26 de setembro, 2002

abraço

abraço o sol de manhã com uma canção serena. olho nos olhos desta criança a primavera. noto agora que este ano não admirei suficientes andorinhas. e as crias já estão de partida.

Escrito por jm às 02h00... | Comentários (0)

24 de setembro, 2002

um eco

um eco


em construção



ecoa




esventrando





o silêncio

Escrito por jm às 02h01... | Comentários (0)

19 de setembro, 2002

um pouco de silêncio

um pouco de silêncio
silêncio

ouvem-se bater de asas
um pássaro pressente
passos
e voa

silêncio

gritam na sala
silêncio

chilreia
por entre folhas
a descendência
do pássaro

a lua
é um todo num vasto nada
em silêncio

dançam felizes na sala

Escrito por jm às 00h37... | Comentários (0)

15 de setembro, 2002

nada para ver na chuva

nada para ver na chuva.
felizmente se imagina as imagens incertas.
os desenhos pouco importam no nevoeiro.
e o calor refresca-se nos corpos.

nada para ver na chuva.
pouco mais que um amor todo
num sorriso infantil e doce
com gotas de água no rosto.

Escrito por jm às 12h02... | Comentários (0)

11 de setembro, 2002

onde estão as bombas?

nunca fomos tão descontentes com o mundo!! onde estão as bombas? queremos fogo de artíficio!! onde estão as bombas?

Escrito por jm às 11h42... | Comentários (0)

10 de setembro, 2002

descanso

descanso no teu regaço o peso da minha cabeça.
da minha cabeça esqueço o mundo.
em descanso
no teu regaço
adormeço.

Escrito por jm às 13h09... | Comentários (0)

6 de setembro, 2002

algumas pessoas

tenho notado que algumas pessoas mais novas se acham muito acima e muito bons por cima e com chapéu ainda. uma frase como: "O poeta da minha preferência sou eu." é de morrer por ter um ego assim e ter nascido auto-suficiente! haverá capacidade de aceitação duma crítica? ou se alguém já criticou e disse que era muito bom ou mesmo excelente, então porquê: "nunca publiquei nem sei se algum dia estarei em vias de o fazer".

enfim, banalidades! mas o certo é que as pessoas ganham certezas ou têm-nas... arrogantemente vencedores sem esclarecerem em que competição entraram e a quem ganharam... ainda estou a tentar perceber... já não podem dizer que não me esforço!

Escrito por jm às 12h12... | Comentários (0)

2 de setembro, 2002

Carta a Santana Lopes


Assunto: Artistas Unidos - www.artistasunidos.pt

Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Lisboa Pedro Santana Lopes

Não me parece de todo interessante silenciar actos pelos quais sinto repúdio!

O Teatro Paulo Claro, A Capital, sede da companhia de teatro Artistas Unidos e outras, foi encerrado pela polícia após um parecer dos bombeiros, salvaguardando a segurança do público, e por ordem da CM Lisboa. Foi encerrado sem aviso prévio, para desnorte da companhia! Foi encerrado ao mesmo tempo que o director da companhia estava em reunião com a CML, talvez para gozo e risada de alguns.

Agora, eu manifesto-me - talvez insuficientemente - e não vou calar a barbárie de atentar contra um dos pólos culturais mais importantes deste país. Se me chamarem anarca - acho que chamaram -, penso que deverá ser por a CML estar a ter um padrão interessante de actuação: primeiro os Okupas depois os Artistas Unidos.

A não preparação e não negociação atempada de espaços pode levar à extinção dos AU. Nunca mais me esqueci duma entrevista de Jorge Silva Melo, em que revela que caso perdesse esta companhia e fosse impossibilitado de trabalhar, deixaria o teatro para sempre. Certamente, tudo se resolverá, mas não calarei o tempo em que a cultura é limitada por marchas populares e festas nas docas: faz-me lembrar descrições dum tempo que felizmente não vivi nem quero viver, nem deixarei que se instale sem berrar bem alto: ESTÃO A LIXAR-ME! ESTÃO A FODER-ME! E TANTOS AÍ QUE OS DEIXAM E ATÉ GOSTAM!

O sr. Presidente da CML fez muitos amigos durante a sua Secretaria de Estado da Cultura, fez os amigos certos diria eu: os que fornecem a cultura básica que agrada a careados e aos que lêem a Caras! E veneram a pink e as derivações dela! Essa cultura básica agrada à maioria, mas sabe o sr. Presidente que a cultura de um país se reduz a isso quando está orgulhosamente só!

O sr. Presidente quer renovar e garantir a segurança do público! Eu aceito tal como bom juízo, mas... o melhor é esvaziar os prédios em volta d'A Capital, porque são muitos e com menos portas!

Sr. Presidente, espero que a CML tenha a boa vontade de sair desta situação com o agrado dos que querem trabalhar para uma Lisboa - e um país - culturalmente melhor. Por mim, espero que da CML haja respeito também pelos contribuintes, pois os AU são patrocinados por nós... e gostaríamos de ver esse dinheiro emprege... e não simplesmente perdido.

Ah! E sr. Presidente, até lá eu vou continuar a berrar, para já: URGÊNCIA NA NEGOCIAÇÃO COM OS ARTISTAS UNIDOS! A CULTURA NÃO ESPERA!

Os meus melhores cumprimentos,

Escrito por jm às 15h56... | Comentários (0)

1 de setembro, 2002

i am the voice

i am the voice you never heard
and then you fall in a big well
and then you scream your lungs out to me
and you think thinking is ok! ok! ok! ok!
but the shitty world doesn't notice you at all
but boots walk still for a march of pigs
but people look at you and they reflect themselves
they don't see you!
they don't see you...
who are you?
who are you?
who are you?


lame

Escrito por jm às 14h32... | Comentários (0)