março 28, 2011

Apresentação e Qualificação Profissional

Ana Beatriz Saraiva
Natural de Lisboa
Licenciada e Mestre em Psicologia, área Clínica
(2000, Universidade de Fribourg, Suiça)
Especialista na área de Comportamento Desviante e Ciências Criminais
(2004, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa)
Pós-Graduação Consulta Psicológica, Psicoterapia e Neuropsicologia
(desde 2011 - Associação Liev Vegotsky de Formação, Portugal)
Doutoranda em Estudos da Criança - Psicologia do Desenvolvimento e Educação
(desde 2008 - Instituto de Educação da Universidade do Minho)
Formadora com Certificado de Aptidão Profissional (CAP)
Membro Efectivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 05:28 PM | Comentários (0)

Contacte-nos

Se quiser saber mais sobre o trabalho realizado ou esclarecer uma dúvida sobre uma dificuldade específica, não hesite em nos contactar!

96 702 48 38

abeatriz_saraiva@hotmail.com

O seu e-mail será bem-vindo e respondido o mais brevemente possível.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 04:06 PM | Comentários (0)

Quer marcar uma consulta?

Os atendimentos são realizados com hora marcada. Queremos atender às necessidades de cada pessoa, assim, os nossos horários de atendimento são flexíveis e certamente encontraremos um adequado para si.


Contacto Telemóvel: 96 702 48 38


Consultório nas Amoreiras Torre 3, Lisboa
Telefone: 21 386 04 16 (à tarde)
Rua Tierno Galvan
Torre 3, Piso 5, nº 510
1070-274 Lisboa

Ver mapa


Instituto Quintino Aires, Lisboa
Telefone: 218 124 226

Avenida Almirante Reis 106, 3º
1150-022 Lisboa

Ver mapa


Clínica Médica da Ramalha, Almada
Telefone: 21 272 97 80
Praceta Felizardo Artur, 10 B, 2ºA, Ramalha
2800-620 Almada

Ver mapa


Matilde Bem-Estar e Saúde, Almada
Telefone: 21 272 56 25

Av. D. Nuno Alvares Pereira, Lt 7 A e B
2800 - 179 Almada

Ver mapa


Consultório no Prior Velho, Loures
Telefone: 21 940 98 90
HigiServiços, Rua Prof. Henrique de Barros 24A
2685-396 Prior Velho

Ver mapa

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 04:00 PM | Comentários (0)

Principais Áreas de Intervenção

Avaliação Psicológica e de Diagnóstico
Apoio e Aconselhamento Psicológico
Psicoterapia
Criança, Adolescente e Adulto
:

Avaliação e psicodiagnóstico, acompanhamento psicológico e apoio psicoterapêutico ao nível das mais diversas perturbações emocionais e do comportamento, em crianças, adolescentes e adultos.

Especialização:
Apoio e aconselhamento psicológico em situação de crise
Apoio e aconselhamento psicológico no processo de luto
Psicoeducação e acompanhamento de doentes crónicos e suas famílias

Perturbações do comportamento em crianças e adolescentes
Condutas de agressão/vitimização em meio escolar
Promoção e desenvolvimento das competências pessoais e sociais do jovem

Perturbação emocional
Perturbação de ansiedade e fobias
Promoção e desenvolvimento das competências parentais
Apoio no divórcio e na separação

Promoção e desenvolvimento das competências pedagógicas (professores)

Orientação Escolar e Profissional
Apoio Psicopedagógico

Consultas ao domicílio (situações especiais)

Relatórios Psicológicos:
Elaboração de Relatórios de Avaliação Psicológica para contextos judiciais / forenses, escolares e clínicos e para efeitos de tomada de decisão.

Pareceres Técnico-Científicos para fins laborais e judiciais.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 03:55 PM | Comentários (0)

Avaliação Psicológica e de Diagnóstico

“We don’t see things as they are, we see them as we are.”

