« novembro 2005 | Entrada | janeiro 2006 »

dezembro 29, 2005

Geração Cartão Jovem

A boa rapariga da minha colega de trabalho vai votar no Cavaco, não porque seja demasiado nova para se lembrar do que foi o cavaquismo mas porque este não só a forjou como, neste caso, o fez de forma sucedida. Tem 24 anos, esteve cinco anos numa faculdade privada a tirar o seu curso, saiu-lhe caro. É conveniente que o investimento feito, provavelmente com esforço da família e da própria, dê frutos rapidamente. Significa que é preciso a todo o custo ingressar no mercado de trabalho sob qualquer condição. As piores não serão rejeitadas, afinal o que se aprendeu nos últimos anos é que tudo tem um preço. Os professores que teve defenderam a concorrência como a coisa mais saudável no mundo. Da economia, às relações laborais. Levarão a lição mais longe concorrendo em todas as esferas da vida. Como a biologia e a sobrevivência das espécies. Dos professores retiraram ainda o exemplo de
sucesso: grande parte deles não estava ali por qualidades evidentes. Deputados, ilustres militantes dos partidos, amigos dos ilustres, tudo gente que prestigie a instituição de ensino(?).
Quem disse que o Cavaquismo não teve os seus grandes sucessos?

Publicado por [Operation Wolf] às 07:19 PM | Comentários (1)

dezembro 26, 2005

Ao que isto vai chegar...

Li no Bicho Carpinteiro que leu na Visão:

"a mandatária para a juventude é presença assídua nas iniciativas mais importantes de campanha. (…) Além de ser elogiada por Cavaco, demonstra ter uma grande empatia com a mulher do candidato, Maria Cavaco Silva. Durante um jantar com jovens apoiantes, no Pavilhão de Portugal, Kátia apresentou a candidata a primeira-dama a uma jovem estilista. Maria agradeceu e elogiou um vestido que a jovem usou, numa cerimónia anterior. As duas mulheres fizeram boa parte do trajecto de mãos dadas”. Kátia Guerreiro, 29 anos, está nesta campanha porque não quer ser confudida com a famigerada 'geração rasca'".

Publicado por [Saboteur] às 12:24 PM | Comentários (6)

Postal da quadra II

natal.jpg

Publicado por [Saboteur] às 11:58 AM | Comentários (4)

dezembro 23, 2005

Postal da quadra

PostalNatal.JPG

Publicado por [Joystick] às 12:23 PM | Comentários (2)

dezembro 22, 2005

A notícia que há uns meses tinha sido primeira página, e agora é nota de rodapé

salvaterra.gif

O Ministério Público decidiu arquivar o processo em que a presidente da Câmara de Salvaterra, Ana Cristina Ribeiro, era acusada.

Dois dias antes das últimas eleições autárquicas foi publicada uma notícia, segundo a qual,Ana Cristina Ribeiro poderia “ter participado numa conspiração política”. Afinal, a montanha pariu um rato, o Ministério Público arquivou agora o processo por falta de provas.

Publicado por [Saboteur] às 12:36 PM | Comentários (2)

Bartoon

webbartoon20051222.gif

Publicado por [Saboteur] às 12:34 PM | Comentários (1)

dezembro 21, 2005

Ribeiro e Castro conta o terrorismo de esquerda

"O Che Guevara foi um dos grandes assassinos do século XX"
Ribeiro e Castro, líder do CDS-PP. (TSF)

Publicado por [Operation Wolf] às 04:07 PM | Comentários (6)

A branca ao serviço do povo



Publicado por [Rick Dangerous] às 01:57 PM | Comentários (1)

Epidemia esquerdista

Obrigado ao Nuno Ramos de Almeida, da Aspirina B, por ajudar ao contágio.

