« março 2007 | Entrada | maio 2007 »

abril 30, 2007

Um 1º de Maio diferente

festa_mayday.jpg

Hoje há festa no Karnart. Amanhã há pic-nic hás 13 horas na Alameda D. Afonso Henrriques. Saída às 14h30 para ir ter com o desfile da CGTP.

Mais informações sobre o primeiro de Maio dos precários, aqui.

Publicado por [Saboteur] às 06:34 PM | Comentários (3)

Da infâmia - era uma vez uma manifestação

Banalidades de base:
1- Quem tomou como boa fonte as declarações da assessora de imprensa da polícia vai pelo bom caminho.
2- Quem contrapõe à carga policial o lançamento de algumas bolas de tinta e a pintura de paredes, destacando ainda os ferros e paus que suportavam bandeiras, é extremamente lúcido e tem a perfeita noção das proporções.
3- Quem se atira aos "anarquistas" e "vândalos" que "fazem favores à extrema-direita" por se manifestarem contra o fascismo, em vez de deixar esse trabalho à polícia, conhece bem a história do século XX .
4- Os que insinuam que alguns dos manifestantes gostam de andar à porrada com a polícia e nada sabem das ideias políticas que defendem, merecem um bónus.

Porque sabemos que a polícia tem um compromisso fundamental com a defesa da verdade, da democracia e do estado de direito democrático. Porque sabemos que escrever grafitti é ilegal e que a polícia existe precisamente para espancar quem os pinta. Porque sabemos que em Itália, na Alemanha, em Portugal ou em Espanha, a polícia foi o último bastião de resistência contra o fascismo. Porque sabemos que é possível afirmar praticamente tudo sem o mínimo sentido do ridículo.

O prémio porta-voz policial é para Pacheco Pereira, pelos seus considerandos acerca da "violência de extrema-esquerda" e do "vandalismo claramente organizado da auto-defesa": "Um interessante revelador dessa politização, duplamente "politicamente incorrecto" porque não cabe nem no discurso oficial, nem "popular" (ou seja do PCP e seus aliados) foi a "manifestação anti autoritária contra o Capitalismo, contra o Fascismo" que esteve na origem de distúrbios, vandalismo e prisões na zona do Chiado. A violência da extrema-esquerda não encaixa no discurso oficial e por isso não pode ser tratada como tal (diferentemente da violência da extrema-direita) pelo que as reportagens noticiosas valorizaram a carga policial e não o vandalismo claramente organizado da "autodefesa"."
Pacheco Pereira, que se deu ao trabalho de ir procurar a convocatória da manifestação às profundezas do ciber-espaço, não quis em todo o caso perder tempo a ler os vários testemunhos disponíveis e que desmontam os argumentos policiais segundo os quais os manifestantes se manifestavam violentamente. Nem as fotografias o desviaram do seu propósito de manter no ar a versão da polícia. Pacheco Pereira, mais do que escrever sobre um assunto que está na ordem do dia, desenha cenários onde podem ser representadas todas as farsas. Neste, os actores principais eram a violência da extrema-esquerda e a violência da pólícia, amanhã poderá ser o anti-semitismo da esquerda, o anti-americanismo na Europa ou o controlo socialista sobre a comunicação social. A verdade e o rigor andarão sempre igualmente longe.

O prémio da infâmia estalinista vai para o Pedro Penilo, pelos comentários no Arrastão: "Um amigo nosso tinha sido espancado. Infelizmente, tenho de reconhecer, pertence àquele tipo de jovens (que fazem as notícias de abertura dos telejornais, sobre as manifestações anti-globalização) que fazem a "apologia do desacato" e que se pelam por uma boa batalha campal com a polícia. Esta minha amiga ficou surpreendida: em vez de compaixão, encontrou irritação. Ela diz-me que é necessário radicalizar a luta, e eu pergunto-lhe se quer dizer com isso atirar bolas de tinta para dentro de lojas (onde estes jovens, aliás, costumam comprar roupa). Também acho que é preciso radicalizar a luta. Temos um mês para preparar a Greve Geral. Entretanto, estes jovens vão prestando um belo serviço ao inimigo (e não é só à extrema direita)."
A melhor parte é aquela em que o Pedro, de forma tão original como se pode esperar, acusa os manifestantes de terem prestado um belo serviço ao inimigo. Acompanhada de perto pelo comentário (jocoso ou simplesmente otário?) segundo o qual os "jovens manifestantes" compram roupa nas lojas às quais atiraram tinta.

Para o Daniel Oliveira apenas o prémio da desonestidade intelectual : "Isto, independentemente da já habitual excitação de pessoas que, na minha opinião, confundem a tradição anarquista e libertária com uma moda tribal adolescente e que se comportam como qualquer hooligan de uma claque de futebol. "
O Daniel não quis dar lugar a confusões e portanto criticou a carga policial mas sentiu a necessidade, não apenas de se distanciar dos manifestantes, mas de reproduzir o último grito da moda em termos de imbecilidade reaccionária, provavelmente inspirada nos comentários do seu blog.
De resto todos sabemos que os hooligans de uma claque de futebol carregam faixas contra o racismo e gritam palavras de ordem anti-fascistas. Obcecado pela conquista do centro, o Daniel presta-se a este tipo de retratos robot de quem discorda politicamente dele. Obcecado pelo seu próprio estatuto de comentador político, o Daniel fala de uma tradição anarquista e libertária acerca da qual percebe tanto como o corpo de intervenção percebe de democracia. Fica-lhe bem.

Finalmente, o prémio idiota de esquerda vai para tod@s os e as que se sentem felizes com a sua militância e os respectivos resultados. Não perderam ocasião para comentar os acontecimentos da Rua do Carmo como uma chatice provocada pela infantilidade de quem ainda não percebeu que votar no Louçã ou no Jerónimo, sair à rua de cravo na mão a horas certas e telefonar para a RTP a protestar por causa da vitória de Salazar no concurso dos "Grandes Portugueses, é que é.
Alternativa de esquerda, democracia avançada, modernização democrática parecem ser a única coisa de que já ouviram falar. Morrer de tédio em comícios e organizar greves gerais a que ninguém ader parece ser a sua especialidade. Gostam dos movimentos sociais que conseguem controlar e denunciam todos os outros como irresponsáveis, infantis ou simplesmente provocatórios. Gostam, em suma, dos movimentos que menos se movimentam.
Abençoados sejam, pois viverão (?) uma longa vida acerca da qual nada de relevante se poderá dizer.

E por agora é tudo.

Publicado por [Rick Dangerous] às 06:12 PM | Comentários (13)

Não apaguem a memória

Fotos, vídeos e relatos da manif de 25 de Abril e respectiva repressão no sítio Cravados no Carmo

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:27 PM | Comentários (2)

abril 28, 2007

Chapelada à vista

Carmona Rodrigues vai ser formalmente notificado que é arguido no caso Parque Mayer na próxima 4ª feira.

Recebeu uma convocatória para “depor como arguido”, pelo que já não há dúvidas, apesar de o PSD e o gabinete do Presidente da CML ainda não confirmarem.

Já há muito tempo que o homem não tem condições políticas para estar à frente da Câmara. Os dois nomes que impôs a Marques Mendes para se recandidatar – Fontão de Carvalho, para as finanças e Gabriela Seara (sua ex-Chefe de Gabinete), para o urbanismo – tiveram de suspender funções. O resto da equipa é igualmente miserável… Lisboa está parada e mergulhada numa profunda crise financeira (protagonizada por Santana Lopes, é certo, mas que Carmona não soube controlar).

