« dezembro 2004 | Entrada | fevereiro 2005 »

janeiro 31, 2005

O que acontece quando se facilita demasiado?

Um documento de campanha da candidatura do BE pelo Porto gerou, esta semana, contestação da CDU, que acusa aquele partido de "publicidade enganosa" na avaliação quantitativa do trabalho feito no Parlamento.

No desdobrável do BE, questiona-se "Sabe quem é o deputado do Porto que mais trabalhou?" e responde-se: "É do Bloco e presta contas nesta eleição". Por baixo, junto à fotografia de Teixeira Lopes, surge a frase "um deputado" e, ao lado, "118 projectos de lei apresentados".

Teixeira Lopes explica que, além dos projectos de âmbito nacional, os 118 projectos de lei referidos no desdobrável incluem o total correspondente a Alda de Sousa, que esteve no Parlamento quatro meses, fruto do sistema de rotação vigente no BE. Acontece também que inclui outras iniciativas que não projectos de lei, ao contrário do que refere o desdobrável.

Não sei porquê, sempre tive a sensação que Teixeira Lopes é o tipo de político que é perfeitamente capaz de fazer este tipo de “simplificação de contas” para chegar à conclusão que é o Deputado pelo círculo do Porto que “mais trabalha”…

Joaoteixeiralopes.bmp

Publicado por [Saboteur] às 11:27 AM | Comentários (5)

Já nos tramaram mais um bocadinho e ninguém deu por isso...

Enquanto pensamos o quanto bom seria colocar a direita em minoria no Parlamento, o maior grupo financeiro privado mudou de chefe máximo.

Um dos lugares de maior poder em Portugal (o de Presidente da Comissão Executiva do BCP), deixou de ser do velhinho Jardim Gonçalves e passou para Paulo Teixeira Pinto, o da foto.

Paulo Teixeira Pinto, aos 31 anos, era Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, e Porta-voz do Governo de Cavaco Silva. Monárquico, católico, ligado à Opus Dei desde jovem, ultra-conservador e, segundo o Semanário Expresso (que o mete no topo dos "Altos" esta semana), "com alinhamentos políicos peculiares"...

Paulo Teixeira Pinto é também dirigente da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, do Instituto Português de Corporate Governance e da Associação Cristã de Empresários e Gestores; é membro da Direcção do Círculo Eça de Queirós e do Conselho Nacional da CIP – Confederação da Indústria Portuguesa.

«O BCP está em boas mãos», dirão os accionistas, «Como ele é muito Católico, talvez algum dos 513 milhões dos lucros deste ano irão para os pobrezinhos», dirão outros... eu digo que isto são muito más notícias para a Democracia, para o Movimento e para quem trabalha.

Publicado por [Saboteur] às 12:40 AM | Comentários (1)

janeiro 30, 2005

Até amanhã, camaradas!

Li o livro há uns anos e recordava-me muito vagamente do enredo. Só vi a primeira parte da série (6ª feira à noite) e não gostei do que vi.

Não gostei do argumento verboso. Os responsáveis dizem que o realizador Joaquim Leitão adaptou bem o espírito do guião do Luís Filipe Rocha. Se é assim, eu tenho a dizer que me parece que ambos não trabalharam a coisa como deve ser.

As personagens são dúzias e, apesar de passarem o tempo a falar, ficamos sem saber grande coisa delas. Provavelmente a intenção era que tudo convergisse para a melhor ilustração possível da luta do Partido. Isso teve dois custos: a formatação das personagens em tipos pouco desenvolvidos e quase monodimensionais (com a excepção do Paulo Pires e do Gonçalo Waddington, que são também os que "estão mais em jogo") e alguma baralhação do enredo, com os saltos permanentes entre quatro ou cinco palcos diferentes. Eu li o livro e andava quase sempre às aranhas com o que se estava a passar à minha frente.

Quanto à estrutura que resulta do trabalho de montagem e do guião, é um encadeamento contínuo de cenas de diálogo. Não há contextualização do que se passa, as cenas da vida de época estão reduzidas ao mínimo, quase sempre em segundo plano da acção principal relativa ao trabalho dos quadros do Partido. Será por isso que são tão raras as imagens panorâmicas, os travelings etc, aquilo que se poderia chamar as imagens "descritivas"?

No seguimento disto, não é dado aos actores outro meio de expressão para lá do verbo. Há muito grande plano mas pouca acção gestual, pouca pausa para sentimento, pouco trabalho de conotação e de simbolização em favor da denotação e do diálogo permanente. E mesmo o diálogo cheira a avenidas novas a mais para o meu gosto. Aquilo era gente do povo, não podia ter havido algum trabalho de popularização e regionalização da linguagem?

A ambientação à época cheira a novo, está tudo demasiado limpinho. Sabe-se da miséria pela boca das personagens mas não se vê. Por isso o luxo dos citadinos endinheirados não se torna chocante e a política neo-realista do romance sai a perder. É mais que possível filmar neo-realismo/realismo. Dezenas de realizadores puderam fazê-lo das mais variadas formas. Aqui filma-se e mostra-se mas deste lado não se vê.

Quanto à estética da imagem, não gosto de a ver demasiado colorida e clara para poder ecoar o enredo. A iluminação é uma coisa brutal quando estamos a retratar uma época que (vi)via pelo candeeiro a petróleo, pelas velas e pelas lareiras. Assim, a imagem limita-se a ler o espaço onde tudo acontece e a colocá-lo ao serviço da visão “plastificada” da época (ao contrário do que acontecia em 5 dias, 5 noites, por ex.). Não há uma tradução estética do ambiente humano e político que se quer retratar. No limite, que se recorresse a filtros para escurecer/degradar a coisa.

O traço comum das críticas que aqui despejei parece passar por uma abdicação da imagem. Há um trabalho de imagem e de idealização dessa vertente muito "verde". E quando se abdica da imagem em cinema/televisão, acho que se está a fazer mau cinema e má televisão. Não vou dizer que é uma adaptação falhada porque não vi o resto mas diria que tal como se apresenta é um grande desperdício de dinheiro. Muito dinheiro, pouco trabalho bem direccionado e pouca arte. Que outra coisa se poderia esperar de Joaquim Leitão (Adão e Eva, Tentação, Inferno) e Tino Navarro (produtor do melhor cinema chunga português)?

A crítica é coxa, falta aqui alguma coisa de positivo mas agora não me apetece continuar a escrever e o post já vai longo. Talvez alguém queira fazê-lo nos comentários.

Publicado por [Renegade] às 09:08 PM | Comentários (2)

janeiro 29, 2005

"S-21, a máquina de morte Khmer Vermelho"

Seguido ao Post "Oswiecim" de Renegade, e de várias associações que fiz, lembrei-me de partilhar convosco o sentimento que tive quando saí de uma sala de cinema depois de ver um documentário sobre o genocídio no Camboja, que fez cerca de 3 milhões de mortos (número que varia segundo as fontes) num país que tem 7 milhões de habitantes.

Saí da sala de cinema incomodada...na realidade um silêncio triste reinava ao fim do filme... ninguém saiu da sala antes do genérico findar, não porque a equipa técnica ou a música importava, mas porque o filme nos deixara imóveis, imersos em reflexões perante um documento histórico, um real testemunho feito para perdurar e não esquecer no tempo. No entanto, o meu sentimento era dúbio, estava incomodada não apenas com o conteúdo, mas também com qualquer outra coisa, talvez a forma como o filme foi realizado.

Quase todo o filme é passado na antiga S-21. S-21 era a principal prisão, à qual alguns chamam campo de concentração (entre 1975 e 79), situada no centro da capital Phnom Penh, onde perto de 17000 prisioneiros foram torturados, interrogados e seguidamente executados. Hoje em dia transformado no "Museu do genocídio" (ah, pois!). O realizador Rith Panh diante a sua câmara regista o confronto entre dois dos raros sobreviventes (apenas três ainda estão vivos) e os seus próprios carrascos/carcereiros. Ou seja, a singularidade deste documentário passa pelo forte jogo de emoções entre: primeiro, os sobreviventes que tentam compreender a situação pela qual passaram, tentando ao mesmo tempo transmitir e proteger as gerações futuras; segundo, os carrascos que contam voluntariamente a sua função que permitia S-21 concretizar a sua exterminação. Porém no relato dos carrascos transparece um sentimento de horror e vergonha pelos actos cometidos. Estes últimos, agora artesãos, operários e afins, justificam grande parte das vezes os seus actos do passado pelo endoutrinamento sofrido, a sua juventude (maior parte tinha entre 20 e 25 anos) e o medo, caracterizando-se ainda a eles mesmos como vítimas de Pol Pot.

Enfim, voltando ao meu sentimento de incómodo...depois de muito reflectir, apercebi-me que o incómodo era resultado do sentimento de piedade com que fiquei pelos carrascos! Ora esta! Se eu visse à minha frente um dos pides que torturou o meu avô durante dois anos em caxias, deixando marcas indeléveis tanto psicológicas como fisícas, penso que a minha maior sensibilidade passava por atirar-me ao gajo aos pontapés. Mas não, este sentimento de piedade (o mesmo que tenho perante a fotografia pós-guerra, de Cartier-Bresson, onde uma mulher colaboracionista dos alemães está ser esbofeteada em praça pública), mete-me medo, deixa-nos passivos, uma vez que, num ponto de vista imediato, o sentimento de piedade tem origem nos grandes valores morais da igreja, associando-o automaticamente à submissão, seja ela de quem fôr, perante um rei, um patrão, um grupo de máfia. Ora, tenho piedade pelos carrascos porque tomaram consciência dos crimes efectuados, portanto, estão absolvidos por mim, Amen! (encontro-me sitiada nos meus próprios pensamentos: também não passará pela piedade o meu princípio contra a pena capital ou a perpetuidade? Up-lá, isto é melhor ficar para mais tarde).

Em suma, confirma-se que o meu incómodo deve-se à forma de como o filme foi realizado, das opções que o realizador fez - em escolher filmar "isto" em vez "daquilo", "desta" maneira em vez "daquela" -, onde os carrascos se puderam libertar do passado pela confissão que fizeram dos seus actos diante o público – nós. Em todo o caso, este filme constitui um belo testemunho/documento histórico, indispensável à memória colectiva, de uma sangrenta e terrível história.

[Shift]

Publicado por [Shift] às 06:40 PM | Comentários (4)

Quando a TV mete mesmo muito nojo

Eu até costumo gostar da SIC Radical, mas hoje, estava a fazer zaping, passo por lá, e apanho o programa de "wresteling", com um gajo, com um lenço palestiniano na cabeça, à Lawrence da arábia, a gritar que quer "castigar os infiéis americanos", enquanto o público assobia e grita "USA! USA!".

O lutador disfarçado de árabe fica ainda mais furioso e diz qualquer coisa do género que o povo árabe esmagará o Ocidente, etc, enquanto do público, gente de todas as idades, lança apupos e grita de raiva.

Pergunto: Com que direito um canal de televisão português passa este tipo de programas?

Está bem, que toda a gente sabe que no “wresteling” é tudo espectáculo, é tudo a brincar, para distrair as crianças… mas isso ainda me mete mais nojo. Não só se procura divertir com violência, como, deliberadamente, se está a manipular a cabeça das pessoas, sobre tudo crianças, transmitindo-lhes uma mensagem de incitamento ao ódio racista contra o povo árabe.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 02:15 AM | Comentários (1)

janeiro 28, 2005

O dever de memória

Ainda há pouco o meu pai estava a ler o Inimigo Público e sai-se com esta:

Restaurador Olex? Olha, há 20 anos o teu tio A. usava isto para pintar o cabelo!...
...Agora, quando o vires não lhe vais dizer nada, hã...

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 02:35 PM | Comentários (1)

Estratégia Eleitoral

A mais recente sondagem, encaixa-se perfeitamente com a minha teoria em relação a esta campanha:

O PS/José Sócrates está a dirigir-se para a direita, tentando captar o máximo de votos dos descontentes de direita com o PSD e o PP.

É uma estratégia clássica, que parte do princípio que é mais difícil descolar do seu eleitorado “natural” (de esquerda), do que ganhar votos junto dos indecisos do “centrão”.

O “problema” é que este PS aparece tão à direita, que o BE está a conseguir capitalizar votos mais rapidamente do que seria de esperar.

Acontece que os dirigentes do PS não andam aqui desde ontem e têm malta competente a tratar-lhes da campanha… O meu palpite é que por estas semanas, o PS (e a JS) vão mandar umas tantas bojardas à esquerda, e tudo o que foram perdendo, volta à “casa-mãe”.

Isto é: PS com maioria absoluta; BE com 5% no máximo.

Esta teoria só falha se o Sócrates se encostar tanto à direita, que já nem sequer haja retorno de eleitorado flutuante de esquerda… Não há dúvida que José Sócrates se está a esforçar: Isto de dizer que Freitas do Amaral, um gajo que na FDL denunciava a estudantada à PIDE, é um dos “grandes políticos da democracia portuguesa” é de arrepiar.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 01:44 PM | Comentários (2)

No tempo em que estava com o Paulo na 'Amostra' é que era!...

fraude.jpg

Santana diz que "está montada uma mega-fraude" em torno das sondagens

[Saboteur]

Publicado por [] às 12:27 PM | Comentários (1)

Oswiecim

Há cinco anos e picos fui visitar o campo de que se fala, Auschwitz. Para mim, que entrei pelo Leste, ficou Oswiecim. Lembro-me que era um dia aprazível, meados de Agosto, e visitar o lugar da morte impôs-se como coisa natural e necessária à comitiva excursionista. Uma hora e meia de viagem entre Cracóvia e Oswiecim, descemos no apeadeiro, apanhámos o autocarro, pagamos o bilhete e cruzamos o famoso portal de ferro, quase como uma sebe de jardim numa quinta agrícola, “ARBEIT MACHT FREI”.

