« janeiro 2007 | Entrada | março 2007 »

fevereiro 28, 2007

Rick Dangerous has left the building




Publicado por [Rick Dangerous] às 07:10 PM | Comentários (2)

fevereiro 27, 2007

Tanta gente morta para nada

Um atentado suicida provocou a morte de pelo menos 19 pessoas e feriu outras 15 na principal base militar americana no Afeganistão, onde se encontrava o vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, que não foi atingido

Publicado por [Saboteur] às 07:14 PM | Comentários (1)

De Profundis Coisa e Tal

1. Pelouros e Pelourinhos

O anão do speech impediment não tem poder. Politicamente está morto, mediaticamente deu o lugar ao líder parlamentar, mas, por incrível que pareça, é ele que manda em Lisboa e nos destinos dos lisboetas.

Tem a ajuda preciosa da oposição, ajuda essa que até já mereceu um post aqui sobre uma tal de partidarite que para nós, cidadãos da cidade, é sinal de morte lenta e agonizante.

O circo continua. Redistribuem-se pelouros pelos vereadores do PSD em vez de distribuir esses vereadores pelos pelourinhos.

Se Carmona for constituído arguido, diz-se à boca cheia nos corredores, Marina Ferreira será Presidente. Talvez nessa altura, quando uma apparatchik do PSD, uma cara lá para o meio da lista dos eleitos social-democratas, muito longe do discurso do independente-técnico-não-político que deu a vitória a Carmona, subir ao poder a oposição decida acabar com a palhaçada e coloque, de uma vez por todas, o bem público à frente do tacticismo sectário.

P.S. Diz-se, no entanto, que a “emporcalhada” (também tratada pelo seu petit nom Zezinha” em artigos muito jornalísticos deste fim-de-semana) aprovaria a proposta Marina-solução-de-secretaria.

2. Óscares

Não é por uma personagem ser representada com a densidade do mundo e encher a tela de cinema que podemos dizer que um filme tem narrativa.

A narrativa existe quando cada momento faz sentido para contar uma história.

Mas mais importante, ainda, é que por mais surrealista que seja ou pareça, essa história nos envolva emocionalmente com cada um dos passos das personagens, com a imagem e a estética, com o enredo.

No entanto, o que é genial, profundamente genial, é sentirmo-nos verdadeiramente tocados, sugarmos entrelinhas, entrarmos na película e só conseguirmos respirar profundamente no desenlace.

Publicado por [Joystick] às 05:16 PM | Comentários (1)

Before they reach Mumbai



Let me please introduce myself
I'm a man of wealth and taste
And I laid traps for troubadors
Who get killed before they reached Bombay


Publicado por [Rick Dangerous] às 11:42 AM | Comentários (9)

fevereiro 26, 2007

Manifestação pelo Direito à Habitação

Img092.jpg

Img090.jpg

Img089.jpg

Uma manifestação como há muito não via.

Não estavam lá os organizadores de serviço a mandarem alargar os espaços entre as faixas para parecermos mais. Não estavam lá em peso os Partidos de esquerda (se bem que ainda ouvi o Mário Tomé a cumprimentar uma das lideres da Plataforma 65 com um "Olha a minha dirigente regional favorita!"), nem tão pouco o PCP com as suas bandeiras do costume...

Estavam sobretudo e em grande força os moradores das amendoeiras (gente que deve ter ajudado à maioria absoluta de Sócrates), ao lado de outra malta dos bairros sociais, de todas as idades, misturados com muitos e muitos imigrantes que não podem pedir empréstimo para comprar casa, nem fazer contrato de arrendamento "porque senão metem lá dentro a família toda e nunca mais de lá saem".

Não é por acaso que os principais dinamizadores da coisa foram as associações de emigrantes... com a preciosa ajuda institucional prestigiada da Ordem dos Arquitectos.


Publicado por [Saboteur] às 11:59 PM | Comentários (2)

fevereiro 25, 2007

Se ao menos pudessemos importar liamba...

Não deixa de ser um pouco perturbante ouvir Pires de Lima, presidente da Unicer, dizer que vai conseguir inundar o mercado de Angola com não sei quantos milhões de litros de cerveja, que a estratégia é estar cada vez mais nos mercados tradicionais de Angola, que o ano passado as vendas subiram não sei quantos por cento...

Afinal estamos um falar de um conservadorzeco, muito preocupado com a imigração africana, que está a enriquecer a vender bebidas alcoólicas (para quem anda mais distraído, trata-se de uma substancia que provoca dependência e inúmeros danos físicos, psicológicos e sociais), a um dos países mais pobres do mundo.

Publicado por [Saboteur] às 02:04 PM | Comentários (2)

As Vidas dos Outros

Já há muito que um filme não me dizia tanto.

Claro que o argumento é muito bom, os actores são excelentes, os cenários, o ambiente, toda a recriação de um país que já não existe, está fantástico... Mas compreenda-se que o filme ainda signifique um pouco mais para quem teve um autoculante da DDR na guitarra.

Publicado por [Saboteur] às 11:39 AM | Comentários (1)

fevereiro 24, 2007

Continuo a espantar-me

Leio História do Cerco de Lisboa... Caramba, como está bem escrito.

Publicado por [Saboteur] às 03:47 PM | Comentários (2)

fevereiro 23, 2007

Zangam-se as comadres...

O Vereador da CML, Sérgio Lipari (com o pelouro da Acção Social e dos Bairros Sociais), para entalar a Administração da Maria José Nogueira Pinto da GEBALIS (Empresa Municipal que gere os bairros sociais), mandou uns assessores dele, mais uns amigos, fazer uma espécie de auditoria da empresa.

O relatório dá conta de irregularidades gravíssimas, obras adjudicadas sem concurso, a preços muito elevados que, aparentemente, poderão explicar finalmente o mistério de como uma empresa que sempre teve resultados positivos, em 2005, aparece em falência técnica, com um resultado negativo de 6 Milhões.

O Presidente do Conselho de Administração da Gebalis – Francisco Ribeiro* – contra-ataca: A comissão que fez o relatório é ilegal porque não pode ser o Vereador, mas sim a Câmara a nomeá-la… Para além disso, ele tem que gramar na empresa 28 militantes da Secção A da Concelhia de Lisboa (Benfica e S. Domingos de Benfica), secção que é dirigida pelo Vereador Lipari.