Agora, o PSD – que tem como regra instituída que os seus autarcas não devem continuar a exercer funções se estiverem a braços com a justiça – vai ter mesmo de o forçar a demitir-se na 4ª feira. É como se fosse “a gota de água”…

Reparem que não há muita margem de manobra: Não se trata de um pequeno processo de irregularidades administrativas… estamos só a falar de uma permuta de 60 milhões de euros de uma enormidade de terrenos no centro da cidade.

Mas mantenham-se atentos: Já estão em curso contactos entre a Paula Teixeira da Cruz, que é a presidente da distrital do PSD, e Paulo Portas, para fazer uma aliança governativa na Câmara (o Paulo Portas estará a pedir muito mais do que a Zézinha Nogueira Pinto alguma vez pensou ter!), e manter o mandato até ao fim com a Vereadora da Mobilidade – Marina Ferreira – a Presidente.


Nas fotos: Paula Teixeira da Cruz e os seus "apoios notáveis" à campanha para a Presidência da Distrital; Paulo Portas; Marina Ferreira com Carmona Rodrigues

Os lisboetas têm demonstrado alguma passividade e apatia face à situação que se vive na sua autarquia. No entanto, esta chapelada que se prepara é de tal maneira grave, que ninguém pode ficar indiferente.

O que acham que se pode fazer?

Publicado por [Saboteur] às 06:30 PM | Comentários (4)

Mais uma foto

5.jpg

Nesta vê-se clarinho: um pequeno grupo de manifestantes, encorralado, a levar na corneta pelo quádraplo dos polícias.

O do casaquinho está em todas. Parece o emplastro do FCP.

Publicado por [Saboteur] às 03:14 AM | Comentários (7)

abril 27, 2007

Diário de um Skin

6.img.jpg

António Salas - nome fictício - é um jornalista que esteve infiltrado numa organização de extrema-direita, numa organização que fazia tráfico de mulheres e crianças, e agora, noutra organização criminosa, que não quer revelar por motivos de segurança.

Lançou um Livro, "Diário de um Skin", que é capaz de ser bem interessante, para quem quer conhecer mais sobre o fenómeno.

Mais rápido, sugiro vivamente que oiçam a entrevista que deu à TSF. Vale bem a pena.

(obrigado pela sugestão, Shift)

Publicado por [Saboteur] às 11:13 PM | Comentários (21)

De cravo na mão à hora errada

Publicado por [Rick Dangerous] às 04:12 PM | Comentários (11)

Fotos do 25 de Abril

Ás 15 horas

tomates.jpg

Ás 20 horas

Manif_2.jpg

Publicado por [Saboteur] às 02:36 AM | Comentários (5)

abril 26, 2007

Algo completamente diferente, desta feita bonito

Ainda não vi nada, no IndieLisboa 2007, que me enchesse totalmente as medidas.

Tinha expectativas altas para "Viva" e, afinal, apesar da fantástica cenografia e direcção de actores (é muito difícil fazer um filme em que os actores são propositadamente maus do início ao fim - é de tirar o chapéu!), o filme é ligeiramente secante.

Até agora, só dei pontuação máxima a "Falkenberg Farewell", de Jesper Ganslandt. E, mesmo assim, dei pontuação máxima porque o filme que está melhor posicionado para ganhar o prémio do público é um documentário sobre o John Lennon que é daqueles objectos documentais que ficam bem no Biography Channel e mal no pódio de um festival de cinema independente.

Apesar de tudo - e já estou habituada a estas "justas minorias democráticas" - o filme não destronou o do Lennon. Deposito, agora, todas as esperanças no "Rio Turvo", para ver se o Edgar Pêra repete parte do brilharete do ano passado e se "limpa" este fenómeno tão propagado do pessoal votar em coisas diferentes das que estão em votação - neste caso em concreto de "democracia fílmica", estou convicta que a malta respondeu à seguinte questão imaginária que não estava no boletim: "De 1 a 5, diga o quanto gosta de John Lennon". Que é um problema que dá pano para mangas...

Publicado por [Joystick] às 05:44 PM | Comentários (5)

Na Rua do Carmo

paisano.jpg
Estranhem o que não for estranho.
Tomem por inexplicável o habitual.
Sintam-se perplexos ante o quotidiano.
Tratem de achar um remédio para o abuso
Mas não se esqueçam de que o abuso é sempre a regra.

Rua do Carmo, rua do Carmo
Mulheres bonitas, subindo o Chiado
Mulheres alheias, presas ás montras,
Alguns aleijados em hora de ponta
Soprando a vida, passam estudantes
Gingando as ancas, lábios ardentes
Subindo com pressa, abrindo passagem
Chocamos de frente, seguimos viagem

Então é assim. Cerca de 200 a 300 pessoas manifestaram-se a seguir às comemorações oficiais do 25 de Abril, numa manifestação anti-autitária, anti-fascista e anti-capitalista, iniciada às 18h30 na P. da Figueira e que terminou no Lg. Camões cerca das 19h30. A manif decorreu rapidamente e embora estivesse rodeada de um considerável dispositivo policial (não foi autorizada), não houve incidentes. Ao longo do percurso foram pintadas algumas frases na parede e atiradas algumas lâmpadas com tinta a vidros de lojas e bancos. Ninguém partiu montras.
Evidentemente, comparada com a parada que desceu a Av. da Liberdade a lançar palavras de ordem de há 30 anos, esta manif assumiu um aspecto bastante mais combativo e radical, com palavras de ordem viradas para o presente e não para o passado. Nesse sentido, foi a resposta que se impunha ao crescimento da agitação e provocação fascista dos últimos tempos. Foi também a primeira vez, desde que me lembro, que uma manifestação no dia 25 de Abril teve um cunho de combate e conflito minimamente à altura dos 18 meses que se seguiram ao 25 de Abril de 1974. Desde logo, a manifestação teve a vantagem de se dirigir, não à imagem difusa, consensual, que celebra a democracia que temos, mas antes de exprimir a vontade de libertação não cumprida que caracterizou o período revolucionário. Deu ainda uma expressão prática ao apelo que Cavaco Silva, sempre brincalhão e jovial, dirigiu aos jovens: os manifestantes não se resignaram perante as dificuldades e, insubmissos q.b., procuraram à sua maneira reinventar os festejos do 25 de Abril.

