« Empresa líder de mercado recruta, para a sua sede em Lisboa, neo-conservador (M/F), idade até 35 anos | Entrada | Mais Férias »

agosto 01, 2006

E a Coreia do Norte, heim?

Olhem, o tal Sérgio dos Santos picou-se! Ripostou mesmo à boa maneira ilustrada pela BD, queixando-se do post anterior não referir o "conteúdo" do seu artigo (passe o eufemismo), recorrendo a uma defesa de honra baseada na pergunta retórica "E a Coreia do Norte, heim?".

Permite-me que te diga, Sérgio, que no dito artigo não há um pingo de originalidade que merecesse, inicialmente, citação ou comentário para além da questão essencial que é a de como a tua galáxia foi parar a uma página de um diário de referência. Mas, para não cair na simplificação das respostas-perguntas tais como "E a Coreia do Norte, heim?", concretizo: todo o teu artigo é um silogismo baseado em premissas estanques sem que tenhas feito o mínimo esforço da sua verificação e confirmação, mesmo no campo da abstracção meramente teórica. A isso eu chamo desonestidade intelectual. Exemplos:

1. "Deliberadamente viciados (ah, sim? tu não?) a interpretar a economia como um acto bélico, os detractores da liberdade (ah, eles são isso?) constantemente esquecem que cada transacção económica consciente e voluntária apenas se verifica quando ambas as partes crêem obter de si um benefício, uma vez que seria necessária a recorrência à coacção para que o contrário fosse expectável". Vejamos, em que casos o comportamento de agentes económicos - tratemo-los por pessoas, só para facilitar - está livre de elementos coactivos (elementos coactivos subjectivos incluídos)? Claro que me podes apresentar um modelo teórico abstractivo como exemplo, mas convém que não o apresentes como fazes no artigo, como inabalável verdade revelada no quotidiano social.

2. É "(...) irrealista presumir que a abusiva (se é científico porque não usaste um adjectivo neutro?) acção fiscal e reguladora dos governos não representa um fardo para a sociedade da qual todos - pobres e ricos - são parte integrante". Ficou por demonstrar a irrealidade de que falas e, por favor, que venhas com um "E a Coreia do Norte, heim?" no teu blogue ainda vá, mas escreveres que os supramencionados "detractores da liberdade" são desonestos porque não dizem que nas opções não capitalistas os pobres não estão isentos de impostos...

3. "(...) é bastante evidente (ai é?) que os mais pobres saem claramente lesados numa sociedade em que também os empresários mais ricos (ah, também eles?!) vêm a sua liberdade económica reduzida e, como tal, desincentivados da busca permanente pela eficiência na qualidade e distribuição de recursos". Portanto, tamanha mundividência reconhece a existência e necessidade de um papel social regulador, mas eu pensava que defendiam que esse pertencia ao sistema abstractamente considerando, alheio e superior aos agentes (pessoas), ou mercado e empresários mais ricos são uma e a mesma coisa? Olha que a inferência é minha mas a essência é tua.

4. "A suposição recorrente de que o capitalismo menospreza os mais pobres é, portanto (ah, ficou demonstrado?), um mito". Para quem trouxe o assunto para o mundo mitológico, deixa que te diga que o que é mais nojento e perigoso nessa conversa toda é a deificação de uma economia longíqua do homem que, a um tempo, o esmaga e o absolve, porque nesse conjunto de agentes perfeitos não há pingo de responsabilidade humana pelos seus próprios actos e escolhas, não há progresso possível, o Homem não é confrontado consigo mesmo, sendo o seu papel secundário, à mercê de uma evolução supra-humana, divina até, género "mano de dios" maradonesca romanceada por pequenos e menos estilosos Adams Smiths deste mundo. Quanto a mim, parece-me ser verdade que o capitalismo - pelo menos nessa versão por ti retratada - não menospreza os mais pobres, porque o que ele menospreza é o Homem.


Publicado por [Joystick] às agosto 1, 2006 03:03 PM

Comentários

A BD está fabulosa. No sítio certo, na altura certa. É tão bonita a net...

Publicado por [Anónimo] às agosto 1, 2006 05:00 PM

Vem na linha da lógica centro-democrática "temos que ajudar o grande capitalismo para que este possa continuar a dar esmolas aos pobres". É uma ideia tão bonita!

Publicado por [Francis] às agosto 1, 2006 05:18 PM

Então ajudemos o socialismo a levar a sua avante, para que todos vivam de esmolas do estado. E, já agora, livres da pressão de ter que se esforçar para melhorar a sua "performance", e consequentemente a sua qualidade de vida, já que o luxo, supérfluo, seria banido.

Publicado por [Gonçalo] às agosto 2, 2006 01:30 PM

Então ajudemos o socialismo a levar a sua avante, para que todos vivam de esmolas do estado. E, já agora, livres da pressão de ter que se esforçar para melhorar a sua "performance", e consequentemente a sua qualidade de vida, já que o luxo, supérfluo, seria banido.

Publicado por [Gonçalo] às agosto 2, 2006 01:30 PM

Peço desculpa pela repetição.

Publicado por [Gonçalo] às agosto 2, 2006 01:31 PM

Quando pedes desculpa sobre a repetição, falas da repetição do comentário ou da repetição de clichés sobre o socialismo?

Publicado por [Joystick] às agosto 2, 2006 03:42 PM

estou a vos pedir que me enviem muitas fotos,videos,e novidades,eu amo Deus,Maria,Jesus,amen,eu amo todo o mundo,amen.beijão.

Publicado por [cleusiaraul] às agosto 24, 2010 06:58 PM

What a great rsoeucre this text is.

Publicado por [Nelda] às agosto 19, 2011 07:14 AM

Comente




Recordar-me?

(pode usar HTML tags)