Não são sempre os apoiantes do PSD e do PP que afirmam que as empresas públicas são sempre mal geridas porque são públicas e não privadas? Estes senhores esforçam-se para demonstrá-lo.


*Nota: O Google é fantástico: à procura de uma foto do sr. Presidente do Conselho de Administração, descobri o curriculum oficial do Sr. num Boletim Municipal. É engraçado saber que este licenciado em História na Lusíada, de 36 anos, para além de ser “servita de Nossa Senhora de Fátima”, fez o seu estágio profissional na Associação Regresso das Caravelas e depois, antes de ir para adjunto de uma Vereadora e para Director Municipal, arranjou um lugar de docente no Politécnico de Tomar.

Somos ou não somos um país de opurtunidades?


Publicado por [Saboteur] às 11:57 PM | Comentários (12)

Águas das fontes calai, Ó ribeiras chorai, Que eu não volto a cantar


Publicado por [Joystick] às 11:30 AM | Comentários (2)

fevereiro 22, 2007

Surrealizar por aí...

"Este livro relata um dos períodos mais surreais da nossa História, e tem como base os artigos que os jornalistas José Pedro Castanheira e Adelino Gomes escreveram em 2005, completados com novas informações, fotografias inéditas, infografias e índices..."

É assim que se vende o PREC no escaparate virtual do Público.

Publicado por [Renegade] às 12:12 PM | Comentários (8)

fevereiro 21, 2007

To cut a long story short

Renegade desafia-me a contar mais coisas sobre a minha viagem, colocando-me numa posicao mais favoravel do que Miguel Portas para compreender o que aqui se passa.
Passa-se que eu nao falo concani e logo a minha aproximacao a este mundo e sempre exterior e superficial. Nao me apetece simplificar ou generalizar e como nao me pagam fortunas para dizer disparates, vou abster-me de seguir os passos da familia Portas.
Este nao e o meu mundo e eu sinto isso em cada pequeno pormenor.
Nao existe a nocao de espaco publico como algo comum a todos e portanto a respeitar. O espaco publico e aqui o contraponto do espaco privado, algo que nao e nosso e que portanto nao temos de preservar. Praticamente nao ha caixotes de lixo na rua o que faz com que toda a rua seja um caixote de lixo. O mesmo e extensivel a varias zonas de praia maioritariamente frequentadas por indianos. A remota sugestao de que isso pode, a prazo, comprometer a industria do turismo, principal fonte de riqueza em Goa, e incompreensivel para a maior parte dos interlocutores.
Comentario do dono do hotel de Calangute onde estou a ficar: "Na Europa as pessoas nao sao felizes porque quando chegam a casa do trabalho ainda teem de ir cozinhar ou arrumar a casa. Na India o trabalho custa pouco e portanto e facil ter alguem para fazer essas coisas." Este senhor obteve nacionalidade portuguesa, gracas a qual 3 dos seus 4 filhos estao em Londres. Segundo ele, so pensam em voltar a Goa.

Ontem estive a almocar com Aurora Couto, autora do livro "Goa: a daughter's Story" e com o seu marido, Alban Couto, que integrou o primeiro governo de Goa a seguir a libertacao.
Dois intelectuais refinados que frequentaram universidades britanicas, liberais de esquerda, cultos e simpaticos, que nao pararam de insistir comigo para que me fixasse em Goa. O senhor ate queria comecar a prospeccao de uma noiva de boas familias e insistiu para que eu lhe enviasse o curriculo quando chegasse a Portugal.
O discurso e o habitual: Goa e o estado com melhor qualidade de vida, menor desigualdade social, menos tensoes religiosas, melhores infra-estruturas e servicos publicos, pessoas mais hospitaleiras e educadas, da India. O que me fez tremer ao imaginar como sera efectivamente o resto.
E tornou-se-me impossivel continuar a conversa para la de um certo ponto. Como explicar a estas pessoas que nunca conseguiria viver num sitio onde ter criados (dos que vivem nas traseiras da casa dos patroes e deles dependem para tudo) e absolutamente incontornavel? Onde a pobreza e tao natural como a agua das moncoes? Onde ser letrado e minimamente culto e um claro sinal de distincao social e de pertenca a elite?
Como explicar-lhes que aquilo que a eles parece ser o melhor da India (a possibilidade de levar uma vida absolutamente despreocupada a custa dos outros) e o que me parece absolutamente insuportavel? Como explicar-lhes que os valores a partir dos quais observam a generalidade dos fenomenos sociais sao incompativeis com os meus e, digo eu, a longo prazo, insustentaveis?
Nem sequer comecei, porque nao sei onde poderia acabar. E estas eram as pessoas mais viajadas e informadas, cosmopolitas e cultas, consideradas progressistas, que se opoem ao crescente comunitarismo religioso, especialmente protagonizado pelo movimento Hindutva (os integristas Hindus que compoem a direita do espectro politico, nomeadamente do BJP, partido que esteve no poder entre 1998 e 2004).
Para eles nao havia qualquer relacao entre a profunda desigualdade social e pobreza e as explosoes de violencia religiosa dos ultimos anos. Ou o crescimento explosivo do turismo, da construcao civil e da emigracao de indianos de outros estados para Goa. Completamente na defensiva, a unica coisa que esta elite intelectual goesa, com significativo poder politico e influencia social, consegue fazer e escandalizar-se e lamentar-se pelo que esta a acontecer a sua volta, com o fatalismo de quem espera pelo fim.
De resto, a explosao do comboio entre Deli e Lagore foi para os Goeses equivalente a algo que se passou noutro planeta. Mesmo sabendo-se que existe o perigo real de atentados em Goa, nomeadamente em Anjuna, pequeno colonato turistico israelita. O espaco ocupado nos jornais foi minimo. Se ontem o concerto realizado na praia de Calangute nao tivesse terminado duas horas antes do habitual, dir-se-ia que nada se passa.

