6 de setembro, 2003

poesia? i

a.s. - o que aí vem nada mais é do que uma opinião. A forma e o conteúdo não pretende ser mais do que o que se escreve.

O óbvio: há quem goste de comer peixe, mas a maioria torce o nariz sempre que o vê na mesa, preferindo um naco de carne.

A maioria não gosta de poesia, não a lê e nem se interessa em procurar. Alguns, que gostam dela, procuram mostrar aos que não gostam motivos que os levem a interessar-se. Esta acção, proactiva e salutar, compreende um primeiro passo que é encontrar um poema ou um autor que se aproxime dos gostos de leitura em prosa da pessoa ignorante.

Esse poema primeiro, costuma navegar por ideias acarinhadas pelo ignorante. O poema é sobre cães, gatos, amor ou isto tudo em conjunto com uma estação do ano. Os clichés literários são enfim uma falha comum ou tão só reflexo da vida comum.

Ler um poema de O'Neil sobre cães, pode não ser a melhor escolha para uma aproximação, porque os cães de O'Neil poderão não corresponder à figura de cão de que o ignorante gosta.

Isto vem de encontro a outra constatação do óbvio: podemos gostar de comer carne, mas existem muitos tipos de carne e é sempre possível não gostar de comer alguns.

Escrito por jm às 17h16...




Comentários

os cães de O'Neil...

e há aqueles que gostam de quase tudo excepto de queijo ;)

gosto de te ler.

Escrito aqui por Sandra C. em 7 de setembro, 2003 às 11h43

O queijo é tão bom!!! mmmmmm :p

Escrito aqui por jm em 7 de setembro, 2003 às 20h16