Lá dentro, para abreviar, não é possível escapar ao desconforto, que se transforma em revolta, que se transforma em angústia, que se transforma em desespero que acaba por nos deixar desarmados pelo horror. É muito difícil ficar calado, mas é ainda mais difícil dizer qualquer coisa. Falar é desassossegar a morte.

Ir ao campo-museu de Oswiecim é fazer uma visita guiada à mais brutal negação da nossa humanidade. Não consigo explicar por que razão comecei também a chorar à frente das fotografias de crianças que choravam, vestidas com uniformes sujos de presidiárias, numerados, em fotos tipo-passe, a olhar para mim e a acusar-me de qualquer coisa, a pedir o consolo impossível. Se calhar chorei de impotência, não sei. Olhar para aquelas crianças foi ver-me a mim naquelas lágrimas, por muito demagógico que isto possa parecer.

Depois de ir a Oswiecim passei a acreditar que o confronto directo com o horror faz parte da melhor escola para uma ética de vida humanista, até para uma utopia sem compromissos com o horror. Deste ponto de vista, o “Gulag” também está em Oswiecim.

Em Portugal continuamos e continuaremos sem um museu, um memorial, um instrumento de criação de memória colectiva que identifique a comunidade, qualquer coisa dedicada ao aparelho repressivo do fascismo. Por que razão se visita a Batalha, os Jerónimos, Fátima, e não se visita o Museu/Memorial do Fascismo em Portugal?

Em Portugal, desaparecida a geração dos meus pais, poucos continuarão a poder guardar uma memória de morte, tortura, perseguição e medo que é uma memória que impõe um julgamento histórico e uma opção política no presente. E acho que isto é uma grande vitória do 24 e um grande falhanço do 25 de Abril.

Este último parágrafo escrevi-o há pouco mas é estúpido. A grande derrota do 25 de Abril foi, como é evidente, em 25 de Novembro de 1975. Foi aí que o 24 de Abril ganhou. É o regime de Novembro que apaga o fascismo da memória, não é o 25 de Abril.

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 12:28 AM | Comentários (15)

janeiro 27, 2005

Seus badamecos!!!

Laranja.bmp

Na Covilhã, a campanha eleitoral está animada. O site da concelhia do PSD local foi apropriado por um indivíduo não identificado.

Resultado: sempre que os internautas entram no endereço www.covilhalaranja.com dão de caras com páginas de pornografia.

As “malandrices da Jenn”, “cenas da vida íntima de um casal” e uma “pequena loira quente” são algumas das cabeças de cartaz que têm figurado nos sites que, agora, são o destino de todos os que tentarem aceder ao endereço da concelhia laranja da Covilhã.

A notícia, divulgada pelo Tal & Qual, conta que usurpação deve-se a um esquecimento dos responsáveis social-democratas, que não renovaram, na altura prevista, o contrato de manutenção do endereço com a respectiva empresa gestora de domínios Internet.

Alertado para o fim do contrato, um indivíduo que se dedica à distribuição de conteúdos pornográficos na Net apoderou-se do endereço, redireccionando-o para páginas que nada têm a ver com as obras levadas a cabo pela câmara municipal da Covilhã (gerida pelo PSD) e, não menos importante, com o programa eleitoral “laranja” que vai ser sujeito a plebiscito a 20 de Fevereiro.

Apesar de ter instalado o endereço noutros servidores, a concelhia do PSD da Covilhã ainda não conseguiu livrar-se da contra-informação derivada do redireccionamento do site.

São vários os motores de busca que, hoje, apontam o site como uma fonte de informação sobre o PSD e a Covilhã, sem fazerem referência a conteúdos pornográficos. Mais: o endereço www.covilhalaranja.com encontra-se impresso nos panfletos que vão ser utilizados na campanha das eleições legislativas.

[Saboteur] Notícia cedida por um amigo

Publicado por [Saboteur] às 06:12 PM | Comentários (3)

«É só propagada...»

auschwitz.jpg

Quando há 60 anos o Exército Vermelho mostrou ao mundo o que encontrou em Auschwitz, a primeira reacção britânica e norte-americana, foi desacreditar as imagens, dizendo que se tratava de "propaganda Comunista".

Lembro-me sempre disto em diversas situações... Por exemplo, quando da polémica sobre o documentário "demagógico e panfletário" de Michael Moore, sobre o 11 de Setembro.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 04:01 PM | Comentários (6)

Mensagem aos espectros que já votaram

Caros amigos:

Por problemas inadiáveis na configuração da sondagem aqui no lado direito, fomos obrigados a alterações de pormenor que tiveram o nefasto efeito de apagar os 22 votos já contabilizados.
No momento em que escrevo a CDU comandava com 9 votos, seguida do BE com 6. Surpreendentemente o CDS-PP já recolhia um voto.

Por outro lado, e a pedido de várias famílias, já está disponível a opção Movimento pelo Doente, que permitirá à larga base de apoio deste partido exercer a sua convicção aqui no Spectrum.

Posto isto fica o nosso pedido de desculpas e o convite renovado à vossa participação, assim como à de tod@s que ainda não tinham votado.

Pel' A Gerência

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 12:13 PM | Comentários (6)

Há autarcas que se preocupam

A Câmara de Celorico de Basto admite mover uma acção judicial contra o Instituto Nacional de Estatística (INE), na sequência da revelação, por parte desta entidade, do estudo de poder de compra concelhio, que coloca este concelho do Tâmega em último lugar no "ranking" nacional.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 09:39 AM

gif para enviar aos amigos indecisos de direita

image001.gif

...É que mais valem 2 Santanas do que um Portas... Este homem é muito perigoso. Oiçam o que eu digo.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 09:20 AM | Comentários (5)

janeiro 26, 2005

Campanha à altura do último governo

O nível de discussão política que temos vindo a assitir nesta pré-camapanha é dos mais ocos e nauseabundos que me lembro nestes anos de democracia "adulta" do Portugal moderno e de nós mesmos.

Francico Louça dá uma ajuda e junta o seu rosto a quase todos os cartazes do BE, confirmando-nos a sua liderança assumida no Partido e contribuindo para o esvaziar da política, quando o mais importante são rostos particulares e frases sem conteúdo-"Esquerda de Confiança"? (confiança para quem cabe perguntar? às classes médias aflitas que votarão Sócrates?) "Portugal precisa de um Rumo" (!) escrito ao lado de um líder que nada mais tem feito que criticar Santana Lopes, não pelas políticas que tem levado a cabo, mas porque não é um líder apreciado pelas bases do partido como no seu caso!...
"Portugal precisa de convicção" frase do voto útil adulterado fotograficamente para se parecer mais com um ser-humano no cartaz do CDS. "Para mudar a sério", mudanças não têm faltado nos últimos anos, quais são as que o PCP quer para além da cara do Jerónimo nos cartazes?

Apetece sair deste filme, ir votar de forma seca, tácita, e ficar a pensar se essa procissão dia 20 e tudo o que se escreve e lê até lá, não nos encolhe as possiblidades, não nos deixa mais fracos, não nos ajuda a ficar mais longe do que é importante.

[Operation Wolf]

Publicado por [Operation Wolf] às 03:47 PM | Comentários (8)

Pelo direito à indiferença

Uma boa iniciativa da Ilga com o apoio da Câmara de Lisboa. Estes cartazes mais uns anúncios na rádio e na televisão andam por aí para nos lembrar que há tanta gente que não pode simplesmente passear pela rua de mão dada com o seu amor, nem ousar um gesto de afecto sem medir primeiro o espaço onde se encontra. Começámos a conquistar o direito à diferença, hoje é proibido discriminar alguém com base na sua orientação sexual, uma vez conquistada é tempo de um beijo na rua passar tão indiferente como um beijo pode ser.

[Operation Wolf]

Publicado por [Operation Wolf] às 03:28 PM | Comentários (3)

Sondagem

O Spectrum, sempre na crista da onda da blogosfera, tem agora uma sondagem (para os mais distraídos, é aquela coisa com uma pergunta e várias opções de resposta ali do lado direito).

Se correr bem, temos já centenas de outras perguntas na calha (bem, ter, ter, não temos, mas havemos de pensar em qualquer coisa).

[Rex]

Publicado por [Rex] às 02:39 PM | Comentários (3)

Eu é que sou o Presidente da Junta...

Poster de Santana para pendurar nas juntas espanta e indigna vários autarcas

[Rex]

Publicado por [Rex] às 09:44 AM | Comentários (1)

janeiro 25, 2005

A minha moral é melhor que a tua

Público de segunda-feira (e todos os tele e rádiojornais):

"(...) o líder do PSD dedicou a maior parte do discurso a criticar José Sócrates, acusando-o de se furtar aos debates por recear que estes lhe corressem mal, numa altura em que surge em primeiro lugar nas sondagens. Não se faz.

"Os meninos na escola, quando um não quer ir brincar, tem medo de um brinquedo, chamam-lhe um nome..." , atirou Santana Lopes, que chegou a questionar se deveria convidar António Vitorino para debater."

Fui só eu que ouvi o Santana chamar MARICAS ao Sócrates? E podem crer que não me engano na interpretação, sei bem o que chamam as crianças umas às outras nessas momentos, isto apesar de não ter filhos...
A escalada homofóbica começa a ser preocupante. Banaliza-se.

Entretanto alguém viu por aí os profissionais da moral pública?

Dão-se alvíssaras.

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 09:26 PM | Comentários (11)

The Awful German Language

Hoje descobri este blogue. Ainda não tive tempo para ler muito, mas pareceu-me bom. Entre outras coisas, uma pequena polémica.


Apaixonados pela língua - "Diz-me qualquer coisa bonita!" "Habseligkeiten!" (esta palavra foi eleita A Palavra Alema Mais Bonita)

Lembrei-me então de um texto brilhante do grande Mark Twain chamado The Awful German Language. Cito a passagem relevante, para quem quiser lê-la, na continuação do post.

O que acho interessante neste texto é que nunca podia ter sido escrito depois das guerras, pelo contrário, o mesmo autor teria escrito exactamente o oposto.

[Rex]

I think that a description of any loud, stirring, tumultuous episode must be tamer in German than in English. Our descriptive words of this character have such a deep, strong, resonant sound, while their German equivalents do seem so thin and mild and energyless. Boom, burst, crash, roar, storm, bellow, blow, thunder, explosion; howl, cry, shout, yell, groan; battle, hell. These are magnificent words; the have a force and magnitude of sound befitting the things which they describe. But their German equivalents would be ever so nice to sing the children to sleep with, or else my awe-inspiring ears were made for display and not for superior usefulness in analyzing sounds. Would any man want to die in a battle which was called by so tame a term as a Schlacht? Or would not a consumptive feel too much bundled up, who was about to go out, in a shirt-collar and a seal-ring, into a storm which the bird-song word Gewitter was employed to describe? And observe the strongest of the several German equivalents for explosion - Ausbruch. Our word Toothbrush is more powerful than that. It seems to me that the Germans could do worse than import it into their language to describe particularly tremendous explosions with. The German word for hell - Hölle - sounds more like helly than anything else; therefore, how necessary chipper, frivolous, and unimpressive it is. If a man were told in German to go there, could he really rise to the dignity of feeling insulted?

[...]

There are some German words which are singularly and powerfully effective. For instance, those which describe lowly, peaceful, and affectionate home life; those which deal with love, in any and all forms, from mere kindly feeling and honest good will toward the passing stranger, clear up to courtship; those which deal with outdoor Nature, in its softest and loveliest aspects - with meadows and forests, and birds and flowers, the fragrance and sunshine of summer, and the moonlight of peaceful winter nights; in a word, those which deal with any and all forms of rest, repose, and peace; those also which deal with the creatures and marvels of fairyland; and lastly and chiefly, in those words which express pathos, is the language surpassingly rich and affective. There are German songs which can make a stranger to the language cry. That shows that the sound of the words is correct - it interprets the meanings with truth and with exactness; and so the ear is informed, and through the ear, the heart.

Mark Twain, in The Awful German Language

Publicado por [Rex] às 08:22 PM

Jobs for the Tias

Sai a maioria de direita do poder, sai a Mariazinha Nogueira Pinto da Santa Casa.

Entra o Sócrates em S. Bento, entra a senhora que "tem o bichinho da política" para o tachão que mexe com os dinheiros do totloto e afins.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 02:59 PM | Comentários (5)

Pichagens e afins

Hoje o DN noticia que vários outdoors de pré-campanha, envergando fotografias dos cabeças de lista, sofreram uma adaptação livre por transeunte munido de escadote, cola e um círculo vermelho de papel com grandes dimensões. O indivíduo colocou um nariz de palhaço em todos... menos no do Jerónimo de Sousa.

[Joystick]

Publicado por [Joystick] às 10:55 AM | Comentários (5)

janeiro 24, 2005

Luís, o exaltado.

Quanto ao post da JoyStick, apraz-me dizer o seguinte:

É óbvio que também eu, se me pagassem só metade do que pagam ao Luís Delgado, estaria disposto a também multiplicar os meus artigos de opinião com slogans de campanha ao PPD/PSD… mas o que é impressionante é ele ultrapassar todos os limites do razoável e, à medida que se aproxima das eleições, entrar numa histeria eleitoralista que já não pode ser benéfica – por tão exagerada que é – nem ao próprio Santana Lopes.

Não há ninguém lá no partido que lhe diga isso?

Não é preciso irmos mais longe: No DN de hoje, Luis Delgado afirma desesperado “O país não está em recessão”, referindo-se à ténue subida do PIB; distante, muito distante da média europeia. Mas antes diz que “a coligação” (eles agora não utilizam o termo “coligação de direita”) “enfrentou a maior crise económica nacional, que derivou da gestão dos que querem voltar”.

