« setembro 2009 | Entrada | novembro 2009 »

outubro 31, 2009

E esta marselhesa, conheces?

serge-gainsbourg-jpg_6171.jpg

Estamos no final dos anos 70 e o reggae, pela mão de Bob Marley, é um fenómeno mundial. Serge Gainsbourg, sobre quem haveria e haverá muito a dizer, decide comprar o manuscrito original de Rouget de Lisle e fazer uma versão reggae da mesma. Gravado em Kingston, Jamaica, com a ajuda dos conhecidos Sly & Robbie e com as I Threes, coristas de Bob, é lançado em 1979 e as reacções "nacionalistas" não demoram a aparecer. Um jornalista chega ao ponto de roçar o anti-semitismo usando expressões dos tempos de Pétain ao que Gainsbourg responde "On as pas le con d´être aussi droit". De recordar que, filho de emigrantes judeus russos, ele teve de usar a estrela de David e chegou a fugir a uma rusga das SS, passando alguns dias escondido numa floresta.

Janeiro de 1980, Estrasburgo. Gainsbourg convida os músicos jamaicanos para fazerem um concerto mas o recinto é invadido pela extrema-direita. Entre eles, um grupo de paraquedistas que o acusa de traição à pátria. Tentam invadir o palco, os músicos jamaicanos nem sequer se atreveram a sair do autocarro e Gainsbourg, num golpe de génio, começa a cantar a marselhesa e os militares acabam por ser forçados, pelas suas próprias regras, a porem-se em sentido e a fazer continência. Todo o ridículo da extrema-direita e todo o génio desse grande cantor que foi Gainsbourg neste vídeo aqui em baixo.

Aqui podem ver um documentário

Publicado por [Chuckie Egg] às 03:01 PM | Comentários (2)

Poesia de Rua #56

Photo039.jpg

Publicado por [Shift] às 03:01 PM | Comentários (1)

Allons enfants de la patrie!

A criação sob a égide da era Sarkozista do “Ministère de l’Immigration, de l’Intégration, de l’Identité Nationale et du Développement Solidaire” em França, já fez os seus estragos, continua a fazê-los e dá o primeiro passo para a legitimação institucional do conceito de identidade nacional como um elemento biológico. Testemunhamos, sem armas na mão, à imbricação inclusiva de dois termos (Imigração e Identidade Nacional) na linguagem política pela exclusão na linguagem de rua.
O passo mais recente... Eric Besson, Ministro deste Ministério lançou o debate : "é necessário reafirmar os valores da Identidade Nacional e do orgulho de ser Francês”. Para tal, “seria bom que todos os jovens franceses tivessem a oportunidade de cantar pelo menos uma vez no ano a Marseillaise (Hino Nacional)”.



Publicado por [Shift] às 02:44 PM | Comentários (1)

2. Lido num artigo sobre migrações internacionais. Sciences Po, 2007.

As migrações portuguesas em direcção dos países do “Western Europe”...

Publicado por [Shift] às 01:27 PM | Comentários (4)

1.Ouvido num congresso de Educação aos Média em Itália, pela boca de um Belga.

Estou a escrever um artigo que analisa o facto das novelas brasileiras terem apenas sucesso no terceiro mundo...

Publicado por [Shift] às 01:22 PM | Comentários (16)

outubro 30, 2009

Económica e operária

Publicado por [Rick Dangerous] às 06:54 PM | Comentários (1)

Para party program

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:22 PM | Comentários (1)

Menos um carro

Hoje em dia é cada vez mais comum empresas e marcas travestirem-se de movimentos com causas, preocupações sociais, etc.

O caso da CARRIS e da sua campanha “Menos 1 carro” não entra bem neste conceito, uma vez que se trata de uma empresa pública, sem fins lucrativos e com uma missão de interesse público. É uma campanha louvável. Até parece que é uma empresa municipal, tutelada pela CML e não pelo governo central (ehehe! Ok, esta é só para provocar ;) )

O que choca nesta campanha da CARRIS é a sua extrema inabilidade em colocar-se no terreno.

Em vez de dialogar com um movimento social forte e activo que está cada vez mais fortemente enraizado em alguns sectores jovens e urbanos (que é no fundo o alvo que a CARRIS também procura atingir com a sua campanha), ignorou totalmente o que já existe e foi até arrogante na forma como exibe que “vem de fora”, com uma campanha cheia de meios, sem ter qualquer respeito pelo movimento com o qual se quer identificar.

Exemplificativo é terem chamado à campanha “Menos um carro” e terem registado o nome, criado um site e tudo, sem terem percebido que essa é uma palavra de ordem internacional totalmente afirmada... Assim, quem for ao Google, por exemplo e escrever “menos 1 carro”, não vai parar ao site xpto pago pela CARRIS, mas vai parar um blog do sapo, feito por 2 ou 3 activistas e que por acaso é só um dos melhores sítios da www portuguesa nas questões de mobilidade sustentável e cidades.

Publicado por [Saboteur] às 01:26 PM | Comentários (8)

Festa de homenagem a José Carvalho

cartaz_zedamessa.jpg

Com os fabulosos Peste & Sida!

Publicado por [Saboteur] às 10:34 AM | Comentários (2)

outubro 29, 2009

Pressão

Publicado por [Rick Dangerous] às 04:49 PM | Comentários (2)

O spectrum, instrumento da contra-revolução


As caixas de comentários do Spectrum vêm fervilhando de debates estimulantes. De tal forma que já nem sequer se consegue ir lá deixar mais comentários.
O visado costumava ser saboteur, mas aqui o ricky deu o flanco ao preferir António Costa a Santana Lopes. Naturalmente, só pode querer dizer que vai acabar como deputado ou secretário de estado do PS. Escreve depois das eleições a dizer que havia diferenças entre os programas dos dois candidatos? Que falta de coerência, de honestidade intelectual, de chá. Só lhe podem doer os rins e a coluna. Apoia a invasão do afeganistão e o estado de israel. A excisão feminina. As experiências laboratoriais em ratos. A caça à foca bébé. O apedrejamento das adúlteras. A castração dos homossexuais.
Desta troca de ideias, fica o desconforto de muitos em debater as posições que concretamente se assumem e o desejo de que tudo fosse simples e claro, sem a complexidade incómoda da vida e das escolhas efectivas que ela nos apresenta.
Por outro lado, todos sem excepção chutaram para canto cada uma das observações críticas a respeito da sua própria militância política no Bloco de Esquerda e das muitas contradições que ela encerra.
É objectivamente verdadeiro, por exemplo, que uma vez abandonado o apoio a Sá Fernandes, a direcção do Bloco procurou fazer de Helena Roseta a sua candidata. E que o Bloco organizou um comício com Manuel Alegre que é, objectivamente, militante do PS e apoiante de Sócrates, para debater o futuro da esquerda. A esse debate - que não pode deixar de lhes dizer directamente respeito - alguns militantes do bloco preferiram esmiuçar a coerência de Rick Dangerous. São escolhas, mas relembro-vos que vocês não militam no partido do Rick Dangerous e que antes de se dedicarem à minha presumível incoerência, fariam boa coisa em examinar a distância entre o que aqui vêm escrever e o que efectivamente se passa no interior do vosso partido.
Não perdoam a Saboteur que ele defenda abertamente o que os vossos dirigentes fazem de forma envergonhada. São escolhas. Cada um se mete com quem pode. Notem em todo o caso como o António Costa com quem o Bloco estabeleceu um acordo no Verão de 2007 (votado em plenário concelhio e aprovado na mesa nacional) é agora «o braço político do patrão», o representante da Mota/Engil e o homem por trás da invasão do Afeganistão. Deve ter ganho essas qualidades enquanto presidia à CML que é, como se sabe, uma boa plataforma logística para quem quer invadir países da Àsia Central.
Para que as coisas fiquem um pouco mais claras, este jogo de computador desactualizado que vos escreve gostaria de vos esclarecer a respeito de uma questão que vos confunde permanentemente.
Rick Dangerous não é «anarquista». Rick Dangerous não é «autónomo». Rick Dangerous não representa qualquer corrente política nem o pretende fazer, embora seja comunista. Rick Dangerous tem todos os defeitos e qualidades que fazem de cada ser humano um gigantesco caos e não pretende alterar essa condição. Nem mesmo quando escreve acerca de si próprio na terceira pessoa. Nem mesmo quando dá asas ao seu «nihilismo aristocrático».
Mas Rick Dangerous perdeu há muito o respeito por quem acha que ser «coerente» é, em si mesmo, uma posição política que coloca qualquer um acima das problemáticas escolhas que a cada momento se lhe colocam. Rick Dangerous não reconhece, aos militantes do Bloco de Esquerda que fogem continuamente ao debate acerca do que é o seu partido e do que ele se propõe fazer, qualquer moral para aqui vir falar das suas incongruências.
E agora, vou ali ao Gambrinus almoçar com o meu primo António Costa e discutir algumas das patifarias que quatro anos de mandato permitem praticar. Que vos parece uma quinta travessia do Tejo apenas para bicicletas?
Ciao a tutti quanti.

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:43 PM | Comentários (28)

Ateísmo Militante (...ou como perder a vontade de atacar Saramago)

http://www.ted.com/talks/lang/eng/richard_dawkins_on_militant_atheism.html

Já vai sendo tempo de revolucionar os costumes e de deixar de ser politicamente correcto com as religiões...

Publicado por [POKE] às 12:08 PM | Comentários (9)

Shame on you, Saldanha Sanches

Saldanha Sanches, no seu “frente-a-frente” com Paulo Rangel, esteve muito mal a comentar a polémica do "social-fascista" José Saramago e das suas declarações sobre a bíblia.

