« Vício | Entrada | Sexta-feira »

janeiro 12, 2007

Usurpação

Entraste dentro de mim abruptamente,
Invadiste o meu espaço intimamente,
Ocupaste-me todo o corpo, até a mente,
Usucapiaste-me por usufruto permanente.


Apropriaste-me como se fosse coisa tua,
Tiraste-me toda a minha propriedade,
Já nada de meu tenho, roubaste-me a lua,
E até me tiraste a liberdade.
Acompanhas-me para todos os lugares,
Deitas-te comigo, todos os dias, no meu leito,
Entras nos meus sonhos sem sonhares,
Tens sobre mim domínio perfeito.
Sou um fantoche que colocas no teu dedo,
Marioneta que se move ao teu desejo,
Condenaste o meu arbítrio ao degredo,
À minha vontade deste ordem de despejo.
Sou-te assim como um boneco de crianças,
A quem arrancas braços, cabeça, tronco e pernas,
Despes-me e vestes-me e disso não te cansas,
Bates-me de má e dás carícias ternas.
És tão dona de mim que já não sei,
Se é verdadeira a minha existência,
Ou se apenas vivo num mundo que inventei,
Se apenas existo na tua consciência.
Duvido-me de mim, serei alguém?
Terei corpo palpável, serei presente?
Ou sou mais um no meio de ninguém,
Corpo que se move por entre um mar de gente?
És tu quem conduz o meu destino,
És tu quem me dita o caminho,
És tu que me fazes sentir menino,
Quando te vais sem me deixar sozinho.
Usucapiaste-me por usufruto permanente,
Entraste dentro de mim abruptamente,
Invadiste o meu espaço intimamente,
Ocupaste-me todo o corpo, até a mente.

Christian de La Sallette

Publicado por Poeta das 5 às janeiro 12, 2007 10:56 PM

Comentários

You really found a way to make this whole process eiaser.

Publicado por: Maverick às setembro 18, 2011 05:26 PM

Publicado por: imbmlsmu às setembro 19, 2011 02:32 PM

Publicado por: eanllfccpyn às setembro 30, 2011 06:38 PM

Comente




Recordar-me?