O homem ultrapassou tudo e todos no que diz respeito à demagogia! Deixou Paulo Portas a milhas de distância! A maior crise económica nacional de sempre, “derivou” (derivou?!) “da gestão dos que querem voltar”?

Não deve haver um único indicador económico do tempo de Guterres que não seja superior aos de hoje em dia, em que “o país não está em recessão”, mas é a maior crise económica de sempre.

Na pena de Luis Delgado, nem o desgraçado do Vasco Gonçalves, que é desde há 30 anos o bobo das nossas cortes quando se discute as crises económicas, merece uma menção… muito menos a Primeira República, Dª Maria I ou D. Sebastião. O pior da história da nação foi o PS de Guterres e de Sócrates e ponto final.

Cheira-me que mesmo o próximo primeiro-ministro do PSD (daqui a 8 anos), não vai querer ter a ver nada com este exaltado do Luis Delgado.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 11:41 PM | Comentários (1)

Ele cheira a quê?

Num esforço autobiográfico, Luís Delgado define o seu odor.

Não deixa de ser de louvar a atitude do Kane cá do sítio, um Kane tuga-type, que, numa outra obra valiosíssima nos presenteia com o discurso pré-campanha explicado a atrasados mentais, num registo de objectividade e imparcialidade - ó para mim a usar termos tão caros ao jornalismo português -, como sempre tem feito, aliás.

Um grande bem-haja ao Diário Digital por nos oferecer a obra de Luís Delgado quotidianamente, assim como a sua fotografia em pose de pensador de Rodin.

[Joystick]

Publicado por [Joystick] às 06:59 PM | Comentários (2)

O Delírio do CG

O CG, grande timoneiro da Cova da Piedade e arredores, tem um blogue.

[Rex]

Publicado por [Rex] às 04:18 PM | Comentários (8)

Emigrantes preocupados

Correm rumores que isto está prestes a acontecer em Lisboa.

Aviso já que ficarei lixado da vida, se se confirmar. Mais de 20 anos à espera, não há-de ser agora, não pode!

[Rex]

Publicado por [Rex] às 02:52 PM | Comentários (4)

Adivinha quem voltou, heh,ou! (II)

emplastro.bmp

[Paradise Café]

Publicado por [Paradise Café] às 02:32 PM | Comentários (4)

A minha política é o trabalho II

Continuando com o homem da COFINA: Segundo Paulo Fernandes, “o grande problema do país é esta mentalidade de funcionário público”.

Vocês já sabem o que ele quer dizer, não é? A minha mãe, que é funcionária pública numa repartição de finanças onde os contribuintes perdem dias inteiros em filas para serem atendidos, na altura da entrega das declarações de IRS, traz trabalho para casa todas as noites e todos os fins-de-semana, poderia não atingir o alcance destas reflexões, por isso ele explica: “toda a gente quer fazer o mínimo possível” e dá um exemplo: perdeu as malas num voo não sei para onde (seria Espanha? Confesso que não percebi) e meia dúzia de horas depois estavam as malas no hotel dele. “Se fosse com a TAP, nem 8 dias depois sabiam onde estavam as malas, quanto mais entregar-mas em mão!”

Mas Paulo Fernandes – apesar de parecer um completo burgesso – é capaz de fazer reflexões ainda mais elaboradas: Segundo ele, esta é uma das razões pelas quais é necessário fazer uma profunda reforma na Administração Pública. Reparem: Não se trata só de “diminuir a despesa do Estado”, trata-se terminar com essa cáfila de funcionários públicos que transmitem a “sua mentalidade” de “fazer o mínimo possível” aos trabalhadores do sector privado, deixando assim cheios de problemas, a classe empresarial portuguesa.

Peço à Shift e ao Rick Dangerous, mais entendidos neste assunto ideológico-sociológicos, para me dizerem se esta teoria não tem um toque Gramsciano… Paulo Fernandes é uma cabeça!

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 02:01 PM | Comentários (3)

A minha política é o trabalho

Paulo Fernandes.bmp

Já aqui fiz referência ao programa “Contas de Cabeça” da TSF, onde eles, todas as semanas, entrevistam um notório empresário português.

Nada de muito profundo, mas é sempre bom ir estando a par do que pensam os gajos mais poderosos de Portugal.

Desta vez, foi o Presidente da COFINA, Paulo Fernandes (na foto).

Nada disse ou lhe foi perguntado sobre o vergonhoso escândalo do Inside Traiding, que o vai levar a tribunal e, provavelmente, obrigá-lo a pagar uma multa que lhe levará uma fatia dos ganhos ilícitos que teve à custa dos seus accionistas…

No entanto ficámos a saber que o homem é um mouro de trabalho (fará quase as 20 horas/dia de Paulo Portas?): “Compreenderá que gerir um grande Grupo Económico como é a COFINA, é algo que exige muito tempo, muito trabalho intelectual e que por isso, para manter o equilíbrio, procuro o mais possível fazer desporto”“Sou um homem da província” (agora está na moda os tios serem todos da província e não da cidade) “Gosto de desportos que me permitem contacto com a natureza: de caça, pesca, de golf…” (são tudo desportos que mais do que “o contacto”, permitem foder à grande a natureza…) “mas também gosto muito de ténis, de remo… e ultimamente tenho jogado muito futebol de salão”

Ufa! O homem não dorme mesmo: Os meus colegas de trabalho – meros quadros intermédios de uma instituição financeira – dizem que não fazem desporto porque entre o trabalho e a família não têm mais tempo… mas este desgraçado que tem um grande grupo económico às costas ainda arranja tempo para tudo isto!

«E aos fins-de-semana? Trabalha?» Pergunta o jornalista.

«Não. Os fins-de-semana são sagrados»

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 11:34 AM

janeiro 23, 2005

Recrutamento de militantes a contrato precário

Segundo um artigo do jornal francês "Le Monde" (de domingo 23 e segunda 24), o PS (Parti Socialiste), UMP (Union pour un Mouvement Populaire) e UDF (Union des Démocrates Français) traçam novas estratégias de recrutamento. Na realidade, confrontados com uma estagnação ou mesmo um recrudescimento no número de militantes inscritos, cada um destes partidos, dois anos antes das eleições legislativas (2007), em vista de alargar a sua audiência inventam novas categorias de militantes. Assim:
- O PS apresenta a reforma dos "adhérents du projet". Ser-lhes-á possível participar na elaboração do programa do partido, participar em debates, votar nas assembleias destinadas a validar o programa socialista e pagar uma cotização inferior à dos militantes "tradicionais", isto é, entre 5 a 10 euros. Porém, eles não poderão estar integrados em qualquer estrutura territorial ou secção e não poderão votar nem num eventual congresso nem na designação dos candidatos para as eleições.
- O UMP (partido de Chirac) com a ambição de conquistar os 200. 000 militantes, tal como os seus homólogos - o Partido Popular Espanhol e o Partido Conservador britânico, cria o estatuto de "adhérents-partenaires". A estes não lhes será pedido qualquer cotização, mas serão convidados a colaborar nos trabalhos e debates internos.
- Já o UDF conta criar no seu próximo congresso o estatuto de "militants associés". Estes últimos poderão participar nos debates e elaboração do programa do partido. Por outro lado, o UDF conta criar uma "fédération internet", que terá os mesmos estatutos que uma "fédération départementale".

Ou seja, posto isto, só nos resta fazer o paralelismo entre a precaridade laboral coeva e a militância pós-coeva, onde a fragilidade de ligações societais ao mundo partidário é fomentado pelos próprios partidos (apelidado por um comentador "Un engagement light").

[Shift]

Publicado por [Shift] às 09:27 PM | Comentários (7)

Partiu a louça toda

O pequeno mundo da política portuguesa e das redes bloguísticas descobriu que afinal o Louçã também se pode espalhar.

Uma frase e atiraram-se logo todos ao ar: "O senhor não sabe o que é gerar uma vida. Não tem a mínima ideia do que isso é. Sei o que é o sorriso de uma criança. Sei o que é gerar uma vida."

No Barnabé, o irmão do ZG saiu em defesa do chefe. Outro gajo do Barnabé, Pedro Oliveira, por sinal também ele prof. da FCSH, chamou qualquer coisa como moralistas jacobinos aos gajos do BE. O Vale de Almeida criticou Chico Louçã e lamentou que "não tenha resistido à hegemonia linguística e discursiva do armário.". Os blogues da malta do CDS e aparentados, com um prato quente destes, partiram logo a louça toda.

Criticar o Louçã é do mais elementar bom-senso. Mas é também, na esmagadora maioria dos casos, da mais elementar hipocrisia. É que o Louçã limitou-se a insinuar aquilo que toda a gente já comentou em tom galhofeiramente irresponsável sobre o Paulo Portas: parece que o moço é paneleiro, gay, homossexual, rabeta, o que se queira.

Toda a gente já se riu e insultou o Paulinho das feiras em todos os lugares possíveis e imaginários da vida social, à direita como à esquerda da política (toda a gente não, há sempre quem consiga fugir à "hegemonia discursiva do armário", é justo reconhecer e louvar).

Até aqui neste blog postamos uma fotografia do Beco da Bicha, embora possa falar por todos e acrescentar que não nos orgulhamos disso.

No fundo, só queria dizer que me mete nojo a moral pequeno-burguesa que toda esta gente encena de si para os outros e dos outros para si.

Ninguém vai às putas, mas que as há, há.

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 08:49 PM | Comentários (6)

Teresa Caeiro ao Correio da Manhã

É inadmissível comprar o Correio da Manhã: um jornal sensacionalista, cretino, alinhado com a direita mais reaccionária e tristemente manipulatório, como vimos com todo este caso da Casa Pia…

No entanto, tendo eu tido acesso a uma edição – da revista que sai ao Sábado – não deixei passar a oportunidade de folheá-la…

Encontrei uma esclarecedora entrevista à Teresa Caeiro, a “neta de um militar”, que ia sendo a primeira mulher na Secretaria de Estado da Defesa e que afinal foi para a, criada á pressa, Secretaria de Estado das Artes e dos Espectáculos … lembram-se dela?

A título de serviço público, partilho algumas informações convosco:

Paulo Portas “trabalha quase 20 horas por dia” !

Note-se que é um novo recorde na direita portuguesa: O Professor Marcelo gaba-se de dormir 4 horas por dia, mas Paulo Portas, trabalhando 20, mais uma hora para banho, barba e vestir, vai às três ou duas muito facilmente…

A Teggy - como é carinhosamente chamada - com o Paulo Portas

Mais: Mantém uma relação com o Vasco Rato, o ridículo professor da FCSH, editor no blog de direita O Acidental.

Já imaginaram os filhotes destes dois? Ainda não nasceram e já apetece dar umas belinhas….

Mas a que eu gosto mais é: «Nós, os privilegiados, temos uma dívida imensa para com aqueles que, como costumo dizer, nasceram do lado errado da vida»

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 08:23 PM | Comentários (5)

Sobrevivência

Parece que a revelação das nossas identidades castrou a nossa vontade de escrever. Milhares de pessoas correm para nós nas ruas e pedem-nos explicações. Assim não dá, caramba!

[Rex]

Publicado por [Rex] às 01:23 PM | Comentários (8)

janeiro 21, 2005

A verdade a que temos direito - uma questão de identidade

Depois daquela brincadeira de mau gosto lá em baixo, tive que tomar uma atitude e repôr aqui a verdade que tod@s leitores/as do Spectrum merecem. É preciso meter isto nos eixos, acabar com esta anarquia. É preciso mais respeitinho. Ou qualquer dia ainda vem alguém para aqui dizer que o Nuno Cardoso é corrupto, que o Santana Lopes é um cabrão ou dislates ainda piores. Bom.

Na fotografia da esquerda para a direita:
Rex, Rick Dangerous, Sabouter, Paradise Café e Renegade.
Joystick, Operation Wolf e Shift estavam recolhidas na cozinha da palhota de Rick Dangerous preparando um saboroso caril de galinha com arroz no momento em que a chapa foi batida (por acaso, na passada segunda-feira).

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 09:48 PM | Comentários (7)

Haiku ao precariado rebelde

O nosso poser preferido tem um novo blog.

Para os trabalhadores da Vodafone

Vodafone parque das nações
visões de mirafiori
nada temam chegou o capitão

[Rick Dangerous]







Publicado por [Rick Dangerous] às 05:22 PM

Paradiso ocupado night club

Amanhã, a partir das 19 horas, cinema rebelde na Rua do passadiço, nº 26, ao jardim do torel. Há jantar vegetariano. Segue-se festa até altas horas.Toquem à campainha. Hedonismo nihilista e antagonismo audiovisual. Oops, we did it again. Fiquem atentos às cenas do próximo capítulo.


[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 04:35 PM | Comentários (1)

Santana queixa-se, e com razão!

Pedro Santana Lopes insiste na teoria da cabala da alta finança para derrubar o seu Governo, pois foi o governo que teve coragem para afrontar a banca, etc, etc.

Demagogia, mentira e populismo, naturalmente…

O seu OGE de 2005 e a política deste governo não belisca absolutamente nada dos interesses do grande capital financeiro. Antes pelo contrário: a abertura do caminho para os fabulosos negócios da Segurança Social, da Saúde, da Educação, da Rede Eléctrica, das estradas, da água, etc. temperado com um código do trabalho que dá mais força a um dos lados da barricada da luta de classes e de uma redução de impostos sobre o rendimento, faz o “caldinho” dos sonhos de qualquer capitalista.

Apenas o fait-dîver do fim dos benefícios fiscais nos PPR’s, pode vir a prejudicar este ano um pouco as vendas... Mas o que é isso a comparar com a suposta “falência do sistema contributivo de segurança social” e com a “necessidade de sustentar o sistema com uma componente de capitalização cada vez mais reforçada”?