A Psicologia Clínica desenvolve e utiliza estratégias e instrumentos de avaliação que permitem a compreensão do ser humano no seu todo, o que implica relacionar diferentes funções: intelectuais, psíquicas, emocionais, comportamentais e relacionais. Articular aspectos tão distintos e influentes na vida quotidiana é tarefa complexa, por isso procura-se através da avaliação psicológica a compreensão da pessoa na sua singularidade: os seus recursos ou forças sociais e psicológicas e as áreas mais perturbadas do seu funcionamento.

A avaliação psicológica é, então, o processo que antecede a compreensão da dinâmica psicológica, permitindo o estabelecimento de um diagnóstico e elaborando pistas para uma intervenção especializada que visa diminuir o sofrimento psíquico, flexibilizar aspectos menos adaptados da personalidade e trabalhar dimensões perturbadas.

O que é aparente muitas vezes é ilusório, assim, é o que está por detrás da aparência que a avaliação psicológica procura descobrir. A Psicologia Clínica, através da avaliação psicológica, vai à descoberta do que se esconde por detrás da mascara que desde cedo aprendemos a usar, na procura da pessoa, em toda a sua conflitualidade, dualidade e ângulos escondidos, procurando conhecer e entender a sua verdade, a que se encontra constrangida pelo conveniente ou interdito, por detrás do dito e do não dito.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 03:54 PM | Comentários (0)

Apoio e Aconselhamento Psicológico

A vida do dia-a-dia gera uma exigência cada vez maior de pessoas emocionalmente esgotadas, nervosas e sem tempo ou disposição para um entendimento mais salutar delas próprias.

Crianças
Hoje, mais do que nunca, vêem-se crianças agressivas, nervosas e pais cansados e com doenças provocadas pela agitação da vida moderna. Ou, pelo contrário, crianças introvertidas, fechadas, sem a alegria e vitalidade, que lhes são, habitualmente, espontâneas. Conflui, neste quadro, o baixo rendimento escolar por vezes não justificado pelas capacidades cognitivas e de aprendizagem mas, sim, por problemas de índole emocional.
Pais e educadores devem estar atentos ao desenvolvimento destes e doutros problemas que poderão comprometer, num futuro próximo, a adolescência e a vida adulta das suas crianças.

Jovens e Adultos
Também os adolescentes e adultos sofrem e sentem-se deprimidos, sem saída, sem saber o que fazer ou a quem recorrer. Hesitam em procurar ajuda por falta de informação ou por preconceito. Preferem continuar a sofrer, sem perceberem que podem estar a afectar toda a sua vida nos mais diferentes aspectos: redução do bem-estar geral, ansiedade, falta de energia, de atenção e de participação na vida familiar e social. Por fim, sentir-se sozinho e sem apoios acaba por aumentar a angústia.

Cada vez mais e cada vez mais cedo, o refúgio no álcool e noutras drogas na procura de diversão ou alívio, faz com que nos confrontemos mais tarde com o agravar dos problemas e o sentimento de desilusão existencial. A frequência de comportamentos de risco que criam habituação, envolvem-nos na espiral do vício, na fractura das nossas vidas e no afastamento dos familiares e amigos sem que se consiga admitir um problema e procurar ajuda.

As diferentes fases da vida de uma pessoa trazem consigo novas responsabilidades e necessidades renovadas de adaptação a situações onde nos podemos sentir sem rumo e sozinhos. Procurar, nesses momentos, uma orientação profissional através de uma relação de ajuda que visa promover o crescimento emocional poderá fazer a diferença.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 03:53 PM | Comentários (0)

Apoio Psicopedagógico

Sempre que sentir que o seu educando precisa de apoio na resolução de problemas escolares ou emocionais.