Chegada ao Camões, parte da manif desmobilizou. Outra parte, cerca de 100 pessoas, sentiu que algo estava por fazer e decidiu correr o risco de efectuar o percurso no sentido inverso, atingindo a sede do PNR, situada na Rua da Prata. Nesse sentido, desceu a Rua Garrett, passando por um considerável aparato policial e acompanhada de bastante perto por alguns polícias à paisana, o chefe dos quais está na fotografia acima colocada.
A este ponto a manif era composta por um núcleo de pessoas de cara tapada e vestidas de preto, bem como várias pessoas que simplesmente queriam ver o que iria acontecer. Esta manif era bem menos compacta do que a que tinha subido o Chiado e, levadas pelo entusiasmo, as pessoas que seguiam na dianteira iam a uma velocidade bastante grande. Por altura dos Armazéns do Chiado, e após um curto impasse para decidir o melhor caminho, seguiu pela Rua do Carmo. A este ponto também, alguns dos manifestantes batiam com os suportes das bandeiras em cartazes e mais bolas com tinta foram enviadas para montras. O Chiado estava bastante mais vazio do que uma hora antes, o que aliás é habitual. Nada havia sido partido. Nenhuma agressão havia sido feita.
Foi aqui que dois ou três manifestantes pararam para escrever um grafitti: "O 25 de abril passou mas a lei do bastão continua". O resto da manifestação continuou, exceptuando um pequeno grupo que ficou a garantir a sua segurança e em vão gritou para os da frente para que esperassem e abrandassem. Quando a frase já estava a ser terminada, um grupo de polícias à paisana, presumivelmente agentes do SIS ou da Judiciária, cercou os seus autores e procurou detê-los, sendo por sua vez cercado pelo pequeno grupo que ficara para trás. Uma rápida troca de empurrões permitiu às forças da ordem compreender que não estavam a lidar com um bando de miúdos assustados. Os agentes largaram as pessoas que tinham agarrado, sacaram de bastões extensíveis e recuaram em grupo. O fascista nojento da foto acima, a menos de 5 m de mim, falava pelo rádio chamando o corpo de intervenção. O resto da manifestação, que já tinha passado o elevador de Stª Justa, apercebendo-se do que estava a ocorrer nas suas costas, voltou a correr para o cimo da Rua do Carmo. Um very-light foi lançado para o ar. Chegaram duas carrinhas do corpo de intervenção ao cimo da rua e, simultaneamente, uma à parte de baixo, vinda do Rossio. Os respectivos passageiros saíram e carregaram. Nem todos tinham escudo e capacete.
Alguns manifestantes procuraram agrupar-se para travar a carga policial, mas a maior parte encostou-se simplesmente às paredes da Rua ou refugiou-se em lojas.
O chefe do corpo de intervenção gritou aos seus subordinados que parassem após a primeira carga, constatando que não havia uma resistência digna desse nome e que se passava agora ao simples espancamento dos manifestantes. Não teve qualquer sucesso e, constatando-o, juntou-se aos seus homens dedicando-se aquilo que sabe fazer melhor.
Os polícias vindos de cima gritavam aos manifestantes que dispersassem enquanto lhes batiam com os bastões. Os que vinham de baixo gritavam aos manifestantes que fossem para cima, enquanto lhes batiam com os bastões, naturalmente.
As pessoas que caíram no chão foram pontapeadas e levaram bastonadas. As que se encostaram à parede foram também espancadas, a maior parte sem esboçar qualquer resposta. Tod@s os/as que esboçaram alguma resistência foram especialmente atacados, mas conseguiram, na sua maioria, manter a polícia a alguma distância e fugir, pela parte de baixo da Rua, sendo perseguidos até ao Rossio, dispersando em seguida. Doze pessoas foram presas, tendo algumas delas sido agredidas quando já estavam detidas, à boa maneira policial.
A polícia poderia ter prendido toda a manifestação se quisesse. A polícia poderia ter simplesmente dispersado a manifestação se quisesse. A polícia quis, em vez disso, espancar o maior número possível de pessoas, provocar-lhes medo e assegurar que a sua autoridade não voltaria a ser desafiada.
É difícil acreditar que alguém na manifestação tivesse coktail's molotovs e, perante tão eloquente demontração do fundamento democrático da autoridade policial, tivesse hesitado em utilizá-los. Teria tido pelo menos a vantagem de manter a polícia à distância o tempo suficiente para o grosso da manifestação fugir. Nesse aspecto, a carga policial deu toda a razão a quem levou para a manif bandeiras com cabos de metal. As mãos nuas não são propriamente as ferramentas indicadas para enfrentar a autoridade policial.
Diga-se aliás, que caso a manifestação tivesse demonstrado a intenção firme e a inteligência táctica para resistir, não lhe teria sido difícil fazer a polícia recuar. Organizado como um bando de energúmenos que gostam de bater em pessoas assustadas, sem qualquer organização ou método, o corpo de intervenção não passa de um bando de rufias fardados e equipados à nossa custa. Qualquer dia calhar-lhes-à na rifa algo mais do que claques de futebol.

Aos que lamentam os grafitis em prédios novos relembro apenas os milhares de murais e pintadas que enchiam até há poucos anos as paredes e muros da cidade, fazendo-nos pensar que esta nem sempre foi o cenário das vidas entediantes que levamos e que aqui, em tempos, foi desafiada a ordem capitalista das coisas. Esses murais e pintadas eram inequivocamente mais novos e modernos do que qualquer renovação urbana do "coração comercial da cidade". De resto, a liberdade de transformar permanentemente o espaço urbano que se percorre diariamente é um patrimonio bem mais agradável do que as fachadas de lojas que a polícia alegadamente procurava defender. Acerca disto não existirá nenhum consenso.

Para terminar. A autoridade, o poder, o monopólio da violência, a propriedade privada, estão tão largamente inscritas nos nossos imaginários que até parece estranho que alguém desafie esses pilares da civilização ocidental. Apenas parecemos capazes de nos indignar ou lamentar a violência policial "excessiva". Relembro a esse propósito que a violência policial em Portugal nunca foi outra coisa senão excessiva. A não ser, é claro, quando se trata de perseguir criminosos poderosos. No que toca à extrema-direita as autoridades policiais tratam-na como se não fosse mais do que uma versão um pouco mais radical e para-militar do SEF.
Uma concentração de trabalhadores à porta de uma fábrica encerrada, na Amadora, motivou à poucos meses uma carga policial. Vários jovens dos bairros pobres da periferia são continuamente espancados e perseguidos pela polícia, quando não mortos a tiro pelas costas. Uma casa ocupada foi desalojada há 2 anos pelo GOES, de arma na mão, sem aviso prévio, de madrugada, tendo as pessoas sido levadas directamente das suas camas para celas prisionais. Uma marcha contra o encerramento do serviço de urgências, em Caminha, sofreu uma carga policial.
Abunda a indignação e a condenação, escasseia a resposta que se impõe. Que sentido pode fazer falar do dia da liberdade quando se sente, de forma tão clara, em nosso redor, ao nosso lado, à nossa frente, semelhante dispositivo de violência?
De uma vez por todas, a bófia bate nas pessoas porque tem medo. E tem razão em ter medo. A violência não é boa nem má, a violência é.

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:33 PM | Comentários (63)

Iniciativa da Cooperativa Outro Modo

nu-bai.bmp

A Outro Modo - Cooperativa cultural que edita o Le Monde diplomatique - vai exibir o filme Nu Bai (que foi apresentado agora no Indi Festival), seguido de debate.

Vai ser hoje à noite, no Bacalhoeiro, a novíssima associação cultural de Alfama.

Se ainda não conhecem o espaço, mais uma razão para irem lá.

Publicado por [Saboteur] às 03:54 PM | Comentários (1)

Miseráveis hipócritas

Repararam que, ultimamente, o PNR e os meninos nazis andam armados em grandes arautos da democracia e da liberdade de expressão?

Queixaram-se de que as pessoas pincharam o seu cartaz, queixaram-se que a polícia fez umas rusgas e umas detenções, queixaram-se de que ninguém lhes alugou um espaço para o concerto dos “ódio”… segundo eles, é só perseguição e falta de atitude democrática. Eles só querem “discutir ideias” e vêm depois os comunistas a querer apagar o cartaz...

Ora, com tanto fair play democrático, foi curioso constatar que, logo após o jantar, os skins já tinham feito desaparecer a faixa que se tinha posto ao pé do cartaz deles, poucas horas antes.

São os 3 mandamentos da propaganda fascista: Demagogia, mentira e hipocrisia.

Publicado por [Saboteur] às 01:36 AM | Comentários (3)

Democracia ingénua

Img188.jpg

Img189.jpg

« Vi as democracias intervirem contra quase tudo, salvo contra os fascismos» Disse Malraux.

"O Sistema", como dizem os fachos, depois de permitir a propaganda racista e xenófoba do PNR no marquês de pombal, depois de retirar diligentemente, em tempo record, um cartaz de um grupo de artistas que parodiava o cartaz do PNR, decidiu agora mostrar alguma força contra quem, pelos vistos, se preparava para mandar uns tomates e uns ovos ao outdoor

Já passei pelo Fórum Nacional e nas notícias em destaque, para além de um artiguito (com gráfico e tudo) a defender que os "pretos" têm um QI menor que os "brancos", está lá a notícia que linkei com o respectivo agradecimento à PSP.

