« a curva da morte | Entrada | terra de medo... »

novembro 13, 2004

o homem-macaco

Corria uma lenda na Aldeia de Xassengue que certa negra fôra raptada por um chimpanzé e por ele emprenhada, dando à luz um filho meio-homem, meio-macaco.
Mas nada disto tinha sido ainda testemunhado, porque nunca verificado.

Certo dia, estando eu no teatro de guerra e tendo sido nomeado para a "psico"(*), enquanto vacinava contra a cólera, levanta-se burburinho tal que toda a aldeia foge.
Viro-me. Ali mesmo, vindo da mata, um negro nú, tão peludo qual Homem de Neanderthal, dirige-se-me. Assustado, tento agarrar a FBP(**) encostada à cubata. Mas ele, dum salto, antecipa-se-me, agarra-a, lambe-a... depois, atira-a ao chão. Dispara-se sózinha(***) e ele foge, assustado, para a mata, guinchando como um macaco.

Era a lenda tornada realidade.


(**) acção psicológica, na guerra de guerrilha, que tinha por finalidade assistir as populações autóctones com o objectivo de os cativar e impedir que se aliassem ao Inimigo
(**)pistola metralhadora
(***) tem a ver com o sistema de segurança da culatra à rectaguarda

***1972, Leste de Angola, de "raízes esquecidas"

Publicado por Alvaro Giesta às novembro 13, 2004 11:16 PM

Comentários