Seguindo o estilo de alguns dos nossos comentadores aqui do blog, afirmou que a única razão para Saramago viver em Lanzarote é o facto de ser um paraíso fiscal.

Minutos depois, a própria SIC via-se obrigada a informar os telespectadores e o especialista em assuntos fiscais, que Lanzarote não era afinal um paraíso fiscal.

De qualquer forma, mesmo que fosse…

Aliás, Saramago tem dito, já mais do que uma vez, que mantém o seu domicilio fiscal em Lisboa e que paga os seus impostos em Portugal "até ao último cêntimo"

Publicado por [Saboteur] às 12:46 AM | Comentários (7)

outubro 28, 2009

Activistas 'Verde Eufémia' arriscam cadeia

3 activistas ambientais foram acusados pelo Ministério Público por dano com violência, punível com um a oito anos de prisão, e por desobediência qualificada, que lhes pode custar até dois anos de prisão.

O seu "crime" foi, como se lembram, estarem envolvidos num protestado contra a plantação de milho trangénico, aliás, ironicamente (coisas do Macário Correia, penso), num distrito onde as autoridades políticas locais tinham declarado como “a primeira zona livre de transgénicos em Portugal”.

A esta distância dos acontecimentos, tendo já passado a exaltação do momento que levou Mário Crespo a espumar tanto pela boca, tendo entretanto sido feito um importante debate sobre os transgénicos em que ficaram mais claras as implicações destas plantações e o importante contributo que esta manifestação teve para o aprofundamento desse debate no nosso país, não deixa de chocar a mão pesada do Ministério Público.

Por causa do que não chegou a ser 1 hectare de pés de milho trangénico pisado e pela “falta de autorização oficial para aquela manifestação”, quer pôr na cadeia 3 pessoas que pensam e que agem em torno dos problemas ambientais, que são cada vez mais centrais para o futuro da humanidade, é uma barbaridade mediavalista.

Ficaremos atentos às cenas dos próximos episódios.


Publicado por [Saboteur] às 10:24 AM | Comentários (10)

outubro 27, 2009

O caso da Fleximol


"O caso da Fleximol (nome singularmente adequado) não é único e é revelador. Os direitos do trabalho não dizem respeito apenas à esfera da vida na empresa. São uma condição de democracia. Cada situação como a da Fleximol, "ensina" aos trabalhadores que as liberdades de expressão e de associação não são para todos e que quem se equivocar a esse respeito, sabe onde é a porta da rua. O que fará a próxima Ministra do Trabalho, que diz que é sindicalista, a este respeito?"
O nosso pequeno-grande deputado ribatejano (não estou a brincar) já começou a dar-lhes trabalho. Nada como uma viagenzinha à Albânia para os tornar produtivos.
A camarilha que se insurge contra a impunidade, de cada vez que um grupo de jovens incendeia caixotes de lixo no seu bairro social, guarda silêncio quando a ilegalidade tem por trás uma conselho de administração. Acham estranho e anacrónico que 20% do eleitorado vote à esquerda do PS. E não percebem que, se anacronismo existe, ele está quase todo do lado do patronato. Incluindo os micro-nano-pequenos-e-médios empresários. A economia de que eles se fizeram ideólogos é isto mesmo. Um enorme buraco negro dos direitos laborais.
Ao jovem Gusmão apenas faltou colocar a coisa noutros termos. Não se trata tanto de saber o que fará a nova ministra do trabalho, mas muito mais do que farão os trabalhadores da empresa. Como dizia o camarada Álvaro, «se a reacção arreganhar os dentes, é preciso parti-los antes que morda».

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:41 PM | Comentários (54)

Humor jesuíta



"A seguir ao 4-1, Jorge Jesus exibiu quatro dedos na direcção do banco do Nacional. O que foi interpretado como uma provocação ao colega, não passou, afinal, nas palavras de Jesus, de instruções tácticas para a sua defesa.
«Se estiverem atentos à minha forma de me expressar em campo já podiam ter reparado que quando estou a falar com os avançados levanto dois dedos. Nesse caso, estava a falar para os meus defesas, eles sabem o que o gesto quer dizer. É para continuarem a jogar em linha, para tirarmos profundidade ao adversário. Por coincidência, foi a seguir ao 4-1», explicou."

Publicado por [Rick Dangerous] às 02:35 PM | Comentários (7)

outubro 26, 2009

Ao contrário

“Diz a Raúl que, se não fizer nenhum gesto, eu não farei mais nada”. Este foi, segundo o El País, o recado que Obama enviou ao líder cubano por Zapatero.

A verborreia pacifista do imperador chegou ao seu limite: algum dia tinha de ser.
Para que fique claro, não sublinho um regime que, entre outras coisas, governa pela mão da censura e da polícia política, que não permite a livre associação dos trabalhadores, isto tudo no meio de uma pobreza de soluções, absolutamente anacrónicas, desprovidas de qualquer adaptação ao mundo pós muro.
Isto ficou claro, creio, mas que também fique claro que o ónus da resolução do conflito está do lado dos EUA, país que, como sabemos, impõe um embargo absolutamente criminoso à ilha, tentou assassinar Fidel dezenas de vezes e outras tantas tentou invadir o país, sem esquecer a ocupação neo-colonial de Guatanamo, transformando a zona num nojento armazém de tortura. Mais uma vez, os analistas da praça não falharam: o prémio irá continuar a condicionar Obama no seu longo e árduo caminho para conduzir o mundo à Paz eterna. Temos homem.

Publicado por [Paradise Café] às 07:22 PM | Comentários (5)

Blame the catholic church

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:12 PM | Comentários (2)

«Petition» - Doc Lisboa

Para satisfação dos defensores desse “país incontornável”, de “economia pujante”, que comemora os 60 anos da sua revolução, digo que o documentário vencedor da competição estrangeira – «Petition» – foi uma enorme desilusão (ao contrário do vencedor na competição nacional, o «Pare, Escute e Olhe», que mereceu todos os prémios que ganhou).

O tema de «Petição» tinha tudo para ser interessante: Milhares de chineses dirigem-se constantemente a Pequim, para fazer petições ao Governo Central. Basicamente queixam-se de decisões arbitrárias de funcionários e governos locais, problemas que não foram resolvidos, erros processuais, enfim: todo o tipo de coisas que um Estado gigantesco, centralizador e autoritário, produz sempre em apreciável quantidade, mas que à dimensão chinesa dá para fazer um filme épico.

O problema é que Zhao Liang parece mais preocupado em chocar as pessoas com um “filme anti-chinês”, do que documentar qualquer coisa.

Após 2 horas de filme não se percebe afinal como é que funcionam estas petições. É tudo uma enorme trapalhada onde o tema do filme se mistura com histórias pessoais confusas e mal contadas, polícias a arrastarem pessoas aos gritos para fora da repartição e depoimentos políticos a vulso contra o partido único.

Publicado por [Saboteur] às 02:57 PM | Comentários (2)

Não é chinesa, mas parece que gostava de ser

A revista do Expresso, na sua rubrica semanal "o que vê nesta imagem?" deu a oportunidade a Rita Rato - um caso sério de aposta do PCP nos mais novos: com 26 anos foi a nº3 por Lisboa à AR - de comentar um desenho de Obama vestido à Mao.

A resposta da deputada comunista convoca o post da Joystick aqui em baixo sobre o filme que viu no DOC.

Reparem que não foi pedido à Rita Rato que comentasse o "modelo Chinês" ou os "direitos humanos" na China, pergunta que a obrigaria aos malabarismos do costume ("Pessoalmente, não tenho que concordar nem discordar, não sou chinesa" disse numa entrevista), para evitar qualquer crítica e uma repreensão dos camaradas da Secção Internacional do Partido, com quem ninguém quer ter chatices.... Pediram-lhe apenas que comentasse uma foto

«Confrontado com a mais profunda crise desde a Grande Depressão, o 44º Presidente dos EUA vê-se obrigado a aprofundar as relações diplomáticas com a mais pujante economia mundial e o principal credor norte-americano. A China, no momento em que comemora os 60 anos da sua revolução, é cada vez mais um país incontornável, mesmo para quem quer reforçar e impor o seu papel hegemónico no xadrez internacional»

Publicado por [Saboteur] às 12:33 AM | Comentários (26)

outubro 25, 2009

Deputados Suínos

Não percebo nada disto da suína que, pelos vistos, anda para aí a matar cidadãos indefesos. Diz que é uma pandemia, e que é mais fatal em doentes crónicos, crianças e idosos. Há uma vacina que pode diminuir em muito o risco dessas fatalidades.
Ora, como há vacinas em quantidade inferior ao número de cidadãos é preciso escolher. E os felizes contemplados são: grávidas a partir do terceiro mês de gestação, obesos, asmáticos e profissionais de saúde e ainda... O Governo, o Presidente da República e os senhores deputados.

O argumento é simples "assegurar o normal funcionamento das mais importantes instituições do país". Quem o diz é médico-deputado bloquista, João Semedo, ao DN. Não me surpreende a falta de vergonha vindo de quem vem, mas não me deixa de causar relativo espanto que sejam os deputados dos partidos à direita a porem o dedo na ferida. Dizem eles o óbvio. Que se trata de um privilégio absolutamente injustificado.

É evidente que a questão não se põe no número de vacinas (esta côrte vai precisar de umas 500, no máximo), trata-se sim de um claro abuso, que demonstra, simbolicamente, o que todos dizemos e ouvimos dizer por aí, sobre questões bem mais importantes: que eles estão lá para se servir (e à sua classe já agora) do poder que lhes foi conferido pelos honrados cidadãos votantes.

