23 de junho, 2003

Blogues ou umbiguismo solidário.

Hoje, no Público, é dado destaque aos blogues portugueses, à blogosfera enquanto mundo novo, parido. Antes estava ainda em gestação, hoje, podemos afirmá-lo, a blogosfera escrita por portugueses é uma criança berrando brados em barda.

Fala o Pedro Mexia da existência de uma crítica ao aparente "corporativismo" de bloggers. Escreve ele, que o significado não se alterou, o que é um facto, e que «Quem é criticado naquilo que faz - incluindo os seus hobbies - defende naturalmente o seu direito a fazê-lo se se vê alvo de críticas.» Vem isto a propósito das sucessivas críticas que surgem em determinados meios, salvaguardo já que as ondas públicas de alegria com o surgimento da blogosfera são bem mais que as de tristeza.

As más críticas: Pedro Rolo Duarte, director do DN Alterado, insurgiu-se contra a utilização dos blogues por pessoas com acessos a meios superiores, fala dos jornalistas, evidenciando um colega (subordinado) seu como um dos maus exemplos - informação num post abaixo. Parece-me ser evidente que se trata de uma reacção: mal pensada, mal escrita, demagógica para quem não conhece a blogosfera. É absolutamente ridículo que se faça crer que a blogosfera não tem qualidade nem merece a atenção informativa que já foi concedida à Internet, quando a blogosfera faz parte da Internet. Por isto, parece-me óbvio que a massa crítica dos blogues interessados se tenha manifestado contra Rolo Duarte, não numa atitude "corporativa" mas sim, pela defesa do significado que esta actividade lúdica tem.

As boas vindas: A imprensa escrita, pela mão do Público - por influência do seu cronista e blogger João Pacheco Pereira-, tem demonstrado um afecto especial pelos blogues, também a rádio Antena 1 já teve uma hora entregue a cinco bloggers, até o moderador tem um blogue. No teatro S. Luís teve lugar uma sessão pública sobre blogues. Contudo, estas alegrias não fazem descansar quem tem um blogue, porque as opiniões são diferentes e tendem a ser discutidas, a blogosfera cresce em permanente autocrítica.

Conclui-se que a blogosfera tem intenção de se afirmar como um meio útil e interveniente neste mar morto e entediante que é o jornalismos activo e corporativista.

Escrito por jm às 12h06...




Comentários