Mas o que é certo é que Santana queixa-se e parece ter os seus motivos.

O problema é que os motivos são outros.

traicao.jpg

O problema é que a sua profunda incompetência e falta de capacidade de trabalho é sobejamente conhecida por todos, nomeadamente por aqueles que tiveram a ocasião de estar mais próximo dele… Enquanto Advogado, enquanto Secretário de Estado da Cultura, enquanto Presidente desse pequeno município sazonal que é a Figueira da Foz, enquanto Presidente deste município que é Lisboa e que chegou a um estado de degradação pior do que o que houve no tempo de Abecassis.

Realmente acho que a banca e os patrões “puxaram-lhe o tapete”… e fizeram-no, primeiro timidamente, quando foi da 1ª auscultação de Sampaio, quando o Durão fugiu para Bruxelas, e fizeram-no depois, com toda a confiança e determinação quando se aperceberam que José Sócrates era um homem muito mais capaz, de pegar e levar para a frente, o projecto neo-liberal em Portugal.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 03:39 PM | Comentários (1)

Das Deutsche Kettensägen Massaker

Acho que uma coisa que ninguém devia saber é que este filme existe.

Para os que estão indecisos em relação a carregar no link e descobrir o que é, acrescento que a tradução do título para inglês é "The German Chainsaw Massacre".

[Rex]

Publicado por [Rex] às 12:57 PM

Festa, este Sábado à noite

Festa.jpg

Amanhã, Sábado, a partir das 18 horas, há animação na nova Casa Ocupada de Lisboa.

Começa com cinema, passa para jantar e segue para festa...mais pormenores não sei.

A Casa fica na Rua do Passadiço, nº 26 ao jardim do torel. Não tem que enganar: Se vão pela Av. da Liberdade a fora, em direcção ao Rio, pelo lado esquerdo, depois de passarem o Vitória, sobem pela Rua das pretas (como quem vai para a JukeBox), continuam a subir, e a Rua do passadiço é algures à esquerda...Vê-se logo.

Trata-se de um belíssimo espaço abandonado há anos, à espera de investidores e de "um bom clima fiscal" para se fazer mais um condomínio privado... Venham conhecê-lo, descontrair um pouco e dar força ao pessoal que insiste lembrar que isto da propriedade privada ainda não é um assunto arrumado.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 11:28 AM | Comentários (5)

Já agora...

Já agora que estamos numa de agradecimentos, obrigado ao blog da ATTAC Portugal e ao Golfinho (com quem já me cruzo com gosto há muito tempo, sob outros nicks...)

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 11:13 AM | Comentários (1)

Late Night Technorati

Fomos o blogue do (início do) dia na terça-feira aqui e passámos a integrar a lista de favoritos aqui. Às duas, obrigado.

[Rex]

Publicado por [Rex] às 02:54 AM

Imperdível!!! Brilhante!!!

Quem não viu esta animação ontem no telejornal da SIC?
Vão até à página e façam download.
A animação sobre a disputa Bush-Kerry é também fabulosa. A outra sobre Washington DC também. Os gajos até têm um blog.
A brincar, a brincar, se dizem as verdades...

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 02:28 AM | Comentários (2)

janeiro 20, 2005

Deus nos livre

Bush define luta pela liberdade no mundo como prioridade para o segundo mandato

[Rex]

Publicado por [Rex] às 08:59 PM | Comentários (2)

CDU Reloaded

Confesso que a relação do PCP com as novas tecnologias sempre me causou um certo desconforto. Para sempre na memória ficará o Yahoo! Group do Ensino Superior de Lisboa, cujos arquivos estão fechados ou, provavelmente, já apagados.

Mesmo assim, acho que têm feito um esforço interessante para manterem a página actualizada e com bom aspecto. Essa onda está também na CDU, que amanhã inaugura a Rádio CDU com uma entrevista ao Jerónimo.

Claro que o texto da web-letter que anunciava as novidades se limitava a:

Clique no seguinte endereço:

http://www.pcp.pt/newsletter/newsletter20050120.htm

Lá está, não pode ser tudo à canelada, não é?

[Rex]

Publicado por [Rex] às 07:22 PM | Comentários (6)

Homo Lapsus - espécime político em contínua evolução, contra todas as expectativas ecológicas

[Joystick]

Publicado por [Joystick] às 04:12 PM | Comentários (4)

Hartz IV

Um bom post da Rita Dantas sobre uma reforma que está a fazer mexer a Alemanha.


«Hartz IV» é pobreza por lei. Fora com ele!

O cartaz é do PDS, simplisticamente conhecido como o herdeiro político do SED.

[Rex]

Publicado por [Rex] às 02:48 PM | Comentários (3)

Assim vai a pré-campanha (II) em Coimbra

Depois dos fabulosos depoimentos dos candidatos PS sobre sobre a co-incineração, e depois do ainda mais fabuloso (e replecto de profundidade política) depoimento da cabeça de lista do PS - Matilde Sousa Franco - sobre a sua estreita ligação ao Distrito: «Foi aqui que me apaixonei pelo meu falecido marido»; e o não menos cómico «tenho o bichinho da política»; eis senão quando, Zita Seabra, cabeça de lista do tio Santana Lopes, entra em cena...

Coimbra.jpg

Zita Seabra, revelou ontem ter "um grande respeito pelo papel desempenhado em Portugal pela Igreja Católica".

"Temos de viver com os nossos valores, que são os valores católicos!".

"Ao não reconhecer essa tradição, alguns países da Europa - como a França, a Alemanha e a Espanha - correm um risco sério de perda de identidade".

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 11:00 AM | Comentários (2)

Assim vai a pré-campanha...

Quem é o responsável pela campanha eleitoral do PSD? Algum infiltrado do Bloco? Algum agente secreto da 4ª Internacional?

Parece-me que se está a tornar evidente!

Depois da tragédia que foi o (não) cartaz dos 5 cavaleiros do apocalipse (“ninguém fez mais por Portugal”), agora o PSD lançou um out-door gigante com números relativos ao Desemprego e a dizer: «O DESEMPREGO É UM PROBLEMA SÉRIO. PARA O BLOCO DE ESQUERDA É UMA PIADA»

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 10:41 AM

Governo PSD/PP nomeou 72 pessoas desde que soube que ia haver eleições

O Governo nomeou, até ontem, um total de 72 pessoas desde que Santana Lopes anunciou ao país que o Presidente da República iria dissolver o Parlamento, de acordo com uma pesquisa do Jornal de Negócios aos despachos publicados em Diário da República.

Desde que o Executivo entrou em gestão, no dia 13 de Dezembro, Santana Lopes e os seus ministros efectuaram 30 nomeações, três das quais para cargos de direcção superior, o que contraria o novo estatuto dirigenta da Administração Pública.

Em termos globais o Governo de Santana Lopes já nomeou um total 1.349 pessoas desde que tomou posse. Um número acima das 1.260 nomeações efectuadas em igual período de tempo por Durão Barroso.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 09:53 AM | Comentários (2)

janeiro 19, 2005

Que susto

Última hora do Público

Bolsa: Nova Iorque fecha em queda

Por momentos naveguei no terror e na alegria ao mesmo tempo mas, afinal, não se passa nada...

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 11:06 PM | Comentários (2)

Cuequinhas d'aço!

Pedro Mexia, "abençoa" a ameaça de morte de Clint Eastwood ao Michael Moore.

Gosto destes tipos de direita, e destes posts de tipos de direita, que dizem logo ao que vêm.

Para demagogiazinhas e dissimulações, já temos muitos opinion-makers que nos chegue... assim é mais puro, mais sincero: "há gajos que querem assassinar um cineasta de esquerda e eu dou todo o meu apoio".

Já estão a ver porquê que desde o início, nós aqui no Spectrum, optamos escrever sob nick-name... Esta malta tem muito poder, tem muito dinheiro, muitos conhecimentos... e pelos vistos, vontade em tramar uns gajos, não lhes falta.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 01:58 PM | Comentários (3)

Estudassem!

Os betinhos do Acidental estão todos orgulhosos porque “são lidos” em todo o mundo…

É evidente que o Acidental é um dos Blogs portugueses mais lidos, mas com todo o seu orgulhozinho tolo, nem se aperceberam que a maior parte dos hits (nomeadamente os internacionais, claro) não são de “leitores” mas sim de cibernautas ocasionais que através dos motores de busca acabam de passar pelo blog deles… ou será que alguém pensa que algures na Roménia ou no Senegal, está alguém muito preocupado em saber o quanto é que o Dr. Paulo Portas é um garante de estabilidade para o governo, ou que o CDS é prejudicado pela comunicação social?

Mas tomem lá esta: Então em Israel, um dos países-modelo para “os Acidentais”, palco privilegiado do “choque de civilizações”, onde ainda por cima “os mouros” levam diariamente o tratamento que eles acham que merecem, não há ninguém que aceda ao blog deles?

Caramba, que injustiça!... Sabem, nós, cá no Spectrum, temos uma leitora habitual de Israel. Inveja? Estudassem!

[Saboteur]

careta.bmp

Publicado por [Saboteur] às 11:58 AM | Comentários (5)

É a retoma!

desemprego.jpg

Segundo dados ontem revelados pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), o número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Portugal (que como sabemos, não são todos os empregados do país) teve um incremento no ano de 2004 3,6%, representando 513.809 pedidos de emprego.

Os números são aterradores e se verificarmos a tendência, mais atordoados ficamos:

Comparemos, por exemplo, os números de Dezembro de 2004 com Dezembro de 2003, ainda o Fujão Barroso estava longe de pensar que os seus amigalhaços da Europa o iam convidar para Presidente da Comissão Europeia e o professor Marcelo garantia todos os Domingos na TVI que a retoma vinha aí cheia de força (e até fazia gráficos em “V” num papel – vi eu! – belos tempos…):

O número de novos desempregados registados no passado mês de Dezembro, face ao mês homólogo, cresceu 5,6%; o nº de ofertas de emprego colocadas no IEFP decresceu 12% e o nº de colocações que aquele instituto conseguiu realizar, decresceu 21,3%.

Finalmente – outro indicador extremamente importante – o desemprego de longa duração – mais de 1 ano de desemprego – sofreu um acréscimo significativo e absolutamente invulgar em economias desenvolvidas: 11,7%!

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 10:58 AM | Comentários (1)

janeiro 18, 2005

O 3º mais rico

Esta semana este homem em entrevista à Judite de Sousa:

-Diga-me dr. Coutinho, como um dos homens mais ricos de Portugal, qual é a causa e como sair da crise?
-Temos de pensar, abrir os horizontes, a nossa Constituição é um grande entrave, não é uma Constituição para o século XXI
-O que é que, em seu entender, é necessário modificar na Constituição?
-Não queria entrar em detalhes.

[Operation Wolf]

Publicado por [Operation Wolf] às 10:14 PM | Comentários (4)

Morreu ontem Zhao Ziyang

[Rex]

Publicado por [Rex] às 08:15 PM | Comentários (3)

Ai dos vencidos (1934-2005)

A tradição dos oprimidos ensina-nos que o "estado de emergência" no qual vivemos não é a excepção, mas a regra. Devemos alcançar uma percepção da história que mantenha este ponto de vista. Então compreenderemos claramente que a nossa tarefa é gerar um verdadeiro estado de emergência e que isso irá melhorar a nossa posição na luta contra o fascismo.
Uma das razões pelas quais o fascismo teve uma oportunidade é que, em nome do progresso, os seus opositores encaram-no como uma anomalia histórica. O actual espanto, de que as coisas que experienciamos "ainda" sejam possíveis no século XX, não é filosófico. Este espanto não é o início do conhecimento - a não ser que seja o conhecimento de que a visão da história que está na sua origem é insustentável.

Walter Benjamin, Teses sobre a Filosofia da História

Foi há 71 anos mas podia ter sido ontem. A regra é a mesma. Mais uma vez, depois dos dominantes, falarão os dominados.
Comentários ao livro de Fátima Patriarca sobre o 18 de Janeiro de 1934 aqui.

[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 12:26 PM | Comentários (1)

janeiro 17, 2005

Adivinha quem voltou

[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 04:00 PM | Comentários (1)

Agora não, sei lá

Margarida Rebelo Pinto recusou convite de Santana Lopes para integrar as listas do PSD(-PPD?).

[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:47 PM | Comentários (1)

Estaline ainda vive?

Ontem, para aproveitar o bom tempo, fui a um parque onde existe um enorme memorial soviético cuja existência me era praticamente desconhecida. Se não é uma coisa de outro mundo é, certamente, uma coisa de outro tempo.

A tradução e mais fotografias aqui.