Publicado por [Paradise Café] às 02:37 PM | Comentários (14)

outubro 24, 2009

The Revolution that wasn't - DOCLISBOA

Um filme que mergulha na clandestinidade do Partido Nacional Bolchevique para nos revelar a fragilidade do seu discurso político, verdadeiramente confrangedor, verdadeiramente de direita nacionalista, patriótica, saudosista, imperial. Ouvimo-lo da boca do número 2 do partido, enquanto lava um cadáver na morgue (belíssima metáfora cinematográfica), que acabará depois a aspirar tapetes de igreja por uma esmola e uma benção de um padre ortodoxo. Ouvimo-lo, também, do líder de uma distrital que se passeia alegremente com o seu fato da Coreia do Norte e posa sem pudor para a câmara e para o espelho com o semblante Kim Jong-Il meets Napoleão Bonaparte, dizendo uma espécie de oração política redonda, sempre com "pátria" e "revolução" em todas as frases. Muito triste.

Publicado por [Joystick] às 04:17 PM | Comentários (10)

Sinais dos tempos

É um sinal dos tempos: Lisboa já sofria com o problema dos carros em cima dos passeios, agora também tem o problema dos carros em cima da ciclovia.

ciclovia obstruida.jpg

Publicado por [Saboteur] às 01:20 PM | Comentários (12)

Quentes e bons

A Antígona, mais uma vez, não nos deixa de surpreender com opções editorais arriscadas e pouco comerciais. (Ainda não percebi como sobrevivem).

Foram agora buscar um autor pouco conhecido do grande público e publicaram logo dois títulos deste Tomás da Fonseca, um republicano cujo anti-clericalismo deixaria Saramago corado, e que chegou a ser ministro do saudoso Afonso Costa.

Primeiro chegou às livrarias o Na Cova dos Leões - Fátima | Cartas ao Cardeal Cerejeira, o primeiro trabalho que desmonta a farsa de Fátima.

Depois foi a vez de O Santo Condestável - Alegações do Cardeal Diabo. Nada como deixar as palavras da própria editora sobre esta conferência de Tomás da Fonseca, proferida na Universidade de Coimbra em 1937: Decorridos setenta e sete anos sobre a publicação de O Santo Condestável – Alegações do Cardeal Diabo, a orquestra reorganizou-se para a celebração da canonização de Nuno Álvares Pereira, que a Igreja e os seus cúmplices levaram a cabo neste ano de 2009.
Seria, portanto, indelicadeza da Antígona não se associar aos festejos desta nova forma de consubstanciação; por isso, considerámos oportuna a reedição deste livro.

Publicado por [Paradise Café] às 01:15 PM | Comentários (4)

outubro 23, 2009

Ouvido num café discreto da Avenida de Roma onde os cabelos das senhoras têm vestígios de laca de 1973

«O pai é da construção civil, não tem nada a ver com os outros Alçadas. O marido era marido de outra, da qual a Isabel Alçada era colega ali na escola do Areeiro, e a Isabel era uma mulher muito arranjada e mais nova. A outra não, era mais assim como você (juro!). E então, deixou a outra e juntou-se à Isabel, nem sei se chegaram a casar. E agora não pode apoiar o marido em casa, que tanto precisa, porque uma ministra tem muito trabalho. Não acho bem!»

Publicado por [Joystick] às 01:13 PM | Comentários (5)

Godinho, Fausto e Zé Mário ou de como a ganância de alguns outros pode deitar tudo a perder

Espero bem que o concerto de homenagem ao Zé da Messa tenha um pouco mais de respeito pelo público que o concerto dos três estarolas de hoje à noite.
É verdade que estava no galinheiro com o meu acompanhante (ou vice-versa, mas isso agora não interessa). É verdade que tínhamos os bilhetes mais baratos. Estávamos preparados para tudo, até para ter uma vista privilegiada da calva do Fausto. Estávamos preparados para suar as estopinhas, para termos os joelhos apertados, para aguentar 3 horas sem fazer chichi. Até para o som mauzito.
Mas ninguém podia prever que à terceira música ainda se contassem pelos dedos das mãos as palavras que tinhamos conseguido compreender, apesar de quase sabermos as letras de cor. Uma vergonha.

Não posso acreditar que o amadorismo de quem organiza este tipo de espectáculos passe por não fazerem a mínima ideia de quais são as condições de audição em todo o recinto. Por isso, só resta uma justificação: quiseram ganhar dinheiro fácil com os otários que amam e respeitam tanto os seus músicos a ponto de agarrarem nas perninhas e abandonarem o espectáculo à sexta música.

Honra aos camareiros que ainda fizeram o possível por remediar o irremediável. Eu fiquei, no andar de baixo. A pessoa que me acompanhava, decidiu ir embora. Ambos com a noite estragada. Como é evidente, nunca mais me apanham no Campo Pequeno. A quem for amanhã e tiver dos bilhetes mais baratos só posso sugerir: falem com os camareiros e tentem arranjar um lugar no andar de baixo (e mesmo assim com som medíocre).


E olhem, prontos, finalmente ouvi a confederação ao vivo, só para ver o idiota à minha frente a rir-se e encolher os ombros quando a palavra "burgueses" aparece no poema...

Publicado por [Renegade] às 12:52 AM | Comentários (10)

outubro 21, 2009

O "Zé da Messa"

No dia 28 de Outubro de 1989, um bando nazi de cabeças-rapadas assassinava José Carvalho à porta da sede do PSR, onde decorria um concerto antimilitarista. José Carvalho - o "Zé da Messa", como era conhecido por todos - fez parte da Comissão de Trabalhadores da Messa, a empresa de máquinas de escrever que em tempos foi o maior empregador no concelho de Sintra, com mais de mil e quinhentos trabalhadores. Em 1985 fechou portas, deixando centenas de pessoas com salários em atraso. Nos anos seguintes, o Zé da Messa foi um dos activistas que organizaram a luta pelos direitos destes trabalhadores.
Dirigente do PSR desde o fim dos anos 70, José Carvalho foi um dos impulsionadores do trabalho antimilitarista do partido, após ter participado nos SUV - Soldados Unidos Vencerão, um movimento de militares pela democracia nos quartéis constituído em 1975. Doze anos mais tarde, foi um dos responsáveis pela organização dos concertos do bar das Palmeiras, que envolveu dezenas de bandas rock contra o serviço militar obrigatório. Foi num destes concertos que viria a ser assassinado pela extrema-direita.
Vinte anos depois, a Associação Política Socialista Revolucionária organiza uma festa/concerto de homenagem a José Carvalho, com seis bandas rock e um vídeo evocativo do Zé da Messa.
A festa/concerto terá lugar no dia 30 de Outubro, na Caixa Económica Operária, em Lisboa, a partir das 21h30, com as bandas Albert Fish, Ex-Votos, Dalailume, Revolta, Gazua e Peste & Sida.

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:49 PM | Comentários (12)

Mais um Fórum TSF

No seguimento da "polémica declaração de José Saramago sobre a bíblia" e do convite do vice-presidente do Parlamento Europeu (PSD), para que Saramago renunciasse à nacionalidade portuguesa, começou agora mesmo um fórum TSF sobre "o caso".

Mais um fórum de antologia que vou perder... Deve ser ainda melhor do que aquele do "Acha que o estado deve financiar os partidos políticos?"

Publicado por [Saboteur] às 10:27 AM | Comentários (4)

outubro 20, 2009

Spectrum Cabin Crew

Apos termos publicado uma fotografia do grupo Spectrum, os leitores do Spectrum sublinharam, com alguma razao, a fraca representatividade de mulheres no spectrum.
Nao é assunto que me passe desapercebido uma vez que faço parte dessa pequena minoria. Ainda que jà tenha sido alvo de reflexao, nunca consegui chegar a respostas consequentes para tal facto, a nao ser uma bastante primitiva: o Spectro constituiu-se com o objectivo de se tornar um género de Harém de homens para duas magnatas libertinas.
Simplista e pouco esclarecedora, esta resposta dà poucos elementos de explicaçao para compreender o fenomeno: Estava agora mesmo a folhear a “Ryanair Magazine”, num voo Paris-Bologna, quando fui presenteada com a seguinte publicidade: “The girls of ryanair cabin crew charity calender”. Surgiu-me entao alguns raios de luz de explicaçao...
Fiquei a conhecer a Daniela, hospedeira de ar, transfigurada em modelo de caridade da Ryanair, coberta com um Bikini. Através de uma informaçao bastante detalhada fiquei a saber que esta mulher tem 23 anos, nasceu em Malta e gosta de ouvir RadioHead. Ryanair, cuja direcçao apresenta-se como uma entidade masculina (so pode), oferece-nos as suas empregadas como se de mercadorias se tratasse: We bring you the beauties from de Ryanair cabin crew”. A direcçao Ryanair e as sua cumplices de marketing agravam ainda mais o seu estatuto de proxenetas quando anunciam nas ultimas linhas: “No wonder she looks so good out of uniform”. Ninguém ousa imaginar, mas no Spectrum, em cada barbudo hà um potencial gostosao: “No wonder they look so good out of uniform”.
Ora aqui està uma pista de resposta: Da mesma maneira aue nao hà nenhuma viagem de aviao em que nao sejamos perseguidos pela imagem da bela hospedeira, em situaçao precària mas ainda assim gostosona, nos grupos, ou o que quer que seja, com um “caràcter” politico sao poucas as vezes que, nòs mulheres, nao estejamos rodeadas da imagem do homem lider, do homem com capacidade retorica, do homem feio mas ainda assim com um certo charme.
Mulher gostosona fùtil Vs Homem charmoso inteligente. Todos nòs estamos conscientes destas representaçoes e discursos. No entanto, sao poucos aqueles que estao conscientes dos mecanismos que conduzem à selecçao e triagem do sexo dos membros nos vàrios orgaos de poder. Na criaçao do Spectrum (embora nao considere especialmente o Spectrum como orgao de poder, mas com alguma visibilidade), a dinamica do grupo nao ficou incólume a isso.
Os meios militantes, pela minha propria evoluçao no meio e por estudos que tenho lido, sao de uma crueldade extrema para as mulheres, nomeadamente na militancia politica institucional. Elas ocupam tres lugares especiais nestes meios: as namoradas deles; as estupidas politicamente; as que gostam de fazer broches. A luta para sair destes tres lugares è longa e àrdua. O meio de esquerda, embora bastante sensivel e reflexivo em relaçao a estas questoes, tem tido dificuldade em ultrapassar estas atitudes. Este meio, e sobretudo este meio, de fachada bem construida de emancipaçao social, nao escapa, tal como as franjas mais conservadoras da populaçao, à tradiçao patriarcal. O mais grave è que refugiando-se facilmente nos argumentos retoricos, com conhecimento de causa, da dominaçao masculina que ceifa desde tenra idade as mulheres, a reproduz ainda com mais categoria.
O que fazer? Conheço mulheres que corajosamente ou nao criaram os seus espaços exclusivamente femininos de forma a afastar toda e qualquer tentaçao de “corrupçao” masculina. No entanto, na minha opiniao è importante nao diabolizar de forma extremista as individualidades masculinas para nao criar rupturas anti-naturais de afinidades relacionais, de varia ordem, entre homem e mulheres. Nao tenho soluçoes mas as explicaçoes sao muitas... O neutro masculino encontra-se inscrito maciçamente nas nossas maneiras de agir e pensar, importa primeiro que tudo desconstruir socialemente o género e a sexualidade nas nossas proprias cabeças!
Bolas! Entretanto cheguei a Bologna està friooooooo e a “Rappresentanze sindacali di base” dà musica aos transeuntes para “unificare le lotte per non pagare la crisi”! O que è que è isto, homens barbudos do Spectrum conhecedores de Itàlia?! Os acentos e as gralhas sao tipicas nas escritas ràpidas de cybercafé::: sorry!

