novembro 27, 2003

O «Princípio de Peter»

O «Princípio de Peter» foi primeiramente proposto por Laurence Johnston Peter (1919–1990). L. J. Peter, antigo professor na University of Southern California e na University of British Columbia, viria a tornar-se famoso com a edição de uma obra com o mesmo título, editada originalmente em 1969, e hoje considerada um clássico no campo da gestão.

De acordo com o autor, em organizações burocráticas hierarquicamente estruturadas os funcionários tendem a ser promovidos acima do seu "nível de incompetência". Passo a explicar, o autor, a partir de um conjunto de observações, mostra como os funcionários costumam começar em posições hierárquicas inferiores. Porém, quando se mostram competentes na tarefa que desempenham, normalmente, são promovidos para posições hierárquicas superiores. Esse processo mantém-se até atingirem uma posição onde já não são competentes. Isto é, uma posição onde as competências que despoletaram a sua ascensão já não são as necessárias para essa mesma posição. E, por isso, visto que a despromoção não é um mecanismo habitual, as pessoas mantém-se nessas posições prejudicando a organização onde se encontram. É isso que Peter designa por "nível de incompetência" - o grau a partir do qual as pessoas já não possuem competências para a posição que ocupam. Existe, inclusivamente, um aforismo tradicionalmente atribuído a Peter e utilizado para explicar este princípio. Diz assim: "In a hierarchy, every employee tends to rise to his level of incompetence”.

Este princípio é, obviamente, questionável. Em primeiro lugar, por ser culturalmente específico e apenas fazer sentido em organizações meritocráticas (ou minimamente meritocráticas). Com efeito, em determinados contextos sócio-culturais as promoções baseadas no mérito não são assim tão frequentes. Depois, por carregar algum determinismo teleológico na evolução das organizações. E os problemas associados ao "princípio de peter" não se esgotam aí.

Porém, não posso deixar de pensar no autor sempre que me deparo com algumas situações que parecem enquadrar-se, perfeitamente, no "princípio de peter". E, ultimamente, deparei-me com algumas.

Publicado por socioblogue em novembro 27, 2003 11:20 PM
Comentários

Mesmo nas organizações que não seguem critérios meritocráticos para a progressão ascendente na hierarquia (ou especialmente nelas), o princípio de que "In a hierarchy, every employee tends to rise to his level of incompetence" aplica-se inteiramente.

Digo eu.

Afixado por: Jorge em novembro 28, 2003 07:27 PM

No sítio onde vivo os funcionários quer entrem para a categoria mais baixa da hierarquia ou para outra qualquer é-lhes atribuido, logo à partida, digamos que por defeito, o seu grau de incompetência. Não necessitam de demonstrar mais nada. A imcompetência demonstra-se por si, sem ajuda externa. Mas o pior é que os degraus vão sendo percorridos um a um até lá acima, onde do alto de posições de chefia acenam a sua nulidade. Chama-se a isto o Princípio de Fong (Vento):"In the level of incompetence, every employee tends to rise beyond the hierarchy".

Afixado por: O Prusidente da Junta em novembro 29, 2003 03:49 PM

Suspeito que também serei capaz de encontrar inúmeras demonstrações da eficácia do princípio de peter na nossa administração pública...
Há ainda outra coisa que me preocupa substancialmente na sua lógica que é facto de dado que a progressão de quadros inferiores é feita por indicação das hierarquias superiores, que se encontram num claro "nível de incompetencia", qual será o nível sob o qual elas nivelam !?

Afixado por: Antonio em novembro 30, 2003 10:45 PM

Se o Peter fosse português e vivesse hoje chamava-se provavelmente Pedro Maria e corrigiria o seu princípio para: Numa organização subsidiocrática os directores recebem 25 mil contos do centro de emprego para dar emprego a 5 funcionários. Compram Jeeps BMW e tanto os patrões como os empregados estão automáticamente guindados ao nível máximo de Peter.
De facto: Quem é que vai buscar trabalhadores ao Centro de Emprego, e qual é o trabalhador, que queira verdadeiramente trabalhar, que se vai lá inscrever à espera disso???

Afixado por: João Tilly em novembro 30, 2003 11:19 PM

Na Galiza, algúns cargos (o delegado do governo, por exemplo) outórganse a xente que xa demostrou o seu grande nível de incompetencia moito tempo atrás. A iso habería que lhe ponher outro nome, quizá.

Afixado por: Martin Pawley em dezembro 2, 2003 12:56 AM

Pela minha experiência, eu até seria levado a pensar que nas empresas as chefias escolheriam sempre pessoas com um nível de incompetência maior do que quem os escolhe ;).

