fevereiro 17, 2008

Avenida dos Aliados

Chovia. Era noite.

A Avenida dos Aliados oferecia uma paisagem inesperada. Estava vazia de gente!!! Pela chuva e pela hora.

Mesmo assim não era de arriscar sair do carro, tirar o tripé da bagageira, armar o tripé, tirar a máquina.. e fazer tudo com uma só mão, porque a outra teria de estar a segurar um protector guarda chuva!

Não. Muito antes de metade de tudo feito, de algum canto da Avenida uma sombra trataria de eu deixar de chamar meu o tripé, a máquina, sei lá!...

Parei o carro junto ao Passeio das Cardosas.

- Lindo! Este é o meu Porto.

Abri o vidro. A beirada da janela serviu de tripé inventado e fiz uns quantos bonecos.

Mas ele era o nevoeiro, ele era a chuva persistente miudinha molha tolos. Ele era mais o tripé inventado...

... o resultado foi o que se vê.




Avenida dos Aliados, Porto

Publicado por m_vm em 09:43 PM | Comentários (2) | TrackBack

Água de corrida



Água

Publicado por m_vm em 01:40 AM | Comentários (2) | TrackBack

fevereiro 01, 2008

A_teia

Já algumas vez foram à teia de um teatro?



Subir
Subir degraus estreitos e íngremes

Pretos.
Que se enrolam sobre si mesmos.

E chegar de onde se vê o mundo de forma inesperada.

Uma teia de fios. Cortinas. Focos de luz. Cabos. Roldanas.

Atilhos e sarilhos se algo não funciona como deve.

Espreito. Pela grade negra feita chão. E pelo varandim.

Cocurutos loiros, morenos e carecas movem-se com o à-vontade de quem não se sente espiado. Os pés parecem dar pontapés no ar quando caminham. E os braços lembram aranhiços aflitos a passear quando gesticulam mais expressivos.

Chega o som de vozes que não distingo.

Sento-me e sinto-me escondida à vista de todos.



A_teia

Publicado por m_vm em 11:19 PM | Comentários (3) | TrackBack