maio 31, 2005

Os não-infelizes

"Se houvesse um livro de Bernardim Ribeiro que começasse "Menina e moça voltei para casa dos meus pais e desde esse dia nunca mais chorei uma só lágrima", nunca teria arranjado editor. Portugal pode não ser um país triste, mas é decididamente um país infeliz. Em mais nenhuma língua ser feliz, que deveria ser uma coisa natural, significa também ter sorte, ser bem sucedido.
Ninguém tem pena das pessoas felizes. Os portugueses adoram ter angústias, inseguranças, dúvidas existenciais dilacerantes, porque é isso que funciona na nossa sociedade. As pessoas com problemas são sempre mais interessantes. Nós, os tontos, não temos interesse nenhum porque somos felizes. Somos felizes, somos tontaços, não podemos ter graça nem salvação. Muitos felizardos (a própria palavra tem uma soar repelente, rimador de javardo) vêm-se obrigados a fingir a dor que deveras sentem, só para poderem brincar "com os outros meninos"."

(Miguel Esteves Cardoso, in Os meus problemas)

Publicado por castafiore às 12:41 AM | Comentários (4)

maio 30, 2005

Desaprender

"Há uma altura em que, depois de se saber tudo, tem de se desaprender."

(Alexandre O'Neill)

Publicado por castafiore às 12:43 AM | Comentários (0)

maio 29, 2005

Feira do livro

Foi este o resultado da minha incursão à Feira do Livro.

Publicado por castafiore às 09:53 PM | Comentários (0)

maio 28, 2005

Mentalidades

Foi apenas ao ler um artigo na revista Visão desta semana que me apercebi, em choque, de quão retrógada ainda é a mentalidade do povo Português, em certas matérias... E não apenas dos Portugueses, em bom rigor. Num excelente artigo sobre a homossexualidade ("Ser gay em Portugal") recordei dois factos reveladores:

1.º - apenas no início da decáda de 80, com a revisão do Código Penal, a homossexualidade deixou de ser considerada um crime, lado a lado com o incesto, adultério e prostituição...

2.º - apenas há 15 anos que a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da lista das doenças mentais...

É extraordinário! E chocante! Como é que alguém, um legislador, um povo, uma moral colectiva, que seja, acha que tem idoneidade ética ou moral para poder classificar alguém como criminoso apenas por causa das suas preferências sexuais, quando elas vão no sentido de gostar de pessoas do mesmo sexo....???!!!??? E não vale a pena aduzir argumentos ou exemplos como o do processo Casa Pia, pedofilia, etc. Confundir os elementos é comum e frequente, e um truque a que muitos pseudo-moralistas recorrem.

Homossexualidade, pedofilia e abuso de menores, são 3 realidades distintas e independentes que não se podem nunca considerar de forma una. Senão, repare-se apenas que em termos de incidência a grande percentagem de abuso de menores e pedofilia ocorre com heterossexuais.

Como o referido artigo chama, e bem, a atenção, a questão das mentalidades é tão gritante quanto a forma como a homossexualidade foi utilizada na última campanha eleitoral, em tentativas sórdidas de tentar denegrir a imagem de políticos com piadas e insinuações torpes sobre as suas eventuais escolhas sexuais... O que é que as restantes pessoas terão a ver com isso é o que eu me interrogo... E o que é isso pode influir na forma como se governa um país, ou exerce uma profissão também é matéria que me escapa!

Decididamente ainda estamos muito na idade da pedra no que toca a estas matérias...

Publicado por castafiore às 01:16 AM | Comentários (1)

maio 27, 2005

Já abriu...

... a Feira do Livro!

Publicado por castafiore às 01:43 AM | Comentários (1)

Almas

"Compreendiam-se perfeitamente as nossas almas - tanto quanto duas almas se podem compreender. E, todavia, éramos duas criaturas muito diversas."