To cut a long story short, o fascinio exotico pela India e morbido e doentio. Reter apenas aquilo de que se gosta e intelectualmente desonesto. Considerar uma terra onde se morre de fome um sitio de grande riqueza espiritual merece uma estalada.
A atitude oposta, de encarar com arrogancia uma cultura milenar, descrever este pais como uma imensa mancha de subdesenvolvimento e atraso, sublinhar todas as diferencas como fossos intransponiveis, merece identico desprezo.
Como nada fica parado, a unica atitude que me parece conter a hipotese de uma verdadeira comunicao e reconhecer as possibilidades e os desejos de emancipaco, os varios pontos de ruptura da ordem vigente, que aqui, como em todo o lado, nao deixam de existir. Mais uma vez a lingua revela-se aqui o factor central. Sem ela, tudo sera perdido na traducao.

Publicado por [Rick Dangerous] às 07:33 AM | Comentários (5)

Há gente para tudo

Como saberão, a RTP fez um concurso que se chamava “Os Grandes Portugueses”, e que entusiasmou muito os fascistas inconformados do país.

O sistema informático apenas reconhecia 3 votos de cada telefone, e eles, como são muito poucos, desdobraram-se em telefonemas para votar no ‘Botas’:

«Meu rico netinho! Há tanto tempo que não te via! Estás tão crescidinho… O que é que tens feito, meu amorzinho?» «Vim cá só fazer uns telefonemas, avó!»
«Ó Antunes, lá por nós passarmos a vida a gozar contigo, podes vir almoçar connosco.» «Obrigado, chefe. Mas vou aproveitar a hora do almoço para fazer uns telefonemazinhos...»

Ora, curiosamente, a SIC fez um programa parecido, mas com um orçamento muito menor, meio humorístico, chamado “O Pior Português de Sempre”.

Curiosamente, num e noutro, ganhou o Salazar, o que não é de espantar, visto que nestas coisas de eleições com o Salazar pelo meio, é natural que haja sempre resultados inesperados…

O que é verdadeiramente divertido e digno de nota é que hoje, ao dar uma vista de olhos na caixa de comentários do Arrastão (onde esta malta de extrema-direita, sem nada de melhor para fazer, se ocupa a deixar comentários non-sense), descobri um comentário enorme, assinado por um gajo com o nick ‘Caça Fantasmas’ e que é nada mais nada menos do que uma elaborada teoria da cabala sobre como os resultados foram manipulados contra o Salazar, que afinal não recebeu nada mais votos no concurso “O Pior Português de Sempre”.

Há pessoas verdadeiramente estranhas, e na Internet vê-se de tudo!

Publicado por [Saboteur] às 01:12 AM | Comentários (2)

fevereiro 20, 2007

Carmona no jogo da forca

desenhinho_forca_Carmona.jpg

Se o jogo for este, o dito senhor já lá tem a cabeça, o tronco, os braços e uma perna, mas ainda vai pedir mais uma letrinha. Se errar é o fim… Se acertar também.

Publicado por [Joystick] às 09:00 AM | Comentários (16)

fevereiro 19, 2007

Pérolas da coroa...

Duas amigas que estiveram de visita a terras de sua majestade trouxeram como recordação esta foto que, na pior das hipóteses, é uma boa mostra daquilo que podemos esperar duma residência universitária no norte de inglaterra onde a maioria dos alunos são homens, engenheiros, assumidamente ávidos de um curriculum mais extenso e pouco virados para a vida social em Cranfield e arredores, seja ela qual for...

Dsc05952_2.jpg


Publicado por [Chuckie Egg] às 02:26 PM | Comentários (5)

Os fantoches de Kissinger

"Aquela merda de ditadura so nos traz chatices"
Henry Kissinger, Fevereiro de 1970, apos a fracassada invasao de Conakry por tropas portuguesas

Em toda parte baqueia
A muralha imperialista
Na ponta duma espingarda
Os povos da Indochina
Varrem da terra sangrenta
Os fantoches de Kissinger

Mas aqui também semeias
No pátio da tua fábrica
No largo da tua aldeia
A fome, a prostituição
São filhas da mesma besta
Que Kissinger tem na mão

Publicado por [Rick Dangerous] às 11:22 AM | Comentários (2)

Mau gosto internacional

A programacao da RTP Internacional. Sem ver nao se acredita. 24 h por dia, 365 dias por ano de puro lixo televisivo. Nao e apenas tao ma como a RTP 1. Para nao desfazer, tambem passa telenovelas da TVI. E, claro esta, o impagavel Julio Isidro (como e que nunca ninguem o acusou de pedofilia?).

Publicado por [Rick Dangerous] às 11:04 AM | Comentários (0)

Fedra

Oh inclemência, fico assim tétrica
Só para manter a alexandrina métrica!

Saiu de cena ontem, e não deixa saudades.

Publicado por [Joystick] às 10:36 AM | Comentários (0)

Estado de um portugues na India 2.0

Os tres tipos de pessoas que conheci ate agora:

- os goeses saudosistas que falam portugues e que trabalhavam para a administracao colonial ou para o BNU. Choram a "decadencia" de Goa, a perda dos costumes e valores, a invasao dos "indianos" (ou seja, pessoas de outros estados) e do turismo;

- os goeses que nao sao saudosistas, ou porque nasceram depois de 1961 ou porque nao tem nada de bom a recordar do periodo anterior; dividem-se em dois sub-grupos: os que vivem do turismo, sao altamente subservientes e extremamente chatos quando querem vender panos, sapatos ou bananas; os que nao vivem do turismo e odeiam todos os turistas, recusando-se pura e simplesmente a dar qualquer tipo de informacao, olhando com desprezo para quem anda de fato de banho na praia;

- os turistas, que na sua grande maioria encaram os goeses com o desprezo que reservam aos emigrantes nos seus paises natais; sao quase todos casais de reformados, mas tambem ja vi alguns hippies (jovens ou nao) a tentar forcar o encontro de culturas (com escassos resultados);

Em qualquer jantar/festa/convivio, e normal servir a comida o mais tarde possivel. Uma vez alimentados, os convidados retirar-se-ao em menos de cinco minutos. Isto faz com que os menos avisados (eu) fiquem ate as 23h30, esfomeados, a entreter-se com uns acepipes e um copo de gin tonic atras do outros.