[Rex]

Publicado por [Rex] às 01:02 PM | Comentários (4)

As minhas medidas de governo para 100 dias (nem era preciso tanto)

0. O governo recém empossado demite o Presidente da República, o Papa e o presidente do FMI, bem como todos os nomeados por governos posteriores ao 25 de Abril de 1974. O governo declara a anti-República.
1. O governo promove a invasão e ocupação da Quinta da Marinha, do bairro da Lapa e do bairro da Foz por ex-trabalhadores fabris do Vale do Ave e habitantes dos bairros sociais das periferias urbanas. Colocação dos ex-inquilinos em residência vigiada nos bairros sociais com vista para a Av. Ceuta e 2ª Circular. Os que não couberem podem recorrer aos quartéis das forças armadas (v. ponto 6).
2. Socialização dos Mercedes, Jipes e BMWs, assim como de todos os cargos de gestão e administração de empresas, fundações, universidades e serviços do Estado pela comunidade Cabo-Verdiana.
3. Incêndio metódico e sistemático dos Centros Comerciais de norte a sul (começando em Valença e terminando em Curral das Freiras). Confisco prévio do recheio e entrega em correio-azul nas praias tailandesas. Ver se Filipe Scolari pode dar uma ajuda.
4. O governo repõe a taxa de utilização de televisão: 50 Euros por aparelho retransmissor. Aumento de todos os combustíveis em 100%. Aumento do Imposto Automóvel em 200%. Aumento do IVA máximo em 5%. Os jornalistas pagarão um imposto especial directamente proporcional ao número de palavras escritas no exercício da profissão.
5. O governo vende as praias, pousadas, parques naturais e áreas protegidas em lotes de acções nos mercados financeiros mundiais, mantendo uma minoria de controlo de 49% que impede o domínio do capital estrangeiro sobre os bens nacionais.
6. As forças armadas são oferecidas aos povos oprimidos do Tibete, Curdistão, Palestina e Cabinda para que finalmente possam tratar da sua libertação. Se os povos oprimidos recusarem a oferta, as forças armadas deverão engrossar as fileirass do terrorismo internacional, de preferência islâmico. As instalações militares serão reconvertidas em albergues para as ex-classes altas e médias-altas.
7. Os deputados e membros do governo, os dirigentes partidários, os Presidentes de Câmara, assim como os membros das vereações, Assembleias Municipais e de Freguesia e Juntas, serão obrigados a trabalhar. As polícias serão enviadas para a fronteira deter os tanques espanhóis.
8. Alberto João Jardim e seguidores serão despachados num Falcon da extinta força aérea com depósito a metade e direcção bloqueada para a Antártida. A possibilidade de inclusão nesta medida de outros chatos do mesmo calibre far-se-á no limite de aviões disponíveis, incluindo todos os apresados nos aeroportos do país quando da tomada de posse do novo governo.
9. Os arguidos e acusados dos processos encalhados nos tribunais são todos condenados, assim como todos os queixosos. Se as prisões não chegarem para todos, dever-se-á procurar uma solução no quadro das instalações militares disponíveis. Em alternativa, ver as capacidades dos estádios do Euro 2004.
10. O governo não é um governo revolucionário nem reaccionário. O governo não quer ser governo. Por isso, o governo entrega as chaves da anti-República a quem, aqui chegados, ainda assim quiser governar esta merda, e vai para casa dormir com tampões nos ouvidos.

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 01:23 AM | Comentários (3)

janeiro 16, 2005

Rendez-vous, Place de la République

Enquanto que em Portugal as mulheres continuam a ser mutiladas pela lei da IVG vigente, Paris acolheu ontem uma manifestação nacional pela defesa e o reforço do direito ao aborto, formalizado em França por uma lei instituída a 1975 (na prática em 1979). Mas mais além da mobilização pela contracepção gratuita, pelas campanhas regulares de informação sobre a IVG e planeamento familiar, etc, etc, foi um belo momento de festejo e de propaganda política sobre a guerra, o tratado constitucional europeu e o feminismo.
Como sempre, depois da manif, cheguei a casa com os bolsos cheios dos papeis acumulados ao longo de todo o trajecto… ora, venho por este meio partilhar a iguaria que encontrei num desses bolsos: tradução livre
"Mouvement Pour un Parti Matriarcal (MP1PM)
Lembremos os principais pontos deste movimento féministe mixte:
- O ateísmo ou pelo menos o agnosticismo são necessários à luta contra esta peste emocional que são as religiões e as seitas; […]
- Considerar o sexismo como uma forma de racismo;
- Compreender a ordem burguesa como o recurso de todos os males da sociedade; […]
- Defender a sexualidade natural e contestar os comportamentos histéricos (ciúme) e criminosos (violações) […]
- Evidentemente, seguir os trabalhos de Wilhelm Reich e Herbert Marcuse começados pelo primeiro com SEXPOL no plano político, sendo esta, no nosso ponto de vista, a única maneira de ganhar a causa

Enfim, as nossas bandeiras de luta:
1- O não ao uso da gravata pela parte dos homens
2- O não à depilação pela parte das mulheres, nomeadamente nas axilas

[…] Talvez até breve e saudações peludas […]"
Para quem estiver interessado na causa… site internet

[Shift]

Publicado por [Shift] às 09:09 PM | Comentários (3)

«O que eu faço por um tacho...»

Nada sei sobre a co-incineração, mas estas declarações dos candidatos do PS por Coimbra, retiradas do Diário de Coimbra de 16 de Janeiro, deixaram-me esclarecido:

Horácio Antunes
«Para já não falo. Quando fizer é em público, nunca individualmente».

Teresa Portugal
«Não digo nada sobre esse assunto enquanto não ler o programa do PS. Mas tenho a minha posição sobre essa matéria, claro»

João Portugal
Só tenho uma coisa a dizer: no PS, quando se aceita ir na lista de deputados, devemos aceitar a disciplina partidária e aceitar o que vem da Direcção Nacional, seja co-incineração ou não. O partido deve falar a uma só voz, sempre, a não ser que o partido dê liberdade de voto»

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 02:12 PM | Comentários (1)

Cinema grátis

Ontem disseram-me uma coisa que nunca me tinha passado pela cabeça:

No El Corte Inglés, como os cinemas só têm um segurança à entrada daquela àrea que dá acesso às várias salas, é prefeitamente possivél ver dois filmes pelo preço de um. Sobretudo aos fins-de-semana, que é quando está mais gente.

O problema destes pequenos segredos é que a certa altura deixam de ser segredos, colocam lá mais seguranças, etc... De qualquer forma, talvez esteja a contribuir para que sejam criados mais 5 ou 6 postos de trabalho em Lisboa...

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 01:35 PM | Comentários (2)

janeiro 15, 2005

Pina, o sobressaltado

Pina Moura, ex-ministro das finanças de Guterres e tido muito próximo do futuro primeiro-ministro, José Sócrates, deu uma entrevista ao Independente.

Como não queremos que gastem dinheiro a comprar esse jornal direitolas, cá vão algumas citações que creio serem importantes para nos apercebermos do que é que a casa gasta e vai gastar…

[Saboteur]

«O grande objectivo da próxima legislatura, em termos de finanças públicas, será reabsorver o défice excessivo para valores compatíveis com o Pacto de Estabilidade e Crescimento»

«A Contratualização se serviços públicos com privados é para aprofundar?»

«Absolutamente»

«Sou absolutamente a favor de um combate aos evasores fiscais, mas sou contra uma sociedade de delactores.»

O director-geral dos impostos merece o salário que recebe?

«Se queremos uma Administração Pública capaz e eficiente, ou uma classe política com as mesmas características, vamos ter de nos interrogar sobre a respectiva política salarial.»

O código de trabalho que foi criticado pela esquerda deve ser revogado?

«Não. A posição do BE e do PCP nesta matéria é muito curiosa. Muitas vezes pergunta-se: “Porque não uma maioria do PS com o PCP ou com o BE?” (…) Mas há diferenças radicais quanto à necessidade e urgência de um sobressalto reformador na sociedade portuguesa. Em regra, o BE e o PCP são sempre contra qualquer mudança, até à mudança seguinte.»

Se estivessem mais perto de governar podiam mudar?

«Não. Qualquer aproximação, em termos governativos ou paragovernativos, do PS em relação a outras forças de esquerda significaria entravar a possibilidade de o PS (…) promover o sobressalto reformador na sociedade portuguesa (…)»

«Os socialistas não devem esquecer que o PCP e o BE votaram com a direita em 2000 e 2001 os OGE que desagravavam os impostos.»

Publicado por [Saboteur] às 12:23 PM | Comentários (3)

janeiro 14, 2005

Poema para o malfadado cartaz do PSD - AO GÉNERO FAUSTINO MEETS BOCAGE

PSD1.jpg

Quisera ele ser o Pedro de Inês,
Decretar, post mortem, o mão beijar
Mas Camarate foi onde ela se desfez
Não restando dedinho anelar.

“Por quem sois, senhor, por quem sois?”
Gritou o nobre da corte doutoral,
“Pôr meu nome ao lado desses bois,
acho eu que fica muito mal”.

E havia, ainda, um outro Infante,
Na Flandres exercendo o seu ofício
Que confessou do pelouro lá distante
“Este meu irmão tem cá cada vício!”

E o excelso escrivão do Reino muito calado,
Olhando de soslaio o espalhafato,
E, agarrado à pena, ficou tentado,
A escrever sobre a montanha que pariu um rato.

[Joystick]

Publicado por [Joystick] às 06:51 PM | Comentários (3)

Talkin' bout my generation

0- Prado Coelho escreveu na 3ª feira acerca da geração do meu irmão e dos meus primos. O tema é um pouco recorrente, mas Coelho é um pós-moderno rasca, que se pode dar ao luxo de repetir o que outros - mais inteligentes e profundos do que ele - escreveram e estudaram, mantendo o tom de quem fala de alguma coisa absolutamente nova e original.

O artigo de Pacheco Pereira na 5ª feira, que nem é nada de especial enquanto resposta (assumo que é uma resposta partindo do pressuposto, em geral errado, de que não há coincidências), assume as distâncias devidas em relação a parte das idiotices do outro.
Toda esta discussão ao nível das elites intelectuais portuguesas, acerca do decadentismo do conhecimento, da cultura e das relações sociais, diz-nos evidentemente muito menos acerca dos meus primos e do meu irmão (e já nem sequer questiono - embora devesse - a validade da categoria de "geração" para compreender o que quer que seja) do que acerca da velhice de Coelho , da irrelevância das suas opiniões para lá do contexto específico em que os seus discursos se elaboram, da sua incapacidade de compreender o que está para lá da sua formação humanística providenciada pelos Liceus do estado novo, pelas bolsas parisienses ou pelas frívolas conversas que são próprias dos ambientes universitários em que se move. Em todo o caso, ouvi-lo falar acerca de cultura provoca-nos sensações fortes.

[Rick Dangerous]


1- Mas há alguma lógica em tudo isto e torna-se interessante inverter o olhar arrogante e superficial de Prado Coelho, partindo do concreto das nossas variadas e contemporâneas misérias, para a visão poética própria de quem olha o passado como um tempo para sempre perdido, cujo ocaso se chora, precisamente porque nunca chegou a existir.

"Como é que chegando a casa às cinco da manhã se consegue ler um livro no dia seguinte? Ou mesmo seguir uma aula? [...]Escutando as conversas destes candidatos à adolescência, concluo que têm um vocabulário sucinto e concentrado em certas áreas temáticas. Que utilizam obsessivamente determinados estereótipos. Que por vezes deslizam para formas que se aproximam do grito ou do grunhido.[...]Estes jovens não têm os mesmos rituais linguísticos que nós tínhamos. Na minha geração, a linguagem era um instrumento de sedução em que a rapariga deixava que as palavras a tocassem afectivamente. Aflorar com a mão o joelho trémulo era o mesmo que ir buscar uma citação de um poeta: mostrava-se entre duas pessoas um espaço de encanto e delicadeza. Hoje, rapazes e raparigas falam exactamente a mesma linguagem, feita de piadas algo boçais e convites explícitos. A linguagem não tem zonas secretas nem assimetrias sexuais. Instrumentalizou-se sem invenção nem insinuação. Os códigos amorosos perderam subtileza e requinte".

2- Deixamos também de lado a frase em que Prado Coelho se descai e fala de "grunhidos". Comparar as suas afirmações às dos colonizadores espanhóis no México ou dos Britânicos na Índia, de Tintin no Congo (Prado Coelho decerto leria "O mosquito" durante a sua pré-adolescência, ou estaria já a confrontar-se com a ruptura epistemológica introduzida pelo estruturalismo ?) talvez fosse interessante, mas afastar-nos-ia do que mais interessa. Para além disso, depois de Foucault e Saïd, bater nos discursos eurocêntricos e classistas acerca do "outro" tornou-se demasiado fácil.

3- Comecemos pelo livro, o tão importante livro cuja leitura nos é negada pela hora tardia a que nos recolhemos a casa. Assim como está, dá a ideia que Coelho considera que "o livro", qualquer livro, serve. Parece-nos até fascinado, obcecado com o objecto, como se de um fetiche se tratasse.
Mas se um livro são apenas folhas de papel com caracteres, materializado apenas pela nossa cultura, que nos permite atribuir sentido e significado ao que lá está impresso, o que fará Prado Coelho pensar que não existe sentido ou significado ou mil outras coisas nos movimentos de quem dança ou nos gestos explícitos dos convites sexuais?
E será assim tão incómodo pensar que estes pré-adolescentes não necessitam das palavras de nenhum poeta para comunicar o desejo dos seus corpos ou as emoções das suas mentes? E que, quando necessitarem, farão poesias com as quais Prado Coelho não sonha ? E que ninguém lhe garante que não o façam já, sem que ele lhes atribua essa dignidade nem lhes dedique um lugar na sua biliografia? E que talvez não mantenham esta burgessa e patriarcal visão da sedução, em que o rapaz diz poemas enquanto a rapariga se deixa tocar por eles?

4- Talvez, então, o que realmente incomode Prado Coelho seja o difícil confronto entre a cultura produzida e proposta pelas pessoas que, como ele, acordam cedo para lêr livros, e o olímpico desprezo que milhares de pessoas lhe reservam, precisamente por não ser a sua cultura.
Quem precisa de flôres na lapela se não o poder difuso que tudo controla e intelectuais como Prado Coelho, que com ele se deitam e à sua mesa almoçam?

5- Mas se o poder difuso tem outro tipo de agilidade e facilidade em deitar fora uma flôr e substitui-la por outra, da mesma forma que deslocaliza a produção para o sudeste asiático ou substitui Santana por Sócrates, já Prado Coelho, assalariado altamente especializado, formado para desempenhar um papel específico no modo de produção cultural, terá grandes dificuldades em se reconverter (não tenhamos demasiada pena do operário da cintura industrial de Lisboa, ele não está sozinho na sua posição defensiva).