(Mário de Sá-Carneiro, in "A Confissão de Lúcio")

Publicado por castafiore às 01:42 AM | Comentários (0)

maio 26, 2005

Mais sushi

Decididamente ainda não me passou a mania da comida japonesa. Ontem fui experimentar o "Sushi bar" do Bica do Sapato, que às quartas feiras funciona em sistema de rodizio. Preço fixo e toda a comida que se quiser mandar vir. Gostei imenso. A comida é muito bem feita e as entradas, então, são de comer e chorar por mais...

Publicado por castafiore às 09:40 PM | Comentários (1)

maio 25, 2005

Ruídos de verão

Agora que as noites começaram a ficar menos frias os grilos, no jardim sobre o qual se encontra a minha casa, ficam ruidosos. Não há nada que goste mais como barulho de fundo, do que ouvi-los em desgarrada com a água que sai da fonte. Depois, mais tarde, passada a meia-noite, desligam a fonte e um súbito silêncio paira... Os grilos interrompem a conversa durante breves instantes, suponho que confundidos por aquela inesperada quebra de ritmo. Mas, breves momentos mais tarde, ei-los que retomam a sua cantoria... Com tal entusiasmo que, muitas vezes, quando já estou deitada, prestes a adormecer, reparo que ainda falam e conversam e discutem e que é aquele ruído que me embala até adormecer. Transporta-me para outras noites, outros verões da minha infância, trazem-me cheiros tão típicos desta altura do ano e de outras que ainda virão, mais quentes, e sem saber exactamente porquê nem porque razão sinto-me bem, acompanhada, aconchegada, dou por mim a sorrir no escuro e a adormecer tranquilamente.

Publicado por castafiore às 01:21 AM | Comentários (2)

maio 24, 2005

Paralelismos


Publicado por castafiore às 11:54 PM | Comentários (0)

maio 23, 2005

Caminhos-12


Publicado por castafiore às 11:55 PM | Comentários (1)

maio 22, 2005

Palavras traiçoeiras

"Num mundo cada vez mais ligeiro não há tempo para reflexões sobre as palavras. Umas gastam-se por abusos continuados, perdendo o primeiro sentido que todos lhe conferiram à nascença, outras são convocadas para situações de conveniência, deixando que nelas se instale um significado, senão trocado, pelo menos incompleto. E quando alguém, por determinação ou por rigor, elege uma dessas palavras e a coloca no seu significado, é considerada bizarra.

Foi desta forma que olharam para mim quando, durante uma recente e rápida entrevista, me socorri de uma escolhida palavra para responder a uma questão. Perguntaram-me qual o valor que eu mais considerava e perguntaram-me também como me classificava a mim mesmo em relação a esse valor. Não é fácil arrumar conceitos nas estreitas condicionantes de uma entrevista apressada mas respondi que o valor que mais me importa é a minha liberdade e que, em consequência dessa escolha, me considerava libertino.

Há palavras que metem medo e esta é uma daquelas que só se utiliza em caso alheio, com a agravante de também ser uma palavra que tem vivido minguada do seu verdadeiro significado."

(Alfredo Saramago, in "Os prazeres de Alfredo Saramago")

Publicado por castafiore às 10:41 PM | Comentários (0)

maio 21, 2005

Um dia de praia

Nem todas as praias são iguais. Nem todas têm areia dourada e um mar turquesa à volta. Nem todas têm ondas azuis com espuma branca, enormes e redondas. Nem todas têm pedrinhas e conchas. Vamos visitar praias diferentes, de vários géneros...

Para já temos esta nos Açores, Ilha Terceira: praia de Salgueiros.

Publicado por castafiore às 10:51 PM | Comentários (1)

maio 20, 2005

Another world


Tate Modern, Londres.

Publicado por castafiore às 01:38 AM | Comentários (1)

maio 19, 2005

À porta fechada

Publicado por castafiore às 11:18 PM | Comentários (0)

maio 18, 2005

(no) logo

Publicado por castafiore às 12:22 AM | Comentários (1)

Liberdade

Liberdade querida, e suspirada,
Que o despotismo acérrimo condena;
Liberdade, a meus olhos mais serena
Que o sereno clarão da madrugada.