No entanto, a mesma experiência também me diz que por vezes há esperança ainda....

Afixado por: Mário em dezembro 3, 2003 02:40 PM

A promoção nunca deverá ser uma recompensa por um bom trabalho; a promoção deverá ser a evolução natural de alguém que já provou que tem capacidade para assegurar a liderança do patamar seguinte. Como por estas terras os empregadores têm muito pouca criatividade nas recompensas atribuídas, toca de promover. E infelizmente o princípio de Peter aplica-se por aqui amiúde.

Afixado por: Claudia em dezembro 8, 2003 08:46 PM

A Promoção enquanto Incompetência? Uma correcta aplicação de justiça laboral a casos concretos evitaria eventuais (não acredito em tanta incompetencia por ascensão) Peter's.

Afixado por: Katz em dezembro 14, 2003 12:45 AM

Em Portugal vinga o princípio do Penetra: a promoção dá-se enquanto o candidato mostrar inaptidão para o cargo!

Afixado por: João Mãos de Tesorua em dezembro 15, 2003 02:20 AM

Mesmo sem falarmos em termos de promoções, digamos que a utopia da organização ideal estará cada vez mais utópica neste país em que vivemos... Não serão as competências a guiar os passos dos (quase) empresários, mas muitas vezes a imagem e o que cada um deixa transparecer independentemente do que sabe (ou não) fazer. E não há nenhum postulado das teorias psico-socio-organizacionais que nos guie nas nossas preces...

Afixado por: Elektra em dezembro 27, 2003 02:32 AM

VOTOS DE UM BOM 2004 COM AS PALAVRAS E OS CORPOS AMADOS.

Afixado por: Carlos em dezembro 31, 2003 07:21 PM

João, sou admirador do seu blogue e espero que continues a escrever. Já o tenho lincado no meu próprio blogue, junto com o Santa Ignorância - os dois únicos portugueses, sendo o meu brasileiro. Porfavor de um feedback.

Afixado por: ´Qorpo Sujo em janeiro 7, 2004 04:45 PM

O Portal CAPNIRO na WEb está melhor do que nunca. Procuras um espaço de entretenimento e lazer? Informação e actualidade? Fórum e chat? Pois é mesmo lá. Não deixes de visitar http://www.capniro.phps.com.br/portal/ e vais ter muitas surpresas. Participa com o teu registo e adere ao teu espaço próprio. Especialmente dedicado aos blogs, podes encontar lá aquilo que te falta para o teu blog.
Obrigado pela visita e desculpa pelo incómodo!!!

Afixado por: Capniro em janeiro 11, 2004 06:27 PM

1.Hoje aprendi (consigo) o que é o princípio de Peter. Só prova que a blogosfera não é mais um monte de lixo digital.
2.O nacional carreirismo da função pública mostra ser posssível existir um nível de incompetência particularmente baixo.
Obrigado!

Afixado por: FP Tosta em janeiro 30, 2004 12:05 AM

Para quando o regresso?...

Afixado por: Leonel Vicente em fevereiro 9, 2004 10:52 PM

Olá Peter,
Como você faria para escolher seu psicanalista?
Abraço Stella

Afixado por: Stella em fevereiro 14, 2004 04:58 PM

Penso que o principal problema é estarem as pessoas erradas nos sítios errados. Peço desculpa pelo cliché

Afixado por: Tales da Gardunha em fevereiro 18, 2004 01:34 AM

interessante

Afixado por: anarita em março 21, 2004 01:40 AM

O principio de Peter estabelece que todas as pessoas são promovidas até atingirem o seu nível de incompetencia onde estagnam...

Afixado por: ana em março 25, 2004 11:22 AM

ccccccc

Afixado por: ana em março 25, 2004 11:23 AM

gosto do principio de peter

Afixado por: Ana em março 25, 2004 05:22 PM

Gosto deste princípio. O blogue está um pouco pardao....mas vou lincá-lo no BIOTERRA ( área Ambiente).

Afixado por: joao paulo soares em abril 20, 2004 01:25 PM

Now there is the internet. And I really appreciate people like you who take their chance in such an excellent way to give an impression on certain topics. Thanks for having me here.

Jordan

Afixado por: Jordan em maio 14, 2004 12:36 AM

O alcool é uma doença que mata milhares de jovens por ano e cada ano que passa essas mortes provocadas por essa causa tendem a aumentar. Porque será? Queira ter a bondade de ir ao meu blog contribuir para esta questão. http://luissilva.blogs.sapo.pt
OBRIGADO.