Publicado por [Rick Dangerous] às 01:47 PM | Comentários (0)

Comunismo e barbárie

flyerantipa.jpg

Publicado por [Rick Dangerous] às 01:42 PM | Comentários (3)

dezembro 20, 2005

O novo presidente da Bolívia

Depois de Fidel, Chavez, Lula e Kirchner (em graus diferentes, claro), Bush tem outro "pesadelo" na América Latina.
E ainda está por chegar a chilena Michelle Bachelot.

Publicado por [Joystick] às 03:55 PM | Comentários (5)

Pintura no muro da Palestina#3

muropalestina3.jpg

Publicado por [Operation Wolf] às 11:58 AM | Comentários (1)

dezembro 18, 2005

Emigrantes Portugueses

l_emigrante.jpg

Boa reportagem na TVI sobre os "novos emigrantes portugueses".

É bom que em horário nobre, num canal popular, mostrar às pessoas que os portugueses também emigram, como os cabo verdianos, também têm o sonho de viver melhor, de conseguir escapar a uma vida sem futuro e sem perspectivas...

Chamo especial atenção para aquela parte em que se explica que a mulher do emigrante, ganhará mais de abono de família em frança - mesmo não sendo "nacional" - do que o salário que recebe na fábrica, cá em Portugal.

Publicado por [Saboteur] às 09:12 PM | Comentários (15)

dezembro 17, 2005

Atinem-se!

ma+ms-logo.jpg

A minha ideia sempre foi que quantos mais candidatos à esquerda houvesse melhor.

Por um lado, numa primeira volta, garantir-se-ía que o maior leque possivel de eleitorado se reconhecesse numa cadidatura, diminuindo a abstenção e criando condições mais favoráveis para uma segunda volta.

Por outro lado, permitiria que houvesse uma espécie de apoio organizado ao candidato da esquerda numa segunda volta.

Isto é: é mais importante e valioso que um ex-candidato, que tenha acabado de ter 15% de votos numa primeira volta, apareça numa segunda, ainda com toda a "sua máquina" a funcionar, a apoiar o candidato da esquerda que passe; do que essa mesma pessoa, aparecer desde o início isolada, como mais um apoiante, mais um membro de ema gigantesca Comissão de Honra.

Neste momento, parece-me que estas tricas idiotas entre os dois candidatos do PS, a ver quem é que tem mais votos, só ajudam é Cavaco Silva...

Publicado por [Saboteur] às 01:00 AM | Comentários (7)

dezembro 16, 2005

As mãos sujas

Pela primeira vez na minha vida eu tinha certeza que votar no Louçã era votar no melhor e era com este pensamento que assisti a todo o debate de ontem. Eis senão quando ouço a sua declaração final e fiquei à beira do vómito. A razão das referências a dois comunistas mortos, no final do debate com o Jerónimo de Sousa, foi puramente instrumental e, para uma esquerda que se fartou de referenciar a sua "modernidade", isso não é muito bonito. Esta atitude revelou um oportunismo politiqueiro em que a ética e os "olhos nos olhos" ficaram à porta, no "outdoor" do Lumiar. Para além disso, fico impressionada com a inabilidade, porque, pelo menos pela parte que me toca, o tiro saiu-lhe pela culatra. Fez um debate limpo mas saiu de mãos sujas.

Publicado por [Joystick] às 06:26 PM | Comentários (1)

dezembro 15, 2005

Alminha no purgatório

Revista Sábado: «(...) não o choca o facto de Joana Amaral Dias ser mandatária para a juventude de Mário Soares?»

Miguel Portas: «Não me choca mas desgosta-me. Há uma diferença qualitativa e substancial entre uma atitude que se situa claramente numa referência de natureza pessoal e outra que é uma tomada de posição política, que é respeitável mas que não é aceitável.»

Revista Sábado: «Acha que foi um comportamento desleal e pouco solidário para com o líder do BE que é também o candidato presidencial?»

MP: «Seria incapaz, mesmo que tivesse a opinião que ela tinha sobre as presidenciais, de fazer aquilo. Não é bonito.»

RS: «O facto de ela ser dirigente nacional do BE dá-lhe uma responsabilidade acrescida que deveria ser ponderada?»