Uma senhora que soube que os meus pais nao se casaram exclamou um muito espontaneo "coitadinho". O marido trabalha no Dubai e ela vive em Goa. Ha 28 anos que so se veem 3 meses por ano.

Sou um caso raro. Nao casei mas sai de casa da minha mae (de resto, o normal seria ficar em casa da minha mae apos ter casado. Mas tambem nao seria normal dizer "a casa da minha mae" e nao "a casa dos meus pais"). Sei cozinhar (nenhum, repito, nenhum elemento do genero masculino em Goa sabe cozinhar, a menos que seja essa a sua profissao). Nao jogo nem aprecio nem entendo nada de Cricket. Estudo Historia, o que toda a gente considera inutil e extremamente dificil (ninguem acredita que em Portugal a maior parte das pessoas tem problemas com a matematica).
De resto, passo por estrangeiro para os indianos e por indiano para os estrangeiros, o que me deixa numa terra de ninguem em termos de sociabilidade.

Este deve ser um dos paises mais materialistas onde ja estive. Todos os favores sao contabilizados e cobrados, todos os estatutos sociais, ocupacoes profissionais e rendimentos minuciosamente examinados e comparados. Nao passa um segundo sem que as divisoes sociais sejam claramente assinaladas. De resto, taxas de crescimento de 10,5% ao ano levam quase todos os jovens indianos a pensar que enriquecerao em pouco tempo.

Sempre que sou arrastado para uma visita a casa de alguem, inevitavelmente um saudosista, e posto a tocar um disco antiquissimo com um medley que inicia com "Uma casa portuguesa" e acaba com o "Vira". Estas casas de arquitectura colonial, enormes, lindas, decadentes, parecem habitadas por fantasmas.

Publicado por [Rick Dangerous] às 10:06 AM | Comentários (6)

Lesboa Party

lesboa.jpg

O sítio (Pavilhão de Exposições do ISA) é bastante bonito mas não é o ideal para uma festa daquelas: A pista de dança acaba por ser ao mesmo tempo um local de passagem e não se conseguia estar 15 segundos seguidos sem um "com licença, desculpe".

Publicado por [Saboteur] às 12:59 AM | Comentários (0)

fevereiro 17, 2007

Partidarite Aguda

Para quem está mais próximo do que se passa na Câmara de Lisboa, é óbvio que esta maioria já não tem condições para Governar.

Se tivesse maioria absoluta, ainda poderia tentar manter um ambiente de ‘paz podre’. Mas nem isso tem…

É preciso compreender que uma Câmara não é como o Governo Nacional: Na Câmara a oposição está no próprio órgão executivo e toda a administração local, “os serviços”, estão mesmo ali, em estreita articulação com os Vereadores. Quando se chega a esta situação de degradação e descrédito, já não há volta a dar-lhe: tem de haver eleições.

Mas se é assim, porquê que se está a atrasar o inevitável? Por causa de uma das muitas doenças que corroem a nossa Democracia: a Partidarite.

No PSD, Marques Mendes, ultra-fragilizado, sabe que não resistiria a um resultado de 15% (que é o que neste momento lhe dá uma sondagem que mandou fazer)

O PS ainda não tem um candidato. Sócrates tem de encontrar alguém da sua confiança, que consiga ganhar com facilidade; que não se importe de subsistir com esta concelhia (que ainda pode aparecer associada aos escândalos de corrupção); que não se importe de governar com minoria na Assembleia Municipal e que não se importe de agarrar numa Câmara em estado catatónico, cheia de dívidas, ainda a sofrer de uma re-estruturação organizativa estrambólica feita pelo Santana.

O PCP, está apavorado com o cenário de ficar atrás do BE em Lisboa.


Por causa de interesses partidários, Lisboa mantém-se no pântano, parada, e cada dia que passa é um dia perdido para a cidade.


O próprio BE, o partido mais bem posicionado para eleições intercalares (dada a visibilidade e prestígio do seu cabeça de lista), está atacado pela merda da partidarite.

Exige eleições intercalares, mas sobretudo porque está obcecado com a ideia de crescer e ultrapassar o PCP...

Na verdade, o Bloco não tem dado 1 único passo no sentido de procurar contribuir activamente para uma aliança de esquerda, negociando e influênciando para que se comece, finalmente, a governar de forma radicalmente diferente na capital do país, a bem de Lisboa e deixando, ao mesmo tempo, uma marca de esquerda, ecológica, de honestidade, de trabalho e de dedicação à causa pública, que pode ter consequências políticas muito mais vastas e mais profundas do que qualquer subida efémera de número de votos.


Publicado por [Saboteur] às 08:41 PM | Comentários (2)

fevereiro 16, 2007

A Câmara afunda, mas a orquesta continua a tocar

Imagem 136.jpg

Fontão de Carvalho, Vice-Presidente da Câmara, Presidente múltiplo de inúmeras associações e mentiroso compulsivo, disse que ainda não tinha dito que era arguido, porque ninguém lhe tinha perguntado.

Agora foi acusado pelo Ministério Público, junto com toda a Administração da EPUL.

Carmona Rodrigues, que há duas semanas disse que se mais algum Vereador fosse constituido arguido, tinha que ponderar a sua situação na Câmara, vem hoje dizer que tem a maior das confianças em Fontão de Carvalho. Que isto é tudo normal. Que Fontão e ele próprio vão continuar em funções e que tem a solidariedade da Direcção Nacional do PSD.

Mesmo para os mais cépticos é evidente que a actual Câmara se afunda rapidamente, qual Titanic… Só mesmo Carmona não vê isso.


Publicado por [Saboteur] às 05:40 PM | Comentários (6)

Vade retro democracia e sociedade de informação!

A Conferência Episcopal reuniu-se em assembleia extraordinária e aprovou um documento, cujo teor integral parece ainda não estar disponível online, que, analisando as causas para a derrota do "Não" no referendo, apontou como primeira "a mediatização globalizada das maneiras de pensar e das correntes de opinião". Apelaram, ainda, aos médicos para que não actuem em conformidade com a lei que será feita com base no veredicto das urnas.

Publicado por [Joystick] às 05:38 PM | Comentários (1)

Dois arco-íris e pereiras que florescem no inverno

Faz hoje anos - 65 na vida real, 66 na vida de "querido líder" - o senhor excêntrico de um país desconhecido.