A abordagem psicopedagógica está directamente relacionada com as aprendizagens escolares, efectuadas num percurso normal ou com dificuldades. Saber como a criança aprende e constrói o seu conhecimento, bem como compreender a dimensão das relações da criança com a escola pode contribuir para o esclarecimento dos processos de aprendizagem e informar como superar dificuldades quanto ao rendimento escolar. Este é influenciado por uma multiplicidade de variáveis, tais como aspectos afectivos e cognitivos para além dos inerentes ao funcionamento da instituição escolar.
Compete ao Psicólogo apoiar crianças e jovens, seus pais e/ou encarregados de educação, através da detecção de dificuldades e/ou necessidades educativas especiais, propondo estratégias pedagógicas e de apoio personalizadas e diversificadas.

Neste âmbito, propõe-se:
• Colaborar na detecção e organização do processo de apoio a crianças e jovens com dificuldades e/ou necessidades especiais de educação, bem como apoiar no processo de desenvolvimento da identidade própria e do projecto de vida;
• Participar na articulação entre professores do ensino regular e outros serviços especializados como seja os da área da saúde, contribuindo para o diagnóstico e avaliação de crianças e jovens com necessidades especiais;
• Planear e apoiar a execução de actividades de orientação escolar e profissional com o uso de dinâmicas e testes, de forma a ampliar o auto-conhecimento, promover o contacto com os interesses e vocações individuais e desenvolver uma visão realista das profissões e do mercado de trabalho.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 03:45 PM | Comentários (0)

Orientação Escolar e Profissional

Se o seu filho está a terminar o 9º ano de escolaridade, a família no seu conjunto pode confrontar-se com algumas dúvidas quanto à área de estudo que este deve seguir, pois a decisão pode revelar-se fulcral em função das futuras opções profissionais. Deste modo, a tomada de decisão da área em que irá realizar os 3 últimos anos do ensino secundário requer uma escolha informada e consciente.

Por outro lado, a frequência do ensino secundário (10º, 11º ou 12º ano de escolaridade) constitui para muitos jovens a proximidade da prossecução dos estudos e para outros a etapa terminal da sua formação de base.

Por vezes, os jovens necessitam de apoio, no sentido de serem capazes de se posicionarem, de uma forma crítica, perante aquilo que lhes interessa e que gostariam de ser enquanto estudantes e profissionais.

Nesses momentos, a realização de um processo de orientação escolar e profissional e/ou sessões de informação e esclarecimento revestem-se de grande importância, uma vez que constituem um óptimo recurso de ajuda para uma tomada de decisão mais consciente.

Assim, o processo de Orientação Escolar e Profissional é sobretudo dirigido a adolescentes e jovens adultos, alunos do 9º ano de escolaridade (apoio na escolha da área de estudos no 10º ano) e a alunos do 12º ano de escolaridade (apoio à tomada de decisões para o ingresso no ensino superior). Contudo, a orientação vocacional também pode ser realizada com adultos que queiram seguir outro rumo no mundo do trabalho.

Segundo se trate de estudantes do ensino básico ou secundário, e perante a natureza das dúvidas, poderá solicitar que se realize:

-> Um processo de orientação escolar e profissional para analisar quais as profissões e/ou percursos académicos mais indicados tendo em conta os interesses vocacionais. É composto de momentos de entrevista e de realização de provas relevantes para a análise dos interesses vocacionais, predisposições e apetências naturais. O tempo de realização aproximado é de 4 horas, pelo que poderá ser efectuado em várias sessões ou, eventualmente, durante um único período (uma manhã ou uma tarde). Note-se, no entanto, que a duração do processo poderá variar consoante as exigências da situação concreta e a produtividade do jovem.

-> Sessões de informação e esclarecimento acerca da diversidade das ofertas educativas e profissionais existentes no sistema de ensino português, facilitando igualmente a exploração vocacional. Estas sessões remetem para a partilha de informação, numa óptica de consultoria, dos percursos formativos e profissionais.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 03:41 PM | Comentários (0)

Psi em Casa - Skype

Para chegar até si, onde quer que esteja
As consultas "Psi em Casa" foram pensadas essencialmente para os moradores de Ilhas mais distantes, como as Flores, Corvo, Graciosa ou ainda Santa Maria, ou onde quer que esteja... Se está longe ou mesmo prefere esta modalidade, a nossa solução para o poder apoiar, a si que não pode visitar-nos, é a realização de consultas individuais através de comunicações de voz e dados, de computador a computador, pelo sistema Skype.