MP: «Na minha opinião sim. Na opinião dela não.»

RS: «Acha que ela deveria demitir-se dos cargos que tem no BE?»

MP: «Acho que sim, mas foi uma decisão que ela tomou e pela qual é responsável. Obviamente, no futuro, as pessoas do BE avaliarão quando tiverem de o fazer.»

RS: «O que quer dizer com isso?»

MP: «É natural que a Joana Amaral Dias, que teve um desempenho importante no BE, não tenha hoje as mesmas condições de as poder voltar a exercer (...).»

In "Sábado" de 7 de Dezembro de 2005

Publicado por [Joystick] às 11:47 AM | Comentários (11)

dezembro 13, 2005

PRESIDENCIAIS E PASTELARIAS

Cavaco Silva e o bolo de arroz

Quando vou a um café e vejo alguém pedir um bolo de arroz fico sempre a pensar como é que tanta gente come um bolo que tem a particularidade de saber a muito pouco, sem qualquer originalidade e que, parecendo um grande remédio dietético para gulosos que querem perder peso, pinga uma gordura viscosa, que se agarra aos dedos e a um papel pardo de presente envenenado que, numa pose doutrinal de quem quer “ajudar” quem consome, traz escrito o que é suposto ser – “Bolo de Arroz”.

Mário Soares e a pirâmide de chocolate

Nunca gostei muito, mas a minha mãe, por exemplo, comia-o sempre (nos tempos em que havia, pelo menos, um tabuleiro com imensas pirâmides de chocolate). A mim sempre me fez confusão a mistura entre coisas que não se percebem muito bem o que são. Ainda há uns tempos dei só uma dentadinha e veio uma espécie de pedacinho minúsculo de uma fruta cristalizada. Quem haveria de supor que no meio daquele monte macilento, com base de papel coquete dos doces de pastelaria “fina”, encontrava-se fruta? “Não é costume, umas vezes traz, outras não”, disseram-me. Pois eu muito dificilmente escolheria um bolo que umas vezes é assim, outras é assado.

Manuel Alegre e o Suspiro

O Suspiro é bonitinho e apresenta-se, quase sempre, como o bolo na vitrine do lado – das miniaturas a peso e do bolo rei – e isso dá-lhe uma carga simbólica dita “de categoria”, por oposição à pastelaria do quotidiano. Esta disposição é altamente enganadora, uma vez que o suspiro parece grande, é vistoso e tão doce como o seu peso em açúcar, mas desfaz-se rapidamente na boca, revelando que, afinal, não passava de pó que não resistiu a um minuto de saliva.

Jerónimo de Sousa e o palmier

Quando era criança até achava bastante graça ao palmier, mas, na realidade, o namoro estava relacionado com uma forma de comer e não pelo bolo em si. Divertia-me em separar o folhado, comendo-o sectorialmente. Outras crianças faziam o mesmo, e nunca percebi como é que alguns o comiam por grandes dentadas de cima para baixo. Este litígio sobre a forma de comer um palmier e uma intoxicação provocada, com toda a certeza, pela fininha cúpula de doce de ovos fora do prazo, ditaram o fim da magia. Passei não convictamente para a delícia folhada, algo que se apresenta como uma espécie de “upgrade” do palmier mas com menos possibilidades de comer estruturadamente e com esguichos imprevisíveis do tal doce de ovos.

Francisco Louçã e a delícia folhada

A delícia folhada é, como o próprio nome indica, um bolo folhado, mas que, ainda assim, optou por colocar o nome do tipo de massa no nome, porque isso talvez pudesse fazer dela a mais folhada de todas – o que não é verdade porque o pastel de tentugal, apesar de disponível em poucas pastelarias, é mais folhado que a dita delícia. Várias camadas sobrepostas, unidas apenas pelas duas folhas do meio por um recheio de doce de ovos – vagamente conventual. Comer este bolo pode ser uma aventura, porque, para além do cuidado a ter a nível do manuseamento, a relação entre a quantidade de folhas da massa e o recheio é, muitas vezes, desproporcional.