Publicado por [Joystick] às 12:58 PM | Comentários (2)

fevereiro 14, 2007

Fazer Cidade

centrohist.jpg

Amanhã, quinta-feira, debate sobre o tema "Fazer cidade - Práticas de urbanismo em Lisboa", com Gonçalo Ribeiro Telles, Helena Roseta e João Seixas. Entrada livre, claro.

É às 21, no Museu do Fado, em Alfama e é promovido pelo José Sá Fernandes / "Lisboa é gente"

Publicado por [Saboteur] às 10:36 AM | Comentários (4)

fevereiro 13, 2007

Ouvido a caminho do trabalho

O RCP informa-me que 20% do capital das maiores empresas portuguesas cotadas em bolsa está na mão de estrangeiros. Chamem-me sentimentalista, mas estou mais preocupado com os outros 80%...

Publicado por [Rex] às 08:39 AM | Comentários (3)

fevereiro 12, 2007

Totó

João Pereira Coutinho é tão presunçoso que fez uma entrevista a si mesmo.

O ridículo não fica por aqui (há muito de ridículo no "conteúdo" do sapiente abstencionista com dor-de-corno da pensão de alimentos).

Mas o cúmulo dos cúmulos é que ele se trata a si mesmo por "você".

Vejam aqui.

Publicado por [Joystick] às 05:15 PM | Comentários (6)

Um golpe mortal no choque de civilizacoes

"This is a book that needed to have been written. The perception of India in the West and, indeed, among Indians themselves has never been more amorphous as it is now. The Argumentative Indian will provide a new dimension and perspective to that perception. It would be no surprise if it were to become as defining and as influential a work as Edward Said's Orientalism."

Publicado por [Rick Dangerous] às 12:56 PM | Comentários (2)

Estala o verniz...

... de tao insignes democratas.

Publicado por [Rick Dangerous] às 12:14 PM | Comentários (2)

Ai mando, mando!

SIM: 2.238.053 votos (59,25%).

Publicado por [Joystick] às 11:37 AM | Comentários (1)

Grande Vitória!!!!

Publicado por [Saboteur] às 01:17 AM | Comentários (2)

fevereiro 10, 2007

A questão do referendo numa escola em Paris

Enquanto assistente de português numa Escola Secundária, no centro de Paris, uma das minhas funções é dar aulas ditas de civilização. Decidi dar uma aula, na última quarta feira, sobre o debate do aborto em Portugal (é preciso ter em conta que a maior parte destes alunos são franceses filhos de emigrantes portugueses, muitos deles bilingues). Para tal, reuni uma série de materiais para tornar a aula mais atractiva. Entre os quais, alguns documentos do YouTube, folhetos de propaganda do SIM e do não e por fim documentos mais profundos sobre a questão do aborto.

Organização da aula: primeiro, propus aos alunos a leitura dos documentos sobre o panorama actual e mundial dos países com leis mais proibitivas ou mais liberais em relação ao aborto; segundo, mostrei um folheto do Movimento dos Jovens pelo Sim e outro do Blog do não (aquele do “Salvem os bebés das baleias, pandas, focas, koalas, ursos... E EU?”); e por último mostrei o debate do “Assim não” e “Assim SIM” no You Tube culminando no vídeo humorístico do Gato Fedorento sobre o mesmo. Desculpem o detalhe da aula!
Tentei a cada etapa desta aula exaltar os ânimos dos pequenos (de 16 a 19 anos), instigando sobre os argumentos do sim e do não e incitando ao debate. Resultado: Inércia, Torpor, Preguiça, Indiferença, o que quiserem no âmbito destes sinónimos!!!

Na minha opinião, a justificação para o acontecido está associada com o facto que em França a promulgação da “loi Veil” se efectuou no ano de 1975: “Après une longue procédure législative et des débats houleux, l'Assemblée nationale vote le projet de loi, présenté par la ministre de la Santé Simone Veil, dépénalisant l'interruption volontaire de grossesse (IVG ). L'IVG est autorisée dans les dix premières semaines de grossesse.
- 1975: Promulgation de la "loi Veil", le 17 janvier, pour une période de cinq ans. Elle sera reconduite à titre définitif en 1979.
- 1982: La "loi Roudy" instaure le remboursement de l'IVG par la Sécurité sociale.
- 1988: Autorisation de la pilule abortive RU 486. Son usage, très encadré, est réservé à des centres agréés.
- 1993: La "loi Neiertz" crée le délit d'entrave à l'IVG . Les premières peines de prison sont prononcées contre les membres d'un commando "anti-IVG ".
- 1999: Mise en vente libre de la "pilule du lendemain", le contraceptif d'urgence Norlevo
- 2001: Réforme de la loi de 1975 par Martine Aubry. Elle fait passer le délai de recours à l'IVG de dix à douze semaines et autorise les mineures à obtenir une IVG sans autorisation parentale, mais accompagnées d'un adulte de leur choix. »

Portanto, tendo em conta que para estes pequenos o direito ao aborto é um dado adquirido, a pespectiva de debate é quase nula. Antes da aula para mim isto não fazia sentido. No entanto, eles esquecem-se, sem querer ser muito nostálgica, que no país onde eles nasceram e vivem esse direito foi adquirido de uma forma bastante lancinante e atroz sobretudo para as mulheres. Segundo a minha professora, que esteve envolvida nesse movimento de apoio à “loi Veil” (embora tenha insistido sobre o facto de não se encontrar na fileira política de Simone Veil, na época ministra da saúde num governo de direita), Simone Veil e as suas seguidoras foram acusadas de serem umas “avorteuses” no Parlamento Francês e na opinião pública, acumulando-se ataques ainda mais pungentes sobre a vida pessoal da ministra.

Enfim, numa das aulas do Miguel Vale de Almeida, discutíamos sobre os movimentos gays e sobre a luta que estes últimos desenvolviam no sentido de legalizar o casamento entre homosexuais. Uma das questões colocadas era sobre o porquê de quererem legalizar uma prática tão conservadora e de tradição homofobica... A resposta é tão simples como esta.... a mudança social pode ser a vanguarda da legislação de um Estado-Nação, mas o seu inverso também é verdade: tal é o exemplo do caso francês, a maneira como a lei do aborto passou “de fininho” pela consciência social e como actualmente passou a ser um dado adquirido (embora eles andem aí!!! e embora este acto continue a ser um tabou e culpabilizado social e moralmente!!!).