Atende à minha, voz, que geme e brada
Por ver-te, por gozar-te a face amena;
Liberdade gentil, desterra a pena
Em que esta alma infeliz jaz sepultada.

Vem, oh deusa imortal, vem, maravilha,
Vem, oh consolação da humanidade,
Cujo semblante mais do que os astros brilha:

Vem, solta-me o grilhão da adversidade;
dos ceús descende, pois dos céus és filha,
Mãe dos prazeres, doce Liberdade!

(Bocage, "Liberdade querida, e suspirada,")

Publicado por castafiore às 12:13 AM | Comentários (0)

maio 17, 2005

Religião

Outro dia li ou ouvi esta frase sobre o assunto:

"Na palavra religião vi a demência dos fanáticos de todas as congregações perante a vontade de Deus. A verdadeira santidade está nas boas acções que praticamos e na coragem de lutarmos em nome dos indefesos".

Não podia estar mais de acordo.

Publicado por castafiore às 12:56 AM | Comentários (1)

maio 16, 2005

Bifurcação

Publicado por castafiore às 10:34 PM | Comentários (1)

Inquisição legitimada

O Supremo Tribunal de Justiça francês proibiu a divulgação do cartaz publicitário da marca Marithé et François Girbaud, com a designação "A Última Ceia" por o considerar violador dos mais elementares princípios fundadores da religião católica e por acusar a marca de mercantilizar com desrespeito ícones religiosos.

O cartaz, como se pode ver, é uma réplica do famoso quadro de Leonardo da Vinci, onde 11 mulheres substituem as tradicionais figuras dos apóstolos, vestidas com roupas da marca. A pseudo figura de Cristo é também uma mulher vestida da mesma forma. O 12.º apóstolo e a 13.ª figura do quadro é o único homem representado que surge de tronco nu e de costas, abraçado a uma das mulheres...

Por muito que me esforce ainda não consegui ver desrespeito ou falta de consideração; vejo uma interpretação com sentido de humor e alguma dose de saudável provocação... Devo ser eu que sou muito liberal, decerto, porque isto a mim parece-me um acto digno da Santa Inquisição nos tempos aúreos do Cardeal Torquemada...

Publicado por castafiore às 09:52 PM | Comentários (2)

maio 15, 2005

Outras realidades

"Ao fim da noite, Paras'-ura-ma viu doces sonhos que não foram pensados com a sua mente. Viu-se a si próprio montando um elefante, um cavalo, uma montanha, uma varanda, um touro e uma árvore em flor; viu-se a chorar e a ser comido por vermes; todo o seu corpo besuntado de urina e fezes, coberto de banha e pus; estava a tocar alaúde; ... viu-se a comer muitos tipos de comida deliciosa; viu-se aterrorizado, a ser devorado por uma sanguessuga, um escorpião, um peixe e uma cobra, e viu-se a fugir deles. Viu depois que tinha entrado na órbita do Sol e da Lua; estava a olhar para uma mulher que tinha um marido e um filho... Enfeitado com jóias e coberto de trajes celestiais, deitou-se, no seu sonho, com uma mulher proibida. Viu uma bailarina e uma prostituta e bebeu sangue e vinho; e no seu sonho, todo o seu corpo estava coberto de sangue. Comeu carne de pássaros amarelos e de homens. Subitamente, viu-se preso com correntes e o seu corpo foi ferido por uma faca. Pela madrugada, depois de ter visto tudo isto, acordou cheio de alegria, pois tinha a certeza de ir vencer o seu inimigo."

(Wendy Doniger O' Flaherty, in "Sonhos, Ilusão e Outras Realidades")

Publicado por castafiore às 02:06 AM | Comentários (2)

maio 14, 2005

Canídeos-2

Este é mesmo um rafeiro. Mas tão simpático... E bastante curioso. Estava deitado a pensar nos seus assuntos pessoais mas quando me viu chegar com a máquina fotográfica levantou-se e veio posar... Não ficou mal de todo...