Publicado por [Joystick] às 05:19 PM | Comentários (15)

dezembro 11, 2005

Soares é fixe e ajuda os turras

Soares foi acusado, em Barcelos, por um ex-combatente de bóina verde, de ter ficado com o dinheiro do assalto a um banco efectuado pela LUAR em 1967 e de o ter oferecido aos movimentos de libertação nacional (os "turras").
A seguir foi agradedido no braço (chegou a ser divulgada pela LUSA a notícia de que teria respondido à agressão, o que é mais difícil de imaginar).
Quem lhe conhece a manha, e sabe bem o que a casa gasta, tem boas razões para imaginar uma encenação.
Mas mesmo que assim seja (e sobretudo se assim for), é difícil não odiar um pouco menos o velhote bochechudo.
Acerca da agressão propriamente dita avanço apenas que a ela não é completamente alheio o crescimento da escumalha nazi, e a relativa facilidade com que temas, argumentos e ideias fascistas voltaram a circular no espaço público.

Publicado por [Rick Dangerous] às 10:09 PM | Comentários (2)

Chapéus há muitos

1- O PCP quebrou o habitual silêncio reservado para estas coisas e emitiu um comunicado (disponível através do link abaixo) acerca do III Volume da biografia de Álvaro Cunhal, da autoria de Pacheco Pereira.
Com a dureza a que já nos habituaram, os camaradas acusam Pacheo Pereira de ir mais longe do que a PIDE no ataque ao partido.

2- Pacheco Pereira responde como um historiador e coloca o comunicado no blog que dedicou ao livro, fazendo da reacção do PCP mais um elemento em torno da sua obra e esvaziando assim a acusação efectuada, segundo a qual o livro faria parte de uma conspiração anti-comunista contra a memória dos combatentes anti-fascista.

3- Eu ainda não tenho o livro, mas li os primeiros dois volumes, que são globalmente sérios do ponto de vista historiográfico e têm a qualidade de estar muito bem documentados.

4- Os dirigentes do PCP fingem esquecer o que há de mais relevante no que toca a este tema (o historiador mais chegado ao aparatchik, João Arsénio Nunes, tem de se esforçar mais...).
Para que se possa desmentir ou confirmar Pacheco Pereira é necessário que os arquivos do partido anteriores ao 25 de Abril de 1974 sejam abertos e entregues a uma entidade pública digna de confiança (preferencialmente a Torre do Tombo, que é onde estas coisas têm lugar, e que se encarregaria de disponibilizar apenas o material relavante do ponto de vista historiográfico), de maneira a que todos os interessados possam consultar pessoalmente as fontes e estar em condições de avaliar os factos e acontecimentos, bem como o seu tratamento historiográfico.

5- Não há nenhuma razão válida para que assim não seja, descontando o facto de o PCP ser dirigido por um grupo de pessoas muito avessas a essas coisas do debate, da reflexão crítica, do contraditório e da polémica - tudo aquilo, enfim, que impede que a historiografia seja a continuação da heráldica e da genealogia por outros meios.
Para o marxismo-leninismo de alguns parece ser difícil encaixar o facto de que a história do PCP não pode ser definida nas reuniões do secretariado.
Isso pode chegar para os militantes mais disciplinado do partido (e mesmo assim...), mas não chega para quem quer conhecer seriamente a história do comunismo em Portugal e não apenas a história que alguns comunistas em Portugal querem que se conheça.

6- Pacheco Pereira, é claro, gosta. Sabe que com comunicados destes pode bem (até deve ter estranhado que tenha demorado tanto tempo), que a coisa corre a seu favor, a ele que pode ir a Moscovo ou a Amsterdão consultar material inédito sempre que quiser, ou simplesmente recorrer à sua biblioteca de colecionista na Marmeleira.
Gosta tanto disto que chegou a escrever e repetir que, se alguma vez mudar o PCP o seu funcionamento orgânico ou questionar as suas referências históricas e teóricas, acaba.