É simples: basta ter um computador com saída de som e microfone e ligação à internet.

Como funciona?
Temos computador com o software do Skype instalado, câmara de video e auscultadores - ou seja, poderá escutar com toda a clareza e ver a psicóloga que o acompanha durante toda a sessão. Do seu lado, tem de garantir que instala o Skype no seu computador e que este tenha saída de som e microfone incorporado. A instalação do software é gratuita e pode ser descarregada através do site http://www.skype.com. As chamadas entre computadores também são gratuitas. O ideal é ter uns auscultadores com microfone (existem a partir de valores muito baixos) e uma câmara de vídeo de computador, para que a psicóloga também o possa ver a si, mas não é obrigatório.

Com estas condições reunidas, envia-nos um e-mail para abeatriz_saraiva@hotmail.com, identificando no assunto "Psi em Casa", e solicitando marcação de consulta. A partir daqui, tudo se passa de forma idêntica às consultas presenciais: a psicóloga responder-lhe-á, por mail, para marcar data e hora. Nessa data e hora, receberá uma chamada da psicóloga, no seu computador, e inicia-se a sessão.

Este serviço está disponível apenas para pessoas maiores de 18 anos.

Qual é a diferença de uma consulta presencial?
As consultas "Psi em Casa" têm uma duração de 45 minutos e valores mais acessíveis do que as consultas presenciais. A grande diferença é que poderá estar confortavelmente instalado em sua casa.

Como se efectua o pagamento?
A primeira consulta é gratuita. Trata-se de um momento importante para a tomada de decisão que pode passar pelo esclarecimento de algumas dúvidas. É também a oportunidade de perceber se se sente confortável nessa situação. Caso entenda prosseguir o acompanhamento com a marcação de uma segunda consulta, o pagamento será efectuado antes da sessão, por transferência bancária para o NIB que a psicóloga lhe indicar.

Em qualquer situação posso recorrer ao "Psi em Casa"?
Existem algumas situações que, do ponto de vista técnico, não podem ser trabalhadas através desta modalidade, ou seja, sem o recurso à presença física do profissional. Caso surja essa situação, a psicóloga irá preveni-lo, para que possa decidir quanto à melhor forma de lidar com essa questão.

O que é o Skype e como obtê-lo?
- Sistema de comunicação gratuita entre dois computadores
- Permite voz, imagem e dados
- Em vez de um número de telefone, pode escolher um nome de utilizador
- É tão simples de utilizar como um telemóvel
- Descarregar o Skype no seu computador é gratuito, fácil e rápido
- Não necessita quaisquer conhecimentos específicos de informática
- Pode fazê-lo através da seguinte página:
http://www.skype.com

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 03:40 PM | Comentários (0)

março 24, 2008

Prise en charge psychologique en français ou en portugais Enfants, adolescents et adultes

Psychologue Clinicienne, maître en Psychologie Clinique de l'Université de Fribourg / Suisse, spécialisée en Comportements Déviants et Sciences Criminelles et doctorante en Psychologie du Développement et Sciences de l'Éducation. Formation spécifique en orientation scolaire et professionnelle.

Mon parcours
J'ai acquis mon expérience auprès de publics très variés, notamment dans les domaines de l'aide sociale à l'enfance et à la famille, la recherche scientifique en éducation et psychologie et la formation professionnelle continue.

