June 14, 2005

Sabe Deus a vontade que tive
em reconstruir
Sabe Deus o quanto eu
percorreria para te alcançar

Afinal, só Tu, ó meu Deus
sabes o quanto meu amor é puro
E só Tu, meu Deus,
sabes renovar meu coração
para quem realmente me ame.
Que seja essa a tua vontade
guardada para mim

Que eu, como teu servo,
sofro por quem não tem forças.
Dai-me forças para cravar em mim
esse desejo,
para que não se estrague em mim
o que ainda pode ficar são.

que o tempo me corrói como
a ferrugem destrói o aço

Publicado por angelburnt às 04:19 AM | Comentários (0)

Afinal, que valor tens
se não sabes amar?
Se és repleta de uma
covardia infinita...
enquanto meu amor tem
a força de mil exércitos,
a luz de mil estrelas,
o sopro de tempestades
e furacões,
o teu ser é de argila
fraca e solúvel em imperfeições...

Porque julguei-te princesa,
digna de meus sentimentos,
eu enganei-me.

Por pensar que reconhecerias,
que levasses o perdão à sério,
eu enganei-me.

Por pensar que tua forte fé
fosse capaz de levantar espadas,
eu enganei-me.

Por pensar que orações te faziam
forte e corajosa,
eu enganei-me

Por pensar que fôssemos pano
do mesmo remendo,
eu enganei-me

Por pensar que poderíamos
diluir-nos no mesmo odre,
eu enganei-me

Por pensar que para ti
não haveria impossíveis,
eu enganei-me

Por pensar,
eu enganei-me ao acreditar
em ti

Publicado por angelburnt às 03:56 AM | Comentários (1)

Sou idiota,
uma frase prova-me inútil.
Não sei guardar para mim
o que outros desprezam
Afinal, o que faço do tempo?
Se o tempo não quer nada comigo?
Afinal, de que me vale o amor
se ele apenas me faz sofrer?
já sei, vou pôr uma lápide,
vou enchê-la de lágrimas
e cobri-la com sete palmos
de recordações e um breve discurso
com mais do que as palavras
poderiam dizer
Mas não lhe vou pôr flores,
que elas depressa morreriam
da minha tristeza

Publicado por angelburnt às 03:37 AM | Comentários (0)

June 13, 2005

O verdadeiro idiota
sofre por amores impossíveis
e julga credível
valer a pena lutar
por algo que não existe

O destino é assim mesmo...
cruel nas suas arestas
e implacável na sua
eterna vingança que
todos acabam por sofrer

Mas para todo o mal,
uma solução
Para toda a ferida,
um perdão

Publicado por angelburnt às 02:22 PM | Comentários (0)

Para mim toda a raiva,
toda a culpa,
todo ódio,
que minhas vontades implodam
em enorme turbilhão
que rebente o meu âmago
que ardam os meus pensamentos
que minhas palavras percam a tinta
assim como as canetas

Publicado por angelburnt às 02:22 PM | Comentários (0)

e meu coração aperta
e o meu sangue lateja
com a intensidade
de mil estrelas
quando meu pensamento
te atinge e meus labios
tocam os teus

Quem me dera ser
o vento para acariciar-te
a pele e esvoaçar teus cabelos
tirar-te o perfume e guardá-lo
só para mim

Publicado por angelburnt às 03:29 AM | Comentários (1)

June 02, 2005

O Tempo tem passado tão depressa,
que nem o sinto a trespassar-me
a alma.
Mas é engraçado olhar-mos para trás
como se tudo tivesse acontecido
ontem.
E por momentos parece-nos
possível modificar alguma coisa...
com uma palavra, um sorriso ou até
um gesto...
Não que o remorso permita-nos
este tipo de sentimento.
É apenas a saudade a querer mostrar-se
viva e alcançável.
Hoje já é tarde se amanha você
não pensar em mim,
hoje ainda é cedo para sorrir
se amanha eu não existir

(24.10.2004)

Publicado por angelburnt às 04:56 AM | Comentários (0)

O Amor cego
enlouquece o coração
dos homens bobos
que caem em
desespero pensando
que é eterno aquilo
que ninguém nega
mas que todos
acabam por esquecer
Esqueça então
aquele abraço,
aquele beijo,
aquele sorriso...
Dedique-se a não
lembrar aquilo
que faz doer

(03.08.2004)

Publicado por angelburnt às 04:52 AM | Comentários (0)

Aqui onde a luz não chega
onde o perfume dos perfumes
não alcança
eu páro e penso.
Eu grito em mim
a voz que nunca oiço.
Eu sou aquela confusão,
aquele desmazelo,
minha mente não para
eu sou o furacão
que ameaça,
que destrói,
que não passa,
que foge para todos os lados
De onde venho?
Onde nasci?
De que sou feito?
De ti.
Em lugar nenhum.
Das mesmas entranhas,
do mesmo material
com que os homens
combatem suas guerras
e brincam aos destinos.
Sou a fusão das terras
de todos os países.
Sou a árvore sem raízes