7- Pacheco Pereira gosta da direcção do PCP, porque sabe que contra ela ganha por falta de comparência. Gosta de um estado de coisas que lhe permite passear-se como "o" especialista na história do PCP.
Gosta de uma situação monopolista de facto, ao nível da historiografia como da luta de ideias.
Na verdade e apesar do comunicado, a actual situação agrada a ambas as partes, biógrafo não autorizado e direcção não autorizante.
Agrada a muitos. Só não agrada aos comunistas.


COMUNICADO DO PCP SOBRE O III VOLUME DA BIOGRAFIA
PCP contra falsificação da história - Denunciar os crimes do fascismo

O Gabinete de Imprensa do Partido Comunista Português, em nota do dia 6 de Dezembro, acusa Pacheco Pereira de, a propósito de análises contidas no terceiro volume do seu livro «Álvaro Cunhal – uma biografia política, padecer de um anticomunismo vesgo e de pretender «inocentar a PIDE e criminalizar o PCP». Para os comunistas, a defesa da liberdade e da democracia exige não o branqueamento do fascismo e dos seus crimes, mas a sua denúncia. Publicamos em seguida, na íntegra, a nota do Gabinete de Imprensa.

1. Nos últimos dias, a propósito da edição do 3.º volume do livro de Pacheco Pereira, «Álvaro Cunhal – Uma Biografia Política», a opinião pública foi literalmente bombardeada com uma caluniosa e intelectualmente indigna campanha contra a história, o papel e a luta do PCP, a pretexto de pretensos assassinatos efectuados pelo PCP nos anos 50, do século passado, história desenterrada por Pacheco Pereira das operações da PIDE, aliás a sua principal e praticamente única «fonte», em particular na pessoa de um inspector da PIDE, o conhecido torcionário Fernando Gouveia.

2. As afirmações de Pacheco Pereira, de uma extrema gravidade, não podem ser silenciadas tanto mais que para além de serem caluniosas em relação ao PCP, o são igualmente em relação a pessoas que deram o melhor das suas vidas à luta pela liberdade do povo português e cuja memória deve ser preservada.
A história, o método e as «fontes» não são novos, nem originais. A ditadura fascista e a sua polícia política, aliás na esteira dos seus mestres hitlerianos, sempre responsabilizaram o PCP e as forças antifascistas por crimes que eles próprios cometeram, e não foram poucos.
O que há de novo e original é o facto de Pacheco Pereira adoptar como suas as «provas» e os argumentos da PIDE e procurar credibilizá-las com uma pretensa investigação histórica cujo objectivo é inocentar a PIDE e criminalizar o PCP.

3. Pacheco Pereira afirma que o «PCP sempre negou ter procedido a qualquer execução», como diz igualmente que «não existe qualquer documentação decisiva e de nem mesmo a PIDE – e a Polícia Judiciária, neste caso – terem conseguido encontrar provas que incriminassem os autores materiais dos assassinatos», mas nada disso o impede, recorrendo a um processo indigno e violador das mais elementares exigências de rigor, isenção e honestidade intelectual que deve pautar qualquer investigação histórica, de concluir pela responsabilidade do PCP nas referidas execuções.

4. Para Pacheco Pereira a ausência de provas, os desmentidos do PCP são coisas de pouca monta. Para ele, o que conta é a sua convicção de que essas seriam práticas comuns em outros Partidos Comunistas «amigos do PCP, além de que a PIDE não tinha por hábito executar militantes comunistas».
Pacheco Pereira não apresenta uma única prova que comprove as suas teorias, mas absolvida a PIDE, só lhe resta a teoria de que foi o PCP, teoria alicerçada nas elucubrações do inspector da PIDE, no diz que diz, em fontes «confidenciais», na referência a documentos da época que não revela e na infame truncagem e descontextualização de textos para os ligar aos factos.

