agosto 10, 2005

Efeito surpresa


Antes de chegarmos à praia já sabemos tudo. O vento, o swell e as suas direcções. No fundo, o que para nós é importante. Surfista, com a Internet à mão, transformou-se em meteorologista amador. Mas, enquanto, de ecrã à frente, fizemos de nós cientistas de trazer por casa, retirámos também a ansiedade, por vezes recompensadora, que antigamente nos acompanhava. Raramente somos surpreendidos por aquele dia que não esperávamos. Acordar cedo e ir para a praia na ignorância passou de regra a excepção. Sabemos o que nos espera e somos prisioneiros das previsões. Desiludimo-nos menos, é verdade. Mas, por isso, valem tanto os dias que contrariam as previsões. Houve um fim de semana de Junho que foi assim. Dias de praia para a família transformaram-se, como por milagre, em horas de surf de calções em água quente, com ondas perfeitamente pequenas. Não estava objectivamente inesquecível. Mas foi inesperado e, essencialmente, contra as previsões.
Hoje, quando penso nesses dias, sei que nada é superior ao regresso ao prazer adolescente da surpresa. Mesmo que as ondas não sejam as perfeitas, nada nos deixa tão satisfeitos como o espanto. PAS
post previamente publicado na ONFIRE

Publicado por pedroadãoesilva em agosto 10, 2005 05:23 PM
Comentários