Publicado por [Saboteur] às 01:09 AM | Comentários (17)

abril 24, 2007

Ladrões de Bicicletas

Apareceu um blog que promete: Ladrões de Bicicletas.

Uma das coisas mais interessantes (e que está directamente relacionado com a qualidade dos seus editores - todos economistas (perdão: licenciados em economia)) é ser um blog de comentário económico-político, qualificado, à esquerda. Que eu saiba, é uma coisa que não havia neste país e que faz bastante falta.

Depois é um blog plural, com várias sensibilidades, o que promete debate entre os editores e entre as diversas extirpes de comentadores que por lá vão passar.

Ultimas notas:

Sinceramente, não estou a ver o Pedro Santos – SG da JS – a escrever muito, não vão os camaradas da ala direita aperceberem-se que está ali um alvo a abater rapidamente…

Também não estou a ver o Zé Guilherme a participar. Não é por causa do Bloco, é por razões mais pessoais: O Zé tem uma imagem pública a defender, logo, cada post tem que ser uma pequena pérola. Algo com graça, mas que faça pensar. Uma coisa que provoque debate e que seja assunto de conversa nas noites de copos… Essa responsabilidade é paralisante, claro.

Bom post sobre a morte de Boris Yeltsin. João Rodrigues, a bombar!

Publicado por [Saboteur] às 12:09 PM | Comentários (3)

abril 23, 2007

!!!! Sarko - Ségo !!!!

Melhor que Sarko-Le Pen, mesmo assim a França encontra-se à direita. Enquanto o discurso de Sarkozy (31,17%) foi de simpatia para com a candidata Ségolène (25,87%), na tentativa de se “recentrar” no palco político, o discurso desta última foi mais numa anti-sarko (de uma forma muito amadora, a coitada tem muito pouca eloquência quando comparada com a esperteza saloia de Sarkozy). Todos os candidatos da esquerda (Marie-George Buffet (PC), Arlette Laguiller (LO) et Dominique Voynet (Verts), Olivier Besancenot (LCR) et José Bové) apelam ao voto em ségolène, ou melhor contra sarkozy. Dois candidatos vão ter um papel importante na segunta volta. Por um lado Le Pen (10,51%) e por outro Bayrou (18,55%) (aliás, os médias franceses chamam a este último o árbito da segunda volta). Os eleitores de Le Pen numa perspectiva simplificada e “optimista”, neste caso, são tão patriotas que não vão votar por orgulho num “atlantista” que lhes roubou as ideias sobre a imigração. Bayrou, um gajo que se encontra à direita embora se venda como centrista (ajudou a passar cerca de 80 e tal % das leis direitosas na Assembleia), numa perspectiva optimista e na minha opinião vai apelar a votar ségolène. Penso isto, pois alguns dos gajos do PS (mais à direita) fazem campanha desde o início no sentido de uma coligação Bayrou-Ségolène à imagem de outras coligações europeias, nomeadamente como a da Alemanha. Posto isto, por uma questão calculista penso que lhes interessa (ao UDF) salvaguardar um lugar no Governo.

A abstenção da verdadeira esquerda a 6 de Maio (segunda volta), será uma catástrofe! Pois se até ao momento a direita em França não conseguiu tocar nos princípios da especificidade republicana francesa (sobretudo a laicidade e numa certa medida a igualdade), Sarkozy tem todas as armas e bagagens para explodir com o que resta da herança deixada pela Revolução francesa (1789) e da Comuna de Paris(1871).

Publicado por [Shift] às 11:27 AM | Comentários (10)

abril 20, 2007

Conferência de fachos desmarcada

O PNR e os Hammerskins tiveram que desmarcar a "Conferência Nacionalista" seguida de concerto.

Segundo o comunicado deles "Em virtude da vergonhosa perseguição dos ultimos dias, a Conferencia não vai ter caracter internacional, porque foram sendo negados os espaços para a sua realização, de modo sucessivo"

Parece que afinal há que ter algum orgulho num povo que diz: "Eu? alugar um espaço a esses fachos de merda?! Nem que me pagassem 1000 contos!"

Entretanto, como hoje já tinham chegado os nazis do NPD, e como o PNR tem medo de os chatear (sendo latinos, acho bem que se ponham a pau com quem defende a supremacia da "raça ariana"), marcaram uma mini-conferência, e mantêm o ponto de encontro às 13h30 em frente à feira popular.

Nessa conferência vão ser debatidas algumas interessantes questões da actualidade com os fachos alemães, como, esta que apanhei no Fórum Nacional:

«Gostaria de saber a opinião dos camaradas em geral, acerca deste poeta português. Já verifiquei que existem divergências sobre ele aqui no Fórum, sendo que os ataques mais frequentes são a possibilidade de ter sido homosexual(não há provas) e o facto de o seu avô ser judeu. A soberania da Raça Branca é o mais importante para mim também,claro,mas tratando-se de um caso em que Pessoa não conviveu com esse avô,visto ele ter morrido muito cedo, e a influência judaica sobre a família do mesmo ser nula, o mal será menor?Porque uma coisa é possuir uma longa linhagem de judeus na família próxima, de activos sionistas,outra será ter um judeuzito que, infelizmente, procriou e teve filhos com uma ariana.Ainda para mais o facto de Pessoa possuir influências para o nosso lado(tendência fascista).
Como consideramos então este homem?Será um legítimo poeta português, um verdadeiro exemplo da cultura portuguesa?
Abraços.
88 \o»

PS: Se virem um desses cabrões do NPD no Bairro Alto, mandem-lhes com um copo de cerveja para cima. Portugal sabe receber...

Publicado por [Saboteur] às 06:23 PM | Comentários (8)

Não há fome que não dê em fatura

Os Beastie Boys, depois do concerto de dia 10 de Junho, vão no dia 11 fazer um concerto instrumental na Aula Magna.

Publicado por [Saboteur] às 11:55 AM | Comentários (3)

Ultra-Sectários

mural8.jpg

A ideia de pôr o Ricardo Araújo Pereira a falar às massas, nas comemorações do 25 de Abril era mesmo muito boa. Era mesmo de uma coisa dessas que Abril necessitava.

RAP é genial. Deu um contributo decisivo para a vitória do Sim no Aborto, ao mesmo tempo que descredibilizava uma das pessoas de direita mais influentes na sociedade portuguesa. Deu depois a resposta prefeita ao cartaz do PNR... Para a PCP, ele cometeu no entanto o pecado capital: Disse que "era comunista, como era o João Amaral, o Luis Sá e o Mário de Carvalho e não como Odete Santos e Jerónimo Sousa"

Publicado por [Saboteur] às 12:50 AM | Comentários (6)

abril 19, 2007

Como Remover o WGA

A Microsoft insistia para eu fazer o Download de uma merda chamada o " Windows Genuine Advantage". Procurei ignorar a tentação de ir lá clicar com o rato, mas no outro dia, baixei a guarda e fui lá ver o que era... Antes que desse por isso já tinha instalado o maldito programa que a Microsoft inventou para "ajudar as vítimas da pirataria de softwear".

Já estava a ficar doido com os avisos idiotas da Microsoft a dizer que o meu windows não estava legal (o que é que eles sabem disso?! Paguei-o bem caro!)

Para desinstala-lo foi o cabo dos trabalhos: O Programa não está preparado para ser desinstalado pelo 'Painel de Controlo'. Vi num blog para puxar o crack num P2P. Puxei 1, tinha um vírus. Depois vi num fórum que há por aí uns cracks a circular que, depois de usar, o XP já não arranca... (contra-ataque da Microsoft, de certeza).