Publicado por castafiore às 03:03 PM | Comentários (0)

maio 13, 2005

Mais uma...

Mais uma criança brutalmente assassinada pela avó e pelo pai... Desta vez tinha 5 anos, chamava-se Vanessa, morava no Porto e depois da tareia que a deixou a agonizar a sua extremosa família não a levou ao hospital para não desconfiarem deles; quando a criança finalmente morreu atiraram o corpo ao rio!

Não vale a pena qualquer comentário a mais um acto de pura bestialidade praticado por seres que não me parece poderem ser apelidados de humanos. E não me venham com a conversa da treta que são pessoas de fracos recursos, moralmente miseráveis, desculpabilizados pela toxicodependência... Culpabilizados, isso sim, parece-me que deveriam ser. Eles e as autoridades que permitem que famílias destas tenham crianças à sua guarda.

E seja tal permissão derivada da total ausência de controlo destas situações, seja por, como no caso da Joana, acharem que estas situações não são de perigo!

De acordo com a "Visão" a linha SOS Criança recebeu em 2004 o maior número de chamadas jamais registado: 5.125. Presumo que poucas devem ter dado azo a investigações ou a resultados .... Pelo menos neste caso não deram! Ainda bem que existem para ajudar e defender aqueles que por serem pequeninos, por vezes não sabem ou não podem defender-se...

De acordo com aquela mesma revista, na missa de 7.º dia mandada rezar pela mãe da criança assassinada (que a abandonou à nascença mas que não dava autorização ao casal que a criou até aos 5 anos e que eram seus padrinhos para a adoptar, apesar das inistências destes...), o padre que a rezou, na paróquia de Lordelo do Ouro, no Porto, de seu nome Domingos Oliveira disse, porém, no final da homilia: "matar uma criança no seio materno ainda é mais violento do que matar uma menina de 5 anos!"...


Se não fôsse a tragédia subjacente só poderia tratar-se do argumento de um filme surrealista de Fellini... Palavras para quê...?????

Publicado por castafiore às 12:01 AM | Comentários (2)

maio 12, 2005

Perspectiva


Publicado por castafiore às 12:55 AM | Comentários (0)

maio 11, 2005

Emel - 3.º episódio

Recebi hoje os avisos de recepção comprovando que as minhas reclamações e pedidos de reembolso deram entrada na Direcção Geral de Viação e na Emel no passado dia 4. Agora vamos aguardar mais um bocadinho antes de os começar a massacrar por uma resposta.

Episódios anteriores:
Emel - 2.º episódio
Emel

Publicado por castafiore às 12:12 AM | Comentários (3)

maio 10, 2005

Hotel

Gosto muito deste CD do Moby, versão edição especial com 2 discos, principalmente do CD "Ambient" que passou quase todo o fim de semana a tocar sem me cansar de o ouvir, exactamente como música ambiente enquanto trabalhava e lia.

Não resisto a transcrever o texto escrito pelo próprio, na contra capa do CD porque gostei do que li:

"(...) people sleep in hotel rooms and cry in hotel rooms and bathe in hotel rooms and have sex in hotel rooms and start relationships in hotel rooms and etc and etc, but yet every time we check into a hotel room we feel as if we're the first guest and we get very upset if there's any remnant of a previous guests stay. something about his idea, that these intimate spaces are wiped clean every 24 hours, fascinates me. that we enter a hotel room and it becomes our biological home for a while and then we leave. in some ways it's similar to the human condition.

we exist and we strive and we love and we cry and we laugh and we run around and we sleep and we build things and we have sex and then we die and, not to sound too depressing, the world is wiped clean of our biological presence. which, from my perspective, makes our brief biological time here all the more precious due to it's relative brevity. (...) but i don't feel like making music that is airless and lifeless because i also really like people and the messy miasma of the human condition and i want to make messy, human records that are open and emotional. because, whether i like it or not, i'm messy and human, too (...)"

