« março 2006 | Entrada | maio 2006 »

abril 30, 2006

Somos jovens, sei lá

O Público divulga um estudo encomendado pelo Governo ao ICS (se não fosse o governo a dar trabalho a esta malta..) com conclusões óbvias e evidentes, tão óbvias que quase aposto que se podem aplicar a qualquer camada da população (tirando os que mandam, claro): "convicções democráticas bastante generalizadas na população", "sentimento maioritário de descontentamento relativamente ao modo como a democracia funciona na sociedade portuguesa" por "incapacidade da sociedade “em satisfazer as expectativas sociais e económicas” dos jovens" e também “uma certa degradação das instituições democráticas, que têm revelado alguma dificuldade em darem de si mesmas uma imagem mais transparente e credível". Brilhante! (Quantos milhares terá isto custado?)

Mas ainda mais genial é o comentário político de quem pagou o estudo, o secretário de estado da juventude, o tal responsável pelo site mais personalizado do governo, verdadeiro tributo à fotogenia do senhor dr. secretário de estado. Aproveitando a dica do inquérito, podia ter sido qualquer reflexão ou medida sobre o desemprego juvenil, sobre o (não) acesso à habitação, sobre a exploração dos jovens no mercado de trabalho, sobre a precaridade das vidas, sobre a inexistência de políticas de acesso à cultura e ao desporto, sobre...mas não.

Prometeu mais apoio às associações juvenis, inaugurou uma linha de telefone e um gabinete de educação e sexo, aliás sexualidade, juvenil na Guarda. E prontos, é assim com estas vacuidades que estes filhos da puta vão tratando da vidinha.

Publicado por [Renegade] às 08:54 PM | Comentários (3)

abril 29, 2006

Caso Real - "tenho uma opinião mas não concordo com ela"

Que balanço faz dos primeiros seis meses do novo executivo em Lisboa?

Jorge Covas
Consultor Imobiliário, 33 anos

"Até agora penso que é favorável, apesar de ainda não ter feito nada de positivo."

Público, 27 de Abril de 2006

Publicado por [Joystick] às 06:24 PM | Comentários (1)

abril 28, 2006

Olivença não é Portugal e a Escócia também não

A Escócia está longe de ser o centro de qualquer mundo mas mesmo assim esperava encontrar aqui qualquer coisa que representasse o indómito espírito aventureiro da nação portuguesa. Após alguma investigação em tempo parcial em alguns supermercados e lojas especializadas cheguei às seguintes evidências:

1. Estão inundados de vinhos franceses, espanhóis, italianos, marroquinos, chilenos, californianos, sul-africanos, australianos, até alemães, essa potência vitivinícola. Apanhar vinhos portugueses é complicado: estão disponíveis num ratio de 1 para 10/15 de todos os outros e ainda assim o melhor que se apanha é uma coisa da zona do ribatejo com um rótulo "Touriga Nacional". O Dão é uma vergonha e o resto (2 marcas) nem vale a pena falar.

2. Não há bacalhau em lado nenhum embora se diga à boca pequena que um certo senhor de pele escura com simpatias maometanas guarda algumas postas para os tugas mais fanáticos. Não há enchidos portugueses mas há chouriço espanhol.

3. E o precioso sumo de azeitona para acompanhar o fiel amigo? Azeite tuga não vi mas encontrei italiano (meia dúzia de marcas com especialidades pelo meio), espanhol, grego e até francês.

4. A medalha de ouro para o espírito internacionalista vai para a Unicer ou para alguém que percebeu que podia vender Super-Bock num mercado saturado de cervejas sem fazer tudo depender das carteiras da emigração: vende-se S-B a cerca de 1 € / garrafa 0.33l, uma das mais baratas cervejas de marca do mercado.

5. As conclusões ficam para outro dia.

Publicado por [Renegade] às 04:19 PM | Comentários (6)

abril 26, 2006

25 de Abril Sempre, outros Movimentos Perpétuos, Vieira e Todas as Crianças Invisíveis


Edgar Pêra é "Herói Independente", o primeiro português, na 3ª edição do IndieLisboa. O seu cine-tributo a Carlos Paredes, "Movimentos Perpétuos", está em primeiro lugar na votação do público. O filme é muito bonito, uma dedicatória à altura de Carlos Paredes. A música, claro, invade a sala de cinema e traz força aos exercícios estéticos de vídeo; não poderia ser de outra forma.