6- Entre outras coisas porque tarda em perceber que o tema fundamental das conversas entre pré-adolescentes (as tecnologias de comunicação) não são apenas um meio adicional para a circulação de ideias e significados, mas peças fundamentais na produção do real, na configuração das relações e das atitudes, na delimitação e subversão de fronteiras e na descoberta de novos continentes. E nesse sentido, os meus primos e o meu irmão são muito mais complexos do que o fio do horizonte que Prado Coelho boçalmente contempla.
As zonas secretas da sua linguagem permanecem invisíveis ao seu olhar - e por isso mesmo são tão carregadas de significado -, os códigos amorosos procuram constantemente o terreno da transgressão, com a naturalidade do respirar, própria das pessoas que estão vivas.

7- Ou pensaria Prado Coelho que ela - a transgressão - existe apenas nos espectáculos de Fura del Baus a que ele assiste, na 1ª fila do CCB, com o seu bilhete de 40€ no bolso, enquanto se interroga frustrado, acerca das razões pelas quais não foi antes ver uma boa sessão de hard-core no Olímpia?

Publicado por [Rick Dangerous] às 03:44 PM | Comentários (4)

Com a crise que anda para aí... Foi o melhor que se conseguiu arranjar.

PSD1.jpg
Solução de recurso para os novos cartazes do PSD


Publicado por [Rick Dangerous] às 03:07 PM | Comentários (1)

Onde está o teu extremo-oriente, meu Fernão Mendes Pinto de merda?

Segundo Jorge Sampaio, a democracia na China não pode ser imposta de cotovelo e à canelada. O respeito pelos direitos humanos é um longo processo sucessivo e civilizacional.
Sampaio garantiu aos alunos [de Português da Universidade de Pequim] que a China não é uma entidade estranha aos portugueses, nem que não seja, salientou, pelo facto de haver tantas lojas e tantos restaurantes chineses em Portugal.

Não sei se me faço entender. Para Sampaio, os chineses que fabricam micro-chips e fibras óticas em segundos ainda estão a aprender que isso de prisões em massa, torturas, censura, proibição de greves e sindicatos, é uma beca atrasado. Eles não têm culpa coitadinhos, é mesmo assim, custa-lhes a abandonar esses hábitos profundamente arreigados no imaginário popular.

Que camponês do Yang-Tzé, que operário de Shangai é que passa sem a sua saudável e milenar dose diária de repressão? Até lhe custava a adormecer à noite.
O que só torna compreensível que tantos tenham escolhido Portugal para vir abrir lojas e restaurantes. Por estes lados também ainda estamos a aprender. De cotovelo e à canelada. De bastão, caçadeira e gás pimenta. Aqui os bons hábitos não se perdem do dia para a noite. É reconfortante pensar que o Jorge vela para que nenhuma inesperada dose de liberdade e democracia, lá como cá, nos venha surpreender com a habitual brutalidade de um maremoto.
Como diz a sabedoria popular, "devagar se vai ao longe... pode-se é demorar milhares de anos a chegar".

[Rick Dangerous]


Publicado por [Rick Dangerous] às 03:07 PM | Comentários (3)

Os ares da Europa fazem bem ao Durão

O cherne quando 1º Ministro de Portugal


O cherne depois de Presidente da Comissão Europeia


[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 02:24 PM | Comentários (1)

Qualquer dia...

Televisao.jpg

No final de mais um dia de trabalho, apanho o metro na estação do Marquês de Pombal.

As pessoas, cansadas, meio apáticas, procuram quase instantaneamente os ecrãs gigantes de Televisão que lá instalaram e que passam as imagens que acompanham o som, demasiado alto, que sai dos altifalantes por cima das suas cabeças.

Funciona como uma espécie de anestesia para as pessoas que procuram (inconscientemente, até) “passar o tempo”, esquecer o que ainda lhes falta para chegar a casa, as condições em que vão ser transportadas, e depois o que lhes espera: os filhos, as tarefas domésticas, mais TV de merda…

O que se passa naqueles ecrãs é vergonhoso por ser tão claramente manipulatório: Ora uma notícia, ora um anúncio, ora uma notícia ora um anúncio…

Não há separadores de publicidade, não há como fugir. Tento concentrar-me no meu livro, mas o som alto é eficaz contra uma cabeça cansada… Agora passam um videoclip, mas que é interrompido a meio por mais publicidade…

Reparo nas colunas e nas câmeras, fortemente pretegidas por metal, bem soldado e bem aparafusado às estruturas que as sustentam.

Os responsáveis por esta violência contra os cidadãos sabem bem os riscos que correm e souberam precaver-se.

Para quando uma lição a estes gajos? Entrar por um lado e sair noutro, não deixando nenhuma puta de uma coluna inteira?

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 02:07 PM | Comentários (4)

O motor da ecomia mundial

O défice comercial americano marcha de recorde em recorde. O Departamento do Comércio dos EUA divulgou ontem as suas estimativas do défice comercial americano para Novembro. Contra as previsões da maioria dos especialistas, o défice agravou-se mais 7,7 por cento, atingindo o valor recorde de 60,3 mil milhões de dólares (45,9 mil milhões de euros).
Público, 13-01-2005

[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 02:51 AM | Comentários (1)

O partido com telhados de vidro

Segundo Edgar Correia, o memorando assinado pela Comissão Permanente dos Renovadores e pela Mesa Nacional do Bloco não representa um apoio eleitoral do Movimento da Renovação Comunista ao Bloco de Esquerda.
Um membro do Secretariado estará no parlamento - nos moldes que são públic(ad)os - há mais sete renovadores nas listas do bloco, um documento que fala de uma convergência que exprime um "amplo acordo", mas não existe qualquer apoio eleitoral. Claro como água, não?

Ao passo que Jerónimo de Sousa, que aquando da sua eleição para Secretário-Geral do PCP dizia que "não se deve estar na política com ódios e rancores pessoais" (mas existe alguma outra forma?), refere agora as listas do Bloco como "um depósito de velhas insatisfações e de zangados com a vida".
Não se está mesmo a ver? O jovem e promissor economista João Rodrigues e o Dr. Paulo Fidalgo, médico e pai de família, são velhos insatisfeitos zangados com a vida. Ao contrário dos candidatos da CDU, que como sabemos, são todos jovens generosos que levam o futuro nas mãos.

[Rick Dangerous]


Publicado por [Rick Dangerous] às 12:55 AM | Comentários (5)

janeiro 13, 2005

Sei que vão gostar desta...

A minha Direcção de Marketing enviou um "argumentário" para todas as Delegações a explicar como se explica aos clientes que necessitam de poupar.

Pois fiquem sabendo que "quando estamos reformados, não temos Participações nos Resultados, Carro, Cartão de Crédito, Ajudas de Custo"

Tal e qual. Com maiúsculas e tudo.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 03:56 PM | Comentários (1)

O "Observatório"

O Diário Económico é para mim um dos melhores jornais portugueses (a página é fraquita...), mas a edição de ontem mostra bem o pântano ideológico em que toda a comunicação social está metida sem se conseguir salvar.

Ontem, noticiaram que lançaram "o desafio de monitorização permanente do Estado do País a 14 personalidades públicas portuguesas".

Cada convidado é responsável pela identificação do seus indicadores, e com base nesses factos, escrevem um texto de avaliação, "criando assim uma base de reflexão sobre a realidade".

Tudo é passado como uma espécie de conselho cientifico, imparcial, equidistante, infalível, que vai avaliar a prestação "dos políticos", apontando-lhes, cientificamente, aquilo que eles fazem e dizem de bem e aquilo que dizem e fazem mal.

Esquecem-se só de avisar os incautos leitores, que a esmagadora maioria das suas 14 "personalidades", são pessoas altamente comprometidas política, partidaria e ideológicamente; actores principais daquilo que tem sido a história do Desenvolvimento português nos últimos 10 anos; nada imparciais e com muitas mais responsbilidades no estado em que se encontra o país hoje do que eu ou o leitor, ou mesmo do que muitos políticos no activo.

São:

- Saúde - António Correia de Campos
- Segurança Social - Diogo Lucena
- Banca - João Salgueiro
- Educação - Luís Valadares Tavares
- Finanças - Manuela Ferreira Leite
- Solidariedade Social - Maria José Nogueira Pinto
- Administração Pública/Justiça - Suzana Toscano
- Emprego - António Monteiro Fernandes
- Economia - João Ferreira do Amaral
- Ambiente - José Luís Garcia
- TI e Comunicação - Manuel João Pereira
- Vida Política - Marcelo Rebelo de Sousa
- Defesa - Miguel Monjardino
- Negócios Estrangeiros - Teresa Patrício Gouveia

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 02:23 PM | Comentários (1)

«O Spectrum feito pelos nossos leitores»

A FOTO CERTA NO MOMENTO CERTO

nobeco[2].JPG

Publicado por [] às 02:06 PM | Comentários (6)

A Alemanha está de tanga!

klamstwo-ma-krotkie-nogi.jpg

Sairam hoje os dados oficiais que situam o défice público da Alemanha nos 3,9% do PIB em 2004.

Pelo terceiro ano consecutivo, aquele país ultrapassou o limite de 3% estabelecido pelo Pacto de Estabilidade Europeu (PEC).

Em pânico, Schroeder decidiu chamar a Manuela Ferreira Leite e a sua maravilhosa equipa que pôs Portugal nos eixos nos últimos 3 anos.

O multimilionário saudita que comprou a titularização da dívida portuguesa (aquele que disse num documentário que passou na TV que "nunca fez um negócio onde não ganhasse pelo menos o dobro do que investia"), já se mostrou disponível para mais uma "ajuda" de emergência aos países vítimas da obsessão pelo cumprimento do PEC.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 10:20 AM | Comentários (3)

Guerra das Estrelas

A NASA lançou mais uma sonda para o espaço. A notícia pode ser encontrada em vários sítios, para os mais interessados. Resumindo, a ideia é mandar um projéctil do tamanho de uma máquina de lavar louça contra um cometa e ver o que é que sai lá de dentro. É um conceito interessante, sim senhor, não é aí que está o problema.

Passemos agora a alguns pormenores:

Nome da missão - Deep Impact
Nome do projéctil - Impactor
Data da explosão - 4 de Julho

Ora, este ano celebra-se o centenário da publicação pelo Einstein de dois artigos revolucionários, através do ano internacional da Física, e ainda é preciso que os cientistas "vendam" as suas ideias como se a um puto de 13 anos?! Que uma criança queira gastar a mesada toda numa coisa que se chama "Impactor", ainda é como o outro, mas um Estado gerido por gente crescida... Estou a imaginar a conversa:

Cientista - Tivemos esta ideia maravilhosa de abrir uma cratera enorme num cometa para descobrir do que é que ele é feito e, talvez, perceber um pouco melhor como é que se formou o Sistema Solar.

Político - Booooriiiing... Não temos dinheiro para essas tretas.

Cientista - Chama-se "Deep Impact", como o filme, e depois manda um míssil chamado "Impactor" e provoca o maior fogo de artifício de sempre no 4 de Julho.

Político - WOW! Tragam-me o livro de cheques!

[Rex]

Publicado por [Rex] às 08:55 AM | Comentários (2)

janeiro 12, 2005

Carolus

O Daniel chamou-me a atenção para este artigo na Vicipædia. Sempre a aprender...

[Rex]

Publicado por [Rex] às 10:16 PM | Comentários (9)

Era grande a vontade mas a do Bush era maior

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 08:46 PM | Comentários (1)

Sarmento explica os proveitos da viagem a S. Tomé e Príncipe, e o número de "incómodos" na prática de mergulho

[Joystick)

Publicado por [Joystick] às 07:37 PM | Comentários (2)

Bagão elogia as suas próprias qualidades...

Bagao_Felix.jpg


...e queixa-se de Paulo Portas

BFelix.jpg

Publicado por [Saboteur] às 05:43 PM | Comentários (2)

Viver Mata

Viver Mata.bmp

Tirado daqui.

Publicado por [Saboteur] às 12:19 PM

Um poeta no Bairro Alto há 200 anos (cerca de)

Aqui segue mais um sonetozinho do grande Bocage. Convém dizer, porque às vezes isto parece tudo normal, que os conteúdos deste livrinho estavam no Index do beato Salazar. Este foi comprado por um tio meu em 1967, por baixo da mesa.

XL

Pela Rua da Rosa eu caminhava
Eram sete da noute, e a porra teza;
Eis puta, que indicava assás pobreza,
Co'um lencinho á janella me acenava:

Quaes conselhos? A porra fumegava;
«Hei de seguir a lei da Natureza!»
Assim dizia, e effeituou-se a empreza;
Prepucio para traz a porta entrava:

Sem que saude a moça prasenteira
Se arrima com furor não visto á crica,
E a bella a molle-molle o cu peneira:

Ninguem me gabe o rebolar d'Annica;
Esta puta em foder excede á Freira,
Excede o pensamento, assombra a pica!

Bocage, Poesias eroticas, burlescas e satyricas, London, 1926.

Rua da Rosa, que foi feito de ti!

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 02:11 AM | Comentários (1)

janeiro 11, 2005

Então não se deveria privatizá-lo?

Segundo o Jornal de Negócios, o fundo de capitalização da Segurança Social voltou, em 2004, a bater os fundos privados.

O fundo de capitalização da Segurança Social registou uma rentabilidade bruta de 5,9% em 2004, o que representa quase o dobro do retorno alcançado pelos fundos Fundos Poupança Reforma, de 2,99%.

Então não deveria ser ao contrário? Tudo o que ouvimos na faculdade, nos artigos de opinião, na conversa de café... Está tudo mal?