Publicado por [Shift] às 05:24 PM | Comentários (9)

outubro 19, 2009

Foi pena o Silvério ter cortado o cabelo antes de passar som na festa do spectrum

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:52 PM | Comentários (4)

Fuck you, Blazevic!

blazevic.jpg

Para além de querer ver os jogos da selecção no Mundial (é uma seca ver uma competição destas sem o nosso clube), há, pelo menos, mais uma razão para torcer pela tuga. Miroslav Blazevic, o treinador da Bósnia, país com o qual até tenho tendência a simpatizar, já que é o único da Europa com maioria muçulmana, candidatou-se em 2005 à presidência da Croácia como independente, com um programa político de direita nacionalista.

Publicado por [Bounty Bob] às 04:59 PM | Comentários (4)

"Mimosas implicações eleitoralistas"

Ruben de Carvalho, vereador na Câmara Municipal de Lisboa, aproveitou o fim da contagem dos votos nas eleições autárquicas para dizer com coragem política o que pensa sobre o tema (“improvável”, como ele diz) das bicicletas na cidade.

O seu artigo de opinião no Expresso deste Sábado é taxativo: «É um erro absoluto pensar ou sequer insinuar que a bicicleta constitui mais do que um paliativo para o problema da mobilidade em Lisboa»

Este post não serve para dizer o óbvio. Que Ruben está errado. Que a bicicleta é um meio seguro, ecológico e eficaz para percorrer pequenas e médias distâncias na cidade; que não tem “relações tortuosas” com os corredores verdes (a que ele chama “Corredor Verde de Lisboa” (??) com maiúscula e tudo); que “os comerciantes” não devem ser o supra-sumo da consultoria nas questões da mobilidade, muito menos para um comunista; etc.

O post serve sobretudo para dizer o que já tinha dito numa caixa de comentários: Se acham que é tão “improvável” o tema das bicicletas, se é uma “inconsciência lançar no transito citadino” a bicicleta como meio de transporte, se é mau para o comércio, Plano Verde e tudo o mais, então porque é que têm exactamente o contrário nos seus programas eleitorais? E afinal, que moral tem Ruben de Carvalho para acusar de “eleitoralismo” quem quer que seja, em relação ao tema das bicicletas?

Publicado por [Saboteur] às 04:42 PM | Comentários (17)

La forteresse/The fortress

detention center.jpg

Fui ontem ao Doc Lisboa ver o La forteresse/The fortress (Fernand Melgar, Suíça, 2007, 100 minutos). É um documentário sobre um centro de detenção suíço, na localidade de Vallorbe. Muitos homens sozinhos, menos mulheres, algumas famílias ainda ocupam uma espécie de prisão com capacidade para cerca de duzentas pessoas. Africanos, europeus de leste, asiáticos, ciganos, são muitas e muito diferentes as origens e nacionalidades que ali se encontram. Em comum, a tentativa de fugir a um passado de violência, repressão e miséria. No centro, de paredes nuas e cinzentas, trata-se da atribuição do estatuto de refugiado e, consequentemente, da autorização de residência no país. De um lado, os detidos, sujeitos a um processo de entrevistas e outras avaliações, em que se vêem forçados a reviver o seu passado e as experiências traumáticas por que passaram. Do outro, os funcionários do centro, alguns deles também estrangeiros, a quem cabe fazer relatórios e tomar decisões. A fronteira está sempre presente.

Não há narrador e acho que isso torna mais real a experiência de quem vê o filme. Gostei bastante.

Publicado por [Bounty Bob] às 01:20 PM | Comentários (1)

Brack you, fuckers!

spectrum5anos.jpg

O spectrum agradece a tod@s por terem vindo à festa e promete fazer mais e melhor. Só nos falta dar cabo desta paixão pelo anonimato mas perante o nosso terrível comportamento, torna-se impossível.

Publicado por [Chuckie Egg] às 11:15 AM | Comentários (18)

O day after...

hangover_link1.jpg

Publicado por [Bounty Bob] às 12:06 AM | Comentários (2)

outubro 18, 2009

Sinal claro da nossa hegemonia

Nunca numa festa do Spectrum estiveram tantos deputados

Publicado por [Saboteur] às 09:33 PM | Comentários (6)

outubro 17, 2009

Alguém começou a festejar antes de nós

Lisboa: duas viaturas policiais incendiadas esta madrugada no Bairro Alto

Publicado por [Paradise Café] às 01:57 PM | Comentários (10)

Do Virtual ao Real !!!

Muitas vezes questiono-me sobre a interacção social que se constrói através do virtual. Partilho cada vez mais, na senda de muitos outros, que a tecnologia é um palco onde se apresentam peças minuciosamente encenadas, aliás como na vida quotidiana. Ou seja, um verdadeiro espaço de sociabilidade, onde em frente de um écrã existem pessoas e só pessoas capazes de o fazer. No entanto, penso que é na experiência dupla, em duas plataformas – virtual e real -, que evoluo e sinto pertencer a uma colectividade. Em torno de uma mesa de café converso sobre o que foi escrito num blog; leio num blog um testemunho detalhado sobre uma acção que foi organizada em torno de uma mesa de reunião. é através deste vai e vem que quando passo de um blog a outro, sinto que muitos outros o fizeram antes ou que o fazem de maneira síncrono à minha. Fazemos todos parte de um mesmo público, de um mesmo rebanho.
Hoje, mais uma vez, o Spectrum joga na vida real.

Publicado por [Shift] às 12:02 PM | Comentários (2)

outubro 16, 2009

Festa_spectrumR.jpg

Publicado por [Manic Miner] às 06:25 PM | Comentários (2)

Efeito Calimero

Fico espantado com a capacidade de empatia que Santana consegue criar nas pessoas.

Uma querida amiga minha, jornalista, que foi a uns jantares com jornalistas promovidos pela candidatura do Santnana, contava-me embevecida: “É aquela fragilidade dele, o facto de ninguém gostar dele… ele tem uma certa fealdade… a cabeça grande demais… coitado…”

manif1.jpg

O Zé Neves há bastante tempo que tem o mesmo problema. Ele até reconhece – ou antes “não lhe custa a acreditar” – que Santana é incompetente, irresponsável e descarado (que todos os problemas de Santana fossem esses, digo eu). Mas chateia-lhe aquilo que ele chama de Santanismo-primário, caracterizado pelos ataques à vida privada de Santana e o facto de ele ser saco de encher pancada tanto da esquerda como da direita.

EPULdeu20milhoesaosclubes.jpg

Claro que cada um tem as suas percepções da realidade, mas eu não tenho nada a ideia de ouvir ataques à vida pessoal de Santana. Ele fala muito da sua vida pessoal em entrevistas e as revistas gostam disso, mas de resto, incidentes desse tipo a envolver o Santana, só me lembro de um, em sentido contrário, de Santana num comício das penúltimas legislativas a insinuar que Sócrates era gay e que ele era um homem que gostava muito de mulheres.

Sobre ele ser saco de pancada da esquerda e da direita, também a minha percepção é outra. Tirando o período final de Santnana-Primeiro-Ministro, em que claramente já ninguém o apoiava por razões por demais óbvias, Santana é uma das figuras da direita deste país: foi membro dos governos de Cavaco Silva, foi vice-presidente do PSD, foi depois Presidente, foi Primeiro-Ministro, líder da bancada parlamentar, Presidente da CML, para onde voltou, apesar da abundante merda que fez, apoiado em ombros por toda a direita, para uma reeleição que felizmente não aconteceu.

Quanto à esquerda, o post do Zé diz tudo. Mas também aqui no SPECTRUM são inúmeros os comentários que foram aparecendo em que malta de esquerda, à força de querer centrar as suas energias no combate ao PS, relativiza o perigo de Santana.