Au Portugal, le titre de psychologue est protégé depuis 2008 (https://www.ordemdospsicologos.pt). En plus d'avoir l'assurance de rencontrer un professionnel dont les compétences sont reconnues, tout psychologue se doit d'avoir un numéro attestant son enregistrement en tant que professionnel et est assujetti à un code déontologique garantissant le respect de la confidentialité et l'adéquation des procédures de consultations.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 09:50 PM | Comentários (0)

fevereiro 24, 2008

Contacts

Entretien sur RDV uniquement

Ana Beatriz Saraiva
Mobile: 96 702 48 38

abeatriz_saraiva@hotmail.com

Cabinet en centre ville, situé à proximité du Lycée Français Charles Lepierre Lisbonne, Amoreiras Tour 3 (Rua Tierno Galvan), 5ème étage, nº 510.
Fixe: 21 386 04 16

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 10:16 PM | Comentários (0)

Ma pratique

Consultation adulte:
Les motivations qui mènent vers une démarche thérapeutique sont toujours particulières et personnelles, il n'y a pas de bonnes ou mauvaises raisons pour consulter un psychologue, ce sont les vôtres. Nous nous sommes tous confrontés à un moment ou à un autre de notre vie à des difficultés, quelles soient d'ordre affectif, relationnel, familial... Que ce soit des difficultés passagères ou des problèmes persistants, il n'est parfois pas possible de trouver en soit les ressources nécessaires pour les surmonter. Être écouté et pouvoir confier ses difficultés à une personne neutre peut aider à mieux se comprendre et réussir à dépasser ses obstacles en favorisant une adaptation plus sereine. Le rôle du psychologue est de guider la personne vers ses propres solutions grâce à une réflexion commune et à la relation de confiance qui s'établit. Les entretiens se déroulent face à face, je porte une attention particulière à la qualité du contact et à l'établissement d'un rapport chaleureux et respectueux qui puisse se développer en une relation de confiance. Le premier entretien permet de faire connaissance et c'est le moment d'exprimer ce qui motive votre démarche à consulter. Lors de cet entretien nous évaluerons ensemble votre demande afin de vous aider à réfléchir sur votre situation, mon rôle étant de vous guider grâce à une réflexion commune. Puis, si je suis en mesure de vous aider et si vous vous sentez suffisamment en confiance pour entamer un travail avec moi, nous fixerons alors ensemble le cadre de vos prochaines séances. Il faut toutefois souligner que quelques entretiens peuvent parfois suffire à lever les obstacles entravant le vécu et ainsi rétablir une harmonie salutaire. Dans d'autres cas, un soutien régulier hebdomadaire ou tous les quinze jours sur plusieurs mois peut être préconisé.

Consultation enfant / adolescent:
Lors du premier entretien, je reçoit l'enfant avec ses parents. Nous abordons les raisons de la démarche de consultation et ce que vous attendez de moi. Je vous pose des questions pour mieux comprendre dans quel environnement l'enfant vit et clarifier le vécu familial et ses difficultés. Ce préalable peut parfois suffire à produire des réaménagements positifs au sein de la famille. Dans le cas de l'adolescent, il a parfois besoin de parler à quelqu'un de neutre et si le premier entretien se passe en présence des parents, dans certains cas, la suite de l'accompagnement se fera de manière individuelle. Pour avoir l'engagement thérapeutique, il est important que l'adolescent puisse s'approprier la demande de consultation et que celle-ci ne soit pas perçue par lui comme une plainte parentale. Au cours du suivi, des entretiens parents / adolescent sont organisés.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 10:07 PM | Comentários (0)

Indications

Enfant, adolescent et adulte
Évaluation, soutien psychologique et psychothérapie

Problèmes psychologiques à partir de la petite enfance jusqu’à l’adolescence:
Troubles du comportement, agressivité, anxiété, phobie, inhibition, repli sur soi, agitation, nervosité, expériences traumatisantes, intimidation, divorce des parents, difficultés dans la relation parents/enfants...

Pour adultes: aide, soutien, coaching et conseils lors de situations de vie difficiles.
Séparation, deuil, maladie, crises et problèmes de couple, conflits familiaux, problèmes liés au travail, burn-out, mobbing, prises de décisions, problèmes de communication, difficulté à s'affirmer, manque de confiance en soi, gestion du stress, TOC, dépression, syndrome de stress post-traumatique, trouble du sommeil, difficultés relationnelles ou éducatives avec votre enfant...

