« Dois bófias em cada esquina | Entrada | Poesia de rua #9 »

setembro 06, 2007

Todos os cavalos do Rei

"Para mim ela era a mais situacionista de todos. Foi ela quem, em Cosio, chamou a atenção a todos para o facto de não se dever dizer «situacionismo» mas «situacionista», porque quando algo se torna num «-ismo» há boas probabilidades de se transformar numa ideologia, numa seita. Ela certamente negá-lo-ia, mas sempre tive a impressão de que possuía uma autoridade sobre Guy. Usava-a de forma poupada, mas sempre no momento certo. Sabia como reinar sobre ele quando deslizava para o pior tipo de exagero."

"Ninguém poderia entender como eles sobreviviam. Um dia um dos meus amigos (alguém a quem eu tinha apresentado Debord) perguntou-lhe, "você vive de que?" E Guy Debord respondeu muito orgulhosamente, "eu vivo de minha sabedoria" . De facto, ele deve ter tido algum dinheiro; eu acho que a família dele não era pobre. Os pais dele moravam no Cote d'Azur. Acho que não tenho realmente a resposta. E além disso, Michele Bernstein tinha arranjado um modo esperto para ganhar dinheiro, ou ao menos um pouco de dinheiro. Ou pelo menos isto foi o que ela me contou. Ela disse que fazia horóscopos para cavalos, que eram publicados em revistas de corridas do gênero. Era extremamente engraçado. Ela determinava a data de nascimento dos cavalos e fazia os seus horóscopos para predizer o resultado da corrida. E acho que houve revistas deste tipo que publicaram e pagaram-lhe."



"Duas, três ou mais paixões, às quais depois me referirei, obtiveram de maneira quase permanente um lugar nesta vida. Mas a mais constante e a mais presente foi beber. Entre as poucas coisas que desfrutei e soube fazer bem, o que sem dúvida soube fazer melhor foi beber. Embora tenha lido muito, bebi mais do que li. Escrevi muito menos do que a maioria dos que escrevem; mas em comparação com os que bebem, bebi bem mais."

Publicado por [Rick Dangerous] às setembro 6, 2007 10:10 PM

Comentários

Nem por acaso carrego o livro que dá nome ao teu post na minha algibeira. Nem ainda mais por acaso o enredo começa com um casal, michelle e gilles, largamente inspirado no guy, que se interessam mutuamente numa jovem chamada charlotte.

Publicado por [Sun Tzu] às setembro 6, 2007 10:55 PM

"et se tournant vers lui:
- De quoi te occupes-tu au juste? Je ne sais pas bien.
- De la reification, répondit Gilles.
- C'est un grave etude, ajoutai-je
- Oui, dit il
- Je vois, observa Charlotte admirative. C'est un travail tres serioux, avec des gros livres et beaucoup de papiers sur un grande table.
- Non, dit Gilles, je me promene, principalemente je me promene"

Publicado por [sun tzu] às setembro 6, 2007 11:10 PM

olha que giro, os dois meninos a adorar o livro da senhora do mestre. Confessem: é a cena de sexo lésbico, não é? E o resto é uma seca desalmada.

Publicado por [nongoloza] às setembro 6, 2007 11:46 PM

mas a ultima citação é daquela entrevista-confissão do miguel esteves cardoso não é?

Publicado por [ce] às setembro 7, 2007 09:19 AM

O nongoloza têm é inveja.

Publicado por [sun tzu] às setembro 7, 2007 12:19 PM

fdx esse gajo não pára de bater na mesma tecla, duas diatribes só pra ele e seus "irmãos"!!!

Publicado por [Anónimo] às setembro 7, 2007 12:26 PM

Comente




Recordar-me?

(pode usar HTML tags)