Publicado por [Saboteur] às 01:33 PM | Comentários (13)

A economia vai boa, a minha conta bancária é que vai de cavalo pra burro

MarxExplica.JPG

Publicado por [Chuckie Egg] às 01:00 PM | Comentários (4)

poesia de rua #55

Imagem0043.jpg

Publicado por [Saboteur] às 12:17 PM | Comentários (2)

outubro 15, 2009

Gostava que a Maité «gozasse» mais com os portugueses

Publicado por [Rick Dangerous] às 04:51 PM | Comentários (4)

Todos somos Maitê

spectrum_maite.jpg

Maitê já está em Portugal para a festa de desagravo organizado pelo blogue Spectrum. Descansa da viagem na Praça da Figueira, onde folheia as mais recentes publicações das Edições Antipáticas.

Publicado por [Party Program] às 04:26 PM | Comentários (12)

Retalhos da vida de um eleitor

img2301.jpg

Publicado por [POKE] às 02:12 PM | Comentários (5)

outubro 14, 2009

spectrumparty2.JPG

Publicado por [Joystick] às 04:02 PM | Comentários (3)

Indecisões

blowjob.jpg

Na boca ou na mão, eis a questão (...) Depositar (...) na mão faz muito mais sentido hoje em dia do que metê-la na boca. Por questões de saúde e higiene, naturalmente, mas também porque receber (...) na mão é tão digno como recebê-la na boca. (...) Acontece que esta liberdade (...) permite que muitos (...) insistam em receber (...) sem lhe tocar com as mãos, obrigando (...) a depositá-la directamente sobre a língua. (...)Sem querer, algumas pessoas lambuzam os dedos de quem dá (...) e é impensável parar a cerimónia (...) sacar de um lenço e limpar (desinfectar seria o ideal) as mãos. (...) O problema é que quem vem a seguir não tem culpa do estado em que o anterior deixou os dedos de quem dá (...) Por tudo isto, pergunto: é possível deixar de dar (...) na boca e mentalizar (...) para receberem (...) na mão?

Pago uma cerveja na festa a quem adivinhar a autoria. (nada de googlar sem lavar as mãos primeiro)

Publicado por [Chuckie Egg] às 03:42 PM | Comentários (6)

E na sexta também há festa...um festim do caralho, aliás

ereccoes festa.jpg

Publicado por [Chuckie Egg] às 12:36 PM | Comentários (3)

outubro 13, 2009

Apesar das dúvidas mesquinhas e das insinuações torpes, os dj's da festa prometem

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:16 PM | Comentários (3)

De vitória em vitória #2

Tendo em conta também a “imensa campanha mediática destinada a favorecer uma artificial bipolarização e a menorizar a CDU”, temos de dar plena cobertura, à declaração de Jerónimo Sousa, que, como sabeis, não é propriamente uma declaração dele mas sim do Secretariado do CC ou da “Direcção do Partido”, como os do Secretariado dizem.

Tal como já estava patente no comunicado dos camaradas do MRPP, parece que quem se safou no meio disto tudo foram os próprios… Desta vez, como é evidente, não os próprios MRPPs mas os próprios PCPs.

“A expressiva votação alcançada” – apesar da queda generalizada de mandatos e da perda de Câmaras, digo eu - “dá continuidade a uma sólida e sustentada afirmação da CDU que testemunha a ampla corrente de apoio e confiança de um número crescente de portugueses e portuguesas”.

Sem brincadeiras: continuamos a assistir a uma degradação da influência do PCP e isso não pode deixar nenhuma pessoa de esquerda satisfeita.

Não sou dos que dizem que “a reacção é um tigre de papel” e obviamente que a comunicação social tem a sua quota-parte nos desaires da esquerda. Mas o tipo de análises que se lêem neste comunicados, a forma, por exemplo, de como é fácil encontrar paralelismos com os do MRPP, querem dizer alguma coisa. A CDU perde câmaras devido à “concentração de votos da direita no PS que ali vê a força que melhor pode combater a influência da CDU”?! Já para não falar no caso de Lisboa, e nas declarações de Ruben de Carvalho, que podia ser mote a mais um post de Joystick…

Publicado por [Saboteur] às 03:15 PM | Comentários (34)

De vitória em vitória

Tendo em conta o elevado número de esquerdistas que frequentam o nosso blog e visto que estamos em festejos de 5º aniversário do SPECTRUM (que organiza uma grande festa de entrada livre, este Sábado, em Lisboa), naturalmente não vamos seguir as passadas da comunicação social burguesa e vamos dar pleno destaque à nota dos camaradas da Comissão de Imprensa da Candidatura Autárquica do PCTP-MRPP (CICA PCTP MRPP)

Aparentemente, para além das vitórias do PSD – devido “à total incapacidade do PS e dos restantes partidos ditos de esquerda em assumir um programa alternativo” – e de António Costa – que “ficou a dever-se acima de tudo aos apelos do PCP e do BE na votação nessa candidatura” – o único Partido que se foi safando foi o próprio PCTP-MRPP, que “obteve aumentos significativos em concelhos importantes, como em Almada (de 948 votos para 3.237), Porto, Barreiro, Moita, Montijo, Loures e Oeiras, continuando a afirmar-se como a sexta força política a nível nacional.”

Publicado por [Saboteur] às 01:45 PM | Comentários (6)

They realy do it better?

Antes de mais, um declaração de interesses: não voto e portanto, aos olhos de muita gente, a minha opinião sobre eleições e candidatos fica muito fragilizada. Ainda assim vou tentar não ser muito massacrado.

Muito boa gente (mas mesmo boa) votou Costa, inclusive camaradas (esperei eu alguma vez chamar camaradas a votantes PS?) aqui da chafarica, como prova o post de Joystick. E muita dessa gente votou Costa porque não gosta do PCP e porque não gosta do Fazenda nem como o seu partido se portou durante o anterior mandato. Mas também votou Costa porque o Santana dá “arrepios” e porque o Presidente, num grande levantamento nacional, conseguiu unir as esquerdas ou pelo menos tentou.
Deixemos para já de lado o que me parece mais substantivo, ou seja, o voto no PS, que não deixa de ser este mesmo partido seja quais forem as circunstâncias, com as consequências de caucionamento da política que tem desenvolvido desde o tempo de Soares, e fiquemo-nos pelo voto nesta candidatura, que não deixa de ser útil, não senhor, mas para quê e para quem?

Este Costa não é diferente do senhor igual, mas ligeiramente mais magro, que há uns anos, em sede de conselho de ministros, protagonizou a continuidade de uma das medidas mais graves no que respeita ao poder local: o limite do endividamento das autarquias iniciado por Ferreira Leite;

Este Costa não é diferente do senhor igual, mas ligeiramente mais magro, que, a par de Santos Silva e de Pedro Silva Pereira, constituiu o núcleo duro da governação absoluta de Sócrates;

Este Costa é o mesmo que há uns meses defendeu uma aliança com o PCP e com o BE para Lisboa desde que a mesma não se baseasse numa discussão assente no programa mas sim em lugares, o que levou os comunistas a rejeitarem qualquer tipo de aproximação a Costa (pelo menos foi o que o secretário geral do PCP disse sem alguma vez ter sido desmentido). Assim sendo, é curioso que Costa tenha tantas vezes enchido a boca com a acusação de sectarismo aos seus vizinhos da esquerda. Curioso mas eficaz já que a táctica lhe deve ter rendido muitos votos;

Por fim, a vitória absoluta (para a qual todos os seus votantes contribuíram sem excepção) deste Costa é também a vitória do outro Costa, o homem do partido que ambiciona chegar a mais poderes e também uma vitória de José Sócrates, como o próprio referiu na noite eleitoral.

Se o voto foi útil? Lá útil foi: para dar a maioria absoluta ao tal senhor que já foi mais magro, para estancar o descrédito de Sócrates e do seu partido, para calar Sá Fernandes e Roseta de vez e para ajudar a arrumar com a imbecil ideia do fim do bipartidarismo que vinha ganhando cada vez mais entusiastas.

Publicado por [Paradise Café] às 12:51 PM | Comentários (9)

As fotos da festa dos 4 anos de Spectrum

Ainda que já tivessem circulado entre todos logo após a festa do ano passado só agora é que decidimos partilhar as fotos com os nossos leitores.



Party Program, o Rapaz dos Caracóis, A Mais Situacionista de todas e o Castor Marxista recebem a Egipcia no seio do seu grupo de afinidade



Chuckie Egg em pose felina no sofá Luis XIV.



Saboteur fez directa e foi de manhãzinha para o Critical Mass

O pessoal do Blog amigo 5 dias veio todo de toga


Joystick e Shift esbanjando charme



Renegade a dar as boas vindas ao nascer do sol

A rapariga dos trópicos do Jean Rouch mostrou aos caucasianos presentes como se dança nas novas nações

Enfim foi uma festa à Spectrum

Publicado por [Party Program] às 12:16 PM | Comentários (3)

PUB.

À Conversa sobre o Capital de Karl Marx

O Instituto de Sociologia da Faculdade de Letras da Fundação Universidade do Porto promove o Encontro “À conversa sobre O Capital de Karl Marx”, a propósito da publicação inédita do II Livro em Portugal.
O evento decorrerá no dia 15 de Outubro, na Sala de Reuniões da Faculdade de Letras da Fundação Universidade do Porto, pelas 17h30.
Nesta iniciativa procurar-se-á discutir interdisciplinarmente tópicos da obra mencionada que revistam actualidade e pertinência analítica para a compreensão de actuais dinâmicas sociais, económicas, entre outras.