5. Dando-se conta da inconsistência da sua «investigação histórica» tropeçando no assassinato de Humberto Delgado, não hesita, para manter a sua tese e ilibar a PIDE como instituição, em considerar o «caso Delgado muito obscuro quanto à responsabilidade da hierarquia da polícia no assassinato».

6. É facto que Pacheco Pereira, penetrado de um anticomunismo vesgo, revela muito pouco respeito pelas vítimas do fascismo, mas não pode passar sem a mais viva indignação a lama que lança sobre a memória de Militão Ribeiro, militante comunista que se portou sempre com grande heroicidade e que foi tragicamente assassinado pela PIDE, afirmando ser duvidosa a genuinidade da carta – ou pelo menos parte do texto – escrita por Militão Ribeiro ao PCP, com o seu próprio sangue, pouco antes da sua morte na cadeia da Penitenciária, onde foi assassinado pela PIDE.

7. Finalmente, o PCP não pode deixar de chamar a atenção da opinião pública democrática para a gravidade das acusações de Pacheco Pereira, na medida em que na base de meras suposições e efabulações, vai muito mais longe do que foi a própria PIDE, acusando no concreto um conjunto de destacados dirigentes do PCP, coisa que, na altura, nem a PIDE, apesar dos meios de que dispunha, se atreveu a fazer.
Felizmente que, pelo facto de vivermos em liberdade, as elucubrações históricas de Pacheco Pereira não poderão ser mais do que isso, embora não sejam pouco.

8. A verdade histórica é que sobre o PCP se abateu a mais feroz repressão pela sua perseverante e coerente luta pela liberdade do povo português. O PCP nessa luta pagou um pesado tributo com milhares dos seus militantes perseguidos, presos, torturados, caluniados e assassinados. A defesa da liberdade e da democracia exigem não o branqueamento do fascismo e dos seus crimes, mas a sua denúnci

Publicado por [Rick Dangerous] às 07:49 PM | Comentários (3)

Anti-Cavaco.com

Cavaco1.jpg

Cada vez há mais sites anti-cavaco na www. É uma autêntica onda que vai em crescendo... É caso para dizer que mais um mesito, e Cavaco perdia mesmo as eleições.

De todos os que tenho visitado, destaco este. Bem pensado, bem documentado... vale a pena dar uma vista de olhos.

Publicado por [Saboteur] às 02:08 AM | Comentários (2)

dezembro 09, 2005

O bulldozer

Francisco Louçã e Cavaco Silva estão a fazer o melhor debate da campanha e Louçã está a dar a coça que Cavaco estava a merecer há já vários anos.

Acutilante, nunca perde uma oportunidade para atacar Cavaco, "o meu adversário", como ele lhe chama... Nomeadamente na área das questões económicas, área onde Manuel Alegre esteve mal, mal, mal.

Esta frente é importantíssima. Tem de se acabar com o mito do "especialista em finanças" (até o Alegre disse no outro dia que se fosse eleito e tivesse dúvidas sobre Economia, que perguntaria a Cavaco! Onde é que ele tem a cabeça?!!). Cavaco é o principal responsável do atraso estrutural do país, mesmo após um programa intenssíssimo de ajudas comunitárias que fizeram confluir para o país, durante mais de uma dezena de anos, milhões de euros por dia.

Publicado por [Saboteur] às 09:27 PM | Comentários (2)

dezembro 08, 2005

Cavaco quer que Portugal "volte a ser" a Califórnia da Europa

Publicado por [Renegade] às 10:17 PM | Comentários (9)

Desculpa lá...

monalt04.gif

O Tiago é um militante comunista com que podemos contar.

Tenho pena que noutros tempos, em que eu e outros estávamos no mesmo Partido que ele, ele não tenha tido tanta disponibilidade revolucionária-partidária como tem hoje… mas sobretudo fiquei surpreendido (mas não chateado), que tenha sido exactamente com a partir do 16º Congresso, com o agudizar da Brejnevização do PCP, que ele tenha passado a militar mais activamente. A vida tem destas coisas…

Vem isto tudo a propósito do post que o camarada meteu no seu blog de apoio ao Secretário-Geral. É surpreendente esta espécie de instinto de auto-defesa moral, que transforma factos ocorridos há tão pouco tempo, no seu diametralmente oposto… afinal, João Amaral, não foi excluído das listas pela Direcção do Parido saída do 16º Congresso, mas sim mostrou “a sua indisponibilidade para continuar como deputado”.