Publicado por castafiore às 12:52 AM | Comentários (0)

Parede de água


Publicado por castafiore às 12:46 AM | Comentários (2)

Torturas várias

Ontem à noite, domingo, estava eu na minha saga de visionamento ininterrupto dos meus episódios de X-files, e após 3 seguidos decidi parar e ir dormir antes de começar a ver homenzinhos verdes com antenas por todo o lado. Eis senão quando desligo o DVD e zás.... fico sintonizada na TVI que estava a dar um qualquer programa especialissímo sobre a famigerada "Quinta das Celebridades" que pela 1.ª vez me forcei a ver por um período superior a 15 segundos...

Aquilo é realmente muito mau! O que leva alguém a sujeitar-se a fazer aquelas figuras? Só pode ser uma enorme necessidade de dinheiro e uma total impossibilidade de o obter por outra qualquer forma.... Que degradante tudo aquilo é: desde o cenário, às pessoas, a própria apresentadora ... enfim, não há palavras.

E fiz uma associação a este breve excerto que tinha lido recentemente, noutro contexto:

"Sociedade do supérfulo. Uma raparigazita ganhou a sorte grande na lotaria infantil. Lá está ela no palco, radiante de excitação, ao lado do apresentador; cinco auxiliares de cena sobem ao palco com um gigantesco embrulho transparente contendo mil bonecas. Mas que raio de presente é este? Mil vezes a mesma boneca, mil camponesas da Floresta Negra iguais umas às outras. Os pais, presentes na sala, pensam a princípio tratar-se de uma graça crítica feita a seu propósito e riem timidamente. Mas o apresentador, que não sabia do que constava o primeiro prémio, fica desarmado e não volta a referir o assunto. A criança tenta sufocar um soluço com os pequenos punhos mas perde o controlo e desata a chorar com todas as froças. O público fica num desassossego, os pais irritam-se e ouvem-se apupos e protestos. "Organização de tortura infantil!" grita a mãe numa queixa raivosa; lança-se sobre o palco, seguida de outras pessoas, e afasta a filha para o lado, protegendo-a do primeiro prémio."

(Botho Strauss, in A Dedicatória)

E a nós quem nos protege?

Publicado por castafiore às 12:22 AM | Comentários (0)

Uma cidade sem horizontes-13


Publicado por castafiore às 12:16 AM | Comentários (0)

maio 09, 2005

Tricot

Fui pela primeira vez a um encontro do grupo de tricot de Lisboa, e achei imensa piada. Tem o seu quê de curioso estar num bar do Bairro Alto, ainda com luz de dia, na versão "fora de horas", vendo os bares daquela maneira que nunca vemos quando lá vamos beber uns copos à noite, e ao mesmo tempo estarmos ali sentadas à volta das mesas, a conversar sobre o que nos apetece e a fazer uma coisa que vem já de tempos imemoriais, das nossas trisavós, das nossas tetravós, que muita gente associa a pessoas velhas e "fora de moda", e que no entanto é tão intemporal.

Achei mesmo piada!

Publicado por castafiore às 10:50 PM | Comentários (2)

Caminhos-11


Publicado por castafiore às 12:26 AM | Comentários (1)

maio 08, 2005

Canídeos

Adoro cães! Não tenho nenhum exactamente por isso. Moro em Lisboa, e apesar de ter a escassa sorte do meu prédio dar directamente para um enorme jardim, sem trânsito automóvel onde apenas se passeiam peões, cães, ciclistas e skaters, onde existem fontes e tanques e onde oiço os pássaros a cantar e os grilos nas noites de verão, a verdade é que a minha casa não deixa de ser um apartamento citadino que durante a semana tem dias em que só à noite volta a estar ocupado. Impensável, para alguém que goste verdadeiramente de cães, deixar ali um. Por isso, para já, enquanto as circunstâncias forem estas, não tenho cão.