No 25 de Abril, o Edgar Pêra passou por mim a correr, a filmar o desfile na Avenida da Liberdade em movimento rápido e em Super 8. Será outro cine-tributo ou a versão política do "És a nossa fé"? Espero que a banda sonora seja tão boa como Paredes.

Talvez com música de Manuel João Vieira, que deu um concerto comemorativo na madrugada de 24 de Abril, no Maxime (com fila para entrar às 4 da manhã) e que nos presenteou com músicas de intervenção com arranjos à Irmãos Catita, e segunda voz de Suzy da Suazilândia, e a espontaneidade que lhe é característica: Lenine - vencedor de vários prémios Lenine, segundo informação do camarada Rei Bonga - ter-lhe-á dito para preferir o cavaquinho, instrumento do povo, à guitarra eléctrica, objecto da burguesia. "O cavaquinho tem 4 cordas como os dedos da mão de um operário fabril que perdeu um dedo".

E depois do desfile e da ginginha habitual, retorno ao Indie com "All the Invisible Children", curtas de vários realizadores que trabalharam à borla para que o produto da distribuição comercial reverta para a UNICEF e para o WFP - World Food Programme. São sete crónicas de sobrevivência com crianças como protagonistas. Um aplauso grande para a curta de Spike Lee, sobre uma criança infectada com HIV, e para Kátia Lund, sobre duas crianças que vivem da recolha de lixo para reciclagem na selva de São Paulo e que anseiam por materializar o sonho de comer um bife com batatas fritas. A curta de Kusturica é divertida, mas é irónico que o seja, afinal nada há de divertido no puto sérvio que prefere o reformatório à família disfuncional. A curta chinesa é uma soap opera para puxar a lágrima, mas o tema, esse nunca tinha visto tratado: as diferenças de classe entre duas meninas chinesas, uma toca piano, tem uma mansão com chão de mármore e a outra vende flores na rua e trabalha por um prato de noodles, não vai à escola porque não tem 900 yuan. 25 de Abril Sempre!

Publicado por [Joystick] às 02:52 PM | Comentários (6)

abril 25, 2006

Chelas

A única coisa realmente nova e interessante no desfile do 25 de Abril deste ano foi a malta de Chelas.

Era a parte mais combativa da manif!

Se o José Sá Fernandes fosse um gajo bem assessorado, estava lá meio do pessoal.

Publicado por [Saboteur] às 11:38 PM | Comentários (3)

Imperialismo cultural ou provincianismo?

sueco.jpg

Uma amiga minha – filha de suecos – esteve a fazer traduções, para português, de umas curtas metragens suecas.

Havia um filme que já estava (mal) legendado em inglês. Havia frases em inglês que não tinham o mesmo sentido em sueco e, por conseguinte, em português, depois de ela traduzir.

As pessoas queixaram-se que as legendas em inglês não coincidiam com as em português.

Grande agitação nas hostes. Só houve uma coisa a fazer para reparar o mal e acalmar os cinéfilos: Esquecer o sueco e traduzir directamente os erros do inglês

Publicado por [Saboteur] às 11:11 PM | Comentários (4)

abril 24, 2006

Era espetá-los num pau, pôr fogo por baixo e depois cortar às fatias…

Mais uma pérola no espaço sobre a programação televisiva do Avante! da semana passada: (a propósito da série “Sete Palmos de Terra”) Ninguém sabe muito bem o segredo do sucesso nestas coisas, mas o certo é que o dito bateu à porta desta espécie de saga urbana envolvendo uma inesperada família disfuncional com membros todos e cada um cheios de problemas: a mãe, viúva recente, lança-se em busca de uma realização afectiva como uma adolescente tardia, dos três filhos, um é homossexual assumido e o outro um mar de problemas afectivos.

Publicado por [Paradise Café] às 01:08 AM | Comentários (8)

abril 23, 2006

ARRIBA, AVANTI!

Ontem, mais um fabuloso concerto de Pop Dell’Arte. Mais um grande concerto no Maxime, que se está a transformar na melhor sala de espectáculos de Lisboa.

Na apresentação da banda, o Mestre de Cerimónias do Cabaret, relembra que os concertos desta banda são muito raros mas sempre muito bons.