Oradores convidados:
Manuel Loff (FLUP)
Nuno Nunes (ISCTE-CIES)
Carlos Pimenta (FEP)
Francisco Melo (editor e filósofo)
Organização: João Valente Aguiar (ISFLUP)

[ENTRADA LIVRE]

Publicado por [Paradise Café] às 10:57 AM | Comentários (4)

outubro 12, 2009

White Gloves

O Bloco não é o PCP a quem carinhosamente chama de "PC" e cataloga de sectário, ortodoxo e pouco inteligente. Não. O Bloco é diferente e novo e o que é novo cresce até que alguém das suas filerias entende defender uma estratégia autárquica tão pouco brilhante, opaca e inexplicável e, brincando ao PCP dos pequeninos, pensa que os eleitores do Bloco têm a disciplina da clandestinidade beijada por amanhãs de cantam da reforma agrária. Acontece que se os eleitores menos voláteis do BE tivessem essa disciplina não seriam eleitores do BE porque estariam ou votariam (ainda) todos nos outros partidos de esquerda.

De modo que a escolha de cisão com Sá Fernandes, mal explicada e mal intencionada, do namoro escondido a Roseta, de uma candidatura separada à Câmara de Lisboa contra, sobretudo, António Costa e, em segundo lugar, contra Santana, saiu pela culatra. Dizia-se que o eleitorado não compreenderia uma aliança com o PS nas autárquicas e campanha contra o PS nas legislativas. Um paternalismo imperdoável. 8000 lisboentas eleitores do BE, não votantes de protesto anti-sócrates mas, de facto, eleitores do BE, onde eu que não sou militante/aderente orgulhosamente me incluo, votaram Costa para o executivo e BE na Assembleia. Não só provaram que é mentira que os eleitores se sintam confusos entre consequências de voto e escolha eleitoral entre legislativas e autárquicas como deram um sinal claro que, mesmo quanto a autárquicas, souberam distinguir entre diferentes órgãos.

Este não é um caso de azia tratável com Kompensan. É um caso de gastroenterite crónica que terá feito com que Fazenda se ofuscasse dos comentários aos resultados de Lisboa: o ar roliço de orgulho insuflado esvaíra-se em peidos e jazia pequeno e mirrado num canto da sede de campanha.

Publicado por [Joystick] às 10:11 PM | Comentários (18)

Manuel procura Manuel


É já amanhã o primeiro debate do ciclo «A política para além da política», no bar do Teatro Maria Matos. Consta que serão cometidos vários plágios. Nenhuma frase inscrita nas paredes desta cidade estará a salvo.

13 de Outubro
POLÍTICA, RAZÃO E EMOÇÃO
Com Manuel Villaverde Cabral e Manuel Loff

A frequente utilização da ideia de populismo tem levado à sua banalização, a ponto de ser legítimo perguntar se nos tempos que correm populismo não é apenas a forma mais rápida de desautorizar projectos políticos de que se discorda. Simultaneamente assistimos a uma crescente tecnicização do debate político, definindo-se a política enquanto assunto de especialistas que deverá privilegiar um tratamento preferencialmente racional, de acordo com o qual uma qualquer relação entre política e emoção reveste um sentido patológico.

Autor de várias obras, de O Operariado nas Vésperas da República a Cidadania e Equidade Política em Portugal, Manuel Villaverde Cabral é investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade Lisboa, sendo actualmente Vice-Reitor da Universidade de Lisboa.
Manuel Loff é historiador, professor na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e tem vários trabalhos na área da História. Publicou recentemente O Nosso Século é Fascista! - O mundo visto por Salazar e Franco (1936-1945).

Publicado por [Rick Dangerous] às 06:57 PM | Comentários (1)

outubro 11, 2009

Quer seja a deslizar, quer seja por uma espécie de vácuo espaço-tempo...

... Agora é que ela vai de cona.

Publicado por [Joystick] às 10:55 PM | Comentários (2)

Ui, que nervos...

Passando pelo Campo Grande tenho a sensação que jardim está com mais pessoas do que o habitual. Talvez seja porque repararam a ciclovia e andam por aqui muitos ciclistas... está estudado que pessoas atraiem mais pessoas aos parques.

Sigo precisamente pela ciclovia: Telheiras, Carnide, onde passaram a Av. do colégio Militar de 4 faixas para 2, para dar mais espaço para peões e bicicletas. Muitos moradores se queixaram (muito instigados também pela Junta de maioria CDU/PSD), mas eu acho que a zona está mais agradável, assim.

Sigo e passo pelo Colombo, pela Quinta da Granja (um parque novo a visitar), Fonte Nova, estrada de Benfica...

Está bom tempo. Está quente e não há nenhum vento. Está abafado. Não consigo evitar o pensamento que está aquele tempo que antecipa os grandes desastres.

Publicado por [Saboteur] às 07:00 PM | Comentários (2)

Votar numa escola secundária

9F.jpg

Tenho saudades dos tempos em que me exprimia através das Onda Choc e de canetas coloridas (apesar de, nessa altura, sermos todos muito parvos). De certa maneira, há alguma coisa que me satisfaz menos nestes tempos de expressão com cruzes em boletins de cores pastel com canetas bic atadas por um cordel (mesmo que sejamos todos menos parvos).

Publicado por [Joystick] às 03:32 PM | Comentários (3)

Festa de aniversário do Spectrum

Ontem recebi um telefonema entusiasmado de um amigo meu de faculdade: "Então, tudo preparado para logo à noite?". "Logo à noite?". "Sim, a festa lá do tue blog..."

Para os mais incautos fica o aviso. É no próximo Sábado.

festa do spectrum.JPG

Publicado por [Saboteur] às 11:44 AM | Comentários (6)

outubro 10, 2009

O Nosso Terror!

A configuração do espaço é ideal . Por vezes encarnamos os jurados no Tribunal Revolucionário procedendo em conjunto ao reconhecimento de todos os atentados contra a República. Outras vezes, votamos a criação do exército revolucionário na Convenção Nacional. O trabalho cénico é impressionante, o revisionismo histórico é abominável.
Os ideais da Revolução terminaram aqui e agora, o teatro tem essa capacidade mas também muitas outras... ele remete-nos facilmente para a actualidade! Maximilien Marie Isidore de Robespierre, protagonista principal da peça, de incorruptível tornou-se assim o nosso torcionário, o nosso terror, a nossa sarna. Um verdadeiro sanguinário. Quando se passa da acção contra a violência colectiva às pequenas frustações individuais ou egocêntricas, a guilhotina é a saída!

Publicado por [Shift] às 11:51 AM | Comentários (6)

Nobel Obama

Consta que Fidel saúdou a atribuição do Nobel a Obama.

Publicado por [Saboteur] às 10:55 AM | Comentários (1)

Tirado daqui.

Publicado por [Saboteur] às 12:45 AM | Comentários (4)

outubro 09, 2009

Peace, bro!

barack-obama-2.jpg

Publicado por [Bounty Bob] às 11:05 AM | Comentários (13)

outubro 08, 2009

Há festa na aldeia, 5 anos de spectrum!

festaspectrum5anos.jpg

Publicado por [Chuckie Egg] às 12:34 PM | Comentários (37)

Por falar em aniversários...

Oral.jpeg

Publicado por [Chuckie Egg] às 12:00 PM | Comentários (2)

Os meus prógnósticos para Lisboa

Já por várias vezes um comentador aqui do blog me acusou de "agitar o papão" da direita e da vitória Santanista.

Na verdade, custa-me muito a acreditar, não quero, não consigo acreditar, que Santana volte a ganhar Lisboa depois de tudo aquilo que fêz. Por outro lado, também acho muito irrealista o cenário da "maioria absoluta" de António Costa.

O meu prognóstico é:

PS - 8 Vereadores (+2 do que em 2007; cerca de 44% dos votos, mais 9, quase 10% dos votos das legislativas)

Santana - 7 Vereadores (+4 que em 2007, menos 1 que em 2005; cerca de 39% dos votos, menos 1 a 2% do que nas legislativas)

CDU - 1 Vereador (menos 1 que em 2007, cerca de 8% dos votos, identico às legislativas)

BE - 1 Vereador (igual a 2007, cerca de 7% de votos, menos 2 a 3% do que as legislativas)

Publicado por [Saboteur] às 11:27 AM | Comentários (14)

outubro 07, 2009

Abraços improváveis

marta rebelo e joão malheiro.jpg

Publicado por [Rick Dangerous] às 08:04 PM | Comentários (5)

Asians do it better

familia costa.jpg

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:05 PM | Comentários (3)

outubro 06, 2009

"Profilaxia da memória"

O Irmão Lúcia, no seu blog, relembra como foi corrido da Câmara, para ser substituído por um batalhão de jotas.

O período PSD na CML foi fértil nestes procedimentos. A direita chegou lá convencida que a CML era um ninho de comunas que era necessário desinfectar. Ainda me lembro de ler cartas do leitor inflamadas a criticar a CML por promover concertos com o Mano Chao, que incitava os jovens ao consumo de droga, ou da AE do IST a fazer manifestações nos Paços do Concelho a exigir mais segurança na cidade…

Muitas das chefias foram substituídas após 2001, muitos técnicos foram para a prateleira, muita gente nova entrou para a câmara e para as empresas municipais. Muitos dos recibos verdes que foram agora integrados nos quadros da câmara após o acordo PS/BE, são, ironicamente, dessas fornadas laranjas.