Publicado por [Saboteur] às 10:26 AM | Comentários (5)

E não podiam dar também as moradas?

É que alguns leitores agradeciam...

[Saboteur]

Do Público de hoje:

«Para as próximas eleições, o Partido Nacional Renovador (PNR) só não conseguiu formar lista na Madeira. Em todos os outros 21 círculos eleitorais, o partido vai a votos. Em 2002, o PNR concorreu pela primeira vez às eleições legislativas, apresentando listas apenas nos círculos de Lisboa, Porto, Coimbra, Setúbal, Castelo Branco e Évora. Nessa altura, foi o décimo partido mais votado, atingindo 3962 votos, o que representa 0,07 por cento dos cidadãos que foram às urnas. Segundo as listas entregues ontem, José Pinto Coelho, membro da direcção do partido, encabeça a do círculo de Lisboa, Ricardo Lopes a do Porto, Luís Machado Roque lidera a de Braga, Ricardo Jorge Cardoso a de Coimbra e Carlos Filipe Dias é o cabeça de lista por Faro.»

Publicado por [Saboteur] às 10:17 AM | Comentários (3)

janeiro 10, 2005

Jerónimo de Sousa elogia as qualidades do Estaline

A mania que há de falar com os dois indicadores no ar e o facto de o pessoal dos jornais achar que isso dá boas fotografias irrita-me um bocado.

[Rex]

Publicado por [Rex] às 07:02 PM | Comentários (6)

O Spectrum feito pelos seus leitores

material para o Spectrum:

http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/asia-pacific/4157121.stm

rosa.va

Publicado por [] às 05:46 PM | Comentários (2)

Lisbon Story

O filme do Wim Wenders sobre Lisboa é muito bom. Para um emigrante, mesmo que de muito curta duração, como eu, sabe bem rever a cidade (fica a dica para os expatriados que visitam e/ou colaboram com o Spectrum). Os diálogos em português, inglês e alemão, assim como a música dos Madredeus, dão-lhe uma óptima cor.

sombra.JPG

Se alguém vir a Teresa Salgueiro, que lhe diga que eu também quero a chave, por favor.

[Rex]

Publicado por [Rex] às 05:06 PM | Comentários (4)

Vaias na Baixa da Banheira

O acordo entre o Movimento da Renovação Comunista e o Bloco de Esquerda já produziu vaias, pela mão do mui ilustre secretário-geral-ex-operário-metalúgico-para-toda-a-vida-funcionário do PCP, Jerónimo de Sousa.

Foi na Baixa da Banheira e os presentes gritaram "BUUUU".

BUUUU, que susto.

[Joystick]

Publicado por [Joystick] às 12:44 PM | Comentários (4)

Discussão acessa na Renovação Comunista

Renovacao.bmp

Ontem, numa das mais polémicas e vivas reuniões do Movimento de Renovação Comunista, decidiu-se assinar um acordo eleitoral com o Bloco de Esquerda.

Vamos lá ver o que isto vai dar...

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 11:05 AM | Comentários (4)

janeiro 09, 2005

Der Große Diktator

Ontem fui ao cinema ver "O Grande Ditador", do Chaplin.

O cinema (Cinema Internacional) é um edifício completamente Leste, na melhor avenida desse lado da cidade (a Karl-Marx-Allee, que já foi Stalinallee noutros tempos). Uma única sala com 550 lugares. Brutal.

Já tinha visto algumas partes na televisão, mas nunca a coisa completa. No fim ficou só um silêncio pesado. Saímos quase a correr e só na rua é que conseguimos começar a falar.

Isto tudo para chamar a atenção para o discurso final ("Look Up, Hannah").

[Rex]

Publicado por [Rex] às 11:02 PM | Comentários (1)

Educação pelas ruas da amargura

A semana passada tivemos o desprazer de ver cerca de 200 pais rojados pelo chão, ao relento nocturno de Janeiro, sujeitando-se a dormir na rua no saquito-cama, tudo em nome do futuro anunciado dos seus rebentos. Faziam-no por causa do colégio luso-francês, número 1 do ranking nacional de escolas do ano passado, que ia abrir portas e inscrições. O colégio prepara as crianças desde a creche até à entrada na faculdade.
Estes super-pais constrangem qualquer um pelo seu falhanço na saga heróica de educar. Mais tarde ainda podem atirar para os seus filhos igualmente falhados :"o que eu fiz por ti meu malandro, uma noite inteira ao frio só para te inscrever no melhor colégio do país".
Normalmente é este tipo de pais que se ausenta magnificamente no rolar normal do quotidiano, no dia a dia da escola e em casa. Se não estivessem ausentes saberiam o que significa um resultado neste tipo de ranking. Nós começamos a perceber. A saber: os critérios de aferição utilizados são exactamente os mesmos num colégio (em que a mensalidade paga é factor de limitação ao acesso) e numa escola que se insira numa zona social e economicamente frágil. Mas mesmo nas escolas públicas estas descrepâncias acontecem, não só pela localização sócio-económica das escolas mas porque estas podem escolher os seus alunos segundo critérios pouco claros. A Secundária do Restelo por exemplo, escolhe os alunos que entram para o sétimo ano pelas notas que trazem do 6º. Outro exemplo, os alunos do ensino recorrente ou nocturno não entram em qualquer critério do ranking, nem tão pouco os alunos com dificuldades especiais na apendizagem. Isto quer dizer que uma escola que ofereça serviços bons numa determinada área, como o ensino nocturno, isso não conta para nada, como aconteceu com a Secundária David Mourão Ferreira ao Camões, encerrada por falta de alunos porque todos os que frequentavam à noite não entraram nas estatísticas.
Não é possível comparar o incomparável, a não ser com outro tipo de critérios, os resultados dos exames são falaciosos, basta um aluno fazer um exame numa disciplina que a escola entra imediatamente para a média nacional do ranking.
Inventem-se novos pais dizia o outro.

[Operation Wolf]

Publicado por [Operation Wolf] às 09:50 AM | Comentários (3)

janeiro 08, 2005

Chirac aconselha "imperativamente"...

Al-Jezira_logo.jpg

Seguido à saga, que durou cerca de três meses, do sequestro de Christian Chesnot e Georges Malbrunot no Iraque, uma nova jornalista francesa, Florence Aubenas (correspondente do jornal "Libération"), encontra-se desaparecida desde quarta-feira. Embora a libertação dos dois jornalistas se tenha concretizado, depois dos esforços extenuantes investidos nessa libertação, o "Estado" parece cansado com todas estas aventuras pelo Iraque! O esfalfamento do "Estado Françês" espressa-se assim pelo discurso do seu representante diante os médias: "S'il y avait moins de journalistes sur place, il y aurait moins de risques.[…] On expose la vie des gens. Ce n'est pas raisonable." Aconselhando "formalmente" aos jornalistas para não partirem para o Iraque. Pim!Pim!Pim! INTROMISSÃO DO PODER POLÍTICO NO SEIO DOS LONGOS TENTÁCULOS DOS MÉDIAS... No entanto, pensando melhor, este conselho levado à prática a nível mundial, materializaria a nossa libertação temporária das correntes que temos aos médias ocidentais. Viva às informações chegadas do canal Al-Jezira !!!

[Shift]

Publicado por [Shift] às 10:42 PM | Comentários (1)

Um postal atrasado

MerryChristmas.gif


[Operation Wolf]

Publicado por [Operation Wolf] às 09:26 PM | Comentários (1)

Campanha das Bandeiras

A presença aqui, pela mão do Saboteur, da campanha das bandeiras da Grande Reportagem fez com que o número de pessoas que conhecem o blog aumentasse bastante (batemos o record de visitas num dia), mas a verdade é que não gosto dela.

Claro que achei que estava bem feita, que era uma ideia bem apanhada e isso tudo, mas é também um rol de preconceitos que, à partida, deixam adivinhar uma revista que só fala do óbvio. Em Angola metade das pessoas tem SIDA e a outra metade Malária? Na China quase todas as crianças pelos 14 já trabalham? No Burkina Faso poucas crianças sobrevivem até aos 3 anos? Claro que não. É assim que vamos "conhecer o mundo em que vivemos"?

[Rex]

Publicado por [Rex] às 01:23 PM | Comentários (2)

Enjoy High tech proletariat

Directamente a partir do posto de trabalho. Wild cat is not dead.

[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 02:57 AM | Comentários (2)

Salazar Reloaded

O caminho que Portugal deve percorrer tem coordenadas definidas, apreensíveis e aplicáveis por quem goze de bom senso e competência. Por um lado, trata-se de diminuir drasticamente o peso do Estado e a sua actividade, abrindo espaços para que quem pode e deve criar riqueza e emprego efectivamente o faça, abolindo-se todos os entraves inúteis à livre iniciativa, assim como todos os impedimentos à liberdade das famílias e dos indivíduos na condução das suas vidas conforme escolhas próprias. Por outro, trata-se de dotar o Estado dos mecanismos necessários ao reforço da sua autoridade nas áreas em que é insubstituível.

Francisco Mendes da Silva, Direcção da Juventude Popular
in Publico, 7 de Janeiro

[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 02:39 AM | Comentários (3)

janeiro 07, 2005

Expresso da meia noite

O tema foi lançado por Pacheco Pereira, que, com Francisco Sarsfield Cabral e Eduardo Prado Coelho, participou no programa Expresso da Meia-Noite, gravado ontem à noite em Belém e que será transmitido esta noite na SIC Notícias. O social-democrata defendeu que «temos um sistema eleitoral em que a pulsão do eleitorado é para um sistema bipolar», ou seja, «o eleitorado quer maiorias» e, por isso, «devia ser feito um esforço para diminuir o número de votos necessários para ter um governo monocolor».

Jorge Sampaio concordou de imediato e, mais à frente, afirmou não acreditar que, «na falta de entendimentos, seja fácil governar Portugal sem ser com maioria». O Presidente lembrou que «se construiu um vasto conjunto de interesses que é muito forte e consome muitas energias e, portanto, se não há um conjunto de mecanismos que favoreça essa formação de maiorias, o desgaste é evidente». O Presidente da República recordou ainda que «alguns acordos feitos na revisão constitucional de 1997 ainda estão por terminar» e previam a alteração do sistema político.
DN,7/01/2005

[Rick Dangerous]

Publicado por [Rick Dangerous] às 10:15 PM | Comentários (1)

Portugal

luso11.jpg

Publicado por [Saboteur] às 03:43 PM | Comentários (5)

E.U.A.

usa1.jpg

Publicado por [Saboteur] às 03:29 PM | Comentários (1)

Angola

angola1.jpg

Publicado por [Saboteur] às 01:59 PM | Comentários (2)

Somália

somaila1.jpg

Publicado por [Saboteur] às 01:52 PM

Brasil

brasil1.jpg

Publicado por [Saboteur] às 11:56 AM | Comentários (2)

Burkina Faso

brukinafaso1.jpg

Publicado por [Saboteur] às 11:01 AM | Comentários (3)

Colômbia

colombia1.jpg

Publicado por [Saboteur] às 10:56 AM

China

china1.jpg

Publicado por [Saboteur] às 10:13 AM | Comentários (7)

janeiro 06, 2005

Dar novos mundos ao mundo


Placa em prédio de Lisboa:

«Nesta casa viveu de 1907
até à sua morte em 26-9-1948
Eduardo de Noronha
Militar colonialista
Jornalista e escritor

Homenagem da Câmara Municipal de Lisboa
no centenário do seu nascimento
26 de Outubro de 1959»

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 10:58 PM | Comentários (3)

A Pró-actividade, ora aí está - Parte I

Esta coisa das reestruturações está na moda, todo o líder, designadamente os psicopatas das organizações, têm a ideia de fazer uma, ou duas... ou mesmo três. E assim, as empresas portuguesas, como, antes delas, as empresas de outros países ocidentais, colocam-se na mão de um grupo de "desenhadores de organogramas" e de técnicos de "business improvements" que nunca fizeram nada mais da vida.

Mas os métodos são os mesmos de um Partido Comunista que se preze: as auscultações, as avalizações, o núcleo central orientador, a construção de um discurso que produza coerção sobre os militantes/trabalhadores sem a ideia da coersividade clara - a vontade de todos unificada a uma voz, e é tudo para o bem-comum, mesmo que não pareça à partida.

A única diferença é terminológica. Os consultores usam inglês como o esperanto, mesmo que haja correspondente em português para o termo utilizado. Claro que análise "As Is" tem mais um não sei quê do que análise "Como é", "outsourcing" é exponencialmente mais interessante que "subcontratação", "para não falar de "benchmark" e "span of control", que são deliciosos para usar em qualquer ocasião, mesmo que não se adeque.

E a análise SWOT?!?! Muita piada eu acho à análise Swot, muito pior soaria se fosse uma análise FFOA - Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças.

Há qualquer coisa de medíocre nisto, uma espécie de "eu falo estrangeiro inclusive". Estão a ver a onda.

E depois, o melhor, realmente o melhor, é que o Relatório de Reestruturação é sempre o que sempre pensámos sobre a nossa empresa, mas com mais logotipos nas folhas e milhares de euros depois.

[Joystick]

Publicado por [Joystick] às 07:49 PM | Comentários (4)

«Importa-se que lhe beije os pés?»

Imagino que toda a malta que vá a este blog, vá ao Barnabé muito mais depressa… mas quero reforçar isto, que vi por lá:

Trata-se da entrevista que o novo nº2 do PSD nas listas do Porto, José Freire Antunes, fez ao f.d.p. do Le Pen, em Outubro de 2003, no pasquim de direita, «O Independente».

Bastam as perguntas para ficarmos com uma ideia de com quem estamos a tratar:

1. Considera que o sistema [eleitoral] foi fabricado pelos partidos dominantes com a intenção directa de interditar a existência da Frente Nacional?