Finalmete, encontrei este: http://www.softpedia.com/progDownload/RemoveWGA-Download-42782 (ainda acrescentar à morada ‘.html ’) que me pareceu credível. Instalei e parece bem que funcionou sem quaisquer efeitos secundários. Aconselho.

Aparentemente isto já é uma coisa com 1 ano e eu só agora é que tive este problema e ainda não tinha ouvido ninguém a queixar-se dele. Alguém sabe alguma coisa?

Dizem as más-línguas que a MS está a controlar através do IP quem é que tinha o WGA instalado e agora o WGA já não dá sinal de vida. É possível?

Quem perceba mais destas coisas podia fazer aqui algum serviço público.

Publicado por [Saboteur] às 02:21 AM | Comentários (16)

abril 18, 2007

Não apaguem a memória

Já que é dia de festa:

O teatro D.Maria II, por ocasião das comemorações do 25 de Abril, vai encenar o romance de Mia Couto "Vinte e Zinco"

Na página tem um pequeno resumo do que trata o romance mas mais interessante ainda é um texto ensaístico de Maria João Coutinho que recupera as seguintes pérolas:

Vinte e cinco é para vocês que vivem nos bairros de cimento. Para nós, negros pobres que vivemos na madeira e zinco, o nosso dia ainda está por vir.

(Fala da adivinhadora Jessumina (Couto, 1999, epígrafe)

… Nós cremos que há raças inferiores, decadentes ou atrasadas, em relação às quais perfilhámos o dever de chamá-las à civilização (…) África está e deve continuar a viver sob o domínio e a direcção de um Estado civilizado. A direcção e a administração do trabalho pertencem, como não tem podido deixar de ser, a reduzidas minorias de europeus (…). Estas missões não podem ser abandonadas às populações autóctones…

(Salazar, 1960, vol. V, p. 427);

E …Imperialistas, nós, que nos limitamos a estar em terras sempre conhecidas por portuguesas? Colonialistas, nós, que damos sem peso nem medida sangue e haveres para servir os interesses do Ultramar? Racistas, nós, que sempre tivemos a cristianíssima consciência da fraternidade humana?

(Caetano, 1973, p. 48);

Pois, … Se caminharmos de Norte para Sul, parece que a latitude tem qualquer influência nas raças (…), que vão adquirindo certas características inferiores. Vemos os nórdicos capazes (…); depois começamos nós os latinos, já muito menos esclarecidos; depois passamos aos árabes, muito piores do que nós; e acabamos nos pretos (…). Não há dúvida nenhuma de que a raça preta tem características inferiores…

(Amaro, 1976, p. 53);

mia.jpg

Publicado por [Chuckie Egg] às 05:48 PM | Comentários (3)

A ta santé!

Soube pelo Chuckie esta grande notícia do Arrastão.

Aquela garrafa de Dão com 20 anos, que de tanto esperar pelo tal momento especial já pode estar estragada (ou não), já não vai a lado nenhum: Vai ser aberta hoje ao jantar.


Publicado por [Saboteur] às 03:05 PM | Comentários (3)

abril 17, 2007

6ª feira, noite de LUXo

Buraka Som Sistema é muito, muito bom. Talvez seja o único exemplo nacional existente (a par, talvez, com Blasted Mechanism), de uma coisa que se tivesse uma produção mesmo profissional-a-sério (com bons contactos internacionais e tudo mais), seria um mega-sucesso gigantesco com turnés ininterruptas por todo o mundo, etc.

Apareceram no sítio errado, na cauda da Europa. Azar para eles… Nós vamos poder desfrutá-los à mesma, no Lux, na próxima 6ª feira.

Nota: Só agora reparei que nos comentários ao vídeo do youtube, os nossos amigos do Gorgulho Branco, do PNR, andam por lá com as suas imbecilidades racistas. Quando penso que já li de tudo, conseguem sempre espantar-me um pouco mais…

Nota 2: Curiosamente também há lá um idiota (será o mesmo que aqui veio) que corrige os erros ortográficos dos outros, ficando convencido que desta maneira fica provada a sua superior inteligência e capacidade intelectual.

Publicado por [Saboteur] às 07:00 PM | Comentários (12)

abril 16, 2007

Reviver o passado II

Ao ver a rúbrica "Tesourinhos Deprimentes" no Gato Fedorento, apercebemo-nos de quanto, apesar de tudo, evoluiu o país nos últimos 20 anos, culturalmente, economicamente...

O Tesourinho de hoje, era um concurso / reality show em que os casais pediam em directo uma pessoa em casamente, faziam uma figuras tristes e o prémio para o casal vencedor era uma lua-de-mel em... Madrid.

Quanto estiver disponível no youtube, colocarei aqui (foi a única coisa com piada no programa de hoje), até lá fiquem com este, de um programa anterior.


Publicado por [Saboteur] às 10:20 AM | Comentários (1)

abril 15, 2007

Reviver o Passado

Foi ontem tornado público, e aproveitado com destaque pelo Jornal de Notícias, o parecer da Eurostat que diz que a operação de venda de créditos feita em 2003 por Durão Barroso/Ferreira Leite, deveria ser considerada um empréstimo e portanto contabilizada no défice.

Logo, vários meios de comunicação social, puseram-se alerta:

Afinal o nosso défice vai ser revisto em alta? Toca de ligar à Ferreira Leite. Ela diz que não, que tudo o que naquele tempo foi feito, foi muito bem feito, e ela é muito rigorosa com os dinheiros, como todos sabem… Mas os especialistas do Eurostat dizem que sim! E agora? O Teixeira dos Santos diz que não lhe dava jeito nenhum… Esperem! É o próprio Durão Barroso que preside à Comissão Europeia! Segundo os jornais: “Durão Barroso antecipou-se hoje à avaliação que o Comissário Almunia está a fazer ao parecer sobre a titularização, e veio garantir que uma alteração da posição da Comissão Europeia quanto às regras de contabilização de operações de titularização nunca terá efeitos retroactivos.”

Já podemos então dormir mais descansados…

É óbvio que se tratou de um empréstimo e é óbvio que o facto de Durão, por lamentáveis ironias do destino, presidir à Comissão Europeia, fará com que os números do défice daquele ano não sejam oficialmente mexidos… também não há muita gente que acredite neles, de qualquer forma…

Mas o mais grave, e o que ninguém fala neste país de entrevistas ao Primeiro-ministro sobre se é Engenheiro ou Eng. Técnico, é que em 2003, foram vendidos ao Citibank quase 12.000 Milhões de Euros de dívidas ao Fisco e à Segurança Social, por 1.700 Milhões de Eruos, em cash, para se poder fazer um pouco de propaganda politico-ideológica sobre o défice.

Ainda hoje, passado este tempo todo, sempre que uma dívida desse lote dos 12 Milhões é paga, vai para o Citibank e não para os cofres do Estado. E sempre que alguma dívida é dada oficialmente por incobrável (por morte do devedor, pelo tribunal, etc), essa dívida terá de ser substituída por outras dívida ao fisco de valor igual. Já foi assim com cerca de 3.000 Milhões de Euros.

Na altura, lembro-me de ver um dos principais accionistas do citibank, um príncipe saudita, gabar-se de que não comprava nada que não pudesse vender por muito mais caro…

Obrigado, Manuela.

Publicado por [Saboteur] às 11:11 PM | Comentários (7)

abril 13, 2007

Nacionalistas tristes

Acabei de passar devagarinho com o meu carro pelo Marquês de Pombal.

Um grupo de uns 15 fach@s fazia guarda ao cartaz do PNR…

Uns deviam estar a pensar: “Nós devíamos aproveitar esta noite que somos muitos para ir bater nuns pretos”. Outros: “Sou mesmo um valente Viriato, aqui, de pé, toda a noite a defender a nação!”. Mas havia também quem fizesse a seguinte reflexão: “Isto é um bocado triste, estar aqui feito parvo, a guardar uma porcaria de um cartaz, a dizer ‘Portugal precisa de nós’ quando pelos vistos Portugal quer é foder este cartaz… Não podia estar a fazer qualquer coisa de mais produtivo?”