Enfim…

O Irmão Lúcia dedica o post dele aos colegas que ficaram no desemprego com ele por essas alturas. Eu dedico o meu a todos aqueles que dizem que é indiferente ganhar o Costa ou o Santana.

bettencourt.jpg

Publicado por [Saboteur] às 11:44 PM | Comentários (10)

Notícias da Grécia

400px-Anthos.jpg
Houve, no fim de semana que passou, eleições legislativas na Grécia. Foi o primeiro acto eleitoral após os acontecimentos de Dezembro de 2008. O PASOK ("esquerda moderna") ganhou com uma maioria absoluta, tendo a Nova Democracia, partido da direita conservadora do anterior governo liderado por Costas Karamanlis, ficado em segundo lugar. O EEK (pc grego) e o Synaspismos (mais ou menos correspondente ao be grego) obtiveram resultados interessantes que, contudo, ficaram ensombrados pela maioria absoluta conquistada pelo PASOK.

O Spectrum esteve lá e recolheu depoimentos de líderes destacados do EEK e do Synaspismos, que em uníssono declararam: A derrota da direita é uma grande vitória do povo grego, que demonstrou uma vontade de mudança à esquerda. Só é pena que o PASOK tenha alcançado uma maioria absoluta mas isso podemos agradecer aos anarquistas. Com o seu comportamento irresponsável, violento e inconsequente, contribuiram para criar a convicção de que era necessário um governo forte e estável, levando o povo a entregar ao PASOK uma maioria absoluta. Como sempre aconteceu ao longo dos tempos, a sua acção serviu os interesses da direita e do capital.

Publicado por [Bounty Bob] às 04:34 PM | Comentários (3)

Morreu Marek Edelman.

Tradução do francês para português (Embora não ache o texto muito bom, tem aspectos importantes).
Comunicado da Union Juive Française pour la Paix (UJFP)

De um gueto a outro
Marek Edelman morreu

Ele foi um dos grandes testemunhos conhecidos de um mundo desaparecido: o Yiddishland quase totalemente destruído pelos Nazis. Ele foi também um dos últimos sobreviventes de um partido de massa, o Bund, cujas posições políticas são mais do que nunca da actualidade.
Marek Edelman foi em 1943 o segundo comandante da insurreição do gueto de Varsóvia. No momento do assalto final, ele conseguiu fugir pelos esgotos e continuar a lutar junto da resistência polaca. Combatente heróico contra o nazismo, ele manteve a mesma intransigência depois da guerra. Ele ficou na Polónia. Ele era e afirmava-se como polaco. Tendo-se oposto firmemente contra o sionismo, denunciou frequentemente a política israelita e combateu corajosamente o estalinismo.
A sua morte lembra-nos algumas verdades históricas.
Na Europa de leste onde viviam milhões de judeus, o sionismo era minoritário até à guerra quando comparados a outras correntes socialistas, entre as quais o Bund. O Bund era um partido operário revolucionário que associava a emancipação dos judeus aos problemas de segregação racial, anti-judaica, e ainda à causa proletária. O Bund era laico e defendia a liberdade e igualdade dos direitos dos judeus onde eles viviam, sem especificar um território. Os Bundistas eram assumidamente antisionistas: recusar a luta e partir para colonizar um outro país era para eles uma traição e uma utopia messiânica perigosa.
Pensar em Marek Edelman lembra-nos que a resistência judaica ao nazismo foi essencialmente Bundista ou comunista. No entanto, absurdo da história, em Israel, a instrumentalização da memória do antisemitismo europeu e do genocídio nazi transformou-se no principal meio de forçar a opinião a aceitar os crimes de guerra em Gaza ou a destruição da Palestina. Edelman nunca recebeu uma condecoração ou marca de honra da parte de Israel, tendo sido banido de facto.
Depois da guerra, houve um consensos mundial no sentido de empurrar a massa dos sobreviventes do genocídio para Israel e fazer com que o crime europeu seja pago pelos palestinianos. Marek Edelman foi um dos raros a recusar. Houve uma ressurgência do antisemitismo na Polónia, marcada pelo massacre de Kielce (1946) e a depuração organizada em 1968 pelo General Moczar. Marek Edelman ficou na Polónia e continuou a lutar pela liberdade e democracia.
Marek Edelman nunca cessou de denunciar a política dos governos israelitas. Ele era solidário com a luta palestiniana. Ele que lutou contra a destruição do seu país considerava-os como “militantes” contra a ocupação.
Por todas estas razões, o seu desaparecimento é uma perda imensa tanto para UJFP como para os internacionalistas do mundo inteiro.
A UJFP honra a sua memória e continuará a promover o seu combate internacionalista contra a opressão e pela emancipação dos povos.
UJFP, 5 de Outubro 2009

(Versão original em francês a seguir)

D’un ghetto à l’autre
Marek Edelman est mort

Il était l’un des grands témoins connus d’un monde disparu : le Yiddishland presque totalement anéanti par les Nazis. Il était aussi un des derniers survivants d’un parti de masse, le Bund, dont les positions politiques sont plus que jamais d’actualité.
Marek Edelman a été en 1943 le commandant en second de l’insurrection du ghetto de Varsovie. Au moment de l’assaut final, il a pu fuir par les égouts et continuer la lutte dans la résistance polonaise. Combattant héroïque face au nazisme, il a gardé la même intransigeance après guerre. Il est resté en Pologne. Il était et s’affirmait polonais. Opposant résolu au sionisme, il a régulièrement dénoncé la politique israélienne. Et il a courageusement combattu le stalinisme.
Sa mort nous rappelle quelques vérités historiques.
En Europe de l’Est où vivaient des millions de Juifs, le sionisme a été minoritaire jusqu’à la guerre face aux différents courants socialistes dont le Bund. Le Bund était un parti ouvrier révolutionnaire qui liait l’émancipation des Juifs face à la ségrégation raciale, antijuive, à celle du prolétariat. Le Bund était laïque et prônait la liberté et l’égalité des droits pour les Juifs là où ils vivaient, sans territoire spécifique. Les Bundistes étaient farouchement antisionistes : refuser la lutte et partir coloniser un autre pays était pour eux une trahison et une utopie messianique dangereuse.
Le souvenir de Marek Edelman nous rappelle que la résistance juive au nazisme a été essentiellement bundiste ou communiste. Et pourtant, absurdité de l’histoire, en Israël, l’instrumentalisation du souvenir de l’antisémitisme européen et du génocide nazi est devenue le principal moyen pour faire accepter par l’opinion les crimes de guerre à Gaza ou la destruction de la Palestine. Edelman n’a jamais reçu aucune décoration ou aucune marque d’honneur de la part d’Israël. Il était banni de facto.
Après la guerre, il y a eu un consensus mondial pour faire partir en masse les survivants du génocide en Israël et pour faire en sorte que le crime européen soit payé par les Palestiniens. Marek Edelman a été un des rares à refuser. Il y a eu la résurgence de l’antisémitisme en Pologne, marquée par le massacre de Kielce (1946) et l’épuration organisée en 1968 par le général Moczar. Marek Edelman est resté en Pologne et a continué de se battre pour la liberté et la démocratie.
Enfin Marek Edelman n’a jamais cessé de dénoncer la politique des gouvernements israéliens. Il a été solidaire des Palestiniens. Lui qui a lutté contre la destruction de son pays les considérait comme des « partisans » face à l’occupation.
Pour toutes ces raisons, sa disparition est une perte immense, au-delà de l’Union Juive Française pour la Paix, pour les internationalistes du monde entier.
L’UJFP salue sa mémoire et continuera à promouvoir son combat internationaliste contre l’oppression et pour l’émancipation des peuples.

Bureau national de l’UJFP le 5 octobre 2009

Publicado por [Shift] às 10:45 AM | Comentários (3)

Cardozo tem tantos golos marcados como toda a equipa do Sporting

Publicado por [Rick Dangerous] às 01:31 AM | Comentários (2)

outubro 05, 2009

Lendo os programas autárquicos para Lisboa...


Neste site, podem ter acesso a uma grelha de comparação dos programas eleitorais para as eleições de Lisboa.

21 folhas, divididas por temas, numa grelha, é uma maneira fácil e eficaz de ter um over view sobre o que propõem as 4 candidaturas.

Para além disso, o site tem espaço para o debate. Um debate com base nos programas e nas propostas concretas é algo que não acontece todos os dias. Aproveitem.

Publicado por [Saboteur] às 04:41 PM | Comentários (1)

hum ...

RELATÓRIO DO PNUD DIZ QUE PORTUGAL É O MAIS "GENEROSO" EM POLÍTICAS DE INTEGRAÇÃO

Notícia do DN (03/09): Ex-deputada socialista acusada de xenofobia. Marta Rebelo vai deixar de ver os jogos se Liedson jogar. "Não é discriminação", garante.

25 de Agosto de 2009
Notícia do Público: Muitos dos moradores da Quinta da Princesa, no Seixal, onde esta noite houve confrontos e troca de tiros entre alguns residentes e a PSP, queixam-se que a polícia intervém neste bairro problemático de forma “racista” e discriminatória”.

20 de Agosto de 2009
Notícia do Correio da Manhã: O desemprego continua a aumentar em Portugal, afectando cada vez mais a população imigrante.

Notícia do "Verdadeiro Olhar": Presidente de Junta da Seroa diz-se feliz por se ver livre dos ciganos.


Notícia do Correio da Manhã: Violência física, extorsão de dinheiro dos salários, trabalho de sol a sol, fome e medo fazem parte do quotidiano vivido por imigrantes romenos e tailandeses sujeitos a todo o tipo de maus tratos infligidos por redes de tráfico de mão-de-obra ilegal no Alentejo.

Notícia do JN: PSP e SEF identificam 42 pedintes romenos a viver em Campanhã.

Notícia do JN: Governo impõe limite aos vistos de residência.

Notícia do Correio da Manhã: Morto a tiro em frente à PSP. Um homem de etnia cigana foi morto com um tiro à queima-roupa, ontem ao final da tarde, nas Caxinas.