Publicado por [Saboteur] às 07:59 PM | Comentários (1)

dezembro 07, 2005

O cara de pau

Uma colega de trabalho, jovem, simpática, boa rapariga, vai votar no Cavaco. Esta colega, para além de jovem, recém.licenciada, simpática e boa rapariga, não gosta de imigrantes nem do Mário Soares porque "trouxe os pretos para Portugal". Também não gosta de pagar impostos porque ouviu dizer que a segurança social está falida e não vai ter a sua reforma, para além de que acha que os impostos que paga servem para pagar os "estudos a pretos". Vai votar Cavaco e eu só consigo pensar numa coisa boa para termos o cara de pau presidente nos próximos anos. Podemos dizer aos nossos filhos: se te portas mal vou chamar o Cavaco.

Publicado por [Operation Wolf] às 07:48 PM | Comentários (8)

dezembro 05, 2005

A banca ao serviço do polvo


Ainda Cavaco não ganhou as eleições e já nos entra o Cavaquismo pela escola dentro.
O Totta abriu uma agência bancária na FCSH para emprestar dinheiro aos estudantes pobrezinhos.
Precisamos de bolsas, dão-nos empréstimos. Trata-se de uma medida pedagógica.
É assim que nos ensinam a escrever "neoliberalismo". É assim que nos ensinam a queimar tudo.

Publicado por [Rick Dangerous] às 10:38 PM | Comentários (3)

dezembro 04, 2005

Ca grande ideia! II

beleza.jpg

Logo na página seguinte, Miguel Beleza - um dos mais respeitáveis membros do Gang dos Beleza, ex-minstro das finanças de cavaco e ex-governador do Banco de Portugal (no tempo em que Marques Mendes não se importava com a nomeação de quadros partidários para cargos institucionais) - deixa-nos de rastos com a sua sabedoria, reflexão e perfeito domínio da ciência económica.

Face à questão "O défice comercial não pára de crescer. Que fazer?" Ele dispara:"Reduzir custos e gastar menos." Ponto final parágrafo, vamos para a questão seguinte.

Publicado por [Saboteur] às 01:33 PM | Comentários (2)

Ca grande ideia!

Miguel Cadilhe - o homem que revolucionou a economia portuguesa durante os 3 últimos anos que este à frente da Agencia Portuguesa para o Investimento Estrangeiro, criada por Durão Barroso - aparece esta semana no Expresso, naquela rúbrica habitual dos "altos e baixos", "Em alta".

Lançou um Livro! E, segundo o Expresso, "O corte de 1/3 do efectivo da Função Pública é a mais corajosa das propostas constantes (...)"

Publicado por [Saboteur] às 12:51 PM | Comentários (2)

dezembro 03, 2005

Mantorras decide

Regressou o homem do joelho de titânio.

Publicado por [Rick Dangerous] às 11:30 PM | Comentários (2)

Os apoios de Cavaco

Cavaco continua a nada dizer para não baixar nas sondagens. No entanto, aos poucos, a própria dinâmica de campanha vai falando por si.

Veja-se a comissão de honra, e os apoiantes, os mesmos do costume, a nata dos endinheirados do país, os professores neo-conservadores, os economistas neoclássicos que repetem sem parar a mesma cantilena, os barões do partido e os patetas de sempre, como um ou outro futebolista, ou estrela de televisão.

jovens.jpg

A iniciativa com os “Jovens de Sucesso” que apoiam a candidatura, é mais uma excelente ilustração do que vem por aí:

Na televisão vi os jovens de sucesso: Betinhos e betinhas, que viram durante os anos de ouro do cavaquismo as suas semanadas a serem aumentadas exponencialmente (por os negócios do pai estavam a correr bem), e que desde essa altura compreenderam que a vida é uma coisa fácil, sobretudo se tivermos cuidado com os assaltos…

No fundo é este o país de Cavaco: um país que premeia o “sucesso” com mais “sucessos”; e que ao mesmo tempo castiga cada vez mais duramente os “insucessos”, num ciclo cada vez mais vicioso e sem saída.