Publicado por [Saboteur] às 12:41 AM | Comentários (24)

abril 12, 2007

Demagogia II

No Marquês está um novo cartaz do PNR: Parecido com outro, com as fuças do Querido Líder e o avião a dizer "Basta de imigração. Façam boa viagem, à mesma".

O lema é diferente: Para se vitimizarem, escrevem "As ideias não se apagam, discutem-se".

A estratégia de o agressor se fazer passar por agredido é velha. O PNR advoga uma política de presseguição aos estrangeiros, defendendo a proibição de que venham para este rectangulo tentar a sua sorte e - pior - defendendo a expulsão de quem já tem a sua vida estruturada.

A sua prática e propaganda política é alicerçada na violência e no ódio racista. Os exemplos e provas são subejamente desconhecidos... e agora estes criminosos vêm queixar-se que lhe pintaram o cartazinho... que injustiça tão grande...

Outra vertente ultra-demagógica deste novo out-door do PNR é o apelo ao debate de ideias.

Um Partido que acha que o 25 de Abril e os 33 anos de Democracia, foi o pior que aconteceu a Portugal! Um Partido que vive a elogiar as ditaduras fascistas que prendiam, matavam e torturavam todos aqules que se opunham ao regime, vem, quando-llhe interessa, exigir liberdade de expressão e discussão de ideias.

O PNR é mesmo o mais podre dos frutos podres da nossa Democracia política. Tem tudo o que existe de pior na política de hoje em dia (demagogia, opurtunismo, populismo, mentira), ao mesmo tempo que tem tudo o que de pior houve na política do passado (violência racista, negação do Homem e da liberdades, ultra-conservadorismo, etc.)

Publicado por [Saboteur] às 03:15 PM | Comentários (4)

Independência pendente



Publicado por [Rex] às 03:09 PM | Comentários (1)

Demagogia

Marques Mendes não ficou satisfeito com as explicações de Sócrates. Acha mesmo que a dúvida que paira sobre o assunto das habilitações de José Sócrates são «muito prejudiciais para o país» no «plano interno e no plano internacional».

A solução é simples, diz Marques Mendes: Nomear uma comissão independente da tutela do Governo que investigue o caso e diga sem sombra de dúvidas se José Sócrates foi ou não beneficiado na sua licenciatura.

Eu acho que se Marques Mendes quer levar tão longe a demagogia, podia era propor logo que Sócrates fosse a exame - no ISEL ou no IST - das cadeiras que fez (ou terá feito) na Independente. Ao menos propunha alguma coisa de concreto e perceptível para os cidadãos.

Publicado por [Saboteur] às 02:23 PM | Comentários (2)

abril 11, 2007

Vi a entrevista do Sócrates

As perguntas sobre os alegados contactos e mesmo pressões, do gabinete do primeiro-ministro, junto dos jornalistas, são para mim revoltantes.

Quem contacta de perto com os jornalistas sabe do quê que a casa gasta: Não têm grande disponibilidade para a investigação e estudo. Precisam que lhes expliquem tudo de maneira rápida e sintética para fazerem as suas peças. Não gostam de muitos detalhes (até porque as pessoas parecem também não gostar) e até preferem meter qualquer facto, por mais concreto e verificável que seja, entre aspas para não se atravessarem.

Muitos deles são trabalham “à peça” publicada e não são raras as notícias que são copy/paste de comunicados de imprensa dos gabinetes.

Neste contexto, o contacto com os assessores de imprensa é permanente: dão-se bem com todos, falam com todos, dão mais credibilidade aos do “centrão”, porque os outros são um bocado radicais… Entretanto, aqui e ali, vão-se criando laços mais pessoais: Confiam mais no ponto de vista de um assessor do que de outro. Determinados assessores falam melhor com determinados jornalistas, têm conversas com a proximidade que têm quaisquer pessoas que trabalham no mesmo ramo: “Deste informação ao Público que não me deste a mim”; “O teu título de hoje está um bocado mauzinho. Já te tinha dito que essa questão é perfeitamente normal”; “Não puseste nada sobre a visita de ontem?”; “A culpa não foi minha, o meu Director diz que isso não é notícia”; “Mas diz lá o que é que realmente importante deste relatório de 300 páginas?”

Afinal porquê que acham que todos os políticos têm assessores de imprensa?

Acredito que a maioria das pessoas pense que o trabalho dos assessores de imprensa é bater documentos e envia-los por fax. Mas os jornalistas sabem que o trabalho destes assessores é estar permanentemente “a vender o seu peixe”.

Claro que houve contactos, claros que há pressões! Só um jornalista hipócrita é que faz esse género de perguntas. Hipócrita e até um pouco desonestos, porque sabe que o primeiro-ministro não pode dizer na TV o que estou a dizer aqui.

Publicado por [Saboteur] às 10:41 PM | Comentários (1)

Uma pedrada no charco...

retirado do Indymedia PT:

manif.jpg

Manifestação Anti Autoritária 25 de Abril, Lisboa
Convocatória para uma manifestação anti autoritária,
Contra o Capitalismo, Contra o Fascismo

Dia 25 de Abril, pelas 18 horas apelamos à participação activa num acto de resistência à farsa Nacionalista, que terá início na Praça da Figueira, depois da manifestação do 25 de Abril ter terminado.

Acreditamos que a impunidade e o à vontade com que os vários grupos “nazis” “fascistas” ou ditos “nacionalistas” agem tem de ser combatida aqui e agora, e sabemos que esse não é nem será nunca a tarefa de qualquer polícia ou instituição estatal, pelas suas afinidades e cumplicidades. A nossa denúncia é popular, não judicial.

Como tal, acreditamos que devemos exercer e expandir a autodefesa contra qualquer tipo de agressão por parte desses grupos que fazem o trabalho sujo que os capitalistas não querem fazer. Mas não nos esquecemos que quem financia tais grupos, quem os chama sempre que é preciso amedrontar os oprimidos, são os mesmos que controlam a economia, os estados e semearam a divisão, a desconfiança, a miséria e mantêm-nos presos no nosso medo, divididos nas nossas lutas, e “condenados” à derrota.

E è contra esses que dirigimos a nossa luta, ontem, hoje e enquanto existirem.

Esta manifestação, que é proposta por grupos libertários e autónomos, è aberta à participação de todas as pessoas e ideias que, de uma forma não partidária, desejam expressar a sua revolta e determinação, numa manifestação popular e unitária.

Queremos deixar bem claro que somos e seremos capazes de nos organizar para agir e reagir sempre que necessário. Desejamos que a manifestação seja uma prova de força e determinação, chegando até ao seu final sem problemas nem distúrbios. Mas nunca renunciaremos ao nosso direito de autodefesa.

Sabemos que ninguém é invencível, nenhum império, nenhum estado, nenhuma força de repressão, mas também sabemos que nada cai por si só.

Participemos todos na manifestação, activamente; os dias não estão para divisões, nem para apatia.

Dia 25 de Abril, unidos e organizados sem partidos nem estado.

Publicado por [Chuckie Egg] às 04:18 PM | Comentários (6)

abril 10, 2007

Escolher um candidato é quase como ir ao supermercado...mas é de borla

Publicado por [Renegade] às 05:20 PM | Comentários (3)

abril 09, 2007

Cretinice

Parem de clicar no OK, cretinos, isto é um gif!

Há 2 dias deu na SIC Notícias uma reportagem sobre a extrema-direita russa. Uma seita ultra-violenta, que ao abrigo da "tolerância" das autoridades, agrega todo o tipo de criminosos.

