fevereiro 28, 2007

it's on

Publicado por vascomendonca em 10:47 PM | Comentários (277) | TrackBack

fevereiro 26, 2007

That was the river, this is the sea

Publicado por vascomendonca em 09:32 PM | Comentários (76) | TrackBack

fevereiro 23, 2007

A natureza não pede para falar com o gerente

Publicado por vascomendonca em 05:47 PM | Comentários (134) | TrackBack

quem é que disse que não se pode combater o flat?

retirado daqui.

Publicado por pedroadãoesilva em 05:10 PM | Comentários (92) | TrackBack

fevereiro 22, 2007

The Caffeine Coast

A Surfer de Março traz um artigo de dez páginas sobre Portugal. Na verdade, dez páginas de fotografias da Ericeira, com oito fotos do Saca. No texto, a certa altura lê-se,
“Tiago is pretty much the Kelly Slater of Portugal surfing, a man who has failed to make the WCT by only the faintest of whiskers about three times. There is no doubt he will, though, and there won’t be a more deserving WCT surfer in that top 45 when he does”. Justo e, esperamos, premonitório.

Publicado por pedroadãoesilva em 04:03 PM | Comentários (8) | TrackBack

fevereiro 17, 2007

May the force be with you

Publicado por manuel castro em 11:17 PM | Comentários (5) | TrackBack

fevereiro 16, 2007

No Trilho II

Nós somos uns tipos especialmente lentos. Não quero acusar ninguém, mas o Vasco, principalmente, é um bocado preguiçoso. O Miguel também é - aliás, se houvesse um concurso para o tipo que faz menos posts neste blogue ele ganhava destacado. Sem querer personalizar muito as minhas críticas, só para disfarçar o essencial, não me posso esquecer do Arruda - apesar dele ter a boa e velha desculpa do "fuso horário" e de "estar no meio do Atlântico".

Já não é novidade para ninguém, mas isso não faz com que deixe de ser menos importante para nós falar sobre isto. Muito pelo contrário.
A maior esperança do surf feminino português, Francisca Pereira dos Santos conseguiu um excelente 25º lugar no primeiro WQS do ano, o Roxy Pro Womens Festival, onde estiveram algumas das melhores surfistas do mundo - basta só falar em Stephanie Gilmore, Melanie Redman-Carr, Sofia Mulanovich, Chelsea Georgeson e Nicola Atherton, para percebermos o nível da coisa.
Merece, por isso, e por tudo o que tem feito nos últimos tempos, os nossos parabéns e incondicional apoio.


Publicado por manuel castro em 04:09 PM | Comentários (6) | TrackBack

estou certo de que fará as maravilhas de muito leitor deste blogue

PHILIPS Simulador do amanhecer Eveil Lumière HF3451/01

A lâmpada Eveil Lumière despertá-lo-á suavemente graças ao seu simulador do amanhecer. Além disso, não terá a sensação de cansaço ou de stress graças à terapia da luz. A Eveil Lumière utiliza uma lâmpada de 75 W com espectro de luz diurna natural que não emite nenhum UV. Este aparelho também dispõe de uma alarme suave e de um canto dos passarinhos para o despertar. Dotado de um ecrã LCD, poderá regular todas as funções do Eveil Lumière. Com o Eveil Lumière estará pleno de energia desde manhã.

Publicado por vascomendonca em 11:08 AM | Comentários (2) | TrackBack

fevereiro 15, 2007

(winter) Surf Music


acompanhar com esta letra.

Publicado por pedroadãoesilva em 03:58 PM | Comentários (0) | TrackBack

fevereiro 13, 2007

fevereiro 12, 2007

Profecias que se auto-realizam

“Ever tried. Ever failed. No matter. Try again. Fail again. Fail better”.
Samuel Beckett

Mundaka, mais um dia sem campeonato. Cada um entretém-se com as suas monomanias. O golfe, as drogas, o sono. Qualquer coisa serve. É o que nos contam os relatos que vão chegando. Dentro de água, nada de particularmente interessante acontece. Quando as ondas finalmente “aparecem”, Nick Carroll – que com Slater compõe o melhor par de comentadores do webcast do circuito – aproveita para contar o desafio que Nathan Hedge lhe havia feito na véspera: remar até ao ilhéu que se avista da pequena vila basca. Carroll baldou-se. Nathan Hedge foi e voltou sozinho. Não passa uma etapa do circuito sem que se atribua ao australiano um feito do género: é sempre o primeiro no line-up, muitas vezes antes do sol nascer. A temporada não lhe tem corrido muito bem, mas Hedgey construiu uma imagem, a da perseverança.