2. Quer dizer com isso que as outras formações políticas francesas criaram em torno de vós, e de forma concertada, um mito politicamente aterrador?

3. Parece-lhe então que a esquerda francesa, nessa construção de um temor que vocês pensam ser imaginário, mostrou o seu profissionalismo político?

4. Quem são os seis milhões de votantes da Frente Nacional? Poderá falar-se, no vosso caso, de uma “França profunda”, que seria também a “França silenciosa”, à espera do seu tempo de governo?

5. Tenho visto Marine Le Pen na televisão, a ser entrevistada, e verifico, da parte dos jornalistas em geral, uma agressividade em relação a si que não é usada com outros políticos. Parece que os jornalistas se sentem compelidos a profissões de fé extrajornalísticas contra a Frente Nacional. Ou será só impressão minha?

6. Há uma ideia de xenofobia feita sobre vós em toda a Europa. A ideia de que a Frente Nacional hostiliza os imigrantes em França. Não obstante, parece que há imigrantes portugueses que militam actualmente nas fileiras da Frente Nacional. É assim?

7. Os seis milhões de muçulmanos em França são, para si, uma preocupação especial?

8. … É uma nova imigração civilizacional?

9. Fundamentalistas?

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 02:23 PM | Comentários (2)

Títulos do Jornal de Negócios de hoje

«Emprego e volume de trabalho na Indústria caem em Novembro»

«Bolsa valoriza impulsionada pela banca e pela PT»

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 12:17 PM | Comentários (2)

Sectaríssimos

Honorio.jpg

Honório Novo, o cabeça de lista da CDU no Porto, comparou o Dirigente do Porto da Renovação Comunista (candidato nas listas do Bloco), à super-tia Zita Seabra… A senhora que, quando foi a coisa do “barco do aborto” (para cair nas boas graças do Governo), deu uma entrevista à TSF em que defendia ferozmente a penalização e glorificava Santana Lopes e Paulo Portas.

«Vale tanto o dr. João Semedo como a dra Zita Seabra.» in Comércio do Porto, ontem.

E o Honório é supostamente um dos “moderados”!

Estamos bem arranjados, estamos….

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 10:05 AM | Comentários (2)

janeiro 05, 2005

Cromos da TSF...

A TSF tem um programa diário, que repete várias vezes ao dia, que são os “cromos da TSF”… Cada dia um determinado actor faz uma crónica/scketch que tem mais ou menos piada.

A quarta-feira é o dia de José Pedro Gomes, que até deve ser um gajo de esquerda, com ideias, que faz sempre umas coisas muito politizadas e que até dá umas boas cacetadas no sistema e sobretudo no Governo… mas, credo… que demagogia, que populismo, que algarviada!

Fala sempre em nome do povo (“nós”), contra a incompetência “dos políticos”, contra ineficiência e corrupção do Estado – que tem todos os defeitos do mundo –, e “nós a aguentar”, etc., etc.… uma mistura de discurso político de Garcia Pereira com o de Paulo Portas, bem regado com conversa de taxista e, claro, uma pitada de interesse corporativista (volta, não volta, aparecem os “direitos de autor” como um dos grandes factores de desenvolvimento nacional)…

Enfim: Constrangedor.

[Spectrum]

Publicado por [] às 10:51 AM | Comentários (1)

janeiro 04, 2005

A Galeria dos Horrores

cavaco040105b.jpg

Este é o cartaz com que Santana queria lançar a sua pré-campanha.

Ao centro vemos o falecido primeiro-ministro Sá Carneiro, que hoje em dia toda a gente tem uma vaga ideia que foi um grande senhor, apesar de ninguém ao certo saber porquê ou lhe conhecer algum grande feito.

Logo atrás, Cavaco Silva, o homem do bolo-rei. O Primeiro-ministro que governou na altura dos fundos estruturais "à séria" da Europa... nessa altura era aos milhões!... Deixou algumas auto-estradas, pontes e o Centro Cultural de Belém. Ao lado, o seu Secretário de Estado da Cultura.

Na 3ª linha: Balsemão, o dono do Império de Comunicação Social, formado – em boa parte – durante o Governo de Cavaco; e Durão Barroso, o homem-recessão, que abandonou o cargo de Primeiro-Ministro enquanto o país ardia, o desemprego aumentava, o défice disparava e o PIB decrescia…

Infelizmente, Cavaco, não autorizou que ele saísse assim. Aguardemos por uma nova proposta.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 05:14 PM | Comentários (6)

Estes estudaram!

images.jpg


Tailândia. 30 Minutos antes do Tsunami.

Numa pacata vila piscatória sem electricidade, portanto sem informações do exterior (não consta que estivesse a funcionar nenhum rádio a pilhas e se estivesse não estaria a dar informação útil) cerca de meio milhar de homens, mulheres e crianças estão a correr, não vêem nada, mas sentiram um ligeiro abalo debaixo dos pés.
Correm para a colina mais alta da vila e daí observam as suas casas a serem varridas pela onda gigante.

Que milagre os salvou?

Como disse, a vila não tem electricidade por isso só vêem televisão uma vez por mês, quando uma carrinha, munida de um gerador vídeo e tv por lá passam. Há cerca de um ano atrás viram, numa dessas sessões, um documentário sobre um tsunami. Então, naquele dia sabiam o que fazer, pelo menos os que haviam prestado mais atenção ao documentário, dessa forma salvaram-se e salvaram os eventualmente distraídos.

[Paradise Café]

Publicado por [Paradise Café] às 03:13 PM

Advinha quem voltou, eh hou!

n092.jpg

[Paradise Café]

Publicado por [Paradise Café] às 02:45 PM | Comentários (2)

Parido pelas putas

G263.jpg


Beijo da rua ganha o mundo via internet, 16 anos
depois de concebido por Gabriela Leite e colegas da vida,
para dar visibilidade aos desafios e conquistas da categoria

O Beijo da rua nasceu de uma proposta das participantes do I Encontro Nacional de Prostitutas, em 1987, no Rio. As 70 mulheres de 11 estados queriam ter um veículo de comunicação que contribuísse para o movimento organizado da categoria. Um ano depois, em dezembro de 1988, a edição piloto do jornal (com o número 0) foi parida no Recife, durante outro evento de profissionais do sexo. Em abril de 1989, o número 1 do tablóide foi lançado em noite de festa e boemia numa boate do Centro do Rio. Agora, ao completar 16 anos de vida, o jornal das prostitutas chega ao mundo pela internet, no sítio www.beijodarua.com.br. Duas coincidências marcam este momento: o mês de dezembro e o lançamento do site em uma capital nordestina, desta vez Salvador. Além, claro, de ocorrer durante outro encontro da classe, este promovido pela Associação de Prostitutas da Bahia (Aprosba).

No site http://www.beijodarua.com.br/.

E ainda pensamos que Portugal tem movimento social. No Brasil, imagine-se, há putas organizadas e na luta desde meados de 80.

[Paradise Café]

Publicado por [Paradise Café] às 02:22 PM | Comentários (4)

O grande tabú de Sócrates: O Programa

«O secretário-geral do PS prometeu ontem "mexer" nos impostos - caso, evidentemente, ganhe as eleições - mas escusou-se a revelar como.» in Público 4/01/05

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 10:04 AM | Comentários (3)

janeiro 03, 2005

Karajan - Porque os homens também se medem aos palmos

Talvez este diálogo tenha acontecido mesmo, mas não há certezas.

O Karajan numa livraria queria um livro de uma das estantes mais cimeiras. Vendo que não era homem de grande estatura, o empregado resolveu dar-lhe uma mão:

-Deixe-me ajudá-lo, que sou maior.
-Maior não, mais alto!

[Rex]

Publicado por [Rex] às 10:48 PM | Comentários (3)

Taizé Vs Gymnaestrada

A peregrinação de Taizé a Lisboa terminou este domingo.

De manhã, em conversa de café com os meus colegas de trabalho, todos nós fizemos um balanço positivo da iniciativa... No entanto, é consensual que, apesar de tudo, esta coisa não chegou aos calcanhares da Gymnestrada, no Verão de 2003.

[Saboteur]

Publicado por [Saboteur] às 10:30 AM | Comentários (4)

janeiro 02, 2005

5 palavras: Tempo a mais nas mãos (dizer palavra a palavra e acompanhar com o gesto de quem conta até cinco pelos dedos)

Nas Ferramentas de Idiomas do Google, para além de um tradutor automático, é possível ter acesso às versões da página em várias línguas, assim como às páginas nacionais.


Só para quem tem mesmo muito tempo livre.

[Rex]

Publicado por [Rex] às 10:26 PM | Comentários (2)

Calçada à portuguesa

Ainda no outro dia falava da maçonaria com uma amiga. Hoje, esta nobre instituição dedicada a espalhar na sociedade "propostas relativas à justiça social, à fraternidade, à liberdade, à solidariedade, à tolerância", tem um merecido destaque no jornal Público. Está de parabéns o Público em franquear as suas páginas à filantropia desta respeitável organização de beneméritos. Neste mundo cínico em que tudo e quase todos se renderam ao vil metal é reconfortante encontrar nas páginas do nosso jornal favorito quem dê tudo de si aos outros sem pedir nada em troca.

A coisa começa logo bem porque o link da página de entrada do jornal leva-nos à entrevista de Mário Soares ao El País, como poderá verificar quem clicar acima. O que vem mesmo a calhar porque, como toda a gente sabe, Soares e a maçonaria são quase tão íntimos como Soares e o Carlucci.

Logo depois de Soares defender um governo de salvação nacional, aparece na mesma secção o Presidente a defender a restauração da estabilidade política do país. O que vem mesmo a calhar porque, como toda a gente sabe, o Presidente e a maçonaria são quase tão íntimos como Soares e o Carlucci.

Pelo caminho o entrevistado de serviço, Alberto Trovão do Rosário da Grande Loja Regular de Portugal, comenta o "papão maçónico":
"P. - O "papão maçónico" não é alimentado por essa atitude de extrema reserva?
TR. - Há razões de dois tipos para esses preconceitos e a primeira é que nem todos os maçons são cidadãos exemplares. A outra é porque como temos esta obrigação de sermos discretos, temos uma certa dificuldade em nos defendermos das acusações que nos fazem."

Aqui devo confessar que há preconceitos a que não resisto. Sou mesmo anti-maçónico, podeis crer. Quem é que disse que os lobbies maçónicos têm direito a existir? Então não vivemos na sociedade livre, no "Estado de direito democrático", em que a esfera pública deve estar separada da esfera dos interesses privados? Andam estes gajos e gajas a mexer os cordelinhos na sombra e a plebe de esquerda cá em baixo a discutir se o Santana é bom ou mau rapaz. Eu pergunto: Quando é que a plebe sabe o que a maçonaria pensa da crise política?

Mas o que me lixa mesmo é que estes gajos, ironicamente, são como Deus: estão em toda a parte mas ninguém sabe quem eles são.

Vá lá, vá lá que o Público é um jornal sério e não se mete em campanhas. Ou ainda ia pensar que o Público e a maçonaria são quase tão íntimos como o Soares e o Carlucci...

[Renegade]

Publicado por [Renegade] às 10:10 PM | Comentários (7)

Oh, Ashley, Ashley, let's run away and love each other forever and ever

Pela quinquagésima nona vez a TV presenteou-nos com o maravilhoso espectáculo techicolor, de seu nome "E Tudo o Vento Levou". A verdade é que este filme sarou o estigma que me acompanhava já há dois anos, em virtude do "Música no Coração" ter saltado da grelha de programação natalícia.

Uma pessoa queixa-se que é sempre a mesma merda de programação mas não pensa que há coisas que são intrinsecamente natalícias, coisas com as quais desenvolvemos relações simbólicas fortes, como as azevias da avó e os habituais cancros cinematográficos onde aprendemos a vida de Jesus e de toda a sua família até à trigésima geração em linha recta.

Fazem parte da coisa, entendem?

De modo que soube bem gramar com mais três horas da vida de Scarlett, da sua relação doentia e platónica com Ashley, da sua paixão secreta por Rhett, da sua forma esclavagista de tratar a Mammy, do seu nariz empinado de latifundiária (oh, Tara, I love you so) sulista, confederacionista, conservadora, segregacionista, autoritária.

Enfim, e depois nós de esquerda, quando gostamos de um filme politicamente alinhado à direita, encontramos sempre algo de subversivo para amá-lo mais do que os outros, como aquela parte em que, com fim da guerra próximo, Scarlett e a sua família retornam a Tara, esfarrapados e famintos. Ela agarra na terra vermelha da quinta, ergue o punho direito cheio do pó e, num close up de face e punho, grita "Deus é testumemunha de que nunca mais passarei fome".

[Joystick]


Publicado por [Joystick] às 07:15 PM | Comentários (1)

Ser (um bocadinho) alternativo

Este post é para quem, como eu, usa o Windows, mas tem um certo sentimento de culpa e, no fundo, gostava era de conseguir perceber como é que o Linux funciona.
Há alternativas gratuitas muito boas para os programas que vêm de origem.
Dou só dois exemplos:

Mozilla Firefox (para navegar na Internet)
iTunes (para ouvir música)

O primeiro funciona muito melhor que o Internet Explorer e vale a pena gastar um bocadinho de tempo para conhecer.
O segundo é óptimo para organizar a música que se tem no computador, assim como para a ouvir, claro.

Outra "causa" que acho muito importante é a do acesso à informação. Para além do fenomenal, mas já clássico, Google, há agora a Wikipédia, uma enciclopédia on-line gratuita muito boa (existe noutras línguas).

Comentários com mais sugestões são naturalmente bem-vindos.

[Rex]

PS: Bom Ano!

Publicado por [Rex] às 12:23 PM | Comentários (2)