Afixado por: luis silva em maio 31, 2004 11:41 PM

Através do princípio de Peter podemos enterder a ineficiência nas estruturas organizacionais

Afixado por: ANGELA em junho 2, 2004 10:58 PM

o pior são os casos à nossa volta,

digo eu.

Afixado por: florbela em agosto 16, 2004 05:15 PM

Li a obra do Prof Peter nos anos 60 (do sec passado) Nessa altura já me fazia confusão a forma como parecia existir a Adm Publica.
Trinta e tantos anos mais tarde continuo a encotrar as mesmíssimas manifestações do Princípio de Peter na mesmíssima Adm Publica.
Se olharmos para a gestão privada, pouca diferença haverá, salvo as menifestações de "chico espertice" que parecem mais evidentes mas que a Adm Publica se apressa a imitar para não ficar mal no retrato.
Estamos cada vêz mais nivelados por baixo (e não é só nos salários) como o comentador residente da TVI deu a entender em relação ao nível de vida. . . Mas, que diabo, vai sendo tempo de arrepiar caminho, se queremos deixar alguma coisa para quem vier a seguir mais do que apagar a luz.

Afixado por: RG em agosto 30, 2004 12:07 PM

O princípio de Peter peca ao assumir a promoção omo uma mudança de funções. Existem outras maneiras de promover um trabalhador remunerações, atenção, direitos, etc...

É fundamental promover uma pessoa que trabalhe bem na sua área, isso não significa passá-la par um cargo superior com diferentes competências. O que aconteceria a alguém que para isso não estivesse talhado, nem sequer o desejasse...

Já disse atrás, para mudar as competências de alguém é preciso que essa pessoa mostre previamente a capacidade de desempenhar a função, ou então assumir o risco e um caso extremo em que é preciso fazer apostas.

Ficamos à espera de mais artigos, desculpe a exigência.
Obrigado.

Afixado por: Francisco A. em setembro 10, 2004 05:21 PM

O princípio de Peter peca ao assumir a promoção como uma mudança de funções. Mas existem outras maneiras de promover um trabalhador remunerações, atenção, direitos, etc...

É fundamental promover uma pessoa que trabalhe bem na sua área, isso não significa passá-la par um cargo superior com diferentes competências. O que aconteceria a alguém que para isso não estivesse talhado, nem sequer o desejasse...

Já se disse atrás que para mudar as competências de alguém é preciso que essa pessoa mostre previamente a capacidade de desempenhar a função, ou então assumir o risco e um caso extremo em que é preciso fazer apostas.

Ficamos à espera de mais artigos, desculpe a exigência.
Obrigado.

Afixado por: Francisco A. em setembro 10, 2004 05:24 PM

O > sublinha de forma clara, uma das milhares de desvantagens de toda hierarquia.Todo aquele que possuir uma posição hierárquica determinada está condenado a atingir um ponto de estagnação nas funções que desempenha, devido à tendência típica da hierarquia em manter tudo estático. Os pensadores Libertários chamaram desde muito cedo a atenção para o facto do pricípio hierárquico ser contrário à progressão,à evolução, seja em que campo for.

Afixado por: REVOLTé em novembro 17, 2004 08:09 PM

A porra é que tenho 52 anos, sou patrão, sinto medo de promover competentes por causa da concorência femea, logo sinto-me peter e bem PORTUGUES, e condenado á mediucracidade. Todos os Peters promotores de Peters, temos, mais tarde ou mais cedo, que levar um emporrão; um desaparece; um estrangulamento... ÉÉÉ LÁÁÁ!! OLHA DESAPARECEMOS !!!
ISSO É Q'ERA BOM !
QUE PACIÊNCIA...!
ESTOU COMPREENDIDO, O PORTUGUES É, eu .

Afixado por: Almeida em janeiro 12, 2005 08:47 PM

O Princípio de Pinto contradiz o de Peter, com o devido e merecido respeito. Segundo Pinto, que se especializou na experiência portuguesa, as pessoas atingem estatutos profissionais mais elevados porque pertencem a partidos do Poder, mesmo que nunca tenham provado profissionalmente merecer esses cargos. Mas ainda que a experiência tenha demonstrado isto à saciedade, o senhor Peter terá sempre razão porque... é o Senhor Peter. E porque a corrupção não existe.
Respeitosos cumprimentos.

Afixado por: António em janeiro 15, 2005 04:47 AM

4835 http://www.dish-network-w.com
dish network

Afixado por: dish network em fevereiro 2, 2005 02:46 AM

7518 right spot ruffus

Afixado por: hoodia em fevereiro 4, 2005 03:29 AM

3204 Very nice site. Well done

Afixado por: cash advance em fevereiro 15, 2005 03:42 AM