« Notas para uma redefinição da cultura | Entrada | Para quando, a homenagem que este homem merece? »

maio 03, 2005

Maus tempos para o lirismo

Carvalhelhos
Diz depressa que não consigo soletrar

Carvalhelhos
Enrolo os eles e atrapalho-me com os agás

Vitalis tem nome
Luso é fama
Pedras a evocada
Fastio o proveito

Marcas de água
de tinta pouco permanente.
O meu amor por Carvalhelhos
É pena, é romance,
é coisa que ninguém entende

Nascente transmontana,
Que cedo nos leva na corrente,
Este amor que nos une
é coisa que ninguém entende

Que outros gozem o fausto
Que outros desejem
o que não podem almejar.
A água peço pelo nome.
Carvalhelhos é fácil de lembrar


[Rodrigo Moita de Deus] o acidental

PS: Ao Diogo...para que não sinta saudades.

Publicado por [Rick Dangerous] às maio 3, 2005 03:11 AM

Comentários

eu tenho esse livro!

Publicado por [rosa.va] às maio 3, 2005 05:26 PM