Não é justo que no nosso país o direito ao aborto com as melhores condições de acompanhamento fisico e psicológico, sem riscos e sem vergonhas tenha que ir a referendo!
Votaria de toda a maneira SIM, sem nenhum pejo de qualquer ordem. Um SIM bem feminista, ou seja, um sim que tem em conta o poder da mulher escolher o seu próprio modo de vida, controlar a sua sexualidade e fecundidade! Não é justo que o controlo sobre a sexualidade das mulheres continue a ser um elemento tão marcante da ordem patriarcal e conservadora da sociedade, diria mesmo uma alavanca da dominação masculina.
Não é justo que ainda hoje (sábado dia 10) hesite em apanhar o avião em direcção a Portugal para votar Sim com medote que o não com letra pequena ganhe.

Publicado por [Shift] às 03:14 PM | Comentários (3)

Tomei a liberdade de copiar este texto de um amigo que como eu nao pode votar sim porque esta para la de Badajoz

"Já que se fala em aborto...

Infelizmente não vou estar em Portugal para votar no referendo relativo à despenalização do aborto (chamemos as coisas pelos nomes, já enjoa inventar nomes como “interrupção voluntária da gravidez” só para não chocar...). Digo infelizmente, não porque seja fundamentalista do sim ou do não, mas sim porque tenho todo o gosto e orgulho em exercer o meu direito de voto, nem que seja em branco. Se querem saber, neste momento, sei bem para que lado é que votava: votava sim. No entanto, não sei se alguma vez seria capaz de tomar a decisão que muitas mulheres são forçadas a tomar por variadíssimas razões. De facto, penso que ninguém pode dizer que, se fosse com ele/ela, faria ou deixaria de fazer... e a futurologia complica-se quando se é pai... pois é, antes era tudo fácil... e agora que já se experimentou o milagre da vida... comé?

Não me interpretem mal... não dei em fundamentalista do não, continuo a achar que a escolha cabe a cada uma já que, afinal de tudo, vivemos em democracia. Também não concordo com o argumento da treta dos defensores do não, que dizem que o pai da criança também deve decidir... é muito fácil dizer isso quando não é o pai que transporta a criança no ventre nove meses, que corre risco de vida no parto, que sofre as dores, que tem de amamentar, que tem depressões pós-parto e que, fruto da sociedade em que vivemos, muitas vezes tem de tentar refazer a vida após os míseros 4 ou 5 meses que tem de licença de maternidade.

Chegado a este ponto, não posso deixar de me indignar! Confesso que tenho acompanhado a campanha um pouco ao longe, mas tenho tentado manter-me informado. E não deixa de chocar-me, novamente (há uns anos atrás foi a mesma coisa), com as tácticas verdadeiramente demagógicas e terroristas dos adeptos do não. Fiquei em estado de choque ao ler que um jardim de infância (Centro Paroquial da Anunciada) financiado pela segurança social (portanto com o dinheiro de todos nós, dos cidadãos de um Estado laico), fez propagando pelo não através das crianças! Os animais (sem ofensa para os verdadeiros animais que não têm culpa das palavras que os seres humanos escolhem para descrever pessoas verdadeiramente asquerosas) que são responsáveis pelo colégio (por sinal padres...) enviaram uma carta para casa das crianças através dos pequeninos, cujo teor enoja! Entre as magníficas passagens dessa carta “escrita” por um feto abortado à mãe contam-se as seguintes:

"Querida Mamã. Apesar de tu não teres querido que eu nascesse, não posso deixar de te chamar "Mamã". Escrevo-te do mundo do além, para te dizer que estava muito feliz quando comecei a viver no teu seio. Eu desejava nascer, conhecer-te. E pensava que um dia seria uma criança muito alegre" (...)
"Mas tu não pensavas como eu, não é verdade Mamã? E um dia, quando estava tão feliz a brincar no mais íntimo das tuas entranhas, senti algo muito estranho, que não saberia como explicar: algo que me fez estremecer. Senti que me tiravam a vida. Uma faca surpreendeu-me quando eu brincava feliz e quando só desejava nascer para te amar".

Por favor!!! Outra vez não! Já não bastava a campanha do “salvem o zézinho”... Qualquer que seja a posição que se defenda, há uma verdade inegável, sempre que tem havido um referendo sobre o aborto, os apoiantes do sim têm evitado (na sua maioria) o verdadeiro terrorismo e demagogia, enquanto que os apoiantes do não têm liderado campanhas, no mínimo vergonhosas e de mau gosto.
No outro dia recebi um ficheiro power point de uma amiga, abri porque a maior parte das coisas que me enviam faz-me rir... fiquei chocado com o conteúdo e, como é óbvio, ignorei o pedido habitual de “reencaminhem para os vossos contactos”. Entre outros argumentos maravilhosos para votar “não” no referendo, destaco a comparação feita entre o aborto legal feito num Estado democrático e o aborto forçado efectuado nas mulheres judaicas nos campos de concentração nazi (!!!), e a fabulosa declaração de que “nalguns estados dos Estados Unidos, depois da liberalização do aborto, chegou-se ao infanticídio” (!!!) Mais uma vez, muito mau gosto, mentiras e, sobretudo, falta de respeito por quem sofreu horrores no holocausto, vindo, curiosamente, de alguém que se intitula Católico... Mais adiante, o autor do ficheiro de power point (que não teve vergonha em se identificar e indicar o endereço do seu blog – eu, no lugar dele, teria vergonha), vem falar na necessidade de apoiar as mulheres, educação sexual, etc. Não poderia concordar mais com ele... curioso é que, sempre que se fala em educação sexual, seja a igreja católica e a maior parte das forças que apoiam o não a opor-se ruidosamente... e que a maior parte dos defensores do não sejam exactamente os mesmos que, sistematicamente, diminuem os direitos das trabalhadoras, defendem a redução da segurança social e do papel do Estado na saúde, cuidados a pessoas desfavorecidas, etc. Isto, a mim, cheira-me a falta de coerência.

