maio 23, 2006

E ela disse que sim.....

E ela disse que sim……

Tinha uma toupeira para apanhar já lá ia quase duas semanas….

Tinha de ser de manhã bem cedo , quando a dita andava ainda passeando

sobre a relva , não tendo ,na sua cegueira , dado conta que a luz do sol estava

rompendo o breu da noite ( a única cor que a desgraçada conhece )…. Mas

tinha mesmo de ser cedo , pois a minha dona todos os dias se aproxima da

janela da cozinha para um primeiro olhar sobre o seu adorado jardim ,

enquanto rodopia uma caneca de leite com canela entre os dedos da mão drtª

e os da esqª passeiam entre as minhas orelhas , naquele gesto de festa que

se tornou hábito desde o dia em que cheguei .

Era nesse preciso momento de paz e sossego que ela dava conta que o relvado

estava transformado num imenso campo esburacado , revolto , cheio de

montinhos de terra fresca que desenhavam estranhos e intricados caminhos.

:_”Droga” !( uma palavra nova que usava desde há exactamente duas

semanas ou seja desde que a toupeira resolveu vir passar as noites fazendo

túneis em frente da nossa janela.

Ora droga dita naquele tom de desalento deu logo para eu perceber que o

assunto a perturbava imenso e que era para alem do mais incomodo , pois os

minutos seguintes passávamos de pá em riste tapando aquela buracada ,

disfarçando os inestéticos montinhos castanhos de terra fresca remexida ,

enquanto o nosso saboroso leite com canela ficava esquecido na borda da janela……


Ora isto tinha de acabar , tínhamos de retomar rapidamente a rotina cómoda ,

cheirosa e repousante da primeira refeição do dia .

Foi por isso que resolvi acabar eu mesmo com a toupeira …de vez… a bem ou a

mal , está visto , e principalmente sem a minha dona dar conta.!

Aí é que tudo se complicou , pois se ela simplesmente detesta ver o rasto

deixado pelas aventuras nocturnas da toupeira ,mais detesta ver-me de focinho

no chão seguindo aquele rasto intenso e mal cheiroso no intuito de raspa aqui ,

raspa ali , ir abrindo os túneis e apanhar a desgraçada a céu aberto , tirando-a

da sua vida de escuridão e humidade para a colocar desnorteada ao sol de

patas para oar!!!!!

Um problema dos diabos , quase como aquela frase estúpida que alguns

humanos repetem de “preso por ter cão ,preso por não ter “….um comentário

que nunca entendi bem e com o qual embirro e fico desprezando

desalmadamente quem o diz.

Mas verdade , verdadinha , o malvado do ditado veio-me à memória quando vi

a minha dona naquela desespero , balançando entre o não querer toupeira e
não querer que eu a apanhasse…..

Uma manhã , enquanto a caneca de leite com canela arrefecia na borda da

janela e ela de pá em punho ia tentando arrasar os ditos montinhos de terra

fresca ao mesmo tempo que me ia dizendo

:-“Por favor Athilla tu não te atrevas a apanhar esse bicho e vires depois deitar-

mo aos pés como presente….!!!!”
Foi nesse preciso momento que resolvi tratar do assunto de manhã bem cedo,

sozinho …antes do leite estar quente e ela se chegar à janela para aquele

primeiro olhar de puro e indescritível prazer sobre o seu tão adorado jardim.

Mas as coisas complicaram-se …a toupeira era danada de rápida , não

conseguia meter-lhe o dente antes que micro-ondas desse aquele apitinho

avisando que o nosso leite estava pronto….:(

Foi então que hoje , logo que a vi pousar a caneca na borda da janela e lançar

a mão para a pá do jardim que resolvi tomar uma atitude !

Meti-me entre as duas , olhei resoluto a minha indefesa dona , lançando-lhe um

ultimato …desagradável como o são todos ,mas definitivo como também tem

de ser

:-“Ou eu vou ali fora sozinho e acabo com a danada ou acaba de vez este

brinca que brinca aos pequenos almoços a dois!!!”.

E pronto , com um ar enjoado , um torcer de nariz de repulsa , olhou-me bem

nos olhos e….

Disse-me que sim :)))

Athilla
p.s..- hoje já tomei um pequeno almoço completo

Publicado por annie hall em 09:19 PM | Comentários (14)

As gravineas...

gravineasemflor1.JPG
As gravineas estão florindo .

Publicado por annie hall em 10:11 AM | Comentários (15)

gravineasemflor2.JPG

Publicado por annie hall em 10:07 AM | Comentários (6)

gravineasemflor.JPG

Publicado por annie hall em 10:04 AM | Comentários (20)

maio 21, 2006

Dias felizes

weddingblessings.jpg

Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.