Lembrei-me de ter organizado com os meus camaradas um desses concertos numas eleições legislativas. Foram as primeiras eleições legislativas em que subíamos desde 82! O Adamastor estava a abarrotar. Os gajos não levaram nada por tocar para a CDU. Só uma garrafa de Vodka que eu fui pedir ao quiosque e que ainda não paguei...

Publicado por [Saboteur] às 05:52 PM | Comentários (1)

Post pós-moderno

operatiowolf.jpg

Publicado por [Operation Wolf] às 12:43 PM | Comentários (2)

abril 22, 2006

Não ao download ilegal

mp3_comunism-thumb.jpg

Mensagem educativa aqui.

Publicado por [Saboteur] às 04:12 PM | Comentários (0)

abril 21, 2006

Mais à frente é impossível

Uma viagem de sonho a não perder: http://artur-goncalves.blogspot.com/

uma dica do amigo sempre cúmplice http://vida-agridoce.blogspot.com

Publicado por [Paradise Café] às 02:02 PM | Comentários (2)

Bush júnior júnior?

Publicado por [Paradise Café] às 02:00 PM | Comentários (2)

Eu não gosto é dos excessos...

A cidade é um espaço sem arte, cada vez mais ocupado pelo betão desordenado e pelo rosa-berrante do millenium. Um artista a desenhar na rua ou grafitter podem ir dentro por também quererem ocupar a cidade que é sua.
Já não chegava os 15 minutos de pub entre os filmes e a permanente ocupação dos nossos cérebros com novas necessidades, agora também temos um blog que se não serve para mais nada, serve para apoiar a publicidade: pois é, é mesmo giro e pós-moderno, sei lá, defender essa ditadura das marcas com o argumento que um toldo nos diz que café é que vamos beber...
E se o dono do café tiver mudado de fornecedor???

Publicado por [Paradise Café] às 11:04 AM | Comentários (9)

abril 20, 2006

Alegres néons

Não sei quanto tempo atrás vi um documentário que começava com um imagine que a publicidade desaparecia das nossas cidades. E pegavam em qualquer metrópole do mundo e retiravam-lhe a publicidade por inteiro. Inacreditável a tristeza e o cinzentismo. Claro que o documentário era sobre publicidade daí que talvez fizesse um pouco a si mesma. Eu gosto de ver no toldo do café a marca para saber se entro e bebo um buondi ou um delta ou se não entro para beber um torrié. Gosto de ver no metro os cartazes a anunciar os novos filmes, gosto de saber que existe uma nova bebida de cidra. E se a mensagem for criativa melhor. Claro que estamos a falar no incentivo ao consumo e na criação de necessidades. Mas eu não me importo de decobrir que tenho uma necessidade de beber uma bebida com cidra. A publicidade obscena é a que em vez de vender a ideia do produto vende uma qualquer ideia de felicidade (como os anúncios da optimus por exemplo) modelos ilusórios de vida ou padronagem social(afinal quem é o homem martini?) mas não o farão também a literatura, o cinema, a filosifia, a política? E também vêm com um produto atrás. Talvez o movimento anti-pub se destine ao excesso de publicidade (não havia aquele final de um filme em que as personagens saíam da cidade de carro por uma longa estrada enquadrada por outdoores contínuos até ao infinito?) ao massacre como se dizia no título do post anterior. Mas uma das regras publicitárias talvez seja também evitar o excesso para não criar ruído, nocivo ao entendimento da mensagem. Anti-pub ou pró-pub que respeite os direitos dos consumidores, que seja interventiva (os cartazes da bennneton aqui há umas décadas foram ou não positivos na mensagem anti-racista ou mesmo quando expôs roupas de soldados mortos na Bósnia?)?

Publicado por [Operation Wolf] às 09:05 PM | Comentários (3)

Partido de Classe

Na agenda do PCP:

Encontro com a população na Casa do Povo de Casebres
23 de Abril [Domingo] -10h45 -Casebres
Com a participação de Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP

Pelo menos nos Casebres há uma Casa.

Publicado por [Operation Wolf] às 08:29 PM | Comentários (4)

abril 18, 2006

O massacre publicitàrio

Joana Dias, estrela cadente da politica bloquista, escreveu um artigo para o DN na sua coluna cativa (ou captiva - de qualquer forma sem juizo de valor) a protestar contra a invasao do espaço publico pela publicidade. Ainda que a coisa se resuma a uma queixume à la Helena Matos sem qualquer conteudo politico activo, muito bem, eu aplaudo. Mas aplaudia muito mais se Joana Dias se tivesse lembrado disso enquanto aquecia a cadeira em Sao Bento.