Publicado por [Saboteur] às 07:00 PM | Comentários (2)

dezembro 01, 2005

¡Grande Ibéria!

Se não fosse por alguns aristocratas idiotas há 365 anos atrás e agora seríamos um grande país, com direito a um Rei Bourbon e tudo...

Publicado por [Rick Dangerous] às 10:39 PM | Comentários (3)

Tome Tamiflu

"Finalmente, as peças do puzzle começam a fazer sentido," escreve o Dr. Joseph
Mercola, autor de "Programa de Saúde Total - Total Health Program."
"O presidente Bush quis instalar o pânico neste país (Estados Unidos)
dizendo-nos que, no mínimo, 200 mil pessoas iriam morrer com a
pandemia da gripe das aves e que o número de mortes poderia chegar aos dois
milhões só neste país. (EUA)"

"Este embuste é então usado para justificar a compra imediata de 80 milhões
de doses de Tamiflu, um remédio inútil que não trata de forma nenhuma a
gripe das aves, apenas diminui o tempo de duração da doença e que pode
contribuir para que o vírus sofra mutações mais letais," continua Mercola.

"Portanto os Estados Unidos fizeram um a compra de 20 milhões de
doses desta droga inútil a um custo de 100 dólares por dose." A verba atinge uns espantosos 2 mil milhões de dólares.
O ministro da defesa Donald Rumsfeld, antigo presidente da Gilead, o fabricante
do Tamiflu, retira também grandes lucros, já que continua a ser um dos grandes accionistas da companhia.

Melhor ainda, o porta-voz do Bilderberg (o grupo Bilderberg é uma associação
internacional informal de personalidades poderosas no mundo da política e da
alta finança, que se encontram todos os anos.), Etienne F. Davignon
(Vice-Presidente, Suez-Tractebel) e o ex-secretário de estado George Shultz,
(membro honorário do Instituto Hoover e da Universidade de Stanford University) fazem também parte da direcção da Gilead.

Outro Bilderberger habitual é Lodewijk J.R. de Vink, com lugar na
direcção da Hoffman-La Roche, parceira da Gilead.

Por outras palavras, a burla da "Gripe das Aves" vai gerar lucros
escandalosos a indivíduos como Shultz, Rumsfeld, Davignon, e de Vink.

E donde é que vem o Tamiflu?

Segundo o website da Gilead, "Em Setembro de 1996, a Gilead e a F. Hoffmann-La
Roche Ltd.chegaram a um acordo de colaboração no desenvolvimento e
comercialização de terapias para tratar e prevenir gripes virais. Segundo o
acordo, a Roche teria direito exclusivo a nível mundial aos inibidores de
gripe propriedade da Gilead, incluindo o Tamiflu. A Roche tem os direitos
comerciais a nível mundial do Tamiflu, e a Gilead recebe pagamentos da Roche
pelo cumprimento dos sucessivos estádios da investigação e prémios pelas vendas do produto.

É bom lembrar que Rumsfeld adora burlas farmacêuticas. Foi ele, como director
da G.D. Searle, que pressionou a FDA (Food and Drug Administration -
agência governamental americana que regula e fiscaliza a fabricação de
comestíveis drogas e cosméticos) para aprovar o Aspartame.

A FDA bloqueou a sua aprovação durante dez anos até Rumsfeld ter
conseguido a sua aprovação. Hoje, o Aspartame, um adoçante artificial tão
omnipresente como tóxico, continua a e envenenar a América e o Mundo.

Publicado por [Operation Wolf] às 07:16 PM | Comentários (8)