Claro que também acabam por ser recrutados jovens sem qualquer tipo de prespectivas de vida, cilindrados pelo capitalismo que é rei e senhor na Rússia, e que, veêm na "ameaça estrangeira" a causa para os seus males.

As tretas do costume: Discursos redondos e fechados, lógicas inflexiveis cheias de tolice, preconceito e desinformação. Muita violência e armas, que é o que mais atrai estes vencidos...

Mas a tolice suprema, tanto destes russos, como dos tugas, por exemplo, são as fotografias do Hitler e as Suásticas: Um povo que deu 20 milhões de vidas na luta contra o nazismo, um dogma que sustentava a superioridade da "raça ariana" sobre “os eslavos" e “os latinos", entre outros... tem agora alguns dos seus filhos a adorar a suástica e a assassinar imigrantes, precisamente, em nome da "Rússia" e da "raça russa".

Publicado por [Saboteur] às 03:26 PM | Comentários (2)

abril 06, 2007

Basta de Passividade II

A Portugal Hammerskins, a coberto da Juventude Nacionalista (organização de Juventude do PNR), vai realizar a 21 de Abril (ponto de encontro às 13h30, à porta da feira popular), um encontro internacional de fascistas sobre "Formas de Activismo na Europa".

As formas de activismo destes rapazes são conhecidas e são orgulhosamente exibidas nas suas paginas do hi5*:

Violência racial, xenófoba quando estão em superioridade numérica:

Cara de tansos desorientados quando estão em inferioridade numérica:

O que proponho é simples: Concentração em Entrecampos contra o fascismo. Não há nenhum Partido, sindicato, Associação minimamente organizada que o faça?

É tempo de se começar a dizer basta. De esta gente perceber que não pode fazer tudo o que lhes apetece, só porque temos autoridades que não estão para se chatear e que só actuam em situações de flagrante de delito. Quantas mais "conferências" europeias destas vão ser precisas no nosso país até que se perceba isto?

* Nota: este link é apenas um exemplo de página de um dos trogloditas presentes. Através de lá, se tiverem estômago, podem visitar os amigos, se quiserem ver enternecedores vídeos "contra o aborto", ao lado de fotografias do Hitler e vídeos de cães a atacar imigrantes.

Publicado por [Saboteur] às 07:23 PM | Comentários (20)

Miseraveis

A CML, como a maior parte das instituições deste país, não é própriamente um exemplo no que diz respeito a quest~es de rapidez processual.

A CML, como sabemos, não é propriamente um exemplo de rigoroso e implacável cumprimento da Lei... Não é preciso irmos para polémicas bem conhecidas: Ainda esta semana foi nomeado um Administrador de uma Empresa Municipal que é também deputado municipal, quando é expresso na Lei que é proibido... Claro que entretanto, o sr. vai renunciar ou a um ou a outro cargo, mas até lá... Isto nem é bem caracteristica da CML... Somos um país assim.

Dito isto, como me explicam que passadas apenas algumas horas, num dia feriado, num contexto de uma CML parada, em que qualquer buraco de estrada demora meses a tapar, como me explicam, dizia, que o cartaz dos gato fedorento, tenha sido tão repentinamente retirado?

A minha explicação é simples: Temos neste país uma direita miserável, que mais fácil e rapidamente se encosta a um PNR no desagrado por um cartaz como aquele, que diz "com portugueses não vamos lá", do que exige, por exemplo, transparência na nomeação de Administradores de Empresas Públicas.

Publicado por [Saboteur] às 06:47 PM | Comentários (1)

abril 05, 2007

Le Pateta Pen !

Logo após do 25 de Abril de 1974, Le Pen teve a coragem de ir a Portugal com o intuito de se reunir secretamente com alguns salazaristas ainda em acção! A minha mãe encontrava-se por acaso no aeroporto nesse momento, deu- se conta de quem ele era, e segundo reza a história ela teve o prazer de lhe dar um pontapé.

O guarda costa que o acompanhava só conseguiu dizer discretamente à minha mãe “t’es folle, t’es folle” (discretamente para não dar muito nas vistas)... tarde de mais, o país tinha a chama acesa, uma pequena manifestação contra aquela presença anti-democrática em Portugal democrático criou-se espontaneamente: “A reacção não passará”.
Mas... tudo isto para dizer que Le Pen não passava desaparcebido, ou melhor, passava por um grande fascista. Quando essa associação era feita de forma automática - Le Pen = Fascista - em termos eleitorais isso refletia-se em resultados insignifcantes: nas presidenciais de 1974 ele obteve 0, 75%.

Em 2002 essa percentagem saltou para 16, 86% na primeira volta (21 de Abril de 2002) permitindo-o chegar à segunda volta com 17, 79% (5 de Maio de 2002). A percepção sobre este senhor alterou-se nas massas populares: Le Pen = ???? (não tenho exlicações...). Teve que se votar obrigatoriamente Chirac.

MAS TRAGO AQUI BOAS NOTICIASSSSS. Desculpem estou emocionadíssima... Hoje em Sciences Po aconteceu algo de excepcional! Pequena introdução: Sciences Po é um instituto superior considerado como o formador de elites para as próprias elites do país. Quem sai de lá com uma licenciatura tem emprego certo nas grandes administrações (é o sistema das grandes écoles do sistema escolar francês). Tive a oportunidade ou o desprazer de fazer o meu mestrado nesta Instituição. Desprazer, pois num dos momentos mais quentes e bonitos que vivi em França, a época das manifestações anti-CPE, não pude participar nesta luta no meio estudantil, com os meus companheiros de Universidade. Sciences Po foi uma das únicas Universidades que não esteve em greve geral. Ninguém se mexia, tive que encontrar outros meios. Vários estudos têm-se realizado sobre a sensibilidade política dos alunos desta escola, 50% do PS - 50% UMP. Não é bem isto, mas quase.
MAS HOJE... Sciences – Po organizou um debate (sobre as grandes preocupações das mulheres) com vários candidatos presidenciais, entre os quais Le Pen. Para começar, a uma pergunta sobre a distribuição gratuita de preservativos nos estabelecimentos escolares Le Pen respondeu com uma grande categoria: "ceux que ça travaille n’ont qu’à recourir au manu militari" (la masturbation). A partir daí os estudantes não conseguiram suportar mais, e o ambiente começou a ficar cada vez mais agitado. Entre assobios e apupos Le Pen não conseguiu dizer mais babuseiras, apenas: « Dans les cités, ils sont plus polis, ils sont mieux élevés »… As troças ruidosas continuam, o dialogo não se estabelece e Le Pen explode : « Bande d'imbéciles » e « si c’est ça le mode de raisonnement qu’on apprend à Sciences Po, eh bahhah Merci ».
Chamar tal coisa aos estudantes de Sciences Po é enorme. Desbocado! Palhaço! Pateta! Em Portugal só consigo fazer comparação com o Alberto João Jardim, no seu pior.

Não chegava o acolhimento hostil ao presidente do FN (Front National), quando a despedida ainda se tornou mais tormentosa... Não saiu de lá sem ouvir por parte de toda a assembleia e estudantes no exterior do estabelecimento: " F comme Fasciste, N comme Nazi ".
Enfim, se as elites estão consciencializadas, o que se passa com as bases da sociedade? (eles são 17, 79%, 17,79%! ). “O que fazer?”

Publicado por [Shift] às 10:47 PM | Comentários (4)

Não se pode votar neles nas próximas eleições?

fedorentos.JPG

JPG retirado do Arrastão.