Já agora, para os curiosos, se fosse mulher, se estivesse grávida, será que eu abortava? A resposta, à primeira vista, é simples: tendo sido pai há cerca de 17 meses, tendo pegado na C. ao colo quando ela tinha 34 semanas e parecia um ratinho, tendo passado três semanas numa unidade de neonatologia onde os prematuros lutam pela vida (felizmente não era o caso da minha pequenina), tendo visto o drama dos outros pais, sabendo o que custa estar longe dos filhos, conhecendo a alegria que é ser pai... a resposta é NÃO! Não abortaria! Mas cá está, eu conheço o lado alegre da história, nunca passei fome, não trabalho numa fábrica, não tenho um patrão que me vai despedir porque fui pai, não vivo na miséria, não tenho a 2ª ou a 3ª classe, logo, como em tudo na vida, sei reconhecer que as minhas escolhas são moldadas pela minha vivência, e que não é justo julgar os outros pelos meus padrões... Aliás, vivi de perto o drama dos outros. Lembro-me vivamente duma mãe da Damaia que teve gémeos que tiveram de ser transferidos para a unidade de neo-natologia do Hospital Garcia de Horta porque não havia lugar no Santa Maria. Lembro-me do aspecto da mãe, lembro-me do facto dela não ter dinheiro para apanhar o autocarro para ir visitar os filhos, lembro-me dela dizer, cerca de dois dias após o parto, que tinha de ir trabalhar senão não havia dinheiro lá em casa... pois é... façam mais blogues, mais power points, defendam a redução do investimento na saúde e na segurança social, depois venham falar-me em responsabilidade social, em educação sexual, e em ajudar os desfavorecidos... crucifixos não se comem meus amigos, e defender que alguém foi concebido sem sexo não é educação sexual! Querem falar de natalidade, e de crianças, e de partos? Passem 3 semanas numa unidade de neo-natologia dum hospital público, vejam o que passa por lá (sim, porque há de tudo), depois falamos, OK??!

E já agora, leiam a tese de final de curso do Álvaro Cunhal sobre o aborto. Não se preocupem, não vão para o inferno por lerem um livro escrito por um comunista! Há uma lição importante a retirar do livro, independentemente de se discutir se nos países que liberalizaram o aborto esta prática aumentou ou diminuiu, há um facto constante: diminuíram as mortes de mulheres que abortaram... para mim, isso é o suficiente, já que eu sou a favor da vida!"

R., Houston, EUA

Publicado por [Renegade] às 09:50 AM | Comentários (2)

fevereiro 09, 2007

Memória Futura - Parte II

Manuela Ferreira Leite disse que, se o sim ganhar, as mulheres irão abortar "sem qualquer espécie de fundamento".

Dr. Castro Caldas afirmou, num programa televisivo, que mulheres abortam por negócio (para comercialização de matérias fetais).

Dra. Margarida Neto, militante acérrima pelo Não, quando confrontada por Fernanda Câncio acerca das mortes de mulheres por complicações de abortos clandestinos, respondeu displicentemente que morrem poucas.

Publicado por [Joystick] às 11:13 AM | Comentários (2)

Albufeira em todo o lado

Porque e que...

...onde quer que os ingleses passem ferias o seu mau gosto se torna a medida de todas as coisas?

Publicado por [Rick Dangerous] às 08:22 AM | Comentários (3)

fevereiro 08, 2007

Memória Futura - parte I

César das Neves disse que se o aborto fosse despenalizado tornar-se-ia, para a mulher, tão normal como um telemóvel.

Rita Ferro escreveu um texto, lido no início de um programa televisivo, em que uma mulher que pretende interromper a gravidez se queixa do quarto ser interior e da roupa deixar de servir.

Marcelo Rebelo de Sousa fez um vídeo em que afirma que, com a despenalização, as mulheres abortarão por estados de alma e ligeiras depressões.

Leonor Beleza diz que as mulheres "violam valores".

Ricardo Carriço diz que, se o sim ganhar, abortar será, para as mulheres, como lavar os dentes.

Publicado por [Joystick] às 07:08 PM | Comentários (6)

Mais agenda cultural

Dia 19 de Maio, 1ª Edição do Creamfields em Portugal

Publicado por [Saboteur] às 11:24 AM | Comentários (2)

fevereiro 07, 2007

Até que enfim um 10 de Junho à maneira

B.Boys em Portugal

Publicado por [Saboteur] às 05:26 PM | Comentários (2)

fevereiro 06, 2007

Estado de um portugues na India

No mercado de Margao ia pisando um homem que tinha a mesma cor que o chao.

E comum ver familias inteiras em cima de uma mota, maes com bebes de colo sentadas de lado, tudo sem capacete. Testemunhas oculares narraram-me um acidente que resultou na decapitacao de uma crianca. Desde ai que so entro num carro com um livro na mao e nunca ponho os olhos na estrada. Desnecessario sera dizer que parecemos sempre a beira da colisao frontal com mil veiculos motorizados.

Na India buzina-se antes de ultrapassar, buzina-se para dizer ola, buzina-se para protestar com o condutor da frente, buzina-se para dar a curva. Buzina-se.

A classe media indiana tem criadas, cozinheiras, come fora, manda os filhos estudar no estrangeiro, tem dois carros, mas nao tem esquentador em casa. Prioridades. Ja agora, mesmo quando estao 30 graus, o banho frio e uma experiencia traumatizante. O banho diario e definitivamente um fenomeno ocidental.

Ao que parece os goeses sao os craques do futebol indiano. Ha tres equipas goesas num total de 10 que disputam o campeonato nacional. Todas as outras equipas teem jogadores com apelidos como Fernandes, Sousa ou Braganca. Em frente a casa da familia da minha avo, no largo da igreja de curturim, esta o campo de futebol. Existe uma metade de cima e uma metade de baixo. Joga-se mal. Mas o que e realmente fascinantes e a presenca de uma enorme estrutura de pedra com uma cruz, no meio campo sobre a direita, que ambas as equipas teem de contornar sempre que tentam explorar o flanco. E verdadeiramente unico. Uma especie de Fernando Aguiar que joga para os dois lados, com um pouco menos de mobilidade.

