« Diz Qualquer Coisa | Entrada | Usurpação »

janeiro 03, 2007

Vício

És como o primeiro cigarro
Vício inicial de adolescente,
Misto de prazer agoniado,
Enjoo e tontura entorpecente.


És condensado e nicotina,
Dose inalada de alcatrão,
Que me inebria a mente e me domina,
Boneco articulado em tua mão.
És como vinho novo ou aguardente,
Copo de cerveja à pressão,
Que me embriaga e embota os sentidos,
Que me levanta e logo atira ao chão.
És haxixe, erva, marijuana,
Mary Jane, pedra, chá, cavalo,
Droga entranhada no meu corpo,
Lapa que não quer abandoná-lo.
És a cocaína injectada,
Seringa de heroína cavalar,
Que me tira todas as certezas,
E coloca o desconhecido em seu lugar.
És anfetaminas, barbitúricos,
Whisky, vodka, rum, ou a tequilha,
Que se mistura em shots inocentes,
Prazer que se revela armadilha.
Dás-me sensações já esquecidas,
Fazes-me imaginar as ilusões,
Prometes felicidade em neblinas,
Logo te esfumas noutras confusões.
És o meu vício, droga, ou bebida,
Tudo o que não devo consumir,
Porém, sem ti não faz sentido a vida,
Só tu me fazes louco a sorrir.

Christian de La Sallette

Publicado por Poeta das 5 às janeiro 3, 2007 03:15 PM

Comentários

se é escrito com o coração, é belo mas poderá ser fatal, como o verdadeiro cigarro...

Publicado por: roxo às janeiro 8, 2007 10:50 AM

Woah nelly, how about them aplpes!

Publicado por: Roby às setembro 18, 2011 05:12 AM

Publicado por: aibwsjaxy às setembro 19, 2011 10:42 AM

Publicado por: ibbblkwrm às setembro 26, 2011 05:45 PM

Comente




Recordar-me?