Tenho cà para mim que ninguem falara desta questao no establishment dos politicos profissionais enquanto uma meia-duzia de maduros organizados em movimento social nao sair por essas estaçoes de metro fora a partir tudo o que estiver ao seu alcance.

No tempo em que as galinhas tinham dentes e eu ainda ia acompanhando o que acontece nas cidades onde acontece alguma coisa fui acompanhando os casseurs de pub activos em Paris, e tb aqui. Vede que vale a pena.

Publicado por [Renegade] às 12:42 AM | Comentários (4)

abril 14, 2006

A escola de Santana

Mais uma vez, com este episódio da falta de quórum, se viu que esta Direcção do PSD não fica atrás da de Pedro Santana Lopes em demagogia e populismo:

Apesar de ser o Partido com mais faltas - quer em termos absolutos, quer, sobretudo, em termos relativos - Marques Guedes comentou para a TSF: "Enquanto o PSD teve maioria na câmera, isto nunca aconteceu. É uma vergonha para este Governo!"

Publicado por [Saboteur] às 04:47 PM | Comentários (4)

abril 13, 2006

Partidos burgueses contra o trabalho

Dos 220 deputados da Assembleia, 119 faltaram à sessão de ontem.
Descontando o facto de o feriado ser na 6ª feira e a Assembleia da República fechar um dia antes, bem como o facto de ter sido dada tolerância de ponte à função pública na tarde de hoje sem nenhum motivo aparente (a ponte só existe quando o feriado é à 5ª ou à 2ª, como nos indica o mais puro bom senso), coloca-se a pergunta essencial: os deputados que aprovaram um código laboral de sentido precarizante e liberalizante, com o intuito de aumentar a produtividade do trabalho e a competitividade da economia, saberão o significado da palavra "vergonha"?
De resto, o grande partido português do trabalho, do esforço e do mérito, que não se cansa de falar do laxismo do sistema educativo, do qual fazem parte eminências pardas como Pacheco Pereira ou José Manuel Fernandes, não se pronunciou. Nenhuma notícia no Público (edição escrita), nenhum post no Abrupto.
Como dizia alguém, se o trabalho fosse bom os ricos ficavam com ele...

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:27 PM | Comentários (4)

Post periférico

Ribeiro e Castro tem pena que Portugal tenha uma periferia mental, nós não temos pena nenhuma que Ribeiro e Castro e o CDS/PP estejam na periferia mental de Portugal.

Publicado por [Operation Wolf] às 12:14 PM | Comentários (0)

abril 11, 2006

Geração Gago

mariano gago.jpg

Tenho estado a navegar na blogosfera nas ultimas duas horas... Passo de um blog de um amigo para um de uma amiga. Aí há um comentário interessante que vai dar a outro blog. Nesse há um link para outro, e por aí fora...

Estou impressionado com a quantidade de malta que se candidatou às bolsas da FCT.

Publicado por [Saboteur] às 10:26 PM | Comentários (6)

abril 10, 2006

Contra-revolucionário profissional

Mário Machado, o chefe da Frente Nacional (na foto do lado direito), revela numa entrevista que trabalha como segurança privado: "No meu trabalho tenho que estar disponivel 24h/ -7 dias por semana, mas felizmente sou chamado poucas vezes ao serviço e recebo no final do mês o mesmo, o que faz com que tenha bastante tempo para me dedicar ao movimento e alguma disponibilidade financeira."

Publicado por [Rick Dangerous] às 06:07 PM | Comentários (5)

O fim está próximo

13 Teses da FAGTL -

-A FAGTL deseja e antecipa o Grande Terramoto de Lisboa e Vale do Tejo. Na expressão Grande Terramoto encontramos também todas as micro forças sociais, políticas e biofísicas com potencial destrutivo.

- A FAGTL não existe. Existiu e existirá. Como o Grande Terramoto, vive no passado e no futuro.

- A FAGTL não discute mais a cidade, destrói-a. O urbanista é fascista, o arquitecto um prospecto, o engenheiro um coveiro.

