseguir desmarca-lo lá estarei com muito gosto.

Publicado por [Saboteur] às outubro 28, 2009 11:30 PM

Rick: O teu comentário é tão grande que assusta. Mas depois li-o todo. Muito bom. Parabéns. Não te deixes amedrontar com este pessoal.

Publicado por [Anónimo] às outubro 29, 2009 12:26 AM

Saboteur:

Andas tão obcecado com os "tamanhos das pilas" que nem percebes a metáfora... pois... continua a brincar com a régua. Mas já que és tão bom bloquista, acho que devias desmarcar o tal jantar e comparecer no plenário do BE Lisboa. Vai lá estar o Francisco Louçã e assim podes-lhe explicar as maravilhas da ciclovia. Que achas?

Quanto ao ricky... é como ele confessa a meio da sua nota política: vota no que prefere e como preferia o Costa ao Santana, se votasse em Lisboa, teria votado Costa. Opções de vida.

Agora, façam um favor à Esquerda e acabem de sair do armário

Publicado por [Berlinguer] às outubro 29, 2009 08:40 AM

Uf! Foi de grande fôlego, o comentário do nosso Ricky. E foi útil. Todo o seu oportunismo pequeno-burguês se viu confirmado, aprofundado e desenvolvido.
Obrigado!

Publicado por [Anónimo] às outubro 29, 2009 09:48 AM

Inolvidável, inovildável, pelos vistos, não é o aço chinês. São as deliciosas e muito subtis piruetas, cambalhotas, acrobacias, à volta das palavrinhas escolha, preferência e apoio. Rick, como estás dos rins? E a coluna, sócio?

Publicado por [Anónimo] às outubro 29, 2009 10:02 AM

Vai lá explicar ao louçã as ciclovias... ahahahaha!

Publicado por [Anónimo] às outubro 29, 2009 10:34 AM

o louçã é o paizinho espiritual? vai ralhar, é? o be mete nojo, burguesotes.

Publicado por [Anónimo] às outubro 29, 2009 10:54 AM

Vou ver se dá, Berlinguer (não para explicar nada a ninguém, muito menos ao chefe, não sejas tontinho), mas é que o jantar é com o Jorge Coelho para debatermos os pormenores do concurso público para a manutenção do jardim do arco do cego. Não sei se vai dar.

[Nota: fico espantado como um nickname transforma certas pessoas: Agora até dizes (a mim e ao Rick), para fazermos um favor à esquerda? Mas que grande e valente iluminado...]

Publicado por [Saboteur] às outubro 29, 2009 10:58 AM

não se trata de valentia, mas de coerência. Se tu e o mister dangerous acreditam no projecto político do António Costa/José Sócrates para Lisboa, lamenta-se mas aceita-se: é a vossa tomada de posição. Escusavam era de continuar com certas ficções. E não te preocupes: ninguém fará de ti um mártir. Não há mártires no Bloco. Continua por isso a sabotar.

Ou como diz o bounty bob, "a correr por fora"

Publicado por [berlinguer] às outubro 29, 2009 12:15 PM

Mas queixam-se agora do sabotador e do danger man??!! Nos anos 1999-2002 eles não eram o mais democrático e de Esquerda (com E) que havia? Isto é degradante.
...
Ei, rick, de facto: os rins e a coluna, sócio?

Publicado por [Anónimo] às outubro 29, 2009 12:38 PM

Berlinguer:
"Ou como diz o bounty bob, "a correr por fora""
Queres explicar?

Publicado por [BB] às outubro 29, 2009 01:59 PM

ok, pelo que percebi afinal são do bloco.
tudo isto revela como uma derrotazinha eleitoral pode ter um alcance muito mais profundo do que se podia esperar...
mas olhem, queriduchos, não se enganem, que esta última é a primeira de outras que hão-de vir. quer dizer, habituem-se. ou pensavam que era sempre a mamar até à revolução, peço desculpa, a Revolução?

Publicado por [renegade] às outubro 29, 2009 08:00 PM

Para que não seja levantada nenhuma suspeita infundada, informo aqui o fórum que recebi hoje por correio a convocatória para o pelenário que o Berlinguer quer que eu vá.

Quanto ao aviso "não te preocupes que ninguém fará de ti um mártir" fica registado com muito agrado.

O resto da tua conversa de seres coerente e de eu ter de sair do armário para fazer um favor à esquerda, tens mesmo de explicar melhor porque eu não atingi...

Publicado por [Saboteur] às outubro 29, 2009 08:03 PM

renegado,
volta para a tua manjedoura, sim?

Publicado por [Anónimo] às outubro 30, 2009 10:34 AM

o saboteur é do bloco??!! pensei que fosse ps.

Publicado por [Anónimo] às outubro 30, 2009 10:47 AM

o renegade é que é mais um papista do centrão.

Publicado por [Anónimo] às novembro 1, 2009 03:21 PM

This forum ndeeed shaking up and you’ve just done that. Great post!

Publicado por [Dweezil] às julho 7, 2011 02:21 AM

SfnUi9 wqwmhcttuzwx

Publicado por [kdlascicsjm] às julho 7, 2011 09:32 AM

Comente




Recordar-me?

(pode usar HTML tags)