Mas gosto deles. Acho-lhes piada. Às vezes são lindos e bem tratados, outas vezes são patuscos e com um ar pachorrento; outros são muito feios, completamente rafeiros e mesmo assim gosto deles. Têm uma cara (não um focinho) expressiva, olhos de seres pensantes que contemplam a vida e tiram as suas próprias conclusões, um ar determinado e acima de tudo parecem permanentemente ocupados em múltiplos afazeres.

Decidi forografá-los.

Publicado por castafiore às 09:01 PM | Comentários (1)

Urbanismos


Publicado por castafiore às 02:20 AM | Comentários (0)

#197

Já sou a feliz possuidora de um destes fantásticos bonecos da Rosa Pomar! Não são apenas bonitos mas são principalmente muito bem feitos, perfeitos e realizados com aquilo que lhes dá luz especial: a alma que foi empregue a fazê-los. Sente-se só de lhes tocar... ao de leve, devagarinho para não os estragar nem sujar...

Quando eu era miníma o meu Pai foi numa das suas muitas viagens de trabalho, a Londres, e trouxe-me uma boneca de pano, a quem eu, sabe-se lá porquê, resolvi charmar Balbina. Essa boneca acompanhou-me anos a fio, dormiu comigo, assistiu a todas as minhas doenças, riu-se com todas as minhas alegrias, acompanhou-me nas noites boas e nas más, fez-me sentir "quentinha" quando era preciso e consolou-me a alma das pequenas tragédias e dramas da infância. Foi a amiga mais dedicada e a mais fiel companheira.

Com muitos arranjos e remendos ainda hoje existe, bem guardada para não lhe acontecer nada de mal.

Estes bonecos, sem terem a mais pequena semelhança física, fazem-me recordá-la.

Obrigada Rosa.

Publicado por castafiore às 01:34 AM | Comentários (2)

maio 07, 2005

Acusados!

Aqui há uns meses falei da Joana (Lavo daí as minhas mãos e Ainda sobre a Joana) e do enorme nojo, repulsa e vergonha que me causa saber que vivemos num país, numa sociedade onde acontecem coisas destas.

Hoje, menos mau, fiquei a saber por uma notícia no Expresso que o Ministério Público acusou de homicídio qualificado, ocultação e profanação de cadáver a mãe e o tio da Joana, ficando cada um sujeitos a penas de prisão de até 25 anos.

Oxalá ninguém se lembre de os tentar desculpabilizar dizendo que eles próprios são vítimas de uma sociedade de consumo que marginaliza aqueles que não têm dinheiro nem emprego, blá, blá, blá....

Oxalá seja permitido acusá-los sem hipocrisias e sem cobardias pelo enorme acto de bestialidade que praticaram...

Oxalá alguém se lembre até lá de mudar o código penal e estabelecer a pena de prisão perpétua. É que parece-me que 25 anos não chegam para castigar alguém por um crime desta natureza!


Publicado por castafiore às 11:59 PM | Comentários (0)

maio 06, 2005

Fios

“Considerai comigo que a existência individual é uma corda que se estende do infinito até ao infinito, e que não tem fim nem princípio, nem é susceptível de ser quebrada. Essa corda é composta de inúmeros pequenos fios, os quais, juntos e apertados, constituem a sua grossura. Estes fios são incolores, são perfeitos nas suas qualidades de serem direitos, fortes e paralelos. A corda, passando, como passa, por todos os lugares, sofre estranhos acidentes. Muitas vezes um fio é preso e preso fica, ou talvez é apenas violentamente desviado do seu paralelismo com os outros. Então durante muito tempo desordena-se e desordena o conjunto. Por vezes um deles suja-se ou colora-se, e acontece não só que a mancha se alastra para além do ponto onde caiu, mas também que descolora outros fios.”

(Mabell Collins, Luz sobre o caminho)

Publicado por castafiore às 01:15 AM | Comentários (0)

maio 05, 2005

Smile!

Publicado por castafiore às 01:18 AM | Comentários (2)

x-files

Acho que nunca revelei a verdadeira paranóia que eu tinha (e ainda tenho) pela série X-FILES. Na altura em que era transmitida arranjava maneira de nunca perder um episódio ou então, em caso de força maior, gravava em vídeo para ver na primeira oportunidade.