- A FAGTL tem um carinho especial - quase pedófilo mas não paternalista - por aqueles miúdos de tez morena que resolveram começar a queimar carros, escolas e centros comerciais pela Europa fora.

- A FAGTL quer ir à praia e ao campo que estão debaixo do betão.

- A FAGTL não critica a divisão, e consequente especialização, no trabalho. Ela é especialista em detonações, vibrações e furacões.

- A FAGTL não é catastrofista, é uma catástrofe.

- A FAGTL não é atingível. Os dispositivos policiais convencionais, assim como os meta-policias não percepcionam a sua existência e acção. É o homem invisível porque todos os homens são agora invisíveis e porque já ninguém é homem.

- A FAGTL não nega a arte, nem a política, nem a academia. A FAGTL arrebanha toda a arte, toda a política, toda a academia. É mais um monstro das bolachas que um higiénico e coerente asceta.

- A FAGTL é entrista, parlamentarista, sectarista, boatista, virtuosista. Joga imenso com as ancas e finge, mente, rouba.

- A FAGTL avança sempre as casas que lhe apetecer, destrói a prisão, assalta o banco e compra o Rossio.

- A FAGTL tem múltiplas tácticas, mas apenas uma estratégia: ganhar.

- A FAGTL não tem pressa: ri-se no tempo dos homens, mas espera no tempo geológico.

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:45 PM | Comentários (2)

Neste fim-de-semana vá ao monte

{Destruição} II
conversas, sons, projecções e deambulações
em Abril no Monte

O Monte § Rua do Monte Olivete, 30A, r/c 1200-280 Lisboa §
ao Príncipe Real (perpendicular à Rua da Escola Politécnica, junto à Antiga Faculdade de Ciências) §


http://www.monteolivete.blogspot.com/


sábado__08__conversa+workshop
15h00 // sobre tecnologias intrusivas, software livre e copyright

domingo__09__conversa+projecção
15h00 // sobre civilização e contra-civilização pelo grupo editorial Coice de Mula

quinta__13__projecção
21h00 // "S21 - La machine de mort Khmère rouge", de Rithy Panh | 2002 | Cambodja | Documentário
[ apresentação por Nuno Lisboa ]

sexta__14__conversa+projecção
20h00 // sobre teatro e a destruição [com Gonçalo Amorim, Miguel Castro Caldas e Miguel Moreira]

22h00 // "One Week", de Edward F. Cline & Buster Keaton | 1920 | E.U.A. | Curta-metragem
[ Norberto Lobo apresenta improvisação sonora sobre o filme ]

sábado__15__conversa+festa
15h00 // sobre destruição como acção política [introdução histórica aos Luditas por José Neves]
17h00 // Matiné Apocalíptica II [Dj Kilombo]

domingo__16__conversa+projecção
15h00 // sobre urbanismo selvagem: uma praça ocupada em Barcelona [Forat de la Vergonya]

Publicado por [Rick Dangerous] às 05:37 PM | Comentários (2)

abril 09, 2006

fiem-se na virgem...

cavaco2.jpg

Faz 1 mês que o nosso novo Presidente da República tomou posse. “Nunca mais se ouviu falar dele” dizem alguns companheiros de esquerda com um misto de alívio e de crítica… afinal é um funcionário público bem pago que não tem mostrado trabalho…

Não se iludam nem o subestimem! Com Cavaco na Presidência, a direita conservadora ganhou importantes posições de influência directa e indirecta na estrutura política, social e mesmo cultural do país.

A verdade é que Cavaco está de volta. E não vai ser pêra doce…

Publicado por [Saboteur] às 07:51 PM | Comentários (2)

abril 08, 2006

Mário Machado entusiasmado com os polacos

Notícia do Expresso: A extrema-direita portuguesa prepara a ida ao Mundial de Futebol na Alemanha e ao «Festival dos Povos», uma festa de ultranacionalistas, dia 10 de Junho na cidade de Jena. O dirigente da Frente Nacional e um dos «skinheads» mais influentes, Mário Machado (com suspensórios amarelos na foto), garante que «haverá problemas com os adeptos» do futebol sobretudo em jogos com selecções de África, como o Angola-Portugal, a 11 de Junho. No entanto, diz o mesmo dirigente, «os piores na Europa são os ‘hooligans’ e os ‘skins’ polacos - enormes -, que tomam esteróides».