Nos antípodas encontra-se Joel Parkinson. Mestre do estilo, herdeiro legítimo da tradição de linhas perfeitas que tem em Tom Curren o patriarca e em Rob Machado um fiel seguidor. Parko, o surfista de que é impossível não gostar, surfa como mais nenhum outro (digo-o literalmente), com um estilo inimitável, em que tudo parece fácil. Demasiado fácil, dizem alguns. Mesmo Slater revela muito empenho em cada manobra, com dentes cerrados e uma vontade indomável de vencer – só equiparável à de Andy Irons. Parko, Mr. Smooth, pelo contrário, faz parecer tudo simples. Mesmo manobras improváveis são temperadas com uma “coolness” imbatível. No final, perde sempre antes de chegar onde merecia: ao primeiro lugar. É difícil libertar-se da imagem que foi construindo.

O circuito mundial é um circo. E no circo conta o que se faz, mas conta não menos a imagem que se dá ao fazê-lo. E a imagem é como uma profecia que, uma vez inscrita e associada a alguém, acaba por se concretizar. No surf de competição, há os guerreiros e os que não abdicam da sua ideia de surf, mesmo que isso os prejudique competitivamente.
Vem isto a propósito da prestação deste ano do Tiago Pires no WQS. Ponto prévio: o Saca é uma improbabilidade absoluta. Não é suposto Portugal, e mesmo a Europa, produzir um surfista com um nível que ombreia com os melhores dos melhores. Aconteceu por acaso, por talento bruto e, o mais provável, é não voltar a acontecer tão cedo. É espantoso que um português ganhe uma etapa de 5 ou de 6 estrelas. Que isso aconteça mais do que uma vez é quase do domínio do sobrenatural.

Ao longo destes anos, o Saca foi também construindo uma imagem. Uma imagem que já é diferente daquela que dava há uma mão-cheia de anos, quando afirmava que o seu objectivo era ser campeão do mundo. Agora, o Saca é muito mais o surfista que, após a vitória em Ribeira este ano, confessa –numa excelente entrevista à Surf Portugal (nº165) – que aquela foi a primeira etapa do QS em que “podia competir com ondas a sério (...) com tamanho, boa formação, com espaço para surfar” e que estava “feliz com isso”. Mas é também o surfista que espera por uma onda para libertar o seu surf de linhas largas. O problema é que essa onda muitas das vezes não vem, ou, como acontece muitas das vezes, fica a faltar uma segunda, para juntar. Aliás, este ano, no único CT em que entrou, foi isso que aconteceu, depois de uma onda perfeita, ficou a faltar uma segunda nota para derrotar Taylor Knox – o mesmo aconteceu, por exemplo, nos trials de Jeffrey’s contra Sean Holmes.
É por isso que hoje, mais do que ter de provar alguma coisa dentro de água, o que o Saca precisa é de descolar da imagem de que é um surfista de direitas alinhadas e, porventura, pôr um pouco de lado a sua ideia de surf, abdicando dela para passar heats, nas ondas medíocres que predominam no circuito de qualificação. Um pouco menos de Parko e um pouco mais de Hedgey, arriscaria dizer.
Mas, acima de tudo, o que importa é que depois de ter “morrido na praia” há uma temporada – quando foi para o Havaí praticamente dentro do CT –, e sendo inevitável que esta época ficasse marcada por esse facto, o Tiago se liberte da carga de ter estado demasiadamente perto de se ter juntado à elite (lugar onde o seu surf pertence). Para isso ajudará ter a consciência de que as vitórias começam e nascem dos falhanços e que, quem perde, aprende melhor a construí-las, lentamente.

publicado na coluna Sal na Terra da Surf Portugal

(neste momento, com duas etapas disputadas no WQS, o Saca tem 2500 pontos. Um começo de ano excelente. Ficam a faltar cinco resultados equivalentes e estamos ainda em Fevereiro.)

Publicado por pedroadãoesilva em 11:47 AM | Comentários (8) | TrackBack

fevereiro 09, 2007

avançando

Com ondas ao nível da transmissão – sempre a fechar/cair – e sem que fosse possível seguir a evolução das notas, o Saca lá acabou por passar o seu primeiro heat em Fernando de Noronha. Depois de dois dias com boas condições, em que até o webcast funcionou, o campeonato lá voltou ao default (péssima transmissão – o que se vai tornando num hábito nos qs brasileiros) e Noronha voltou a justificar o epíteto: fechando de noronha. Nisto, o Saca lá vai avançando como é preciso avançar.

Publicado por pedroadãoesilva em 02:54 PM | Comentários (8) | TrackBack

fevereiro 08, 2007

A liberdade é o mais precioso dos bens

ondas pelo sim.
Manuel Castro
Miguel Bordalo
Pedro Adão e Silva
Pedro Arruda
Vasco Mendonça

Publicado por pedroadãoesilva em 01:29 PM | Comentários (11) | TrackBack

fevereiro 05, 2007

No trilho

Saca, 9º classificado no Costão Pro, em Floripa = 1375 pontos

Publicado por manuel castro em 01:51 PM | Comentários (9) | TrackBack