Publicado por [Saboteur] às 01:41 AM | Comentários (7)

abril 03, 2007

“C’est pas les sans-papiers, c’est Sarkozy qu’il faut virer”

Já passaram quase 15 dias dos incidentes ocorridos à frente da Escola Rampal. Para quem desconhece este evento, tratou-se de uma rusga desproporcionada em frente da dita escola, precisamente no momento da saída das crianças. Em Belleville, quatro escolas (duas pré-primárias e duas primárias) situam-se na proximidade de uma das outras, em apenas duas perpendiculares. Cerca de trinta famílias com filhos a frequentar estas 4 escolas encontram-se em situação irregular (no que diz respeito aos seus papeis na “Pátria” francesa).

Esta rusga teve como alvo um senhor chinês que ía buscar os seus netos à Escola. Os outros encarregados de educação não ficaram passíveis ao acontecido, tendo reagido de uma forma exemplar (tentaram impedir a detenção do senhor e posteriormente bloquear o carro de polícia que transportava o senhor). A este protesto os polícias responderam com gás lacrimogéneo e com agressividade. A directora da escola solidarizou-se com este protesto, tendo sido detida por algumas horas no posto de polícia por “insulto aos agentes” e “degradação de bens públicos”!. Vários movimentos de apoio à directora registaram-se, pelo que ela acabou por não ser alvo de um processo.

Moro a dois passos da Escola Rampal. Ou seja, em Beleville, Paris. Assisto todos os dias a rusgas no Metro Belleville. Estas rusgas acontecem sobretudo no leste parisiense seguindo mais ou menos a linha 2 do metro, isto é, os bairros com uma percentagem de habitantes imigrantes bastante elevada: Belleville – Colonel Fabien – Jaurès – La Chapelle – Barbès Rouchechouart. A RATP (A rede de transportes cá do sítio) faz parceria com os polícias, ou seja, o controlo dos bilhetes torna-se facilmente numa detenção para aqueles que não têm papeis. Desta forma eles contornam a lei, pois não é legal pedir papeis a pessoas de forma indiscriminada e muito menos pela cor da sua pele. Comecei a compreender porque é que se fazem rusgas de forma cíclica, umas vezes em Belleville, outras em La Chapelle, outras em Barbès. Para além do sensacionalismo que o Monsieur Sarkozy quer causar em termos numéricos para a sua bela campanha presidencial de segurança (agora jà deixou o seu cargo para se dedicar exclusivamente à campanha, mas até há muito pouco tempo ele era ministro de l'Intérieur et de l'Aménagement du Territoire), atrás destas rusgas bem orientadas encontram-se voos europeus com destino aos quatro cantos do mundo. Isto significa que se um voo (para expulsar imigrantes em vários países europeus) está planeado para a Asia no dia 8 de Abril tem que se ir a Belleville no dia 6 de Abril para se encontrar uns quantos asiáticos com o intuito de encher o avião e portanto fazer economias. Se quiserem uns africanos vão a Barbès e por aí adiante. Entretanto todas estas pessoas com poucos ou vários anos em França, com filhos ou sem filhos jà nascidos em França, com ou sem impostos pagos em França (o paradoxo completo), com ou sem contactos no país de origem, com ou sem perigo de morte no retorno ao país de origem em conflito passam por situações de humilhação que vai desde a rusga, passando pela detenção, centros de retenção, expulsão e retorno a um país onde têm de reaprender os codigos. Enfim, Sarkozy é um perigo para a saúde social... está muito próximo da extrema direita com o seu projecto presidencial de criação de um ministério de imigração e de identidade nacional.

A mobilização tem sido forte e animada em Paris não só contra a intensificação das rusgas e pressão policial ao encontro dos sans papiers (exemplo: a manif que testemunhei no dia 31 de Março, no video aqui em baixo), mas também contra os cartazes presidenciais de Sarkozy no leste parisiense! Aliás quase jà não se vêem cartazes deles por aqui... nem dele nem do Le Pen, claro não o citei mas este é outro perigo.

Agora só falta que esta forte mobilização anti-sarko se materialize nas urnas francesas!

Publicado por [Shift] às 07:31 PM | Comentários (5)

Olhem para mim

Deine Gewalt ist nur ein stummer Schrei nach Liebe
Deine Springerstiefel sehnen sich nach Zärtlichkeit
Du hast nie gelernt dich zu artikulieren
Und deine Eltern hatten niemals für dich Zeit
Oh oh oh Arschloch

Que é como quem diz:

A tua violência é só um silencioso grito por amor
As tuas botas pedem carinho
Nunca aprendeste a articular-te
E os teus pais nunca tinham tempo para ti
Ó ó ó idiota

Die Ärtze, Schrei nach Liebe


Tallinn Pride - Skinhead desarmado por uma lésbica

Publicado por [Rex] às 09:56 AM | Comentários (4)

abril 02, 2007

Basta de passividade!

Esta fotografia está na secção "Humor" do site da Juventude Nacionalista.

Este exemplo de racismo - bastante soft, aliás, pois é de um site oficial que falamos e não de um fórum em que é necessário password ou de um site/blog "informal" do movimento - este exemplo, dizia, vem a propósito daqueles que acham um bocado chato e até preocupante que a sua chefe - que, pelo que percebi, é funcionária pública com responsabilidades de alguma importância, ligada ao ensino - tenha um poster do PNR colado no seu gabinete, mas que também acham que não devem denunciar a situação (nem que seja anonimamente), porque também não é preciso exagerar.

Naturalmente que a senhora em causa não é do PNR. É apenas burra. Mas esse é mais um argumento para alguém se queixar: Uma/um superior hierárquico/colega ia dizer à senhora para tirar o cartaz, ela tirava e pronto. Era melhor para ela, que deixava de ter exposto, para toda a gente ver, a sua burrice. Quem denunciava o caso acabava por ajudar a tolinha e limpar um pouco mais o ambiente de trabalho colectivo e público.

aniv3.jpg

Como enquadramento para este post, tenho de dizer que estou a falar, obviamente, de um caso real, e que já é a segunda vez que chega até mim: Primeiro numa confidência perturbante, e depois, já em plena crise do cartaz do PNR no marquês, num blog (viva o google) - não linko porque já apagaram a entrada e tudo.

É urgente que as pessoas se apercebam que não estamos a tratar de uma organização política com umas ideias mais heterodoxas, género ecologistas ou comunistas.

Estamos a tratar de uma organização criminosa, que incita permanentemente ao ódio e à violência racial (e não só), e que a pratica, tirando vantagem, sobretudo, do voluntarismo de jovens desequilibrados e com problemas psíquicos que mereciam ajuda em vez de manipulação.

publico150913wy.jpg

Publicado por [Saboteur] às 11:58 PM | Comentários (8)

Simpatia

O Vitor Dias - Ex-Comissão Política do PCP - está a fazer um Blog e enviou-nos um mail a convidar-nos para uma visita e para um Link.

Claro que não foi nenhuma coisa personalizada (como quem diz: ele não sabe com quem se mete), ele deve ter feito o mesmo para os 100 primeiros blogs do blogómetro, mas não queria deixar de responder à mensagem.

É como se fosse uma ajudazinha de um ex-funcionário do Partido a outro ex-funcionário do Partido..

Publicado por [Saboteur] às 10:13 PM | Comentários (4)

Ainda há quem se indigne

Vindo das minhas mini-férias - aliás, já antes tinha visto numa notícia do El Mundo – constato, satisfeito, que já houve vários cidadãos que demonstraram a sua indignação e raiva por um cartaz fascista do PNR estar numa das mais movimentadas rotundas da cidade.

Fica aqui o meu público agradecimento a essas pessoas anónimas, pelo seu acto de cidadania e até de coragem, sabido como é que estamos a lidar com gente estúpida e criminosa que têm inclusivamente homicídios no curriculum.

Publicado por [Saboteur] às 09:39 PM | Comentários (2)