Mais tarde com o aparecimento dos DVD's ocorreu a desgraça de verificar que na amazon uk foram vendendo as boxes com as várias épocas completas...

E eu fui comprando...

Presentemente ando deliciada a rever TUDO. Estou ainda na 1.ª época e só aí são 24 episódios sem contar com os "extras"... E pensar que ao todo são 9 épocas...

Apenas um apontamento para referir que a Amazon UK é melhor que a sua congénere americana. Apesar do câmbio da libra não nos ser tão favorável , as encomendas vindas do Reino Unido não pagam direitos de alfândega enquanto que com as dos USA fica mais caro pagar os ditos direitos do que a própria encomenda...

Publicado por castafiore às 12:07 AM | Comentários (1)

maio 04, 2005

Já está!

Outro dia no Várias gotas de água avisava que podiam ir lá clickar diariamente para ajudar a obter os donativos necessários para se poder construir mais um projecto de água potável na Etiópia. Pois fiquem sabendo que já está! Em apenas tão pouco tempo já se conseguiu! De facto a união faz a força! Pena não ser possível este tipo de solidariedade noutros assuntos.

De qualquer maneira ficam a saber que o site conseguir arrecadar um total de € 200.000,00 que irão ser utilizados em projectos de água potável que permitam fazer chegar àgua limpa e segura às populações, associada a projectos sanitários integrados.

Pensem que 1 em cada 6 pessoas da população mundial não tem acesso a água potável. No entanto, para o continente Africano, o custo de instalar redes básicas de saneamento é de apenas € 23,00 por pessoa...

Dá que pensar, não dá?


Publicado por castafiore às 10:28 PM | Comentários (0)

Emel - 2.º episódio

Já enviei a reclamação para a EMEL e para a DGV indignando-me com o reboque indevido do meu carro e solicitando o reembolso da quantia gasta e dos prejuízos daí decorrentes.

Vamos ver quanto tempo isto vai demorar!

Publicado por castafiore às 12:47 AM | Comentários (1)

A olhar para ti

Publicado por castafiore às 12:45 AM | Comentários (2)

maio 03, 2005

Prémio originalidade

Publicado por castafiore às 11:41 PM | Comentários (1)

maio 02, 2005

Feira Ecológica

Nos primeiros domingos de cada mês realiza-se em São Pedro de Sintra uma Feira Ecológica composta por mercado biológico, restaurantes vegetarianos, cosmética e produtos naturais, actividades terapêuticas e desenvolvimento pessoal, bem como eventos no âmbito das energias renováveis e da reciclagem.

Tem lugar entre as 10.00 e as 19.00, na Sociedade Filarmónica "Os Aliados", um pouco à frente do largo da feira, onde aliás se pode deixar o carro estacionado.

Para mais informações bem como para um mapa com a localização exacta consultem Sintra Natura.

Publicado por castafiore às 11:54 PM | Comentários (1)

maio 01, 2005

Lisbon Revisited

Não: não quero nada.
Já disse que não quero nada.

Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.

Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!
Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) -
Das ciências, das artes, da civilização moderna!

Que mal fiz eu aos deuses todos?

Se têm a verdade, guardem-na!

Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?

Não me macem, por amor de Deus!

Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer cousa?

Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sózinho para o diabo!
Para que havermos de ir juntos?

Não me peguem no braço!
Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sózinho,
Já disse que sou sózinho!
Ah, que maçada quererem que eu seja de companhia!

Ó céu azul - o mesmo da minha infância - ,
Eterna verdade vazia e perfeita!
Ó macio Tejo ancestral e mudo,
Pequena verdade onde o céu se reflecte!
Ó mágoa revisitada, Lisboa, de outrora de hoje!
Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca tardo...
E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sózinho!

(Álvaro de Campos, Lisbon Rivisited, 1923)

Publicado por castafiore às 09:53 PM | Comentários (1)