outubro 18, 2005

NOTÁVEL!

Conta uma antiga lenda que, na Idade Média, um homem muito virtuoso foi injustamente acusado de ter assassinado uma mulher. Na realidade, o verdadeiro autor era uma pessoa muito influente no reino e, por isso, desde o 1º momento se procurou um "bode expiatório", para encobrir o culpado. O homem foi levado a julgamento já sabendo que tinha escassas ou nulas oportunidades de escapar ao terrível veredicto: a forca! O juiz, também metido na trama, cuidou, não obstante, de dar todo o aspecto de um ulgamento justo e, por isso, disse ao acusado:

-Conhecendo a tua fama de homem justo e devoto ao Senhor, vamos deixar nas mãos d'Ele o teu destino: vamos escrever em dois papéis separados as palavras "culpado" e "inocente". Tu escolherás e será a mão de Deus a que decidirá o teu destino.

Claro, o mau funcionário havia preparado dois papéis com a mesma palavra:
"Culpado". E a pobre vitima, ainda sem conhecer os etalhes, dava conta de que o sistema proposto seria uma armadilha. Não havia escapatória.. O juiz ordenou o homem para escolher um dos papéis dobrados. Este respirou profundamente, ficou em silêncio uns quantos segundos com os olhos fechados e, quando a sala começava já a impacientar-se, abriu os olhos e, com um estranho sorriso, pegou num dos papeis e levando-o à boca, engoliu-o rapidamente.

Surpreendidos e indignados, os presentes condenaram o acto veementemente:
- Mas? Que fez?!? E agora??? Como vamos saber o veredicto?!
- É muito simples, respondeu o homem. É uma questão de ler o papel que resta, saberemos o que dizia o que engoli.
Com nítido incómodo e enjoo mal dissimulados, lá tiveram que libertar o acusado, e jamais voltaram a molesta-lo.

Moral da história: por mais difícil que se nos apresente uma situação, nunca deixes de buscar a saída nem lutar até ao último momento. Sê criativo!
Quando tudo pareça perdido, usa a imaginação!

Nos momentos de crise, só a imaginação é mais importante que o conhecimento.

(Albert Einstein)

Publicado por:Primeiro Blog - em outubro 18, 2005 10:28 PM
Comentários
Comente esta entrada









Lembrar-me da sua informação pessoal?