julho 03, 2005

O pólen das flores

vem dançar voando de flor em flor e na dor da madrugada novos enlaces e
tertúlias congeminar;
vem tergiversar e no talento madrigal... saltaricar jovial e de malmequer em bem
me quer... atrair um não querer;
vem dançar em busca de néctar, fonte de açucares,
e de pólen fonte de proteínas
mas...não venhas sem desvario!
vem inteira e temperamental e vive, nas palavras ditas, os alvoroços
interiores;
vem sem nada de muito rigoroso, e na presença da tua alma, chistosa e desusada,
dá por ti distinguindo lúcida o pensamento;
vem pois de bordão e de lousa
desde os primórdios
e vem sempre angustiada, em rejuvenescimento contínuo e neste galhofeiro alegro
em assídua imperfeição;
e se neste repasto perfumado surgir o orgulho, o ciúme, a inveja...
e se na formosura se insinuarem outras fantasias...
vem sentindo o crepúsculo noctívago e... talvez... uma nova forma de...
rodopiar;
vem simplesmente como és!
eu receberei os grãos de pólen e cantar-te-ei esfuziante e digna, apta a
morrer de perturbação...


de Nancy Brown

(a Primavera já lá vai, mas aqui fica um poema alegre e colorido da nossa amiga Nancy)

Malmequer
Copyright © 2005 by Nuno Peixoto Branco

Publicado por D_Quixote em julho 3, 2005 11:32 PM
Comentários

..dançar é dizer 'amarelo' como esta flor...é ser como ela: florescer sem porquê...

Afixado por: da. em julho 4, 2005 02:07 AM