16 de abril, 2003

escreve-se ponto no stop

escreve-se ponto no stop

um ponto final à vida vai ser o que muitos portuguesinhos vão dar a si mesmos como oferenda nesta Páscoa santa. as viagens, necessárias e obrigatórias à terra ou ao Algarve ou a Espanha, já começaram, na demonstração da possível felicidade dentro das dificuldades económicas que tantos têm. Tantos?, os outros... eu tenho cartão de crédito!

os portuguesinhos são enfermos! não têm... inventam para ter... até chegarem ao ponto sem retorno do nunca mais vão ter.. e devem sempre... verdade seja dita, o que eu tenho visto de deliciosas vidas devedoras é capaz de fazer inveja a muitos.

quanto mais velho, mais vejo que as gerações não mudam.. não existe preocupação pelo outro... ou, se existe, é tão banal e tão sem sentido... ele deixou-te? és muito melhor que ele! ou tenho que o ter sempre debaixo de olho. ou vou engravidar para sermos felizes. a mentira é a base de tantas relações. os amigos são de copos e discotecas e amores. os amigos são de copos e de dores.

esta Páscoa trará felicidade a muitos... aos que morrem e a alguns que vivem. boa Páscoa.

Escrito por jm às 10h33...




Comentários