" /> O Planeta Diário: fevereiro 2006 Archives

« dezembro 2005 | Main

fevereiro 01, 2006

“As Casas e os Homens” - Exposição de Filomena Custódio


Filomena Custódio apresenta na Casa Pedro Álvares Cabral/Casa do Brasil, em Santarém, a sua mais recente série pictórica intitulada “As Casas e os Homens”, até ao dia 26 de Fevereiro.
O olhar fino da artista percorreu a cidade e as suas ruas, atravessou vielas e largos e transpôs para a tela imagens, cores, sentimentos e emoções de um conjunto de casas e das pessoas que mais as marcaram.

 

É uma visão pessoal da artista, mas é também a visão de um tempo, de muitas vivências de uma sociedade.

No conjunto de obras expostas, incluem-se palácios, como o do Visconde de Andaluz, o de Braamcamp Freire e dos Menezes; chalés, como o de Visconde da Anachoreta,  de Alfredo César Henriques, da Praça da Estação ou o conhecido Chalé Ofélia; casas como a dos comendadores da Ordem de Malta, de Pedro Álvares Cabral, do Marquês Sá da Bandeira, de Alexandre Herculano e Passos Manuel, entre outros, do núcleo de Santarém.

Outro tanto se poderá dizer do conjunto de obras que retratam destacados edifícios de Alpiarça: Chalé da Torre, Casa Vaz de Almada, antiga casa do Conselheiro Figueiredo Leal e antiga casa de José Relvas, para referir apenas alguns exemplos.

Na galeria Municipal de Santarém, a exposição vai ocupar simultaneamente o primeiro andar e o Bar da Casa do Brasil.

Para além dos quadros, vão estar expostos um conjunto de materiais, documentos e objectos pessoais pertença das personalidades associadas às casas.


CICLO DE CONFERÊNCIAS NA CASA DO BRASIL


 
No âmbito da Exposição “As Casas e os Homens” decorrerá um conjunto de quatro conversas, sempre às 18.30 horas, com as quais se procurará conhecer a história de algumas das casas retratadas. Neste sentido, logo dia 2 de Fevereiro, Pedro Canavarro irá contar um pouco da história da Casa Passos Manuel.

É uma oportunidade de ficar a saber alguns segredos e aspectos menos conhecidos da magnífica casa  de onde Garrett se extasiou no deslumbramento do “... mais belo, o mais grandioso, e ao mesmo tempo o mais ameno quadro em que ainda pus os meus olhos.”

Nas semanas seguintes, sempre às quartas-feiras às 18.30 horas, Verónica Santos virá falar-nos da Casa de Alexandre Herculano e da Quinta de Vale de Lobos,  Jorge e João Falcão  irão abordar a antiga Casa Sousa Falcão de Alpiarça e Luís Mata irá tratar do Palácio do Provedor das Lezírias. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Artemrede apresenta no Teatro Sá da Bandeira: RECITAL DE CANTO E PIANO A QUATRO MÃOS -CICLO 1000 ANOS DE MÚSICA

O Teatro Sá da Bandeira, em Santarém vai ser palco de um recital de piano a quatro mãos integrado no “Ciclo 1000 Anos de Música” da Artemrede, no dia 5 de Fevereiro, às 18 horas.

Um grupo de quatro cantores - Ana Ester Neves (soprano) Larissa Savchenko (contralto) Mário João Alves (tenor) Luís Rodrigues (barítono) -   e dois pianistas -  João Paulo Santos e Jaime Mota -  percorre o universo do Lied do século XIX, interpretando obras de Schubert, Hugo Wolf e Schumann, incluindo, deste último, o raríssimo Spanische Liebeslieder op. 138 para quatro vozes e piano a quatro mãos, com poemas de Gil Vicente, Sá de Miranda e Luís de Camões.
Assinalando o cinquentenário da morte de Luís de Freitas Branco, o programa 4 é completado com os Três Sonetos de Antero deste compositor e com Poema de Deus e do Diabo de Alexandre Delgado, sobre texto de José Régio.

Este espectáculo coordenado pelo compositor Alexandre Delgado está integrado no “Ciclo 1000 Anos de Música” que arrancou o ano passado e abrange todas as épocas e estilos, desde a  Idade Média até à actualidade.
Centrada na música de câmara, vocal e instrumental, a programação assinala o cinquentenário da morte do maestro Luís de Freitas Branco e o 3º centenário do nascimento do Judeu (através de uma das suas ópera barrocas de marionetas, As Variedades de Proteu – que já passou por Santarém).
Obras marcantes dos grandes clássicos - de Bach a Beethoven, de Haydn a Schumann, de Schubert a Ravel - surgem a par de obras injustamente negligenciadas e de criações contemporâneas, em concertos comentados pelos próprios intérpretes.
Segundo o compositor Alexandre Delgado,  “o programa 4 é muito especial porque inclui uma obra raramente ouvida, nomeadamente Canções de Amor Espanhol 4as, de Robert  Schumann –  a quatro vozes e piano a quatro mãos. Um dos príncipes, uma das figuras máximas do Romantismo alemão, que curiosamente utilizou, neste ciclo, poesias de Gil Vicente, Sá de Miranda e Camões. É um verdadeiro luxo podermos ouvir uma obra-prima de Schumann inspirada não só em poemas espanhóis, mas também nos nossos autores”.
Alexandre Delgado frisa “temos uma das obras-primas, Três Sonetos de Antero, de Luís Freitas Branco, um dos maiores compositores portugueses de todos os tempos, cujo cinquentenário da sua morte é assinalado este ano. Obras dos anos 30 e 40, em que ele foi, verdadeiramente, a essência de alguns dos mais íntimos e expressivos sonetos de Antero de Quental”.
 
O programa incluiu ainda uma obra do compositor Alexandre Delgado intitulado Poema de Deus e do Diabo, inspirado nos primeiros poemas do livro de José Régio. Um poema em torno da imagem dilacerada do homem que está entre Cristo e o Demónio.
Na segunda parte, quatro cantores reúnem-se para cantar Schumann. “Um verdadeiro néctar, uma oportunidade raríssima para ouvir um repertório densamente deslumbrante”, conclui Alexandre  Delgado. 
 
 
 
 

Biografia de Alexandre Delgado
 
 
O compositor Alexandre Delgado nasceu em Lisboa, em 1965, e estudou na Fundação Musical dos Amigos das Crianças. Aluno de Joly Braga Santos e de Jacques Charpentier, diplomou-se com o 1.º prémio do curso de composição do Conservatório de Nice (1990). É autor da ópera de câmara O Doido e a Morte (1993), cuja estreia dirigiu em Lisboa e em Berlim. Estreou como solista o seu Concerto para violeta e orquestra (2000) em Portugal, Espanha e Holanda. Assina o programa A Propósito da Música na Antena 2, desde 1996. Membro do Quarteto Lacerda e do Moscow Piano Quartet, é director artístico do Festival de Música de Alcobaça, desde 2002.
 
 
 

Santarém | TEATRO SÁ DA BANDEIRA

Informações: 243 309 460

Preço do espectáculo -  Recital de piano a quatro mãos: 8€

Desconto 25% - 6 € (< 25 anos; desempregados; grupos > 11 pessoas)