Os vizinhos do lado sao Hindus. O filho tem a minha idade e casou ha um ano com a prima adolescente. Os pais de ambos trataram de tudo.

O contraste entre a omnipresenca de sex-simbols masculinos e femininos altamente sensuais em toda a imprensa, televisao e publicidade, e a pobreza extrema das relacoes entre generos, mesmo entre os jovens, e altamente esquizofrenico.

Em Goa, deve-se sempre recusar os convites e as ofertas pelo menos uma vez. Gente bem educada so aceita apos ter recusado 5 ou 6 vezes o copo de cerveja, as bolachas ou outra coisa qualquer que lhe seja oferecida. Nao regatear no mercado tambem e sinal de ma educacao.

Por agora e tudo. O fascinio do pessoal mais freak por esta terra de casamentos combinados pelos pais, violencia religiosa, corrupcao, desigualdades extrema (casta, regiao, genero, classe social, lingua, tudo serve para descriminar e separar), pobreza alucinante e patriarcado indisfarcado, tem qualquer coisa de morbido que mereceria um par de chapadas. Felizmente os indianos reagem a isso da maneira mais saudavel, explorando despudoradamente tod@s os/as turistas. Sera a unica coisa em que nao existem descriminacoes.

Publicado por [Rick Dangerous] às 07:26 AM | Comentários (6)

fevereiro 05, 2007

Vendo tempos de antena do NÂO...

Aparece muitas vezes a ideia de que se vai poder fazer um aborto “porque sim”. “Porque se está com uma leve depressão”, como diz Marcelo Rebelo de Sousa (o Professor), nos seus videozinhos manipuladores.

Ontem, vincava-se a ideia de que o aconselhamento não está na pergunta e portanto, caso vença o SIM, a mulher vai poder abortar sem pedir aconselhamento.

Obviamente que a pergunta do referendo não tem (nem pode ter) o articulado da Lei que se quer aprovar na Assembleia da República.

O que se pretende é aferir o sentimento geral dos eleitores em relação à questão e depois, os legisladores, em diálogo com os técnicos da área e com a máquina da administração, como de costume, tratarão de fazer a Lei, tendo em conta a orientação estabelecida pelo resultado no referendo… E como é óbvio, se as IVG’s se vão fazer em “estabelecimentos de saúde legalmente autorizados”, é natural que toda a equipa médica transmita o máximo de informação, respostas e aconselhamentos, mesmo que tal não viesse expressamente reforçado na Lei.

Mas o que mais me choca é que estas pessoas do NÃO, partam sempre do princípio que quem faz um aborto, faz “porque sim”, como quem vai ao cinema, sem se aconselhar.

Sem se aconselhar?! Mas alguém acredita que mesmo hoje, em que o aborto é ilegal e pode-se ir para à cadeia, a regra seja que a mulher que aborta não se aconselhe antes com amigo(s), e/ou companheiro, e/ou família e/ou médico e/ou quem quer que seja que ela ache importante falar?

O problema deste pessoal é que a mulher não se aconselhe ou que se aconselhe com pessoas que, na sua perspectiva, são “pessoas erradas”?

Publicado por [Saboteur] às 02:44 PM | Comentários (1)

fevereiro 03, 2007

Fascistas na campanha do referendo

Até agora houve 2 pontos altos na campanha do SIM pela despenalização do aborto: "Prós e Contras" na RTP e Ricardo Araújo Pereira e os Gato Fedorento.

No entanto, também temos de agradecer aos fascistas portugueses por terem dado a sua ajudinha...

aushwitz2pt9.jpg

Imagem retirada do blog "Anti Comunismo, bloquismo & PS/PSD"

... P.S.:Curioso reparar no cabeçalho do blog: Das 9 figuras-alvo, as 6 de politicos portugueses são todas do Bloco (não há PCP's, PS's ou PSD's como poderia ser de esperar). Dos 6 do Bloco, 4 são da corrente Manifesto, 1 do PSR e o outro é o Fernando Rosas

Publicado por [Saboteur] às 06:20 PM | Comentários (7)

fevereiro 02, 2007

Pai de "fúncio" do Bloco, também vota sim

É um apoio de peso.

Publicado por [Saboteur] às 04:53 PM | Comentários (4)

Brincadeiras, gatos, televisões, máquinas de lavar, aspiradores e baldes

Nas mochilinhas, as crianças de um infantário católico de Setúbal, levavam literatura para os seus pais, intitulada "Carta à minha mãe": "(...) E um dia, quando estava tão feliz a brincar no mais íntimo das tuas sagradas entranhas, senti algo muito estranho, que não saberia como explicar: algo que me fez estremecer. Senti que me tiravam a vida!... Uma faca surpreendeu-me quando eu brincava feliz e quando só desejava nascer para te amar (...). Como poderia eu imaginar que uma mãe fosse capaz de matar o seu filho quando, em casa, não estorvam nem o gato, nem a televisão? (...) Como foi possível que tivesses feito tal coisa contra mim? Por acaso pensavas comprar uma máquina de lavar ou um aspirador, com os gastos que talvez eu te iria causar? (...) Como consentiste que me cortassem aos bocados, me atirassem para um balde?".

É preciso puxar uma cadeira, comer um pudim flan, inspirar fundo e desmontar o discurso. Este e outros. O que é mais urgente não é dizer que isto é demagógico. Isso é demasiado óbvio. O que é preciso é perceber que na base deste discurso, do qual alguma malta do Não apressa-se a dizer que discorda, está o mesmo núcleo de ideias de toda a gente que é pelo Não: uma certa ideia de mulher.

Publicado por [Joystick] às 03:02 PM | Comentários (4)

Asseio II

Foi parar a algumas caixas de correio um folheto com uma imagem de Nossa Senhora a chorar "por milhares de inocentes que podem perder a vida antes mesmo de dar o primeiro gemido", apelando ao voto no NÃO "para dar a vitória a Nossa Senhora e a Portugal". Mais uma razão, para além de TODAS as outras, para votar SIM. Eu lá quero dar vitórias a seres transcendentais e a esta merda de país. Era o que me faltava!


Publicado por [Joystick] às 12:46 PM | Comentários (2)