(07.08.2004)

Publicado por angelburnt às 04:48 AM | Comentários (0)

Grita!!!!
Grita o mais alto que conseguires
leva a alma para bem longe de ti,
mas antes de partires
lembra-te que eu não
me esqueci.
Dos momentos passados.
dos beijos dados.
Do teu amor no meu corpo.
Do mais singelo sorriso.
Hoje a noite esta menos escura
que a distancia que nos separa
e minha lembrança mais pura
que ninguem repara.
A minha história ninguém conhece.
Ninguém se esquece
que amei profundo e sincero.
Que amei teu mundo
como se meu fosse.
Agora só espero
que te esqueças
do que fui e fiz,
para que não padeça
a tua vontade de ser feliz.
E quando um dia
bem distante de agora
estiveres sozinha e olhares para as tuas mãos,
não sorria.
Mas lembra-te, que numa noite fria
eu prometi
morrer amando, simplesmente
a ti.

(25.06.2004)

Publicado por angelburnt às 04:45 AM | Comentários (0)

Repentinamente desejo beijar
tua boca e apertar seu corpo
contra o meu,
deixar minha pele absorver
o teu perfume, o teu cheiro.
haaaa.... o teu cheiro...
Tem tanto de mistério
que não cabe nem em sopro,
nem em qualquer frasco de vidro
ou gota de chuva.
Eu sou assim mesmo como sou,
tão louco por ti que nem reparo,
tão distraído que nem penso...

(27.03.2005)

Publicado por angelburnt às 04:40 AM | Comentários (0)

Vejo uma lágrima expandida,
um sorriso retraído,
um beijo de despedida,
vejo tristeza,
vejo saudade,
vejo orgulho e vejo vontade.
Vejo a cobardia com que ages,
os teus gestos de fraqueza.
Vejo a célere beleza,
que existia em tua saudade.

(17.03.2005)

Publicado por angelburnt às 04:28 AM | Comentários (0)

Esta cidade de noite
tem cheiro de recordações,
de risadas e conversas.
Muitas vezes venho aqui
apenas para lembrar
o que já esqueci.
Outras apenas para esquecer...
Quando volto para casa,
tento fugir de todas as sombras,
pequenas lembranças
que o tempo escreveu...

(26.04.2005)

Publicado por angelburnt às 04:21 AM | Comentários (0)

Se acreditas no amor
e nas suas intempéries
não deves viciar-te
no sabor que teêm os lábios,
nã devem teus olhos brilhar
como se fossem lagos ao luar,
não deves cantar nem sequer rir...
Espanta-te antes e assusta-te,
que o amor é o cárcer mais antigo,
a emboscada mais infalível.
Dele ninguém te tira,
sem que sofras do fel mais terrível.
Dele ninguém se livra
sem marcas de correntes ou cicatrizes.

(25.04.2005)

Publicado por angelburnt às 04:14 AM | Comentários (0)

"A vida é bela"
E esta frase um
cliché tão disfarçado
que por momentos
nos esquecemos
do descontentamento
supérfluo e superficial.
Embora, muitas vezes,
eterno e cicatrizante.
É que muitas vezes
deixámos de lembrar
que a dor faz parte da vida.
Desta maneira aprendemos
a dar mais valor
ao que facilmente
se esquece.

(15.05.2005)

Publicado por angelburnt às 04:10 AM | Comentários (0)

Deitem-me achas
nesta hipnose enlouquecida
de recordações,
para que o vento
me preencha aquilo
que um dia palpitava
em longas tardes
de ansiedade.
Apaguem-me a memória
para que possa começar
do zero, sem que nada
me atrapalhe a consciência,
sem deixar rasto,
nem perfumes,
nem nada...

(21.01.2005)

Publicado por angelburnt às 04:01 AM | Comentários (0)

De que me vale uma palavra
cheia de ódio, se apenas
um olhar meu, consegue trair
todo o meu ser???
De que me vale disfarçar um
sorriso, se meus lábios
cerrados te confessam alegria???
De que me vale algum dia,
fugir de ti, em ti pensando,
se até acordado sonho,
se até a sonhar tu me acordas...???
E tu???
Será que te recordas???
Que numa tarde quente
te falei com frieza
dizendo nunca mais te amar???
Era eu a disfarçar a tristeza
de não poder mais te beijar...

(12.01.2005)

Publicado por angelburnt às 03:54 AM | Comentários (0)

Que há de belo no amor
senão tormento e erosão?!
O que será afinal alcançar
a plenitude,
se tudo o que faço, depende
de mim e todos me cobram
atitude...?!
Quem me dera nunca dormir,
para não parar meus pensamentos
deixando-os girar como as pás
daquele moinho lá longe
que guincha um leve ruído
de ferrugem ao passar da brisa astuta.
E este som acabará por adormecer
os incaltos que resistem à força
natural do cansaço...

Publicado por angelburnt às 03:46 AM | Comentários (0)