Pablo Neruda

Publicado por annie hall em 06:06 PM | Comentários (51)

maio 19, 2006

Esse sentido....

essesentido.JPG
Para mim, ser judeu é ser um estranho.
Um estranho em relação a situações humanas em que se forma um colectivo de qualquer espécie, composto por muitos que falam (ou urram) com uma voz única; um estranho com uma leve suspeita sobre o que torna aquele colectivo possível; com a solidão que toma conta do indivíduo na presença de um colectivo daqueles, mesmo que ele não queira – ou seja incapaz – de fazer parte dele; com o sentido de singularidade que acompanha aquela solidão; com aquela marca (não inteiramente compreensível) de orgulho que acompanha estes sentimentos, afligido incessantemente pelo facto dessa singularidade colocar uma barreira invisível, mas real, entre ele e os outros; com o constante cepticismo que repousa dentro desses sentimentos, porque frequentemente parece que estes sentimentos não são mais do que uma crosta formada sobre a ferida da solidão, da trágica distinção dos Judeus – e quem sabe se foi imposta desde o início aos judeus pelos outros ou se os judeus a escolheram e refinaram – transformou “O Judeu” num símbolo quase universal do estrangeiro absoluto; com a dor do facto desta atitude ter transformado o Judeu e a sua História, aos olhos da humanidade, numa história maior do que a própria vida, e logo em algo que não é parte da própria vida, algo despegado do curso da natureza e da História experimentado por outras nações.
A isto tenho de juntar o profundo e instintivo sentimento de identificação familiar que sinto em relação aos judeus de todas as gerações. Partilho os seus destinos, as suas formas de pensar, a sua cultura, a sua linguagem e o seu humor. Mas talvez, aquilo com que realmente me identifico, mais do que qualquer outra coisa, é precisamente com esse sentido de solidão, ferida e perseguição, esse sentimento de ser estrangeiro neste mundo, sempre angustiado pela delicadeza da existência.
Mas sempre que sinto isto ao identificar-me desta forma como judeu, passo a fazer parte deste colectivo particular, o colectivo judaico, dou um passo atrás, e tenho sérias (e muito judaicas) dúvidas acerca de lhe pertencer.

David Grossman

Publicado por annie hall em 04:40 PM | Comentários (3)

Homenagem ao...

Homenagem ao nosso amigo Benjamim

O Benjamim é excessivo em tudo o que faz.

É excessivo no modo como vive.
Foi excessivo no modo como entrou na vida dos donos.
Recebe-os com um excesso de festas, pulos, piruetas e alguns latidos, que são o seu modo de dizer que está contente.
Digamos que ele tem, e usa, a linguagem verbal e com receio que não o entendam, junta doses excessiva de linguagem corporal.
É excessivo quando corre, voa.
Está sempre atrás de todas as portas, esperando que se abram, e de todas ao mesmo tempo.
Está sempre com as patorras nos parapeitos de todas as janelas, sempre naquele exacto momento quando se abrem, e de todas ao mesmo tempo.
É excessivo nos ciúmes que tem dos pachorrentos ladradores.
É excessivo na protecção com que rodeia o pequenino Chopin, que ele acha que está seguro e protegido dentro da sua imensa bocarra.
É excessivo em tudo, até no olhar inteligente e meigo com que fotografa a dona a cada instante, sem distracções nem descanso.
A dona vive vigiada, seguida e perfeitamente anexada pela excessiva presença do Benjamim.
No entando ela habituou-se, sente-lhe a falta e se estiverem separados nem que seja um dia, a casa e a vida ficam vazias e mesmo o doce olhar do Athilla repete.- vá lá vamos buscar o nosso cão!
Athilla/annie

Publicado por annie hall em 09:20 AM | Comentários (27)

maio 13, 2006

Gloriosos dias para estar contente

brel.jpg
Valsa

Publicado por annie hall em 02:52 PM | Comentários (12)

maio 09, 2006

O Outsider tira...

intervalo.jpg
O Outsider tira umas férias primaveris......

Publicado por annie hall em 02:18 AM | Comentários (15)

maio 06, 2006

Eu , Athilla tenho...

nosso6.JPG
Eu , Athilla , o cão de campo muito querido da minha dona , tenho um segredo para contar......

Publicado por annie hall em 01:50 PM | Comentários (9)

Tempo para nós 1

nosso5.JPG
Sentados os dois , cada um no local que mais gosta ...ela na rede eu no fresco da terra cheia de caruma , estes tempos são para nós tão bons como os dos passeios pelos campos e são só nossos !

Publicado por annie hall em 01:40 PM | Comentários (21)

Tempo para nós....

nosso4.JPG

Publicado por annie hall em 01:33 PM | Comentários (8)

Este é...

nosso1.JPG
Este é aquele local só nosso , meu e da annie .
Mesmo que alguem ali se sente,
aquele espaço continua a ser só nosso .
Ela lê, olha para as arvores mas princinpalmente tem grandes conversas comigo . Falamos de tudo , naquele ritmo de palavras e imensos silêncios que só nós os dois entendemos...:))))

Publicado por annie hall em 01:30 PM | Comentários (106)

maio 04, 2006

O incentivo de sócrates

incentivo.jpg
O primeiro ministro de portugal disse ontem , que os casais que tenham

menos de dois filhos serão penalizados no IRS !!!!

De tão patética afirmação não sabemos se resta um riso de vergonha ou um

esgar de nojo.

As mulheres ficam esperando a proxima ameaça que as convença

de que vivem num país cheio de esperança e futuro ......para comecarem

a ter familias numerosas ......

Publicado por annie hall em 12:13 AM | Comentários (16)