julho 15, 2005

Carta do Meu Amor Eterno

Porque houve um dia e um momento...
Tu deitado naquela praia, proferias palavras sucessivas como quem desfia um terço e, subitamente, sem mesmo saberes, disseste tudo! Rendi-me à revelação surpreendente de uma vida.
Aquele concerto. Aquela música entoada por ti e sussurrada ao meu ouvido, como quem chamava por mim. Perdi-me na luz do teu olhar, na doçura da tua voz, no fulgor do teu gesto, na firmeza da intenção que então desconhecias, ou pensavas desconhecer, e que só mais tarde assumirias.
Aquela noite, aquele gesto premeditado que adivinhava um beijo roubado e que viria ser o primeiro de muitos, num jogo arriscado e viciante.
E então ... aquele dia, vivido como a eliminatória final. Expus-me, fragilizei-me e esperei pelo veredicto. E no final das tuas hesitações, entre jogadas de espera, ouvi-te, uma vez mais, chamar por mim. E hoje, ainda aqui estou para ti ... porque houve um dia e um momento em que me mostraste o AMOR!


de Miguel Cruz

(obrigado Miguel por este pequeno grande texto... e desculpem a todos a minha ausência... tem sido dificil acompanhar tudo isto!)

Alone by F. Monteiro
copyright of the photographer

Publicado por D_Quixote em julho 15, 2005 01:28 AM
Comentários