junho 26, 2007

Outra volta dentro da prisão

Dream, 1984.jpg
                                                          Gilbert and George, Dream, 1984


«O Conselho Europeu de Lisboa, em Março de 2000, estabeleceu como principal objectivo para a política educacional da União produzir um capital humano rentável ao serviço da competitividade económica»

Richard Hatcher - citado neste Nocturno com Gatos em Maio de 2005


«...é necessário pressionar a escola para que forme a mão de obra que convém: numerosa e pouco instruída...»

Manuel Madaleno, citado em Professores Contratados e Desempregados , numa entrada onde muito claramente se explica a perversidade da escola dos resultados e o insucesso *real*, aquele que as estatísticas não dizem, pedra inamovível, fixada ao chão mais raso.



Publicado por sol em 01:17 PM | Comentários (24)

junho 25, 2007

Strange Days

                   
                      The Doors,1967



The_loneliness_ Bostan_Alexander.jpg~
                                                     foto de Bostan Alexander



Publicado por sol em 03:08 AM | Comentários (10)

junho 13, 2007

Evocando Eugénio de Andrade

no dia em que se cumprem dois anos sobre a sua morte, no mesmo dia em que celebramos o aniversário de Fernando Pessoa. Mas hoje Eugénio, o meu primeiro poeta, o primeiro que descobri sozinha, sem intermédio da família ou da escola. Encontro solitário e deslumbrante que selou para sempre uma fidelidade.



                                                                angelo de sousa.JPG

Todos os paraísos tiveram sempre a dimensão do homem, e os deuses que lá habitaram nunca foram mais que o reflexo da sua face branca, da sua face negra. A história dos deuses é o espelho da nossa aflição, da nossa esperança. O paraíso de hoje volta a reflectir as mesmas ilusões: começa a povoar-se de robots. O desamparo inventa sempre uma tábua de salvação: a última é a superstição da técnica. Uma vez mais o homem declina o seu nome, enquanto os deuses mudam de manto e ajeitam a coroa.
Nem cristal nem lixo, mas lixo-e-cristal é o nosso tempo. E não temos outro onde mergulhar as raízes. Nele teremos de acabar de nascer, se algum destino nos foi reservado ou alguma paixão consentida. É um tempo ambíguo, como se sabe: estamos num limiar.
(…)
Que tempo é o nosso? Há quem diga que é um tempo a que falta amor.
Convenhamos que é, pelo menos, um tempo em que tudo o que era nobre foi degradado, convertido em mercadoria. A obsessão do lucro foi transformando o homem num objecto com preço marcado. Estrangeiro a si próprio, surdo ao apelo do sangue, asfixiando a alma por todos os meios ao seu alcance, o que vem à tona é o mais abominável dos simulacros. Toda a arte moderna nos dá conta dessa catástrofe: o desencontro do homem com o homem. A sua grandeza reside nessa denúncia; a sua dignidade, em não pactuar com a mentira; a sua coragem, em arrancar máscaras e máscaras e máscaras. E poderia ser de outro modo? Num tempo em que todo o pensamento dogmático é mais que suspeito, em que todas as morais se esbarrondam por alheias à «sabedoria» do corpo, em que o priviléqio de uns poucos é utilizado implacavelmente para transformar o indivíduo em «cadáver adiado que procria», como poderia a arte deixar de reflectir uma tal situação (...)? Desamparado até à medula, afogado nas águas difíceis da sua contradição, morrendo à míngua de autenticidade — eis o homem! Eis a triste, mutilada face humana, mais nostálgica de qualquer doutrina teológica que preocupada com uma problemática moral, que não sabe como fundar e instituir, pois nenhuma fará autoridade se não tiver em conta a totalidade do ser; nenhuma, em que espírito e vida sejam concebidos como irreconciliáveis; nenhuma, enquanto reduzir o homem a um fragmento do homem.

Eugénio de Andrade, "Resende entre a Angústia e a Esperança", em Os Afluentes do Silêncio, Editorial Inova, Porto, 1974


Publicado por sol em 02:00 PM | Comentários (19)

junho 10, 2007

O Profeta

Pouco antes de morrer
disse ele ao povo:
Deus te dê ira,
que paciência tens demais.

Celso Emílio Ferreira, em Mesa de Amigos, versões de poesia por Pedro da Silveira, Assírio & Alvim, Lisboa, 2002

Publicado por sol em 12:01 AM | Comentários (18)

junho 05, 2007

Pequeno Calendário - 10

joao-04-05.JPG
João, 2005

Publicado por sol em 12:25 AM | Comentários (16)