Orientation scolaire et professionnelle (jeunes et adultes):
Entretiens individuels ou en groupe pour aider à cerner les envies, les besoins et les aptitudes ainsi qu'à faire le point sur la situation scolaire du moment et les projets d’avenir. Évaluations destinées à cerner les aptitudes par l’utilisation de tests (motivation, personnalité, intérêts professionnels) et conduite d'entretiens de réflexion et découverte. Pour ceux qui souhaitent un changement professionnel, un accompagnement individuel est réalisé pour développer de nouvelles perspectives et pour reconnaître et développer ses propres points forts et ressources personnelles.

Soutien parental
Pas si facile d’être parents! Nos enfants nous fascinent autant qu’ils nous déroutent. Réactions parfois excessives, troubles du comportement, repli sur soi… Comment faire face à leurs petits et gros problèmes psychologiques?

Les entretiens de soutien parental ont pour objectif de vous aider et de vous soutenir dans votre fonction de parent et ils s'adressent à tous les parents qui se trouvent face à des situations difficiles ou conflictuelles avec leur enfant. Que se soit des difficultés relationnelles ou éducatives ou bien des questions sur le développement de votre enfant, nous pouvont y réfléchir ensemble.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 10:06 PM | Comentários (0)

fevereiro 22, 2008

L'enfant et le divorce

Certaines étapes de la vie sont difficiles à surmonter, d’autant plus lorsque l’on est enfant et que l’on ne comprend pas tout ce qui se passe autour de soi. Divorce et séparation, famille monoparentale, famille recomposée... tant de défis à leur épanouissement et autonomie. Lors d'un changement, les enfants souffrent et les parents le sentent. Les activités se multiplient, il faut courir après le temps pour réussir à tout gérer et il y a les moments de doute, de manque de confiance dans ses compétences éducatives, laissant ainsi des parents désœuvrés face à la difficulté de tout concilier. Les enfants sentent la faille et ils en profitent. Parfois la culpabilité et le temps d'adaptation personnelle poussent à modifier le comportement à l'égard de l'enfant dans le but de soulager sa douleur, lui faire plaisir, lui faire oublier... Ce manque de cadre ne permet pourtant pas à l'enfant de mieux se construire et de stabiliser dans cette nouvelle forme de vie familiale.

L'adaptation à cette nouvelle situation est possible si les parents sont en mesure de fournir un soutien efficace à l'enfant. Plusieurs facteurs influencent l'adaptation de l'enfant au divorce: la stabilité de l'environnement, l'adaptation des parents à leurs nouveaux rôles, les compétences de l'enfant face au stress ou encore, la présence du parent qui n'a pas la garde. De plus, il est préférable que l'enfant ne soit pas impliqué dans les conflits conjugaux et qu'il puisse librement rester lié à chacun des parents. Enfin, il est souhaitable que des explications claires et adaptées à son niveau de développement lui soient fournies à propos du divorce. Il est donc important de préparer l'enfant au divorce.

Dans la première année suivant la séparation, différentes réactions peuvent être observées et celles-ci dépendent de l'âge et du sexe de l'enfant mais aussi des caractéristiques de la réorganisation familiale. De façon générale, ce sont des sentiments de colère, de grande tristesse et de culpabilité qui sont exprimés. Ces sentiments et les comportements associés diminuent habituellement au cours de la deuxième année. Pour différentes raisons les manifestations comportementales sont souvent plus importantes chez les garçons que chez les filles. Lorsque les comportements continuent de poser problème les critiques s'enchaînent et la colère des parents peut engendrer davantage de difficultés de communication familiale et d'empathie émotionnelle, compromettant l'estime de soi et favorisant l'augmentation des comportements agressifs chez l'enfant. La peur de perdre l'amour des parents, la crainte d'être abandonné, l'insécurité, l'anxiété, le relâchement de la discipline et les conflits conjugaux persistants sont les différents facteurs impliqués. L'adaptation lors d'une séparation demande que les parents soient suffisamment conscients de leurs nouveaux rôles, qu'ils sauvegardent leur enfant de l'impact de leurs conflits conjugaux et qu'ils aient suffisamment de ressources personnelles pour supporter l'enfant face à ce changement de vie important.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 10:18 PM | Comentários (0)