ISTO FOI SÓ UMA PEQUENA E RÁPIDA PESQUISA DE PEÇAS JORNALÍSTICAS DOS ÚLTIMOS 4 MESES

Publicado por [Paradise Café] às 03:03 PM | Comentários (3)

Debate sobre mobilidade pedonal

debate peão.jpg

Se já não tivesse decidido em quem ia votar nas autárquicas, o debate da passada 4ª feira, sobre um tema que me é caro (a mobilidade pedonal), tinha-me deixado com mais dúvidas.

O debate completo pode ser ouvido aqui, mas são duas horas com poucas ideias para a causa.

Nunes da Silva (o especialista em mobilidade dos Cidadãos por Lisboa, que concorre nas listas de António Costa), dá logo de início o mote: “Se houvesse um referendo sobre os carros em cima dos passeios, o sim ganhava”.

Políticos e técnicos das mais variadas áreas políticas há muitos anos que se habituaram a deslocar de carro dentro desta cidade para todo o lado. Não conseguem sequer conceber como é que pode ser diferente. Para eles, os problemas de mobilidade pedonal (que foram um pouco reduzidos - culpa da organização? - aos carros em cima do passeio), são essencialmente problemas de falta de estacionamento.

Esta é uma forma errada de ver o problema.

Quando há uns anos se colocou a questão no meu agregado familiar de comprar ou não um 2º carro, o que pesou na balança foi o preço do carro, do seguro e das manutenções. Nunca considerámos a questão do estacionamento porque aqui em Benfica, o espaço público para os pó-pós, seja em passeio, seja em alcatrão é gratuito e pode ser privatizado a qualquer momento pelo meu carro.

Acabámos por não comprar o carro com benefícios evidentes para a Cidade. Isto apesar da câmara não fazer o seu papel de promoção do Bem Comum: a promoção dos transportes públicos e da mobilidade sustentável – nomeadamente pedonal - e o desincentivo à propriedade de carro próprio.

Publicado por [Saboteur] às 11:49 AM | Comentários (7)

outubro 04, 2009

Onde estava Vital Moreira quando era preciso?

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:43 PM | Comentários (4)

outubro 03, 2009

Da governação estável à esquerda

Muito se tem falado sobre a necessária aliança ou compromisso à esquerda para a Governação. André Freire encabeça para o efeito um abaixo-assinado e os articulistas de esquerda, tanto em blogs como em jornais, vão pedindo a Sócrates, Louçã e a Jerónimo um entendimento que permita uma governação “estável” à “esquerda”.

Após esta votação histórica à esquerda do PS, colocam-se duas hipóteses de trabalho: tentar capitalizar esses votos para lugares no parlamento que ajudem a aprovar os orçamentos de Sócrates em troca de medidas pontuais ou ler esta votação como uma radicalização do eleitorado e tentar capitalizá-la para uma mudança mais necessária e exigente. Uma mudança que se traduza na rua e não no beija-mão parlamentar.

Uma alteração radical do rumo político de um país, de uma fábrica ou de um bairro nunca se processou através de reformas pontuais. Essas alterações dão-se quando a correlação de forças se altera no terreno da vida. Ajudar a gerir, nesta espécie de pós-política, o estado das coisas serve apenas para manter esse mesmo estado dessas mesmas coisas. Não há volta a dar. Politizar é abolir a gestão do dia-a-dia tentando agarrá-lo e isto faz-se com uma organização popular (já cheira a mofo não é?) que mesmo que comece por se centrar em “pequenas” questões venha a entender que só as resolve de facto se colocar como meta alargá-las tanto que possam rebentar.

A força, como tudo, não é ilimitada. Canalizá-la para o parlamento já é mau, canalizá-la para entendimentos com Sócrates é ainda pior.

Publicado por [Paradise Café] às 06:55 PM | Comentários (2)

Alguém viu « Singularidades de uma rapariga loira » ?

Trailer Singularidades de Uma Rapariga Loura from Antena 1 Cinema on Vimeo.


Diz-se frequentemente por aí que Manoel de Oliveira consegue dar luz às salas de cinema parisienses e que em Lisboa essas salas aparecem despojadas da sua dignidade. Constatei esta última realidade em 2003 no “Um filme falado”. Os marcos temporais criados pelas saídas de filmes nas salas de cinema são fabulosos na compreensão do nosso próprio gosto cinematográfico. Desde 2003 não voltei a dirigir-me a essas salas para apreciar Oliveira, e, no entanto, desde então houve um “Quinto Império”, um “Espelho mágico”, um “Belle Toujours”, um “Cristóvão Colombo”... Voltei em 2009 às salas de cinema para ver “Singularidades de uma rapariga loira”, estávamos no Cinéma Nouveau Latina próximo do Pompidou em Paris. Uma fila para comprar o bilhete continuava a tomar forma até ao exterior do edifício, quando já dificilmente encontrava um lugar central na sala. Oliveira surpreendeu-me como em 1974 com “Benilde ou a Virgem mãe”!
Gostei, a singularidade deste filme é o seu anacronismo entre os valores conservadores da alta burguesia do início da segunda metade do século XX (diria eu) e de Lisboa, hoje, capital europeia ... mas uma coisa continua a intrigar-me: o gaguejo dos personagens de Oliveira, que para uns é o lado teatral da coisa mas que para outros, nos quais me identifico, é um elemento de grande perturbação auditiva e visual! Os franceses acham piada, talvez por não captarem nada da língua, talvez por ser esta a singularidade de Oliveira.
O filme tem pouco mais de uma hora, pelo que ainda tivemos direito a um debate com a presença de Mathias Lavin, doutorado em estética do cinema, autor de uma tese intitulada “"La Parole et le lieu, le cinéma selon Manoel de Oliveira". Foi assim que testemunhei a loucura e obsessão intelectual dos franceses em torno da obra de Manoel de Oliveira. Cada detalhe da luminosidade da imagem foi detectado, cada excerto de texto decorado, cada objecto do décor criticado, cada plano e movimento de camara apreciado, cada gesto de um personagem tido como um significado, cada som decorticado, cada, cada, cada... Manoel é o rei da contemplação poético-cinematográfica! A partir de hoje gostaria de assistir aos filmes de Oliveira sem som, mas ainda assim com diálogos...as legendas e o mexer dos lábios seriam suficientes!

Publicado por [Shift] às 06:54 PM | Comentários (2)

Começa já dia 30

A POLÍTICA PARA ALÉM DA POLÍTICA

ciclo de sete debates da Unipop e do Maria Matos
DE 10 DE OUTUBRO A 24 DE NOVEMBRO de 2009.
SEMPRE ÀS 18H30 DE TERÇA-FEIRA
NO BAR DO TEATRO MARIA MATOS.

ENTRADA LIVRE

Política. Provavelmente, nas duas últimas décadas, não haverá palavra cuja crise tenha sido mais vezes anunciada. A simples enunciação do termo parece suscitar cansaço, fastio, ou na melhor das hipóteses um comentário irónico, céptico, cínico. E contudo não existe outro caminho que não o de voltar uma e outra vez a discutir política, a questão estando no que se entende por política.

Por isso dizemos que este ciclo de sete debates propõe levar a política para além da política e a fórmula sinaliza a vontade de extravasar os debates que predominam na agenda da política institucional, reunindo preferencialmente analistas políticos, ministros, jornalistas, deputados, técnicos de sondagens ou cientistas políticos.

Decorrendo ao fim das tardes de terça-feira, no bar do teatro maria matos, este ciclo trata então de construir um mapa de problemas, da ideia de representação à questão do populismo, passando pela política da plebe ou da multidão, do conceito de biopolítica às políticas de identidade e abordando a relação entre política e polícia.

Publicado por [Paradise Café] às 05:36 PM | Comentários (1)

outubro 02, 2009

Publicado por [Paradise Café] às 10:44 PM | Comentários (1)

A turminha do Spectrum está a preparar uma grandiosa festa na ILGA no próximo dia 17 de Outubro, não é?

Publicado por [Renegade] às 08:13 PM | Comentários (2)

As declarações de Pacheco Pereira acerca das declarações de Cavaco Silva

Publicado por [Rick Dangerous] às 01:20 PM | Comentários (10)

Chicotada psicológica

jmf.jpg
José Manuel Fernandes de saída do Público.
Os maus resultados e a impaciência dos adeptos levaram o treinador a apresentar a sua demissão. Já desde há algum tempo que a equipa vinha apresentando um futebol de fraca qualidade mas tudo se precipitou com os últimos acontecimentos. O acumular de derrotas e a incapacidade de dar a volta por cima foram fatais para JMF.

Publicado por [Bounty Bob] às 10:48 AM | Comentários (3)

outubro 01, 2009

Quiz: Quem são hoje os novos mencheviques?

O que Marx mais combateu em toda a sua vida foram as ilusões da democracia pequeno burguesa e do democratismo burguês. O que ele mais ironizou foram as frases ocas sobre a liberdade e a igualdade (…). Tudo isto foi posto a nu em todos os seus trabalhos económicos. Podemos dizer que todo O Capital de Marx se empenha em esclarecer esta verdade, que as forças fundamentais da sociedade capitalista são e só podem ser a burguesia e o proletariado (…). Mas quando as coisas chegam à verdadeira luta, à luta decisiva pelo poder entre o proletariado e a burguesia, constatamos que os nossos mencheviques e os nossos socialistas-revolucionários, assim como os chefes dos velhos partidos socialistas do mundo inteiro, esqueceram esta verdade e se puseram a repetir de forma puramente mecânica as frases filistinas sobre a democracia geral.

LENINE, Relatório ao VIII Congresso do Partido Comunista da Rússia, 1919.

Publicado por [Paradise Café] às 11:55 AM | Comentários (20)