Publicado por [Saboteur] às 08:44 PM | Comentários (1360)

abril 05, 2006

Piscar o olho ao eleitorado

"(A constituição da república) é a matriz cultural do atraso português"
Paulo Portas hoje na Assembleia da República

Publicado por [Operation Wolf] às 04:05 PM | Comentários (9)

abril 02, 2006

Energia positiva...?

Queremos mais garra,
deixar de ficar felizes quando a bola vai à barra.
Vamos com tudo, meter o pé, chutar primeiro,
Que o último a chegar é ...

Excerto do "hino" da Galp para o mundial.

Publicado por [Saboteur] às 01:16 PM | Comentários (4)

abril 01, 2006

Outra versão... Chirac promulga o CPE

Ah... acabei de encontrar esta versão dos eventos anti CPE da noite parisiense (31 Março):
http://paris.indymedia.org/article.php3?id_article=56798
Outras experiências, vivências e sensações... e o fim da manif (4H30 da manhã).

Publicado por [Shift] às 06:19 PM | Comentários (2)

Chirac promulga o CPE

Por volta das 20 horas do 31 de Março 2006 Jacques chirac promulga o CPE. Ou seja, recusa entrar pelo o único caminho susceptível de calmar o panorama agitado em que se encontra a França actualmente. Milhares de estudantes reuniram-se nas principais praças das gandes cidades com o intuito de ouvirem o discurso em directo deste Monsieur. Em Paris, na Bastilha. Quando Chirac afirma “J’ai décidé de promulguer cette loi”, os estudantes na sua maioria, mas não exclusivamente, começaram por bloquear o trânsito para em seguida começarem uma manif dita “sauvage”.
Um amigo telefona-me. A manif começava a “passear” por Paris num ambiente de festa. Apanho a manif no Châtelet por volta das 21horas. A Polícia bloqueia certas ruas, sobretudo com a estratégia de não deixar ir a manif no sentido da Assembleia Nacional ou deixar passar a mesma pelos Campos Elísios (lugares muito simbólicos para os franceses, remetendo a grandes lutas de outrora). A manif continuava aos zig-zags. Porreiro, tal como eu, outros tiveram tempo de engrossar as fileiras da manif (não sou muito certeira nos números neste tipo de situações, mas diria cerca de 20 mil pessoas) . Ao passar pelos Boulevards chiques os burgueses nos respectivos bares ouviam da nossa parte “avec nous, dans la rue”. Quando, a polícia, sem controlar o movimento cada vez mais forte, aplica outra estratégia: separar a manif em vários bocados. Eu vinha no fim do cortejo, estávamos perto de uma das pontes do Sena, a parte da frente da manif desaparecera! Deparámo-nos com um cordão de polícias de choque que nos impediram de passar a ponte com gás lacrimogéneo. Começámo-nos a dispersar. Só algum tempo depois percebemos que a manif, os que íam na frente, continuavam a sua marcha. Unico rendez-vous possível: Quartier Latin/ Sorbonne. Os dispersos, em vários pequenos grupos, dirigiam-se à Sorbonne. Chegámos à Sorbonne não havia ninguém... tristes pela dispersão forçada, dicidimos ir apanhar o metro. Ao descermos –foi lindíssimo- vimos o cortejo da frente vir em nossa direcção, ou seja em direcção da Sorbonne. Tivemos a sensação que a manif estava ainda maior, eram muitos muitos mil. Chegados à sorbonne o gás lacrimogéneo começa a ser novamente lançado, apesar da manif ser extremamente pacifica. ET C’EST REPARTI! Descemos novamente o Boulevard Saint-Michel ao som, entre outros, do Bella Ciao. Era meia noite e meia, tinha un treino de basket às 9 horas da manhã, decido apanhar o metro com vontade de continuar a festa! Foi sem dúvida a mais bonita manif em que participei.

E a dependência da legitimação dos médias institucionais torna-se num suplício para a memória da experiência vivida. Exemplo: Euronews não mostra uma única imagem panorâmica da manif, à excepção do ainda pequeno grupo que se encontrava na Bastilha. As imagens mostram 4 minutos de alguns confrontos violentos com quatro ou cinco manifestantes perto da Sorbonne, os comentários vão no mesmo sentido das imagens (não fossemos nós chamá-los de incoerentes!)

Publicado por [Shift] às 05:55 PM | Comentários (1)