fevereiro 21, 2008

Perguntas & Respostas

Qual a diferença entre Psicólogo e Psiquiatra?
O Psiquiatra é um profissional formado em medicina com especialização na área da Psiquiatria, enquanto que o Psicólogo é formado em Psicologia. A principal diferença entre o trabalho dos dois é que o Psiquiatra está apto a tratar transtornos mentais através do uso de medicamentos, enquanto que o Psicólogo trabalha os aspectos emocionais e relacionais do quadro. As duas áreas estão, no entanto, interligadas e, quando necessário, estes profissionais trabalham em conjunto.

Quando procurar um psicólogo?
Não é necessário estar "doente" para procurar um apoio psicológico. Muitas pessoas o fazem apenas porque desejam um maior auto-conhecimento, desenvolvimento pessoal ou uma melhor qualidade de vida. A sua maior necessidade poderá, no entanto, revelar-se quando pensamentos, sentimentos e emoções interferem na rotina e no bem-estar geral, estejam estas questões ou não enquadradas nas patologias descritas pela psiquiatria.

Como escolher um psicólogo?
Trata-se de uma questão muito pessoal para a qual não existem regras preestabelecidas. O importante é conhecer o profissional, identificar-se com ele e com a maneira com que ele trabalha. Regra geral a primeira consulta será a ocasião de perceber objectivamente a intervenção a realizar, momento privilegiado para verificar também a sua expectativa em relação ao profissional, onde poderá esclarecer todas as dúvidas e decidir se se sente preparado para iniciar um processo terapêutico com aquele psicólogo ou não.

O psicólogo vai dar-me conselhos, dizer o que está certo ou errado por eu ser incapaz de resolver os meus próprios problemas?
O psicólogo vai ajudar a recuperar e construir valores para que saiba distinguir o que é certo ou errado, bom ou mau para a sua vida. Será um grande equívoco pensar que por recorrer a um psicólogo vai deixar de ser o principal elemento activo na resolução dos seus problemas. O psicólogo irá ajudá-lo a reflectir sobre eles para que possa alcançar soluções mais criativas e eficazes.

Qual a duração e periodicidade das consultas?
As sessões têm uma duração de 50/60 minutos, ou seja, aproximadamente uma hora. A frequência das consultas depende da necessidade individual. No entanto, na maioria das situações uma periodicidade semanal ou bimensal é o apropriado.

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 09:49 PM | Comentários (0)

Links de interesse

Ordem dos Psicólogos Portugueses
https://www.ordemdospsicologos.pt/

Código Deontológico da Ordem dos Psicólogos Portugueses
https://www.ordemdospsicologos.pt/ficheiros/documentos/caodigo_deontolaogico.pdf

Código Deontológico dos Psicólogos (SNP e SPP)
http://www.snp.pt/osindicato/documentos_files/030217codeont1978.htm

Código de Ética e Deontologia da Sociedade Americana de Psicologia (en inglês)
APA (American Psychological Association)

http://www.apa.org/ethics/code2002.pdf

Instituto de Apoio à Criança
http://www.iacrianca.pt/

Associação Portuguesa de Apoio à Vítima
http://www.apav.pt/

Instituto da Droga e da Toxicodependência
http://www.idt.pt/

SOS Voz Amiga
http://www.sosvozamiga.org/

INEM 112 - Centro de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise
http://www.inem.pt/PageGen.aspx?WMCM_PaginaId=27900

Publicado por Ana Beatriz Saraiva às 09:22 PM | Comentários (0)